You are on page 1of 66

FORNECIMENTO E

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura

Água Fria

Profa. Virgínia Célia Costa Marcelo

• Conjunto de tubulações, equipamentos, reservatórios e dispositivos, destinados ao abastecimento dos aparelhos e pontos de

Conjunto de tubulações, equipamentos, reservatórios e dispositivos, destinados ao abastecimento dos

aparelhos e pontos de utilização de água da edificação, em quantidade suficiente, mantendo a

qualidade da água fornecida pelo sistema de abastecimento. O projeto de instalações hidráulicas deve ter compatibilização com os outros projetos. NBR 5626:1998 (ABNT):

Preservar a potabilidade da água. Fornecimento de forma continua e adequada. Promover a economia de água e energia. Manutenção fácil e econômica. Evitar níveis de ruído inadequados. Proporcionar conforto ao usuário.

• ENTRADA E FORNECIMENTO DE ÁGUA FRIA: • Rede pública ou por um sistema privado; •

ENTRADA E FORNECIMENTO DE ÁGUA FRIA:

Rede pública ou por um sistema privado; Rede pública ramal predial, executado pelo concessionária pública que interliga a rede pública à instalação predial;

O projetista deve obter todas as informações necessárias a cerca da oferta da água antes de solicitar o fornecimento da água.

INSTALAÇÕES DE POÇOS ARTESIANOS:

Poço artesiano convencional: a água permanece dentro do poço e deve ser bombeada para a superfície; Poço surgente : a água jorra naturalmente, por diferença de pressão com a superfície. Perfuração e instalação: avaliação hidrogeológica e, caso seja viável, é elaborado um projeto construtivo da perfuração.

COMPARTIMENTO QUE ABRIGA O CAVALETE medidor de consumo “ hidrômetro” cavalete : canalização existente + registro de gaveta. Projetista deve: estudar o terreno e a posteação para definir a melhor localização do conjunto: hidrômetro, medidor de energia elétrica, caixa de correspondência, campainha com interfone e câmara TV. Os equipamentos de medição de água e energia elétrica serão instalados pelas próprias concessionárias.

MEDIÇÕES DE ÁGUA INDIVIDUALIZADO:

sinônimo de economia de água e justiça social. instalação de um hidrômetro no ramal de alimentação de cada unidade habitacional (racionalizar o uso e combater a inadimplência). vantagens:

Redução do desperdício de água. redução do volume efluente de esgotos. Economia de energia elétrica (redução do volume de bombeamento). inadimplência. Identificação de vazamentos de difícil percepção.

PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL:

ramal predial cavalete (hidrômetro). Alimentador predial. Reservatório inferior. Sistema de recalque. Reservatório superior. barrilete. Colunas de distribuição. Ramais e sub-ramais de distribuição.

OBS: Em residências domiciliares não há necessidade de instalar reservatório inferior e sistema de recalque.

• SISTEMAS DE ABASTECIMENTO: DIRETO, INDIRETO E MISTO • DIRETO: Alimentação da rede predial é feita

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO: DIRETO, INDIRETO E MISTO

DIRETO: Alimentação da rede predial é feita diretamente pela rede pública; Vantagem: baixo custo de instalação. Desvantagem : Falta de água caso haja interrupção no fornecimento de água no sistema público.

INDIRETO: adota-se o uso de reservatórios.

Indireto sem bombeamento: Quando a pressão na rede pública é suficiente para alimentar o reservatório superior.

Vantagem: A água do reservatório garante o abastecimento interno, mesmo

que o fornecimento da rede pública seja interrompido provisoriamente. Sistema mais utilizado em edificações de até três pavimentos ( 9 m de altura até o reservatório).

INDIRETO COM BOMBEAMENTO: Quando a pressão da rede pública não é suficiente para alimentar diretamente o reservatório superior ( Ex: edificações com mais de três

pavimentos, acima de 9 m).

INDIRETO HIDROPNEUMÁTICO: Requer equipamento para pressurização da água a partir de um reservatório inferior. • Adotado

INDIRETO HIDROPNEUMÁTICO: Requer equipamento para pressurização da água a partir de um reservatório inferior. Adotado sempre que há necessidade de pressão em determinado ponto da rede. Demanda cuidados especiais. Custo adicional. Manutenção periódica. caso falte energia na edificação, ele fica inoperante, necessitando de gerador alternativo para funcionar.

• DISTRIBUIÇÃO MISTA: Sistema mais usual e mais vantajoso que os demais, pois algumas peças podem

DISTRIBUIÇÃO MISTA: Sistema mais usual e mais vantajoso que os demais, pois algumas peças podem ser abastecidas diretamente pela rede pública (torneiras externas, tanques em área de serviço ou edículas, situadas no pavimento térreo)

O reservatório interno alimenta os diversos ponto de consumo por gravidade. A altura do reservatório com

O reservatório interno alimenta os diversos ponto de consumo por gravidade. A altura do reservatório com relação à via pública não deve ser superior a 9m para o abastecimento direto. Quando o reservatório não pode ser alimentado direto pela rede pública, deve-se utilizar um sistema de recalque ( mínimo dois reservatórios, conjunto de bombas e motor).

• Reservatório superior • Localizam-se habitualmente na cobertura próximos ao ponto de abastecimento devido a perda

Reservatório superior Localizam-se habitualmente na cobertura próximos ao ponto de abastecimento devido a perda de carga e economia. Reservatórios com capacidade acima de 2000 litros devem ser localizados sobre o telhado com uma estrutura própria. Em residências de pequeno e médio porte o reservatório pode ficar sob o telhado. Na instalação e execução ficar atento a facilidade de acesso (portas e escadas independentes).

Reservatório inferior. • Necessário em prédios com mais de 3 pavimentos. • Instalado em locais de

Reservatório inferior.

Necessário em prédios com mais de 3 pavimentos. Instalado em locais de fácil acesso, isolado e afastado da rede de esgoto. No subsolo a tampa deve ser elevada 10 cm e nunca rente ao piso. Prever um espaço físico para casa de bombas, suficiente para a instalação de dois conjuntos de bombas. Tipos de bombas : sucção e afogada

NBR 5626 – CAPACIDADE DO RESERVATÓRIO • Padrão de consumo. • Frequência e duração de interrupções

NBR 5626 CAPACIDADE DO RESERVATÓRIO Padrão de consumo. Frequência e duração de interrupções do abastecimento. Capacidade mínima de 500 litros. É recomendável dimensionar o reservatório para dois dias de consumo. Uma pessoa consume no Brasil uma média de 50 litros a 200 litros de água por dia. 200 l/dia de forma racional, vive-se confortavelmente. Para calcular o consumo diário: pressão, vazão, quantidade, frequência de utilização dos aparelhos, população, condições socioeconômicas, clima, etc.

• CD (consumo diário) = P (população) x Q (consumo per capita – litros/dia). • CR

CD (consumo diário) = P (população) x Q (consumo per capita litros/dia). CR (capacidade do reservatório) = 2 x CD. Reservatório inferior = 60%CR. Reservatório superior = 40%CR.

Exemplo: Calcular

a

capacidade dos

reservatórios de um edifício residencial

de 10 pavimentos, com 2 apartamentos por pavimento, sendo que cada

apartamento possui 2 quartos

e

uma

dependência

de

empregada.

Adotar

reserva

de

incêndio de 10000 litros,

prevista para

ser

reservatório superior.

armazenada no

•São reservatório executado na própria obra e podem ser de alvenaria, concreto armado, etc. • Os
•São reservatório executado na própria obra e podem ser de alvenaria,
concreto armado, etc.
• Os reservatórios de concreto devem ser executados de acordo com a NBR 6118
•São construídos basicamente de fibrocimento, metal, polietileno ou fibra de vidro •Capacidade máxima de 1000l a
•São construídos basicamente de fibrocimento, metal, polietileno ou fibra de vidro
•Capacidade máxima de 1000l a 2000l;
•Mais utilizados: fibra de vidro e PVC
• Os reservatórios devem ser instalados sobre uma base estável que resista aos esforços sobre
ela atuantes .
•A altura do reservatório é determinante no cálculo das pressões dinâmicas nos pontos de consumo; •A
•A altura do reservatório é determinante no cálculo das pressões dinâmicas nos pontos de consumo; •A
•A altura do reservatório é determinante no cálculo das pressões dinâmicas nos pontos
de consumo;
•A altura do barrilete deve ser calculada pelo engenheiro hidráulico e compatibilizada com a
altura estabelecida no projeto arquitetônico;
• A pressão estática nas edificações com vários pavimentos não pode ser superior a 40m de
coluna d´água
•A localização inadequada do reservatório no projeto arquitetônico também pode interferir na pressão da água nos
•A localização inadequada do reservatório no projeto arquitetônico também pode
interferir na pressão da água nos pontos de utilização que está relacionado com o
percurso da água na rede de distribuição (perda de carga nas canalizações:
•Diminuir o número de conexões;
•Encurtar o comprimento o comprimento das canalizações;
•Localizar o reservatório o mais próximo possível dos pontos de consumo
CONCEITOS FUNDAMENTAIS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS
•FORÇA , PRESSÃO E PERDA DE CARGA. Quando uma força é aplicada sobre uma área, ocorre
•FORÇA , PRESSÃO E PERDA DE CARGA.
Quando uma força é aplicada sobre uma área, ocorre o que chamamos de pressão.
A pressão que a água exerce sobre um superfície qualquer só depende da altura.
Unidade de medida = Kgf/cm2
1Kgf/cm2 é a pressão exercida por uma coluna de 10m
de altura, ou seja 10 metros de coluna d´água (m.c.a), ou 100.000Pa
Exemplo: Em um edifício de 10 andares foi medida a pressão no lavatório através de um
manômetro e a leitura indicou 2Kgf/cm2. Qual é exatamente a diferença de altura existente entre o
nível da torneira e o da caixa d´água?

Termodinâmica - Van Wiley, Borna, Sontag - Capítulo 1

Pressão estática, dinâmica e de serviço
Pressão estática, dinâmica e de serviço
 Pressão estática – pressão da água quando ela está parada dentro da tubulação. O seu
Pressão estática – pressão da água quando ela está parada dentro da tubulação. O seu
valor é medido pela altura que existe entre, por exemplo, o chuveiro e o nível de água no
reservatório superior.
NBR 5626 – Em instalação predial de água fria, em qualquer ponto, a pressão estática
não deve ultrapassar 40 m.c.a.
 Pressão dinâmica – é a pressão verificada quando a água está em movimento. Também pode
Pressão dinâmica – é a pressão verificada quando a água está em movimento. Também
pode ser medida através de um manômetro. Depende do percurso e do diâmetro das
tubulações. PD = PE – PC (perda de carga)
Pressão de serviço – pressão máxima que podemos aplicar em um tubo, conexão,
válvula ou outro dispositivo, quando em uso normal.
NBR 5626 – “ o fechamento de qualquer peça de utilização não pode provocar sobre-
pressão em qualquer ponto da instalação que seja maior que 20 m.c.a. acima da pressão
estática nesse ponto.
a pressão de serviço não deve ultrapassar 60m.c.a, pois é o resultado da máxima
pressão estática (40 m.c.a) somada a sobre-pressão ( 20 m.c.a.)
Golpe de Ariete e Perda de carga
Golpe de Ariete e Perda de carga
 Golpe de Ariete – Fenômeno que ocorre nas tubulações dos sistemas hidráulicos, quando a água
 Golpe de Ariete – Fenômeno que ocorre nas tubulações dos sistemas hidráulicos,
quando a água ao descer com velocidade elevada , é bruscamente interrompida,
provocando golpes de grande força (elevações de pressão) nos equipamentos da
instalação.
 Perda de Carga – A turbulência provocada nas conexões e a rugosidade das pardes dos
Perda de Carga – A turbulência provocada nas conexões e a rugosidade das pardes dos
tubos, dificultam o escoamento da água, o que gera perda de energia. Podemos dizer que
“ o liquido perdeu pressão” , ou seja, “ houve perda de carga”.
Distribuída – é aquela que ocorre ao longo da tubulação pelo atrito da água com as
paredes do tubo (quanto maior o tubo e menor o diâmetro maior a perda de carga).
Localizada – Quando a água sofre muitas mudanças de direção como por exemplo
nos joelhos, reduções, tês, ocorre uma perda de carga localizada.
Posicionar corretamente o reservatório para compensar a perda de carga e não ocorra um comprometimento das
Posicionar corretamente o reservatório para compensar a perda de carga e não ocorra um comprometimento das

Posicionar corretamente o reservatório para compensar a

perda de carga e não ocorra um comprometimento das

pressões dinâmicas nos pontos de utilização.

Barrilete - Conjunto de tubulações que se originam no reservatório e do qual se derivam as
Barrilete - Conjunto de tubulações que se originam no reservatório e do qual se
derivam as colunas de distribuição.
 Barrilete concentrado – tem a vantagem de abrigar os registros de operação em uma área
 Barrilete concentrado – tem a vantagem de abrigar os registros de operação em uma
área restrita, facilitando a segurança e o controle do sistema, possibilitando a criação de
um local fechado.
Barrilete ramificado – é mais econômico, possibilita uma quantidade menor de
tubulações junto ao reservatório, os registros são mais espaçados e colocados antes do
início das colunas de distribuição.
Colunas, ramais e sub-ramais  As colunas derivam do barrilete, descem na posição vertical e alimentam
Colunas, ramais e sub-ramais  As colunas derivam do barrilete, descem na posição vertical e alimentam
Colunas, ramais e sub-ramais
 As colunas derivam do barrilete, descem
na posição vertical e alimentam os ramais.
Os ramais alimentam os sub-ramais das
peças de utilização.
Cada coluna deve conter um registro de
gaveta posicionado antes do primeiro ramal.
Deve-se utilizar coluna exclusiva para
válvulas de descarga.

Registro de Gaveta

Registro de Gaveta
Registro de Gaveta

Exemplos

Registro

de pressão

Exemplos Registro de pressão
Exemplos Registro de pressão
DISPOSITIVOS CONTROLADORES DE FLUXO  dispositivos destinados a controlar, interromper e estabelecer o fornecimento da água
DISPOSITIVOS CONTROLADORES DE FLUXO
 dispositivos destinados a controlar, interromper e
estabelecer o fornecimento da água nas tubulações e
nos aparelhos sanitários.
Confeccionados em bronze, ferro fundido, latão e pvc,
satisfazendo as especificações das normas vigentes.
Os mais importantes são:
Torneiras.
Misturadores.
Registro de gaveta (que permitem a abertura ou
fechamento de passagem de água pela tubulação).
Registros de pressão (regulagem da vazão).
Válvulas de retenção (utilizada para que a água
flua somente em um determinado sentido)
Válvula de alívio ou redutoras de pressão
(mantém constante a pressão de saída na
tubulação, já reduzida a valores adequados
• A altura ideal dos registros de pressão dentro do box do chuveiro deve ser entre

A altura ideal dos registros de pressão dentro do box do chuveiro deve ser entre 100 e 110 cm em relação ao piso acabado. A altura do registro de pressão para banheira de hidromassagem é variável, pois depende das especificações do fabricante.

Os detalhes isométricos são elaborados nas escalas 1:20 ou 1:25. Desenham-se com traços finos os contornos
Os detalhes isométricos são elaborados nas escalas 1:20 ou 1:25. Desenham-se com traços finos os contornos
Os detalhes isométricos são elaborados
nas escalas 1:20 ou 1:25.
Desenham-se com traços finos os
contornos das paredes e marca-se a
posição das portas e janelas.
As cotas são dispensáveis
 os aparelhos sanitários , tubulações e
registros são representados por traços
mais espessos.
Traça-se a planta cega do compartimento com esquadro de 60º. Locam-se os eixos dos pontos de
Traça-se a planta cega do
compartimento com esquadro de 60º.
Locam-se os eixos dos pontos de
consumo de água.
Traça-se uma linha pontilhada do eixo
das peças até a altura dos pontos de
consumo.
Traçam-se os ramais internos, unindo
os pontos de consumo.
Indicam-se, nos ramais e sub-ramais,
os diâmetros correspondentes.
ALTURA DOS PONTOS BS - bacia sanitária c/válvula 33cm BCA – bacia sanitária c/caixa acoplada 20

ALTURA DOS PONTOS

BS - bacia sanitária c/válvula

33cm

BCA bacia sanitária c/caixa acoplada

20

cm

DC ducha higiênica

50

cm

BI Bidê

20cm

Banheira de hidromassagem

30

cm

CH chuveiro ou ducha

220

cm

LV lavatório

60cm

MIC mictório

105

cm

MLR máquina de lavar roupa

90cm

MLL máquina de lavar louça

60

cm

pia

110

cm

TQ tanque

115

cm

TL torneira de limpeza

60cm

TJ torneira de jardim

60cm

RP Registro de pressão

110

cm

RG registro de gaveta

180

cm

VD válvula de descarga

110

cm

Instalações Hidráulicas

e o Projeto de Arquitetura

Capítulo 2 Água Quente

NBR 7198

Os principais usos de água quente nas instalações prediais e as temperaturas convenientes, nos pontos de

Os principais usos de água quente nas instalações

prediais e as temperaturas convenientes, nos pontos

de utilização.

Estimativa de consumo

Estimativa de consumo

SISTEMA

PREDIAL

DE ÁGUA

QUENTE

O sistema predial de água quente é formado pelos seguintes componentes:

  • 1. Tubulação de água fria para alimentação do sistema de água quente - não podem estar conectados a barriletes, colunas de distribuição e ramais que alimentam as válvulas de descarga e não podem ser de PVC, pois devem aguentar temperatura máxima admissível de 70ºC

  • 2. Aquecedores que podem ser de passagem (ou instantâneos) ou acumulação.

  • 3. Dispositivos de segurança os próprios sistemas básicos de comando automático, para ligar ou desligar o aquecedor, já servem como controladores de temperatura.

    • 1. Sistema automático do aquecedor de acumulação aciona ou interrompe o aquecimento, comandado por tremostato.

    • 2. Termostato de segurança no aquecedor de acumulação calibrado para uma temperatura um pouco mais alta que a do termostato do sistema automático, destina-se a funcionar como um limitador adicional em caso de falha do automático.

    • 3. Dispositivo automático hidrodinâmico do aquecedor instantâneo controla a abertura ou a passagem de energia.

  • 4. Tubulação de distribuição de água quente.

  • 5. Dispositivo de utilização (chuveiro, ducha, torneiras de pia, lavatório, tanque).

  • SISTEMAS DE AQUECIMENTO

    SISTEMAS DE AQUECIMENTO • Aquecimento individual - quando alimenta uma única peça de utilização. o local

    Aquecimento individual - quando alimenta uma única peça de utilização. o local quando pequenos aquecedores elétricos ou a gás alimentam um único compartimento sanitário. Aquecimento Central Privado quando atendo somente uma unidade habitacional. Ex: aquecedor de acumulação.

    SISTEMAS DE AQUECIMENTO • Aquecimento individual - quando alimenta uma única peça de utilização. o local
    SISTEMAS DE AQUECIMENTO • Aquecimento individual - quando alimenta uma única peça de utilização. o local

    Aquecimento Central Coletivo quando um único conjunto de aquecimento alimenta várias unidades habitacionais ou de comércio e serviços. Ex: edifício residencial, hotel, motel, hospital, etc.

    TIPOS DE AQUECEDORES: direto ou indireto, de

    passagem ou acumulação

    Fontes de calor empregada: eletricidade, gás ou energia solar.

    • 1. Aquecedores elétricos - tipos: aquecimento de passagem e por acumulação. Aquecimento elétrico de passagem dispositivos interpostos na tubulação para o

    aquecimento instantâneo da água. Ex: chuveiro elétrico, torneira elétrica e

    aquecedores automáticos de água quente.

    Aquecedores elétrico por acumulação (“ boiler elétrico”) – a água é aquecida para posterior consumo. Possibilita o uso com mais vazão nos chuveiros ou em qualquer outro ponto de utilização.

    Vantagens: compactos e fáceis de instalar, dispensando tubulações.

    Desvantagens: custo do kW, baixa pressão e pouca vazão.

    Respiro – é um elemento de segurança que tem a finalidade de evitar o aumento de

    Respiro é um elemento de segurança que tem a finalidade de evitar o aumento de pressão de vapor no caso da ocorrência de um superaquecimento. Ou Válvula da alívio ou pressão tem por finalidade expulsar o vapor d´água quando ocorre um superaquecimento através do deslocamento do pistão. Quando a pressão interna é maior que a pressão para a qual o pistão foi regulado, este se desloca e permite a expulsão do vapor d´água pela abertura da válvula, aliviando a pressão do sistema.

    AQUECEDOR A GÁS

    NBR 7198 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE. NBR 13103 ADEQUAÇÃO DE AMBIENTES RESIDENCIAIS PARA INSTALAÇÃO DE APARELHOS QUE UTILIZAM GÁS COMBUSTÍVEL.

    Alimentados pelo reservatório superior de água fria ou por dispositivo de pressurização.

    Vantagens: melhor pressão de água e água quente para uso imediato.

    Desvantagem: risco de vazamento

    Tipos: de passagem e acumulação

    DIMENSIONAMENTO DAS INSTALAÇÕES DE ÁGUA QUENTE

    Quantas pessoas residem na casa? Quantos quartos têm a casa? Haverá banheiras? Em caso positivo, quantas são e qual o volume de cada uma?

    Haverá máquinas da lavar louças? Será necessário água quente na pia da cozinha ou tanque? Ou somente nos aparelhos sanitários?

    Quantos empregados trabalham no local?