You are on page 1of 5

Aula 4.

A Mensagem e o Texto Publicitário

A linguagem serve para expressar situações, emoções e


sentimentos. Serve para persuadir e ao mesmo tempo informar.

E no caso da publicidade, serve acima de tudo para vender.

O texto publicitário veicula mensagens sobre terminado produto


ou serviço com o intuito, primeiro de tornar este mesmo produto ou
serviço conhecido e depois vendê-lo.

Para vender este produto ou serviço, o texto publicitário tenta


transformar a imagem que o consumidor tem dele em uma nova
imagem.

Mais envolvente, afetiva e vendedora. Mostrando ao consumidor


as suas qualidades e os seus benefícios.

O texto publicitário pode ser:

A) Oral

B) Escrito

1. O Texto Oral.

É o texto radiofônico, o texto televisivo, o texto


cinematográfico, o texto do áudio- visual. O texto oral tem um
vocabulário mais restrito, com emprego de gírias, neologismos e
repetições de palavras.

Nele há a ausência de rigor na colocação pronominal e supressão


de pronomes relativos, como por exemplo, de cujo.

O texto oral permite a utilização de clichês, provérbios,


onomatopéias e chavões. Sendo caracterizado também pelo emprego
restrito de certos tempos verbais.

2. O Texto Escrito.

É o texto do anúncio de jornal, do anúncio de revista, da mala


direta, do outdoor.
É o texto da mídia impressa enfim. É o texto dos quadrinhos, das
fotonovelas, das legendas.

O texto escrito tem um vocabulário mais rico e variado que o oral,


permitindo o emprego de termos técnicos, vocábulos eruditos e
abstratos.

O texto escrito se caracteriza também pelo emprego de pronomes


relativos, frases construídas com rigor gramatical e o emprego de
certos tempos de verbos como o mais-que-perfeito, subjuntivo e o
futuro do pretérito.

Ao contrário do texto oral, o texto escrito tem sintaxe elaborada e


maior rigor na colocação pronominal.

Saber diferenciar estes dois tipos de textos é fundamental para


quem pretende ser um bom redator.

Num anúncio de jornal, por exemplo, você tem mais espaço para
falar sobre o produto ou serviço que anuncia. Se for um anúncio de
revista então, isso significa que você pode e até deve falar mais
sobre o produto que está vendendo.

Agora se o texto que você está escrevendo é para um comercial a


coisa muda de figura.

E muda completamente porque agora você não deve se estender


tanto na explicação sobre o produto. Deve usar mais de idéias de
associações de palavras. Deve ser bem mais sintético.

Ninguém aguenta um texto verborrágico para a TV. É uma das


coisa mais contraproducentes que existem: não vende e ainda
irrita telespectador, afugentando o seu consumidor que irritado,
troca de canal.

Na próxima vez que você for redigir um texto, lembre-se desse


conselho: antes de mais nada, defina bem para que tipo de veículo
você está escrevendo.

Se for para a TV, o Rádio ou Cinema, use o texto oral.

Se fora para um anúncio de mídia impressa, use o texto escrito.

Lembre- se que a linguagem falada, ou texto oral, é mais livre,


mais coloquial, enquanto a escrita, ou texto escrito, é mais formal,
devendo ser portanto melhor trabalhado, mas sempre sem exageros .
Aula 5
Como Redigir um Bom Texto

Ao contrário do texto jornalístico, que é basicamente informativo, o


texto publicitário precisa persuadir o consumidor.

Precisa cativá-lo e seduzi-lo, torná-lo antes de um novo


consumidor, um novo amigo.

Para vender um produto, não escreva como quem vende. Escreva


como quem conversa, aconselha.

Propaganda é antes de mais nada convencimento, é sedução.

E ninguém seduz quando força. Estupra, no mínimo.

Para seduzir, aquele que escreve o texto precisa conhecer muito


bem a língua em que escreve.

Saber escrever, alguém já disse antes, é cortar palavras, montar


um quebra-cabeças. Saber usar adjetivos, trocar palavras de lugar.

Para cumprir estas finalidades o redator deve usar em seu


texto alguns elementos como:

. Clareza

. Precisão

. Objetividade

. Concisão

. Correção

. Coerência

. Criatividade

Redigir um texto é como escrever uma partitura. Como compor


música. Se os parágrafos não estiverem de acordo uns com os outros, o
texto dá um salto. E o leitor percebe: ôpa, tem algo errado aqui !
Ninguém redige nada se não souber argumentar, se não souber
persuadir.

Além disso, para redigir um bom texto você precisa ainda:

. Conhecer o seu público- alvo

. Saber adaptar a sua mensagem ao nível cultural do seu público-


alvo

. Adequar o seu texto ao registro linguístico usado

. Conhecer os interesses e necessidades do seu público –alvo

. Saber para qual veículo você está escrevendo

. Escolher bem a promessa a ser explorada no anúncio

E para terminar aqui vão alguns dados também importantes.

Nos Estados Unidos, os consumidores ficam expostos a uma média


de
700 mensagens comerciais por dia, só na TV.

O problema é que, segundo pesquisas realizadas por uma


renomada empresa de pesquisas americana, 80% desses
telespectadores sequer se lembram, no dia seguinte, de um comercial
visto na noite anterior.

No Brasil, os números não são assim tão diferentes. O consumidor


assiste a algumas centenas de comerciais, mas não se lembra de nada.

A diferença então mesmo fica por conta alguns poucos comerciais


dos quais os telespectadores se lembram – como aquele do Zeca
Pagodinho para uma determinada marca de cerveja e o do Ronaldinho,
para uma outra marca de cerveja concorrente.

A pergunta que logicamente nos vem à cabeça é: por que o


consumidor não se lembra da maioria dos comerciais que assistiu na
noite anterior, mas consegue se recordar de uma minoria de três ou
quatro que também foram veiculados na véspera?

A resposta, meu amigo, é óbvia: porque estes comerciais, além de


super bem sacados, bem redigidos e criativos, com certeza acertaram
em cheio num negócio chamado approach.