You are on page 1of 34

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE BRAGANÇA


FACULDADE DE LETRAS
Curso: Letras – Língua Portuguesa
EMENTÁRIO
DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

Disciplina: FUNDAMENTOS DA LINGUÍSTICA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa A Linguística como ciência. A Linguística e disciplinas afins. Conceitos
fundamentais da Linguística. Evolução do pensamento linguístico: de Saussure à
linguística da enunciação.
Bibliografia Básica:
CÂMARA, Jr., J. Mattoso. Princípios de lingüística geral. Rio de Janeiro: Acadêmica. 1967.
FIORIN, José Luiz (Org.) Introdução à lingüística. 2. v. São Paulo: Contexto.
2003.
MARTINET, André. Elementos de linguística geral. 11ed. Lisboa: Sá da Costa,
1991, 208 p.
MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Cristina (Orgs.) Introdução à linguística:
domínios e fronteiras. 2. v. São Paulo: Cortez, 2001.
Complementar:
BORBA, Francisco da S. Introdução aos estudos linguísticos. São Paulo: Pontes,
1991.
CARVALHO, Castelar de. Para compreender Saussure. 9ed. Petrópolis: Vozes,
2000.
CRYSTAL, David. Dicionário de lingüística e fonética. Rio de Janeiro: Zahar.
DUBOIS, Jean e outros. Dicionário de lingüística. São Paulo: Cultrix, 1983.
FLORES, Valdir do Nascimento; TEIXEIRA, Marlene. Introdução à Linguística da
Enunciação. São Paulo: Contexto, 2005. 128 p.
LOPES, Edward. Fundamentos da linguística contemporânea. 20 ed. São Paulo:
Cultrix, 2002.
GLEASON JUNIOR, H. A. Introdução à linguística descritiva. 2. ed. Lisboa:
Fundação CalousteGulbenkian, [1985]. 533 p.
LYONS, John. Língua(gem) e lingüística. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
MAINGUENEAU, Dominique. Introdução à lingüística. Lisboa: Gradiva, 1997.
PAVEAU, Marie-Anne & SARFATI, Georges, 2006. As grandes teorias da
linguistica: da gramática comparada à pragmática, tradução de Rosário Gregolin
et al. São Carlos: Claraluz, 272 p.
SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 1972.

Disciplina: FILOSOFIA DA LINGUAGEM


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa A Filosofia da Linguagem: escopo, objetivos e sua relação com as ciências da
linguagem: Linguística e Semiologia. Reflexão Filosófica acerca da linguagem na
Grécia Antiga: o sentido no pensamento sofista, em Platão e em Aristóteles.
Correntes de estudo da filosofia da linguagem e seus estudos sobre o significado:
Frege e a Teoria do sentido/significação; B. Russel e Atomismo Lógico,
Familiaridade e Descrição; os jogos da linguagem de Wittgenstein. A filosofia da
linguagem pós-Wittgenstein: A Teoria dos Atos de fala: Austin e Searle; a
abordagem da linguagem e da comunicação em Paul Grice.
Bibliografia Básica:
ARAÚJO, Inês Lacerda. Do signo ao discurso: introdução À Filosofia da
Linguagem. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
LUCKESIS, Cipriano & PASSOS, Elizete Silva. Introdução à Filosofia: aprendendo
a pensar. 5ª ed. São Paulo: Cortez Editora.
MARTINS, Helena. Três caminhos na Filosofia da Linguagem. In: MUSSALIM,
Fernanda; BENTES, Anna Christina (orgs.). Introdução à Lingüística: fundamentos
epistemológicos. 3ª ed. São Paulo, Cortez, 2007.
PONZIO Augusto. Fundamentos de Filosofia da linguagem. Petrópolis, RJ: Vozes,
2007.
MIGUENS, Sofia. Filosofia da linguagem: uma introdução. Porto, 2007.
Complementar:
ALSTON, P. W. Filosofia da linguagem. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.
AUROUX, Sylvain. Filosofia da linguagem. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.
COSTA, Cláudio. Filosofia da Linguagem. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar
Editor, 2007.
DIAS, M. Clara.Os limites da linguagem. Rio de Janeiro:RelumeDumará, 2000.
FLUSSER, Vilém. Língua e realidade. 3 ed. São Paulo: Annablume, 2007.
MORENO, Arley R. Wittengstein. Os labirintos da linguagem: ensaio introdutório.
São Paulo: Moderna, 200.
MORENTE, M. G. Fundamentos da Filosofia. São Paulo: Mestre Jou. 1979.
PEARS, David.As Ideias de Wittgenstein. São Paulo:Cultrix,1994
PLATÃO. Crátilo. Belém: Editora da UFPA. 2001.
VILHENA, V. Magalhães. Pequeno Manual de Filosofia. Lisboa: Sá da Costa, 1974.

Disciplina: TEORIA DA LITERATURA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa: A literatura: conceito, objeto, natureza e funções. Crítica literária. A teoria literária:
objeto, natureza e disciplinas afins. Os gêneros literários: teorias antigas e
modernas sobre o assunto. Períodos literários e movimentos artísticos. A
estilística e problema do estilo.
Bibliografia Básica
AMORA, Antônio Soares. Introdução à teoria da literatura. São Paulo: Cultrix,
1986.
ANJOS, Cyro dos. A criação literária. Rio de Janeiro: MEC, 1956.
ARISTÓTELES. Arte Poética. Trad. Antônio Pinto de Carvalho. Rio de Janeiro:
Tecnoprint. s/d.
COELHO, Nelly Novaes. O estudo da literatura. 4. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio. 1975.
COUTINHO, Afrânio. Notas de teoria literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1976.
SILVA, Vítor Manuel de A. e. Teoria da Literatura. Coimbra, Almedina, 1982.
Complementar
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
JAUSS, Hans R. (org.). A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Rio
deJaneiro: Paz e Terra, 1979.
KAYSER, Wolfgang. Análise e interpretação da obra literária. Trad. Paulo
Quintela. Coimbra: Armênio Amado. 1985.
LIMA, Luís C. Teoriada Literatura em suas fontes. Rio de Janeiro: Francisco
Alves.v. 1 e 2. 2002.
SAMUEL, Rogel. Manual de teoria literária. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 1985.
ZILBERMAN, Regina. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo:
Ática, 1989.

Disciplina: LÍNGUA LATINA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Fonética latina; Morfologia latina: os casos e as declinações do substantivo e do
adjetivo; verbos regulares; pronomes possessivos e pessoais; numerais. Sintaxe
latina: função dos casos. Contribuição do latim para a formação do léxico
português.
Bibliografia Básica
BERGE, Damião et alii. ARS Latina (Tomo IV).5ª ed. Petrópolis: Vozes. 1970.
COIMBRA, Júlio. Programa de latim. Vol. 1. Introdução à língua latina. 8ª ed. São
Paulo: Editorial Dom Bosco. 1986.
FARIA, Ernesto. Dicionário escolar latino-português. 5ª ed. Rio de Janeiro: Fename. 1975.
FERREIRA, António G. Dicionário de Latim-Português.Editora Porto Ltda., Porto,
1983.
Complementar
BAYET, Jean. Litteraturelatine. Paris, Libr. Armand Colin, 1934.
BONECQUE, H. e MONET, D. Roma e os romanos, S. Paulo, Edusp, 1976.
GRIMAL, Pierre. A civilização romana. Paris/Lisboa, Ed.70, 1984.
GARCIA, Janete M. Introdução à teoria e prática do Latim , Editora da UnB,
Brasília,1993.
_______ e Ottoni de Castro, Jane A. R. Dicionário Gramatical de Latim (nível
básico), Editora da UnB/Edit. Plano, Brasília, 2003.
SARAIVA, F.R. Dicionário latino português. Rio de Janeiro: Livraria Garnier, 2000.

Disciplina: PRODUÇÃO E COMPREENSÃO DE TEXTOS I


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa: Comunicação e linguagem: concepções de língua, sujeito, texto e sentido; a
intencionalidade no processo comunicativo do ponto de vista formalista (funções
da linguagem) e do ponto de vista interacionista. Introdução aos fenômenos de
coesão e coerência: critérios de textualidade, atividades e estratégias de
processamento textual, a coesão referencial. Análise de processos de coesão
referencial e de produção de sentidos em textos diversos.
Bibliografia Básica
BARROS, Diana L. Pessoa de. A comunicação humana. In: FIORIN, José Luiz
(Org.). Introdução à linguística. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2007.
BENTES, Anna Christina. Linguística Textual. In: MUSSALIM, Fernanda &
BENTES, Anna C. (Orgs.). Introdução à linguística2. ed. São Paulo: Cortez, 2001,
p. 245-287.
FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. 10. ed. São Paulo: Ática,
2005.
KOCH, Ingedore V. O texto e a construção dos sentidos. 8. ed. São Paulo:
Contexto, 2009.
Complementar
KOCH e ELIAS. Ler e compreender os sentidos do texto. Contexto, 2008.
_____. Ler e escrever: estratégias de produção textual. Contexto, 2009.
KOCH, Ingedore V.; TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. São Paulo: Contexto,
2003.
______. Texto e coerência. São Paulo: Cortez. 1995.
KOCH, Ingedore V.A coesão textual. São Paulo: Contexto, 2002.
TRAVAGLIA. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática.
Cortez, 2008.
MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São
Paulo: Parábola editorial, 2008.

Disciplina: LINGUÍSTICA ROMÂNICA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa: Linguística Românica: conceito, natureza, origens e métodos. Império Romano e
România primitiva; o latim vulgar e suas características; a formação das línguas
românicas.
Bibliografia Básica
AUERBACH, E. Introdução aos estudos literários. Trad. de José Paulo Paes. São
Paulo: Cultrix, 1972.
COUTINHO, I. L. Gramática histórica. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica. 1969.
LAUSBERG, H. Lingüística românica: introdução e vocalismo. Lisboa:
Gulbenkian, 1973.
IORDAN, I. Introdução à lingüística românica. Lisboa: Gulbenkian. 1973.
ILARI, Rodolfo. Lingüística românica. São Paulo: Ática, 1992.
Complementar
BASSETO, Bruno F. Elementos de Filologia Românica. São Paulo: Edusp, 2001.
FARACO, Carlos Alberto. LingüísticaHistórica. São Paulo: Ática, 1991.
HARRIS, Martin; VINCENT, Nigel. 1990. The romance languages. New York:
Oxford University Press.
NASCENTES, Antenor.1954. Elementos de Filologia Românica. Rio:
Organização Simões.
POGGIO, R.M.G. F. Processos de gramaticalização de preposições do latim ao
português: uma abordagem funcionalista. Salvador: EDUFBA, 2002.
TAGLIAVINI, Carlo. Orígenes de las lenguas neolatinas. Introducción a la
romance, 2a. reimpressão1993. México: Fondo de Cultura, 1949.
VIDOS, BenedekElemér. Manual de lingüística românica. Trad. de José Pereira
da Silva, com revisão técnica de Evanildo Bechara. Rio de Janeiro: Eduerj, 1996.

Disciplina: FONÉTICA E FONOLOGIA DA LÍNGUA PORTUGUESA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa: As ciências dos sons vocais: Fonética e Fonologia. Conceitos básicos da
Fonética: a produção dos sons do ponto de vista fisiológico; a classificação dos
sons do ponto de vista articulatório. Fonologia: princípios e fundamentos da
análise fonológica; os fonemas – alofonia e os processos fonológicos; os
sistemas consonantal e vocálico do português brasileiro; sistema fonológico e
sistema ortográfico: relação grafema e fonema; sílaba e acento.
Bibliografia Básica
BARBOSA, Jorge Morais. Introdução ao estudo da fonologia e morfologia do
Português. Coimbra: Almedina, 1994.
CALLOU, Dinah & LEITE, Yonne. Iniciação à fonética e fonologia. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar Editor. 1990.
CAGLIARI, Luiz Carlos. Análise fonológica: introdução à teoria e à prática, com
especial destaque para o modelo fonêmico. Campinas: Mercado de Letras, 2002.
MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Cristina (Orgs.) Introdução à lingüística.
1. vol. São Paulo: Cortez, 2001.
SILVA, ThaïsCristófaro. Fonética e Fonologia do Português. 4. ed. São Paulo:
Contexto, 2001.
Complementar
LEMLE, Miriam. Guia teórico do alfabetizador. 15. ed. São Paulo: Ática, 2003.
MARTINS, Maria Raquel Delgado. Ouvir Falar - Introdução à Fonética do
português. Lisboa: Caminho, 1988.
NETTO, Waldemar Ferreira. Introdução à fonologia da língua portuguesa. São
Paulo: Hedra, 2001.
PAULINO, Albanio. Língua Portuguesa: fonologia. Recife: Fundação Antônio dos
Santos Abranches – FASA, 1987.
RAZKY, Abdelhak. (Org.). Estudos geosociolinguísticos no Estado do Pará.
Belém: s/edit. 2003.
______. Atlas linguístico sonoro do Estado do Pará (ALISPA 1.1). Belém: s/edit.
2004. (Programa em CD-ROM) ISBN 85-904127-1-7
SILVA, Miryam Barbosa. Leitura, ortografia e fonologia. São Paulo: Ática, 1981.
Disciplina: TEORIA DO TEXTO POÉTICO
Código: LT- Carga horária 60h
Ementa A poesia: conceitos e generalidades. A poesia e a poética. Poema e poesia. O
poema em prosa. Estudo do poema: verso, metro, ritmo. A rima. A imagética.
Lirismo e texto lírico. A epopeia. Poesia e música.
Bibliografia Básica
AMORA, Antonio Soares. Introdução à teoria da Literatura. São Paulo: Cultrix.
ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Sousa. São Paulo: ARS Poética. 1992.
BOSI, Alfredo. O ser e o tempo na poesia. São Paulo: Cultrix. 1996.
COELHO. Nelly Novaes. Literatura e Linguagem. Rio de Janeiro: José Olympio.
MOISÉS, Massaud. A criação literária: poesia. 12. ed. São Paulo: Cultrix. 1993.
PORTELA, Eduardo e outros. Teoria Literária. Rio de Janeiro. Tempo Brasileiro.
SILVA, V. M. A. Teoria da Literatura. Coimbra: Almedina.
STAIGER, Emil. Conceitos fundamentais da poética. Trad. Celeste Aida Galvão.
Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1993.
Complementar
CHOCIAY, Rogério. Teoria do Verso. São Paulo, McGraw-Hill, 1974.
COHEN, Jean. Estrutura da linguagem poética. Tradução de Álvaro Lorencini e
Anne Arnichand. São Paulo: Cultrix, 1966.
FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. Tradução de Marise M. Curioni e
Dora F. da Silva. São Paulo: Duas Cidades, 1978.
HAMBURGER, Käte. A lógica da criação literária.Tradução de Margot P. Malnic.
São Paulo: Perspectiva, 1986.
GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. 13.ed. São Paulo: Ática, 2000.
TAVANI, Giuseppe. Poesia e ritmo: proposta para uma leitura do texto poético.
Lisboa: Sá da Costa, 1983.
STAIGER, Emil. Conceitos fundamentais da poética. Rio de Janeiro: Tempo
Brasileiro, 1975.

Disciplina: PRODUÇÃO E COMPREENSÃO DE TEXTOS II


Código: Carga horária: 60h
Ementa Introdução à teoria da argumentação. Os fenômenos de coesão e coerência
textuais: a coesão sequencial, operadores argumentativos, organizadores e
modalizadores textuais. Análise de processos de coesão sequencial em textos
diversos. Análise e produção de textos argumentativos orais e escritos.
Bibliografia Básica
KOCH, Ingedore V. A coesão textual. São Paulo: Contexto, 2002.
_____. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 2004.
_____. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 2007.
KOCH, Ingedore V.; TRAVAGLIA. A coerência textual. São Paulo: Contexto,
2003.
______. Texto e coerência. São Paulo: Cortez. 1995.
Complementar
BARROS. Nina Célia de. Estratégias de ataque à face em gêneros jornalísticos.
IN: MEURER & MOTTA-ROTH (ORG.). Gêneros textuais e práticas discursivas:
subsídios para o ensino da linguagem. Bauru, SP: EDUSC, 2002.
CITELLI, Adilson. O texto argumentativo. São Paulo: Scipione. 1994.
DIONISIO; MACHADO & BEZERRA (ORG.). Gêneros textuais e ensino. Rio de
Janeiro: Lucerna, 2007.
DUCROT, O. O dizer e o dito. Ed. Pontes, Campinas, São Paulo, 1987.
RODRIGUES. Rosângela Hammes. O artigo jornalístico e o ensino da produção
escrita. IN: ROJO (ORG). A prática de linguagem em sala de aula: praticando os
PCNs. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2000.
Disciplina: METODOLOGIA DA PESQUISA EM LETRAS
Código: LT- Carga horária: 45h
Ementa Análise de diferentes paradigmas metodológicos de pesquisa em Letras,
Linguística, Linguística Aplicada e literatura. Ética e pesquisa. Seleção e análise
de corpus. Elaboração de projeto de pesquisa para desenvolvimento de Iniciação
científica (PIBIC); Formatação do trabalho acadêmico – ABNT.
Bibliografia Básica
FRANÇA, J. L. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 7ª
ed. Belo Horizonte: UFMG, 2004.
LAKATOS, E. M. e MARCONI, M. A. Metodologia Científica. 2ª ed. São Paulo:
Atlas, 1995.
LIMA, L. C. Teoria da literatura em suas fontes. Vol1 e 2. Rio de Janeiro: Francisco
Alves. 1983.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 14ªed. São
Paulo: Cortez, Autores Associados, 1986. Cap. II, III, IV e V.
TARALLO, F. A pesquisa sociolingüística. São Paulo: Ática. 1986.
Complementar
BARROS, A. P. de e LEHFELD, N. A de S. Fundamentos de metodologia. Um
guia para a iniciação científica. São Paulo, McGrrawHill do Brasil, 1986.
BASTOS, Lilia da Rocha et al. Manual para elaboração de projetos e relatórios
de pesquisas, teses, dissertações e monografias. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2000.
ECO, Humberto. Como fazer uma tese em Ciências Humanas. 2ª ed. Lisboa.
Editorial Presença, p. 65.
FERREIRA, C. e CARDOSO S. A dialetologia no Brasil. São Paulo: Contexto. 1994.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisas. 3ª ed. São Paulo:
Atlas, 1996.
MACHADO, A. R. (coord.) Resenha. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
_____. Resumo. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
SIGNORINI, Inês; CAVALCANTI, Marilda C. (Orgs.) Lingüística Aplicada e
Transdisciplinaridade. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.

Disciplina: HISTÓRIA DA LÍNGUA PORTUGUESA


Código: LT- Carga horária 60h
Ementa Aspectos históricos da língua portuguesa; períodos da história da língua
portuguesa; leis fonéticas e metaplasmos; o português arcaico. Evolução
histórica das realizações fonético-fonológicas da língua portuguesa: vocalismo e
consonantismo.
Bibliografia Básica
ALI, Manuel Said. Dificuldades da língua portuguesa. Estudo e observações. 4
ed. revista e acrescida de notas adicionais, Rio de Janeiro, Acadêmica, 1950
BUENO, Silveira. Estudo de Filologia Portuguesa. São Paulo. Saraiva, 1963.
COUTINHO, Ismael. Gramática histórica. 7 ed., Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico,
1976.
MELO, G. C. Iniciação à filologia e à lingüística portuguesa. Rio de Janeiro:
Acadêmica. 1980.
NUNES, J. Joaquim. Compêndio de Gramática histórica Portuguesa. Lisboa:
Clássica, 1975.
WILLIAMS, Edwin B. Do latim ao Português. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro.
1961.
Complementar
AZEVEDO, Leodegário. Para uma gramática estrutural da Língua portuguesa.
Rio de janeiro: Germasa.
CASTRO, Ivo. Curso de história da língua portuguesa. Lisboa, Universidade
Aberta, 1991
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 6 ed. - comemorativa, Rio de
Janeiro, José Olympio Edit./INL, 1971
MATOS, Artur Teodoro de e MEDEIROS, Carlos Laranjo (dir.) Povos e culturas.
Portugal e o Oriente: Passado e Presente (5). Lisboa, Centro de Estudos dos
Povos e Culturas de Expressão Portuguesa, 1996.
TARALLO, Fernando. Tempos Lingüísticos: Itinerário histórico da Língua
Portuguesa. São Paulo: Ática. 1990.

Disciplina: MORFOLOGIA DA LÍNGUA PORTUGUESA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Estrutura e formação do vocábulo formal; tipos de morfemas; classes e
categorias gramaticais; morfologia das classes abertas: nome, verbo, adjetivo e
advérbio; processos de formação do vocábulo formal; criação lexical e
empréstimos.
Bibliografia Básica
BASÍLIO, M. Teoria lexical. 2. ed. São Paulo: Ática. 1989.
CÂMARA JR, Joaquim Mattoso da.Estrutura da língua portuguesa. 19. ed.
Petrópolis: Vozes, 1989.
CARONE, F. Morfossintaxe. 3. ed. São Paulo: Ática. 1991.
LAROCA, M. N. Manual de morfologia do português. Campinas: Pontes, 1994.
MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Cristina (Orgs.) Introdução à lingüística.
1. vol. São Paulo: Cortez, 2001.
PETTER, Margarida M. T. Morfologia. In: FIORIN, José Luiz. Introdução à
linguística II: princípios de análise. São Paulo: Contexto, 2003.
ROSA, Maria Carlota. Introdução à morfologia. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2005.
SILVA, M. Cecília P. de Souza e. & KOCH, Ingedore. V. Lingüística aplicada ao
português: morfologia. 6. ed. São Paulo: Cortez. 1991.
Complementar
ALVES, Ieda. Neologismo: criação lexical. Série Princípios. São Paulo: Ática,
1990.
BASÍLIO, Margarida. Formação e classes de palavras no português do Brasil.
São Paulo: Contexto, 2004.
______. Estruturas lexicais do português. Petrópolis: Vozes, 1980.
BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. rev. e ampl. Rio de
Janeiro: Lucerna, 1999.
CÂMARA JR, Joaquim Mattoso. Dicionário de linguística e gramática. Petrópolis:
Vozes, 1975.
COSTA, Sônia Bastos Barbosa. O aspecto em português. São Paulo: Contexto,
1990.
KHEDI, V. formação de palavras. Série Princípios. São Paulo: Ática, 1992.
______. Morfemas do português. Série Princípios. São Paulo: Ática, 1993.
SANDMANN, A. J. Morfologia geral. São Paulo: Contexto, 1991.
______. Morfologia lexical. São Paulo: Contexto, 1992.

Disciplina: LITERATURA PORTUGUESA MEDIEVAL


Código LT- Carga horária: 60h
Ementa Origens e periodizações da Literatura Portuguesa. A Literatura Portuguesa
medieval: a poesia trovadoresca e poética dos cancioneiros. O nascimento da
prosa literária: os cronicões e as novelas de cavalaria. A literatura do século XV:
O Cancioneiro Geral. A evolução da prosa quinhentista: a crônica palaciana e a
prosa doutrinária.
Bibliografia Básica
CARVALHO, João Soares et alii. História da Literatura Portuguesa: das origens
ao Cancioneiro Geral. Lisboa: Alfa, 2001. v. 1, 665 p.
CIDADE, Hernâni. Lições de Cultura e Literatura Portuguesas. 6. ed. Coimbra:
Coimbra, 1975. v. 1, 550 p.
LAPA, M. Rodrigues. Lições de Literatura Portuguesa: época medieval. 10. ed.
Coimbra: Coimbra, 1981. 499 p.
MOISÉS, Massaud. A Literatura Portuguesa. 24. ed. São Paulo: Cultrix, 1988.
387 p.
NUNES, José Joaquim. Iniciação à Literatura Portuguesa. São Paulo:
Companhia das Letras, 2001.
SPINA, Segismundo. Era Medieval. In: AMORA, Antônio Soares (dir.). Presença
da Literatura Portuguesa. 7. ed. São Paulo: DIFEL, s. d. 230 p.
Complementar
BUESCU, Maria Leonor. Literatura Portuguesa Medieval. Lisboa: Universidade
Aberta, 1990. 317 p.
COELHO, Jacinto do Prado (org.). Dicionário das Literaturas Portuguesa,
Brasileira e Galega. Porto: Figueirinhas, 1960.
CURTIUS, E. R. Literatura Européia e Idade Média Latina. Rio: INL, 1954.
DICIONÁRIO DE LÍNGUA E LITERATURA. Dirig. por Jacinto Prado Coelho. Rio
de Janeiro: Aguilar, 1973.
HOLANDA, Sílvio. A letra e a voz de Guilhade. In: FERREIRA, Jerusa Pires
(org.). Oralidade em tempo & espaço. São Paulo: EDUC/FAPESP, 1999.
SARAIVA, António José; LOPES, Óscar. História da Literatura Portuguesa. 15.
ed. Porto: Porto, 1989. 1263 p. [17. ed. corrigida e atualizada com 1216 p. em
2001].
SIMÕES, Maria do Perpétuo Socorro Galvão. As cantigas de Afonso Sanches.
Rio de Janeiro, 1978. 203 p. Dissertação de Mestrado em Literatura Portuguesa,
Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Disciplina: TEORIA DO TEXTO NARRATIVO


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa: A prosa: conceitos e generalidades. Narrativas: conto, novela e romance. Mito e
narrativa oral. Estudo crítico: estrutura da narrativa: narração, narrador,
personagem, etc.
Bibliografia Básica
BARTHES, Roland et all. Análise estrutural da narrativa. Rio de Janeiro: Vozes,
2011.
COELHO, Nelly Novaes. Literatura e linguagem. Rio de Janeiro: José Olímpio.
D’ONOFRIO, Salvatore. Teoria do texto – prolegômenos e teoria da narrativa.
São Paulo: Ática, 1995. 2 vol.
SILVA, Vítor Manuel de A. e. Teoria da Literatura. Coimbra: Almedina. (s/d).
Complementar
GANCHO, Cândida, Como analisar narrativas, Ática, São Paulo, 1991.
MOISÉS, Massaud. A criação literária: prosa. 12ª ed. São Paulo: Cultrix. 1993.
PAULINO, Graça & WALTY, Ivete. Teoria da Literatura na Escola. Belo Horizonte: Lê,
1994.
PROPP Vladimir, Morfologia do conto maravilhoso, Forense Universitária, Rio de
Janeiro, 1984.
SEVCENKO, Nicolau. A literatura como missão. São Paulo: Companhia das
letras, 2003.
Disciplina: PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM
Código: ED- Carga horária: 60h
Ementa: Psicologia do desenvolvimento e aprendizagem.Diversas abordagens de
desenvolvimento e aprendizagem. Aprendizagem significativa. Desenvolvimento
cognitivo. Implicações teóricas das concepções psicológicas nos estudos do
cotidianoescolar. Abordagens dedesenvolvimento e aprendizagem para pessoas
com necessidades especiais.
Bibliografia Básica
FLAVELL, I. H. Desenvolvimento cognitivo. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas
Sul. 1999.
PAPALIA, D. E. Desenvolvimento humano. 7. ed. Porto Alegre: Artes Médicas.
2000.
FREITAS, M. T. de A. Vygotsky e Bakhtin – Psicologias e educação: um
intertexto. São Paulo: Ática. 1995.
LURIA, A. R. Curso de Psicologia Geral Vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira. 1979.
Complementar
BAUM, W. M (1999). Compreender o behaviorismo: ciência, comportamento e
cultura. (M. T. A. Silva, M. A. Matos, G. Y. Tomanari, E. Z. Tourinho, Trads.)
Porto Alegre: Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1994)
CATANIA, A. C. (1999). Aprendizagem. (D. G. de Souza, Coord. Trad.) Porto
Alegre: Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1998)
DA CUNHA, R. N., & Isidro-Marinho, G. (2005). Operações estabelecedoras: um
conceito de motivação. Em J. Abreu-Rodrigues & M. R. Ribeiro (Orgs.), Análise
docomportamento: pesquisa, teoria e aplicação (pp. 27-44). Porto Alegre:
ARTMED.
MATOS, M. A. (1981). O controle de estímulos sobre o comportamento.
Psicologia, 7, 1-15.
MOREIRA, M. B., & Medeiros, C. A. (2007). Princípios básicos de análise
docomportamento. Porto Alegre: Artmed.

Disciplina: SINTAXE DA LÍNGUA PORTUGUESA I


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa As concepções tradicional, estrutural e gerativa do componente sintático.
Estrutura e análise sintagmática; identificação dos sintagmas de frases e seus
níveis de organização; as transformações sintáticas. Processos de combinação
de frases – coordenação e subordinação.
Bibliografia Básica
AZEREDO, J. C. Fundamentos da gramática do português. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 2000.
CARONE, Flávia de Barros. Subordinação e coordenação: confrontos e
contrastes. São Paulo: Ática, 2005.
MACAMBIRA, J. R.A estrutura morfo-sintática do português. 7. ed. São Paulo:
Pioneira. 1993.
SILVA, Maria Cecília P e KOCH, Ingedore V. Lingüística aplicada ao português:
sintaxe. São Paulo. Cortez. 1983.
Complementar
BECHARA, E. Lições do português pela análise sintática. Rio de janeiro: Ed.
Padrão, 1983.
______. Moderna gramática portuguesa. São Paulo: Ed. Cen, 1973.
CUNHA, CELSO & CINTRA, l. F. Nova gramática do português contemporâneo.
Rio de Janeiro: Ed. Nova fronteira, 1985.
GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna, Rio de Janeiro: Ed. Fgv, 1985.
LOBATO, L. M. P. Sintaxe gerativa do português. Belo horizonte: Ed. Vigília,
1986.
MELO, G. C. Iniciação à filologia e à lingüística portuguesa. Rio de Janeiro: Ao
Livro Técnico. 1981.
MIRA MATEUS, M.H. et alii. Gramática da língua portuguesa. Coimbra: Ed.
Almedina,1986.
PERINI, M. Sujeito: da sintaxe ao discurso. São Paulo: Ed. Ática, 1986.

Disciplina: LITERATURA PORTUGUESA CLÁSSICA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa O Renascimento português: origens e características. O Teatro de Gil Vicente.
Poesia épica e lírica de Camões: importância e influência. Principais
representantes do Maneirismo e do Barroco. O Neoclassicismo e suas
repercussões na poesia, na oratória e no teatro.
Bibliografia Básica
AMORA, Antônio Soares (dir.). Presença da Literatura Portuguesa. 3. ed. São
Paulo: DIFEL, 1974. 5 v.
CARVALHO, João Soares et alii. História da Literatura Portuguesa:
Renascimento e Maneirismo. Lisboa: Alfa, 2001. v. 2, 656 p.
CIDADE, Hernâni. Luís de Camões: o lírico. 3. ed. Lisboa: Presença, 1992.
______. Luís de Camões: o épico. Lisboa: Presença, 1985. 194 p.
FREIRE, Anselmo Braacamp. Vida e obras de Gil Vicente. 2. ed. Lisboa: Revista
Ocidente, 1944. 632 p.
SILVA, Vítor Manuel de Aguiar e. Maneirismo e Barroco na Poesia Lírica
Portuguesa. Coimbra: Centro de Estudos Românicos, 1971. 594 p.
SILVEIRA, Francisco Maciel; MONGELLI, Lênia; CUNHA, Maria Helena Ribeiro.
Classicismo, Barroco e Arcadismo. São Paulo: Atlas, 1993. v. 2, 283 p.
Complementar
AZEVEDO FILHO. Leodegário. Camões, o desconcerto do mundo e a estética da
utopia. Rio de Janeiro:Tempo brasileiro, 1995.
CAMPOS, Agostinho de (org.). Camões lírico — Canções. Lisboa: Bertrand, s. d.
CARVALHO, João Soares et alii. História da Literatura Portuguesa: Da Época
Barroca ao Pré-Romantismo. Lisboa: Alfa, 2002. v. 3, 552 p.
COELHO, Jacinto do Prado (org.). Dicionário das Literaturas Portuguesa,
Brasileira e Galega. Porto: Figueirinhas, 1960.
HOLANDA, Sílvio. O Maneirismo nas canções de Camões. In: Congresso
Internacionalde Estudos Camonianos, 1, Rio de Janeiro, 1997. Anais... Rio de
Janeiro: UERJ/SBLL, 1999. p. 449-472.
MOISÉS, Carlos Felipe. Bocage e o século XVIII. Colóquio/Letras. Lisboa, n. 50,
p. 35-42, jul. 1979.
SILVA, Vítor Manuel de A. e. Maneirismo e Barroco na poesia lírica portuguesa.
Coimbra: Centro de Estudos Românticos, 1971.

Disciplina: LITERATURA BRASILEIRA: PERÍODO COLONIAL


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Estudo da Literatura Brasileira desde suas origens até o Arcadismo. Origem,
conceituação e periodização da Literatura Brasileira. As primeiras manifestações
literárias: os textos de informação (Pero Vaz de Caminha) e a produção de José
de Anchieta. O Barroco no Brasil: a poesia de Gregório de Matos e a prosa de
P.eAntónio Vieira. As Academias Literárias. O Arcadismo no Brasil: o gênero
épico em Basílio da Gama e em Santa Rita Durão; o gênero lírico em Tomás
Antônio Gonzaga, Cláudio Manuel da Costa, Silva Alvarenga e outros; o gênero
satírico d’As cartaschilenas.
Bibliografia Básica
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1988.
CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia,
1976.
CASTELLO, José Aderaldo. Manifestações literárias da era colonial. 2. ed. rev.
São Paulo: Cultrix, 1965. 255 p.
COUTINHO, Afrânio (dir.). A Literatura no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: J.
Olympio; Niterói: UFF, 1986. 6 v.
MOISÉS, Massaud. História da Literatura Brasileira. 6. ed. São Paulo: Cultrix,
2004. 3 v.
SANT´ANNA, Affonso Romano. Barroco: do quadrado à elipse. Rio de Janeiro:
Rocco, 2000.
Complementar
ANDRADE, Mário de. Aspectos da Literatura Brasileira. São Paulo: Martins,
1967.
COUTINHO, Afrânio. A tradição afortunada – o espírito de nacionalidade na
crítica brasileira. Rio de Janeiro / São Paulo: EDUSP / José Olympio, 1968.
DIMAS, Antonio. Espaço e romance. São Paulo: Ática, 1985.
LUCAS, Fábio. O caráter social da ficção do Brasil. São Paulo: Ática, 1985.
RAMOS, Péricles Eugênio da Silva. Do Barroco ao Modernismo. 2.ed. Rio de
Janeiro: LTC, 1979.
ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. 6. ed. Rio de Janeiro: J.
Olympio, 1960.
VERÍSSIMO, José. História da literatura brasileira. 5. ed. Rio de Janeiro: J.
Olympio, 1969.

Disciplina: POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO NO BRASIL


Código: ED- Carga horária: 60h
Ementa O Estado e seu papel político na sociedade; diferentes abordagens do Estado
moderno – tendências e implicações para a educação. Contexto econômico,
político, social e cultural do Brasil contemporâneo e suas relações com a
educação. Política educacional na legislação para os níveis de escolaridade
fundamental, média e superior. Política educacional na legislação para a
educação inclusiva.
Bibliografia Básica
ALVES, Nilda et ali Múltiplas leituras da nova LDB. Rio de Janeiro: Dunya,
1998.BRASIL. Constituição da republica Federativa do Brasil. Art.206.
BRASIL, Constituição. República Federativa do Brasil. Brasília. Senado federal,
1988.
______.Lei nº 9424/96 de 24 de dez. de 1996. Fundo de manutenção e
desenvolvimento do ensino do ensino fundamental e de valorização do
magistério(FUNDEF).
BRZEZINSKI, Íria. LDB Interpretada; diversos olhares se entrecruzam. São
Paulo:Cortez, 1998.
Complementar
DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a
UNESCO dacomissão Internacional sobre Educação para o século XXI, 4 ed.
São Paulo. Cortez,Brasília, DF, MEC 2000.
DEMO, Pedro. Participação é conquista. São Paulo, Cortez, 1990.
DISTRITO FEDERAL. Lei Orgânica do Distrito Federal. 1983.
TOMMASI, Lívia et al O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo:
Cortez, 1995.
Disciplina: DIDÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Evolução da Didática numa perspectiva histórica, analisando concepções
teóricas e sua importância na formação do educador. Análise da prática docente
vivenciada no cotidiano escolar. Concepção de planejamento numa perspectiva
crítica da educação, nos aspectos teóricos e práticos. A pesquisa em Didática. A
didática para uma educação inclusiva.
Bibliografia Básica
BRASIL. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros curriculares
nacionais:terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos
parâmetros curriculares.Brasília: MEC/SEF, 1998.
CANDAU, V. A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1987.
______ .Rumo a Uma nova Didática. Petrópolis: Vozes, 1989.
LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 2000.
LUCKESI, C.C. Elementos para uma nova didática no contexto de uma
pedagogia para a transformação. São Paulo: Loiola, 1984.
MASETTO, Marcos Tarciso. Didática: a aula como centro. São Paulo: FTD, 1997.
Complementar
BORDENAVE, Juan Diaz (1986) Estratégias de Ensino Aprendizagem.
Petrópolis:Vozes.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica.
Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: MEC/SEMT, 1999.
PASSOS, Ilma. Repensando a Didática. Campinas: Papirus.1992.
______. Técnicas de Ensino., Por que não? Campinas: Papirus 1992.
VEIGA, Ilma Passos A. (coord.).Repensando a Didática. 16 ed. Campinas:
Papirus, 2000.
ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas,
1998.

Disciplina: SINTAXE DA LÍNGUA PORTUGUESA II


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Os mecanismos sintáticos e os registros de língua: regência, concordância e
colocação.
Bibliografia Básica
BACCEGA. M. Concordância verbal. São Paulo. Ática. 1989.
BEARZOTI FILHO, Paulo. Sintaxe de Colocação. 7. ed. São Paulo: Atual, 1990.
BRITO, C. M. C. O fenômeno da regência de língua portuguesa. Belém: Editora
da UFPA. (s/d).
______. Um estudo de regência na linguagem dos vestibulandos. Belém: Editora
da UFPA. 1995.
CARONE, Flávia de Barros. Morfossintaxe. São Paulo: Ática, 1986.
MONTEIRO, José Lemos. A Estilística. São Paulo: Ática, 1991.
Básica
ALMEIDA, N. T. Regência verbal e nominal. São Paulo: Atual. 1988.
BECHARA, Evanildo. Lições de português pela análise sintática. Rio de Janeiro:
Grifo, 1989.
CUNHA, Celso & CINTRA, Lindley. Nova gramática do português
contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
LUFT, Celso Pedro. Dicionário prático de regência verbal. São Paulo: Ática,
1987.
______. Dicionário prático de regência nominal. São Paulo: Ática, 1998.
LUKIANCHUKI, Cláudia. Concordância verbal e nominal. 12. ed. São Paulo:
Atual, 1997.
Disciplina: LITERATURA PORTUGUESA MODERNA
Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa A prosa e a poesia românticas em Portugal. Autores e obras mais importantes e
estudo das principais caracteríticas do período: Almeida Garrett, Alexandre
Herculano e Camilo Castelo Branco. O romance realista de Eça de Queirós. A
poesia realista de Antero de Quental e de Cesário Verde.
Bibliografia Básica
BRAGA, Teófilo Lisboa. História do Romantismo em Portugal. Bergstroem,
MAGNUS Albrecht Lisboa, 1880.
FERREIRA, Alberto Lisboa. A verdadeira luz do romantismo português, 1955.
______. Perspectiva do Romantismo Português, 1971.
MACEDO, Diogo Lisboa. Os românticos portugueses, Artia 1961.
RIBEIRO, Maria Aparecida. Realismo e naturalismo. In: REIS, Carlos (coord.).
História crítica da literatura portuguesa — VI. Lisboa: Verbo, 1994. 413 p.
SARAIVA, António José, LOPES, Óscar. História da Literatura Portuguesa. 17.
ed. corrigida e actualizada. Porto: Porto, 2001. 1216 p.
Complementar
COELHO, Jacinto do P. A poesia ultra-romântica. Lisboa: Clássica, 1944. 2 v.
D’ANGELO, Paolo. A Estética do Romantismo. Trad. Isabel Teresa Santos.
Lisboa: Estampa, 1997. 212 p.
FRANÇA, José A. O romantismo em Portugal. Lisboa: Livros Horizonte, 1993.
LIMA, Isabel Pires de (org.). Antero de Quental e o destino de uma geração.
Lisboa: Asa, 1994. 384 p.
MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa através dos textos.São Paulo: Cultrix:
1994.
RAMOS, Feliciano. História da literatura portuguesa. Braga: Livraria Cruz: 1963.
REIS, Carlos. Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea. Lisboa:
Universidade Aberta, 1990. 369 p.
SIMÕES, João Gaspar. História da Poesia Portuguesa. Lisboa: Empresa
Nacional de Publicidade, 1955-1959. 3 v

Disciplina: LITERATURA BRASILEIRA: 1º PERÍODO NACIONAL


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Estudo da Literatura Brasileira do primeiro período da Era Nacional
compreendida no século XIX. A poesia romântica em Gonçalves Dias, Álvares de
Azevedo e Castro Alves. Autores e obras mais importantes da prosa e estudo
das principais características do período: Joaquim Manuel de Macedo, Manuel
Antônio de Almeida e José de Alencar. O teatro romântico de Martins Pena. O
romance e o conto realistas de Machado de Assis. A estética naturalista de
Aluísio de Azevedo e de Inglês de Sousa. O Parnasianismo no Brasil: Raimundo
Correia e Olavo Bilac.
Bibliografia Básica
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix. 1977.
CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia.
1976.
CANDIDO, Antonio & CASTELO, J. Aderaldo. Presença da literatura brasileira.
São Paulo: Difel. 1985.
COUTINHO, Afrânio. Conceito da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira. (s/d)
Complementar
CADEMARTORI, Lígia. Períodos Literários. 5. ed. São Paulo: Ática, 1991.
CITELLI, Adilson. Romantismo. 3. ed. São Paulo: Ática, 1993.
COELHO, Jacinto do Prado. A letra e o leitor. 3. ed. Porto: Lello & Irmão, 1996.
DIMAS, Antonio. Espaço e romance. São Paulo: Ática, 1985.
GOMES, Álvaro Cardoso; VECHI, Carlos Alberto. A estética romântica: textos
doutrinários comentados. São Paulo: Atlas, 1992. 186 p.
GUINSBURG, J. (org.). O Romantismo. São Paulo: Perspectiva, 1978. 324 p.
HAUSER, Arnold. História Social da Arte e da Literatura. Tradução por Álvaro
Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1995. 1032 p.
LUCAS, Fábio. Do barroco ao modernismo. São Paulo: Ática.
______. O caráter social da ficção do Brasil. São Paulo: Ática, 1985.

Disciplina: LITERATURA PORTUGUESA CONTEMPORÂNEA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Simbolismo, origem e características. Poesia e prosa simbolistas: Camilo
Pessanha, Raul Brandão e outros. Modernismo, origem e características.
Correntes literárias modernistas. Fernando Pessoa e a renovação da poesia
portuguesa. O romance e o conto. Principais escritores da atualidade.
Bibliografia Básica
COELHO, Jacinto do Prado (1977) Diversidade e unidade em Fernando Pessoa.
São Paulo: Verbo/ EDUSP.
FRANÇA, José A. A arte em Portugal no século XX. Lisboa: Bertrand, 1974.
MOISÉS, Massaud. Presença da literatura portuguesa: modernismo. São Paulo:
Saraiva, 1968.
PEREIRA, J.C. Seabra. Decadentismo e simbolismo na poesia portuguesa.
Coimbra: 1975
SARAIVA, A. J.; LOPES, Oscar. História da literatura portuguesa. 15. ed. Porto.
Complementar
COELHO, Jacinto do Prado. Dicionário das literaturas portuguesa, galega e
brasileira. Lisboa: Porto, s/d.
FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. São Paulo: Duas Cidades.
GOMES, Álvaro Cardoso. A Estética Simbolista. São Paulo: Cultrix, 1980.
MOISÉS, Massaud.A literatura portuguesa através de textos. São Paulo:
Cultrix, 1994.
MONTEIRO, Adolfo Casais. A poesia da presença. Rio de Janeiro, 1958
SEABRA, José Augusto. Fernando Pessoa ou o poetodrama. São Paulo:
Perspectiva, 1991
WATT, Ian.Literatura e realidade. Lisboa: Dom Quixote, 1984.

Disciplina: LITERATURA BRASILEIRA: 2º PERÍODO NACIONAL


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Estudo da Literatura Brasileira do 2º. Período da Era Nacional compreendida
entre o último quartel do século XIX e a primeira metade do século XX. A poesia
simbolista em Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens. Autores e obras mais
importantes da prosa e estudo das principais características do período pré-
modernista: Euclides da Cunha, Lima Barreto, Monteiro Lobato e Augusto dos
Anjos. A estética modernista de 22: Manuel Bandeira, Mário e Oswald de
Andrade. A poesia da geração de 1930: Carlos Drummond de Andrade, Cecília
Meireles e Murilo Mendes. Os romancistas do Nordeste: Graciliano Ramos, José
Lins do Rêgo e Jorge Amado.
Bibliografia Básica
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994.
BRITO, Mário da Silva.História do modernismo brasileiro: antecedentes
daSemana de Arte Moderna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
COUTINHO, Afrânio (dir.). A Literatura no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: J.
Olympio; Niterói: UFF, 1986. 6 v.
CASTELLO, José A. A Literatura Brasileira. São Paulo: EDUSP, 1999, 2 v.
GOMES, Álvaro Cardoso. O Simbolismo. São Paulo: Ática, 1994. 72 p.
MOISÉS, Massaud. História da Literatura Brasileira. 6. ed. São Paulo: Cultrix,
2004. 3 v.
TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda européia e modernismo brasileiro:
apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas. 11. ed.
Petrópolis: vozes, 1992. 446 p.
Complementar
ANDRADE, Mário de. O movimento modernista. In: Aspectos da
literaturabrasileira. São Paulo: Martins, 1974.
CAMPOS, Haroldo. Oswald de Andrade: trechos escolhidos. 3. ed. Rio de
Janeiro: Agir, 1989. 123p.
CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos. Rio de
Janeiro: Ed. 34, 1992. 112 p.
COUTINHO, Afrânio. Conceito de Literatura Brasileira. Petrópolis: Vozes, 19
GOMES, Álvaro Cardoso. A estética simbolista: textos doutrinários comentados.
2. ed. São Paulo: Atlas, 1994. p. 11-29.
______. O Simbolismo. São Paulo: Ática, 1994. 72 p. [Série Princípios]
HELENA, Lúcia. Modernismo brasileiro e vanguarda. São Paulo: Ática, 1986.
LIMA, Luiz Costa. Lira e antilira. Mário, Drummond, Cabral. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1968.
LUCAS, Fábio. Do Barroco ao moderno. São Paulo: Ática, 1989. 198 p.
MERQUIOR, José Guilherme. De Anchieta a Euclides: breve história da
Literatura Brasileira. 3. ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996. 313 p.

Disciplina: SOCIOLINGUÍSTICA
Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa A Sociolinguística: conceito, objeto, pressupostos. Variedade linguística e
estrutura social.Política linguística para manutenção e transmissão das
línguas.Característica sociolinguística da comunidade de fala brasileira. O
português brasileiro:contatos linguísticos. Regras variáveis no português
brasileiro. Variação e ensino: a questão da norma padrão.
Bibliografia Básica:
BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós cheguemu na escola, e
agora?:Sociolingüística e educação.São Paulo: Parábola Editorial, 2005.
__________. Educação em língua materna: a Sociolingüística na sala de aula. 2
ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.
CALVET, Louis-Jean. Sociolingüística: uma introdução crítica. São Paulo:
Parábola, 2002.
CAMACHO, Roberto G. Sociolingüística. Parte 2, in Mussalin, F.; Bentes, A. C.
(orgs.).Introdução à lingüística: domínios e fronteiras, São Paulo, Cortez, 2001.
MOLLICA, Maria Cecília; BRAGA, Maria Luiza (orgs). Introdução à
Sociolingüística: o tratamento da variação. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2004.
PRETI, Dino. Sociolingüística: os níveis da fala. São Paulo: EDUSP, 2001
Complementar
ALKMIN, Tânia: Sociolingüística. Parte 1, in Mussalin, F. & Bentes, A. C. (orgs.),
Introdução à lingüística: domínios e fronteiras, São Paulo, Cortez, 2001.
BAGNO, Marcos; GAGNÉ, Gilles; STUBBS, Michael. Língua materna:
letramento, variação e ensino. São Paulo: Parábola, 2002.
BAGNO, Marcos. A Língua de Eulália. São Paulo: Contexto, 2000.
______. Português ou Brasileiro: um convite à pesquisa. São Paulo: Parábola,
1999.
______. A norma oculta. São Paulo: Parábola, 2003.
BRANDÃO, S. F. A geografia lingüística no Brasil. São Paulo: Ática. 1991.
BRITO, Luiz Percival L. A Sombra do caos. Campinas: Mercado de Letras, 1997.
CARDOSO, Suzana Alice.Diversidade lingüística e ensino. Salvador: Editora da
UFBA, 1996.
CUNHA, Celso.Língua portuguesa e realidade brasileira. Rio de Janeiro:
TempoBrasileiro, 1970.
ELIA, Sílvio.O português do Brasil. Rio de Janeiro: Grifo, 1975.
MATTOS E SILVA, Rosa Virginia.Contradições no ensino de português.
SãoPaulo: Contexto, 1995.
MELO, G. C. A língua do Brasil. Rio de Janeiro: Padrão. 1986.
PINTO, E. P. A língua escrita no Brasil. São Paulo: Ática. 1986.
POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas:
Mercado de Letras, 1996.

Disciplina: LITERATURA E CULTURA AFRICANAS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA


Código: Carga horária: 60h
Ementa Breve panorama histórico‐social dos países africanos de língua portuguesa: a
literatura e a política. As expressões da terra: a Poesia e a Prosa e análise
comparativa de textos. A Literatura Africana como um processo particular e
universal de comunicação e significação. Leitura dos diferentes traços
socioculturais e de referência nacional por meio do estudo de significativas obras
críticas e literárias relativas a Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe,
Angola e Moçambique.
Bibliografia Básica
COUTO, Mia. Vozes anoitecidas. 7. ed. Lisboa: Caminho, 2003.
ERVEDOSA, Carlos. Roteiro de literatura angolana. Lisboa: 70, 1979.
FERREIRA, Manuel. Literaturas africanas de língua portuguesa. Lisboa:
Fundação CalousteGulbenkian, 1987.
MARGARIDO, Alfredo. Estudo sobre literaturas das nações africanas de língua
portuguesa. Lisboa: A Regra do Jogo, 1980.
PORTUGAL, Francisco Salina. Entre Próspero e Caliban. Literaturas Africanas
de Língua Portuguesa. Portugal: Laiovento, 1999.
Complementar
CAMPOS, Maria do Carmo Sepúlveda; SALGADO, Maria Teresa (orgs.). África &
Brasil: letras em laços. Rio de Janeiro:Atlântica, 2006.
HAMILTON, Hussele. Literatura africana, literatura necessária. Lisboa: 70. 1981.
JAHN, J. Lãs literaturas neoafricanas. Trad. de Daniel Romero, Madrid:
Guadarrama, 1971.
SANTILLI, Maria Aparecida. Africanidade. São Paulo: Ática, 1985.
SECCO, Carmen Lucia Tindo Ribeiro. A magia das letras africanas. Rio de
Janeiro: ABE GRAPH, 2009.

Disciplina: LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)


Código: ED- Carga horária: 60h
Ementa Compreensão do sujeito surdo: conceitos, cultura e a relação histórica da surdez
com a língua de sinais. Aspectos sobre a educação de surdos. Noções
linguísticas de Libras: parâmetros, classificadores e intensificadores no discurso;
expressão corporal e facial; a gramática da língua de sinais. Noções básicas da
língua de sinais brasileira (ênfase na prática): alfabeto manual; sinais de nomes
próprios; soletração de nomes; localização de nomes; percepção visual;
profissões; funções e cargos; ambiente de trabalho; meios de comunicação;
família; vestuário; alimentação; objetos; valores monetários; compras; vendas;
medidas, meios de transporte, estados do Brasil e suas culturas; diálogos.
Bibliografia Básica
ALMEIDA, Elizabeth G. C. de. Leitura e surdez: um estudo com adultos não
oralizados. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.
BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Saberes e práticas da inclusão.
Brasília, DF: MEC; SEEP, 2005.
CAPOVILLA, Fernando César; RAPHAEL, Walkiria Duarte. Dicionário
enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira.2 ed. São Paulo:
EDUSP, 2001.
Complementar
FERNANDES, Eulália. Problemas lingüísticos e cognitivos do surdo. Rio de
Janeiro: Agir, 1990.
______. Surdez e bilingüismo. Porto Alegre: Mediação, 2004.
GOES, M. C. Rafael de. Linguagem, surdez e educação. Campinas: Autores
Associados, 1996.
GOLDFELD, Márcia. A criança surda: linguagem cognição, numa perspectiva
sócio-interacionista. São Paulo: Plexus, 1997.
QUADROS, R. M. de. Secretaria de Educação Especial. O tradutor e intérprete
de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Brasília, DF: MEC; 2004.
QUADROS, R. M. de; KARNOPP, L. B (col.). Língua de sinais brasileira: estudos
lingüísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Disciplina: SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Conceitos básicos em semântica e pragmática: sentido e referência, expressões
referenciais e predicados, dêixis, relações de sentido e relações lógicas. A teoria
da enunciação, a teoria dos atos de fala e implicaturas conversacionais. O signo
e o enunciado ideológico. Propõe a elaboração de atividades voltadas para a sua
utilização didática em sala de aula.
Bibliografia Básica
AUSTIN. Quando dizer é fazer. Porto alegre, Artes Médicas, 1990.
BENVENISTE, E.Problemas de linguística geral. Campinas: SP,
Pontes/UNICAMP, 1995.
DUCROT, O. Esboço de uma teoria polifônica da enunciação. In DucrotO dizer e
o dito. Ed. Pontes, Campinas, São Paulo, 1987.
ILARI, R. & GERALDI, W. Semântica. São Paulo: Ática, 1985.
OLIVEIRA, R. P. de. Semântica. In F. MUSSALIN & A. C. BENTES (orgs).
Introdução à linguística: domínios e fronteiras. v. 2, São Paulo: Cortez, 2001.
PIETROFORTE & LOPES. Semântica Lexical. In FIORIN (org). Introdução à
Linguística II: princípios de análise. 3. Ed., São Paulo, Contexto, 2004.
PINTO, J. P. Pragmática. In F. MUSSALIM & A.C. BENTES (orgs). Introdução à
Linguística: domínios e fronteiras. v. 2, São Paulo: Cortez, 2001.
Complementar
BEZERRA, P. Polifonia. In Brait (org). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo,
Contexto, 2005.
BRAIT & MELO. Enunciado/ enunciado concreto/ enunciação. In Brait (org).
Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo, Contexto, 2005.
BREAL, M. Ensaio de semântica: ciência das significações. São Paulo: EDUC,
1992.
CHIERCHIA, G. Semântica. Campinas: Editora da Unicamp. 2003.
CUNHA, J. C. C. Pragmática linguística e didática das línguas. Belém: UFPA,
1991.
FIORIN. Pragmática. In FIORIN (org). Introdução à linguística I – objetos
teóricos. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2004.
KOCH, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo, Contexto, 2003.
MARQUES, M. H. D. Iniciação à semântica. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.
POSSENTI, S. O que significa O sentido depende da enunciação?. In Brait (org).
Estudos enunciativos no Brasil: histórias e perspectivas. Campinas SP, Pontes:
Fapesp, 2001.
RECTOR, Mônica & YUNES, Eliana. Manual de Semântica. Rio de Janeiro: Ao
Livro Técnico S/A, 1980.

Disciplina: LITERATURA BRASILEIRA: TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa A poética de João Cabral de Melo Neto e a prosa regionalista e mítica:
Guimarães Rosa e Clarice Lispector.As tendências contemporâneas: O
Concretismo (1956) e o Tropicalismo (1968). A produção literária na Amazônia:
Bruno de Menezes, Max Martins, Dalcídio Jurandir e Milton Hatoum.
Bibliografia Básica
AZEVEDO FILHO, Leodegário de et alii. Poetas do modernismo. Coleção de
literatura brasileira Volume 6: Estudos sobre a geração de 45, concretismo,
práxis, poema-processo). Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1972.
CAMPEDELLI, Samira Youssef. Poesia marginal dos anos 70. São Paulo:
Scipione, 1995. 71 p.
CAMPOS, Augusto de e Haroldo de; PIGNATARI, Décio. Teoria da poesia
concreta. São Paulo: Duas Cidades, 1975.
CAMPOS, A. de. Balanço da Bossa. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1968. 195 p.
LIMA, Luiz Costa. O romance de Milton Hatoum. In: Intervenções. São Paulo:
Edusp, 2002. p. 305-316.
NUNES, Benedito. Crônica de Belém: “Belém do Pará”. O Estado de São Paulo.
Suplemento Literário, v. 5, n. 121, p. 1, 25 mar. 1961.
Complementar
ÁVILA, Affonso (org.). O Modernismo. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.
BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1988.
CANDIDO, Antonio. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1970. 188 p.
______. Literatura e subdesenvolvimento. In: MORENO, César Fernández
(coord.). América Latina em sua literatura. Trad. Luiz João Gaio. São Paulo:
Perspectiva, 1979. 506 p.
LIMA, Alceu Amoroso. Introdução à Literatura Brasileira. 5. ed.São Paulo: Agir,
1995. 217 p.
PEREZ, Renard. Escritores brasileiros contemporâneos. 2ed. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1971. 2 v.
SÁBATO, Ernesto. Três aproximações à literatura de nosso tempo. São
Paulo:Ática, 1994.

Disciplina: LINGUÍSTICA APLICADA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Linguística teórica e Linguística aplicada.Contribuições da Linguística Aplicada
por meio do estudo de temas centrados na sala de aula, considerando a
interligação entre as práticas efetuadas e os diversos posicionamentos teóricos
existentes em torno de cada tema.Teorias de Linguística Aplicada que subsidiam
o processo de ensino e aprendizagem de língua materna, na formaçãodos
profissionais de Letras.Visão contemporânea da Linguística Aplicada.
Linguística Aplicada à elaboração de material didático. Questões epistemológicas
da ciência, pesquisa em educação e em linguística aplicada, coleta, registro e
análise de dados, escrita acadêmica e disseminação de resultados de pesquisa.
Bibliografia Básica:
ANDRÈ, M. Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus, 1995.
GERALDI, J. W. Linguagem e ensino. Exercícios de militância e divulgação.
Campinas: Mercado de Letras, 1996.
KLEIMAN, A. B. O estatuto disciplinar da lingüística aplicada: o traçado de um
percurso. Um rumo para o debate. In: Signorini, I. & Cavalcanti, M. C. (orgs.).
Lingüística aplicada e transdisciplinaridade. Campinas, SP: Mercado de Letras,
1998.
MARCUSCHI, L. A. Compreensão de texto: algumas reflexões. In: DIONÍSIO, A.
P.; BEZERRA, M. A (orgs.). O livrodidático de português: múltiplos olhares. Rio
de Janeiro: Lucema, 2001. p. 46‐59.
MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São
Paulo: Parábola, 2006.
POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: ALB :
Mercado de Letras, 1996.
ROJO, R. (org.) Alfabetização e Letramento: perspectivas lingüísticas.
Campinas/SP: Mercado de Letras, 1998.
SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte:
Autêntica, 2001.
Complementar
ALMEIDA FILHO, J.C.P. de. Lingüística Aplicada, ensino de línguas &
comunicação. Campinas, SP: Pontes, 2005.
BRASIL. S. E. F. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa. Brasília:
Secretaria de Educação Fundamental, 1997.
GERALDI, J. W. (org.) O texto na sala de aula. São Paulo: Ática. 1997.
KLEIMAN, A Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes,
1989.
______. (org.) Os significados do letramento. Campinas/SP: Mercado de Letras,
1995.
MOITA LOPES. L. P. Contextos Institucionais em Lingüística Aplicada:novos
rumos. Intercâmbio, Vol. 5, 1996: 3 – 14.
NEVES, M. H. M. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na língua
portuguesa. São Paulo: Contexto, 2003.
SIGNORINI, I. (Org). Lingua(gem) e identidade. Campinas: Mercado de Letras,
1998.
TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de
gramática no Io e 2o graus. São Paulo: Cortez, 1996.

Disciplina: TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)


Código: Carga horária: 60h
Ementa A disciplina tem caráter eminentemente prático e consiste na elaboração de
umamonografia que vise à conclusão de uma pesquisa sobre um dado tema nas
diferentes áreas de investigação da língua portuguesa e suas respectivas
literaturas.
Bibliografia Básica
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 14724: Informação
edocumentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro: ABNT,
2003.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 6023: Informaçãoe
documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro: ABNT, 2003.
______ NBR 10522: Abreviação na descrição bibliográfica. Rio de Janeiro:
ABNT,2002.
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Manual para apresentação de
monografias, dissertações e teses. Ed.Universa, 2003.
Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 6024: Numeração
progressiva das seções de um documento. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.
______ NBR 10520: Informação e documentação, apresentação de citações em
documento. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.
______ NBR 6027: Sumários. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.
______ NBR 6028: Resumos: Rio de Janeiro: ABNT, 1990.
______ NBR 6034: Preparação de índice de publicação. Rio de Janeiro: ABNT,
2002.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica. 5
ed. rev. e ampliada. São Paulo: Atlas, 2007.
SEVERINO, Joaquim Antonio. Metodologia do trabalho científico. São Paulo:
Cortez, 1993.

Disciplina: OFICINA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS ACADÊMICOS I


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Instrumentalização sobre os gêneros textuais da esfera acadêmica: tipos e
funcionalidades, estruturas composicionais, formas de inserção de vozes (citação
e referenciação de autoria). Leitura e análise de gêneros acadêmicos escritos
prototípicos (resumo, resenha, artigo científico etc.). Observação e análise de
gêneros acadêmicos orais prototípicos (seminário, conferência, palestra etc.).
Bibliografia Básica
GONÇALVES, Hortência Abreu. Manual de Resumos e Comunicações
científicas. São Paulo: Avercamp, 2004.
MACHADO, A. R.; LOUSADA, E.; ABREU-TARDELLI, L. S. Resumo. São Paulo:
Parábola editorial, 2004.
________. Resenha. São Paulo: Parábola editorial, 2004.
________. Planejar gêneros acadêmicos. São Paulo: Parábola editorial, 2004.
MEDEIROS, J. B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos,
resenhas. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
XAVIER, Antonio Carlos. Como fazer e apresentar trabalhos científicos em
eventos acadêmicos. Recife: Rêspel, 2010.
Complementar
ABRANTES, J. Fazer monografia é moleza: o passo a passo de um trabalho
científico. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2007.
GONÇALVES, H. A. Manual de artigos científicos. São Paulo: Avercamp, 2004.
LAKATOS, E. M. e MARCONI M. A. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo:
Atlas. 1992.
MACHADO, A. R.; LOUSADA, E.; ABREU-TARDELLI, L. S. Planejar gêneros
acadêmicos. São Paulo: Parábola editorial, 2004.
PRESTES, Maria Luci de Mesquita. A pesquisa e a construção do conhecimento
científico. São Paulo: Rêspel Editora, 2008.

Disciplina: OFICINA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS ACADÊMICOS II


Código: Carga horária: 60h
Ementa Produção de gêneros acadêmicos escritos: resumo, resenha e fichamento.
Produção de gênero acadêmico oral: seminário. Análise de gêneros acadêmicos
produzidos nas escolas.
Bibliografia Básica
GONÇALVES, Hortência Abreu. Manual de Resumos e Comunicações
Científicas. São Paulo: Avercamp, 2004.
MACHADO, A. R.; LOUSADA, E.; ABREU-TARDELLI, L. S. Resumo. São Paulo:
Parábola editorial, 2004.
________. Resenha. São Paulo: Parábola editorial, 2004.
MEDEIROS, J. B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos,
resenhas. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
XAVIER, Antonio Carlos. Como fazer e apresentar trabalhos científicos em
eventos acadêmicos. Recife: Rêspel, 2010.
Complementar
CHAVES, Maria Helena R. O gênero seminário escolar como objeto de ensino:
instrumentos didáticos nas formas do trabalho docente. Dissertação de Mestrado
em Letras. Belém: UFPA, 2008.
LAKATOS, E. M. e MARCONI M. A. Metodologia do Trabalho Científico. São
Paulo: Atlas. 1992.
BEZERRA, Benedito Gomes. A distribuição das informações em resenhas
acadêmicas. 2001. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade
Federal do Ceará, Fortaleza.
MOTTA-ROTH, Désirée. (Org.) Princípios básicos: redação acadêmica.
Laboratório de Leitura e Redação, Universidade Federal de Santa Maria, 2003.
MACHADO, Anna Rachel. Revisitando o conceito de resumos. In: DIONISIO,
ÂngelaPaiva et al. (Org.) Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna,
2002, p. 138-150.

Disciplina: OFICINA DE COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS


Código: Carga horária: 60h
Ementa Particularidades do texto oral segundo a Análise da Conversação: marcadores
discursivos, tópico, turno. Os gêneros do oral. Práticas de escuta do texto oral,
escolares e não escolares. Práticas de observação, análise e produção de textos
orais. Atividades de retextualização oral/escrita-escrita/oral.
Bibliografia Básica
FÁVERO, Leonor Lopes; ANDRADE, Maria Lúcia; AQUINO, Zilda. Oralidade e
escrita: perspectivas para o ensino de língua materna. São Paulo: Cortez, 1999.
KOCH, Ingedore Villaça. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo:
Contexto, 1997.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização.
São Paulo: Cortez, 2000.
PRETI, Dino (Org.). Análise de Textos Orais. São Paulo: FFLCH/USP, 1993.
(PROJETOS PARALELOS: V. 1)
SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola.
Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.
SIGNORINI, Inês (Org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do
letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.
Gramáticas do português falado
Complementar
CASTILHO, Ataliba T. de. A língua falada no ensino de português. São Paulo:
Contexto, 1998.
CHAVES, Maria Helena R. O gênero seminário escolar como objeto de ensino:
instrumentos didáticos nas formas do trabalho docente. Ed. UFPA, 2008.
KOCH, I. V. Gramática do português falado: desenvolvimentos. V. 6, Campinas,
São Paulo, Ed. da UNICAMP/FAPESP, 1996.
KOCH, Ingedore Villaça; BARROS, Kazue Saito Monteiro de (Orgs). Tópicos em
Lingüística de texto e Análise da conversação. Natal: EDUFRN, 1997.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da Conversação. 3. ed., São Paulo: Ática,
1997.
_____. “A repetição na língua falada como estratégia de formulação textual”. In
Koch. Gramática do português falado: desenvolvimentos. V. 6, Campinas, São
Paulo, Ed. da UNICAMP/FAPESP, 1996.
_____. Oralidade e ensino de língua: uma questão pouco falada. In DIONISIO,
Ângela P. & BEZERRA, M. Auxiliadora. O livro didático de português: múltiplos
olhares. 3. ed. Rio de Janeiro; Lucerna, 2005.
ROJO, Roxane. Letramento escolar, oralidade e escrita em sala de aula:
diferentes modalidades ou gêneros do discurso? In: SIGNORINI, Inês (Org.)
Investigando a relação oral / escrito e as teorias do letramento. Campinas, SP:
Mercado de Letras, 2001.
SIGNORINI, Inês (Org.) Investigando a relação oral / escrito e as teorias do
letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.

Disciplina: OFICINA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA E


SUAS LITERATURAS I
Código: LT- Carga horária: 75h
Ementa O ensino-aprendizagem de língua portuguesa e suas literaturas no contexto do
Ensino Fundamental (1º ao 5º ano): princípios filosóficos e orientações
metodológicas do Novo Ensino Fundamental de Nove Anos; perspectivas
teórico-metodológicas e orientações curriculares (PCN); conceitos de
alfabetização e letramento e implicações para o ensino-aprendizagem de língua
materna do 1º ao 5º ano. A produção de textos escritos por alunos em fase de
aquisição da escrita: relações fala/escrita; análise de textos escolares.
Bibliografia Básica
ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro & interação. São Paulo:
Parábola Editorial, 2003.
CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização & Linguística. 10 ed. São Paulo: Scipione,
2005.
CHIAPPINI, L. (Org.) Aprender e ensinar com textos de alunos. Vol. 1, São
Paulo, Cortez, 2000.
GERALDI, João W. (Org.) O texto na sala de aula. 4. ed. São Paulo: Ática, 2006.
KLEIMAN, Ângela & MORAES, Silvia. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo
redes nos projetos da escola. Mercado de Letras, 1999.
ROJO, Roxane. (Org.). A prática de linguagem em sala de aula. Praticando os
PCN. São Paulo: EDUC, 2001.
SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2006.
_____. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
Complementar
DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria
Auxiliadora (orgs.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.
CARDOSO, Sílvia Helena Barbi. Linguagem, língua, fala e discurso; O conceito
de linguagem e a nova prática pedagógica. In: CARDOSO, Sílvia Helena Barbi.
Discurso e ensino. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. pp. 15-48.
GERALDI, João Wanderley. Prática da leitura na escola. In: GERALDI, J. W.
(Org.) O texto na sala de aula. 4. ed. São Paulo: Ática, 2006. pp. 88-103.
SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola.
Trad. e Org. de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de
Letras, 2004.
RUIZ, E. Como se corrige redação na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras,
2001.
BAGNO, Marcos (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2004.

Disciplina: OFICINA DE DIDATIZAÇÃO DE GÊNEROS TEXTUAIS


Código: LT- Carga horária: 75h
Ementa Os gêneros textuais do discurso como práticas sociais. Conceitos e
procedimentos metodológicos básicos: transposição didática, modelização
didática e sequência didática. Os gêneros como objetos de ensino. Elaboração
de modelos didáticos de gêneros e de sequências didáticas para o ensino de
gêneros textuais/do discurso.
Bibliografia Básica
BRANDÃO, Helena M. Gêneros do discurso na escola. São Paulo: Cortez, 2000.
DIONISIO, Ângela Paiva; MACHADO, Ana Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora
(orgs.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.
KARWOSKI; GAYDECZKA; BRITO (Org.). Gêneros textuais: reflexões e ensino.
São Paulo: Parábola Editorial, 2011.
SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. et al (org). Gêneros orais e escritos na escola.
Mercado de Letras, São Paulo, 2001/2004.
Complementar
ALVES FILHO, Francisco. Gêneros jornalísticos: notícias e cartas de leitor no
ensino fundamental. São Paulo: Cortez, 2011. (Coleção Trabalhando com... na
escola).
BARBOSA et al. Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. São
Paulo: Contexto, 2009.
BEZERRA, M. A.. Por que cartas do leitor na sala de aula? In: DIONISIO, Ângela
Paiva; MACHADO, Ana Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (Org.). Gêneros
textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.
DIONÍSIO & BESERRA (ORGs). Tecendo textos, construindo experiências. Rio
de Janeiro: Lucerna, 2003.
QUADROS, Nádson Costa.Gênero textual HQs: sua influência no
desenvolvimento cognitivo do aluno do ensino fundamental. Trabalho de
Conclusão de Curso. UFPA/Bragança, 2011.
SOUZA, Camilla da S.; CHAVES, Maria H. R. & GELPEA (Org.). Linguagens,
saberes e interculturalidade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011.

Disciplina: OFICINA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA E


SUAS LITERATURAS II
Código: LT- Carga horária: 75h
Ementa O ensinoaprendizagem de língua portuguesa e suas literaturas no contexto do
Ensino Fundamental (6º ao 9º ano): perspectivas teórico-metodológicas e
orientações curriculares (PCN). As unidades básicas do ensino: leitura,
oralidade, produção textual e análise linguística. Reflexão sobre o ensino de
gramática. As abordagens da literatura no ensino fundamental. O livro didático e
sua funcionalidade. Elaboração de planos de aula para o ensino fundamental.
Bibliografia Básica
ANTUNES, Irandé. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem
pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.
DIONISIO, Ângela P. & BEZERRA, M. Auxiliadora. O livro didático de português:
múltiplos olhares. 3. ed. Rio de Janeiro; Lucerna, 2005.
FÁVERO, Leonor L.; ANDRADE, Maria Lúcia C. V. O.; AQUINO, Zilda G. O.
Oralidade e escrita: perspectivas para o ensino de língua materna. 5. ed. São
Paulo: Cortez, 2005.
GAGNÉ, Gilles; STUBBS, Michael. Língua materna: letramento, variação e
ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.
ROJO, Roxane. (Org.). A prática de linguagem em sala de aula. Praticando os
PCN. São Paulo: EDUC, 2001.
Complementar
BAGNO, Marcos. Português ou brasileiro?:um convite à pesquisa. 4. ed. São
Paulo: Parábola Editorial, 2004.
CARDOSO, Sílvia Helena Barbi. Discurso e ensino. 2. ed. Belo Horizonte:
Autêntica, 2002.
CHIAPINI, Lígia (Coord. Geral). Aprender e ensinar com textos. São Paulo:
Cortez, 1997, 1998 e 2000.
GERALDI, J. W. (Org.) O texto na sala de aula. 4. ed. São Paulo: Ática, 2006.
KLEIMAN, Ângela & MORAES, Silvia. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo
redes nos projetos da escola. Mercado de Letras, 1999.
MATENCIO, Maria de Lourdes Meireles. Estudo da língua falada e aula de língua
materna. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.

Disciplina: SEMINÁRIO DE ORIENTAÇÃO PARA TCC


Código: LT- Carga horária: 30h
Ementa Orientação para elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso.
Bibliografia Básica
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 6023: Informação e
documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro: ABNT, 2003.
______ NBR 10522: Abreviação na descrição bibliográfica. Rio de Janeiro:
ABNT,2002.
LIMA, L. C. Teoria da literatura em suas fontes. Vol1 e 2. Rio de Janeiro:
Francisco Alves. 1983.
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Manual para apresentação de
monografias, dissertações e teses. Ed.Universa, 2003.
Complementar
FRANÇA, J. L. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 7ª
ed. Belo Horizonte: UFMG, 2004.
LAKATOS, E. M. e MARCONI, M. A. Metodologia Científica. 2ª ed. São Paulo:
Atlas, 1995.
MACHADO, A. R. (coord.) Resenha. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
______. Resumo. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
______. Planejar gêneros acadêmicos. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
SANTOS, Antonio R. dos. Metodologia científica: a construção do conhecimento. Rio
de Janeiro: Lamparina, 2007.

Disciplina: OFICINA DE AVALIAÇÃO DO ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA


MATERNA
Código: LT- Carga horária: 75h
Ementa A avaliação da aprendizagem (finalidades, instrumentos e critérios). Abordagens
da avaliação no ensino de língua materna. A avaliação da produção de textos.
Análise de instrumentos de avaliação em uso nas escolas de ensino fundamental
e médio.
Bibliografia Básica
ANTUNES, Celso. A avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Vozes.
2002.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental.
Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclo do ensino
fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.
CONDEMARÍN, Mabel; MEDINA, Alejandra. Avaliação Autêntica: um meio para
melhorar as competências em linguagem e comunicação. Tradução: Fátima
Murad. Porto Alegre: Artmed, 2007.
CUNHA, M. C. Avaliação formativa: estratégia didática para o ensino-
aprendizagem da língua materna. Revista MOARA, nº 9. Belém: UFPA. 1998.
EVANGELISTA, A. A. M et al. Professor-leitor/aluno-autor. Reflexões sobre
avaliação do texto escolar. Belo Horizonte: CEALE, 1998.
LUCHESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 8.
ed. São Paulo: Cortez. 1998.
Complementar
ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro & interação. São Paulo:
Parábola Editorial, 2003.
BEZERRA, Maria Auxiliadora. Ensino de língua portuguesa e contextos teórico-
metodológicos. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel;
BEZERRA, Maria Auxiliadora (orgs.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro:
Lucerna, 2002. pp. 37-46.
CARDOSO, Sílvia Helena Barbi. Linguagem, língua, fala e discurso; O conceito
de linguagem e a nova prática pedagógica. In: CARDOSO, Sílvia Helena Barbi.
Discurso e ensino. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. pp. 15-48.
CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização & Linguística. 10. ed. São Paulo: Scipione,
2005.
CHIAPPINI, L. (Org.) Aprender e ensinar com textos de alunos. Vol. 1, São
Paulo, Cortez, 2000.
GERALDI, João Wanderley. Prática da leitura na escola. In: GERALDI, J. W.
(Org.) O texto na sala de aula. 4. ed. São Paulo: Ática, 2006. pp. 88-103.
______. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
DOLZ, Joaquim & SCHNEUWLY, Bernard. O oral como texto: como construir um
objeto de ensino. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais
e escritos na escola. Trad. e Org. de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro.
Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 149-185.
KLEIMAN, Ângela & MORAES, Silvia. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo
redes nos projetos da escola. Mercado de Letras, 1999.
KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria e prática. 4. ed. Campinas, SP:
Pontes, 1996.
ROJO, Roxane. (Org.). A prática de linguagem em sala de aula. Praticando os
PCN. São Paulo: EDUC, 2001.
SIMÕES, Darcília. Considerações sobre a fala e a escrita: fonologia em nova
chave. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2006.
_____. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
_____. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO,
Marcos (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2004. p. 155-177.
RUIZ, E. Como se corrige redação na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras,
2001.

Disciplina: ESTÁGIO SUPERVISIONADO I – LÍNGUA PORTUGUESA E SUAS


LITERATURAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA
Código: LT- Carga horária: 105h
Ementa A instituição legal e as orientações curriculares do Estágio Supervisionado. As
concepções de estágio. A vida e o trabalho do professor na sociedade: as
representações sociais da profissão. Execução supervisionada de observação
participante em turma de Educação Básica de escola pública ou particular.
Elaboração de Plano de Estágio e de Relatório de Estágio.
Bibliografia Básica
BIANCHI, A. C. de M.; ALVARENGA, M.; BIANCHI, R. Manual de orientação:
estágio supervisionado. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.
PICONEZ, S. C. B. A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas,
SP: Papirus, 1991/2006.
PIMENTA,Selma Garrido. O Estágio na Formação de Professores: unidade teoria
e prática?. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 2006.
PIMENTA, S. G. & LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2008.
Complementar
BARREIROS, Iraídes Marques de Freitas. Prática de Ensino e estágio
supervisionada na formação de professores. São Paulo: Avercamp, 2006.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares
Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais/Secretaria de
Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.
NISLIER, Arnaldo. Educação, Estágio e trabalho. São Paulo: Integrare editora,
2006.
SOUZA, C. S. & CHAVES, M. H. R. & GELPEA (Org.) Linguagens, saberes e
interculturalidade. São Carlos: Pedro e João Editores, 2011.
TARDIF & LESSARD. O ofício de professor: história, perspectivas e desafios
internacionais. Rio de Janeiro: Editora VozesLtda, 2008.

Disciplina: ESTÁGIO SUPERVISIONADO II – LÍNGUA PORTUGUESA E SUAS


LITERATURAS NO ENSINO FUNDAMENTAL (6º ao 9º ano)
Código: LT- Carga horária: 105h
Ementa Elaboração de Plano de Estágio. Observação participante de turma de Ensino
Fundamental de escola pública ou particular. Planejamento orientado e
colaborativo de projeto de ensino de LínguaMaterna atualizados com as teorias
da linguagem,para a turma em questão. Regência compartilhada e
supervisionada. Produção textual acadêmica resultante da experiência
docente (Relatório de Estágio, Relato de Experiência, Artigo Acadêmico etc).
Bibliografia Básica
BRANDÃO, Helena M. Gêneros do discurso na escola. São Paulo: Cortez, 2000.
GOMES-SANTOS, Sandoval Nonato. A exposição oral nos anos iniciais do
ensino fundamental. São Paulo: Cortez, 2012 (Coleção Trabalhando com... na
escola).
PAIVA. Ângelo, BEZERRA, Anna Raquel. BEZERRA, Maria Auxiliadora (Org.).
Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.
Complementar
ALTENFELDER, Anna Helena. Poetas da escola. São Paulo: Peirópolis, 2004 –
Iniciativa Fundação Itaú Social.
ALTENFELDER, Anna Helena; CLARA, Regina Andrade. Se bem me lembro...
São Paulo: Peirópolis, 2004 – Iniciativa Fundação Itaú Social.
ALVES FILHO, Francisco. Gêneros jornalísticos: notícias e cartas de leitor no
ensino fundamental. São Paulo: Cortez, 2011. - (Coleção Trabalhando com... na
escola)
BARBOSA et al. Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. São
Paulo: Contexto, 2009.
DIONISIO, Ângela Paiva; MACHADO, Ana Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora
(orgs.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.
GAGLIARD, Eliana e AMARAL, Heloísa. Pontos de vista. São Paulo: Peirópolis,
2004. Iniciativa Fundação Itaú Social.
GEBARA, Ana Elvira Luciano. A poesia na escola: leitura e análise de poesia
para crianças. São Paulo: Cortez, 2002 – (Coleção aprender e ensinar com
textos, vol. 10).
KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria & prática. Campinas, SP: Pontes:
Editora da UNICAMP, 1996.
SCHNEUWLY; DOLZ et al (org). Gêneros orais e escritos na escola. Mercado de
Letras, São Paulo, 2001/2004.

Disciplina: ESTÁGIO SUPERVISIONADO III – LÍNGUA PORTUGUESA E SUAS


LITERATURAS EM CONTEXTOS DE INCLUSÃO
Código: LT- Carga horária: 105h
Ementa Inclusão social e escolar: representações, conceitos e contextos particulares
(surdos, EJA, educação do/no campo, educação indígena, quilombola, etc).
Elaboração de Plano de Estágio. Observação participante de turma de Ensino
Fundamental ou Médio de escola pública ou particular em contexto de inclusão.
Planejamento orientado e colaborativo de projeto de ensino de LínguaMaterna
atualizados com as teorias da linguagem, para aturma em questão. Regência
compartilhada e supervisionada. Produção textual acadêmica resultante da
experiência docente.
Bibliografia Básica
BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M.; JESUS, D. M. de (Org). Educação especial:
diálogo e pluralidade. Porto Alegre: Editora Mediação, 2008.
BENTES, J. A. O; HAYASHI, M.C.P.I . Normalidade e disnormalidade: formas do
trabalho docente na educação de surdos. Campina Grande: EDUEPB, 2012.
BRASIL, Câmara de Educação Básica. Texto-referência para a elaboração das
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola-Texto
para ser discutido nas audiências públicas quilombolas/Câmara de Educação
Básica, Brasília/DF, 2011.
Complementar
ALVES, Nilda. Formação de professores: pensar e fazer. 5ª edição, São Paulo:
Cortez, 1999.
GADOTTI, Moacir; ROMÃO, José Eustáquio. Educação de jovens e adultos:
teoria, prática e proposta. 5ª Ed. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 2002.
LACERDA, C. B. F. de; LODI, A. C. B. (Org.). Uma escola, duaslínguas:
letramento em lingual portuguesa e lingual de sinais nas etapas iniciais de
escolarização. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 143-160.
PAIVA, Vanilda Pereira. Educação popular e educação de adultos. São Paulo:
Loyola, 1987.
QUADROS, R. M. de; CRUZ, C. R. Língua de Sinais: instrumentos de avaliação.
Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 86-118.

Disciplina: ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV – LÍNGUA PORTUGUESA E SUAS


LITERATURAS NO ENSINO MÉDIO
Código: Carga horária: 105h
Ementa Elaboração de Plano de Estágio. Observação participante de turma de Ensino
Médio de escola pública ou particular. Planejamento orientado e colaborativo
de projeto de ensino de LínguaMaterna atualizados com as teorias da linguagem,
para aturma campo do estágio. Regência compartilhada e supervisionada.
Produção textual acadêmica resultante da experiência docente.
Bibliografia Básica
ALVES FILHO, Francisco. Gêneros jornalísticos: notícias e cartas de leitor no
ensino fundamental. São Paulo: Cortez, 2011.
BIGNOTTO, Cilza; JAFFE, Noemi. Crônica na sala de aula: material de apoio ao
professor. Apresentação Marisa Lajolo. São Paulo: Itaú Cultural, 2004.
BRANDÃO, Helena M. Gêneros do discurso na escola. São Paulo: Cortez, 2000.
DIONISIO, Ângela Paiva; MACHADO, Ana Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora
(orgs.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro : Lucerna, 2002.

DIONÍSIO & BEZERRA (Org.). Tecendo textos, construindo experiências. Rio de


Janeiro:Lucerna, 2003.
KARWOSKI; GAYDECZKA; BRITO. Gêneros textuais: reflexões e ensino. São
Paulo: Parábola Editorial, 2011.
Complementar
ALTENFELDER, Anna Helena; CLARA, Regina Andrade. Se bem me lembro...
São Paulo: Peirópolis, 2004 – Iniciativa Fundação Itaú Social.
ALTENFELDER, Anna Helena. Poetas da escola. São Paulo: Peirópolis, 2004 –
Iniciativa Fundação Itaú Social.
BAGNO, Marcos. Português ou brasileiro? um convite à pesquisa. São Paulo:
Parábola Editorial, 2004.
GAGLIARD, Eliana e AMARAL, Heloísa. Pontos de vista. São Paulo: Peirópolis,
2004. Iniciativa Fundação Itaú Social.
KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria & prática. Campinas, SP: Pontes:
Editora da UNICAMP, 1996.
SCHNEUWLY; DOLZ et al (org). Gêneros orais e escritos na escola. Mercado de
Letras, São Paulo, 2001/2004.

ATIVIDADES CURRICULARES ELETIVAS

Disciplina: HISTÓRIA DA CRÍTICA LITERÁRIA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa A crítica poética; a crítica cultural, a crítica de hoje. Considerações sobre os
tópicos: o espaço da crítica e seu papel na literatura contemporânea; presença
e/ou ausência da crítica; natureza, finalidade e função do discurso crítico; o
conceito de literatura. Esboço de diversas vertentes do panorama brasileiro
literário e crítico.Tendências modernas da crítica literária: formalismo russo;
escola de praga; estruturalismo; new criticism, hermenêutica dialética;
estruturalismo genético, crítica temática e outras.
Bibliografia Básica
BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.
CANCLINI, Nestór García. Culturas híbridas. São Paulo: EDUSP, 1998.
CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática,
1987.
COUTINHO, Eduardo (org.). Fronteiras imaginadas: cultura nacional / teoria
internacional. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.
Complementar
BARBIERI, Therezinha. Ficção impura:prosa brasileira dos nos 70, 80 e 90. Rio
de Janeiro: EdUERJ, 2003.
CASTRO, Sílvio (org.). História da literaturabrasileira.vol.3Lisboa: Alfa, 2000.
CAMPOS, Haroldo de. O arco-íris branco: ensaios de literatura e cultura. Rio de
Janeiro: Imago,1997.
HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Cultura em trânsito. Rio de Janeiro: Aeroplano,
2000.
NASCIMENTO, Milton Meira do (org.). Jornal de Resenhas.3 vols. (de abril de
1995 a abril de 2001). São Paulo: Discurso Editorial, 2001.
VILLAÇA, Nizia& GÓES, Fred (org.). Nas fronteiras do contemporâneo.Rio de
Janeiro: Mauad/FUJB, 2001.
VIRILIO, Paul. O Espaço Crítico.Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.
WELLEK, René. História da Crítica Moderna. 4 vols. São Paulo: Herder/EDUSP,
1967.

Disciplina: TÓPICOS ATUAIS EM LINGUÍSTICA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Estudo de novas técnicas de análise linguística. Exame detalhado dos
fenômenos do português.
Bibliografia Básica
CARVALHO, Nelly. Empréstimos lingüísticos. São Paulo, Ática, 1989.
NEVES, Maria Helena de Moura. A Gramatica funcional. São Paulo: Martins
Fontes, 1997.
KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. Análise da Conversação: princípios e
métodos. Trad.Carlos Piovezani Filho. São Paulo: Parábola, 2006.
KOCH, Ingedore G. Villaça (org.). Gramática do Português Falado. v. 6. 2.
ed.Campinas: Editora da UNICAMP / FAPESP, 1997.
KRIEGER Maria da Graça; FINATTO, Maria José Bocorny. Introdução à
terminologia: teoria e prática. Contexto, São Paulo, 2004.
PARRET, Herman. Enunciação e Pragmática. Campinas: Editora da UNICAMP,
1988.
PRETI, Dino (org.), Estudos de língua falada: variações e confrontos, São Paulo,
Universidadede São Paulo/Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 1999.
Complementar
CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de análise do
discurso. São Paulo: Contexto, 2008.
DUBOIS, Jean et al. Dicionário de linguística. 10 ed. São Paulo: Cultrix, 2006.
FLORES, Valdir do Nascimento; TEIXEIRA, Marlene. Introdução à Linguística da
Enunciação. São Paulo: Contexto, 2005.
KRIEGER, Maria da Graça; FINATTO, Maria José Bocorny. Introdução à
terminologia: teoria e prática. Contexto: São Paulo, 2004.
LYONS, John. Introdução à Linguística Teórica. Trad. Rosa Virgínia Mattos e
Silva e HélioPimentel. São Paulo: Nacional: EDUSP, 1979.
MATURANA, Humberto. A ontologia da realidade. Org. Cristina Magro, Miriam
Graciano e Nelson Vaz. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999.
SLAMA-CAZACU, Tatiana. Psicolinguística aplicada ao ensino de línguas. São
Paulo: Pioneira, 1979.
SLOBIN, Dan Isaac. Psicolinguística. São Paulo: Companhia Editora Nacional,
1980.

Disciplina: TÓPICOS ATUAIS EM LITERATURA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Estudo de novas técnicas de estudo e análise literária.
Bibliografia Básica
BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo:
Companhia das Letras, 1996.
CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática,
1989.
CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. 7.
ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1993, v.2.
Complementar
COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria. Trad. Cleonice Paes Barreto
Mourão. BeloHorizonte: UFMG, 2003.
CULLER, Jonathan. Teoria Literária: uma introdução. Trad. Sandra Vasconcelos.
São Paulo: Beca, 1999.
EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura. Trad. Waltensir Dutra. São Paulo:
Martins Fontes, 1983.
FERREIRA, Jerusa Pires. “Cultura é memória”. In: Armadilhas da memória e
outros e ensaios.Cotia: Ateliê Editorial, 2003.
LIMA, Luiz Costa (sel.). A literatura e o leitor. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 2002.
MACHADO, Ubiratan. A vida literária no Brasil durante o Romantismo. Rio de
Janeiro: UERJ, 2001.
Disciplina: TEORIA DO TEXTO DRAMÁTICO
Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa A natureza do texto dramático. A encenação como uma densidade de signos: as
linguagens do teatro. Experiências contemporâneas.Estudo da teoria do texto
dramático, da Poética, de Aristóteles, à teoria do drama moderno. Abordagem
das categorias constitutivas do drama. Análise e interpretação do texto
dramático.
Bibliografia Básica
CARLSON, Marvin. Teorias do teatro: estudo histórico-crítico, dos gregos à
atualidade. Tradução de Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: UNESP,
1997.
MALHADAS, Daisi. Tragédia grega: o mito em cena. Cotia: Ateliê, 2003.
MOISÉS, Massaud. Teatro. A criação literária II. 16 ed. São Paulo: Cultrix, 1967.
ROSENFELD, Anatol. Teatro moderno. São Paulo: Perspectiva, 1977.
WILLIAMS, Raymond. Tragédia moderna. Tradução de BetinaBischof. São
Paulo: Cosac &Naify, 2002.
Complementar
BRANDÃO, Junito de Souza. Teatro grego: tragédia e comédia. Petrópolis:
Vozes, 1985.
CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos,
sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução de Vera da
Costa e Silva; Raul de Sá Barbosa; Ângela Melim; Lúcia Melim. 9. ed. Rio de
Janeiro: José Olímpio, 1995.
GASSNER, John. Mestres do teatro. Tradução de Alberto Guzik e J. Guinsburg.
São Paulo: Perspectiva, 1996. 2 v.
RYNGAERT, Jean-Pierre. Introdução à análise do teatro. Tradução de Paulo
Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
ROUBINE, Jean-Jacques. Introdução às grandes teorias do teatro. Tradução de
André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

Disciplina: LITERATURA DE EXPRESSÃO AMAZÔNICA


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Literatura de expressão amazônica: conceitos e características. Construções
poéticas imaginárias e identitárias da Amazônia. Poéticas orais e populares na
prosa, no verso e na dramaturgia. A produção literária anterior ao modernismo. O
modernismo e a contemporaneidade: movimentos literários e escritores.
Bibliografia Básica
AZEVEDO, Eustáquio de. Literatura Paraense. Belém: Coluna Lendo o Pará,
SECULT/PA, 1993.
BOGÉA, José Arthur. ABCs de Ildefonso Guimarães, Max Martins, Maria Lúcia
Medeiros, Milton Hatoum. EdUFPa, Belém, diversas datas.
BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix,
1981.
LINHARES, Temístocles. História Crítica do Romance Brasileiro. Belo Horizonte:
Itatiaia, 1987.
Complementar
COLEÇÃO Lendo o Pará, SECULT/PA, Belém, diversas datas de publicação.
FARES, JosebelAkel e outros. Texto & Pretexto - experiência de educação
contextualizada a partir da literatura feita por autores amazônicos. 2ª Ed.
Belém: Cejup, 1991.
CUNHA, Euclides. À Margem da História. Martins Fontes, São Paulo, 1998.
MEIRA, Clóvis et alii.. Introdução à Literatura no Pará. Belém: Academia
Paraense de Letras,1996.
MOREIRA, Eidorfe. Obras Reunidas. Belém: Conselho de Cultura, SECULT/PA e
Cejup, 1989.

Disciplina: LITERATURA ORAL


Código: LT- Carga horária: 60h
Ementa Literatura x Oralidade: fronteiras. Fontes orais no texto literário. Literaturae
memória. Memória e identidade cultural.
Bibliografia Básica
BENJAMIM, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política. Trad. Sergio Paulo
Rouanet.São Paulo: Brasiliense.
BOSI, Eclea. Memória esociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Edusp,
1987.
FERNANDES, Frederico augusto Garcia (org.). Oralidade e literatura. Londrina:
Eduel, 2003.
ZUMTHOR, Paul. Introdução à Poesia Oral. Trad. Jerusa Pires Ferreira. São
Paulo:Hucitec,1997.
Complementar
CASCUDO, Luiz da Câmara. Contos Tradicionais do Brasil. São Paulo: Global,
2003.
CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Trad. Maria de Lourdes Menezes.
Rio deJaneiro:Forense Universitária, 2002.
LAROSSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel.Trad. Cyntia Faina.
Belo Horizonte, 2004.
______ &Skliar( orgs.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença.
Trad.Semíramis Gorine da Veiga. Belo: Horizonte: Autêntica, 2001.
ZUMTHOR, Paul. Tradição e esquecimento. Trad. Jerusa Pires Ferreira e Suely
Fenerich.SãoPaulo: Hucitec, 1997.

Disciplina: LÍNGUA INGLESA INSTRUMENTAL


Código: Carga horária: 60h
Ementa Desenvolvimento da competência autônoma de leitura em língua inglesa a partir
dos textos escritos. Construção do sentido a partir de elementos extralinguísticos
responsáveis pela configuração do texto, dos recursos linguísticos responsáveis
pelas unidades formais que remetem à construção textual.
Bibliografia Básica
ARAÚJO, AntoniaDilamar& SAMPAIO, Santilha. Inglês Instrumental. Caminhos
para Leitura. Teresina: Alínea, 2002.
CRUZ, Décio Torres; SILVA, Alba Valéria; ROSAS, Marta. Inglês comtextos para
Informática. Salvador, 2001.
OLIVEIRA, Sara Rejane de F. Estratégias de Leitura para Inglês Instrumental.
Brasília: Editora UnB, 1996.
Complementar
GAMA, Ângela Nunes Martins da. et. al. Para Compreender Textos em Inglês. 2
ed. Rio de Janeiro: Gama Filho, 1997.
HEWINGS, Martin. (2000). Advanced Grammar in Use: a self study reference
and practice book for advanced learners of English. Cambridge University Press.
MOITA LOPES, Luiz Paulo da .Oficina de Lingüística Aplicada. Campinas:
Mercado de Letras, 2001.
MURPHY, Raymond. (1998). English Grammar in Use:a self study reference and
practice book for intermediate students. 2. ed. Cambridge : Cambridge University
Press.
SOUZA, Adriana Grade Fiori et al. (2005). Leitura em Língua Inglesa: uma
abordagem instrumental. São Paulo: Disal.
WALLACE, Michael. Action Research for Language Teachers. Cambridge:
Cambridge U. Press,2000.

Disciplina: LÍNGUA FRANCESA INSTRUMENTAL


Código: Carga horária: 60h
Ementa Desenvolvimento da competência autônoma de leitura em língua francesa a
partir dos textos escritos. Construção do sentido a partir de elementos
extralinguísticos responsáveis pela configuração do texto, dos recursos
linguísticos responsáveis pelas unidades formais que remetem à construção
textual.
Bibliografia Básica
BÉRARD, Évelyne; LAVENNE, Christian. Grammaire utile du français. Paris
:Hatier, 1989.
COUTINHO, Maria de Guadalupe M. & SILVA, Valda Generinoda.Lecture et
compréhension. Pour unegrammaire du texteécrit. João Pessoa: Manufatura,
2002.
REY-DEBOVE, Josette. Le Robert quotidien; Paris: Dictionnaires Le Robert,
1996.

Complementar
BESSE, H.; PORQUIER, R. Grammaireetdidactiquedes langues. Paris :Hatier-
Crédif, 1984.
CARVALHO, Olívio da Costa. Dicionário de Francês-Português. Porto: Porto
Editora, 1980.
EDGE, Julian. Action Research. Alexandria, Tesol, 2001.
MOITA LOPES, Luiz Paulo da .Oficina de Lingüística Aplicada. Campinas:
Mercado de Letras, 2001.
PEIXOTO DA FONSECA, Fernando. Larousse (français-portugais/portugais-
français); Paris: Larousse, 1999.

Disciplina: ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO


Código: Carga horária: 60h
Ementa Alfabetização, letramento e letramento escolar. A leitura como prática social e a
leitura que se pratica na escola. Políticas educacionais de formação do professor
de língua materna.Análise de textos didáticos para formação continuada de
professores de português. O lugar do professor leitor nesses textos.
Bibliografia Básica
KATO, Mary. No mundo da escrita. Uma perspectiva psicolinguística. São Paulo,
Ática, 1986.
KLEIMAN, Angela. Leitura. Ensino e Pesquisa. Campinas, SP, Pontes, 1989.
LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. SP,
Atica, 1996.
MARINHO, M. E SILVA, CERIS S. R. - Leituras do Professor. Campinas SP -
Mercado deLetras e Associação de Leituras do Brasil, 1998.
Complementar
EVANGELISTA, Aracy Alves Martins e ROCHA, Gladys A. Sá "Como são vistos
os leitores alunos nos livros para alfabetização?" apresentado no GT de
Alfabetização, Leitura e escrita da ANPed 1998.
GERALDI, J. W. Portos de Passagem, Martins Fontes, São Paulo, 1991.
HUBNER, R. (org.) e CHIAPPINI, L.(supervisão) Quando o professor resolve.
SP, Loyola, 1989.
NÓVOA, A. Vidas de professores. Porto, Porto Editora, 1992.
RAMER, S. e SOUZA, S.J., Histórias de Professores. SP, Ática, 1996.

Disciplina: ANTROPOLOGIA DA LINGUAGEM


Código: Carga horária: 60h
Ementa Reflexão sobre a linguagem como produto e produtora da cultura humana, em
suas diversas expressões e condicionamentos históricos. Hermenêutica da
linguagem como trabalho simbólico de construção de sentidos - pessoal,
intersubjetiva e socialmente. A linguagem como manifestação específica do
humano, como experiência de diálogo, atividade de comunicação e mediadora
das articulações sociais e comunitárias.
Bibliografia Básica
CASSIRER,E. Filosofia das Formas simbólicas. México: Fondo de Cultura, 1985.
DOLTO, F.Tudo é linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
FOUCAULT,M. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1981.
GUSDORF, G. A Fala. Porto: Despertar, 1970.
NOGUEIRA, J.C.O inconsciente e a linguagem na compreensão do homem.
São Paulo: Cortez & Moraes, 1978.
RICOUER, Paul. Da interpretação. Rio de Janeiro: Imago, 1978.
Complementar
BOSI, A. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.
BERGER P. e LUCKMAN, T. A construção social da realidade.Petrópolis:
Vozes,1973.
CLASTRES,P.A Sociedade contra o Estado - pesquisas de antropologia política.
São Paulo: Cosac &Naify, 2003.
GULLAR, F.Relâmpago - dizer o ver. São Paulo: Cosac &Naify, 2003.
MORIN, E.O Método 5: a humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina,
2003.

Disciplina: CULTURA BRASILEIRA


Código: Carga horária: 60h
Ementa Cultura, ideologia e visão de mundo. Conceituação de cultura brasileira.
Formação e estruturação da cultura no Brasil. Caracterização e manifestação da
cultura brasileira. As culturas de elite, popular, folclórica, rural e urbana.Análise
de manifestações culturais no Brasil ao longo do século XX, considerando a
polissemia das práticas culturais que consolidaram o múltiplo universo cultural
brasileiro nesse período.
Bibliografia Básica
BOSI, Ecléa. Cultura de massa e cultura popular: leituras de operárias. 2ª ed.
Petrópolis: Editora Vozes.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio. 1973.
RIBEIRO, Darcy. Teoria do Brasil. 4ª ed. São Paulo: Editora Civilização
Brasileira, 1978.
ROSÁRIO, Ubiratan. Cultura brasileira: estudos e roteiros de aula. Belém: Editora
da UFPA. 1989.
Complementar
ALVES, I. M. O carnaval devoto. Rio de Janeiro. Vozes. 1980.
COSTA, Emília Viottida.Da monarquia à República: momentos decisivos. São
Paulo: 1987.
DAMATTA, Roberto. A casa e a rua. Rio de Janeiro: Rocco.
HALL, Stuart. Identidades Culturais na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A
Editora, 1997.
PAES, Paulo. Gregos & Baianos. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.
WERTHEIN, Jorge (org). Meios de comunicação: realidade e mito. São Paulo:
Editora Nacional, 1979, p. 230-251.

Disciplina: INTRODUÇÃO À LITERATURA CLÁSSICA


Código: Carga horária: 60h
Ementa Literatura greco-latina: Épica: Homero e Virgílio; Trágicos gregos:Ésquilo,
Sófocles e Eurípides; A Poética de Aristótoles; Lírica Latina:Horácio e Catulo.
Contextualização das obras analisadas com a Históriae com as Artes.Os
preceitos da poesia latina na poética de Horácio. A poesia dramática: a
permanência da comédia e da tragédia. O pensamento filosófico nos textos de
literatura latina.
Básica
ARISTÓTELES, Horácio, Longino. A poética clássica. Trad. Roberto de Oliveira
Brandão. 3ª ed. São Paulo: Cultrix, 1988.
CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos. Trad. Nilson Moulin. São Paulo:
Companhia das Letras, 1993.
COSTA, Aída. Temas clássicos. São Paulo: Cultrix, 1979.
PEREIRA, Maria Helena da Rocha. Estudos de história da cultura clássica. 2. ed.
– Lisboa: Fundação Calouste, s/d.
Complementar
FUNARI, Pedro Paulo. A vida quotidiana na Roma antiga. São Paulo:
Annablume, 2003.
_____. Antigüidade clássica. São Paulo: Editora da Unicamp, 1995.
GIORDANNI, Mário Curtius. História de Roma. 3. ed. – Rio de Janeiro: Vozes,
1972.
ROSTOVTZEFF, M.. História de Roma. 5. ed. – Guanabara: Koogan, s/d. Trad.
Waltensir Dutra.
SÊNECA. Obras. Estudo introdutório, notas e trad. de G. D. Leoni. Rio de
Janeiro: Ediouro, s/d.
VEYNE, Paul. História da vida privada. V. 1 – Do Império Romano ao ano mil.
Trad. HildegardFeist. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.