You are on page 1of 9

Fonte de Heron

CURITIBA
2018
Anderson Rangel de Oliveira

Luis Henrique Costa Rodrigues

Vinicius Roberto Klayn

Fonte de Heron
Trabalho apresentado à disciplina de Mecânica

dos fluidos e termodinâmica aplicada ao estudo

de petróleo e gás do Instituto Federal do Paraná

ao professor: Adriano Willian da Silva.

CURITIBA
2018
Sumário
Objetivos...................................................................................... 4
Materiais...................................................................................... 4
Referencial Teórico ...................................................................... 4
Resultados ................................................................................... 6
Análise dos Resultados ................................................................ 7
Referencias Bibliográficas ............................................................ 9
Objetivos
A fonte de Heron é um experimento prático que através de energia potencial
gravitacional e diferencial
de pressões, ocasionados tanto por; O liquido ocupando o espaço da garrafa,
quanto o diferencial
de diâmetro do tubo de vidro e a mangueira, gera um jato d’água durante
alguns minutos,
sem a necessidade de nenhum mecanismo avançado. Tal projeto apresenta
conceitos de mecânica
hidrostática, que serão explicados em tópicos posteriores.

Materiais
A fonte de Heron pode ser feita de maneiras diferentes, tanto visando um
acréscimo no tempo
de funcionamento da fonte, tanto financeiro ou de facilidade na construção
prática. No caso de
apresentação deste grupo, será usado:
_ Garrafa PET(3 unidades)
_ Mangueira comprida (1 unidade)
_ Conta-gotas de vidro (1 unidade)
_ Pistola de cola quente
_ Ferro de soldar

Referencial Teórico
A secção teórica do projeto aborda, principalmente, o tema de mecânica
hidrostática (como dito
anteriormente). Primeiramente vamos entender da onde vem o nome "Fonte de
Heron". Heron
de Alexandria foi um engenheiro, matemático com ênfase geométrica, que teve
alguns estudos
prosseguidos por Arquimedes

(a) Heron de Alexandria


Principio de Pascal
Os principais conceitos teóricos a se avaliar no projeto é O principio de Pascal,
pressão e Vasos
comunicantes. Blaise Pascal foi um matemático, físico, filósofo, teólogo
francês, O seu principio se
possui o enunciado:
_ O acréscimo de pressão produzido num líquido em equilíbrio transmite-se
integralmente a todos
os pontos do líquido

(a) Blaise Pascal

A relação que temos por pressão (_p) é dada por ser diretamente proporcional
a força( ~F) e
inversamente proporcional a Área(A) em questão:

𝐹⃗
∆𝑝 =
𝐴
(1)

O princípio de Pascal parte do pressuposto que em recipientes diferentes com


fluido(s) congruente(s)
a pressão se mantem, portanto temos a relação:

𝐹⃗1 𝐹⃗⃗⃗⃗2
=
𝐴1 𝐴2

(2)
Procedimento teórico
. Ao inicio, quando se deposita o líquido no topo do recipiente e a gravidade o
puxa através da
mangueira, ele é depositado no fundo da garrafa inferior. A garrafa inferior
estava preenchida com
ar, a central, com água. Ao momento que a água se deposita na garrafa
inferior, há um acréscimo
de pressão exercida sobre o ar, que faz com que ele atravesse para a garrafa
central, que está
preenchida com água, e mais uma fez há um acréscimo de pressão só que
dessa vez na água ali
presente, o procedimento de "empurrar" o fluído mais uma vez ocorre, dessa
vez ele passa através
da mangueira para o funil PET superior, o esguicho ocorre por causa da ponta
de conta-gotas
acoplado a mangueira. A definição de pressão explica esse fenômeno, uma
vez que o diâmetro
do conta-gotas é menor do que o diâmetro da mangueira, devido a isso a
pressão naquele ponto
aumento gerando assim um esguicho

Resultados
Ao depositar o liquido na garrafa do meio, e encher o funil de onde sairá o
esguicho, começara a jorrar um fluxo de água, representado no esquema
abaixo:

Fluxo de água

Garrafa superior

Garrafa Inferior
Análise dos Resultados

Considerando que a água se comporta como um fluido ideal, isto é, de


viscosidade nula, demonstraremos, teoricamente, como funciona a fonte.
Temos, a partir da equação de Bernoulli:

na qual:

Patm é a pressão atmosférica;

v1 é a velocidade do nível da água no ponto 1 que é igual a zero;

ρ é a densidade da água;

g é a aceleração gravitacional;

h1 é a diferença de desnível entre os pontos 1 e 2;

P2 é a pressão no ponto 2;

V2 é a velocidade do nível da água no ponto 2.

Assim, temos:

(1)
Dessa forma, a pressão no ponto 2 é maior que a pressão atmosférica e,
considerando que a densidade do ar é muito menor que a da água, a pressão
no ponto 3, P3 torna-se igual a P2:

(2)

Tomando agora os pontos 3 e 4 como referência e aplicando a equação de


Bernoulli, temos:

(3)

na qual:

v4 é a velocidade com que a água jorra no ponto 4;

h2 é o desnível entre os pontos 3 e 4.

Substituindo a eq. 2 na eq. 3, temos:

(4)

A vazão de água jorrada no ponto 4 é igual à vazão de água transportada pelo


tubo que interliga os frascos A e C. Sendo os diâmetros internos dos frascos B
e C iguais, as velocidades das superfícies dos líquidos contidos nos mesmos
também são iguais, ou seja, v3 = v2. Dessa forma, a eq. 4 reduz-se a:

Dividindo esta equação por ρ , obtemos:

(5)

Assim, para que a fonte funcione, é necessário que a altura h1 seja maior que
h2. Lembrando que, na dedução da velocidade v4, foi considerado que a água
se comporta como um fluido ideal, não se levando em conta a perda de energia
por atrito com as paredes dos tubos durante o escoamento. Dessa forma, para
um determinado valor esperado da velocidade v4, a diferença (h1 – h2) deverá
ser maior, experimentalmente, do que a prevista pela eq. 5.
Referencias Bibliográficas

AUTHOR = Wilson Carron and Osvaldo Guimarães, TITLE = "As faces da


Física", PUBLISHER= Editora Moderna, YEAR = 1999, volume = Único,

HALLIDAY, R.; RESNICK, R. Física. v. 2, 4. ed, Rio de Janeiro, 1984.

PERELMAN, Y. Physics for Entertainment. v. 2, 3. ed, Moscow: Mir Publishers,


1975.