You are on page 1of 17

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TUCURUÍ


FACULDADE DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

TÍTULO DO TCC

NOME DO ALUNO

TUCURUÍ - PA
ANO
ii

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ


CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TUCURUÍ
FACULDADE DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

NOME DO ALUNO

TÍTULO DO TCC

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado para obtenção do grau de
engenheiro da Computação Faculdade de
Engenharia da Computação, do Campus
Universitário de Tucuruí.

Tucuruí - PA
ANO
iii

TÍTULO DO TCC

Este trabalho foi julgado adequado em _____ / _____ / ______ para obtenção do
grau de Engenheiro da Computação, aprovado em sua forma final pela banca
examinadora que atribuiu o conceito __________________.

____________________________
Prof. XXX
Orientador

____________________________
Prof. XXX
Co-orientador

____________________________
Prof. XXX
Membro da Banca Examinadora

____________________________
Prof. XXX
Membro da Banca Examinadora

____________________________
Prof. XXX
Diretor da Faculdade de Engenharia da Computação
iv

DEDICATÓRIA
v

AGRADECIMENTOS
vi

EPÍGRAFE
vii

RESUMO

Este trabalho

Palavras-chave:
viii

ABSTRACT

This

Keywords:
ix

LISTA DE FIGURAS
x

LISTA DE TABELAS
SUMÁRIO
12

CAPÍTULO 1

Introdução

1.1 Contextualização
1.2 Justificativa
1.3 Objetivo Geral
1.4 Objetivos Específicos
1.5 Organização do Trabalho

CAPÍTULO 2

Referencial Teórico

2.1 Redes de Computadores e a Internet

2.2 HUB

Segundo Torres (2004), os hubs são dispositivos concentradores, responsáveis


por centralizar a distribuição dos quadros de dados em redes fisicamente
ligadas em estrela. Todo hub é um repetidor responsável por replicar, em
todas as suas portas (Figura 4.1), as informações recebidas pelas máquinas
da rede.

Agora, vamos examinar os dispositivos de comutacao e ver como eles se relacionam aos
pacotes e
quadros. Na parte inferior, na camada fisica, encontramos os repetidores. Esses
dispositivos
analogicos estao conectados a dois segmentos de cabo. Um sinal que aparece em um deles e
amplificado e colocado no outro. Os repetidores nao reconhecem quadros, pacotes ou
cabecalhos,
somente volts. Por exemplo, a Ethernet classica foi projetada para permitir quatro
repetidores, a fim
de estender o comprimento maximo de cabo de 500 metros para 2500 metros.
Em um hub, é possível ter várias portas, ou seja, entradas para conectar o cabo de rede de cada
computador. Geralmente, há aparelhos com 8, 16, 24 e 32 portas. A quantidade varia de acordo
com o modelo e o fabricante do equipamento.
Isso significa que eles não tem condições de
Está na camada física do modelo OSI.
conectar dois segmentos de redes que operem em arquiteturas diferentes
(TORRES, 2004)

Um hub tem varias linhas de entrada que ele conecta eletricamente.


Os quadros que chegam em quaisquer dessas linhas sao enviados a todas as outras. Se dois
quadros chegarem ao mesmo tempo, eles colidirao, como ocorre em um cabo coaxial. Em outras
13

palavras, o hub inteiro forma um unico dominio de colisao. Todas as linhas que chegam a um
hub devem operar na mesma velocidade. Os hubs diferem dos repetidores pelo fato de
(normalmente)
nao amplificarem os sinais de entrada e serem projetados para conter varias placas de
linha, cada
uma com varias entradas, mas as diferencas sao pequenas. Como os repetidores, os hubs nao
examinam o enderecos 802 nem os utilizam de forma alguma. (TANENBAUM)

2.3 TIPOS DE HUB


Os hubs passivos limitam-se a funcionar como um espelho, refletindo os sinais recebidos para todas as
estações a ele conectadas. Como ele apenas distribui o sinal, sem fazer qualquer tipo de amplificação, o
comprimento total dos dois trechos de cabo entre um micro e outro, passando pelo hub, não pode
exceder os 100 metros permitidos pelos cabos de par trançado.

Um Hub ativo por sua vez, além de distribuir o sinal, serve como um repetidor, reconstituindo o sinal
enfraquecido e retransmitindo-o. Enquanto usando um Hub passivo o sinal pode trafegar apenas 100
metros somados os dois trechos de cabos entre as estações, usando um hub ativo o sinal pode trafegar
por 100 metros até o hub, e após ser retransmitido por ele trafegar mais 100 metros completos. Apesar
de mais caro, este tipo de hub permite estender a rede por distâncias maiores.

Carlos E. Morimoto /2002

2.4 LIGAÇÃO DE HUBS

É possível ligar vários hubs entre eles a fim de concentrar um maior número de máquinas, fala-se
então de ligação em cascata (às vezes chamada daisy chains, em inglês). Para o efeito, basta ligar os
hubs com um cabo cruzado, isto é, um cabo que liga os conectores de recepção de uma extremidade
aos conectores de recepção da outra. Os hubs (concentradores) em geral são dotados de uma porta
especial chamada “uplink” que permite utilizar um cabo direito para ligar as portas entre elas. Há
igualmente hubs capazes de cruzar ou descruzar automaticamente as suas portas, caso estejam
ligados a um hóspede ou a um hub.
É possível encadear até três concentradores, a ligação além desse número não é recomendado pois o
tráfego na rede torna-se inconsistente. Se desejar ligar várias máquinas à sua conexão Internet, um
hub não é suficiente. É necessário recorrer a um switch ou a um comutador ou então deixar utilizar o
computador ligado diretamente à conexão como gateway.
(A6 EQUIPAMENTOS )

CASCATEAMENTO
Existe a possibilidade de conectar dois ou mais hubs entre si. Quase todos os
hubs possuem uma porta chamada “Up Link” que se destina justamente a
esta conexão. Basta ligar as portas Up Link de ambos os hubs, usando um
cabo de rede normal para que os hubs passem a se enxergar.

Sendo que existem alguns hubs mais baratos não possuem a porta “Up Link”,
mais com um cabo cross-over pode-se conectar dois hubs. A única diferença
neste caso é que ao invés de usar as portas Up Link, usará duas portas
comuns.

Note que caso você esteja interligando hubs passivos, a distância total entre
dois micros da rede, incluindo o trecho entre os hubs, não poderá ser maior
14

que 100 metros, o que é bem pouco no caso de uma rede grande. Neste
caso, seria mais recomendável usar hubs ativos, que amplificam o sinal.
15

EMPILHAMENTO

O recurso de conectar hubs usando a porta Up Link, ou usando cabos cross-


over, é utilizável apenas em redes pequenas, pois qualquer sinal transmitido
por um micro da rede será retransmitido para todos os outros. Quanto mais
Computadores tivermos na rede, maior será o tráfego e mais lenta a rede
será e apesar de existirem limites para conexão entre hubs e repetidores,
não há qualquer limite para o número de portas que um hub pode ter. Assim,
para resolver esses problemas os fabricantes desenvolveram o hub
empilhável.

Esse hub possui uma porta especial em sua parte traseira, que permite a
conexão entre dois ou mais hubs. Essa conexão especial faz com que os hubs
sejam considerados pela rede um só hub e não hubs separados, eliminando
estes problemas. O empilhamento só funciona com hubs da mesma marca.

A interligação através de porta especifica com o cabo de empilhamento


(stack) tem velocidade de transmissão maior que a velocidade das portas.

www.hardware.com.br/comunidade/redes-historia/718739/
16

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Hardware Manual Completo Carlos E. Morimoto /2002


17

ANEXOS