You are on page 1of 6

Guto Lacaz

Profº: Kim
] Turma: 7º ano “A”
Grupo:
Cléo Mendez,
Isabella Metran,
Jordana Monteiro,
Lara Baima,
Luíza Sales,
Maria Lucy Veiga,
Palloma Queirós,
Talita Terra.
Artista
multimídia, desenhista, ilustrador, designer, cenógrafo e editor de arte de revistas. Sua
produção transita entre o design gráfico, a criação com objetos do cotidiano e a exploração
das possibilidades tecnológicas na arte, sempre tratada com humor e ironia. O artista
mostra-se extremamente coerente com a variedade de lugares e situações onde apresenta
seus trabalhos: de galerias e museus a teatros, espaços públicos e televisão.

Em suas obras e performances, Guto manipula diversos objetos e apresenta-se como uma
mescla de artista-ator, inventor e mágico. Em suas instalações, transforma radical e
poeticamente as funções dos objetos do dia-a-dia, chegando a tangenciar o insólito –
questões que podem ser observadas na obra exposta: O Nabo (2001).

Guto Lacaz é uma presença única e destacada na arte contemporanânea brasileira.

Sua maneira multimídia de tratar temas que lidam com a parafernália tecnológica é

inteligente, irônica e conceitualmente consistente. É também coerente com a variedade de

lugares e situações onde apresenta seus trabalhos: de galerias e museus a teatros, espaços

públicos e televisão.

Eu realmente aprecio a ironia de suas instalações, onde ele transforma radical e


poeticamente os usos e funções dos objetos do dia-a-dia. Com toda certeza, suas atuações

são os traços mais fortes e originais de seu talento (realizações).

Em suas atuações, Guto manipula uma série de objetos inacreditáveis e apresenta-se como

uma surpreendebte mistura de artista-ator, inventor e mágico (Regina Silveira)

Lacaz faz parte de uma geração de profissionais que se tornaram designers por
destino e vocação. “Até eu me formar, não se ouvia falar em escolas de design gráfico, só a
ESDI (Escola Superior de Desenho Industrial) do Rio. As pessoas que faziam gráfica, ou
faziam de uma forma autodidata ou vinham da arquitetura, um curso que oferece várias
especialidades”, justifica. Ele conta que, na época em que estudou arquitetura, o currículo
abrangia cinema, fotografia, música, desenho artístico, comunicação visual, desenho
industrial, arquitetura e planejamento urbano. “Você podia desenhar uma cidade ou uma
colherzinha de café. O estudante tinha capacidade de projetar em qualquer área da
criação”. Como não apareceu trabalho em arquitetura e gostava de desenhar, Lacaz acabou
entrando para a área gráfica.
Em 1979, Lacaz conheceu Ricardo Van Steen e Rafic Farah. Juntou os dois ao já amigo
Mário Cafiero. “Sempre gosto do trabalho deles. É por onde me oriento”, conta. Porém,
Guto Lacaz firmou-se como profissional autônomo. Ao mesmo tempo em que são amigos, são
egos fortes. “Sempre houve troca e estímulo entre nós, mas trabalhar em um mesmo
projeto só dava certo quando separávamos as funções e o Farah dizia: Steen, quero que
você faça esse pedaço. Guto, faça a ilustração”, revela.
Outras influências para a vida profissional de Lacaz vieram da Bauhaus e do trabalho de
Neville Brody. “Eu ficava surpreso como ele estava na frente, como foi uma referência para
tanta gente”.
Guto Lacaz é uma presença única e destacada na arte contemporanânea brasileira. Sua

maneira multimídia de tratar temas que lidam com a parafernália tecnológica é inteligente,

irônica e conceitualmente consistente.

É também coerente com a variedade de lugares e situações onde apresenta seus trabalhos:

de galerias e museus a teatros, espaços públicos e televisão.

Eu realmente aprecio a ironia de suas instalações, onde ele transforma radical e

poeticamente os usos e funções dos objetos do dia-a-dia. Com toda certeza, suas atuações

são os traços mais fortes e originais de seu talento (realizações).


Em suas atuações, Guto manipula uma série de objetos inacreditáveis e apresenta-se como

uma surpreendebte mistura de artista-ator, inventor e mágico (Regina Silveira)

Além de um grande artista ainda é humorista!

Lacaz faz parte de uma geração de profissionais que se tornaram designers por destino e
vocação. “Até eu me formar, não se ouvia falar em escolas de design gráfico, só a ESDI
(Escola Superior de Desenho Industrial) do Rio. As pessoas que faziam gráfica, ou faziam
de uma forma autodidata ou vinham da arquitetura, um curso que oferece várias
especialidades”, justifica. Ele conta que, na época em que estudou arquitetura, o currículo
abrangia cinema, fotografia, música, desenho artístico, comunicação visual, desenho
industrial, arquitetura e planejamento urbano. “Você podia desenhar uma cidade ou uma
colherzinha de café. O estudante tinha capacidade de projetar em qualquer área da
criação”. Como não apareceu trabalho em arquitetura e gostava de desenhar, Lacaz acabou
entrando para a área gráfica.
Em 1979, Lacaz conheceu Ricardo Van Steen e Rafic Farah. Juntou os dois ao já amigo
Mário Cafiero. “Sempre gosto do trabalho deles. É por onde me oriento”, conta. Porém,
Guto Lacaz firmou-se como profissional autônomo. Ao mesmo tempo em que são amigos, são
egos fortes. “Sempre houve troca e estímulo entre nós, mas trabalhar em um mesmo
projeto só dava certo quando separávamos as funções e o Farah dizia: Steen, quero que
você faça esse pedaço. Guto, faça a ilustração”, revela.
Outras influências para a vida profissional de Lacaz vieram da Bauhaus e do trabalho de
Neville Brody. “Eu ficava surpreso como ele estava na frente, como foi uma referência para
tanta gente”.

Guto Lacaz mostra, na sua produção plástica, produtos que remetem ao homem da
metrópole. Apresenta a problemática do cotidiano do homem urbano, que tenta conviver
com os objetos de uma sociedade industrial e a trabalhar suas metáforas. Define-se: "Eu
sou um humorista". Sua trajetória mostra uma obra sobre a qual diz Aracy Amaral: ”São
tantas as inspirações e invenções, o vocabulário e o repertório de Guto Lacaz, que para
contato com sua obra o que se demandaria seria uma publicação, devidamente ilustrada, em
ordem alfabética...”.
Isabella Metran,