You are on page 1of 102

Registro ANVISA 10223710054 - Rev.

07 - Maio 2015

Manual do Operador e Instalação


Termodesinfectora TD290

Termodesinfectora TD290
Sistema de Termodesinfecção para utilização em
Hospitais, Clinicas, Laboratórios e Indústrias.

Elaborado: Carlos A. Bertasso (PRJ):


Revisado: Edson Raposo (DQL):
Aprovado: Carlos M. Nakamura (DFR):
Visão geral do manual
Este manual descreve os procedimentos a serem executados
durante a operação/instalação das Termodesinfectoras fabricadas
pela Ortosintese Indústria e Comércio Ltda. até a data de sua
publicação. Em função da constante preocupação desta empresa em
oferecer produtos de qualidade e que acompanhem o
desenvolvimento tecnológico, poderão ocorrer com o passar do
tempo, alterações no produto. Isto implica em que algumas das
informações, poderão ser passíveis de alterações futuras. Por este
motivo, no rodapé de cada página é registrada a data de cada seção.
Procure usar sempre as informações mais atualizadas. O manual
está estruturado em grupos e seções, estando as seções específicas
do sistema reunidas em seus grupos pertinentes. Grupo I
(Operação), descreve um conjunto de informações que
seguramente irão auxiliar na execução correta de seu trabalho;
Grupo II (Instalação), descreve o processo de instalação das
Termodesinfectoras; Grupo III (Garantia); e Grupo IV (Assistência
Técnica Autorizada).

Ortosintese Indústria e Comércio Ltda.

Dados do equipamento
Código Modelo

Data de fabricação Número de série

Software versão
Manual do Operador e Instalação
Termodesinfectora

Índice

Grupo I: Operação
Mensagem Inicial .......................................................................................... 3
Seção 1:
Normas e Diretrizes....................................................................................... 4
Seção 2:
Adesivos de Orientações e Alertas ................................................................. 8
Seção 3:
Painel de Comando ........................................................................................ 9
Seção 4:
Especificações ............................................................................................. 11
Seção 5:
Opcionais com Montagem na Fábrica........................................................... 17
Seção 6:
Identificação das Teclas do Micro Processador ............................................ 18
Seção 7:
Operador – Antes de Iniciar a Operação ...................................................... 20
Seção 8:
Operação do Painel de Comando ................................................................. 41
Seção 9:
Impressora – Operação e Manutenção ........................................................ 64
Seção 10:
Reabastecimento de Detergente Enzimático e de Umectante ...................... 71

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Índice 1


Manual do Operador e Instalação
Termodesinfectora

Grupo II: Instalação


Ao Comprador ............................................................................................. 73
Ao Técnico Instalador Credenciado ............................................................. 73
Seção 1:
Adesivos na Embalagem, de Instalação e Identificação ............................... 74
Seção 2:
Procedimentos para Instalação ................................................................... 76
Seção 3:
Plantas de Dimensionamento da Área e Instalação ..................................... 90

Grupo III: Garantia


Garantia ...................................................................................................... 92

Grupo IV: Assistência Técnica Autorizada


Assistência Técnica Autorizada ................................................................... 93

2 Índice Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Grupo I: Operação

Grupo I:
Operação

Mensagem Inicial
Temos a convicção de que estamos fornecendo um equipamento de alta tecnologia que,
operado de forma adequada e passando pelas manutenções periódicas necessárias, terá
uma vida útil longa, produzindo resultados tanto em quantidade como em qualidade
excelente.
Para que esta Termodesinfectora consiga todo o desempenho para o qual foi projetada,
é de vital importância que sejam seguidas todas as orientações contidas nas próximas
páginas. Apesar da responsabilidade de efetuar a manutenção preventiva da máquina
não seja do seu operador, cabe a este certificar-se de sua execução, visto que a qualidade
de seu trabalho e em casos extremos, até a sua segurança pode ser comprometida.
A Ortosintese Indústria e Comércio Ltda., Divisão de Equipamentos possui uma rede
credenciada e treinada para efetuar as revisões necessárias, bem como, coloca-se à
disposição de seus clientes para fornecer esclarecimentos e informações que venham a
surgir sobre seus produtos.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Mensagem Inicial 3


Grupo I: Operação

Seção 1:
Normas e Diretrizes

Normas e legislação
Os equipamentos de desinfecção por jatos de água aquecida fabricados pela Ortosintese
Indústria e Comércio Ltda., Divisão de Equipamentos, são projetados e fabricados
atendendo as normas e leis que regulamentam este tipo de equipamento.

ISO 15883: Conjunto de normas estabelecidas na Alemanha e que estabelecem


padrões equipamentos de limpeza e desinfecção. Ele ilustra e descreve os requisitos
de equipamentos e validação de processos para a preparação. (Na Alemanha é definida
como DIN EN ISO 15883).
ISO 9001:2008/ISO 13485:2003: Especifica requisitos para um sistema de gestão
da qualidade, de uma organização.
AISI: Conjunto de normas estabelecidas pelo Instituto americano de Ferro e Aço
(American Iron and Steel Institute – AINSI) que define padrões de especificação para
vários tipos de aço e sua aplicação industrial.
ASME: Seção II parte A e D, V, VIII divisão 1 e IX – Conjunto de normas estabelecidas
pela “Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos” que define padrões para
caldeiras, recipientes e tubulação submetidas a altas pressões, bem como define
tipos de soldas a serem utilizadas na construção destes recipientes.
Diretiva 93/42: Estabelece regras rigorosas para que um equipamento médico
consiga certificação para comercialização no Mercado Comum Europeu (CEE).
ABNT NBR – IEC 60601-1-2: Compatibilidade eletromagnética para garantir
a segurança e a eficácia de equipamentos elétricos usados na medicina. Foi
publicada pela primeira vezem 1977 e atualizada e revisada em 2011. É
composta por uma norma geral, 10 padrões de garantia e 60 normas específicas.
Esta série de normas foi elaborada pela Comissão Eletrotécnica Internacional
(International Electortechnical Commission – IEC).
ANVISA – RDC NO 15, DE 28 DE MARÇO DE 2014: Dispõe sobre os requisitos
relativos à comprovação do cumprimento de Boas Práticas de Fabricação para fins de
registro de Produtos para Saúde.

4 Seção 1: Normas e Diretrizes Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Grupo I: Operação

Diretrizes e declaração do fabricante - emissões


eletromagnéticas
Compatibilidade eletromagnética
Declaração do Fabricante e Orientação –
Emissões Eletromagnéticas
A Termodesinfectora é destinada para utilização em ambiente eletromagnético
especificado abaixo. Recomenda-se que o cliente ou usuário da Termodesinfectora
garanta que ela seja utilizada em tal ambiente.
Emissão de RF CISPR 11 – Grupo I, Classe A A Termodesinfectora é
Emissão de harmônicas destinada a ser utilizado
Classe A
IEC 61000-3-3 em ambientes controlados,
Flutuações de tensão e tais como hospitais, clínicas
Classe A e ambientes industriais.
Flicker IEC 61000-3-2

Declaração do Fabricante e Orientação –


Imunidade Eletromagnética
A Termodesinfectora é destinada a ser utilizada no ambiente eletromagnético
especificado abaixo. Recomenda-se que o cliente ou usuário da Termodesinfectora
garanta que ela seja utilizada em tal ambiente.
Ambiente
Ensaios de Nível de ensaio Nível de
eletromagnético -
imunidade da IEC 60601 conformidade
orientação
O piso deve ser de
± 6 kV – contato ± 6 kV – contato madeira, concreto ou
Descarga cerâmico. Se o piso é
eletrostática coberto com material
(IEC 61000-4-2) sintético, a umidade
± 8 kV – ar ± 8 kV – ar relativa do ar deveria ser
pelo menos 30%.
± 2 kV linha de ± 2 kV linha de
Transientes alimentação alimentação
rápidos/Rajadas ± 1 kV linha de
(IEC 61000-4-4) entrada e saída Não aplicável
de sinal
± 1 kV modo ± 1 kV modo
Surto diferencial diferencial
(IEC 61000-4-5) ± 2 kV modo ± 2 kV modo
comum comum A qualidade da rede
< 5% Ut (> 95% < 5% Ut (> 95% elétrica deve ser a mesma
queda em Ut) queda em Ut) de um típico ambiente
Quedas por 0,5 ciclo por 0,5 ciclo hospitalar.
de tensão, 40% Ut (60% 40% Ut (60%
interrupções queda em Ut) queda em Ut)
curtas e variações por 5 ciclos por 5 ciclos
de tensão na 70% Ut (30% 70% Ut (30%
alimentação queda em Ut) queda em Ut)
elétrica por 25 ciclos por 25 ciclos
(IEC 61000-4-11) < 5% Ut (> 95% < 5% Ut (> 95%
queda em Ut) queda em Ut)
por 5 s por 5 s

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 1: Normas e Diretrizes 5


Grupo I: Operação

Ambiente
Ensaios de Nível de ensaio Nível de
eletromagnético -
imunidade da IEC 60601 conformidade
orientação
Campos Os campos magnéticos das
magnéticos das frequências de rede deverá
frequências de 3 A/m 3 A/m ter níveis característicos
rede (50/60 Hz) de um típico ambiente
(IEC 61000-4-8) hospitalar.
Equipamentos portáteis e
móveis de comunicação
por RF não devem ser
utilizados próximos da
Termodesinfectora.
Distância de separação
recomendada:
RF conduzida 3 Vrms 150 kHz d = 1,17 • P
3V
(IEC 61000-4-6) a 80 MHz d = 1,17 • P 80 MHz a 800
MHz
d = 2,3 • P 800 MHz a
2,5 GHz
Onde P é a potência
máxima de saída do
transmissor em watts (W),
de acordo com o fabricante
do transmissor, e "d" é
a distância de separação
recomendada em metros
(m).
O campo gerado por
transmissores de RF
fixos, como determinado
por um estudo do campo
RF Irradiado 3 V/m 80 MHz eletromagnético no local (a),
3 V/m
(IEC 61000-4-3) a 2,5 GHz deve ser menor que o nível
de conformidade em cada
faixa de frequência (b).
Interferências podem
ocorrer nos arredores
de equipamentos com o
seguinte símbolo:

6 Seção 1: Normas e Diretrizes Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Grupo I: Operação

Nota:
• Na faixa de 80 MHz e 800 MHz, se aplica a maior frequencia da faixa.
• Este procedimento pode não se aplicar em todas as situações. A propagação
eletromagnética é afetada por absorção e reflexão de estruturas, objetos e
pessoas.
(a)
A intensidade de campos gerados por transmissores fixos, tais como estações de rádio
base para telefones (celular/sem fio), rádios móveis terrestres, rádios amadores,
estações de radiodifusão AM, FM e TV não podem ser teoricamente prognosticadas
com precisão. Para avaliar o ambiente eletromagnético devido a transmissores de
RF fixos, um estudo do campo eletromagnético no local deve ser considerado. Se a
intensidade do campo medido no local no qual a Termodesinfectora é usada exceder
o nível de conformidade acima, a Termodesinfectora deve ser observada para
verificar se está operando normalmente. Se um desempenho anormal é observado,
medidas adicionais podem ser necessárias, tais como, reorientação ou realocação da
Termodesinfectora.
(b)
Acima da escala de frequência de 150 kHz a 80 MHz, a intensidade de campo deveria
ser menor que 3 V/m.
Distâncias de separação recomendadas entre equipamentos de
comunicação por RF portáteis e móveis e a Termodesinfectora
A Termodesinfectora é destinada para uso em um ambiente eletromagnético no qual
distúrbios de RF são controlados. O comprador ou o operador da Termodesinfectora pode
ajudar a prevenir interferências eletromagnéticas, mantendo uma mínima distância
entre equipamentos de comunicação por RF portáteis e móveis (transmissores) e a
Termodesinfectora, como recomendado abaixo, de acordo com a potência máxima de
saída do equipamento de comunicação.

Distância de separação de acordo com a frequência do


Máxima potência transmissor
de saída declarada
do transmissor (W) 150 kHz a 80 MHz 80 MHz a 800 MHz 800 MHz a 2,5 GHz
d = 1,17 • P d = 1,17 • P d = 2,3 • P
0,01 11,70 11,70 23,00
0,1 37,00 37,00 72,70
1 1,17 1,17 2,30
10 3,70 3,70 7,27
100 11,70 11,70 23,00
Para transmissores com a potência máxima de saída declarada não listada acima, a
distância de separação recomendada ("d" em metros) pode ser determinada usando a
equação aplicável à frequência do transmissor; onde P é a potência máxima de saída do
transmissor em watts (W) de acordo com o fabricante do mesmo.
Nota:
• A 80 MHz e 800 MHz, aplica-se a distância de separação para a frequência
mais alta.
• Esse procedimento pode se aplicar em todas situações. A propagação ele-
tromagnética é afetada pela absorção e reflexão de estruturas, objetos e
pessoas.
Observação: Informações referentes às instalações elétricas necessárias são
apresentadas adiante, neste manual.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 1: Normas e Diretrizes 7


Grupo I: Operação

Seção 2:
Adesivos de Orientações e
Alertas

Adesivos de alerta, restrições e avisos aplicados no


equipamento
Para evitar que um técnico de manutenção ou operador da Termodesinfectora seja
exposto a uma situação de risco, vários selos adesivos são aplicados na máquina,
alertando sobre a possibilidade de risco naquele local.
As principais etiquetas que serão encontradas na Termodesinfectora são:

Acesso proibido
Corrente alternada
a pessoas não
trifásica
autorizadas

Ligado/desligado
Terminal de
apenas para
aterramento para
uma parte do
proteção
equipamento

Atenção! Consultar
documentos que
Superfície quente
acompanham o
equipamento

Perigo! Tensão Saída/entrada de


elétrica água

Risco de choque
elétrico em caso de Marcação CE
abertura

8 Seção 2: Adesivos de Orientações e Alertas Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Seção 3:
Painel de Comando

Lado de entrada de material a ser desinfetado

Item Nome Função


Unidade para
1 Termodesinfectora Termo Mega Programação, operação e controle dos ciclos
– CA Touch Screen
Gera documento impresso do processo de
2 Impressora (opcional) desinfecção
3 Unidade de comando Liga e desliga o equipamento
Corta a energia do equipamento e
4 Botão de emergência interrompe o ciclo
Botão de rearme do sistema
5 Reinicializa o sistema antiesmagamento
de proteção
Emissor/sensor do sistema de Emite facho de luz infravermelho e recebe o
6 proteção reflexo do espelho do lado oposto
Piloto do nível de detergente Alerta sobre falta de detergente enzimático
7 enzimático/umectante e/ou umectante nos depósitos

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 3: Painel de Comando 9


Grupo I: Operação

Lado de saída de material desinfetado

Item Nome Função


Comando de abertura de
1 Abre a porta do lado de saída de material
porta
Lâmpada piloto da porta Indica a posição aberta/fechada para a porta do
2
do lado de entrada lado de entrada de material
Botão de rearme do
3 Reinicializa o sistema antiesmagamento
sistema de proteção
Comando de fechamento
4 Fecha a porta do lado de saída de material
de porta
Emissor/sensor do sistema Emite facho de luz infravermelho e recebe o
5
de proteção reflexo do espelho do lado oposto

10 Seção 3: Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Grupo I: Operação

Seção 4:
Especificações

Aplicação
Equipamento para lavagem, enxágue e desinfecção térmica automática de instrumentais,
utensílios, vidrarias de laboratório, tubos e acessórios para anestesia, tubos de sucção
e outros. Capacidade da câmara interna para 290 litros.
Para utilização em processos de desinfecção térmica em materiais usados ou contaminados
passíveis de umidade ou temperatura.

Características construtivas
• Câmara construída em aço inoxidável tipo AISI
316 com alta resistência a corrosão.
• Câmara com sistema para encaixe de pratelei-
ras.

• Com 2 portas para instalação em barreira sani-


tária com elevação vertical.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 4: Especificações 11


Grupo I: Operação

• Sistema de válvulas para engate rápido para ali-


mentação dos carrinhos internos.

• Duas bombas peristálticas, sendo:


– Bomba para detergentes enzimáticos.
– Bomba para adstringente.

• Válvulas de fechamento e abertura automáticas.


• Sistema hidráulico com tubulação em inox e
nylon.

• Painel frontal com display para acompanhamento


dos ciclos.

12 Seção 4: Especificações Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Grupo I: Operação

• Sistema de regulagem de temperatura da água.

• Sistema de secagem superdimensionado para


maior eficiência e qualidade do processo.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 4: Especificações 13


Grupo I: Operação

Características funcionais
• Sistema de super secagem por turbina para circulação de ar quente filtrado por filtro
absoluto e de vácuo, garantindo o processo de secagem por completo.
• Rack com prateleiras.
• Sistema de tratamento de água por osmose reversa, garantindo a qualidade da água
desmineralizada para o equipamento.
• Comando microprocessado por display com 8 programas de lavagem e desinfecção
pré-programados e acessíveis para alteração/intervenção do usuário por intermédio
de uma senha.
• Impressora matricial com 40 colunas para registro dos ciclos e dos parâmetros utili-
zados.
• Entrada independente para validação e sensores de temperatura.
• Ciclos de temperatura reguláveis de 40 a 96ºC para a água de lavagem.
• Sistema de injeção de água sob pressão nas tubulações dos racks e braços rotativos.
• Ciclos com período de duração entre 10 a 90 minutos.
• Sistema de segurança que impede a abertura das portas enquanto houver pressão
na câmara.

Acessórios inclusos
Suporte de cestos com alojamento para até 6 cestos
em aço inox.
Este dispositivo possui dois chafarizes rotativos.

Carrinho nebulizador.

14 Seção 4: Especificações Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Grupo I: Operação

Carrinho misto.

Carrinho lavador de traqueia.

Carrinhos externos.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 5: Opcionais de Fábrica 15


Grupo I: Operação

Dados técnicos
Item Valores
Largura 1.330 mm
Dimensões externas Profundidade 920 mm
Altura 1.981 mm
Largura 660 mm
Dimensões internas Profundidade 660 mm
Altura 660 mm
Capacidade 290 litros
Portas (vidro temperado) Duas portas
Líquido 300 Kg
Peso
Bruto 330 Kg
Conexões da bomba d’água 2
Água
Pressão de trabalho 2 a 4 Kgf/cm2
Tensão 220 V ou 380 V
Energia elétrica
Potência 26.000 W

16 Seção 5: Opcionais de Fábrica Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Grupo I: Operação

Seção 5:
Opcionais com Montagem
na Fábrica
As Termodesinfectoras fabricadas pela Ortosintese são montadas com uma configuração
padrão para atender a maioria das necessidades do processo de esterilização.
Entretanto, no intuído de melhor atender seus clientes, a Ortosintese Comércio e
Indústria Ltda., disponibiliza como opcionais os itens relacionados abaixo:
Dispositivo Montagem padrão Montagem opcional
Válvulas operacionais Comando elétrico (solenoide) Comando pneumático (*1)
Sistema de travamento Eixo excêntrico acionado
Eixo excêntrico acionado por
de portas de elevação por atuador pneumático
atuador mecânico
vertical (*1)
De 8 a 10 memórias
de programas (ciclos
Quantidade de
reprogramáveis) com
programas
um número infinito de
possibilidades
Pré aquecimento em boiler
Resistências na cuba de
Aquecimento da água e resistências na cuba de
lavagem
lavagem
Equipamento adicional
de acionamento das
Suprimento de ar válvulas com comando
Não necessário
pressurizado pneumático e/ou atuador
de travamento pneumático
(compressor)
Possibilidade de registrar até
Número de operadores
99 operadores diferentes
Uma ou duas portas com visor Uma ou duas portas com
Portas
em policarbonato visor em vidro temperado
Um ou dois carrinhos
Um ou dois carrinhos com
Carrinhos externos com ajuste de altura e
ajuste de altura
contenção de fluidos
(*1) O uso de atuadores pneumáticos implica na adoção de um sistema de suprimento de ar (linha
central ou compressor).

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 5: Opcionais de Fábrica 17


Grupo I: Operação

Seção 6:
Identificação das Teclas do
Micro Processador

As Termodesinfectoras TD290 fabricadas pela Ortosintese são equipadas com controlador


modelo MEGA CA com tela tipo Touch Screen.
O controlador modelo MEGA-CA foi desenvolvido tendo como base a mais moderna
tecnologia em microcontroladores, resultando em equipamentos de alto desempenho,
versatilidade e fácil utilização.
Este dispositivo permite a leitura de até seis pontos de temperatura, leitura de sensores
de porta bem como registro de ciclos em impressora, pen drive ou microcomputador,
sendo estes opcionais.
Esta configuração recebe um software especifico para aplicação em máquina de lavagem
e desinfecção de materiais cirúrgicos.

18 Seção 6: Identificação da Teclas do Micro Processador Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

A resolução da leitura de temperatura é de 1ºC; monitora com precisão o processo de


lavagem e desinfecção, gerando um alarme, alertando-o para as principais anormalidades.
Pode ser configurado até oito operadores distintos com senhas individuais personalizadas,
que faz identificação no registro de quem iniciou o ciclo, estas senhas permitem ao
operador o acesso somente as funções inerentes ao seu trabalho; existem ainda outros
três níveis de senha a saber:
• Supervisor: que permite mudar parâmetros do ciclo de operação.
• Fabricante: especifica para introduzir os parâmetros de nome a ser impresso no
cabeçalho.
• Manutenção: utilizada para trabalhos de reparos e/ou manutenção dos componentes da
Termodesinfectora.

As teclas de comando neste tipo de controlador são


imagens de botões virtuais que aparecem na tela e
que são acionados por um toque do operador.

As telas do tipo Touch Screen (sensível ao toque) requerem alguns cuidados para que
seu funcionamento seja perfeito por toda a vida útil do equipamento.
Destacamos os seguintes pontos a serem observados:
• Evite tocar na tela com objetos metálicos ou pontiagudos.
• Não toque na tela com os dedos ou a mão molhada; a umidade é prejudicial ao fun-
cionamento da tela.
• Nunca aplique pressão excessiva sobre a tela.
• Não use produtos químicos ou abrasivos para limpar a tela.
• Use para a limpeza, um tecido de microfibra.
• Nunca limpe a tela com o equipamento ligado.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 6: Identificação da Teclas do Micro Processador 19
Grupo I: Operação

Seção 7:
Operador – Antes de Iniciar
a Operação

Condições técnicas da área de operação


O perfeito funcionamento de uma Termodesinfectora depende de sua instalação em
local adequado, com fonte de energia bem dimensionada, estável e livre de variações;
com um suprimento de água suficiente em vazão, pressão e qualidade.
A instalação do equipamento deve ser feita por um técnico credenciado e treinado pela
Ortosintese Indústria e Comércio Ltda. e, portanto, deve atender aos requisitos técnicos
e legais estabelecidos para este fim.
Entretanto, cabe ao operador o cuidado com a manutenção da ordem e segurança desta
área.
Líquidos no piso, detritos, objetos espalhados são fatores que tendem a provocar
acidentes.
Caso observe alguma irregularidade na instalação ou no funcionamento dos equipamentos
sob sua responsabilidade, não se omita, comunique o fato ao seu superior ou à equipe
de manutenção da empresa.
Durante o processo de secagem, a Termodesinfectora libera vapores que poderão tornar
o ambiente úmido e quente.
Por este motivo, é importante que o local da instalação conte com um sistema de
respiro adequado.
Cabe ao operador certificar-se de que o sistema esteja livre e exaurindo os vapores.

Temperatura ambiente recomendada na central de


esterilização
Mesmo equipada com sistema de isolamento térmico, é natural que a Termodesinfectora
disperse calor, gerando um aumento de temperatura do ambiente.
A climatização do ambiente em padrões normais traz vários benefícios, em especial aos
profissionais usuários e ao equipamento.
Do ponto de vista da utilização do ar condicionado na sala de esterilização, na prática
os hospitais em sua grande maioria os utilizam com temperaturas entre 21°C a 23°C.

20 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Prevenção contra riscos de acidentes


Normas de segurança em ambientes de esterilização
Provavelmente, a empresa possui normas básicas de segurança a serem seguidas no
ambiente de trabalho.
Entretanto, tratando-se de um ambiente específico de esterilização de instrumentos,
equipamentos e outros materiais a serem utilizados em procedimentos médicos, existem
algumas regras básicas que sugerimos:
• Tenha cuidado com sua saúde e com sua integridade física; use sempre os equipa-
mentos de proteção individual (EPI).
• Não faça as operações de forma apressada; cada etapa do processo deve ser feita
com atenção e cuidado.
• Não fume, beba ou se alimente em sua área de trabalho.
• Evite roupas largas, tecidos altamente inflamáveis e sapatos abertos.
• Prenda os cabelos compridos e evite o uso de colares e pulseiras.
• Evite o uso de lentes de contacto, pois elas podem ser danificadas por vapores, cau-
sando lesões oculares graves.
• Identifique a localização das saídas de emergência e do equipamento de segurança
(chuveiros de segurança, extintores, baldes de areia, mantas anti fogo, etc.).
• Mantenha o local de trabalho limpo e arrumado.
• Antes de sair do ambiente de trabalho, lave muito bem as mãos.
• A ocorrência de avarias e acidentes, mesmo que aparentemente inofensivos, devem
ser comunicados de imediato ao responsável para que sejam acionados os meios ne-
cessários para a correção.
• Desligue os equipamentos e certifique-se que não deixa torneiras de água (ou de
vapor) abertas antes de sair do ambiente de trabalho.

Tipos de riscos
Acidentes provocados por procedimentos
incorretos
Esta é uma pequena relação de causas de grande
parte dos acidentes durante o trabalho:
• Falta de atenção durante o trabalho.
• A queda acidental de um instrumento sobre o
operador.
• Deixar a mão ou braço na trajetória da porta.
• Uso de instrumentos danificados, adaptados ou
incorretos.
• A falta de equipamentos de proteção individual
(EPI) durante o trabalho.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 21
Grupo I: Operação

Todo material encaminhado para a esterilização,


pelo menos teoricamente, pode estar contaminado
por micro-organismos.
Por este motivo, nunca manuseie o material a ser
limpo sem proteção de luvas adequadas; não se
alimente ou use produtos de maquiagem dentro do
seu ambiente de trabalho.
Antes de iniciar e ao terminar cada tarefa, lave
cuidadosamente as mãos.
Não saia de seu ambiente de trabalho usando suas
roupas de proteção.

1 ATENÇÃO
No caso de contato involuntário com material
não desinfetado sem a devida proteção,
comunicar imediatamente o ocorrido ao
setor responsável.

A parte diretamente em contato com as câmaras


interna e externa bem como toda a tubulação,
permanecem quentes por algum tempo depois de
encerrado o ciclo de esterilização.
Certifique-se de que a temperatura está baixa
o suficiente para o manuseio dos instrumentos
esterilizados, evitando com isso ferimentos cau-
sados por queimaduras.

Antes de colocar algum material ou objeto incomum


em esterilização, consulte a tabela de materiais
passíveis de esterilização, neste manual.

22 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Caso constate alguma irregularidade no funcio-


namento do equipamento, não tente efetuar o
reparo, pois as Termodesinfectoras trabalham com
tensões relativamente altas, podendo ocorrer risco
de choque elétrico.
Apesar de haver sinalização de alerta para este tipo
de risco, não tente efetuar reparos.
Comunique o fato o mais rápido possível ao
responsável pela manutenção.

Equipamentos e aparelhos de comunicação por


radiofrequência podem interferir no funcionamento
da Termodesinfectora (verificar distâncias mínimas
nas tabelas de compatibilidade eletromagnética).
A Termodesinfectora pode interferir ou sofrer a
interferência de outros equipamentos posicionados
próximo a ela. Poderá ser necessária a adoção de
medidas de mitigação dessa interferência, tais como
reposicionamento de área ou ambiente blindado.

Preparação do material a ser desinfetado


A sequência de operações necessárias em um ciclo de desinfecção é basicamente o
seguinte:
• Separe os materiais de acordo com o ciclo a ser usado para a termodesinfecção.
• Acomode os objetos em carrinhos adequados para o ciclo.
• Colocar o carrinho na câmara de desinfecção.
• Feche a porta, escolha o programa adequado e ligue a Termodesinfectora.
• Remova a carga da Termodesinfectora.
• Encaminhe o material para o setor adequado ou para a esterilização, se isso for re-
querido.
Apesar do objetivo deste manual estar restrito à operação da Termodesinfectora,
falaremos rapidamente sobre cada uma das operações acima como orientação adicional,
já que o pleno sucesso da esterilização depende da execução correta de cada uma
destas tarefas.

Separação do material em grupos específicos


Cada material, por suas características construtivas, deve ser submetido a um programa
específico de desinfecção, dependendo do tempo necessário de exposição e do tipo de
suporte adequado à operação. Por este motivo, há a necessidade da separação em
grupos específicos.
Nota: Esta fase, como o material ainda está infectado, é mandatório o uso de
luvas de borracha com cano longo para proteção das mãos e dos braços.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 23
Grupo I: Operação

Os dispositivos passiveis de desinfecção por ação de jato de água quente podem ser
agrupados nas seguintes classes:
• Instrumental cirúrgico com ou sem a necessidade de secagem após a desinfecção.
• Traqueias para exames endoscópicos.
• Equipamentos para tratamento respiratório.
• Materiais termossensíveis.
• Equipamentos lubrificados.
• Vidros usados em laboratórios (vidraria).
• Vasilhames de uso hospitalar (cubas).
• Equipamentos de coleta de dejetos (comadres e urinóis).
• Vestimentas e sapatos cirúrgicos.
• Dispositivos para desoxidação, etc.

Controle do processo de termodesinfecção


Para melhor controle do processo de termodesinfecção, sugere-se que periodicamente
seja feita uma coleta de material processado pela Termodesinfectora para uma análise
microbiológica, por laboratório de análises deste tipo.
O processo sugerido segue os seguintes passos básicos:
1. Separe aleatoriamente um dos instrumentos que tenha sofrido o processo de termo-
desinfecção.
2. Coloque o instrumento em um saco plástico estéril, mergulhando o mesmo em água
destilada ou filtrada por processo de osmose reversa.
3. Feche a embalagem e submeta o pacote a um processo de limpeza ultrassônica.
4. Encaminhe o pacote devidamente protegido por caixa estéril para o laboratório em
até 60 minutos após o início do processo.
5. Este material deverá ser homogeneizado e centrifugado e coletado em meio de cul-
tura para avaliação dos micro-organismos que tenham sobrevivido ao processo de
termodesinfecção.
A ocorrência de resultados positivos (existência de micro-organismos com capacidade
de reprodução), indica que a Termodesinfectora não está produzindo os resultados
esperados.
Isso pode estar ocorrendo por:
• Falta de manutenção e limpeza adequadas.
• Temperaturas necessárias para a desinfecção não estão atingindo os valores espera-
dos.
• A carga nos carrinhos não foi feita de forma adequada.
• Jatos sob pressão não estão atingindo adequadamente os instrumentos, etc.

1 ATENÇÃO
Se houver falha no carregamento do lote e/ou excesso de carga impedindo a
circulação livre de jato de água:
• AÇÃO: Redimensionar a carga e repetir o teste.
• FALHA NO EQUIPAMENTO: Interromper o processo e acionar a manuten-
ção da Termodesinfectora.

24 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Em qualquer um dos casos (falha no carregamento do lote e/ou excesso de carga


impedindo a circulação livre do jato de água), todos os lotes desinfetados (principalmente
se não foram submetidos a esterilização) entre a última avaliação e a avaliação atual
que não tenham sido usados, devem ser recolhidos para nova desinfecção.
Caso o material tenha sido usado, os pacientes devem ser monitorados para verificar
quanto a possíveis contaminações.
O operador deve também ter em mente que a segurança da qualidade da desinfecção
deve ser sua maior preocupação em função da contaminação de pessoas em caso de
falhas no processo ou no equipamento.
Esteja atento à farta literatura disponível sobre o assunto para manter-se sempre
atualizado.

Serviços de manutenção
Normalmente, a responsabilidade sobre a manutenção do equipamento é de funcionários
encarregados da manutenção geral da empresa.
Entretanto, como já foi comentado várias vezes neste manual, o funcionamento perfeito
de um ciclo de esterilização está diretamente relacionado com a limpeza do equipamento
e com sua manutenção preventiva adequada.
Por este motivo, recomendamos ao operador que se familiarize com os itens do plano
de manutenção da Termodesinfectora relacionados adiante e verifique sua realização
nos prazos definidos pela Ortosintese.
Constatando falha neste processo, relate o fato ao seu supervisor e registre sua
observação nos seus relatórios de trabalho.
Nota: Dentro do período de garantia, as revisões deverão ser efetuadas
obrigatoriamente por um técnico credenciado pela Ortosintese.
Esta manutenção preventiva não é coberta pelo plano de garantia, correndo as despesas
dela decorrente, por conta do proprietário da Termodesinfectora.
Fora do período de garantia, com o objetivo de que este equipamento tenha seu
funcionamento sempre com o maior rendimento e eficiência possíveis, a Ortosintese
recomenda que as manutenções preventivas continuem sendo realizadas por um técnico
credenciado.
Manutenção a ser executada pelo operador
• Limpeza diária da câmara de lavagem.
• Verificação da rotação livre dos braços rotativos.
• Verifique os orifícios de injeção de água quanto a entupimento.
Nota: Bicos dos esguichos fixos ou rotatórios entupidos necessitam de
manutenção, pois somente a limpeza pode não resolver o problema.
• Limpeza diária do filtro de descarga.
• Limpeza externa do equipamento.
Limpeza da câmara de lavagem
A câmara interna deve ser limpa diariamente, ainda fria, com uma solução de 250
gramas de vaselina líquida diluída em 1 litro de álcool 96° GL, conforme descrito:
• Umedecer uma flanela com a solução e aplicar nas paredes internas da câmara antes
do início de operação.
• Em caso de uso contínuo (24 horas), esperar a câmara esfriar antes de efetuar a
limpeza.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 25
Grupo I: Operação

Manutenção preventiva
Todos os equipamentos de uso contínuo sofrem desgaste natural com o funcionamento.
Alguns equipamentos podem permanecer parados por algum período para uma
manutenção corretiva, decorrente de uma falha por quebra, por exemplo.
Seguramente, este não é o caso de uma Termodesinfectora. Por este motivo, e também
para redução de custo operacional por reparos em decorrência de quebra, que são
normalmente mais dispendiosos; sem considerar o custo da interrupção do serviço
executado pelo equipamento, é que foi estabelecido um Plano de Manutenção Preventiva
para Termodesinfectoras fabricadas pela Ortosintese Indústria e Comércio Ltda.
Apesar de não ser função do operador executar a manutenção preventiva periódica do
equipamento, é importante que ele conheça o plano de manutenção e certifique-se de
que o mesmo tenha sido executado corretamente.
Nota:
• Por questão de segurança, adquira os componentes a serem substituídos
somente na Ortosintese.
• Toda manutenção periódica que envolva operações no sistema elétrico ou
mecânico do equipamento deve ser feita por pessoal devidamente qualifica-
do. Recomenda-se a presença de um técnico credenciado pela Ortosintese.

26 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Plano de manutenção preventiva para Termodesinfectoras Hospitalares


Período de Manutenção
Local e Item
Diária Quinzenal Trimestral Anual Obs.
Câmera de Lavagem
Vedação das portas – Limpar Verificar – –
Braços rotativos Verificar – Verificar – –
Válvulas dos braços
Limpar – – – –
rotativos
Válvulas da câmara Limpar – – – –
Válvulas de entrada de
Limpar Verificar – – –
água
Tubulações e Controles
Travas das portas – – Verificar – –
Nível de água de
– – Verificar – –
lavagem
Enxágue O nível de
– – Verificar –
(aprox. 20 litros) água sobe
girando o
Lavagem parafuso
– – Verificar – no sentido
(aprox. 23 litros)
anti-horário
Válvulas solenoide – – Verificar – –
Válvula de descarga – – Verificar – Ciclo básico
Bomba de circulação – – Verificar – Desinfecção
Filtros tipo "Y" – Limpar – Verificar –
Dispensão – – Verificar –
Elemento de
– – Verificar – –
aquecimento
Contatores – – Verificar – –
Fiação e Comando
Fios – – Verificar – –
Conectores – – Verificar – –
Programas – – Verificar – –

Nota: Avalie os elementos de aquecimento do sistema de pré-aquecimento, se


disponível.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 27
Grupo I: Operação

Manutenção corretiva – peças de reposição


Devido à necessidade de funcionamento contínuo, para evitar paradas longas na
Termodesinfectora, a Ortosintese recomenda que seja feito um pequeno estoque de
emergência de peças vitais para o funcionamento da Termodesinfectora.
Estoque de emergência
A sugestão é que as peças abaixo relacionadas estejam disponíveis no estoque de
manutenção do usuário da Termodesinfectora.
Quantidade Unidade Descrição
Resistências de aquecimento compatíveis com a
2 Peças
potência da máquina
10 Metros Guarnição de vedação das portas
1 Peça Válvula solenoide de circulação de água do ciclo
1 Peça Válvula de retenção de ¾”
1 Peça Refil do leito misto (Osmose)
1 Peça Refil CART do carvão ativado de 5 micra
2 Peça Refil CART do polipropileno de 5 micra

Peças de reposição disponíveis pela Ortosintese


• Para a Termodesinfectora Hospitalar, são disponíveis as seguintes peças de reposi-
ção:
Código Descrição
CC005226 Abraçadeira Persil carbono
CC006685 Arruela de borracha
Base 95.85.3 Finder para relé 4161
CC010325
Bomba de detergente para termo
CC002764 Bomba peristáltica para termo
CC012253 Bomba Rudick (antiga Darka)
CC010111 Botão de pulso ø 22 mm
Abraçadeira
CC002559
Carrinho externo
TD2901901 Carrinho lavador de cesto
TD2901947 Carrinho para mamadeira
TD2901952 Carrinho lavador de traqueia
TD2901924 Cesto para termo (06 peças)
MP013404 Chapa policarbonato
CC005651 Chave de fecho
TD2900142 Chuveiro (chafariz) inferior

28 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Código Descrição
TD2900140 Chuveiro (chafariz) superior
CC001269 Contatora Schneider LC1D12BD
CC003929 Corrente para termo (3 m por porta)
TD29001102 Cotovelo 90° 2” BSP
CC005555 Espelho para sensor banner BRT 2x2
CC006130 Filtro de ar classe G3 50 x 200 x 200 mm
Filtro Y de 2”
CC010976 Fonte de 12 volts para termo
Game da porta da termo
Guarnição da Termodesinfectora (metro)
CC007465 Lavador almotolia
Lavador traqueia
Mangueira 1/2
CC008485
Mangueira de ligação da termo (branca)
CC008145 Microprocessador – teclado
Motorredutor
CC005343 Porta completa da termo
Rack com prateleira ou carrinho interno
CC010143 Relé Finder 4161
CC007483 Relé térmico de 1 a 2,5 A
CC000591 Resistência de 10.000 watts com rosca de 1 1/4”
Resistência aletada
CC009659 Reservatório de água em inox para termo
Rolamento do chuveiro da termo
Sensor banner
CC005494 Suporte acionador do fim de curso para termo
Teclado do micro CA31 para termo (membrana do micro)
TD2900141 Tubo do chafariz (prolongador)
CC010952 Tubo flexível aramado com ø 2” x 500 mm mangueira sanfonada
TD2900131 Válvula de entrada de água (carrinho x câmara)
CC000253 Válvula de retenção de ¾ BSP
Ventilador centrifugo
CC010418
Vidro da porta da termo

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 29
Grupo I: Operação

• Para o sistema de desmineralização de água das Termodesinfectoras, estão disponí-


veis os seguintes itens:

Código Descrição
CC000909 Refil do leito misto
CC000902 Refil CART de carvão ativado de 5 micra
CC000901 Refil CART de polipropileno de 5 micra (são usadas 2 unidades)
CC006561 Osmose reversa de 100 litros/h – completa sem membrana para
termo

Remoção e instalação dos painéis de acabamento


Painéis externos
As operações de manutenção exigem a remoção e a instalação dos painéis de acabamento
da Termodesinfectora em reparo.
Na maioria dos casos, as remoções dos painéis laterais atendem às necessidades de
acesso aos componentes.
Painéis laterais
1 CUIDADO

• Certifique-se de que o equipamento está frio.


• Desligue o disjuntor de entrada antes de iniciar qualquer tipo de
manutenção.

Nota: Este procedimento é válido para os dois painéis laterais nas


Termodesinfectoras que não possuem o alojamento para bujões de detergente
enzimático e umectante. Caso contrário, consulte o item “Painel Lateral com
Suporte de Detergente e Umectante”, nesta seção.

Remoção
1. Com as duas mãos segure firmemente nas ex-
tremidades do painel a ser removido e puxe para
fora para soltar a trava do fecho tipo “velcro”
aplicado no painel e na cantoneira da estrutura.

30 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

2. Ainda segurando a parte inferior com as duas


mãos, empurre a placa para cima e libere o gan-
cho de apoio da parte superior.
3. Remova a placa e deposite a mesma em local se-
guro para que esta não sofra danos.

Instalação
1. Apoie os ganchos de fixação superior sobre a
cantoneira da estrutura da Termodesinfectora.

2. Empurre a parte inferior do painel con-


tra a cantoneira da estrutura inferior da
Termodesinfectora até que as faces do fecho
“velcro” tenham contato e se acoplem.

Painel lateral com suporte de detergente e umectante


1 CUIDADO

• Certifique-se de que o equipamento está frio.


• Desligue o disjuntor de entrada antes de iniciar qualquer tipo de
manutenção.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 31
Grupo I: Operação

Remoção
1. Abra a porta do depósito de detergente e de
umectante e remova:
• O sensor de nível do detergente.
• Os tambores dos produtos.
• O painel de acabamento (fundo do depósito).

2. Remova os parafusos de fixação da parte dian-


teira do painel lateral (lado de entrada de mate-
rial).

32 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

3. Solte, sem remover, os três parafusos de fixação


do painel frontal do lado de saída de material
(barreira), do lado oposto à botoeira. Para mais
informações, consulte o item “Painel Frontal –
Lado de Saída de Material”, nesta seção.

4. Remova o painel lateral puxando o mesmo para


fora.

Instalação
A Instalação deve seguir, em ordem inversa, os
passos da remoção.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 33
Grupo I: Operação

Painéis frontais
Painel frontal – lado de entrada de material
1 CUIDADO

• Certifique-se de que o equipamento está frio.


• Desligue o disjuntor de entrada antes de iniciar qualquer tipo de
manutenção.

Remoção

Nota:
• Os painéis frontais são compostos por mais
de uma peça.
• Neste caso, o conjunto do painel é unido por
parafusos e removido como um todo. Este
conjunto não precisa ser desmontado a me-
nos que haja a necessidade de substituição
de uma das peças.

1. No lado oposto ao do painel de controle, remova


os parafusos de fixação do painel de acabamen-
to.

34 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

2. Remova a placa de acabamento lateral (lado do


painel de controle). Para mais informações, con-
sulte o item “Painéis Laterais”, nesta seção.

3. Remova, se disponível, na moldura da porta, o


emissor/captador de luz do sistema antiesmaga-
mento.

4. Desconecte, se disponível, na parte superior do


painel frontal, a luz de alerta de nível baixo de
detergente.

5. Solte os parafusos superior (1) e inferior (2) de


união da estrutura lateral.
Nota: Não é necessário remover os parafusos.
A placa de acabamento é prensada entre as
duas estruturas.
6. Remova o painel frontal.

Instalação
Para a instalação, siga o processo de remoção na
ordem inversa.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 35
Grupo I: Operação

Painel frontal – lado de saída de material


1 CUIDADO

• Certifique-se de que o equipamento está frio.


• Desligue o disjuntor de entrada antes de iniciar qualquer tipo de
manutenção.
Nota:
• Os painéis frontais são compostos por mais de uma peça.
• Neste caso, o conjunto do painel é unido por parafusos e removido como um
todo. Este conjunto não precisa ser desmontado a menos que haja a neces-
sidade de substituição de uma das peças.
Remoção
1. Remova a placa de acabamento lateral (lado do
painel de controle) para ter acesso à parte tra-
seira dos botões de comando.

2. Remova os três botões de controle e o LED indi-


cador de porta de entrada aberta.

36 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

3. Remova os parafusos de fixação do painel frontal


do lado de saída (barreira) e remova o painel.

Instalação
Para a instalação, siga o processo de remoção na
ordem inversa.

Fases do ciclo da Termodesinfectora


O sistema de comando da máquina vem com oito programas pré-implantados na
fábrica, com a possibilidade de introdução de mais dois programas diferentes a serem
implantados pelo operador autorizado por senha especial.
Os programas pré-instalados também podem ser reajustados pelo operador autorizado
por senha especial.
Todas as fases dos programas são identificadas observando-se o visor do painel de
controle.
Após preparar o material a ser processado, o operador se identifica (por meio de um
código) e escolhe o programa a ser executado pela Termodesinfectora.
A partir deste momento, inicia-se o ciclo de operação propriamente dito.
O ciclo de operação de uma Termodesinfectora Ortosintese pode ser dividido nas fases
a seguir:
Início de operação
• Usando a informação dos sensores de nível do reservatório de água filtrada, o contro-
lador abre a válvula de entrada de água e inicia o processo de filtragem, abastecendo
o reservatório do sistema de filtragem por osmose reversa, caso a água esteja no
nível mínimo.
• A bomba de abastecimento da cuba entra em funcionamento até que o nível ideal
para a próxima etapa seja atingido.
Pré-aquecimento da água (opcional)
• Caso o equipamento conte com esta opção, antes de abastecer a cuba, a água será
direcionada para uma caldeira de pré-aquecimento, que elevará a temperatura da
mesma até um valor próximo ao requerido pelo ciclo, diminuindo assim o tempo de
aquecimento e tornando os ciclos mais curtos.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 37
Grupo I: Operação

Pré-lavagem
• Nesta fase a motobomba (bomba principal) co-
meça a funcionar e a válvula de circulação de
água para a câmara externa se abre injetado
água pressurizada através dos braços giratórios
e/ou jatos direcionados (dependendo do tipo de
suporte montado na câmara interna).
• Esta água retorna para a cuba, de onde é nova-
mente aspirada pela bomba, passando antes por
um filtro tipo “Y”.

Drenagem da pré-lavagem
• Esgotado o tempo de pré-lavagem, a válvula de
circulação é fechada e a válvula de drenagem é
aberta.
• A motobomba aspira a água e expele para o es-
goto, esvaziando a cuba.

Lavagem
• Com a cuba vazia, a bomba de abastecimento da cuba volta a funcionar, abastecendo
as cuba até o nível correto para a próxima fase.
• Com a cuba abastecida, as resistências são energizadas para o aquecimento da água
até a temperatura especificada pelo programa que está sendo usado.
• Inicia-se a fase de lavagem. Durante esta fase, a bomba peristáltica funciona, apli-
cando detergente diretamente na câmara interna para auxiliar o processo de lava-
gem dos objetos.
Drenagem da lavagem
• Decorrido o tempo definido pelo programa escolhido, a válvula de circulação é fecha-
da e a válvula de drenagem é aberta.
• A motobomba aspira a água e expele para o esgoto (a válvula de circulação é fechada
e a válvula de descarga é aberta), esvaziando a cuba.
• A bomba de abastecimento da cuba entra em funcionamento até que o nível ideal
para a próxima etapa seja atingido.
Enxágue
• Com a cuba abastecida, as resistências são energizadas para o aquecimento da água
até a temperatura especificada pelo programa que está sendo usado.
• Atingida a temperatura, a motobomba volta a funcionar e a válvula de circulação é
aberta direcionando o fluxo de água para a câmara interna.
Nota: Em alguns programas, nesta fase a segunda bomba peristáltica
funciona injetando umectante no processo de enxágue.

38 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Drenagem do enxágue
• Decorrido o tempo definido pelo programa escolhido, a válvula de circulação é fecha-
da e a válvula de drenagem é aberta.
• A motobomba aspira a água e expele para o esgoto (a válvula de circulação é fechada
e a válvula de descarga é aberta), esvaziando a cuba.
• A bomba de abastecimento da cuba entra em funcionamento até que o nível ideal
para a próxima etapa seja atingido.
Desinfecção
• Com a cuba abastecida, as resistências são ener-
gizadas para o aquecimento da água e a tempe-
ratura especificada pelo programa que está sen-
do usado.
Nota: Durante o tempo de aquecimento,
o contador de tempo fica parado até que
a temperatura especificada seja atingida.
Este detalhe é repetido em todas as fases
onde existe a necessidade de aquecimento
da água ou do ar.

• Atingida a temperatura, a motobomba volta a


funcionar e a válvula de circulação é aberta, di-
recionando o fluxo de água para a câmara de
lavagem.

Drenagem da Termodesinfecção
• Decorrido o tempo definido pelo programa escolhido, a válvula de circulação é fecha-
da e a válvula de drenagem é aberta.
• A motobomba aspira a água e expele para o esgoto (a válvula de circulação é fechada
e a válvula de descarga é aberta), esvaziando a cuba.

Secagem
• O circuito de água é desligado.
• O motor do ventilador é alimentado.
• As resistências da caixa de ar são energizadas
e o processo de aquecimento do ar e da câmara
interna é iniciado.
• Atingida a temperatura especificada, o contador
de tempo mantém o processo de secagem ativo
até o limite estabelecido pelo programa.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação 39
Grupo I: Operação

Fim de ciclo
• Nesta fase, o equipamento permanece inativo aguardando que o operador remova o
material desinfetado.
Resumo das fases de um ciclo
Etapas
Fase Enchimento
Aquecimento Jato de água Jato de ar Detergente Umectante Drenagem
da cuba
Pré-lavagem Sim Não Sim Não Não Não Sim
Lavagem Sim Sim (água) Sim Não Sim Não Sim
Conforme
Enxágue Sim Sim (água) Sim Não Não Sim
programa
Secagem Não Sim (ar) Não Sim Não Não Não

40 Seção 7: Operador — Antes de Iniciar a Operação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Seção 8:
Operação do Painel de
Comando
Antes de iniciar, identifique como operar a abertura e fechamento das portas, como agir
sobre o painel de comando e a posição de cada comando (botão de liga-desliga, botão
de emergência). Para mais informações, consulte o item "Identificação dos comandos e
medidores", neste manual.
Identifique, no caso de uma Termodesinfectora com duas portas, qual o seu lado de
trabalho.
Dependendo do volume de trabalho, é possível que um mesmo operador atue dos
dois lados. Por isso, é importante que você domine a ação em ambos os lados da
Termodesinfectora.

Operando o lado de entrada de carga para a desinfecção


Neste lado existem apenas 3 botões para acionamento manual.
Todos os demais comandos são acionados diretamente na tela do painel de controle,
como veremos a seguir.
Os comandos deste lado da Termodesinfectora Hospitalar são:

Item Descrição/Função
Comando de início e fim de operação (ligar e desligar a
1
Termodesinfectora)
2 Painel de controle com botões virtuais na tela sensível ao toque
Botão de emergência (interrompe o ciclo e corta energia do
3
equipamento)
4 Botão de reativação do sistema antiesmagamento

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 41
Grupo I: Operação

Além destes controles, na parte superior direita


do equipamento existe um sinalizador de LED que
quando aceso indica que o nível de detergente ou
de umectante está atingindo um nível crítico e o
galão deverá ser reabastecido.
Para mais informações sobre o reabastecimento,
consulte o item “Reabastecimento de Detergente
Enzimático e de Umectante”, neste manual.

Operando o lado de saída de carga (material desinfetado) – lado limpo


No “lado limpo”, assim chamado, pois deste lado saem os materiais já desinfetados, a
operação da Termodesinfectora é mais simples.
Deste lado, o número de comandos é menor e, não há possibilidade de se interferir no
ciclo de desinfecção.

Os botões existentes no lado limpo são:


Item Descrição/Função
1 Botão de abertura da porta
2 Botão de fechamento da porta
Sinalizador LED que indica porta aberta
3
no lado de entrada de material
Botão de reativação do sistema
4
antiesmagamento

Informações sobre o painel de


comando MEGA-CA touch screen para
Termodesinfectoras
O controlador modelo MEGA-CA foi desenvolvido
tendo como base a mais moderna tecnologia em
microcontroladores, resultando em equipamentos
de alto desempenho, versatilidade e fácil utilização.
O controlador MEGA-CA, permite a leitura de até
seis pontos de temperatura, leitura de sensores de
porta, bem como registro de ciclos em impressora.
Esta configuração recebe um software especifico para
aplicação em máquina de lavagem e desinfecção de
materiais cirúrgicos.

42 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

A resolução da leitura de temperatura é de 1ºC; monitora com precisão o processo de


lavagem e desinfecção, gerando um alarme para as principais anormalidades.
Pode ser configurado até oito operadores distintos com senhas individuais personalizadas,
que faz identificação no registro de quem iniciou o ciclo, estas senhas permitem ao
operador o acesso somente as funções inerentes ao seu trabalho; existem ainda outros
três níveis de senha a saber:
• Supervisor: permite mudar parâmetros do ciclo de operação.
• Fabricante: especifica para introduzir os parâmetros de nome a ser impresso no
cabeçalho.
• Manutenção: utilizada por técnicos e pessoas autorizadas para acessar os parâme-
tros de configurações técnicas do equipamento.
Todos os comandos são feitos por toques sobre os ícones (botões virtuais) que aparecem
na tela do controlador.
A pressão do dedo é aplicada sobre uma membrana sensível, instalada sobre o visor do
painel de comando.

Sequência operacional do painel de comando MEGA-CA touch screen


Notas:
Esta sequência é feita pelo lado de carregamento da Termodesinfectora.
Se a Termodesinfectora não for equipada com impressora (opcional), os tempos
e valores de temperatura devem ser registrados manualmente no “Livro de
Registro” adequado. Este registro deve incluir:
• Data e hora.
• Nome ou código do operador.
• Tipo de ciclo escolhido.
• Tempo e temperatura de cada fase do ciclo.

1. Pressione o botão de comando para ligar a


Termodesinfectora.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 43
Grupo I: Operação

2. Imediatamente, na tela aparece a mensagem


inicial, enquanto o aplicativo de controle é ini-
cializado.

3. Em seguida, a imagem é substituída pelas logo-


marcas do fabricante do painel de controle e da
Ortosintese.

4. Ao surgir esta tela, a Termodesinfectora está


pronta para iniciar o trabalho.
Para iniciar o processo de esterilização, pressione
a tecla [F1].
Nota: O ícone [F2] deverá ser tocado para
a realização de manutenção e/ou reparos
na Termodesinfectora. Portanto, deve ser
responsabilidade do técnico autorizado.

5. Pressionando [F1], aparece na tela o Menu


Principal.
6. Pressione a tecla [F3] para abrir a porta.
7. Com os materiais devidamente acomodados nos
suportes adequados (carrinhos internos), com
auxílio do carrinho externo, coloque o carrinho
interno dentro da câmara de desinfecção.
8. Pressione a tecla [F5] para que a porta seja
fechada.

44 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Comandos dos ciclos de


Termodesinfecção
1. Toque sobre o ícone [F1] para selecionar o ciclo
a ser executado pela Termodesinfectora.

Prog. Ciclo de Termodesinfecção Os ciclos pré-programados de fábrica são os


1 Traqueias relacionados na tabela ao lado.
2 Instrumental
Nota:
3 Instrumental sem Secagem
• Os ciclos Programa 1 e Programa 2 de-
4 Instrumental com Super Secagem
vem ser programados pelo supervisor da
5 Termo Sensíveis
área, de acordo com a necessidade espe-
6 Secagem
cífica do usuário, com uso de sua senha
7 Instrumental com Lubrificação
pessoal.
8 Desoxidação sem Secagem
9 Programa 1 • Todos os programas podem ser alterados
10 Programa 2
total ou parcialmente pelo supervisor do
setor, com uso de sua senha pessoal.

• Para selecionar um ciclo, pressione sobre o


ícone correspondente.
• Se o ciclo desejado não aparece nesta tela,
mude para tela seguinte.
• Para avançar para outros ciclos, pressione [
k].
• Para voltar ao Menu Principal, pressione o íco-
ne [esc].

Nesta tela, da mesma forma:


• Para selecionar um ciclo, pressione sobre o
ícone correspondente.
• Para voltar para os ciclos anteriores, pressione
[k].
• Para voltar ao Menu Principal, pressione o íco-
ne [esc].
Nota: Nesta instrução foi selecionado
o ciclo “TRAQUEIA” como exemplo. A
sequência operacional é idêntica em
todos os ciclos.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 45
Grupo I: Operação

2. Pressione a tecla sobre o número correspondente


ao ciclo adequado.
O sistema solicita sua senha de operador.
3. Pressione sobre as teclas numericas a sua senha
pessoal.
O sistema reconhece a senha e identifica o
operador e, em seguida, solicita a identificação
numérica do lote a ser processado.

4. Digite o número do lote pressionando sobre as


teclas numéricas.

5. Para que o equipamento entre em operação, é


necessário que as portas estejam fechadas.

6. Inicia-se a fase de pré-lavagem.


A partir deste ponto, o operador deverá observar
se o ciclo tem sua sequência normal.
As informações sobre cada uma das fases são
mostradas no painel.

46 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

7. Decorrido o tempo programado, inicia-se a


drena-gem da cuba.

8. Em seguida, a aplicação de detergente.


Nota: Observe a luz piloto indicadora de nível
de detergente/umectante. Se necessário,
reabasteça os reservatórios.

9. Neste momento, as resistências da cuba são


ligadas para o aquecimento da água.
Nota: O tempo de aquecimento é menor
quando a Termodesinfectora está equipada
com sistema de pré-aquecimento (opcional).

10. Atingida a temperatura programada, inicia-se a


fase de lavagem.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 47
Grupo I: Operação

11. Seguida por mais uma fase de drenagem.

12. Seguem as fases de aplicação de umectante,


enxague, drenagem e finalmente a fase de
secagem que se inicia com o aquecimento do
sistema de admissão de ar.

13. Complementada pela secagem propriamente


dita, concluindo o ciclo.

14. Neste momento, ocorrerá a impressão do


relatório do ciclo (nas Termodesinfectoras
equipadas com a impressora – opcional) e será
permitida a abertura da porta do “lado limpo”.
Nota: Mantenha o relatório impresso junto
com suas anotações no livro de registro
de trabalho.

48 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

1 CUIDADO

Use luva de proteção, pois o material ainda


deve estar quente.
Aguarde o fechamento da porta do "lado
limpo" e pressione a tecla [esc].

15. Isso fará com que o controlador volte para o


Menu Principal.
Nota: Nos equipamentos com duas portas,
esta tela só aparecerá se a porta do "lado
limpo" estiver completamente fechada.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 49
Grupo I: Operação

16. Se equipada com impressora (item opcional), ao


fim do ciclo será emitido um relatório impresso
com todos os valores de temperatura, pressões
e horário de início de cada fase do ciclo.
Confira os valores impressos e registre a sua
identificação neste impresso.
Nota: Se a Termodesinfectora não pos-
suir impressora (item opcional), é respon-
sabilidade do operador anotar os valores
mostrados no painel da con-troladora em
formulário ou livro adequado para garantir
a qualidade de seu trabalho.

17. Para executar um novo ciclo, a tecla [F1] deverá


ser pressionada.

50 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Abortando um ciclo
Caso seja necessário abortar ou interromper um
ciclo em qualquer fase, basta pressionar a tecla
[esc].
O ciclo é temporariamente suspenso.
• Para continuar, pressione [ k].
• Para abortar, pressione [esc].

O painel mostrará esta tela e o equipamento faz a


drenagem da água pelo tempo programado. Neste
momento o ciclo estará realmente abortado, não
podendo ser reiniciado a partir do ponto onde foi
interrompido.

A tela assume esta nova mensagem.


Para retornar ao Menu Principal pressione [esc].

Comandando das portas


O equipamento permite o comando pelo teclado da
abertura e fechamento da porta 1. Este comando
só é possível enquanto o equipamento não está em
processo de desinfecção. A porta 2 é comandada
externamente através de botões localizados no lado
de saída de material limpo.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 51
Grupo I: Operação

Com a tela mostrando o Menu Principal:


• Pressione [F3] para abrir a porta de entrada de
material (porta 1).
• Pressione [F5] para fechar a porta de entrada de
material (porta 1).

Durante a abertura ou o fechamento da porta, a


tela mostra o tempo máximo desta operação.

Alteração dos parâmetros da Termodesinfectora


Este controlador possui em sua memória, oito programas de desinfecção gravados
na fábrica e mais duas posições de memória livres para gravação de dois diferentes
programas que melhor atendam às necessidades do cliente.
Além de permitir a gravação destes dois novos programas, o controlador permite a ação
de um supervisor ou de um técnico credenciado pela Ortosintese para alterações nos
valores preestabelecidos (Presets) originalmente, bem como dos parâmetros em um
programa específico.
Estas alterações podem ser necessárias em para correções de condições locais de
funcionamento (por exemplo, baixa pressão atmosférica em lugares muito altos) ou
necessidades específicas de desinfecção.
Para efeito didático, estas alterações estarão divididas em dois grupos:
• Programação e alteração dos parâmetros (Presets) gerais.
• Alterações de um programa específico.

52 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Alteração de senhas
1. Na tela do Menu Principal, pressione a tecla [F2].
1 AVISO

Esta operação somente poderá ser


executada com a uso da senha do super-
visor.

2. O sistema solicita a senha do supervisor. Pres-


sione os números correspondentes à senha do
supervisor. Em seguida pressione [k].
Nota: A primeira senha do supervisor será
fornecida pela Ortosintese, por meio do
técnico credenciado que efetuar a instalação
da máquina.

3. Escolha a opção de alteração que será efetuada:


• Para selecionar a opção, pressione sobre o íco-
ne correspondente.
• Se a opção desejada não aparece nesta tela,
mude para tela seguinte.
• Para avançar para a próxima tela, pressione
[ k].
• Para voltar ao Menu Principal, pressione o íco-
ne [esc].

Nesta tela, da mesma forma:


• Para selecionar um ciclo, pressione sobre o
ícone correspondente.
• Para voltar para a tela anterior, pressione
[esc].
• Para voltar ao Menu Principal, pressione nova-
mente o ícone [esc].

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 53
Grupo I: Operação

Alterando a senha do supervisor


1. Pressione a tecla [F1].

2. Insira a senha atual pressionando sobre o tecla-


do numerico e pressione [k] para avançar.
3. Insira a nova senha.
4. Para abortar a alteração, digite [esc].
5. Digite novamente a senha pressionando sobre o
teclado numerico e pressione [k] para confir-
mar a nova senha e o sistema voltará ao menu
anterior.

Alterando parâmetros dos operadores


1. Na tela do Menu Principal, pressione a tecla [F2].
1 AVISO

Esta operação somente poderá ser execu-


tada com a uso da senha do supervisor.

2. O sistema solicita a senha do supervisor. Pres-


sione os números correspondentes à senha do
supervisor. Em seguida pressione [k].

54 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

3. Pressione a tecla [F3].


• Para avançar pressione [ k].
• Para voltar à tela anterior pressione o ícone
[esc].

4. Selecione o operador que deve ter seus parâ-


metros alterados.
No nosso exemplo usaremos o operador 3.

5. Nesta tela, digite o nome do operador usando


letras e números.
• Para confirmar pressione [k].
• Para abortar a alteração pressione o ícone
[esc]. Neste caso, a tela muda para permitir a
alteração da senha do operador.

6. Altere a senha do operador.


• Insira inicialmente a senha antiga.
• Em seguida, insira a nova senha.
• Para confirmar pressione [k].

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 55
Grupo I: Operação

Alteração nos programas de desinfecção


1. Na tela do Menu Principal, pressione a tecla [F2].
1 AVISO

Esta operação somente poderá ser execu-


tada com a uso da senha do supervisor.

2. O sistema solicita a senha do supervisor.


Pressione os números correspondentes à senha
do supervisor. Em seguida pressione [k].
Nota: A primeira senha do supervisor será
fornecida pela Ortosintese, por meio do
técnico credenciado que efetuar a instalação
da máquina.

3. Pressione a tecla [F2].

4. Selecione o programa a ser modificado pressio-


nando sobre a tecla correspondente.
5. Se a opção desejada não aparece nesta tela,
mude para tela seguinte.
• Para avançar para outros programas, pressio-
ne [ k].

56 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

• Para voltar para a tela anterior, pressione [k]


• Para abortar o programa escolhido, digite
[esc].
Para o desenvolvimento do roteiro de alteração,
vamos adotar o programa “Traqueia”.
6. Selecione a tecla [Traqueia] na primeira tela de
seleção de programas.

7. Pressione a tecla [F1] para alterar os valores das


temperaturas.

8. Navegue pelas temperaturas pressionando as


teclas de [1] a [4] para escolher a temperatura
a ser alterada e logo em seguida, digite o novo
valor para a temperatura selecionada.
9. Pressione a tecla [k] para confirmar e registrar
o novo valor.

10. Retorne ao menu ALTERAR e pressione a tecla


[F2] para alterar os tempos das fases de (1) a
(4), ou a tecla [F3] para alterar os tempos das
fases de (5) a (8):

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 57
Grupo I: Operação

• A Tecla [F2] altera o tempo das fases:


[1] Tempo de secagem
[2] Tempo de lavagem
[3] Tempo de descarga da lavagem
[4] Tempo de aplicação de umectante
• Pressione [k] para confirmar a alteração.

• A tecla [F3] altera o tempo das fases:


[5] Aplicação de detergente
[6] Tempo de enxague
[7] Tempo de Desinfecção
[8] Tempo de Pré-lavagem
• Pressione [k] para confirmar a alteração.

Alterando o nome dos programas


1. Na tela do Menu Principal, pressione a tecla [F2].
1 AVISO

Esta operação somente poderá ser execu-


tada com a uso da senha do supervisor.

2. O sistema solicita a senha do supervisor. Pres-


sione os números correspondentes à senha do
supervisor. Em seguida pressione [k].

58 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

3. Pressione [ k] para avançar para próxima tela.


• Para voltar à tela anterior, pressione o ícone
[esc].

4. Pressione [F4] para selecionar a mudança do


nome dos programas.

• Para selecionar o programa, pressione sobre o


ícone correspondente.
• Se o ciclo desejado não aparece nesta tela,
mude para tela seguinte.
• Para avançar para outros ciclos, pressione
[ k].
• Para voltar ao Menu Principal, pressione o íco-
ne [esc].

Nesta tela, da mesma forma:


• Para selecionar o programa, pressione sobre
o ícone correspondente.
• Para voltar para a tela anterior, pressione
[k].
• Para voltar ao Menu Principal, pressione o íco-
ne [esc].
Mais uma vez, usaremos o programa “Traqueia”
como exemplo.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 59
Grupo I: Operação

5. Altere o nome do programa digitando letras ou


números sobre as teclas da tela.
• Para confirmar a alteração do nome, pressione
[k].
• Para voltar ao abortar a alteração, pressione o
ícone [esc].

Ajustando a data e hora do


equipamento
1. Como painel na tela do Menu Principal, pressione
a tecla [F2].
1 AVISO

Esta operação somente poderá ser execu-


tada com a uso da senha do supervisor.

2. O sistema solicita a senha do supervisor. Digite os


números correspondentes à senha do supervisor.
Em seguida digite [k].

3. Pressione [ k] para avançar para próxima tela.


• Para voltar à tela anterior, pressione o ícone
[esc].

60 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

4. Pressione [F5] para selecionar a alteração de ou-


tros parâmetros.

5. Para definir nova data, digite o dia usando as


teclas numéricas e pressione [k]. Faça o mesmo
para o mês, ano, hora e minuto. Para confirmar a
alteração, pressione [k].
• Para cancelar, pressione [esc].
• Para voltar ao menu de outros parâmetros
após a confirmação, pressione [esc].

Controle de dados técnicos


Esta função permite o acesso a dados gravados na memória do controlador; importantes
para o controle dos valores parametrizados e para o controle dos registros de manutenções
executadas na Termodesinfectora.
Para esta verificação, proceda da seguinte forma:

1. Com a Termodesinfectora ligada e o painel mos-


trando a tela principal, pressione a tecla [F4]
para verificar os registros memorizados.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 61
Grupo I: Operação

2. Pressione a tecla [F1] para conferir os parâmetros


estabelecidos para a operação do sistema
(entradas analógicas).

3. A tela mostrará estes valores para a avaliação da


correção da programação.
Pressione [esc] para retornar ao menu anterior.

4. Pressione a tecla [F2] para verificar o estado dos


horímetros (controle de horas de trabalho).

5. Verifique se programação das revisões preventivas


necessárias está sendo cumprida, já que estas
revisões garantem o funcionamento e qualidade
dos resultados do trabalho.

62 Seção 8: Operação do Painel de Comando Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Tabela de referência
Esta tabela registra os parâmetros originais de fábrica na Termodesinfectora.

Termossensíveis
sem Secagem

sem Secagem
Instrumental

Instrumental

Instrumental

Instrumental

Programa 10
Desoxidação
Lubrificação

Programa 9
Traqueia
Programas

com
(unidade)

Tempo de Detergente
00:15 00:15 00:15 00:15 00:15 00:15 00:15 – –
(minutos:segundos)
Tempo de
pré-lavagem 05:00 05:00 05:00 05:00 05:00 05:00 05:00 – –
(minutos:segundos)
Tempo de Lavagem
05:00 05:00 05:00 05:00 05:00 05:00 05:00 – –
(minutos:segundos)
Tempo de Descarga
01:30 01:30 01:30 01:30 01:30 01:30 01:30 – –
(minutos:segundos)
Tempo de Umectante
Enzimático 00:15 – – – – 00:15 00:15 – –
(minutos:segundos)
Tempo de Secagem
30:00 15:00 03:00 04:30 30:00 03:00 – – –
(minutos:segundos)
Tempo de Enxague
03:00 03:00 03:00 03:00 03:00 03:00 03:00 – –
(minutos:segundos)
Tempo de Desinfecção
05:00 – – – 03:00 – – – –
(minutos:segundos)
Tempo de
pré-lavagem 05:00 05:00 05:00 05:00 – 05:00 05:00 – –
(minutos:segundos)
Temperatura de
85 – – – 85 85 85 – –
Desinfecção (°C)
Temperatura de
45 45 45 45 45 45 45 – –
Lavagem (°C)
Temperatura de
70 70 70 70 70 70 – – –
Secagem (°C)
Temperatura de
70 70 70 70 70 70 70 – –
Enxague (°C)

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 8: Operação do Painel de Comando 63
Grupo I: Operação

Seção 9:
Impressora – Operação e
Manutenção
A Termodesinfectora TD 290 pode ser equipada com uma impressora (opcional) que
registra em papel térmico, todas as fases de um ciclo de termodesinfecção.
São impressos todos os dados que devem ser mantidos como documentação do processo,
tais como:
• Programa selecionado.
• Data da operação.
• Número do lote.
• Temperatura e tempos de cada fase.
• Detalhamento de tempo de início e fim; e os dados relacionados de cada fase.
A impressora vem instalada e com seu funcionamento ajustado pela Ortosintese.
Entretanto, algumas operações podem ser necessárias para recalibragem da mesma,
além da substituição da bobina de papel.

Características da impressora
A impressora fornecida com a Termodesinfectora é uma impressora térmica com
processador de chip único, com padrão de entrada paralela ou serial, o que facilita sua
adaptação ao processado da Termodesinfectora. São impressoras modelo RMD III B ou
RMD III D.
Dispõe de um Buffer de 32 K, suficiente para uma operação rápida e eficiente.
A cabeça de impressão fornece resultados impressos com 24 pontos, usando três
padrões de fontes relacionados na tabela abaixo:
Modelo da Impressora
Observação
RMD III B RMD III D
9*17 Adotado como padrão Ortosintese
9*12 Adotado como padrão Ortosintese
8*16 8*16
12*24 12*24
Além disso, elas dispõem de um grande número de símbolos matemáticos, capacidade
de plotar gráficos e alterarem o espaçamento entre letras; além de outras características
que as tornaram adequadas para a aplicação.

64 Seção 9: Impressora – Operação e Manutenção Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Identificação dos comandos da


impressora
A impressora dispõe das seguintes teclas de
comando:
Item Descrição/Função
Tecla de abertura da tampa para troca de
1
bobina
Tecla SEL – indicador do estado da
2
impressora
Tecla LF – indicador de energia e alimentação
3
do motor de tração da bobina
4 Bobina de papel térmico

Instalando nova bobina


1 AVISO
• Utilize somente papel regulamentado pela norma hospitalar para duração
mínima de 5 anos.
• A vida útil da impressão no papel depende do seu correto armazenamento
e seguir as orientações do fornecedor de papel.
• A Ortosintese não se responsabiliza pela utilização de papeis de impressão
inadequados.

1. Pressione a tecla de abertura da tampa da bobi-


na de papel térmico.

2. Abra a tampa da impressora.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 9: Impressora – Operação e Manutenção 65
Grupo I: Operação

3. Posicione a bobina de papel em seu berço.


Nota: Certifique-se de colocar o papel
de bobina térmica do lado certo pois se
for colocado do lado errado não haverá
impressão no papel.
1 AVISO
Use sempre papel térmico especial para
uso hospitalar (duração de 5 anos). Se
isso não for possível, use uma copiadora
para produzir um documento durável.

4. Feche a porta da impressora, mantendo parte da


ponta do papel para o lado de fora da tampa.
1 CUIDADO
Não force a tampa contra a impressora.
Para travar, aperte novamente a tecla de
abertura, empurre a tampa e solte a tecla.

5. Para cortar o excesso de papel ou para retirar um


relatório, tracione a tira de papel para baixo.

6. Para avançar o papel de impressão:


• Aperte a tecla SEL e solte.
• Aperte a tecla LF para acionar o motor de tra-
ção da bobina.
• Aperte LF novamente para interromper a ali-
mentação do motor de tração da bobina.

66 Seção 9: Impressora – Operação e Manutenção Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Recuperando o padrão de impressão


A impressora vem instalada e programada para imprimir com o padrão de fonte adotado
como padrão pela Ortosintese, que são os seguintes:
• Baud Rate: 9600
• S/ CTS /None
• Language Status: Chinese – GB2312
• Printing Font: 9*17
• Printing Density: Medium
• Paper Sensor Setting: Medium
• Printing Direction: Reverse
• Command System: SPMP
• Needle Type Printer Compatible: Off
Entretanto pode ocorrer, por motivos vários, a alteração desta padronização.
Para a restauração do ajuste padrão, proceda como segue:

Restauração do ajuste padrão de


impressão
1. Com a termodesinfectora desligada, pressione a
tecla LF.
2. Ligue a Termodesinfectora mantendo a tecla LF
pressionada por 5 segundos.
Ao liberar a tecla, a impressora imprime:
1 - Baud Rate: 9600
Nota: No nosso exemplo, o primeiro parâme-
tro é o correto, portanto, não há necessidade
de correção. Se houver necessidade de alte-
ração prossiga.

3. Para alterar o padrão, pressione novamente a


tecla SEL. A impressora imprime o próximo Baud
Rate.
4. Repita a operação até que o parâmetro esteja
correto.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 9: Impressora – Operação e Manutenção 67
Grupo I: Operação

5. Pressione então a tecla LF para validar este


parâmetro e a impressora passa a permitir o
ajuste do parâmetro seguinte, imprimindo:
2 - S / CTS / None

6. Repita a sequência de operações até que todos


os parâmetros estejam definidos no padrão
Ortosintese.
7. Pressione então, simultaneamente, as teclas FL
e SEL para sair do modo de ajuste (Set mode).
A impressora imprime:
Exit Set Mode

E imprime o relatório dos parâmetros ajustados.

68 Seção 9: Impressora – Operação e Manutenção Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Imprimindo o relatório de auto teste


1. Com a impressora sem energia (Termodesinfec-
tora desligada), pressione a tecla SEL.
2. Ligue a Termodesinfectora e mantenha pressio-
nado a tecla SEL por 5 segundos.

3. Libere a tecla SEL e a impressora imprime o re-


latório de auto teste.

Alerta de falhas na impressora


A tecla SEL, além das funções já descritas (ajuste
de padrão, avanço de papel) tem a função de indicar
alertas que mostram o estado da impressora:
• Se esta tecla estiver verde, a impressora estará
ligada e com funcionamento correto.
• Caso esta tecla mude para vermelho, indica fa-
lha no funcionamento.
Além da mudança da cor, esta tecla “pulsa” indi-
cando o tipo de falha.
Observe o comportamento deste indicador e com-
pare com a tabela seguinte:

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 9: Impressora – Operação e Manutenção 69
Grupo I: Operação

Estado da tecla SEL Falha Recomendação


Desligado Sem falha • Estado normal
• Substituir a bobina de papel
Pisca 1 vez e fica desligada
Sem papel • Deve voltar ao estado normal após
a cada segundo
a substituição da bobina
Pisca 3 vezes e fica Erro de • Não é possível recuperar
desligada a cada segundo memória RAM • Necessidade de manutenção
Pisca 4 vezes e fica Erro na CPU da • Não é possível recuperar
desligada a cada segundo impressora • Necessidade de manutenção

70 Seção 9: Impressora – Operação e Manutenção Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo I: Operação

Seção 10:
Reabastecimento de
Detergente Enzimático e de
Umectante
A Termodesinfectora TD 290 é equipada com sis-
tema automático de alimentação de detergente e
de umectante.
Estes dois produtos são contidos em embalagens
plásticas alojadas na parte lateral da mesma.
Quando o nível de um destes dois componentes
atingir um nível crítico, o LED sinalizador acende
alertando o operador.

Para abastecer os reservatórios proceda da seguinte


forma:
1. Solte a porca de retenção da tampa acrílica do
alojamento.
2. Desloque a porta para baixo.

1 CUIDADO

Uma vez liberado o parafuso de retenção,


a porta poderá descer rapidamente.

3. Remova o sensor de nível do reservatório vazio.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Seção 10: Reabastecimento de
Seção 9: Impressora – Operação e Manutenção
Detergente Enzimático e de Umectante
71
Grupo I: Operação

4. Abasteça ou substitua o reservatório por outro


cheio e reinstale o sensor de nível.
5. Feche a porta deslocando a mesma para cima.
6. Aperte a porca de retenção da porta do alojamento
dos reservatórios de detergente enzimático e
umectante.

72 Seção
Seção 10: Reabastecimento
9: Impressora de
– Operação e Manutenção Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Detergente Enzimático e de Umectante
Grupo II: Instalação

Grupo II:
Instalação

Ao Comprador
A Ortosintese Indústria e Comércio Ltda., Divisão de Equipamentos, não se responsabiliza
por danos causados durante o transporte do produto.

1 ATENÇÃO

Ao receber o equipamento, caso a embalagem apresente algum dano externo,


a mercadoria não deve ser aceita e recebida e o representante local da
Ortosintese deve ser contatado.
• Frete FOB (cliente) aciona a transportadora.
• Frete CIF (Ortosintese) aciona a transportadora.

Ao Técnico Instalador Credenciado


Este produto foi projetado e fabricado pela Ortosintese Indústria e Comércio Ltda.,
Divisão de Equipamentos, obedecendo às mais rigorosas normas de segurança e
qualidade, com o objetivo de realizar seu trabalho de forma eficiente e segura por muito
tempo.
Entretanto, para que isto aconteça, é necessário que a instalação no local de trabalho
seja executada atendendo às especificações e orientações contidas neste manual.
Esteja atento principalmente aos seguintes itens durante seu trabalho:
• Danos ou deformações provocados durante o transporte.
• Dimensões mínimas sugeridas para a área de instalação.
• Qualidade da água, principalmente se fornecida por um sistema de tratamento cen-
tral.
• Limpeza e ausência de contaminantes no sistema de ar comprimido (quando aplicá-
vel), principalmente se fornecido por um sistema centralizado.
• Dimensionamento e segurança da rede de fornecimento de energia elétrica.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 2: Procedimentos para Instalação 73
Grupo II: Instalação

Seção 1:
Adesivos na Embalagem, de
Instalação e Identificação

Adesivos na embalagem

Contém
Este lado para cima
equipamento frágil

Temperatura
Não usar ganchos
mínima e máxima
para manuseio
de armazenagem

Evite colisões
Proteger de chuva e durante o
umidade transporte e
manuseio

Empilhamento
máximo

Seção 1: Adesivos na Embalagem,


74 de Instalação e Identificação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo II: Instalação

Adesivos de orientação para a


instalação aplicada no equipamento
As etiquetas de orientação para o instalador ficam
localizadas em locais distintos:

• Pontos de conexão da entrada de água e de es-


goto.

• Local de passagem dos cabos de alimentação.

• Placa adesiva de identificação do equipamento.


Todas as informações que definem o tipo de
equipamento, tensão de trabalho e potência con-
sumida, pressão de operação etc., estão contidas
em uma placa de identificação obrigatoriamente
fixada para facilitar aos técnicos, instaladores e
operadores o acesso às informações referentes
ao mesmo.

Seção 1: Adesivos na Embalagem,


Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 de Instalação e Identificação 75
Grupo II: Instalação

Seção 2:
Procedimentos para
Instalação

Considerações iniciais
Nesta seção, fornecemos as informações básicas para a correta instalação de uma
Termodesinfectora Ortosintese.
Como já foi comentado anteriormente, esta é uma parte fundamental para o bom
funcionamento e para a qualidade da produção de serviço neste tipo de equipamento.
A estabilidade da energia elétrica, a qualidade da água utilizada, a limpeza e qualidade
do ar pressurizado (quando aplicável), a disponibilidade de um sistema de esgoto
bem dimensionado, a drenagem e a ventilação do ambiente garantirão não só o bom
desempenho da máquina, como também criarão um ambiente de trabalho saudável e
seguro para o operador.
1 ATENÇÃO

A baixa qualidade dos suprimentos (energia, água, ar pressurizado) com-


promete a durabilidade do equipamento e/ou de seus componentes, podendo
provocar perda da garantia.

A Ortosintese Indústria e Comércio Ltda., possui uma ampla rede de técnicos qualificados
para assessorar a instalação de seus equipamentos.
Este pessoal está habilitado por meio de treinamento e informações; e devem ser obri-
gatoriamente acionados para executar a instalação e inspeção técnica antes da máquina
ser colocada em funcionamento.
A relação dos postos de Assistência Técnica Ortosintese foi incluída na parte final deste
manual.

76 Seção 2: Procedimentos para Instalação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo II: Instalação

Remoção da embalagem e transporte


• Remova a tampa e as laterais da embalagem.
• Com auxílio de uma paleteira manual com os braços apoiados na estrutura inferior,
remova a Termodesinfectora do suporte de madeira e transporte a mesma até o local
da instalação definitiva.
• Examine atentamente o equipamento para verificar se o mesmo não apresenta sinais
de que tenha sofrido danos durante o transporte. A Ortosintese Indústria e Comércio
Ltda., Divisão de Equipamentos não se responsabiliza por danos causados durante
o transporte do produto. O técnico credenciado deve desembalar e inspecionar o
produto ao receber o mesmo, acionando a transportadora imediatamente, caso seja
contatado algum dano.
1 CUIDADO

• Após a remoção do suporte de madeira (parte inferior da embalagem),


abaixe os braços da paleteira até o mais próximo possível do piso.
• Antes de iniciar o transporte, garanta que todo o trajeto esteja livre de
objetos ou danos no piso que possam provocar choques ou a queda da
Termodesinfectora.

Armazenamento para posterior instalação


Pode ocorrer que a instalação ocorra após algum tempo da chegada da Termodesinfectora
ao seu destino.
Neste caso, alguns cuidados são sugeridos para a perfeita conservação do equipamento:
• Manter o equipamento embalado com plástico ou material semelhante e protegido
de intempéries.
• Cuidado com goteiras.
• Manter em local seco e arejado, livre de poeira excessiva.
• Armazenar seguindo as seguintes condições:
– Temperatura: 0 – 40°C
– Umidade: 5 – 95% de umidade relativa do ar
• Manter as portas fechadas e travadas com as guarnições removidas.
• As guarnições devem ser guardadas fora da máquina e embrulhadas em plástico.
• A época do início de utilização do equipamento, efetuar limpeza e lubrificação das
caneletas das portas, das guarnições e reinstala-las em seus alojamentos.
• Na impossibilidade de desconectar, retirar, acondicionar e armazenar fora da máqui-
na; desconectar e embrulhar com plástico todos os conectores (para proteger de pó)
e o próprio corpo do comando.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 2: Procedimentos para Instalação 77
Grupo II: Instalação

Preparação da área para a instalação


Condições básicas para a instalação
Todas as dimensões necessárias para a instalação de cada tipo de Termodesinfectora
Ortosintese estão registradas nas plantas que fazem parte do item “Plantas de
Instalação”, deste manual.
Entretanto, algumas informações comuns a todas as instalações devem ser observadas:
Nivelamento do piso
O local de instalação deverá possuir desnivelamento máximo de 3 cm.
Neste desnível deve ser considerada a existência de um ralo para escoamento de água
por vazamento e para limpeza da área. Este ralo deverá ser sifonado e ligado à rede de
esgoto comum.
Energia elétrica
Diferente de outros equipamentos similares, as Termodesinfectoras fabricadas pela
Ortosintese não exige que o instalador faça nenhuma intervenção interna no circuito
elétrico da máquina.
Toda a distribuição interna de energia é feita por um painel eletromecânico a partir de
um disjuntor adequadamente dimensionado e, todo o sistema é protegido por um relé
sequenciador de fase, que impede danos internos caso ocorra a interligação dos cabos
de alimentação em fase invertida.

O local de instalação deve contar com um disjuntor


térmico instalado em ponto estratégico que permita
acesso fácil.
Este disjuntor deve ser dimensionado de acordo
com a potência específica da Termodesinfectora a
ser instalada.
1 ATENÇÃO
• Se no mesmo local houver mais de uma
máquina, cada uma delas deverá ter seu
próprio disjuntor.
• Cada disjuntor deve receber energia dire-
tamente do ponto inicial da rede do esta-
belecimento.

78 Seção 2: Procedimentos para Instalação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo II: Instalação

Dimensionamento da rede elétrica de alimentação da Termodesinfectora e


disjuntor
O dimensionamento do disjuntor de entrada e sua especificação de proteção em
quantidade de corrente (A), assim como a área, a seção do condutor (cabo a ser
utilizado) deve levar em conta a potência especificada para o equipamento.
Valores Especificados
Tensão de Operação 220 VAC (~) 380 VAC (~)
Flutuação máxima admissível +10% / -5% +10% / -5%
Trifásico (3~) sem Trifásico (3~) sem
Tipo de alimentação
Neutro Neutro
Seção mínima dos condutores de
25 mm2 25 mm2
alimentação
Disjuntores de proteção 80 A 50 A
Impedância máxima de aterramento
10 Ω 10 Ω
(NBR 5419)
Distância máxima entre o quadro
20 m 20 m
(proteção) e a Termodesinfectora
Nota: Devido ao transporte do equipamento alguns contatos podem estar
soltos, portanto é necessário verificar todos os contatos elétricos reapertando
se necessário.
Aterramento
Na entrada de alimentação da Termodesinfectora existe um conector verde/amarelo
para conexão de um condutor “terra”.
O equipamento deve possuir um circuito de aterramento independente, livre de
interferência. A falha ou ausência de aterramento na Termodesinfectora, assim como
falhas no fornecimento da energia elétrica podem comprometer a segurança do operador,
além de causar danos ao sistema de controle, de modo que o mesmo não estará, neste
caso, coberto pela garantia.
1 ATENÇÃO
Se ocorrer falha ou oscilação de energia elétrica durante o funcionamento,
a válvula responsável pela drenagem automática é aberta, causando o
escoamento da água e a interrupção do ciclo.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 2: Procedimentos para Instalação 79
Grupo II: Instalação

Rede de água
A qualidade da água no processo de termodesinfecção é fundamental para a qualidade
do processo, bem como para a conservação do equipamento.
Toda água usada sob alta temperatura quando em estado natural e, portanto, contendo
sais minerais, aceleram o processo de corrosão dos componentes da Termodesinfectora,
apesar dela ser construída em aço inoxidável de alta qualidade, além de provocar
manchas e corrosão nos instrumentos desinfetados.
Os sais minerais dissolvidos na água potável, que normalmente são benéficos para
o consumo humano, são considerados impurezas quando a água é utilizada para a
geração de vapor para esterilização.
Materiais dissolvidos e em suspensão na água são carregados pelo vapor para dentro
da câmara de esterilização, podendo causar danos à Termodesinfectora e nos materiais
esterilizados.
Quanto maior a quantidade de impurezas na água, menor é a vida útil do equipamento e
dos materiais esterilizados. Estas impurezas são reconhecidamente fonte de incrustação,
corrosão (inclusive em superfícies de aço inoxidável) e de entupimento em tubulações.
Os valores toleráveis dessas impurezas na água destinada à produção de vapor são muito
baixos, e raramente a água proveniente de poços artesianos ou de sistemas públicos de
abastecimento pode ser utilizada na produção de vapor sem o devido tratamento.
As exigências da norma ISO 11134:1994 ou equivalente ao país de destino, quanto à
qualidade da água a ser utilizada na geração de vapor para esterilização, está resumida
na tabela adiante.

Tabela ISO 11134:1994


Contaminante Valor limite Contaminante Valor limite
Sedimentos ≤ 15 mg/litro Cloretos ≤ 3 mg/litro
Silício ≤ 2 mg/litro Fosfatos ≤ 0,5 mg/litro
Ferro ≤ 0,2 mg/litro Condutividade ≤ 50 μS/cm
Cádmio ≤ 0,0005 mg/litro pH 6,5 a 8,0
Chumbo ≤ 0,05 mg/litro Aparência Límpida
Metais Pesados ≤ 0,1 mg/litro Dureza ≤ 0,1 mmol/litro

Não basta que a água seja potável porque a norma que regulamenta a água para
esterilização é muito mais rigorosa do que a norma que regulamenta a água para
consumo humano no que diz respeito à presença de alguns minerais.
Para avaliar se a água disponível precisa ser tratada e qual o tipo de tratamento deve
ser feito, é necessário uma análise criteriosa dos minerais existentes.

80 Seção 2: Procedimentos para Instalação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo II: Instalação

Abaixo estão relacionados os parâmetros, cuja análise deve ser requisitada pelo cliente
ao laboratório e com a precisão requerida.
Parâmetro Precisão* Parâmetro Precisão*
Cor 1UH pH 1
Sódio 1 mg/litro Magnésio 1 mg/litro
Ferro 0,1 mg/litro Amônia 1 mg/litro
Cloretos 1 mg/litro Sulfatos 1 mg/litro
Nitratos 1 mg/litro Estrôncio 0,1 mg/litro
Condutividade 1 μS/cm Dióxido de Carbono 1 mg/litro
Turbidez 1 UT Cálcio 1 mg/litro
0,01 mg/
Potássio 1 mg/litro Bário
litro
Manganês 0,1 mg/litro Bicarbonato 1 mg/litro
Fluoretos 0,1 mg/litro Fosfatos 1 mg/litro
0,01 mg/
Sílica Sólidos totais 1 mg/litro
litro
Sólidos totais dissolvidos 1 mg/litro Contagem microbiológica 10 unidades

* A coluna "Precisão" indica a exatidão que deve ser observada na análise da amostra
e não os limites dos parâmetros em questão.
A Termodesinfectora vem equipada com um eficiente sistema de desmineralização,
entretanto, é necessário a adoção de um sistema primário de filtragem para reter as
partículas usualmente contidas na água fornecida pela rede para o prolongamento da
vida útil dos filtros do sistema interno de desmineralização.
Para o bom funcionamento do equipamento, a água deve ser fornecida por tubulação
de inox de 3/4” de diâmetro (19 mm) sob uma pressão variando entre 2,5 a 4,0 bar.

Rede de esgoto
A tubulação do esgoto deve ser preferencialmente de cobre, com diâmetro mínimo de
3/4'' (19 mm), colocado sob o piso e individual para o equipamento.
Nota: A utilização de rede de esgoto coletiva ou interligada a outra
Termodesinfectora poderá acarretar retenção e retorno de vapor, prejudicando
o correto funcionamento do equipamento.

Ventilação
No projeto da área de instalação deve ser considerada a ocorrência de vapor e calor
oriundo do equipamento.
Deve-se prever uma ventilação adequada para esta área, incluindo no teto, em área
próxima ao tubo de saída do ar de secagem, um tubo de exaustão de no mínimo 1 ¼”
(31,75 mm) para a saída dos vapores.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 2: Procedimentos para Instalação 81
Grupo II: Instalação

Remoção e instalação dos painéis externos


Durante o processo de instalação, poderá ocorrer a necessidade da remoção dos painéis
de acabamento externo da Termodesinfectora.
Na maioria dos casos, as remoções dos painéis laterais atendem às necessidades de
acesso aos componentes.
Nota: Apesar deste manual falar da instalação da termodesinfectora, as
informações poderão ser usadas também para uma eventual inspeção em
uma máquina já instalada. Em função deste risco, foram incluídos alertas para
evitar acidentes (choque elétrico ou queimaduras) que podem ocorrer nesta
situação (máquina em funcionamento).

Painel lateral esquerdo sem suporte de detergente e umectante


1 CUIDADO
• Certifique-se de que o equipamento está frio.
• Desligue o disjuntor de entrada antes de iniciar qualquer tipo de manuten-
ção.

Remoção
1. Com as duas mãos segure firmemente nas ex-
tremidades do painel a ser removido e puxe para
fora para soltar a trava do fecho tipo “velcro”
aplicado no painel e na cantoneira da estrutura.

2. Ainda segurando a parte inferior com as duas


mãos, empurre a placa para cima e libere o gan-
cho de apoio da parte superior.
3. Remova a placa e deposite a mesma em local
seguro para que esta não sofra danos.

82 Seção 2: Procedimentos para Instalação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo II: Instalação

Instalação
1. Apoie os ganchos de fixação superior sobre a
cantoneira da estrutura da Termodesinfectora.

2. Empurre a parte inferior do painel contra a can-


toneira da estrutura inferior da Termodesinfec-
tora até que as faces do fecho “velcro” tenham
contato e se acoplem.

Painel lateral com suporte de detergente e umectante


1 CUIDADO
• Certifique-se de que o equipamento está frio.
• Desligue o disjuntor de entrada antes de iniciar qualquer tipo de manuten-
ção.
Remoção
1. Abra a porta do depósito de detergente e de
umectante e remova:
• O sensor de nível do detergente.
• Os tambores dos produtos.
• O painel de acabamento (fundo do depósito).

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 2: Procedimentos para Instalação 83
Grupo II: Instalação

2. Remova os parafusos de fixação da parte dian-


teira do painel lateral (lado de entrada de mate-
rial).

3. Remova os parafusos de fixação do painel frontal


do lado de saída (barreira) e remova o painel.

Instalação
Para a instalação, siga o processo de remoção na
ordem inversa.

84 Seção 2: Procedimentos para Instalação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo II: Instalação

Painel frontal – lado de entrada de material


1 CUIDADO
• Certifique-se de que o equipamento está frio.
• Desligue o disjuntor de entrada antes de iniciar qualquer tipo de manuten-
ção.
Os painéis frontais são compostos por mais de uma peça.

Neste caso, o conjunto do painel é unido por


parafusos e removido como um todo. Este conjunto
não precisa ser desmontado a menos que haja a
necessidade de substituição de uma das peças.

Remoção
1. No lado oposto ao do painel de controle, remova
os parafusos de fixação do painel de acabamen-
to.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 2: Procedimentos para Instalação 85
Grupo II: Instalação

2. Remova a placa de acabamento lateral (lado do


painel de controle). Para mais informações, con-
sulte o item “Painéis Laterais”, nesta seção.

3. Remova o emissor/captador de luz do sistema


antiesmagamento, localizado na moldura da por-
ta.

4. Desconecte na parte superior do painel frontal, a


luz de alerta de nível baixo de detergente.

5. Solte os parafusos superior (1) e inferior (2) de


união da estrutura lateral.
Nota: Não é necessário remover os parafu-
sos. A placa de acabamento é prensada en-
tre as duas estruturas.
6. Remova o painel frontal.

Instalação
Para a instalação, siga o processo de remoção na
ordem inversa.

86 Seção 2: Procedimentos para Instalação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo II: Instalação

Painel frontal – lado de saída de material


1 CUIDADO
• Certifique-se de que o equipamento está frio.
• Desligue o disjuntor de entrada antes de iniciar qualquer tipo de manuten-
ção.
Os painéis frontais são compostos por mais de uma peça.
Neste caso, o conjunto do painel é unido por parafusos e removido como um todo. Este
conjunto não precisa ser desmontado a menos que haja a necessidade de substituição
de uma das peças.

Remoção
1. Remova a placa de acabamento lateral (lado do
painel de controle) para ter acesso à parte tra-
seira dos botões de comando.

2. Remova os três botões de controle e o LED indi-


cador de porta de entrada aberta.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 2: Procedimentos para Instalação 87
Grupo II: Instalação

3. Remova os parafusos de fixação do painel frontal


do lado de saída (barreira) e remova o painel.

Instalação
Para a instalação, siga o processo de remoção na
ordem inversa.

Nivelamento do equipamento
Existem duas regulagens a serem feitas para o
perfeito funcionamento da Termodesinfectora:
1. Use um nível de precisão, colocado no meio da
câmara interna e verificar se a bolha do nível en-
contra-se no centro. Caso não esteja, gire os pés
de apoio da Termodesinfectora até que a máqui-
na fique nivelada.

88 Seção 2: Procedimentos para Instalação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo II: Instalação

2. Tente encaixar as guias do carrinho de carga nos


trilhos da câmara interna.
Ajuste a altura do carrinho:
• Solte a porca-trava do parafuso do rodízio.

• Gire o parafuso até que o encaixe das guias


nos trilhos da câmara interna ocorra sem di-
ficuldades.

• Aperte a porca-trava para manter o ajuste


travado.

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 2: Procedimentos para Instalação 89
Grupo II: Instalação

Seção 3:
Plantas de Dimensionamento
da Área e Instalação

Considerações iniciais
A ilustração mostrada a seguir, retrata o espaço mínimo para a instalação da
Termodesinfectora.
Não se trata da planta dimensional de instalação, mas de uma representação do espaço
mínimo a partir da Termodesinfectora, para a operação confortável dos carrinhos
externos.

Importante: A este espaço deve ser acrescentada uma área adicional necessária
para o manuseio e preparação do material a ser esterilizado e para a operação
do carrinho de abastecimento. Este espaço deve ser considerado na elaboração
do projeto da área.

90 Seção 3: Planta e Dimensionamento da Área e Instalação Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo II: Instalação

Planta baixa da instalação

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Seção 3: Planta e Dimensionamento da Área e Instalação 91
Grupo III: Garantia

Grupo III:
Garantia
As Termodesinfectoras fabricadas pela Ortosintese Indústria e Comércio Ltda., são
cobertas por garantia de funcionamento, obedecendo às seguintes restrições e prazos:
Condições Básicas para a Concessão da Garantia
• O equipamento deve estar instalado de forma correta, seguindo as orientações deste
manual.
• A água utilizada para o suprimento da cuba de aquecimento deve estar isenta de sais
minerais e cloro.
• A rede de energia deve estar de acordo com as necessidades especificadas para o
equipamento.
• O sistema de ar pressurizado (quando necessário) deve estar isento de umidade,
partículas sólidas e óleo.
• Ao constatar uma discrepância no funcionamento, um técnico autorizado deve ser
acionado para verificar e confirmar a falha. Todo contato para acionamento do pro-
cesso de garantia deve ser feito por um técnico credenciado pela Ortosintese.
• Se constatado a operação do equipamento em desacordo com as orientações conti-
das no manual do operador, a garantia poderá ser cancelada.
Termo de Garantia
Os produtos Ortosintese possuem a garantia de 13 meses para partes gerais, salvo
garantias específicas inclusas neste termo.
O prazo de garantia inicia a partir da emissão da Nota Fiscal de venda.
Componentes elétricos e eletrônicos possuem prazo de garantia de 06 meses contados a
partir da emissão da Nota Fiscal de venda. (Motorredutores, Atuadores, Micros, Fiação,
Sensores, Relés, Contatoras, Fontes, Impressora, Transdutores de Pressão, Solenoides,
Termopar, Pressostatos e Bombas).
Salientamos que os itens a seguir não são cobertos pela garantia: Fusíveis;
Mangueiras; Lubrificantes; Refil de Filtros; Guarnição; Resistências e Bobinas para
Impressora.
Garantias adicionais
As garantias estendidas e/ou especiais serão objeto de negociação à parte.
Importante: A garantia de funcionamento da Ortosintese Indústria e Comércio
Ltda., limita-se a manter o equipamento adquirido em perfeitas condições de
funcionamento sem ônus para o Cliente, por meio de reparos e/ou substituição
de partes (obedecendo as limitações de prazos e itens de excluídos da garantia
relacionados acima).

92 Garantia Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Grupo IV: Assistência Técnica Autorizada

Grupo IV:
Assistência Técnica
Autorizada

Podem ocorrer alterações na nossa Rede de Assistência Técnica Autorizada.


Consulte nosso site www.ortosintese.com.br ou telefone (11) 3948-4000, para
informar-se sobre atualizações.

Relação da Rede e Postos de Assistência Técnica


Acre Bahia
JL & B Logística e Representações Ltda. ME Metary Máquinas e Serviços Ltda. ME
Av. José de Alencar, s/nº, esquina c/ a R. Artur de R. Rio Itapicuru, 11 - Monte Serrat
Azevedo - Qd. 87 - Lote 11 - Cidade Satélite São Luiz - Salvador - CEP 40425-080
Aparecida de Goiânia - CEP 74920-330 CNPJ 96.704.754/0001-00 - IE 057573797
CNPJ 03.581.869/0001-65 - IE 10482552-9 Contato:
IM 1006739 Jacqueline
Contato: Tel.: (71) 3314-2568
Tel.: (62) 3284-5727 / 3284-5552 / 8268-3129 / Francisco
9121-9743 Tel.: (71) 8101-6520
jlbgoiania@hotmail.com metarymaquinas@ig.com

Alagoas Ceará
Servador Serviços Medlife Com. Serv. Equip. Hosp. Ltda. ME
R. Dez de Novembro, 83 - Pitanguinha R. Pereira Filgueiras, 1236 - Aldeota
Maceió - CEP 57052-220 Fortaleza - CEP 60160-150
CNPJ 03.014.037/0001-67 - IE Isento CNPJ 04.331.316/0001-17 - IE 06.679.385-8
Contato: Contatos:
Sobral Flávia
Tel.: (82) 3338-1169 Tel.: (85) 3253-4277/4467
Servador Luís Carlos
Tel.: (82) 9163-0943 / 8855-4520 Tel.: 9955-9490
oliveira-al@ig.com.br Aguiar
Tel.: (85) 8714-6934
medlife@medlifece.com.br
Amapá luis@medlifece.com.br / flavia@medlifece.com.br
JL & B Logística e Representações Ltda. ME
Av. José de Alencar, s/nº, esquina c/ a R. Artur de Distrito Federal
Azevedo - Qd. 87 - Lote 11 - Cidade Satélite São Luiz -
Aparecida de Goiânia - CEP 74920-330 JL & B Logística e Representações Ltda. ME
CNPJ 03.581.869/0001-65 - IE 10482552-9 Av. José de Alencar, s/nº, esquina c/ a R. Artur de
IM 1006739 Azevedo - Qd. 87 - Lote 11 - Cidade Satélite São Luiz -
Aparecida de Goiânia - CEP 74920-330
Contato: CNPJ 03.581.869/0001-65 - IE 10482552-9
Tel.: (62) 3284-5727 / 3284-5552 / 8268-3129 / IM 1006739
9121-9743
Contato:
jlbgoiania@hotmail.com Tel.: (62) 3284-5727 / 3284-5552 / 8268-3129 /
9121-9743
jlbgoiania@hotmail.com

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Relação da Rede e Postos de Assistência Técnica 93
Grupo IV: Assistência Técnica Autorizada

Espirito Santo Minas Gerais


Tec Brasil Ltda. REGIÃO NORTE DE MINAS E VALE DO
Av. Marechal Mascarenhas de Moraes, 2782, 2º Pavilhão JEQUITINHONHA
Bom Jesus de Nazareth
Vitória - CEP 29065-130 Agitec Comercial Ltda.
CNPJ 02.360.051/0001-50 - IE 081.938.26-8 R. Cantagalo, 139 A - Santo André
Contatos: Belo Horizonte - CEP 31230-770
Tel.: (27) 3029-9050 / 98147-6896 CNPJ 71.283.840/0001-57 - IE 062.875835.00-62
rogerio@conexxo.com.br Contatos:
Jussimar
Tel.: (31) 3422-1016
Goiás Claudio
Tel.: 9901-5609
Medicenter Prod. Hosp. Ltda Enilson
Av. C - 233, 390 - Qd. 561 - Lote 03 - Jd. América Tel.: 8717-9680
Goiânia - CEP 74290-040 agitec_coml@yahoo.com.br
CNPJ 01.676.238/0001-02 - IE 10146838-5
Contatos:
Tel.: (62) 3251-1261 / 0088 Pará
José Carlos / Carlos
HospNorte Com. Ltda. ME
Tel.: (62) 9977-9911
Trav. WE 27, 32 - Conj. Cidade Nova VIII - Coqueiro
Carla
Tel.: (62) 8111-3355 Ananindeua - CEP 67133-100
CNPJ 05.701.680/0001-94 - IE 15.231.692-2
Vinicius
Tel.: (62) 8175-0252 Contato:
vendas@medicentergo.com.br Sr. Osmar (91) 3237-6100 / Fax: 3237-6099 /
9106-8496
osmar@hospnorte.com.br
Maranhão
Paraiba
J. C. S. Alcântara
Av. Cel. Colares Moreira, 100 - Sl. 417 HBL Vendas e Serv. de Art. Med.
Ed. Los Angeles - Renascença e Ortop. Ltda.
São Luís - CEP 65075-440 R. Otacilio de Albuquerque, 219 - Torre
CNPJ 07.551.064/0001-20 - IE 122.218.256 João Pessoa - CEP 58040-720
Contato: CNJP 05.000.571/0001-40 - IE 16.134.659-6
Paulo Alcântara
Contatos:
Tel.: (98) 8820-2110 / 3235-7413
Ana Michelle
pcalcantara@ig.com.br
Tel.: (83) 3244-4033
Sr. Homero
Mato Grosso Tel.: (83) 9981-7175
vendas@hblmed.com.br
Hospitec Com. e Assismed Assist. Téc. de
Equip. Médicos Tel.: (83) 9981-7175
R. Monteiro Lobato, 260, QD. 01, Lote 07 - Poção
Paraná
Cuiabá - CEP 78015-585 Totalli Tecnologia
CNPJ 15.393.692/0001-52 - IE 13.451.435-1
Contato: Eduardo Damião Cavalli ME
Claudiomir R. Augusto Stresser, 1472 - Loja 03 -
Tel.: (65) 3634-9032 Curitiba - CEP 80040-310 - Juveve
Gilvan CNJP 85.511.210/0001-05 - IE 90.290.249-09
Tel.: (65) 9622-5786 / 9253-4550 Contato:
assimedcba@gmail.com / hospitecmt@gmail.com Tel.: (41) 3033-5500 / 9974-4995
Marcos
Mato Grosso do Sul Tel.: (41) 9619-9712
eduardo@totalli.com.br
Múltipla Equip. Hospitalares Ltda. totalli1@hotmail.com
Av. Dr. Paulo Machado, 354 - Bairro Santa Fé
Campo Grande - CEP 79021-300
CNPJ 06.190.145/0001-89 - IE 28.329998-3
Contato:
Eduardo
Tel.: (67) 3029-0505
multiplams@terra.com.br
eduardo.besser@multiplams.com.br

94 Relação da Rede e Postos de Assistência Técnica Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Grupo IV: Assistência Técnica Autorizada

Piauí Santa Catarina


Naramed Com. e Repres. Ltda. (MCM Marca) W & Z Com. e Serv. Hosp. Ltda. EPP
R. Santa Luzia, 2945 - Bairro Ilhotas R. Nascente do Sol, 500 - Bairro Ponte do Imaruim
Teresina - CEP 64001-400 Palhoça - CEP 88130-570
CNPJ 41.257.114/0001-07 - IE 19.421.188-6 CNPJ 05.968.162/0001-31 - IE 254.707.319
Contato: Contatos:
Dorgival Tel.: (48) 3342-2024 / 3342-0383
Tel.: (86) 3221-7405 / 9482-5069 Alexandre
naramedequipamentos@gmail.com Tel.: (48) 9981-3892 / 8411-3800
Local Entrega administracao@wzhospitalar.com
R. São Pedro, 3000 - Ilhotas
Teresina - CEP 64001-260
São Paulo
Rio Grande do Norte Amanda dos Santos Gianini Manut. ME
R. Alto do Rio Bravo, 312 - Jd. Bandeirantes
Medlife Com. Serv. Equip. Hosp. Ltda. ME São Paulo - CEP 02994-000
R. Pereira Filgueiras, 1236 - Aldeota CNPJ 15.047.359/0001-91 - IE 146.997.453.119
Fortaleza - CEP 60160-150
CNPJ 04.331.316/0001-17 - IE 06.679.385-8 Contatos:
Amadeu Gianini
Contatos:
Tel.: (11) 98558-8215
Flávia
Tel.: (85) 3253-4277/4467 contato@amandagianini.com
Luís Carlos
Tel.: 9955-9490
Aguiar
ABCD / VALE DO PARAÍBA E DO RIBEIRA
Tel.: (85) 8714-6934 Work And Life Comercial Ltda.
medlife@medlifece.com.br Av. Presidente Kennedy, 2491 - Santa Maria
luis@medlifece.com.br / flavia@medlifece.com.br São Caetano do Sul - CEP 09561-200
CNPJ 02.690.085/0001-02 - IE 636.284.574.115
Rio Grande do Sul Contatos:
Tel.: (11) 4220-6060
R.R. Gorski & Cia. Ltda.
R. 1º de Setembro 545 - Paternon Adriana, Nilmar
Porto Alegre - CEP 91520-540 Tel.: (11) 98139-0004
CNPJ 08.984.579/0001-86 - IM 23.414.529 - adriana@workandlife.com.br
IE 096/31.94.976 Marcos
Contatos: Tel.: (11) 94536-8462 / 7856-0003
Luis / Robson
Tel.: (51) 3318-2583/2505
CAMPINAS, SOROCABA, BOTUCATU
Robson
Tel.: (51) 9956-6140 / 8403-5701 E REGIÕES
1rrgorski@gmail.com Tecnoclin Eletrônica Ltda. EPP
R. Peru, 64 - Jardim do Trevo
Rio de Janeiro Campinas - CEP 13040-039
CNPJ 64.765.548/0001-05 - IE Isento
Daisser Equip. e Serviços Ltda. Contatos:
R. General Marciano Magalhães, 334 - Galpão 1 - Sr. Neil / Denilda
Morin - Petrópolis - CEP 25630-406 Tel.: (19) 3778-1400 / 3278-2744 / 3278-2784
CNPJ 07.099.475/0001-26 - IE 77.834.850 vendas@tecnoclin.com.br
Contatos:
Tel.: (24) 2231-2153 / 2237-8717 MARÍLIA, BAURU, ARAÇATUBA E REGIÕES
Helen / Sergio
Tel.: (24) 99841-7568 / 7845-7543 Cirúrgica Neves Ltda. EPP
daisser@terra.com.br R. 24 de Dezembro, 1360 - Alto Cafezal
Marília - CEP 17504-010
Rondonia CNPJ 04.182.003/0001-44 - IE 438.194.872.116
Contatos:
Samoel Melo ME - Techmed Eletrônica Tel.: (14) 3413-2483
R. Joaquim Pinheiro Filho, 4054B - Vilage do Sol II Nanci / Odair
Cacoal - CEP 76964-486 Tel.: 99601-2990
CNPJ 12.704.512/0001-18 - IE 3176291 cir.neves@terra.com.br
Contatos: vendas.cirneves@terra.com.br
Samoel Melo
Tel.: (69) 9991-7525 / 8405-1134 / 3443-5887
samoel_melo@hotmail.com

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Relação da Rede e Postos de Assistência Técnica 95
Grupo IV: Assistência Técnica Autorizada

São Paulo (continuação)


RIBEIRÃO PRETO, S. J. RIO PRETO,
TRIÂNGULO MINEIRO E REGIÕES
Cirúrgica Ávila Com. de Equip. Hosp. Ltda.
R. Padre Euclides, 671
Ribeirão Preto - CEP 14080-200
CNJP 56.885.940/0001-60 - IE 582.236.294.114
Contatos:
Marco
Tel.: (16) 3636-5412
João Ávila
Tel.: 99791-3984
avila@convex.com.br

GUARULHOS, JUNDIAÍ, BRAGANÇA


PAULISTA E REGIÕES
Biocom Tecnologia Ltda. EPP
R. das Orquídeas, 321
São Paulo - CEP 04050-000
CNPJ 04.274.388/0001-70 - IE 116.110.238.113
Contatos:
Tel.: (11) 2935-0020 / 5585-1922
Fábio
Tel.: 98393-1333
Alexandre
Tel.: 98393-1555
laise@biocomtec.com.br
ffs@biocomtec.com.br

Sergipe
MC Hospitalar
R. Dr. Leonardo Leite, 206 - Bairro São José
Aracaju - CEP: 49015-000 - (Antiga Rua Vila Cristina)
CNPJ 11.738.593/0001-04 - IE 27.126.953-7
Contato:
Tel.: (79) 3222-3070 / 8134-1625 / 9129-3517
junior@mchospitalar.com.br

Tocantins
JL & B Logística e Representações Ltda. ME
Av. José de Alencar, s/nº, esquina c/ a R. Artur de
Azevedo - Qd. 87 - Lote 11 - Cidade Satélite São Luiz -
Aparecida de Goiânia - CEP 74920-330
CNPJ 03.581.869/0001-65 - IE 10482552-9
IM 1006739
Contato:
Tel.: (62) 3284-5727 / 3284-5552 / 8268-3129 /
9121-9743
jlbgoiania@hotmail.com

96 Relação da Rede e Postos de Assistência Técnica Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015
Manual do Operador e Instalação
Termodesinfectora

Anotações

Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015 Anotações 97


Manual do Operador e Instalação
Termodesinfectora

Anotações

98 Anotações Registro ANVISA 10223710054 - Rev. 07 - Maio 2015


Os produtos desenvolvidos e fabricados pela Ortosintese apresentam, além
da confiabilidade atestada por rígidas certificações nacionais e
internacionais, aprimoramento e evolução constantes.

Os materiais empregados e as funcionalidades a que se destinam são


constantemente avaliadas por médicos, técnicos e engenheiros.

Instituto Nacional de Metrologia, Certificação ANVISA - Boas práticas Declaração de Conformidade


Normalização, Qualidade Industrial de fabricação e controle de produtos
para Saúde

ISO

ISO - 13485-2003 Certificação IEC


ISO - 9001-2008
A Ortosintese preocupa-se com o meio ambiente e busca sempre trabalhar questões
ecológicas com os seus colaboradores e fornecedores.
Reciclamos caixas de papelão, papel, óleo das máquinas, ácidos, latas de tinta, pilhas
e baterias, entre outros insumos utilizados em nossa fábrica.
Toda essa responsabilidade ambiental, reflete em uma produção mais sustentável,
o que comprova a excelência da nossa marca.

COMPROMETIDA COM O
MEIOAMBIENTE

Ortosintese Indústria e Comércio Ltda.


Divisão de Equipamentos
Rua Prof° Alfonso José Fioravanti, 63 – CEP 02998-010
City Empresarial Jaraguá – São Paulo – SP – Brasil
Tels.: +55 11 3737-9000 / 3948-4000
Fax: +55 11 3948-4010
E-mail: ortosintese@ortosintese.com.br

Responsável Técnico: Eng. Carlos Macoto Nakamura – CREA/SP 0601828973