You are on page 1of 13

Revisão de membrana celular

09/08/12
09/08/12

Estruturação mosaica fluída Bicamada (ou dupla camada) fosfolipídio Sistema endomembranas? São as membranas da célula

Característica físico-química

Região hidrofílica: Colina, fosfato e glicerol. Região hidrofóbica: Ácidos graxos Cada Glicerol tem três sitio de ligação com ácidos graxos, sendo que na membrana dos eucariotos têm em seu glicerol duas ligações com ácidos graxos. Os ácidos graxos têm duas condições principais: Saturado ou Insaturado No fosfolipídio de membrana, um dos ácidos graxos é saturado, ou seja, ele é composto apenas de ligações simples. No fosfolipídio de membrana é característico sendo diferente de outros lipídios da célula, porque tem uma cadeia fosfato Colina, têm dois sítios de ligação ocupados (dois ácidos graxos) sendo que um deles é saturado e outro insaturado.

As proteínas tem mobilidade na membrana. A baixa temperatura diminui a fluidez da membrana, por isso, os ácidos graxos tornam-se insaturados (dupla ligação) para aumentar a capacidade de mobilidade\fluidez na membrana.

Por padrão, a membrana celular têm um ácido graxo saturado e outro insaturado, mas dependendo do organismo considerado ou da condição fisiológica que ele está exposto (frio ou calor) os ácidos graxos tornam-se completamente insaturado.

Ácidos graxos saturados diminui a fluidez Ácidos graxos insaturados aumenta a fluidez

Característica importante da membrana

1° Fluidez - Capacidade que a membrana tem através dela mesma e do citoesqueleto de movimentação das proteínas.

2° Compartimentalização - Por causa da condição Hidrofílica e hidrofóbica dos lipídios (fosfolipídios).

Obs: Hidrofílica e hidrofóbica é a propriedade mais importante da membrana celular, porque essa é a condição que a membrana ou sistema endomembrana gera o isolamento, compartimentalização celular (individualizam as organelas e permite o isolamento celular para com o meio).

Hidrofílico: Afinidade com a água Hidrofóbica: Aversão à água

Duas grandes classes de proteínas da membrana:

  • PERIFÉRICA

Reconhecimento celular chamado Glicocálice (ou Glicoproteína ou Glicolipídeos) Obs: Essa proteína se movimenta apenas ao longo da superfície da membrana,

nunca para cima ou para baixo. Definição de Glicocálice: Conjunto de glicoproteína de membrana que participa principalmente do reconhecimento celular.

  • INTEGRAIS OU TRANSMEMBRANICAS Integrinas

Passa de um lado para o outro da membrana não tendo canal (buraco). Não participa de transporte de substâncias. Estão relacionadas a gatinhos químicos; Catalisação de reações metabólicas; Estabilidade de membrana; Reconhecimento químico de substâncias dentro e fora da membrana;

Permeases

Grande grupo de proteínas de membrana que fazem canal, transporte.

Quando falarmos de diferentes tipos de transportes na membrana através de canais, quais são as proteínas que estamos considerando? Proteínas PERMEASES

Existe proteína de membrana periférica para o lado de dentro da célula (intracelular)? Sim, porque existe reconhecimento celular no meio intracelular para catalisação de determinados processos metabólicos. A diferença das proteínas periféricas é que elas não estão através da membrana como a integrais estão.

As proteínas de membrana são constituídas de aminoácidos hidrofílicos e hidrofóbicos, sendo que a sua região hidrofílica compactua com a região hidrofílica (polar) da membrana e a região hidrofóbica compactua com a região hidrofóbica (apolar) da membrana.

Determinadas substâncias que são repelidas pela parte hidrofóbica da membrana, vão depender de canais de transporte para atravessar a membrana.

Glicocálice (Glicoproteínas)

A maior parte das proteínas periféricas são Glicoproteínas ou Glicolipídeos. Proteínas ligadas a carboidratos (açucares) que gera o reconhecimento específico do que são células e o que são substâncias.

Modos de transporte

59:00
59:00

Tudo que é “Impermeável” vai depender das “permeases” para ser transportados.

Grande grupo de proteínas de membrana que fazem canal, transporte. Quando falarmos de diferentes tipos de

A ureia e água não são completamente permeáveis (elas são semipermeáveis). Osmose não é só por difusão, ela é mediada por canais específicos.

O açúcar não pode ser permeável, porque tem que manter as concentrações de líquidos dentro da célula, pois açúcar no sangue torna o plasma sanguíneo hipertônico, ou seja, as células perde água, murcha e entope os capilares.

Moléculas essenciais à fisiologia celular e consequentemente dos tecidos tem que ser impermeável (tem que ter controle).

Quando se fala de permeável ou impermeável é no sentido da passagem da molécula diretamente por entre ou através do meio dos fosfolipídios, ou seja, não tem a participação dos canais (sem canal). O que não depende de canal vai passar por difusão.

TRANSPORTE PASSIVO – É um tipo de transporte que não depende de energia, ou seja, a transferência de moléculas de um compartimento para o outro vai depender das concentrações (gradiente de concentração) para atingir o equilíbrio dinâmico.

Difusão simples

Difusão facilitada – Especificidade de molécula, mas sem uso de ATP Osmose – Movimento de molécula de água do meio hipotônico para o meio Hipertônico. Equilíbrio dinâmico é feito pelo solvente e não pelo soluto Equilíbrio osmótico – Movimentação de água Equilíbrio dinâmico – Movimentação de moléculas

01:10
01:10

Revisão de Transportes

TRANSPORTE ATIVO - É o transporte que requer gasto de energia consumo de ATP.

Primário – Precisa de ATP no canal de membrana para que tenha movimentação,

mudança na conformação da célula de modo que entra [K] e saia [Na] até atingir o estado de polarização (muito [K] dentro e [Na] fora). Polarização é uma forma de a célula estocar energia para ser usada em outras vias metabólicas Ex:

o

Na+/ K+ (neurônio)

o

H+ / K+ (células parietais do estômago)

o

Ca++ (células de músculo esquelético)

Secundário – São canais que se abrem através da energia potencial gerada pelo

o

o

transporte primário. Nesse tipo de transporte não ocorre consumido de ATP e sim de energia potencial. O ATP foi consumido pelo transporte primário para gerar altas concentrações de íons fora e outros íons dentro da célula, esses por sua vez gera a energia potencial que será utilizada pelo transporte secundário. Uma substância atravessa o canal a favor do seu gradiente de concentração e ao mesmo tempo outra substância atravessa o canal contra seu gradiente de concentração esse volume de íons entrando e saindo gera a energia potencial. Ex: Quando as células nervosas ou musculares recebem o estimulo ocorre a abertura dos canais para utilizar toda a energia represada (energia potencial). Antiporte

Simporte ou Co-transporte

Primário ABC - Transporte que depende de um mediador (substância especifica

geralmente de natureza proteica) para ser transportado tanto para dentro quanto para fora da célula.

 

o

o

Importador – Transporta substâncias para dentro da célula

Exportador – Transporta substâncias para fora da célula

Transporte ativo de Lote

Endocitose – Entrada de grande volume de material sólido para dentro da célula através de uma imaginação. Nesse tipo de transporte não há especificidade e controle por canal ou mediador, tanto pode entrar algo bom quanto ruim Ex: Veneno Endocitose mediada – É uma variação da endocitose, neste tipo existem receptores de superfície que tem um pouco de especificidade por determinada molécula, más não é 100% específica. Pinocitose - Entrada de grande volume de fluído (substâncias solúveis) Fagocitose - Invaginação da membrana ou pseudópodes, subsequente formação de fagossomos Exocitose – Eliminar substâncias para fora da célula, através de fusão de vesícula com a membrana. Obs: O transporte ativo de lote é considerado ativo porque as alfas e betas tubulinas são polimerizadas para formar os microtúbulos do Citoesqueleto, esse processo exige consumo de energia ATP. Por isso, para mudar a forma celular, gerar a invaginação ocorre consumido energia - ATP.

o

o

o

o

o

Tipos de Canais

Canais operados por ligantes (substâncias)

o

Ligantes extracelular Acetilcolina (Ach): Neurotransmisor, abre canais de Na+ em sinapses,

inicia impulso nervoso ou contração muscular

o

Acidos gama amino-butírico (Gaba): Abre canais de CL- em sinapse, inibição do impulso nervoso. Ligantes intracelulares AMP cíclico e GMP cíclico: Regulam os canais envolvidos na iniciação de impulso nervoso em neurônios relacionados a dores e luz. ATP: Abre canais para Cl- e HCO3(bicarbonato).

Canais operados mecanicamente

Ex: Ondas sonoras vibram os estereocílios da célula que abrem canis de K+ gerando o impulso nervoso que o cérebro interpreta como som.

Canis operados por voltagem-dependentes

Canais que se abrem ou fecham em função do balanço eletroquímico da membrana, ou seja, atinge uma determinada polaridade onde o interior da célula fica mais negativo e fora mais positivo, essa diferença de potencial energético é quem determinante a abertura ou fechamento de um canal Ex: Bomba Na e K+ (Impulso nervoso e contração muscular).

Canais operados por luminosidade

Canais que se abrem ou fecham em função de luz A luz entra e as proteínas que estão acumuladas dentro dos cones e bastonetes (Células fotorreceptor) responde essa variação de luminosidade migrando para camadas inferiores.

16/08/12
16/08/12

Potencial de membrana, Potencial de repouso e Potencial de ação.

A célula tende ao equilíbrio de cargas e íons

O que é potencial de membrana? É a diferença de potencial/voltagem causado pela diferença de carga (causada pelos íons) que estão presentes dentro ou fora da célula.

Potencial de ação? É a condição de a membrana estar em equilíbrio com essas cargas.

Exemplos de polarização e despolarização: Impulso nervoso, contração muscular, Peixe elétrico.

Do que depende o potencial de membrana:

Polaridade da carga elétrica de cada íon Permeabilidade da membrana (capacidade que a membrana tem em bombear os íons para dentro e fora) Concentrações dos íons dentro e fora para membrana

Íons que conta mais para a diferença de potencial [K+], [Na+], [Cl-]

O interior celular mais negativo O exterior celular mais positivo

Potencial de equilíbrio da membrana (Estado de repouso da membrana)= Intracelular[K+]=135, [Na+]=7, [Cl-]=11 Extracelular[K+]=2.5, [Na+]=125, [Cl-]=130 Obs: No potencial de equilíbrio não ocorre movimento de carga

-89mV
-89mV

Toda a membrana de qualquer célula tem potencial de equilíbrio que variável de acordo com o tipo celular e condição fisiológica individual de cada individuo.

Principio da neutralidade elétrica: Para cada íon positivo existe um íon negativo próximo que o neutraliza. Na condição de polarização celular ocorre uma concentração de equilíbrio de carga e não de equilíbrio de concentração.

A diferença de concentração gera um equilíbrio de carga que é a neutralidade elétrica.

Os canais de membrana

A diferença de concentração gera um equilíbrio de carga que é a neutralidade elétrica. Os canais

Canal de Bomba de Na+ e K= (Maior nº de cargas positivas e bombeadas para fora, do que negativas para dentro. Bombeia três Na+ fora e dois K+ dentro).

O canal da Bomba de Na+ e K+ é quem gasta energia (ATP) para gerar a condição de polarização ou repouso da membrana (- 89 mV), é ela quem gera a diferença de concentração dos íons fora e dentro da célula. Essa diferença de íons dentro e fora é quem gera a diferença de potencial e é por isso que a célula fica mais negativa dentro e mais positiva fora. Quem responde a essa diferença de voltagem é os canais de íons específicos

Canais de íons específicos (Canal de Na+ e Canal de K+)

São os canais de íons específicos que vai se abrir para gerar a condição de depolarização celular, e não os canais da Bomba de Na+ e K+. Esses canais não dependem de ATP, pois são eletricamente controlados, ou seja, responde a diferença de potencial/ voltagem das cargas que foram geradas pela Bomba de Na+ e K+.

Potássio (K+) é o íon que conta mais para a condição de polarização celular. Sódio (Na+) é o íon que conta para o pico do potencial de ação (Ex: dispara a transmissão

impulso nervoso). Para transmitir o impulso nervoso a célula tem que sair na condição de repouso.

Etapa de polarização – Célula polarizada, potencial de membrana alto (-89mv). Etapa de despolarização - De menos -89mv vai começar a ficar positivo +36mv e com isso o canal iônico Na+ inativa. Etapa de repolarização - Os canais de Na+ se fecham, abrem-se os canais de K+. Volta ao estado de potencial de repouso.

Canais rápidos – Canais de “Na+ voltagem dependente”, responsáveis pela despolarização e repolarização da membrana. Ele é responsável pela repolarização no momento em que ele realmente se fecha não deixando entrar Na para dentro da célula.

Canais lentos – Canais de “K+ voltagem dependente”

Estado Polarizado - Na condição de repouso a voltagem é igual -90 mV; Inicia a polarização - Quando é gerado o estimulo (ex: picada de uma agulha) o canal de Na+ se abrir para liberar o Na+ para dentro da célula até atingir +36mV (nessa etapa começa o equilíbrio de cargas de -90 mV para +36 mV); Inicia a repolarização - Na medida em que o interior da célula vai chegando de +30 à +36mV o canal de Na+ vai lentamente se inativando e ao mesmo tempo os canais de K+ vão se ativando para liberar aos poucos o K+ para fora da célula para que o interior da célula volte a ficar na condição negativo. Quando o interior da célula chega aproximadamente entre 30mV à 0 mV é o momento em que o canal K+ começa lentamente a se fechar, ele continua aberta até que o interior da célula atinja a condição negativa. Chega um momento em que os canais íons específicos se fecham, e quem fica ativada é a Bomba de Na+ e K+ até atingir a condição de hiper- polarização (pico) -89mV. Estado Polarizado - Quando a bomba faz com que o interior da célula fique igual -89mV.

Termos relacionados ao potencial de ação

01:41
01:41

Direção da propagação – A despolarização da membrana se propaga em todas as direções da célula Tudo ou nada – O estimulo se propaga para todos os pontos. Quando inicia o potencial de ação, a despolarização vai até o fim do neurônio, ou seja, vai depolarizar todas as direções enquanto houver membrana polarizada.

Na contração muscular o íon mais importante é o cálcio (Ca²⁺⁺).

Todo o estimulo pode gerar potencial de ação? Não necessariamente. Se a razão da potencia do estimulo pelo potencial de ação (dividir o menor pelo maior) for igual à 0 (zero), significa que o impulso não é suficiente para estabelecer o potencial de ação. Quando o razão da potencia do estimulo pelo potencial de ação for igual a 1, significa que o estimulo é funcional e vai gerar o potencial de ação.

Parei em 01:56

FISIOLOGIA DO MÚSCULOS

Actina e Miosina:

São proteínas estruturais (fibras contrateis) e não enzimas. Importantes para função de contração da célula. Miosina é expessa e a actina é fina. As fibras de actina sobrepõem às fibras de miosina, com isso as áreas mais densas forma as bandas mais claras e outras mais escuras.

O que diferencia uma musculatura lisa de uma estriada? A organização das fibras contráteis. Na musculatura lisa as proteínas Actina e Miosina estão dispersas/espalhada no citoplasma, enquanto que na musculatura estriada elas se encontram unidas.

Musculatura estriada esquelética

Característica voluntária Ele tem um neurónio que vai estimular Responsável pelo movimentos voluntários do corpo

Musculatura estriada cardíaca

Característica involuntária Coração

Musculatura lisa

Característica involuntária Forma uma parede dos órgãos ocos como: intestino, vasos sanguíneos Formato difuso Células pequenas com núcleo central Tem fibras de actina e miosina que estão dispersas no citoplasma presa ao citoesqueleto através das estruturas de corpos densos. Tem algumas junções mecânicas (gap junction), que também vão facilitar a propagação do estimulo elétrico através dos músculos. Ex: camada circular do intestino tem muitas junções comunicantes.

Como se caracteriza morfologicamente os músculos?

A célula muscular estriado esquelético é comprido, multinucleado (vários núcleos)

localizados na periferia da célula, tem estrias. A célula muscular estriada cardíaca é menor, têm um núcleo central, tem estrias, presença de muitas junções comunicantes entre as células que são os discos intercalares (gap junction), que são poros que faz a comunicação celular.

Obs: As junções comunicantes (gap junction) faz com que o impulso elétrico consiga se distribui/propagar rapidamente por todo o tecido.

A célula muscular Liso é pequeno, mononucleada (um núcleo), têm a forma de fusiforme, sem estrias, a actina e miosina estão dispersas (não organizada) no citoplasma.

Obs: As células musculares são diferenciadas uma das outras pelo posicionamento de seus núcleos.

Todos esses músculos precisam de Ca²⁺, mas a origem desses Ca²⁺ é diferente em cada musculo. Musculo liso - Ca²⁺ do extracelular Musculo esquelético - Ca²⁺ do reticulo endoplasmático liso (reticulo endoplasmático liso depende

do Ca²⁺ do intracelular)

Musculo cardíaco - Ca²⁺ do intracelular e extracelular

Musculo é envolto por tecido conjuntivo:

Epimisio - Envolve a fáscia externa do musculo (conjunto de fascículos musculares)

Perimísio - Envolve o fascículo muscular (conjunto de fibras)

Endomisio - Envolve cada fibra muscular (cada célula muscular).

Fibras musculares: São as células individuais Miofibrilas: São as unidades ou elementos contrácteis (miosina ou actina). Sarcomeros: Formado pelas duas unidades contrácteis que são 1miosina (grossa) e 2 actina (fina)

No interior do sarcoplasma (citoplasma) têm as fibras contrateis organizadas (miofibrilas). Quem tem as estrias são as miofibrilas. As miofibrilas são formadas pelas junções de várias unidades funcionais do musculo esquelético. Sarcomeros: É a unidades funcionais do musculo que é composto pelas fibras miosina e actina

Citoplasma Sarcoplasma Membrana plasmática Sarcolema Reticulo endoplasmático lisoRetículo Sarcoplasmatico

O Disco z delimita o sarcômero. Cada banda é definida por uma parte do sarcômero

Essas bandas são características do musculos e são importantes para entendimento da contração muscular Banda A - representa a estrutura da miosina esteja ela sobreposta ou não Banda I - representa a parte da actina que não esta sobreposta Zona H – representa a parte da miosina que não tem sobreposição de actina

O que segura a actina no lugar é a proteínas do disco Z, já a miosina é a proteína titina ou actinida.

A banda I diminui de tamanho quando a actina se deslizamento sobre a miosina A banda H como na contração sobrepõe ela também diminui de tamanho

A enzima tropomiosina envolve a Actina. Quando o músculo esta relaxado a tropomiosina esconde o sitio ativo da actina. Esse sitio ativo é a região em que a cabeça da miosina consegue ligar-se na actina. Além dessa enzima tropomiosina existe um complexo troponina (são três subunidade de proteínas). A troponina vai se ligar ao Ca²⁺ que saiu do reticulo sarcoplasmático.

Contração muscular

Somente o sistema nervoso é quem estimulo a musculatura esquelética. O neurônio chega ao

musculo esquelético pela placa motora onde será liberada o neurotransmissor Acetilcolina,

este vai se ligar ao receptor Nicotínico e com isso vai desencadear o potencial de ação onde abrirá os canais de Na⁺. A entrada de Na⁺ vai fazer com que o Ca²⁺ que esta dentro do reticulo sarcoplasmático saia para se ligar a troponina formando o complexo “Ca²⁺- troponina” que vai modificar a conformação da tropomiosina fazendo com que exponha o sitio ativo e ao mesmo tempo desloca o ADP+P₁ que estavam presentes na cabeça da miosina. Quando a cabeça da miosina se liga na actina (chamada ponte cruzada) desencadeia a contração muscular.

Relachamento muscular

Para que ocorra relaxamento da musculatura a ponte cruzada tem que ser quebrada, ou seja, a cabeça da miosina deve se desligar da actina através da energia gerada pela hidrolise de ATP feita pela ATPaseca presente na cabeça da miosina. A energia gerada dessa hidrolise é suficiente para quebrar a ponte cruzada e promover o relaxamento do musculo. Se não existir outro estimulo para o musculo, o Ca²⁺ sai da troponina e volta para o reticulo sarcoplasmático.

01:01:06
01:01:06

Quando mais ponte cruzada tiver, maior a força de contração. Diferente do neurônio. Se der estímulos seguidos no musculo, ele tem a capacidade de contrair cada vez mais. Quando maior a frequência de estimulação maior é a força de contração até chegar o limite de pontes cruzadas.

Hipertrofia – Esta relacionada ao aumento das fibras musculares, ou seja, o aumento da quantidade de proteínas contrácteis ocasiona o aumenta do tamanho da fibra e consequentemente a força de contração. Hiperplasia – Aumento do numero de fibras (célula muscular). Hipotrofia – Quando para de fazer exercícios físicos diminui o tamanho da fibra (célula muscular). Atrofia – Lesão do nervo, não ocorre estimulo nenhum na fibra (célula muscular). Contrações sucessivas/estímulos seguidos – Não da tempo do Ca²⁺ voltar a ser estocado no reticulo sarcoplasmático, com isso tem uma maior resposta do tecido celular.

Frequência muito alta de estimulo - Chega à titânia até mesmo a fadiga.

Resumo geral da Contração:

No musculo esquelético precisa de ponte cruzada; Precisa de Ca²⁺ que vem no reticulo sarcoplasmático; A ponte cruzado só ocorre se o Ca²⁺ ligar a troponina; Modifica a conformação da tropomiosina onde será esposto o sitio ativo O ADP e P₁ que estava na cabeça da miosina saem e com isso ocorre a ponte cruzada. Obs: A contração do musculo esquelético é mediada pelo Ca²⁺ ligado a Actina, diferente do musculo liso que a ativação se da pela miosina. Esse Ca²⁺ e de origem intracelular mais especificamente do retículo sarcoplasmático.

Resumo geral do Relaxamento:

Ocorre a hidrolise do ATP que ocasiona a quebra da ponte cruzada; O Ca²⁺ que estava ligado à troponina volta para o reticulo sarcoplasmático e com isso o musculo relaxa.

MUSCULATURA LISA:

Característica involuntária Forma uma parede dos órgãos ocos como: intestino, vasos sanguíneos Formato difuso Células pequenas com núcleo central Tem fibras de actina e miosina que estão dispersas no citoplasma presa ao citoesqueleto através das estruturas de corpos densos (que parece com os discos z que seguram a actina e miosina do musc esquelético). Tem algumas junções mecânicas (gap junction), que também vão facilitar a propagação do estimulo elétrico através dos músculos.

Ex: camada circular do intestino tem muitas junções comunicantes. Se mantem em contração em longo período e pode er atiado espontaneamente. É muito eficiente no consumo energético, pois apesar de estar constantemente contraído ele gasta menos energia do que o musculo esquelético. Na contração utiliza o Ca²⁺extracelular

Quem estimula a contração do musculo esquelético? Neurônio, placa motora, neurotransmissores Acetilcolina e receptor nicotínico. Quem estimula a contração do musculo liso? O controle da contração do musculo liso é diverso, pois tem varias substâncias que podem estimular ou inibir a contração do musculo liso.

Quem pode interferir na contração d musculo liso? Sistema endócrino, atividade parácrina, sistema nervoso tanto o local quanto o autônomo. Endócrino – Hormônio (molécula sinalizadora, que é liberada pela glândula ou região de algum órgão que cai na circulação sanguínea para atingir um órgão alvo). Ex1: hormônio Adrenalina liberado pela glândula adrenal relaxa a musculatura do trato gastrointestinal ao mesmo tempo em que em outros receptores ela faz a contração de vasos sanguíneos. Ex2: colecistocinina é um hormônio produzido no intestino ele interfere na secreção e motilidade gastrointestinal. A atividade dela no sistema nervoso central é de provocar a saciedade. No sistema nervoso periférico estimula a contração da vesícula biliar.

Paracrina - Toda vez que tem uma molécula sinalizadora ela é liberada no espaço intersticial e não na corrente sanguínea e age na célula vizinha, isso é denominado uma atividade parácrina de uma molécula. Ex: Estamina é importante no processo de secreção e contração do estomago. Ex: Oxido nítrico é um gás produzido nos vasos sanguíneos para promover a vaso dilatação.

Sistema nervoso autônomo (Simpático , parassimpático) - Dependendo da musculatura lisa pode ser contraída ou relaxada. Ex: SN Parassimpático: Vasoconstrição, trato gastrointestinal. Ex: SN Simpático: Adrenalina provoca o relaxamento de vasos sanguíneos de músculos, porém contrai vasos sanguíneos periféricos. Ex: SN local: Trato gastrointestinal tem um sistema de resposta a estimulo muito rápido que não depende da medula espinal. Têm neurônios que chegam com a informação e faz sinapse com neurônio que responde.

Diferente do musculo esquelético que depende apenas do sistema nervoso, o controle do musculo liso não é baseado apenas no sistema nervoso, ele depende do sistema endócrino que acaba interferindo diretamente nas suas contrações e relaxamento.

O musculo liso não tem uma região especifica para inervação, ou seja, essa inervação não é defuso mas sim difusa(dispersa na musculatura).

Varicosidade: É a região de conexão do neurônio com o musculo.

O Ca²⁺ necessário para contração é de origem extracelular. Quando ocorre o potencial de ação promove a entrada do Na⁺ e juntamente o Ca²⁺.

Contração do musculo liso:

A contração vai acontecer com a articulação da cabeça da miosina se interagindo com a Actina. O Ca²⁺ extracelular vai entrar na célula e se ligar na calmodulina e não mais a Troponina, pois na musculatura lisa não existe Troponina. O complexo calmodulina vai ativar a enzima cálcio miosina quinase ; Essa enzima cálcio miosina quinase vai ativar a cabeça da miosina com a introdução de um P₁.

Quando ativada, a miosina vai se ligar a actina promovendo a contração muscular.

A regulação da contração do músculo liso se da pela miosina. No musculo liso, a cabeça da miosina sofre uma serie de alterações de fosforilação e desfosforilação (tira e introduz um P₁) e com isso forma a ponte cruzada.

Relaxamento do musculo Liso:

Para relaxar a musculatura lisa, a cabeça da miosina sofre fosforilação (tira o P₁ /tira o ATP)

para quebrar a ligação, pois a miosina não hidrolisa ATP para se energizar ao menos que ela esteja fosforilada. Para ativar a enzima precisa de consumir ATP.

Para haver o relaxar da musculatura lisa, tem que ativar a enzima cálcio miosina fosfatase que tem a função de quebrar o P₁; Depois da desfosforilada da cabeça da miosina ela fica inativa e com isso desfaz a ponte cruzada e promovendo o relaxamento.

Obs: O musculo liso consome um ATP para contrair e um ATP para relaxar, totalizando no consumo de 2 ATP.

MUSCULO CARDIADO

O mecanismo do musculo cardíaco é muito parecido com o do musculo esquelético, a única

diferença esta na disponibilidade do Ca²⁺, pois musculo cardíaco o Ca²⁺ vem do Reticulo sarcoplasmático e também do meio extracelular, ambos vão ativar a troponina e etc.

RESUMO DOS VÍDEOS DE CONTRAÇÃO MUSCULAR

Cada musculo é formado por conjunto de fibras circundadas por tecido conjuntivo e adiposo. Durante a contração, as estrias das fibras se aproximam e no relaxamento se afastam. No interior de cada célula muscular têm muitas fibrilas com bandas claras, escuras e linha Z.

Banda A Miosina é a principal proteína dos filamentos grossos da banda A. Ao longo de cada filamento grosso há pequenas projeções laterais que conectam os filamentos grossos aos finos.

Banda I

Nas Bandas I há filamentos finos que se prendem a linha Z. A principal proteína desses filamentos é a Actina. Os filamento finos de cada lado da linha Z adentram a banda A onde os filamentos grossos de miosina se intercalam com os filamento finos de Actina.

Durante a contração, os filamentos finos deslizam sobre os grossos o que provoca a aproximação da linha Z e a diminuição simultaneamente as bandas I e zona H.

Actina - As moléculas de actina tem uma forma globular e se une umas as outras formando longos filamentos que se enovelam construindo uma estrutura helicoidal ou dupla hélice. Outro conjunto de proteínas encontrado no filamento fino do sarcômero é o complexo troponina-tropomiosina que regulam a interação dos filamentos finos com os grossos.

Miosina - São moléculas grandes em forma de bastão. Em uma das suas extremidades a miosina apresenta uma saliência globular que se liga a actina e onde ocorre a hidrolise do ATP. O resto da molécula tem a forma de um filamento. Cada molécula de miosina é formada por duas subunidades onde as partes filamentosas se enrolam em hélice. A junção da parte globular e filamentosa é bastante flexível.

O filamento grosso é formado por muitas moléculas de miosina que se agregam com as partes filamentosas umas das outras sendo que a parte globular fica projetada para fora do filamento.

Sequencia das reações que permite o deslizamento dos filamentos do sarcômero

durante a contração. No musculo Relaxado o ATP liga-se a parte globular ou cabeça da miosina. E mesmo antes de interagir com a actina, o ATP se hidrolisa gerando ADP e P₁. No musculo relaxado o complexo troponina-tropomiosina entrepõem-se entre as duas

moléculas, impedindo a interação da miosina e a actina.

A contração muscular se inicia com a liberação de íons Ca²⁺ (cálcio) do reticulo e a consequente elevação da concentração destes íons no sarcoplasma (citoplasma). Isso permite a ligação de Ca²⁺ ao complexo troponina que por sua vez provoca o deslocamento do filamento troponina permitindo a interação da actina com a miosina, neste momento há uma diminuição da afinidade da miosina pelo ADP e P₁ fazendo com que estes se dissociem do sitio catalítico da miosina. Simultaneamente a dissociação do ADP e P₁ faz com que a cabeça da miosina se move e puxa o filamento de actina promovendo seu deslizamento sobre o filamento de miosina. Após completar o movimento, a cabeça da miosina fica fortemente presa actina. Para que a miosina se dissocie é necessário que o ATP se ligue novamente a ela iniciando um novo ciclo. Se não houver ATP a miosina permanece fortemente ligada a actina uma situação chamada de rigor

A fibra muscular (célula muscular) é envolvida por vasos sanguíneos e pelo sarcolema (membrana plasmática). Ao longo do sarcolema existem distribuído pequenos orifícios chamados “Túbulos T”, que nada mais é que invaginações do sarcolema que atravessa transversalmente a fibra muscular aprofundando-se no seu interior. Dentro da fibra há um compartimento membranoso chamado reticulo sarcoplasmático que envolvendo as miofibrilas. O reticulo faz a reserva de Ca²⁺ que é um íon fundamental para a contração muscular. Em alguns intervalos do comprimento do reticulo sarcoplasmático existe as cisternas terminais que entra em contato com os túbulos T do sarcolema, esse arranjo permite que uma onda de despolarização que percorre o sarcolema se espalhe instantaneamente da superfície da fibra até as cisternas terminais comandando a liberação de cálcio do retículo e o inicio da contração muscular.

Entre as membranas do reticulo e do túbulo T há um pequeno espaço e duas proteínas (receptor dihidropiridina e o canal de rianodina) formando unidades que conectam as duas membranas e funcional como canais de Ca²⁺. Ao longo do reticulo encontra-se distribuída enzimas (Ca²⁺-ATPase) que bombeia cálcio do citoplasma para o interior do reticulo. A despolarização do sarcolema propaga-se do sarcolema para o interior da célula através dos túbulos T alcançado as junções entre túbulos T e cisternas terminais. Isso provoca a abertura dos canais de rianodina, permitindo assim a saída do Ca²⁺ para o citoplasma onde ativara as proteínas contrácteis dando inicio a contração muscular. Se a membrana não for mais despolarizada o musculo relaxa e para isso o Ca²⁺ acumulado no citoplasma e drenado de volta para o interior do reticulo.

Revisão do musculo

4° 30_08_12_Revisão de musculo para prova

Miofibrila: É formada pelas unidades funcionais (sarcômero), ou seja, a união dos sarcômero forma a miofibrila. Sarcômero: É um conjunto de miosina com actina sobreposta, ou seja, são unidade que se repetem na miofibrila dando aspecto de estripações transversal da fibra

Característica do musculo esquelético:

Núcleo periférico, multinucleada, com estriada, controle voluntário, inervação se da pela junção neuromuscular chamada placa motora.

Revestimento do musculo estriado esquelético

Camada superior do musculo - Epimísio Fascículos ou Feixe musculares- Perimision Cada fibra ou célula muscular – Endomísio Dentro da fibra muscular existem as proteínas contrácteis na forma de miofibrilas A miofibrila contém vários sarcômero

A importância desses tecidos conjuntivos (Epimísio, Perimision e Endomísio)?

Manter as fibras musculares unidas de modo que na contração elas se contraem como um todo Transmitir a força de contração

Bastante irrigado e a inervação (junção neuromuscular/placa motora) passa por ele.

Actina - ligada ao disco Z Miosina - ligada a proteína Titina ou Actínina

Disco Z (linhas) - Delimita o sarcômero Banda A (+ escura)– Parte da miosina independente de estar sobreposto ou não Banda I (+ clara)– Parte da actina que não esta sobreposta Zona H – Parte da miosina que não esta sobreposta Zona M – Não tem cabeça de miosina

Musculo esquelético utiliza ATP para relaxar

Filamento de miosina – Varias moléculas de miosina Filamento actina - Estrutura da actina é vestida pela troponina e tropomiosina

Aumento do Ca²⁺ permite a ligação da miosina com a actina. ATP já hidrolisado desloca a fibra de miosina sobre a actina.

No movimento de contração diminui a zona H e abanda I.

Forma organizada de inervação - Junção neuromuscular que acontece nas placas motoras, nesse local há liberação de neurotransmissores (Acetilcolina) que vai atuar no receptor (nicotínico), isso faz parte do sistema nervoso periférico somático.

Túbulos transversos (T)– São invaginação da membrana plasmática (sarcolema) que transmite a despolarização da membrana.

O que significa despolarizar membrana? Mudança da permeabilidade da membrana. A membrana que era muita mais permeável ao K⁺ passa a ser mais permeável ao Na⁺.

Na despolarização da membrana, os canais de Na⁺ se abrem e a sua entrada influencia na liberação do Ca²⁺ do reticulo sarcoplasmático para o sarcoplasma (Transporte passivo de Ca²⁺). Obs: No musculo esquelético não há entrada de Ca²⁺ extracelular. Na repolarização - Transporte ativo de Ca²⁺ para o retículo sarcoplasmático Por que chama Tríade? Porque tem um túbulo transverso ( T) para cada duas cisternas/expansões do reticulo sarcoplasmático.

MUSCULO CARDIÁCO

Está presente somente no coração

Características do musculo cardíaca: Células mononucleadas ou binucleadas, com núcleos centrais, células menores alongadas e ramificadas, têm estrições, têm muitos discos intercalares/junção comunicantes/Gap junction, contrações involuntária e rítmica, ausência de

placa motora, tem muita mitocôndria porque há muita atividade metabólica, o reticulo sarcoplasmático é pouco desenvolvido, pois no musculo cardíaco não existe tríade e sim díade (1 túbulo T para 1 retículo sarcoplasmático). No musculo cardíaco não tem placa motora, porque há inervação do sistema nervoso autônomo. Algumas fibras cardíacas têm a capacidade de se auto-despolarizar, isso acontece por que ocorre uma variação do potencial da membrana em repouso.

As proteínas contrácteis têm a mesma estrutura e função das proteínas contrácteis do musculo esquelético a única diferença se dá pela origem do Ca²⁺ que também pode ser extracelular.

Quando o Ca²⁺ sai do reticulo sarcoplasmático ou do meio extracelular ele se liga a proteína Troponina que modificando a estrutura da tropomiosina de forma que ela expõe o sitio de ligação da actina para que ocorre a ligação com a miosina. O ADP e P₁ que estava na cabeça da miosina saem, e com isso ocorre à formada da ponte cruzada/contração.

No relaxamento ocorre a hidrolise do ATP na cabeça da miosina, com isso desfaz a ponte cruzada e o Ca²⁺ por transporte ativo volta para o reticulo sarcoplasmático e para o meio extracelular.

MUCULO LISO

Características do músculo liso:

Celular mononucleada, pequena, forma fusiformes, núcleo central, contração lenta, contração involuntária, ausência de placa motora, não têm estriações, ausência de sarcômero (não significa que não tem actina e miosina, mas que elas estão dispersas no citoplasma). Uma rede de fibras reticulares mantém as células juntas. As fibras de actina e miosina estão dispersas no citoplasma e não jogadas nele, isso significa que elas estão presas em proteínas chamadas corpúsculos ou corpos densos.