You are on page 1of 2

UNIDADE 5 O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização TAREFA: Acções futuras decorrentes da auto-avaliação

O Modelo de Auto – Avaliação das


Bibliotecas Escolares: Metodologias de
Operacionalização
(Parte II - 30 de Novembro a 6 de Dezembro)

Acções futuras decorrentes da auto-avaliação

Cristina Alves – T 9
UNIDADE 5 O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização TAREFA: Acções futuras decorrentes da auto-avaliação

Subdomínio D (D3)
Gestão da colecção Acções Futuras
Duas coisas a deixar de fazer Justificação
- Deixar o empréstimo domiciliário de registo manuscrito e só permitir o - Uma única base de dados permite melhor utilização dos recursos,
empréstimo online através do cartão de utente. eficiência e incremento de produtividade.

- Acabar com as restrições do empréstimo domiciliário. Os utilizadores - Maior incentivo à leitura e facilitar o estudo/a pesquisa em ambiente
podem requisitar todo o acervo documental, não limitando o empréstimo familiar.
às obras de literatura.

Duas coisas para continuar a fazer Justificação


- Incentivar a formação para a localização e utilização dos recursos, de - Estas actividades ajudam os alunos a aprenderem a localizar e usar
acordo com o ano de escolaridade (Exemplos: pedi-papers, caças ao os recursos documentais da BE.
tesouro, enigmas, uso do catálogo…)

- Manter a parceria do catálogo online entre as BEs e a BM. - Esta parceria permite ter o catálogo actualizado e disponível para
todos os utentes do concelho. Outro dado importante é que o
utilizador possa localizar o documento pretendido e assim requisitá-lo.
Duas coisas para começar a fazer Justificação
- Produzir instrumentos de apoio ao uso da informação e desenvolver - A equipa produz instrumentos de apoio ao uso da informação para
competências de investigação junto dos utilizadores. que os docentes recorram à documentação para a sua actividade,
incentivando o uso da mesma e apresentando propostas de trabalho.

-Definir uma gestão cooperativa da colecção, a nível concelhio, na É necessário definir uma política de aquisição no agrupamento e com
selecção das obras a adquirir. outras bibliotecas, sobretudo a Biblioteca Municipal. Essa politica
permitirá fazer uma gestão mais adequada do fundo documental e das
verbas disponíveis.

Cristina Alves – T 9