You are on page 1of 2

O Processo da Comunicação

Teorias da Comunicação de Massa


- Melvin DeFleur e Sandra Ball-Rokeach

Logo no início do livro, ambos os autores explicitam as limitações de se


paralisar um processo para buscar entendê-lo, principalmente um processo em constante
evolução, como é a comunicação.
De Fleur e Ball-Rokeach afirmam que as teorias da comunicação são limitadas e
não podem ser tomadas como verdade concreta. A limitação se dá pelo fato de se
estudar um processo, que, como o próprio significado da palavra, é algo que está em
constante movimento e transformação. Como qualquer processo explicado pela
sociologia, a comunicação acompanha as transformações sociais, crescendo, ampliando,
mudando o contexto. Isso ocorre tanto na esfera comunicativa quanto na esfera atingida
por tais transformações. A comunicação muda a sociedade e a sociedade muda as
pessoas. É preciso raciocinar antes de criticar.
Ball-Rokeach e DeFleur, consagrados teóricos da década passada, reuniram em
suas obras tudo quanto havia sobre os estudos dos efeitos da comunicação de massa.
Apesar da difícil linguagem, quase ininteligível para leigos e simples leitores, o trabalho
foi sério e tem sua validade, a começar pelo grande número de citações e pesquisas.
DeFleur e Ball-Rokeach comparam, na obra, a tentativa de explicar a influência dos
meios de comunicação sobre a sociedade, e vice-versa, como querer explicar o antigo
dilema: "Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?" Ambos esqueceram de se
justificar com o fato de que a sociedade nasceu primeiro, portanto, esta criou os meios
de comunicação e hoje sofre os efeitos da sua invenção.
Sendo assim, não há motivos para criticar ou achar ridículo qualquer antiga
teoria. Não podemos, de qualquer modo, estacionar nossos estudos sobre as
comunicações de massa. As teorias mais recentes são válidas no contexto concomitante.
Um dia serão substituídas, ou melhor, complementadas com novas teses, assim como as
teorias de comunicação apresentadas por Ball-Rokeach e DeFleur estão sendo
enriquecidas pelas atuais, como a Teoria da Tautologia, a Teoria da Circularidade, a
Teoria da Hipertelia, a Teoria da Comutação e a Teoria da Autonomia do Objeto.
Tais teorias não fazem com que as anteriores percam sua validade, tanto em
nível de estudo quanto à sua efetivação. Elas precisaram surgir para explicar as novas
situações de comunicação de uma sociedade que já nasceu como sociedade de massa e
que está em constante crescimento; cuja vida, inclusive dos estudiosos e teóricos, já
incorpora os veículos de massa desde o nascimento.
Como afirma De Fleur e Ball-Rokeach, os efeitos da exposição à comunicação de massa
a longo prazo só poderão ser revelados com o tempo. As teorias daquele tempo não
podiam prever o futuro. São as novas teorias que estão descobrindo isso, satisfazendo
parte da curiosidade que nasceu desde que Hitler utilizou a "Bala Mágica", cujos efeitos
só eram possíveis naquela sociedade específica - embora alguns indivíduos ainda
absorvam tudo quando a mídia transmite, sem filtros.
O mundo já foi visto como uma máquina e como um organismo, e agora tem
sido visto como uma grande confusão. Que teorias serão desenvolvidas no futuro?
Quais serão os avanços da comunicação? E a influência da mídia sobre sua audiência
continuará sendo a mesma? O rádio mudou a rotina das pessoas. Hoje, a internet faz a
mesma coisa. E amanhã? Entretanto, alguns princípios - como a ênfase dada a
determinado elemento da comunicação - continuam fazendo efeito, como a
credibilidade da ênfase no emissor, a sociabilidade da ênfase nos intermediários, a
intimidade da ênfase no destinatário e o prestígio da ênfase no sujeito histórico.
Tudo depende do ponto de vista, e dos fatores cognitivos e da intermediação
social, conforme os velhos teóricos afirmaram, e os atuais confirmam, a começar pelos
nomes das novas teorias. As teorias de comunicação precisam ser avaliadas dentro do
contexto histórico e sob a perspectiva das teorias sociais do momento em que foram
desenvolvidas.
Hoje é tempo de repensar os veículos de comunicação de massa e a própria
sociedade de massa dentro do contexto tecnológico e do atual estado da sociedade. Toda
essa discussão tem como ventre a obra Teorias de Comunicação de Massa,
desenvolvida na tentativa de compreender o processo que move o homem e une
pessoas, fantasias e realidades: o processo da comunicação.