You are on page 1of 2

Exma. Sra.

Presidente da Comissão Executiva Provisória

Os professores e educadores do Agrupamento nº1 de Escolas de Portalegre, reunidos


em assembleia no dia 28 de Janeiro de 2009, reiteram a sua anterior tomada de
posição, em plenário de 26 de Novembro, insistindo na suspensão do actual Modelo
de Avaliação de Desempenho Docente, que continuam a recusar, não obstante as mais
recentes simplificações anunciadas e publicadas pelo Ministério da Educação, por
considerarem o seguinte:

A necessidade sentida pelo Governo, na sequência das enormes manifestações de


descontentamento levadas a cabo pela quase totalidade da classe docente, de
alterações sucessivas do Modelo de Avaliação, mais não é do que um reconhecimento
inequívoco da sua inadequação pedagógica e inaplicabilidade.

O modelo em causa não promove a melhoria das práticas, chegando ao ponto de tornar
opcional o essencial da profissão docente: a sua componente científico -
pedagógica.

As alterações pontuais que foram introduzidas ao Modelo de Avaliação não


alteraram, por um lado, a filosofia que lhe está subjacente, nem o tornaram mais
exequível, por outro. Este documento insiste em não prever o cariz formativo da
avaliação, não promovendo a melhoria das práticas, centrado que está na seriação
de professores para efeitos de gestão de carreira. Trata-se, na prática, de
mudanças meramente superficiais, nuns casos, e apenas temporárias, noutros.

A exequibilidade do processo está desde logo comprometida pela concentração de


competências nos Presidentes dos Conselhos Executivos.

Algumas alterações propostas pelo Governo mantêm o essencial do Modelo,


nomeadamente alguns dos aspectos mais contestados, como a divisão da carreira em
professores e professores titulares, e a existência de quotas para Excelente e
Muito Bom, que, por vedarem a progressão a muitos docentes de elevado
profissionalismo, desvirtua assim qualquer perspectiva dos docentes verem
reconhecidos os seus efectivos méritos, capacidades e investimento na Carreira.

Outras alterações, como o recuo na consideração das classificações dos alunos e/ou
abandono escolar destes, para efeitos de avaliação da prática docente, são
meramente conjunturais, tendo sido afirmado que seriam posteriormente retomados,
em anos lectivos próximos.

Para mais, consideram que a definição e o cumprimento dos Objectivos Individuais,


a cerca de seis meses do final do ano lectivo, sendo que servirão para qualificar
o trabalho realizado por um professor nos dois últimos anos, é uma solução
precipitada que não preenche os requisitos mínimos de transparência, justiça e
honestidade intelectual.

Além destes factores, a implementação do Modelo de Avaliação imposto pelo Governo


significa a aceitação tácita do ECD, que promove a divisão artificial da carreira
em categorias e que a esmagadora maioria dos docentes contesta.
Acontece que os docentes deste agrupamento não aceitam uma solução apenas porque
ela se apresenta aparentemente mais simples e fácil. Pelo contrário, reafirmam que
não abdicam do seu direito a ser avaliados na sua prática lectiva e no seu
desempenho profissional de forma séria, justa e competente, com respeito pelos
princípios de igualdade, equidade e legalidade, de forma a ver reconhecida a sua
competência e preservada a sua honra e dignidade profissionais.

Assim, os professores do Agrupamento nº1 de Escolas de Portalegre, coerentes com


todas as tomadas de posição que têm assumido ao longo deste processo, reafirmam
suspender a sua participação em todos os procedimentos relacionados com a
aplicação dos Decretos Regulamentares 2/2008 e 1-A/2009, recusando totalmente a
entrega dos seus Objectivos Individuais no prazo estabelecido pelo órgão de
gestão, e à semelhança do que tem vindo a suceder em centenas de Escolas e
Agrupamentos de escolas, com as quais nos solidarizamos.

Os professores presentes nesta Reunião Geral de Pessoal Docente aprovaram a


manutenção da suspensão do processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes do
Agrupamento de Escolas nº1 de Portalegre, tendo decidido por maioria (escrutínio
dos votos por voto secreto) não entregar os Objectivos Individuais.

Os professores deste Agrupamento tomam esta decisão na defesa do seu direito a ser
avaliados por um Modelo justo, formativo e que efectivamente promova o mérito
científico-pedagógico. Apelam ainda, e pelos motivos anteriormente expostos, a que
aconteça o mais brevemente possível um processo de revisão do ECD, eliminando a
divisão da carreira em categorias, e que se substitua o actual Modelo de Avaliação
por um modelo consensual e pacífico, que se revele exequível, justo e
transparente, visando a melhoria do serviço educativo público, a dignificação do
trabalho docente, e promovendo assim uma Escola Pública de qualidade.

Portalegre, 28 de Janeiro de 2009