You are on page 1of 12

Fundada em 24 de fevereiro de 2007 Registro na ABIM – 005/JV

Editorial _______________________________________________________________________________________________

...Oh Mestre, fazei com que eu procure mais, consolar que ser consolado,
compreender que ser compreendido, amar que ser amado,
pois e dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado...

Francisco de Assis

I niciamos este Editorial, pedindo perdão e paciência aos nossos leitores, mas não poderíamos, às vésperas do pleito eleitoral,
deixar de falar sobre a consciência da cidadania. Sabemos que esse assunto, devido à onda de escândalos que assola nosso
país, chega a ser maçante, repugnante, mas imploramos sua atenção em nome de uma vida mais justa e digna para nossos filhos e
netos.
A máxima proferida por Platão, há mais de dois milênios, traduzia, naquela época, o quadro caótico em que vivemos hoje:
“Quem não gosta de política, permite, por sua omissão, ser governado por aqueles que gostam!”
Se nossa situação política não fosse trágica, confessaríamos que seria hilário assistir à propaganda veiculada pelo TRE,
diga-se de passagem, inteligentemente elaborada, mostrando ao eleitor que quatro anos é muito tempo, quando votamos sem
consciência. Ora a personagem, o eleitor, se apresenta com uma abelha dentro do ouvido; ora andando em círculos; ora
sapateando por descontrole das pernas.
Podemos, sim, mudar essa situação! Temos uma arma poderosa e não vamos errar, novamente, o alvo, e, por mais quatro
anos, lamentarmos que o político não presta. Ele vale tanto quanto valorizamos nosso voto!
Dizia Mahatma Ghandi:
“Seja você a modificação que você quer no mundo!”
Dentro desse escopo, chamamos atenção para a matéria da coluna Destaques, de autoria de nosso Irmão João Camanho,
com o título “Eleições 2008 - Momento de Reflexão”, conscientizando-nos de nossa responsabilidade como eleitores; a Matéria da
Capa, de autoria do saudoso escritor maçônico José Castellani, “A Estrela Pentagonal”, traz uma profunda interpretação desse
símbolo mágico, utilizado por diversas Escolas de Iniciação.
Prestamos uma singela homenagem, através da coluna Os Grandes Iniciados, ao “Pobrezinho de Deus” – Francisco de
Assis. Já, na coluna Ritos Maçônicos, apresentamos, de autoria do meu querido Irmão Francisco Miranda, a elucidativa matéria
“A Ordem dos Mestres Maçons da Marca”.
Chamamos particular atenção para a coluna Informe Cultural, que apresenta o belo trabalho, desenvolvido pelo Irmão
César Luiz Bueno, à frente do Projeto “Tempo de Estudos”, para o qual convido a participação de todos. Na coluna Trabalhos,
ofertamos dois presentes aos nossos leitores, através das matérias “Os Doze Discípulos e os Símbolos Astrológicos” e “Iniciação”,
de autoria dos Irmãos João Roberto Clímaco e Cleanto Pereira dos Santos, respectivamente.
Nossa Revista visa construir um mundo melhor e, para isso, não medimos esforços para darmos nossa contribuição aos
nossos respeitáveis Irmãos, que, mensalmente, acolhem-nos, divulgando temas sérios, elucidando fatos, chamando-os à razão,
conscientizando-os de que, se não formos parte da solução, seremos parte do problema.
Agradecemos aos diletos Irmãos colaboradores, que nos brindam com pérolas literárias, para que possamos dividi-las
com vocês, leitores. Da mesma forma, agradecemos a confiança de nossos Irmãos
patrocinadores, que anunciam suas empresas em nossa Revista e, com isso, viabilizam a
produção da mesma.
Somente seremos fortes, se estivermos unidos!
Os tempos são chegados, e a Era de Aquarius traz uma nova vibração, onde os
comportamentos individualistas, materialistas e egocêntricos não têm mais lugar.
“Para que somarmos, se podemos dividir?” Pensem nisso!
Que os exemplos da Vida e Obra do Mahatma Francisco de Assis possam nos inspirar,
para sermos cada vez mais fraternos, solidários e conscientes de nossa Missão junto à Obra do
Eterno na face da Terra!

 
Nesta Edição ______________________________________________________________________________________

Capa – A Estrela Pentagonal...............................................Capa Ritos Maçônicos – A Ordem dos Mestres Maçons da Marca....7
Editorial.....................................................................................2 Trabalhos – Iniciação...............................................................9
Matéria da Capa - A Estrela Pentagonal................................3 - Os 12 Discípulos e os Símbolos Astrológicos....10
Informe Cultural – Projeto Tempo de Estudos...................4 Reflexões – Ser Desnecessário...............................................11
Destaque - Eleições 2008: Momento de Reflexão.................. .5 Boas Dicas – Sites /Indicação de Livros / Edições Anteriores. 12
Os Grandes Iniciados – Francisco de Assis – O Pobrezinho de Deus.6
Matéria da Capa ______________________________________________________________________

A Estrela Pentagonal
José Castellani

A Estrela de Cinco Pontas, ou Pentáculo, é um dos


Símbolos da magia, sempre presente nos ritos de
diversas correntes iniciáticas e místicas.
"O Pentagrama é o signo da onipotência e da autocracia
intelectual. O Signo do Verbo feito carne e, segundo a direção
dos seus raios, este Símbolo, absoluto em magia, representa o
Na magia, de acordo com a sua orientação, ela pode bem ou o mal, a ordem ou a desordem, o cordeiro bendito de
acompanhar operações de magia branca, ou de magia negra. Ormuz e de São João, ou o bode de Mendés. É a iniciação ou a
Quando colocada com sua ponta isolada, para cima, significa profanação, a vitória ou a morte, a luz ou a sombra. Elevado no
teurgia e conclama as influências celestiais, que, por seu poder ar, com duas pontas para cima, representa satã, ou o bode da
mágico, virão em apoio ao invocador; com a ponta isolada missa negra; com apenas um dos raios para cima, é o Salvador.
voltada para baixo, ela significa goécia e, de acordo com as O Pentagrama é a figura do corpo humano, com quatro
intenções do mago, atrai maléficas influências astrais. membros e uma única ponta, que deve representar a cabeça.
Teurgia é, em essência, a arte de fazer “milagres”; é o ramo Uma figura humana, de cabeça para baixo, representa,
da magia que trata das influências benéficas e do modo de invocá- naturalmente, o demônio, ou melhor, a subversão intelectual, a
las; refere-se, também, a todas as obras, cujas idéias envolvem o desordem, a loucura".
amor e o bem, e investiga, em especial, os fatos mais elevados da Assim, para os ocultistas, todos os mistérios da Magia e
magia, os quais dependem do mundo angelical, dando ao homem da Alquimia Oculta, todos os Símbolos da Gnose e todas as
os meios de se colocar em comunicação com as chamadas potências Chaves Cabalísticas da Profecia resumem-se no Pentagrama,
celestes (os textos bíblicos mostram muitos exemplos de teurgia). A que o famoso alquimista Paracelso, cujo verdadeiro nome era
teurgia é, também, chamada de magia branca. Aurelius Filipus Teophrastus Bombastus von Hohenhein, do
Goécia é a arte de realizar malefícios e encantamentos; século XVI, proclamava como o maior e o mais poderoso de
também, chamada de magia negra, nigromancia e feitiçaria, ela todos os Signos.
é a antítese da teurgia, pois esta se dedica às obras de luz, Quem deu o nome de Estrela Flamejante ao
enquanto aquela, às obras das trevas. Ela é a parte Pentagrama foi o teólogo e médico Enrique Cornélio Agrippa
experimental da magia, no que se refere aos poderes que o de Neteshein, natural de Kholn (Colônia), onde nasceu, no
homem desenvolve em si, através de determinados processos, e final do século XV, que, também, era dedicado à Magia, à
ao domínio que poderá chegar a exercer sobre as entidades do Alquimia e à Filosofia Cabalística.
astral; enquanto isso, a teurgia ensina o homem a se relacionar Em Maçonaria, a Estrela Flamejante só foi introduzida
com os planos superiores da espiritualidade, abrindo-lhe nos meados do século XVIII, na França, pelo Barão de
caminho para os grandes segredos do esoterismo. Tschoudy, também ligado ao Ocultismo. Ela, na Ordem
A missão principal da Estrela Pentagonal é, então, Maçônica, é relacionada às Escolas Pitagóricas, mas não se
testemunhar a obra que está sendo feita: se for uma obra de pode esquecer de que Pitágoras, também, era dedicado à
luz, a ponta única estará voltada para cima; se for uma ação magia, não sendo de admirar o fato de ter adotado esse
das trevas a posição será invertida. Símbolo máximo da Magia.
Como símbolo mágico e necessário em todos os Sendo a Maçonaria uma obra de luz, é evidente que,
trabalhos de magia, obrigatoriamente, deverá ser composta por nela, a Estrela Pentagonal tem a sua ponta única voltada
todos os metais e, na sua consagração, devem entrar todos os para cima, inscrevendo a figura de um homem. Por isso, é,
elementos. A consagração do Pentagrama, na magia, é feita da também, chamada de Estrela Hominal, representando,
seguinte maneira: inicialmente, deve ser soprada cinco vezes, assim, os atributos da alta espiritualidade humana; em
uma em cada ponta, molhando-se, em seguida, outras cinco vezes, posição invertida, seriam inscritos, em suas cinco pontas,
com água lustral, e secando-se na fumaça dos cinco perfumes um homem de cabeça para baixo, ou a cabeça de um bode,
(incenso, mirra, enxofre, álóe e flor de cânfora); a seguir, são, representando, em ambos os casos, os atributos da
novamente, sopradas as cinco pontas, enquanto são pronunciados animalidade e da materialidade. É importante ressaltar,
os nomes dos cinco gênios (Rafael, Gabriel, Samael, Anael e todavia, que os primeiros Maçons Aceitos, de todo o século
Orifiel) ; depois, a Estrela é colocada no chão, virando-se a ponta XVII e de metade do século XVIII, assim como os antigos
única, sucessivamente, para o Norte, para o Sul, para o Leste e Maçons Operativos, não conheciam o Pentagrama como
para o Oeste, ao mesmo tempo em que são pronunciadas, em voz símbolo maçônico, já que os Símbolos maçônicos
alta, as letras hebraicas iôd, hé e vav (ou vau) e, em voz baixa, as tradicionais são os objetos ligados à arte da construção;
letras aleph e tau. Iôd, hé e vav são as letras que formam o nome além disso, não são todos os ritos que o adotam: o Rito de
hebraico de Deus, com a repetição da letra hé (iôd, hé, vav, hé), York, o mais praticado no mundo, por exemplo, adota a
enquanto aleph e tau são, respectivamente, a primeira e a última Estrela de Seis Pontas, Blazing Star, para o rito, ou Maguen
letra do alfabeto hebraico, simbolizando tudo o que existe (similar David, para o Judaísmo - formada por dois triângulos
a "de alfa a ômega"). Depois disso, é colocada sobre o altar das equiláteros, cruzados e opostos pelo ápice, onde o de ápice
invocações, sendo rezadas as preces dos silfos, ondinas, superior é o símbolo da espiritualidade e o de ápice inferior,
salamandras e gnomos, enquanto são molhadas, novamente, as o símbolo da materialidade.
cinco pontas, secando-se, em seguida, na fumaça dos cinco A Estrela Flamejante não é, portanto, um puro símbolo
perfumes. maçônico, tendo a sua origem na magia, desde os mais remotos
O ocultista Eliphas Levi, assim, explica o significado da tempos. 
Estrela Pentagonal:

A humanidade é infeliz por ter feito do trabalho um sacrifício e do Amor um pecado.


Professor Henrique José de Souza
Informe Cultural ______________________________________________________________________

Campanha de Educação e Cultura Maçônicas Tempo de Estudos


Francisco Feitosa

E sta coluna nasceu com o propósito de divulgar


Projetos maçônicos de cunho altruístico, visando,
tão somente, aos interesses da Família Maçônica. Nossa
que é um sistema restrito, fechado.
Recentemente, desenvolvemos
www.tempo-de-estudos.com, onde as ferramentas de
um Portal

Revista não se poderia furtar a difundir essa bela Obra interatividade e consulta foram aprimoradas. Com o Portal,
em prol da cultura maçônica, “Tempo de Estudos”, tornou-se possível disponibilizar aos seus membros:
afinal, esse, também, é o nosso objetivo precípuo: - salas de chat, onde Irmãos estarão, em tempo-real,
estimular o estudo e a pesquisa e servir de veículo de auxiliando nas respostas dos questionamentos formulados e,
divulgação da cultura maçônica a todos os Irmãos é claro, confraternizando-se com outros de todas as regiões
espalhados pelo Orbe terráqueo. do Brasil;
Recomendamos a todos participarem desse belíssimo - fóruns, protegidos por grau, com questionamentos e
trabalho, que tem como lema a trilogia Pesquisar, Estudar e repostas, que ficam gravadas no Portal para posterior
Refletir e como seu idealizador, fundador e mantenedor o consulta por outros consulentes, cadastrados no Portal;
valoroso Irmão César Luís Bueno Gonçalves. O texto abaixo - biblioteca virtual, também, com acessos protegidos e
nos foi, por ele, enviado: por grau, onde se disponibiliza uma vasta biblioteca com
“Tempo de Estudos” de difusão da Cultura e Educação Peças de Arquitetura. Nessa área, tem-se um cuidado
Maçônicas entre Irmãos regulares do GOB, CMSB e COMAB, especial, todos os trabalhos são formatados de modo a não
um Projeto "supragrupos" em prol da Maçonaria brasileira. permitir recortes, edições ou colagens. Os trabalhos somente
Integram-no os grupos: Atalaia, Acadêmica, Delta_Maçons podem ser salvos ou lidos. Dessa forma, desestimula-se a
do Triângulo, Egrégora, Dphf-Gscem, Maçonaria "preguiça" de alguns, que preferem recortar e colar os textos,
Pesqueirense (G1, 2, 3 E 100) e Tempo-de-Estudos. apresentando-os em Loja como sendo seus... Se quiserem
O que é o "Tempo de Estudos”? assim, proceder, terão que, pelo menos, digitar tudo
É um Projeto de Educação e Cultura Maçônicas a novamente.
distância (apoiado por vários grupos de discussão maçônica Também, disponibilizamos, no Portal, outras
na internet e formado, exclusivamente, por Irmãos regulares) ferramentas de apoio aos Irmãos, como colunas de
voltado, principalmente, aos Irmãos Aprendizes e articulistas, indicador profissional dos membros, balcão de
Companheiros, quiçá, àqueles, que, por diversas razões, não anúncios (empregos, vendas, serviços, etc.), orientações de
têm acesso aos centros onde são ministrados cursos de saúde e muito mais...
aprimoramento maçônico. Também, destina-se àqueles que Quais são os próximos passos do Projeto?
carecem de recursos para aprimorar seus conhecimentos com Estamos trabalhando para lançarmos, até o final de
bons livros e referências maçônicas. Podemos, então, dizer 2008, a Revista Tempo-de-Estudos, com variedades,
que é um Projeto de educação continuada a distância; entretenimento, reportagens de eventos maçônicos e textos
começou com o Ir∴César Luís Bueno Gonçalves, em setembro culturais-educativos.
de 2004. Também, está, em nossos Projetos, a "TV Tempo-de-
Quais são as "ferramentas" do Projeto? Estudos Online", que contará com entrevistas e uma
A primeira ferramenta criada foram os grupos no videoteca cultural.
Yahoo, onde somente são aceitos Irmãos de obediências Qual a necessidade mais premente?
regulares, como GOB, Grandes Lojas Estaduais e Grandes Divulgar o Projeto. Sem dúvida, é um passo contínuo
Orientes Independentes. Tais grupos servem como um fórum, no mesmo. Contamos com os Irmãos para que incentivem os
onde os Irmãos postam suas dúvidas sobre os mais variados membros de suas lojas a aderirem ao nosso Projeto. É muito
temas maçônicos, como ritos, ritualística, história maçônica, importante termos Irmãos envolvidos em todo o processo
legislação, usos e costumes, etc., e os Irmãos mais experientes exposto acima. Os Irmãos são o maior objetivo e patrimônio
postam suas conclusões. Assim, é possível ao consulente de nossa luta por uma Maçonaria consciente,
elaborar uma síntese sobre os temas. Aliás, é a grande contextualizada, operativa e composta por Obreiros
característica de nossos grupos no Yahoo: não há "donos da valorosos, éticos e com alto espírito maçônico.
verdade", cada membro manifesta sua opinião ou idéia, e, Acessem o site www.tempo-de-estudo.com e saibam
juntos, tentamos estabelecer esta síntese. Importante lembrar mais!
Destaques __________________________________________________________________________________

Eleição 2008 – Momento de Reflexão!


João Camanho

D esde a fundação da Loja Maçônica Cavaleiros da Luz,


em 1797, na Bahia – a primeira manifestação da
Maçonaria no Brasil – até os dias de hoje, a nossa
grandes por suas atuações no campo político, lutando em prol da
sociedade brasileira, nós, os maçons atuais, ficamos de braços
cruzados, num total alheamento da arena política, onde o povo
Instituição Secular mantém-se inalterada quanto aos seus brasileiro é massacrado. Por quê? Porque, em loja, ensinam-nos
princípios fundamentais. Entre esses: a crença no que não podemos discutir política. Enquanto isso, dados
G∴ A∴ D∴ U∴ ; afirmação da liberdade e da tolerância; estarrecedores nos apontam o sofrimento do brasileiro: “o Brasil
combate à ignorância; obediência às leis brasileiras; tem 60 milhões de pessoas nômades e miseráveis, fora do
aceitação de todos os credos políticos e religiosos; prática mercado” (dado do extinto Conselho Federal de Educação); “a
da honradez, da fraternidade e da justiça; luta incessante taxa de analfabetismo alcança o índice de 18% ou 28 milhões de
pela felicidade da humanidade. Contudo, cotejando o brasileiros” (UNICEF); “40.000 pessoas, ainda hoje, trabalham
passado da Maçonaria brasileira com o presente, podemos em regime de escravidão, uma grande parte delas, no Pará” (OIT);
afirmar, com tristeza, que a manutenção de alguns desses “de cada 100 crianças, que nascem no Brasil, 58 morrem de fome”
princípios sofreu um acentuado esvaziamento. (UNICEF).
O que se pode esperar, então, de uma Ordem que se Meus Irmãos, democracia e cidadania pressupõem
amesquinha, afastando-se de suas gloriosas e heróicas inclusão e participação; o caminho da construção das duas
campanhas de outrora? Qual a finalidade da mesma, se Ela não (inclusão e participação) é um trabalho que nos
se posiciona, se não repudia esse sistema excludente, corrupto, compete. E esse trabalho, esse resgate da massa
cruel, historicamente, a serviço dos grandes latifundiários, e, oprimida tem de começar ao nível da Loja. Mas como?
ainda hoje, fiel aos interesses de grupos econômicos Fazendo-nos presentes em debates políticos que visem às
internacionais e nacionais, de grupos políticos, de conquistas básicas, garantidas pela Constituição: educação,
especuladores, enfim, de tudo que se opõe à conquista da saúde e segurança; questionando os desmandos e desvios na
cidadania? E nós ouvimos, nas nossas sessões, o administração da coisa pública; cobrando dos
diálogo entre o Ven∴ Mestre e o Ir∴ Chanceler: governantes em atos públicos, ostensivamente, a
― O que é a Maçonaria, Ir∴ Chanceler? realização das promessas feitas em campanha;
― Uma instituição que tem por votando, principalmente, com sabedoria, no dia
objetivo tornar feliz a humanidade ... 05 de outubro próximo, para elegermos uma bancada,
No bojo de tal diálogo, no tocante à que possa atender aos anseios do povo, fazendo, com
conduta de vida maçônica, uma fonte de nosso voto, uma imensa varredura nos escalões da
sabedoria, na qual beberam os eminentes política em âmbito nacional. Se, assim, não fizermos,
Irmãos: D. Pedro I, Gonçalves Ledo, José Bonifácio, Irineu estaremos subestimando nossa capacidade de mudar a nós
Evangelista (Barão de Mauá), Duque de Caxias, Padre Feijó, mesmos, de mudar os outros, de mudar o país.
Bento Gonçalves, Castro Alves, Visconde do Rio Branco, Barão A importância de sermos políticos está implícita no
do Rio Branco, Carlos Gomes, David Canabarro, Frei Caneca, discurso do grande teatrólogo, poeta e ativista Bertolt Brecht:
Benjamin Constant, Deodoro da Fonseca, Hermes da Fonseca, “O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não
Rui Barbosa, Joaquim Nabuco, José do Patrocínio, Quintino fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe
Bocaiúva e, mais recentemente, Juscelino Kubitschek. que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do
Constatamos, então, que, hoje, a referida resposta do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões
Ir∴Chanceler é uma utopia, haja vista a nossa omissão, a nossa políticas. O analfabeto político é tão burro, que se orgulha e
indiferença, a nossa incapacidade de se indignar diante desse estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil
desfile interminável de escândalos políticos, os quais seriam que, da ignorância política, nasce a prostituta, o menor
cômicos, se não fossem trágicos: mensaleiros, sanguessugas, abandonado, o assaltante e o pior de todos os bandidos, que é
mafiosos das ambulâncias, dólares na cueca, Congresso o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio das
transformado em antro de corporativistas e fisiologistas, dossiês, empresas nacionais e multinacionais”.
corrupção generalizada, envolvendo não só os figurões dos Três É preciso, sim, a Maçonaria unir-se e engajar-se nessa
Poderes em Brasília, como também aqueles dos Escalões luta para a construção de um Brasil melhor e mais fraterno,
menores em todo o território nacional. Uma vasta ópera bufa, atuando com a mesma coragem e com o mesmo fervor dos
conduzida pelo maestro Lula, que “não sabe de nada”. nossos valorosos Irmãos do passado, sob pena de sermos
E, distanciando-nos dos Irmãos citados, que foram julgados futuramente como maçons inoperantes, que passaram
pela vida como meros espectadores da miséria humana. 
Os Grandes Iniciados ____________________________________________________________

Francisco de Assis – O Pobrezinho de Deus


“ Oh Mestre! Fazei com que eu procure mais consolar que ser consolado;
compreender que ser compreendido; amar que ser amado. Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado e é morrendo que se vive para vida eterna.”

Francisco Feitosa

S enhor, faça de mim um instrumento de sua Paz, para


que eu possa, através desta singela matéria, saudar
este Grande Iluminado, Francisco de Assis – o
caverna e a trabalhar na reconstrução da mesma.
Seu pai, voltando de viagem, mandou buscá-lo e
prendê-lo em um compartimento sob as escadarias de sua rica
Pobrezinho de Deus. Uma vida de dedicação e amor pelo casa. Sua mãe, sensibilizada com a situação do filho, aproveita
próximo. mais uma viagem de Pietro e facilita a fuga de Francisco, que
Deverá o leitor postar-se em reverência a esse Grande volta a viver na caverna. Novamente, Pietro, regressando de
Iluminado ao ler essas linhas, que, por mais que eu me esforce, viagem, irritadíssimo, manda prendê-lo e exige-lhe prestar
jamais, conseguirei transcrever o exemplo de humildade e de conta do prejuízo, que lhe deu, deserdando-o. Foi quando
amor ao próximo, que foi Francisco de Assis. Francisco devolve-lhe o dinheiro e toda a roupa do corpo,
Filho de um rico comerciante italiano, Pietro dizendo-lhe que, a partir daquele momento, nada queria dele e,
Bernardone, e de uma nobre francesa, Joana Picá de somente, teria a Deus como seu pai.
Bourlemont, em verdade, chamou-se, primeiramente, A partir daquele episódio, afastou-se totalmente
Giovanni Bernardone. Nome dado por sua mãe. da família, passou a pregar a palavra de Deus e a ajudar
Seu pai, cujos os bens equivalia-se a sua os mais desafortunados.
prepotência, como passava boa parte da vida a Reformou três Igrejas: S. Damião; S. Pedro;
construir fortunas em viagens comercias entre a Santa Maria dos Anjos. Seu exemplo atraiu
França e a Itália, quando seu filho nasceu, seguidores: Pedro Cattani (padre); Bernardo (rico);
encontrava-se viajando. Joana teve um parto muito Egídio (órfão); Sabatino; Mórico; João da Capela;
difícil e quase perdeu a criança. Ao perceber que seu Filipe Longo; João de S. Constâncio; Bernardo de
filho poderia não sobreviver, preferiu batizá-lo Viridante; Ângelo de Rieti; Silvestre. Em 1210, já
rapidamente, dando-lhe o nome de Giovanni. Pietro, formava um grupo de doze, que ficou conhecido
ao chegar de viagem, não gostou do nome e mandou como a Távola Franciscana. Começa, então, a criação
trocar por Francisco, fazendo alusão à França, país, da Venerável Ordem Franciscana.
onde fez fortuna e conheceu sua bela esposa. Passou a sair em missões de evangelização
Enfim, Francisco nasceu em Assis, na por toda a Itália e países vizinhos. Através do
Itália, não se sabe, bem ao certo, se foi em 26 de Bispo local, conseguiu uma audiência com o Papa,
setembro de 1181 ou 1182, em um momento meio ao qual apresentou seu altruístico Projeto de
conturbado por guerras e pela transição do trabalho em prol dos mais necessitados,
Feudalismo para "comunas" - cidades repúblicas. recebendo seu apoio.
Teve uma infância e adolescência normal até os 17 Criou o Código Franciscano, composto de doze artigos,
anos, quando, induzido por seu pai, se alistou para lutar na tendo por base: obediência; pobreza; pureza; oração; alegria.
Guerra entre a Perúgia e Assis, almejando, com a vitória, um Conheceu a jovem Clara, de família nobre, que
título de nobreza para sua família, o que muito ambicionava abandonou tudo para segui-lo. Ambos ficaram conhecidos
Pietro. Trabalhou construindo fortificações para a cidade de como Irmão Sol e Irmã Lua. Em 1212, criou a Ordem Segunda,
Assis. Lamentavelmente, Perúgia venceu a guerra, e Francisco com Clara à frente de várias Irmãs, seguidoras de Francisco.
caiu prisioneiro durante um ano. Por ser de família rica, ficou Em 1219, a que passou a ser chamada de Ordem
junto aos prisioneiros nobres, sendo resgatado por seu pai. Primeira já contava com cerca de 5000 frades.
Ao sair da prisão, passou a ter uma visão diferente da Viviam de donativos e repartiam tudo que recebiam
vida abastada que levava. Ainda, atendendo à ambição do pai com os desafortunados.
por um título de nobreza, se alistou no Exército do Conde Francisco, certa vez, abordou um leproso com intuito
Gentile, ligado ao Papa. Francisco, sempre, teve uma saúde de ajudá-lo. O miserável o desprezou e o ofendeu, dizendo
frágil e, logo, ficou gravemente doente, passando cinco longos que ele era mais um frade, que, ao ver, de fato, seu estado
meses de cama e acabou voltando para Assis. deplorável, também, fugiria, assim como tantos outros.
A partir de então, mudou completamente seu
comportamento, passando a ter uma vida de introspecção e
isolamento.
Viajou para Roma, a fim de visitar a tumba de Pedro,
quando deparou, na cidade, muitos mendigos. Sensibilizando-
se com eles, distribuiu todos os seus pertences, inclusive,
trocou suas belas roupas com os maltrapilhos, passando a
esmolar em Roma, para poder voltar a Assis. Assim, foi seu
primeiro contato com a Senhora Pobreza. Ao chegar a Assis, foi
tido como louco.
Incompreendido e aproveitando a ausência de seu pai
em casa, fugiu carregando uma boa quantidade de tecidos do
comércio dele, em um cavalo. Vendeu o material e o animal e
doou o dinheiro para ajudar na reconstrução da Igreja de São
Damião, que andava em ruínas. Passou a morar em uma
Insistindo, Francisco lhe ofereceu um banho, a fim de limpar debilitada, passou muito mal e convidou alguns de seus fiéis
suas feridas. Arrumou uma bacia e um local e começou a banhar seguidores para uma Ceia, sua última ceia, quando dividiu,
o leproso; ao contato de suas mãos as feridas iam desaparecendo. entre os presentes, o pão, em uma cerimônia eucarística.
Francisco, humildemente, ajoelhou-se em prantos, pedindo No dia seguinte, no final da noite, sentindo que estava
perdão a Deus por não ter tido a intenção de tal milagre. prestes a deixar esse plano terreno, pediu, como um gesto de
Os simpatizantes à causa franciscana, que não podiam pobreza, que o deitassem no chão, sem roupas, e recitou, com
ou não queriam fazer o voto de pobreza, passaram a compor a todos, o Salmo 141. Naquele momento, estranhamente, já altas
Ordem Terceira. Mesmo assim, prestavam juramento, horas da noite, surgiu uma revoada de pássaros no local, e o
participavam de reuniões mensais, pagavam Pobrezinho de Deus finalizou sua altruística
uma cota mensal e vestiam o borel passagem nesse plano físico.
franciscano. Queridos leitores, confesso que tenho
O seu amor era incondicional a tudo e uma extrema admiração por esse Mestre de
a todos. Tratava, com o mesmo respeito, a Sabedoria. Lembro que, por volta da virada do
planta, o animal, o mineral e o ser humano. milênio, eu estava envolvido em fazer muitas
Em Gúbio, cidade vizinha, havia um palestras e, todo ano, tentava conciliar a data
lobo feroz que atacava as pessoas. Francisco de 04 de outubro, para falar sobre Francisco de
foi a sua procura e, para surpresa de todos, Assis, mas surgia sempre alguma coisa que me
domesticou o animal com serenas palavras, impossibilitava. Até que, em 2003, consegui,
passando a segui-lo. Certa ocasião, quando justamente, na data de 04 de outubro, proferir
pregava para a população de Assis, sua voz uma palestra pública sobre sua Vida e Obra.
estava sendo abafada pelo barulho dos O local escolhido foi o auditório da
pássaros. Com suaves palavras, ordenou que Sociedade Brasileira de Eubiose, no RJ.
se calassem, sendo prontamente obedecido. Oportunamente, naquele mesmo ano, tive o
Colhendo donativos de casa em casa, privilégio de repeti-la em algumas Lojas
pediu pão a um morador, que lhe negou, maçônicas, também, naquela cidade.
dizendo que sua despensa estava vazia. Ao abri- O que me causou espécie, na
la, para justificar tal atitude a Francisco, para sua surpresa, a oportunidade, e me causa até hoje, foi que, quando subtraí o
mesma se apresentou totalmente lotada de pães. ano de sua morte (1226) do ano em que, de fato, consegui
O movimento franciscano teve um crescimento prestar-lhe uma homenagem (2003), encontrei, exatamente, a
fantástico e, ainda, florescia, quando Francisco se recolheu ao diferença de 777 anos. Diante de um número tão
Monte Alverne e passou 40 dias jejuando. Foi nesse período expressivamente cabalístico, cheguei à conclusão de que causas
que surgiram, em suas mãos e pés, as marcas das Chagas do e efeitos concorreram para que assim acontecesse.
Cristo e passaram a sangrar. Após esse período, desceu do Permita-me, leitor, como Francisco, que, também, sou,
Monte no lombo de um jumento, assim como Jeoshua Ben mais uma vez, humildemente, prestar essa singela homenagem
Pandira, Jesus, adentrou Jerusalém, após receber a a esse Mahatma (Grande Alma) Francisco de Assis.
consciência avatárica, como o Cristo. Que possamos inserir, em nossas vidas, o belo exemplo
No dia 02 de outubro de 1226, com a saúde muito de altruísmo, que Ele nos deixou! 

Ritos Maçônicos _____________________________________________________________________

A Ordem dos Mestres Maçons da Marca


Francisco Miranda

H á muito, e além da Maçonaria Simbólica, o estudo


aprofundado e suas práticas vêm sendo realizados
em instâncias denominadas de: Maçonaria Filosófica,
Antiga e Honrada Ordem dos Navegantes da Arca Real e o
mais importante de todos, o Grau do Arco Real.
Os futuros Maçons do GOB terão a chance de
Graus Superiores ou Graus Adicionais. Sendo este desenvolvimento até o infinito de suas capacidades
último, a denominação, que considero mais intelectuais, voltando-se à prática constante da
apropriada ao estudo, ora apresentado. virtude, dentro das possibilidades oferecidas...”.
Dentre os Graus, considerados como Como podemos observar, há, no trecho
Adicionais, existem, em nosso cenário citado, um rol de Graus adicionais que
maçônico, principalmente nas Lojas de merecem, também, em um futuro oportuno,
jurisdição inglesa ou por ela reconhecida, esclarecimentos específicos, visto que o
alguns, que estão, tornando-se destaques, objetivo deste trabalho é o Grau de Mestres
acredito eu, impulsionados pelo Maçons da Marca (MMM).
pronunciamento do Grão-Mestre do Cabe ressaltar, ainda, que o Grau de
Grande Oriente do Brasil (GOB), em Mestres Maçons da Marca, aqui abordado, é o de
publicação no Boletim Oficial nº5, de tradição, aceitação e chancela inglesa, já que esse
30/03/2007, onde se destaca, em suas páginas 26 e Grau, também, existe, no Brasil, na forma de Grau
27, o seguinte trecho: Iniciático e Capitular, sob a responsabilidade do Supremo
“A sorte está lançada. O GOB, hoje, é reconhecido Grande Capítulo de Maçons do Real Arco do Brasil.
e reconhece todas as Grandes Potências Regulares do Grupo O termo "Marca" origina-se a partir da prática de
Principal do globo, além de ter trazido para o Brasil as antigos pedreiros que anexavam, ao seu trabalho, uma marca
Ordens Unidas Militares, Religiosas e Maçônicas do Templo e pessoal que os identificava para fins de pagamento ou,
de São João de Jerusalém, Palestina, Rhodes e Malta, a simplesmente, para a posteridade, como uma questão de
Grande Loja de Mestres Maçons da Marca (grifo meu), a orgulho no reconhecimento de seu Trabalho.
Registra-se como primeira aparição de vestígios da Grande Oriente do Brasil e da Grande Loja de Mestres Maçons
Ordem dos Mestres Maçons da Marca uma Ata de Loja, datada da Marca do Estado do Rio de Janeiro, únicas potências de
de 31 de julho de 1599, da St. Mary’s Chapel Lodge of Mestres Maçons da Marca por ela reconhecida e fundadas no
Edimburgh, confirmada pela Marca do Vigilante, registrada na Brasil.
Ata. O Grau de Mestre Maçom da Marca é aberto, apenas,
Na Inglaterra, o registro mais antigo da Maçonaria da para os Mestres Maçons vinculados a Potências Maçônicas,
Marca, em um corpo especulativo, data de 1 de setembro de independentes do rito, cuja regularidade seja reconhecida pela
1796, e esse registro consta da Ata de abertura do Royal Arch Grande Loja Unida da Inglaterra, que, no caso do Brasil, são:
Chapter of Friendship, atualmente, a nº 257 de Portsmouth. • Grande Oriente do Brasil;
Nessa Ata, há o relato de uma Carta Patente do Capítulo e a • Grande Loja Maçônica do Estado do Rio de Janeiro;
instituição do Grau da Marca aos Maçons daquele Capítulo do • Grande Loja Maçônica do Estado de São Paulo;
Arco Real. • Grande Loja Maçônica do Estado do Mato Grosso do
Com a consolidação da Maçonaria Inglesa, por meio da Sul.
União das duas Grandes Lojas, em 27/12/1813, foram No Grau da Marca, praticado nas Lojas de origem
decretados 21 Artigos, e o de nº 2 diz exatamente o seguinte: Inglesa, não há uma escala de Graus como as existentes nos
“A Maçonaria Pura e Antiga é composta de três, e somente Graus Filosóficos do REAA, ou nos Graus Capitulares do Real
três Graus: o de Aprendiz, Companheiro e Mestre Maçom, Arco Americano; nem há a formação de chapas para concorrer
incluindo a Suprema Ordem do Santo Arco Real”, o que a uma eleição.
ocasionou um problema para a época, visto que, na Inglaterra, Os seus principais cargos e a seqüência de ocupação
naquela data, várias Lojas trabalhavam, também, com o Grau ocorre, segundo, por exemplo, O § 3º, do Art. 55, da
da Marca, portavam Carta Constitutiva e, mesmo com a Constituição da Grande Loja de Mestres Maçons da Marca do
consolidação, não deixaram de trabalhar Estado do Rio de Janeiro, da seguinte
e conferir esse Grau. forma: Venerável Mestre; Primeiro
Na Escócia e na Irlanda, a posição Vigilante; Segundo Vigilante; Mestre
era bastante diferente da observada na Supervisor; Primeiro Supervisor;
Inglaterra, uma vez que o Grau da Marca Segundo Supervisor; Capelão;
era qualificação essencial ao Arco Real. Tesoureiro; Fiel de Registro de Marcas;
Em 1817, é criado o Supremo Secretário; Diretor de Cerimônias;
Grande Capítulo do Arco Real da Escócia, Primeiro Diácono e Segundo Diácono;
exercendo autoridade sobre o Grau da Mestre de Caridade; Assistente de
Marca e dividindo essa autoridade com a Secretário; Assistente do Diretor de
Grande Loja da Escócia. Cerimônias; Esmoler; Organista; Guarda
Em 1856, sete membros da Interno e Guarda Externo.
Grande Loja Unida da Inglaterra (GLUI) Cabe destacar que o cargo de
e sete membros do Supremo Grande Venerável Mestre, mesmo estando na
Capítulo do Arco Real da Inglaterra, nem seqüência o 1º Vigilante, é eleito pelos
todos Maçons da Marca, reportam-se à membros da Loja, anualmente, numa
GLUI com a seguinte proposta: sessão regular, e o postulante ao cargo
“... Que o Grau de Maçom da deverá preencher os seguintes pré-
Marca ou Mestre da Marca não esteja requisitos, para ser instalado: ter servido
em desacordo aos antigos Landmarks em uma Loja regular de Mestres Maçons
da Ordem; que seja um acréscimo e faça parte da Maçonaria da Marca por um ano completo; ter sido instalado como
Simbólica e, conseqüentemente, possa ser conferido por Lojas Venerável Mestre de uma Loja Simbólica regular; ser membro
Regulares Certificadas...”. (Mitchell, 33.) contribuinte de pelo menos uma Loja Simbólica Regular.
Essa proposta foi aceita na reunião trimestral da GLUI, Como observação, deixo registrado, também, que na
mas, na reunião trimestral seguinte, em 4/6/1856, devido à Grande Loja de Mestres Maçons da Marca existem, além dos
mobilização da oposição, voltou-se à situação em que se cargos acima, descritos para as suas Lojas, alguns outros
encontrava. Ou seja, sem validade para a GLUI. particulares, mais os de Grão-Mestre, Grão-Mestre Adjunto e
Um mês depois, julho de 1856, foi criada a Grande Loja Grão-Mestre Assistente.
da Marca Inglesa, e todos os Corpos, que conferiam o Grau da As sessões ritualísticas, desenvolvidas em Lojas de
Marca, na Inglaterra, ficaram sob sua autoridade, MMM, tornam-se um local adequado para o crescimento e a
participando, dessa criação, as seguintes Lojas: harmonização entre Lojas, Potências e Irmãos, tanto no
• A Northumberland and Berwick Lodge em Newcastle- sentido coletivo quanto individual, pois suas
upon-Tyne; particularidades, não-encontradas no simbolismo, como a
• A Royal Cumberland Lodge de Bath; formação da Loja por Mestres Maçons praticantes de
• A Old Kent Lodge de Londres; qualquer Rito, junto com as instruções do Grau – chamadas
• A Bom-Accord Lodge de Londres. de preleções – complementam, e muito o aprendizado do
Tendo como seu primeiro Grão-Mestre o Lord Leigh. Mestre Maçom, dando a esse Grau o título de “Grau
Em 1878, ambas as Grandes Lojas (da Marca e Unida) Amigável”, pois procura dar muita ênfase ao Amor
firmaram um acordo e criaram a Grande Loja de Mestres Fraternal, trabalhando os mais altos valores pertencentes a
Maçons da Marca da Inglaterra e País de Gales, domínios e um amigo e a um companheiro, bem como, dentre outros
dependências da Coroa Britânica, hoje, denominada Grande maravilhosos assuntos, o destaque ao aprendizado: “de que
Loja de Mestres Maçons da Marca da Inglaterra e País de não devemos tentar receber aquilo ao qual não temos
Gales, seus Distritos e Lojas Além-Mar. Única Governante do direito” e “O mérito de um produto, fruto de um esmerado e
Grau da Marca em todas as Regiões, abrangidas pela cuidadoso trabalho, deixado de lado por outrem como algo
Maçonaria Inglesa, sendo, inclusive, a responsável pela sem valor, pode, mais tarde, tornar-se notável, estimado e
fundação e reconhecimento da Grande Loja da Marca do honroso”. (Mitchell,39.) 
Trabalhos ___________________________________________________________________________________

Iniciação
Cleanto Pereira dos Santos

O texto, a seguir, enfoca iniciação no seu sentido mais


amplo, uma mudança de estado de consciência, não
enfocando uma escola iniciática especifica. “A verdadeira
Creta, filho de Europa e de Zeus. Um dia, Minos solicitou a
Poseidon que fizesse sair do mar um touro para sacrificar em
sua homenagem. Poseidon o atende, fazendo surgir um lindo
iniciação é aquela que obriga o homem a descobrir, por si animal, que minos guarda, não realizando o sacrifício.
mesmo (pela meditação), o que não pode, desde logo, ser Poseidon, então, castiga Minos, fazendo com que sua
desvendado diante de seus olhos nublados pelos densos véus esposa Parsifae, filha do Sol, tivesse irresistível paixão pelo
da matéria em que se acha envolvido. Daí a frase: “do ilusório touro, e da união concebesse um ser monstruoso com corpo de
conduz-me ao real, das trevas à luz, da morte à imortalidade.” homem e cabeça de touro, o Minotauro, que se alimentava de
(JHS.) carne humana.
Sabem todos os iniciados que não é possível alcançar a Dédalo, que era arquiteto, a pedido de Minos,
Sublime Aspiração, a realização interior, se o discípulo não se construiu, no palácio de Cnossos, um labirinto escuro, onde
apoiar numa tradição organizada, que lhe sirva de base, a fim colocou o Minotauro. Estando Creta e Atenas em guerra,
de poder enfrentar as forças adversas do meio em que vive. Minos pede a Zeus que lance uma peste sobre seu inimigo, o
Essa tradição não deve ser exclusivamente de ordem social e povo de Atenas. Zeus atende a seu pedido, e, posteriormente,
moral, senão de ordem oculta, e nossa Sublime Ordem para que a peste cessase, fizeram um acordo, no qual Atenas
encaixa-se perfeitamente nesse conceito. deveria, de 9 em 9 anos, enviar 7 rapazes e 7 moças para o
Os que sabem as coisas secretas falam, veladamente, da Minotauro se alimentar. Num dos grupos, estava Teseu,
Comunhão das Almas Santas ou da treinado pelo centauro Quíron, ser, com
Comunhão dos Santos, como diz a Igreja cabeça humana e corpo de cavalo.
Católica, servindo de eco a um Teseu chega a Creta e encontra a
conhecimento mais antigo, que ela, cujo filha de Minos e Parsifae, Ariadne, que se
sentido verdadeiro lhe escapa apaixona por ele e lhe dá um novelo de
completamente. Isso quer dizer que cada linha.Teseu, amarrando uma extremidade
aspirante à Verdade, que tenta o caminho do fio em seu corpo e a outra deixando
direto, mais fino que o fio de uma navalha, com Ariadne, penetra o labirinto, onde
precisa se apoiar numa força, criada luta e vence o Minotauro. Graças ao fio
através dos séculos pelos seus inumeráveis condutor, consegue sair dele como herói.
predecessores nessa vereda espinhosa. Esse mito tem, entre outras, a seguinte
Isso porque o homem, que se faz simbologia:
mestre perfeito, deixa, no ambiente Teseu, Herói ou Discípulo na luta
terreno, o resultado de seus tremendos e da iniciação; Centauro, Ser com cabeça e
perseverantes esforços, com um poder tronco de homem e corpo de cavalo,
espiritual consciente, que se une aos representando a mente dominando o
demais Irmãos de todas as épocas, como um influxo vivo, animal ou emocional, postura que o Mestre passa a Teseu;
verdadeira torrente espiritual. Os gurus, perfeitos Minotauro, ser com cabeça de touro e corpo de homem,
conhecedores da lei da evolução, dizem não ser possível ao representando a animalidade ou emocional dominando o
homem alcançar a iluminação, sem que esteja ligado a essa homem.
torrente ininterrupta, através da qual são concedidos aos O fato de se alimentar de carne humana simboliza a
discípulos graus, que variam segundo as iniciações animalidade, consumindo o próprio homem; Cnossos, nosso
ascendentes. Essas consagrações são definitivas, porque ligam corpo físico, suporte da evolução e da luta iniciática; Labirinto,
um discípulo a um poder infinitamente superior ao que nele nossa alma, verdadeiro labirinto, onde nos perdemos na
possa existir de mais elevado. escuridão de seu desconhecimento; Ariadne, nossa consciência
O processo iniciático trabalha no interior de cada um, cósmica superior, nosso espírito, o objetivo da iniciação e do
visando transformar a vida energia externa em vida lento processo evolutivo da humanidade, o prêmio, após,
consciência interna. O corpo físico é o suporte; a alma, a sede; vencermos os desafios da alma; Fio condutor, Fio de Sutratmã,
o espírito, o objetivo da evolução. A mente é a ferramenta que liga a consciência física (inferior) à consciência superior;
usada para derrubar as barreiras da evolução: nossa Minos e Parsifae, Rei-Sarcedote e sua contraparte, pais de
ignorância, nosso egoísmo, nossos dogmas e nossos apegos. Ariadne ou da Raça Ariana (que, ocultamente, significa
A transformação real ocorre na alma pela ação de nosso nascidos sob a égide de Áries); Touro, símbolo da Terra. O
mental, o que está representado na mitologia pela luta de amor de Minos e Parsifae pelo Touro representa o amor de
Teseu contra o Minotauro. Este mito liga-se a Minos, rei de Deus pela Terra e seu fruto, a humanidade.
Trabalhos ___________________________________________________________________________________

Os Doze Discípulos e os Símbolos Astrológicos


João Roberto Climaco

A cada ciclo, grupo de Seres vem ao planeta cumprir sua


tarefa. Pela lei da afinidade, vem desenvolver e trabalhar
Mateus vem em seguida, correspondendo a Gêmeos,
signo duplo, que necessita de interação com as pessoas e de
sua essência sob determinada configuração e características, colher informações. Mateus tem as mãos dispostas para um
que conhecemos como signo e conjunturas astrológicas. lado e o rosto para o outro, revelando a dinâmica geminiana de
"E aconteceu que, naqueles dias, subiu ao Monte a orar e querer falar e ouvir a todos ao mesmo tempo.
passou a noite em oração a Deus. E, quando já era dia, chamou a Mateus era repórter e historiador da vida de Jesus, e
si os seus discípulos e escolheu doze deles a quem, também, deu Gêmeos rege a casa III, setor de comunicação e conhecimento.
o nome de apóstolos: Simão, ao qual, também, chamou Pedro, Logo após, está Filipe, o Canceriano. Suas mãos em
e André, seu irmão; Tiago (menor) e João, Filipe e direção ao peito mostram a tendência canceriana para acolher,
Bartolomeu; e Mateus e Tomé, Tiago (maior), filho de proteger e cuidar das coisas. Regido pela Lua, Câncer trabalha
Alfeu, e Simão, chamado o Zelador, e Judas (Tadeu), filho de com o sentir; Filipe está inclinado, como se estivesse
Tiago e Judas Iscariotes, que foi o traidor." (Lc:6 12-16.) oferecendo-se para alguma tarefa.
Com o desaparecimento de Judas, apresentaram-se Ao seu lado, está Tiago Menor, o Leonino, de braços
dois: José, o Justo, e Matias, "e, lançando-lhes sortes, caiu a abertos, revelando, nesse gesto largo, o poder de irradiar amor
sorte sobre Matias. E, por voto comum, foi contado com os (Leão rege o coração e o chacra cardíaco); ele se impõe nesse gesto
onze apóstolos". (At:2-26.) confiante, centralizando atenções.
Houve uma época em que a Atrás dele, quase que
Química e a Alquimia eram uma só escondido, está Tomé, o Virginiano,
ciência, assim como a Astrologia que, apesar de modesto, não deixa de
e Astronomia, até que, por volta expressar o lado crítico e inquisitivo de
do século XIII, o Papa Inocêncio Virgem – com o dedo em riste, ele
III decretou uma Bula, separando contesta diante de Cristo; foi Tomé
a ciência entre sagrada e profana. quem o quis ver para crer.
Daí, astrólogos e alquimistas Libra é simbolizado por
passaram a ser perseguidos. João, o discípulo amado de Jesus.
Leonardo da Vinci, que Com as mãos entrelaçadas, ele
era um iniciado, decidiu pondera e considera todas as
imortalizar, através da pintura, opiniões antes de tomar posições -
toda a simbologia astrológica e Libra rege a casa VII, é o setor do
numerológica, contida nos ensinamentos do Cristianismo outro, e isso requer imparcialidade e diplomacia.
Esotérico, deixando esse registro no quadro A Última Ceia, Ao seu lado, está Judas Iscariotes, representando
onde cada um dos 12 apóstolos corresponde a cada um dos Escorpião. Com uma das mãos, ele segura um saco de
doze signos astrológicos. dinheiro, pois era o organizador das finanças da comunidade
Leonardo da Vinci esquematizou a disposição dos dos apóstolos (Escorpião rege a casa VIII, que trata dos bens e
apóstolos de acordo com a posição astronômica, da direita para valores dos outros), e, com a outra, bate na mesa, protestando.
a esquerda de quem vê o quadro. Sagitário é representado por Pedro, o Pescador de
Portanto, quem está na cabeceira da mesa é Simão, Almas. Foi ele quem fez o dogma e instituiu a lei da Igreja –
que corresponde ao signo de Áries. Signo de fogo e de ação, Sagitário rege a casa IX, setor das leis, religiões e filosofia. Seu
Simão indica, com as mãos, a direção a tomar. Áries rege a dedo aponta para Jesus – a meta de Sagitário é espiritual – e,
cabeça na anatomia astrológica, e a testa de Simão é bem na outra mão, segura uma faca, representando o lado instintivo
realçada na pintura. Sua prontidão ariana, também, é nos homens. Ele se eleva entre outros dois apóstolos, trazendo
mostrada pelas mãos desembaraçadas, para agirem conforme a esclarecimentos (luz) à discussão.
vontade e coragem cardeal de Áries. Ao seu lado, está André, que representa
Ao seu lado, está Judas Tadeu, o Taurino. Seu Capricórnio. Conhecedor das responsabilidades, com seu
semblante é sereno; enquanto escuta Simão (Áries/cérebro), gesto restritivo, impõe limites. Seu rosto magro e ossos
vai digerindo lentamente suas impressões, acolhendo-as com salientes revelam o biótipo capricorniano. Seus cabelos e
uma das mãos, revelando a possessividade de Touro (que é barbas brancas e seu semblante sério mostram a relação de
terra/receptivo). No corpo humano, Touro rege o pescoço e a Capricórnio com o tempo e a sabedoria. Os temores de André
garganta, e o de Judas Tadeu está bem destacado. são apaziguados por Tiago Maior.
Tiago Maior, Aquariano, que debruça uma de suas Jesus – secretamente, era, também, um cristão.
mãos sobre seus ombros, num gesto amigável, enquanto a outra Quando Jesus foi crucificado, depois que os soldados
se estende aos demais. Ele visualiza o conjunto, percebendo ali romanos se foram, José de Arimatéia levou, até a cruz, a Taça
o trabalho em grupo, liderado pelo Mestre. Aquário rege a casa (o Graal), usada na última ceia, e recolheu, também, a lança
XI, que é o setor dos grupos, amigos e esperanças. que o soldado Longinus havia usado para ferir Cristo. “Depois,
O último da mesa é Bartolomeu, que representa levou o Graal para Patmos, e lá seu filho Josephus deu a Taça
Peixes. Seus pés estão em destaque (que são regidos por a um santo inglês, que a escondeu em Gales; primeiro, numa
Peixes na anatomia astrológica). Ele parece absorvido pelo que caverna, e, depois, no castelo do Graal.”
acontece à mesa, e, com as mãos apoiadas, quase debruçado, A busca do Santo Graal passou, então, a ser a meta dos
revela devoção, envolvido pelo clima desse último encontro que queriam a vida eterna. Sua prática construtiva envolve os
entre os apóstolos e Jesus Cristo, já que, numa determinada Cavaleiros da Távola Redonda da Corte do Rei Artur. Quanto à
hora, as coisas ficaram um pouco confusas, pois Jesus revelou lança, conta-se que percorreu longo caminho, pois lhe foi
que "a mão do que me trai está comigo à mesa". atribuída poderes de cura, já que o próprio Longinus foi,
A traição veio de Judas Iscariotes inexplicavelmente, curado. Ele tinha uma infecção no olho, e,
Político, administrador e homem de negócios, Judas ao ferir Jesus, um pouco de sangue caiu na vista doente,
viu, em Cristo, a esperança de mudança no plano material, fazendo desaparecer imediatamente a infecção.
porém, quando Cristo deixou claro que libertaria, apenas, o A conquista de muitas batalhas foram atribuídas ao uso
espírito, e não a matéria, provocou, em Judas, um grande da ponta dessa lança por muitos líderes, entre eles,
equívoco. Após ser delatado, Jesus foi levado a um conselho do Constantino, Carlos Magno, Napoleão e Hitler – este último
qual fazia parte José de Arimatéia. Senador, rico e membro desprezava o Cristianismo, porém a retirou do palácio de
ilustre desse conselho, não concordou com a condenação de Nuremberg, usando-a como símbolo de limpeza étnica. 

Reflexões _____________________________________________________________________________________

Ser Desnecessário*
U ma das situações, talvez, a mais dolorosa para um
homem, é quando ele se conscientiza de que é totalmente
desnecessário, seja no ambiente familiar, no trabalho, na
avental de M.: I.:, que é muito mais vistoso do que o de um
"simples" Mestre;
· quando já Mestres e até participando dos Graus
comunidade ou, principalmente, para nós maçons, em nossa
Filosóficos não terem entendido, ainda, que o essencial, para o
Instituição.
verdadeiro Maçom, é o seu crescimento espiritual, a sua
Os Maçons tornam-se desnecessários:
regeneração, a sua vitória sobre a vaidade e os vícios, a
· Quando, decorrido algum tempo de sua Iniciação aceitação da humildade e o bem que possam fazer aos seus
ao primeiro Grau da Ordem, já demonstram desinteresse semelhantes, e que a política interna, a proteção mútua,
pelas sessões, faltando constantemente, demonstrando principalmente na parte material, é importante, mas
não estarem comprometidos com a Instituição, apesar não essencial;
de terem aceitado a Iniciação e sob juramento
· quando, como Aprendiz, Companheiro ou
solene;
Mestre, não entenderem que a Loja necessita que
· quando, durante as sessões, suas mensalidades estejam
já "enturmados", ficam rigorosamente em dia, para que
impacientes com as instruções, possam fazer frente às despesas
com as palestras ou com as palavras inevitáveis;
dos Irmãos mais velhos, achando tudo
· quando, como Veneráveis
uma chatice, uma bobagem, que atrasa o
Mestres, deixam o caos se abater sobre a
ágape e a esticada;
Loja, não sendo firmes o suficiente para
· quando, ao tempo da apresentação de exercer sua autoridade; não tendo um calendário
trabalho para aumento de salário, não tendo a com programação pré-definida para um período; não
mínima idéia dos assuntos, dentre os quais podem cobrando de seus auxiliares a consecução das tarefas, a
escolher os seus temas, simplesmente, copiam alguma coisa eles determinadas, e não se importando com a educação
de um livro e apresentam-no, pensando que ninguém vai maçônica, que é primordial para o aperfeiçoamento dos
notar; obreiros;
· quando, ainda Companheiros, começam a participar
de grupos, para ajudar a eleger o novo Venerável, e, não raro,
já pensando, seriamente, assim que chegarem a Mestres, em
trabalhar, para obter o "poder" na Loja;
· quando Mestres, não aceitam que, ainda, não sabem
nada a respeito da Ordem e acham que estudar e comparecer
ao máximo de sessões do ano é coisa para a administração,
para os Companheiros e Aprendizes;
· quando Mestres, participando das eleições como
candidatos a algum cargo na Loja, principalmente, ao de
Venerável, e não sendo eleitos, somem ou filiam-se a outra
Loja, onde poderão ter a "honra" de serem cingidos com o
· quando, como Vigilantes, não entenderem que, todos são desnecessários, pois a benevolência é um dever do
juntamente com o Venerável Mestre, devem constituir uma Maçom;
unidade de pensamento, pois, em todas as Lojas, nas quais um
Muito mais haveria para se dizer em relação aos
ou os dois Vigilantes não se entendem entre si e,
Irmãos desinteressados da nossa Sublime Instituição.
principalmente, com o Venerável, o resultado da gestão é
Fiquemos por aqui e imploremos ao Grande Arquiteto do
catastrófico;
Universo que ilumine cada um de nós, pra que possamos agir
· quando, como Tesoureiros, não se mostram diligentes na Maçonaria com o verdadeiro Espírito Maçônico, e não com
com os metais da Loja, não se esforçam para manter as o espírito profano, rogando, ainda, que, em nenhuma
mensalidades dos Irmãos em dia e não se importam com os circunstância, seja na família, no trabalho, na sociedade ou na
relatórios obrigatórios e as prestações de contas; Arte Real, tornemo-nos desnecessários, pois deve ser muito
triste e frustrante para qualquer um sentir-se sem importância
· quando, como Hospitaleiros, não estão atentos aos
problemas de saúde e dificuldades dos Irmãos da Loja; e sem utilidade no meio em que se vive. 
*Matéria publicada na Revista O Delta
· quando, como Chanceleres, não dão importância aos
natalícios dos Irmãos, cunhadas, sobrinhos e de outras Lojas;
quando, em desacordo com as leis, adulteram as presenças,
beneficiando Irmãos que faltam e não merecem esse obséquio;
· quando a Instituição programa uma Sessão Magna
Branca, para homenagear alguém ou alguma entidade pública
ou privada e se constata a presença de um número irrisório de
Irmãos, dando aos profanos uma visão negativa da Ordem,
deixando constrangidos aqueles que se dedicaram e se
esforçaram, para realizar o evento à altura da Maçonaria, todos
esses Irmãos indiferentes, que não comparecem,
habitualmente, a essas sessões, são desnecessários à nossa
Ordem;
· quando constatamos que em grande número de Lojas,
com uma freqüência média de vinte Irmãos, recolhe-se um
tronco de beneficência de R$ 10,00 (dez reais) em média,

BoasDicas _____________________________________________________________________________________________

 Sites 
Recomendo uma visita aos sites :
http://www.salmo133.org
http://www.meiaamazonianao.org.br

 Livros 
Indico o livro “Pequena História da Maçonaria no Brasil” de
autoria do Irmão João Ferreira Durão, pela editora Madras. Acessem
o link - http://www.madras.com.br/exibir_produto.asp?idprod=1294

 Arte Real – Edições Anteriores 


As edições anteriores se encontram disponíveis para download
no site www.entreirmaos.net
Obrigado por prestigiar nosso trabalho. Temos um
encontro marcado na próxima edição!!! 

Arte Real __________________________________________________________________________________________________________

A rte Real é uma Revista maçônica virtual, de publicação mensal, que se apresenta como mais um
canal de informação, integração e incentivo à cultura maçônica, sendo distribuída, diretamente, via
Internet, para mais de 11.000 e-mails de Irmãos de todo o Brasil e, também, do exterior, além de uma
vasta redistribuição em listas de discussões, sites maçônicos e listas particulares de nossos leitores.
Editor Responsável, Diagramação e Editoração Gráfica: Francisco Feitosa
Revisão: João Geraldo de Freitas Camanho
Colaboradores nesta edição: Cleanto Pereira dos Santos – Francisco Miranda – João Camanho
João Roberto Climato - José Castellani.
Empresas Patrocinadoras: Aldo Vídeo - Arte Real Software – CH Dedetizadora – CONCIV -
Construções Civis - CFC Objetiva Auto Escola – IBS Teconologia Web – João Ferreira Durão
López y López Advogados - Maurílio Advocacia – Santana Pneus – Sul Minas Lab. Fotográfico.
Contatos: feitosa@entreirmaos.net Skype – francisco.feitosa.da.fonseca - MSN – entre-irmaos@hotmail.com
Distribuição gratuita via Internet. - Os textos editados são de inteira responsabilidade dos signatários. 