You are on page 1of 11

Texto de Apoio PSICOLOGIA B - 12º ANO

Sistema Nervoso
Síntese

OUT 2008
SISTEMA NERVOSO

Divisões do Sistema Nervoso


Protegido por estruturas ósseas – a coluna e o crânio – o sistema nervoso central engloba o encéfalo e a espinal medula.

Sem qualquer protecção óssea, o sistema nervoso periférico é constituído pelos nervos dos sistemas somático e autónomo.
O sistema nervoso somático é a via (rede) de transmissão de mensagens entre o encéfalo e os sistemas motor e sensorial,
ligados aos músculos esqueléticos; o sistema nervoso autónomo é a via de comunicação entre o encéfalo e os órgãos
internos do corpo.

JB 2
SISTEMA NERVOSO

Espinal Medula e os Actos Reflexos


A espinal medula é uma das grandes divisões do sistema nervoso central. Desempenha duas funções: coordenadora e
condutora. A função coordenadora diz respeito ao controlo de actos reflexos, isto é, de respostas involuntárias, automáticas e
de tal modo rápidas que na sua elaboração não intervêm o cérebro ou o encéfalo. A função condutora significa que é a espinal
medula que conduz a informação do meio interno ou externo para o cérebro ou encéfalo e deste para o resto do organismo
(sobretudo músculos e glândulas).
A espinal medula é o elo de ligação entre o encéfalo e o sistema nervoso periférico.
Dada a sua função condutora, intervém em movimentos ou comportamentos voluntários. Dada a sua função coordenadora,
emite respostas involuntárias, os chamados reflexos espinais (em muitos casos, um importante mecanismo de defesa contra
agressões do meio).
Os actos reflexos são movimentos simples e automáticos coordenados pela espinal medula e que ocorrem sem envolvimento do
cérebro. Implicam a participação de nervos sensoriais (que comunicam a sensação à espinal medula), de nervos de conexão
(que ligam a informação no interior da espinal medula) e de nervos motores ou eferentes (que transmitem aos músculos o sinal
para reagirem adequadamente ao estímulo).

Estruturas Encefálicas Subcorticais

Situado imediatamente acima da espinal medula, o bolbo raquidiano desempenha um papel importante em funções vitais
autónomas como a respiração, o ritmo cardíaco ou a pressão arterial.
O cerebelo, também chamado pequeno cérebro, desempenham um papel importante em duas funções: manutenção da posição
e do equilíbrio do corpo e controlo e coordenação de actos motores complexos e rápidos (controla portanto a actividade
muscular).
A estrutura nervosa que regula a nossa capacidade de atenção e que, através da sua capacidade de filtragem e selecção de
informação, evita que o cérebro fique sobre carregado, tem o nome de formação reticular. Tem também o nome de sistema
reticular activante. Por ele passam todos os estímulos sensoriais antes de chegarem ao córtex cerebral. Ao provocar neste um
estado de alerta, a formação reticular torna possível que a informação por ele filtrada seja identificada pelo cérebro.
Desempenha também um papel importante na regulação dos estados de vigília e de sono, nos fenómenos da atenção e da
distracção e nas funções da memória.
O tálamo é o centro de retransmissão da maioria das mensagens sensoriais, encaminhando-as para as zonas apropriadas no
córtex cerebral. Recebe também informações do córtex cerebral transmitindo-as ao cerebelo e bolbo raquidiano. Está também
associado à regulação dos estados de vigília e de sono.
Igualmente associada à regulação dos estados de vigília e de sono está uma estrutura de pequena dimensão, mas com uma vasta
gama de funções. Essa estrutura nervosa tem o nome de hipotálamo. É responsável por várias funções vitais que fazem dele o
guardião do corpo. Regula necessidades básicas como a fome, a sede, o impulso sexual; controla a circulação sanguínea e a
distribuição de sangue no cérebro; controla a agressividade e as emoções; está associada aos comportamentos motivados; regula
a temperatura corporal e o metabolismo.
O hipotálamo gere também os recursos energéticos do organismo ao regular e activar a divisão simpática do sistema nervoso
autónomo e o metabolismo.
O sistema límbico é considerado o cérebro das emoções. Nele há a destacar o papel de duas estruturas: a amígdala e o hipocampo.
A amígdala influencia comportamentos agressivos e emoções como a cólera e o medo. É igualmente responsável pela
identificação do conteúdo emocional das expressões faciais.
O hipocampo desempenha um papel importante na conservação e retenção de informações. A sua importância reside
sobretudo na retenção de novas memórias.

JB 3
SISTEMA NERVOSO

Áreas Corticais e Suas Funções

CÓRTEX VISUAL

Área Primária Área Secundária


Função Disfunção Função Disfunção
A área sensorial ou Se esta área for lesionada, Coordenar os estímulos visuais A danificação da área
primária do córtex visual perde-se a capacidade de ver e identificar e reconhecer o que psicovisual ou área secundária
tem como função receber – cegueira cortical se vê. Esta é a função global. do córtex visual provoca a
as informações captadas Tem além disso uma função agnosia visual. É a
pelos olhos. particular: o reconhecimento da impossibilidade, não de ver,
palavra escrita. mas de reconhecer e de
identificar o que é visto. Uma
lesão no centro visual das
palavras ou de
reconhecimento da palavra
escrita provoca cegueira verbal
ou alexia. Vendo os sinais
gráficos que constituem as
letras somos incapazes de as
reconhecer e, por conseguinte,
de compreender o que está
escrito.

CÓRTEX AUDITIVO

Área Primária Área Secundária


Função Disfunção Função Disfunção
A função da área primária Uma lesão nesta área produz Analisar, identificar e Uma lesão na área secundária
ou sensorial do córtex surdez cortical, isto é, a interpretar os dados auditivos do córtex auditivo provoca
auditivo é a de receber as incapacidade de ouvir som (por exemplo, distinguir a agnosia auditiva, isto é,
informações e impressões palavra falada da palavra incapacidade de reconhecer e
auditivas cantada). identificar os sons que
Junto da área secundária do ouvimos.
córtex auditivo situa-se a área Uma lesão na área de
de Wernicke, a área auditiva da Wernicke provoca surdez
linguagem, cuja função é verbal ou afasia de Wernicke:
compreender e dar sentido à não impede que a pessoa fale
palavras pronunciadas por (mas o discurso não tem
outras pessoas. sentido) e, sobretudo, torna
muito difícil compreender o
que nos dizem.

JB 4
SISTEMA NERVOSO

CÓRTEX SOMATOSSENSORIAL

Área Primária Área Secundária


Função Disfunção Função Disfunção
A área primária do córtex Uma lesão na área A função da área secundária do Uma lesão na área secundária
somatossensorial tem somatossensorial primária córtex somatossensorial é a de do córtex somatossensorial
como função receber as do córtex provoca a localizar as sensações no corpo provoca a agnosia
sensações do corpo anestesia cortical, a e distinguir as sensações quanto somatossensorial ou
(térmicas, álgicas, tácteis) incapacidade de na área à qualidade intensidade. somatestésica. Não se fica
e mensagens relativas à correspondente do corpo incapaz de receber estímulos
consciência da localização sentir os estímulos (perda da (não se perde a sensibilidade)
das diversas partes do sensibilidade ou à dor ou ao mas sim de os localizar
corpo frio e ao calor e a estímulos correctamente no corpo e de
tácteis). distingui-los quanto à
qualidade e intensidade.

CÓRTEX MOTOR

Área Primária Área Secundária


Função Disfunção Função Disfunção
A função da área sensorial Uma lesão na área primária A função da área secundária do Uma lesão na área secundária
ou primária do córtex do córtex motor – área córtex motor – área motora do córtex motor provoca
motor é controlar a motora primária – provoca secundária ou psicomotora – é a apraxia. É a incapacidade de
realizar os movimentos paralisia cortical, ao nível da de organizar e ajustar na organizar movimentos na
corporais, sobretudo os motricidade fina. A paralisia sequência apropriada os sequência devida. Cada
mais finos, variados e ocorre na parte movimentos que realizamos. movimento isolado é
complexos. correspondente do lado Cada acto é uma sequência de realizado, mas não se
oposto do corpo, dado que o pequenos actos que devem ser consegue integrá-lo na
hemisfério direito controla a ligados na sequência necessária. sequência motora ajustada,
zona esquerda do corpo e o Por exemplo, o acto de vestir pelo que qualquer acto ou
hemisfério esquerdo, a zona implica não só ser capaz de tarefa precisos é um fracasso.
direita do corpo. calçar as meias, os sapatos, Uma lesão na área da escrita
vestir a camisa, o casaco, mas provoca agrafia, a
também conseguir coordenar incapacidade de escrever.
tais movimentos. Uma lesão na área de Broca
Na área secundária do córtex provoca afasia, a abolição
motor situam-se a área da total da fala ou então uma
escrita (transmite o pensamento fraca articulação e dificuldade
através de sinais gráficos) e a na formação de palavras.
área de Broca (área motora da
linguagem) envolvida na
produção do discurso oral.

Em termos gerais quando se fala de áreas funcionais do córtex, distinguem-se dois tipos: as áreas primárias, sensoriais ou de
projecção (recebem as informações dos órgãos dos sentidos) e as áreas secundárias, psicossensoriais ou de associação
(identificam, reconhecem, interpretam e coordenam as informações recebidas pelas áreas sensoriais).

JB 5
SISTEMA NERVOSO

O Córtex Pré-Frontal – Uma Área Muito Especial

O córtex pré-frontal, assim chamado porque se situa na parte anterior dos lobos frontais, ocupa uma grande extensão destes
lobos frontais. É de extrema importância porque é responsável pela integração e coordenação de muitas estruturas corticais e
subcorticais (tálamo, hipotálamo, por exemplo), dos comportamentos emocionais e intelectuais.
O córtex pré-frontal é, por isso mesmo, o núcleo da nossa personalidade. A ele devemos capacidades como o pensamento
abstracto, a imaginação criadora, a reflexão, a resolução de problemas, planear e modificar o curso de uma acção, prever e
antecipar os seus resultados ou consequências. É a ele que recorremos para resolver um complicado problema de matemática,
para planear uma viagem, para criar uma obra artística. Sem ele, não teríamos doutrinas científicas, morais, religiosas, jurídicas
nem inventos tecnológicos nem produções artísticas e literárias.
Mas isto não esgota a riqueza invulgar do córtex pré-frontal. Ele é também o nosso centro emocional, o centro das decisões sem
as quais a vida seria um impasse. O córtex pré-frontal é o monitor do nosso comportamento emocional e afectivo. O córtex pré-
frontal regula a nossa personalidade individual, isto é, as características fundamentais que fazem de cada um de nós um ser
único, inconfundível e distinto.

JB 6
SISTEMA NERVOSO

Unidade Funcional do Cérebro


Embora no cérebro haja estruturas que parecem estar especializadas em determinadas funções, a verdade é que o cérebro
funciona com uma unidade. Esta unidade funcional significa que cérebro não é constituído por áreas absolutamente
independentes umas das outras como se fossem compartimentos estanques. Duas situações tornam evidente esta unidade
funcional:
1. A função vicariante ou de suplência do cérebro;
2. A colaboração e coordenação entre diversas áreas para assegurar uma dada função (normalmente complexa)
A função vicariante ou de suplência do cérebro
significa que, em alguns casos, uma área próxima da
lesionada ou danificada a substitui recuperando a
função que aquela desempenha. A área danificada
permanece danificada, mas outra área, até aí com
funções diferentes, passa a desempenhar as funções
das células lesionadas (é o caso relativamente
frequente da recuperação da fala após uma trombose
cerebral).
A colaboração e coordenação entre diversas áreas do
encéfalo significa que em virtude da complexidade
de determinadas funções é necessária a participação
conjugada de várias áreas do encéfalo (sincronização
e integração de funções).
Por exemplo, na realização de um teste escrito estão
envolvidos diferentes processos e comportamentos
que exigem o contributo de várias regiões cerebrais
(encefálicas):
• Para manter o equilíbrio e a posição do
corpo é necessário que o cerebelo esteja funcional;
• A coordenação motora necessária ao acto de escrever implica a actuação de várias áreas encefálicas: escrever rápido e
de forma legível exige a participação do cerebelo; ajustar sequencialmente os diversos movimentos do acto de escrever
(colocar a folha de teste na mesa, tirar a tampa da caneta, etc.) implica o bom funcionamento da área psicomotora do
córtex motor (situado nos lobos frontais).
• Planear e organizar com imaginação e criatividade uma resposta de desenvolvimento requer a participação do córtex
pré-frontal ou das áreas pré-frontais do córtex (responsáveis por funções superiores e pela unificação da actividade
cerebral);
• Poder realizar movimentos com a mão (a área primária do córtex motor deve estar funcional), ser capaz de ver (área
primária do córtex visual), reconhecer e interpretar os estímulos presentes no enunciado do teste (área secundária do
córtex visual) e não ter esquecido a matéria (hipocampo)

Hemisférios Direito e Esquerdo do Cérebro

Um grande número de investigações centra-se na questão das diferenças funcionais entre os hemisférios esquerdo e direito do
cérebro. Embora anatomicamente parecidos, eles revelam algumas diferenças interessantes entre si.
Em termos gerais, podemos dizer que a linguagem, a capacidade analítica e de cálculo lógico-matemático e a organização
sequencial da informação pertencem ao hemisfério esquerdo. A linguagem, o domínio da fala e da escrita, é considerada a
função mais importante do hemisfério esquerdo. E como a nossa cultura gira em torno da linguagem, considera-se o hemisfério
esquerdo como o hemisfério dominante.

JB 7
SISTEMA NERVOSO

Contudo, o hemisfério direito é também muito importante. Em termos gerais, a ele devemos a função visual, a comunicação
não-verbal (mímica, sorrisos, olhares), a capacidade criativa e a imaginação. Se o hemisfério esquerdo domina no âmbito da
matemática e da lógica, o hemisfério direito domina no âmbito da arquitectura, da geografia, da arte, do cinema, da dança e da
música.
Apesar destas diferenças específicas, não podemos concluir que a cada faculdade mental corresponde uma área separada do
cérebro. Na maioria dos casos, o cérebro funciona como um todo, ou seja, devemos ter em conta a plasticidade ou flexibilidade
do cérebro. Sobretudo, temos de não esquecer que uma faculdade específica nunca se exerce de facto sem o contributo de
outras. Por exemplo, pode ser necessário um bom poder analítico para mostrar criatividade (neste caso, a criatividade, de facto
exige os dois hemisférios).

Distúrbios da Linguagem: as áreas de Broca e de Wernicke

As duas áreas do córtex cerebral responsáveis respectivamente pela produção do discurso oral (fala) e pela compreensão do
discurso oral são as áreas de Broca e de Wernicke.
A área de Broca, descoberta em 1861 pelo neurocirurgião francês a que deve o nome, situa-se no lobo frontal do hemisfério
cerebral esquerdo; a área de Wernicke, descoberta em 1871, situa-se no lobo temporal do hemisfério cerebral esquerdo. Lesões
nestas áreas provocam desordens e perturbações da linguagem conhecidas como afasias. Uma lesão na área de Broca provoca
um tipo de afasia que, dependendo da gravidade do dano, pode implicar perda quase completa da capacidade de falar ou a
produção de discurso muito lento e esforçado com articulação muito pobre das palavras, frases muito incompletas e muito
difíceis de entender. Uma lesão na área de Wernicke provoca um diferente tipo de afasia. A capacidade de falar permanece
intacta, verifica-se a construção de frases completas, masque não fazem qualquer sentido. Assim, se pedirmos a um doente com
uma lesão nessa área para nos descrever uma situação em que duas crianças roubam bolos nas costas da proprietária da
pastelaria, ele poderá produzir um discurso do género: “A mãe está fora de casa a trabalhar o seu trabalho para sentir melhor,
mas quando olha os dois rapazes olham para o outro lado. Para a próxima a mãe vai trabalhar.” A área de Wernicke parece ser
especialmente importante para compreender o que os outros nos dizem e para manter o nosso discurso compreensível; a área
de Broca é especialmente importante para a nossa capacidade de falar.
Note-se, todavia, que a linguagem falada tem a sua origem na área de Wernicke. É aqui que as frases com sentido são
produzidas. Elaborada uma frase cm sentido, esta é transferida para a área de Broca. Esta área tem a função de programar os
músculos da face, da língua e da laringe para tornar audível a frase formada na área de Wernicke, ou seja, efectua a passagem
da frase pensada à frase falada.

JB 8
SISTEMA NERVOSO

RESUMO
SISTEMA NERVOSO CENTRAL
Centro coordenador das funções do nosso organismo: acções, sensações, pensamentos, etc.
Protegida pela coluna vertebral, é constituída por fibras motoras e sensoriais. Desempenha duas funções
importantes: a) condução de informação de e para o encéfalo: as vias aferentes transmitem ao cérebro as
informações captadas pelos receptores sensoriais das várias partes do corpo; as vias eferentes transmitem aos
ESPINAL MEDULA
órgãos efectores periféricos as mensagens provenientes do encéfalo; b) coordenação das actividades reflexas: é
responsável por actos reflexos, automáticos e espontâneos, sem controlo consciente ou cerebral, protegendo o
organismo de situações que exijam uma resposta imediata.
Recebe e coordena (processa) informações sensoriais motoras, é responsável
por vários processos cognitivos e afectivos, pela antecipação criativa do
Córtex Cerebral futuro, pelo planeamento das acções, etc. Está muito mais desenvolvido –
(fina camada exterior que mais circunvoluções e sulcos – no ser humano do que nos outros mamíferos.
Cada hemisfério cerebral tem quatro lobos: frontal, parietal, temporal e
cobre os hemisférios
occipital.
cerebrais, é a “jóia da Lobo Occipital – denominado córtex visual
coroa”: controla o Lobo Temporal – denominado córtex auditivo
pensamento, as funções Lobo Parietal – denominado córtex somatossensorial
sensoriais, os movimentos Lobo Frontal – é o chamado córtex motor
voluntários e é o centro da O Córtex pré-frontal é responsável pela regulação de funções superiores
nossa personalidade como o pensamento, o raciocínio, a imaginação, a criatividade, pelo
ENCÉFALO controlo das emoções e da actividade voluntária, pela consciência da
identidade pessoal, etc.
Estrutura constituída por O sistema límbico é um conjunto de estruturas subcorticais que estão
envolvidas em funções como a expressão emocional, a memória, a
milhares de milhões de
Sistema Límbico motivação e a agressividade. A amígdala controla a agressividade e a
neurónios (90% dos
expressão facial de medo e de raiva. O hipocampo é essencial na formação
nossos neurónios) e do da memória consciente, na formação de novas memórias
qual o cérebro é a parte
É o primeiro lugar de passagem da informação sensorial entre as áreas
mais ampla e complexa. inferiores do encéfalo e as áreas superiores. Encaminha essa informação para
As células do encéfalo Tálamo a região apropriada do córtex cerebral através de fibras de protecção que se
integram, recebem e estendem desde o tálamo até às regiões específicas do córtex. Também
coordenam informação regula o sono
proveniente do interior e Denominado o “guardião” do corpo, regula funções vitais como a fome, a
do exterior do corpo, sede e a temperatura interna do corpo. Exerce forte influência sobre o
regulam as acções do comportamento sexual e numa vasta gama de comportamentos emotivos.
corpo e permitem-nos Através da hipófise, rege o funcionamento do sistema endócrino; controla o
sentir, pensar, sonhar, Hipotálamo sistema nervoso autónomo. Sensações de prazer podem obter-se se a área
decidir, planear, apropriada do hipotálamo for estimulada (centro de prazer). Parece também
regular o nosso ritmo biológico. A sua importância evidencia-se do seguinte
recordar, etc. É a parte
modo: quase todas as funções vitais, exceptuando a respiração, o ritmo
do sistema nervos que cardíaco e a pressão arterial são controladas e reguladas pelo hipotálamo.
está alojada na caixa
Conjunto difuso de fibras nervosas importantes na regulação dos estado de
craniana vigília e de sono, na activação do córtex cerebral e na selecção da enorme
Sistema Reticular
quantidade de estímulos sensoriais que recebemos para posterior tratamento
cortical (situa-se no mesencéfalo)
A sua função específica é a de controlar respostas orgânicas como ritmo
Bolbo Raquidiano cardíaco e respiratório, a circulação sanguínea e reflexos vitais como engolir,
tossir, espirrar, vomitar (situa-se no mesencéfalo)
Uma das funções do cerebelo é a de coordenar e dirigir uma série de
movimento necessários à realização, sem esforço consciente, de actividades
do quotidiano, como escrever com uma caneta ou comer com faca e garfo.
Cerebelo É também responsável pela execução de movimentos complexos, que
exigem habilidade, suavidade e destreza, pela postura e manutenção do
equilíbrio do corpo, regulação do tónus muscular e coordenação dos
movimentos dos músculos.

JB 9
SISTEMA NERVOSO

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

Divisão do sistema nervoso que contém todos os nervos situados na periferia do SNC. Transporta informação de e para o SNC,
ligando através de nervos espinais e craniais a espinal medula e o encéfalo a outras partes do corpo. O SNP recebe informações
e instruções do SNC para executar actividades musculares, glandulares e orgânicas

SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO

Divisão do sistema nervoso periférico que Divisão do SNP que regula de forma automática, contínua involuntária, o funcionamento
controla as funções e movimentos dos órgãos internos (ritmo cardíaco, respiratório, digestão). Os seus nervos ligam o SNC aos
voluntários do corpo. Envia, através dos músculos lisos (involuntários) dos órgãos viscerais (rins, fígado, coração, etc.) e a algumas
nervos sensoriais, informações dos órgãos glândulas exócrinas e endócrinas. O seu centro de regulação está no hipotálamo, estrutura
sensoriais e dos músculos para o SNC, e, mediante a qual se articula com o sistema nervoso central. Divide-se em sistema nervoso
através de nervos motores, transporta simpático e sistema nervoso parassimpático. Diz-se autónomo porque, em grande parte, auto-
mensagens do SNC para os músculos que regula a utilização e conservação dos recursos energéticos do organismo
movem o esqueleto.
Esta rede periférica é constituída por grande SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO SISTEMA NERVOSO PARASSIMPÁTICO
número de nervos (feixes e fibras neuronais)
que são de três tipos: nervos sensoriais ou Divisão do sistema nervoso autónomo Divisão do sistema nervoso autónomo que actua
aferentes; nervos motores ou eferentes; e que mobiliza as energias do durante a maior parte do tempo, controla as
nervos de conexão. Os nervos que entram no organismo para responder a situações operações “normais” do organismo. Predomina nos
encéfalo são sensoriais; os que saem do de tensão ou de emergência. momentos de distensão e, após momento de tensão,
encéfalo são motores. Predomina nos momentos de perigo, abranda os processos fisiológicos de modo a que,
Os nervos sensoriais ou aferentes são a via angústia, medo e tensão, alertando o reequilibrando o organismo, se conserve a energia
de entrada de estímulos e informações do organismo e preparando-o para necessária às nossas tarefas habituais, quotidianas.
exterior transportando-os da periferia para os responder. A sua actuação produz A sua activação reduz o ritmo cardíaco e
centros nervosos. São nervos receptores aumento do ritmo cardíaco e respiratório, estimula a digestão, diminui a taxa de
constituídos por neurónios sensoriais. respiratório, diminuição do ritmo do adrenalina no sangue e inibe a secreção de glicose
Os nervos motores ou eferentes processo digestivo, aumento de entre outros efeitos.
encaminham as respostas do encéfalo até aos secreção de glicose e adrenalina, entre Os nervos do sistema parassimpático têm a sua base
músculos (tornando possível a resposta outros efeitos. nas zonas inferiores do encéfalo e da coluna.
chamada movimento) e às glândulas Os nervos do sistema simpático
(tornando possível as respostas chamadas entroncam em quase toda a coluna
secreções). vertebral estendendo-se daí aos órgãos
Os nervos de conexão são os que viscerais e a algumas glândulas
estabelecem a ligação entre os nervos
sensoriais e os motores.

JB 10
SISTEMA NERVOSO

JB 11