You are on page 1of 5

ATIVIDADES PRÁTICAS DA DISCIPLINA GEOMORFOLOGIA DE AMBIENTES ÚMIDOS E SEMIÁRIDOS

Prof. Dr.Lucivânio Jatobá ( DCG-UFPE) lucivaniojatoba@uol.com.br

UFPE- CURSO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS

DISCIPLINA- GEOMORFOLOGIA DE AMBIENTES ÚMIDOS E SEMIÁRIDOS

Prof. Lucivânio Jatobá

ATIVIDADE PRÁTICA- O DOMÍNIO MORFOCLIMÁTICO DOS “MARES DE MORROS”

O domínio dos “mares de morros” foi exaustivamente estudado pelo geógrafo Aziz
Nacib Ab’Sáber, desde a década de 19601. Trata-se de um domínio que assume uma posição
nitidamente azonal, estendendo-se desde a Região Nordeste do Brasil até praticamente o sul
do país. Desenvolve-se em áreas quentes e úmidas, com índices pluviométricos anuais que
variam de 1.100 a 4000mm.

O domínio dos “mares de morros” corresponde à área de mais profunda decomposição


das rochas e de máxima presença de mamelonização topográfica, em caréter regional,,
de todo o país. A alteração das rochas cristalinas e cristalofilianas atinge aí o seu maior
desenvolvimento, tanto em profundidade quanto em extensão, chegando a ser
universal para enormes setores das regiões serranas acidentadas dos planaltos
cristalinos do Brasil de Sudeste ( núcleo sul-oriental do Escudo Brasileiro). E´ uma
paisagem de forte expressão areolar, que se estende por algumas centenas de milhares
de quilômetros quadrados, refletindo a ação de processos morfoclimáticos tropicais
úmidos em uma faixa hipsométrica cuja amplitude é superior a 1000m ( pois a partir de
2-3 metros acima do nível do mar, pode atingir até 1000-1100m, ou um pouco mais). A
área “core do domínio dos “mares de morros” é encontrada sobretudo nas regiões
serranas granítico-gnáissicas florestadas do Brasil de Sudeste, com tipicidade máxima
nas zonas mamelonizadas extensivas da bacia do rio Paraíba do Sul. (...) As repercussões
dos processos morfoclimáticos tropicais úmidos ( que criaram a região dos “mares de
morros”), nas áreas sedimentares ou basálticas do interior paulista ou do norte do
Paraná, não são tão intensas, por razões puramente litológicas e morfoestruturais.
Nessas áreas, onde não existem exposições de terrenos cristalinos ou cristalofilianos,
aparece uma espécie de subdomínio atenuado de feições geomórficas aparentadas, as
quais sensu latu ainda poderiam ser incluídas ao “core” de grande província
morfoclimática regional. Tais fatos servem para nos demonstrar que a decomposição
profunda e a mamelonização intensa constituem fatos preferenciais das áreas cristalinas
e cristalofilianas fortemente deformadas e diaclasadas e facilmente sujeitas a um
intemperismo químico profundo, posto que diferencial (AB’SÁBER, 1966).

As principais características do Domínio Morfoclimátuco em apreço são:

- mamelonização extensiva das vertentes

- niveis de pedimentos embutidos

-vertentes policonvexas

- regolitos bem desenvolvidos

-presença extensiva de latossolos e argissolos

1
AB’SÁBER, A.N. O domínio dos mares de morros no Brasil. Geomorfologia 2. São Paulo: USP, Inst. De
Geografia, 1966.
ATIVIDADES PRÁTICAS DA DISCIPLINA GEOMORFOLOGIA DE AMBIENTES ÚMIDOS E SEMIÁRIDOS
Prof. Dr.Lucivânio Jatobá ( DCG-UFPE) lucivaniojatoba@uol.com.br

- superposição de paleossolos devida às flutuações climáticas quaternárias.

- ocorrência de pontões e pães de açúcar nas áreas onde o espaçamento das diáclases
tectônicas é anormalmente grande.

- áreas em que se processou um máximo de camuflagem das feições geomórficas herdadas de


fases climáticas anteriores( tais como superfícies aplanadas, pedimentos, terraços climáticos,
inselbergues, cabeceiras em anfiteatros) devido à extensividade dos processos de
mamelonização ( AB’SÁBER, op cit).

- equilíbrio sutil entre os processos morfoclimáticos, pedológicos, hidrológicos e biogênicos (


plenitude da biostasia, conforme a concepção de H. Ehart), porém imediato desequilíbrio
quando a ações antrópicas predatórias ( resistasia, de Ehart) (AB’SÁBER, op cit).

- presença freqüente de planícies alveolares.

- depósitos coluviais soterrando “Stone lines”.

FOTOS DE PAISAGENS DO DOMÍNIO DOS “MARES DE MORROS”

Foto 1- Área situada no Domínio dos “mares de morros”, em Espirito Santo


ATIVIDADES PRÁTICAS DA DISCIPLINA GEOMORFOLOGIA DE AMBIENTES ÚMIDOS E SEMIÁRIDOS
Prof. Dr.Lucivânio Jatobá ( DCG-UFPE) lucivaniojatoba@uol.com.br

Foto 2- Vitória de Santo Antão-PE ( Foto – Lucivânio Jatobá)

Foto 3- Pedra do Lagarto-ES. ( Foto- Lucivânio Jatobá)

Foto 4
ATIVIDADES PRÁTICAS DA DISCIPLINA GEOMORFOLOGIA DE AMBIENTES ÚMIDOS E SEMIÁRIDOS
Prof. Dr.Lucivânio Jatobá ( DCG-UFPE) lucivaniojatoba@uol.com.br

Foto 5- Região Sudeste do Brasil ( Fonte : Google Earth)

Foto 6- Vargem Alta-ES ( Fonte: Google Earth)

Atividades:

1- Comente o texto de Ab’Sáber transcrito anteriormente.


2- O que se entende por mamelonização extensiva das vertentes?
3- O que indica a presença de pedimentos embutidos no domínio analisado?
4- Que fatores influenciam no desenvolvimento do regolito nesse domínio analisado?
5- Apresente uma hipótese para a formação de pontões e pães-de-açúcar no domínio
analisado.
ATIVIDADES PRÁTICAS DA DISCIPLINA GEOMORFOLOGIA DE AMBIENTES ÚMIDOS E SEMIÁRIDOS
Prof. Dr.Lucivânio Jatobá ( DCG-UFPE) lucivaniojatoba@uol.com.br

6- O que entende por planície alveolar? Como explicar para os alunos do Ensino
Fundamental esse assunto?
7- O que são e como se formam as“Stone lines”?
8- Descreva e analise a Foto 1.
9- Descreva e analise a Foto 2.
10- Descreva e analise as Foto 5 e 6.