You are on page 1of 31

WORKSHOP INTERNACIONAL DE

ENGENHARIA PARA ATUALIZACAO


EM SEGURANCA DO TRABALHO
AGOSTO 2017

Diálogo social e Fiscalização no


Estado de São Paulo - Avaliação
do risco no setor elétrico
Apresentação: Eng. Aguinaldo Bizzo de Almeida
Engenheiro Eletricista / Segurança do Trabalho
Diretor do Sindicato dos Engenheiros SP
Membro do GTT – Elaboração NR10 – Bancada dos Trabalhadores
Membro da CPNSEE - Comissão Permanente Nacional sobre Segurança em Energia Elétrica
Membro do CB32 – Riscos Elétricos
Inspetor de Conformidades e Ensaios Elétricos ABNT – NBR 5410 Inst. Elet. BT e NBR 14039 Inst. Elet. MT
Autor do livro: Vestimentas de Proteção ao Risco de Arco Elétrico e Fogo Repentino
Membro do GTT – ANEXO 4 - NR 16 – Atividades e Operações Perigosas com Eletricidade
Membro do GT\GTT- NR35 – Trabalho em Altura
Conselheiro da Camara de Eletrica do CREA – Estado de SP
Diretor da DPST – Desenvolvimento e Planejamento em Segurança do Trabalho
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊCIA

SISTEMA ELETRICO DE CONSUMO

Aplicam-se a todas as fases de geraçao, transmissão, distribuição e consumo, incluindo as etapas


de projeto, construção, montagem, operação e manutenção das instalações elétricas, e quaisquer
serviços realizados nas suas proximidades.
AGUINALDO BIZZO
AGUINALDO BIZZO
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

Evolução no reconhecimento do risco de


arco elétrico

Até publicação da NR10 em 2004, não se


considerava a exposição ao risco de
arco elétrico e\ou explosão como
condição de risco intrínseca as
atividades desenvolvidas na operação e
manutenção de instalações elétricas

Somente considerava-se medidas


de controle ao risco de choque
elétrico por contato direto
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

Acidentes com arco elétrico


sempre foram frequentes

1997 –Acidente com


Aguinaldo Bizzo em
religação por falta de
pgto a noite em
edifício

Acidentes com arco elétrico em atividades


comerciais em medidores predominam devido
características construtivas das instalações
elétricas
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

Situação atual referente ao tema arco elétrico


▪ Falta de conhecimento especifico do assunto Exposição ao Risco de Arco
Elétrico por parte de Engenheiros, SESMT, instituições
ou órgãos reguladores

▪ Dificuldade na elaboração da especificação técnica da


vestimenta pelas empresas – fabricantes de EPI;

▪ Falta de parâmetros para a fiscalização pelo MTE;

▪ Falta de literatura sobre o tema e formação insuficiente


do SESMT;

▪ Generalização e Lacuna da NR10 sobre o o tema arco elétrico

▪ Instalações elétricas não possuem recursos de engenharia para


proteção ao risco de arco elétrico

▪ A PROTECAO AO RISCO DE ARCO ELETRICO ESTA SEDIMENTADA NO


BRASIL ATRAVES DO ITEM EPI E NÃO DA ENGENHARIA 6
ANALISE DE RISCOS DE CENARIOS ELETRICOS ?
CONSIDERAR GENERO OU ESPECIE ?

ERRO PREDOMINANTE CONSIDERAR SOMENTE GENERO


LINHA VIVA TRABALHO CONTATO MANOBRAS
DISTRIBUICAO MT MEDIDORES BT DISJUNTORES MT
DIRETO DIST BT

TRABALHOS
PROXIMIDADE EM TRABALHOS AO MANOBRAS EM TRABALHOS DISTANCIA
SE AT POTENCIAL AT CHAVES FUSIVEIS REDES TRANSMISSAO AT
CLASSE 15 KV
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

CARACTERIZAÇAO ACIDENTES COM ELETRICIDADE

• Mais de 80% de todos


os acidentes elétricos
industriais são
resultado de arco
elétrico e combustão
de roupas inflamáveis.

• Queimaduras fatais
poderão ocorrer a
distância de 3m .
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

VULNERABILIDADE DA NR10
relaciona distâncias de segurança entre partes vivas,
baseado no risco de choque elétrico
“ Em certas circunstancias, a fronteira de
proteção ao risco de arco elétrico pode ser uma
distancia maior do que a fronteira de proteção
ao risco de choque eletrico ”.
OBRIGATORIEDADE DO CALCULO DO LAS - LIMITE DE
APROXIMACAO SEGURA PARA EXPOSICAO AO RISCO DE
ARCO ELETRICO
ZL

ZC

ZR

DISTANCIAS DE SEGURANÇA
NFPA 70 E X NR10
11
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

Probabilidades de acidentes com arco elétrico ( NFPA 70 E)


Sem operador 25% CONCLUSAO
Atividades em cctos sem
segregação , 65% A exposicao ao risco
de arco eletrico e
condicao intrinseca
em atividades com
circuitos eletricos
Atividades em energizados.
cctos elétricos
segregados , 10% MESMO EM ZONA
LIVRE O
PROFISSIONAL
SITUACAO PODERA SOFRER
PREDOMINANTE CONSEQUENCIAS
DO ARCO
ELETRICO
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

PRINCIPIO DA NR10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade

Regulamento dirigido a trabalhadores e empregadores


sobre as ações mínimas obrigatórias em segurança no
trabalho envolvendo instalações e serviços elétricos.

Gestão em segurança e saúde com instalações e


serviços com energia elétrica

Responsabilidades
em todo o processo de trabalho.

AGUINALDO BIZZO
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

Eliminar TRABALHO DESENERGIZADO

EMPREGO EBT – TENSAO SEGURANCA


Prevenir
Prevenir

PROCEDIMENTOS DE TRABALHO

Prevenir
Prevenir
USO DO EPI

Proteger
Proteger
ARCO ELETRICO ,MEDIDA DE CONTROLE
PREDOMINANTE
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

RESPONSABILIDADES ?
O USO DO EPI E A ULTIMA BARREIRA
DE PROTECAO PRECONIZADA PELA
NORMA……….

ASSIM, QUEM E O RESPONSAVEL


PELA DEFINICAO DAS MEDIDAS DE
CONTROLE ADOTADAS ????
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

RESPONSABILIDADES ?
Uma vez definido o uso do EPI como
medida de controle intrínseca….

SE INADEQUADO , O TRABALHADOR
PODERA SOFRER AS CONSEQUENCIAS
....

Quem se responsabiliza pelo nao uso


ou pela especificacao tecnica
inadequada do mesmo ???
17
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

OBRIGATORIEDADE LEGAL CONFORME NR10


ANALISE DA EXPOSICAO AO RISCO DE ARCO ELETRICO

De conformidade com a legislação em vigor, fica pelo presente


Termo de Notificação a empresa....................fica obrigada a
cumprir as seguintes exigências de Segurança e Saúde no Trabalho
abaixo, da Portaria Nº 3.214/78 e Portaria SSST/ MTE Nº 589 de
07/12/2004 e da Lei 6.514/77 num prazo de 60 dias
Calcular a energia incidente (ATPV), evidenciando
metodologia adotada e limites do método, de
forma estratificada contemplando todos os
cenários elétricos e atividades realizadas pelos
trabalhadores baseado nos itens abaixo:
Fatores para Cálculo de Energia Incidente oriunda Arco Elétrico no SEP
REFERENCIA TECNICA NORMATIVA
OSHA 1910.269 - 2015
NFPA 70E simplificado
Hazard Risk Category Classification
CATEGORIA ENERGIA
RISCO INCIDENTE
Cal / cm2
NFPA 70E – Hazard Risk 0
– Risco Mínimo.

NFPA 70E – Hazard Risk 1 0 NÃO EXISTE


– Algum risco.

NFPA 70E – Hazard Risk 2 I 1,2- 4

– Risco moderado.
II 4- 8
NFPA 70E – Hazard Risk 3
– Risco Elevado. III 8,1- 25

NFPA 70E – Hazard Risk 4 IV 25,1- 40


– Risco Elevadíssimo.
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

NR10 INSTALAÇOES ELETRICAS SEGURAS ????


10.4.1 As instalações elétricas devem ser construídas, montadas,
operadas, reformadas, ampliadas, reparadas e inspecionadas de
forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores e dos
usuários, e serem supervisionadas por profissional autorizado,
conforme dispõe esta NR. (210.042-8/I=4)

AGUINALDO BIZZO
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

OBRIGATORIEDADE LEGAL CONFORME NR10


ANALISE DA EXPOSICAO AO RISCO DE ARCO ELETRICO

03 O memorial
descritivo do projeto deve
conter, no mínimo, os
seguintes itens de
segurança: a) especificação
das características relativas
à proteção contra choques
elétricos, queimaduras e
outros riscos adicionais;
Subitem 10.3.9 da NR.10.
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

OBRIGATORIEDADE LEGAL CONFORME NR10


ANALISE DA EXPOSICAO AO RISCO DE ARCO ELETRICO

07 Nos trabalhos em
instalações elétricas, quando as
medidas de proteção coletiva
forem tecnicamente inviáveis ou
insuficientes p/ controlar os
riscos, devem ser adotados EPI
específicos e adequados às
atividades desenvolvidas,
conforme NR 6. Subitem 10.2.9.1
da NR.10.
TERMO DE NOTIFICAÇÃO Nº 10 /2016. SEGURANÇA EM
INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE - NR.10

06 Nas instalações e serviços


em eletricidade deve ser adotada
sinalização adequada de
segurança, destinada à
advertência e à identificação,
obedecendo ao disposto na NR-
26 - Sinalização de Segurança, de
forma a atender, dentre outras, as
situações a seguir: c) restrições e
impedimentos de acesso; d) NFPA 70E X NR10

delimitações de áreas; Subitem OBRIGATORIEDADE DE


10.10.1 da NR.10. SINALIZACAO
! ADVERTÊNCIA
SOMENTE PESSOAL AUTORIZADO FORMALMENTE
RISCOS POR ARCO ELÉTRICO E FOGO REPENTINO
EPI´S E EPC´S OBRIGATÓRIOS
2,34 DISTÂNCIA LIMITE DE APROXIMAÇÃO DO ARCO ELÉTRICO (m)
7,15 ENERGIA INCIDENTE (cal/cm²)
VESTIMENTA – RISCO 2
OBRIGATÓRIO APLICAR APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS E PCEP –
PROGRAMA DE CONTROLE DE ENERGIAS PERIGOSAS, UTILIZAR VESTIMENTA FR E
FERRAMENTAS ESPECÍFICAS
13.800 NÍVEL DE TESÃO (V)
> 1,38 ZL – ZONA LIVRE (m)
0,38 a 1,38 ZC – ZONA CONTROLADA – TRABALHADORES AUTORIZADOS (m)
< 0,38 ZR – ZONA DE RISCO – TRABALHADORES AUTORIZADOS / TÉCNICAS SEGURAS (m)

EPI´S OBRIGATÓRIOS: - VESTIMENTA FR RISCO 2 - PROTETOR AUDITIVO


CCM - PROTETOR FACIAL RISCO 2 - CALÇADO ISOLANTE
XXXXX - LUVA ISOLANTE CLASSE 2
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

OBRIGATORIEDADE LEGAL CONFORME NR10


ANALISE DA EXPOSICAO AO RISCO DE ARCO ELETRICO

08 As vestimentas de trabalho devem ser


adequadas às atividades, devendo contemplar a
condutibilidade, inflamabilidade e influências
eletromagnéticas. Subitem 10.2.9.2 da NR.10.

08 A especificação do EPI deve


considerar a proteção de “ todas as
partes do corpo “ expostas ao risco de
arco elétrico.
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

RESULTADO
ANALISES DE RISCO INADEQUADAS - Adoção do uso do EPI de forma intrínseca como
medida de controle sem a analise real da exposição ao risco de Arco elétrico.

Ações descontextualizadas entre área elétrica e SESMT, ou seja, o uso do EPI e condição
comum................ Uso do EPI inadequado homologado na empresa através de
documentos de liberação como APR, PT, OS, aprovadas Pelo SESMT...

Documentos genéricos, que não permitem rastreabilidade quanto a eficácia do EPI


adotado, com cálculos de Energia incidente inadequados que não retratam a realidade
laboral dos profissionais expostos ao risco de arco elétrico.

SÃO ESPECIFICADOS EPI DE FORMA SUBJETIVA QUE NÃO


PROPICIAM PROTECAO EFICAZ AOS TRABALHADORES

NÃO E POSSIVEL EVIDENCIAR OS RESPONSAVEIS TECNICOS HABILITADOS


PELO CALCULO DO NIVEL DE ENERGIA INCIDENTE BEM COMO PELA
ESPECIFICACAO DO EPI

SITUACOES QUE EXPOEM O SESMT E O PLH RESPONSAVEL PELA AUTORIZACAO EM CASO


DE ACIDENTE DO TRABALHO
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico
ATENDIMENTO LEGAL - GESTAO DO RISCO DE ARCO ELETRICO
1 – Calcular a energia incidente (ATPV), evidenciando metodologia adotada e limites do
método, de forma estratificada contemplando todos os cenários elétricos e atividades
realizadas pelos trabalhadores.
2 - Deve ser elaborado o Estudo de Exposição ao risco de arco elétrico evidenciando cenários
elétricos existentes, atividades desenvolvidas, metodologia de trabalho adotada, calculo
do nível de energia incidente e principalmente as medidas de controle Adotadas,
inclusive o uso de EPI considerando-se a hierarquia das medidas de proteção
preconizadas pela NR10.
3 - A Analise de Risco deve ser documentada, contemplando as medidas de controle
adotadas, evidenciando o PLH responsável pelo calculo do nível de energia incidente,
bem como o responsável pela adoção das medidas de controle adotadas, incluindo o uso
de EPI.
4 – Uma vez adotado o EPI como medida de controle, deve ser apresentado procedimento de
SST estratificando a especificação do EPI conforme NR6, para todos os cenários elétricos
existentes e atividades desenvolvidas.
5 – Deve ser adotada sinalização contemplando o Nível de Energia incidente, o LAS – Limite
de Aproximação Segura, e os EPI obrigatórios para proteção ao risco de arco elétrico e
choque elétrico.
6 -A empresa deve apresentar plano de ação contemplando ações para mitigação da
exposição ao risco de arco elétrico dentro de patamares considerados aceitáveis,
considerando-se o uso adequado exequivel de EPI como medida de controle.
Diálogo social e Fiscalização no Estado de São Paulo -
Avaliação do risco no setor elétrico

CONCLUSAO
A EXPOSICAO AO RISCO DE ARCO ELETRICO DEVE SER
ENTENDIDA COMO FATOR INTRISECO EM TRABALHOS COM
ELETRICIDADE, COM ALTO POTENCIAL DE DANO, E DESSA
FORMA DEVE SER AVALIADO DE FORMA ADEQUADA.

Prioritariamente deve-se adotar medidas de engenharia, ou a


adoção de procedimentos de trabalho, visando a
eliminação do risco de arco elétrico, ou a minimização da
exposição a esse risco.

A Analise de Riscos deve ser formalizada definindo-se


competências e responsabilidades pela analise e medidas de
controle adotadas, considerando-se a NR10 e CONFEA –CREA.

Uma vez que o uso do EPI e a ultima barreira de proteção


admissível, a especificação adequada do mesmo e condição
intrínseca para a garantia da integridade física dos
trabalhadores.
Apresentação: Eng. Aguinaldo Bizzo de Almeida
Email – bizzo@dpst.com.br
FONE - 14 -981246507 e 14 - 3262 1857

31