You are on page 1of 9
2- Classifieacdo dos atos do coméreio 1, Atos objectivamente comerciais e subjectivamente comerciais: a) Atos objectivamente comerciais, S30 0s que sio regulados na lei comercial, em razio do seu contetido ou circunstincia, independentemente de quem os pratica (art® 2° - 1° parte do C. Comercial) p. ex.: Letra, cheque, ete., b) Atos subjectivamente comerciais, sio jé os que dependem dos sujeitos, ou seja os que io praticados pelos comerciantes (art 2°, 2* parte do C. Comercial) — art? 230° do C. Comercial. P. ex.: a mesma letra ou cheque agora emitidos por comerciantes nas relagdes, entre si, 2, Atos comerciais absolutos ¢ actos comerciais por conexio ou acessoriedade: a) Atos comerciais absolutos (ou por natureza,) s80 0s que devem a sua comercialidade & sua prdpria natureza intrinseca, Sao actos gerados ¢ tipificados pelas necessidades da vida comercial, Uns so absolutos em virtude de serem actos tipicos, essencialmente integrantes de actividades que formam o objecto do Direito Comercial, ou seja as actividades comerciais, P. ex: as referidas no art® 230° do C, Comercial. Outros, so atos absolutos em razdo da sua forma ou do objecto sobre o qual incidem, P..ex.: 08 atos relativos a letra, livranga ¢ cheque. b) Atos por conexao ou acessoriedade sio 0s que devem considerar-se comerciais em consequéncia da sua relagdo de conexdo ou acessoriedade, quer com um acto de comé fundamental, quer com a exploragdo de uma empresa mercantil, quer com 0 coméreio em geral P. ex: a fianga, © penhor, o empréstimo ou o mandato comercial - art? 231° C. Comercial (dé-se “mandato comercial” quando uma pessoa se encarrega de praticar um ou mais atos de coméreio por mandato de outrem). A lei considera 0 mandato como comercial, quando ele se apresenta como acessério de um acto de comércio. Atos formalmente comerciais e actos substancialmente comerciais a) Atos formalmente comerciais - hi disposigdes na Lei Comercial que prevéem certos mecanismos ou esquemas formais que aos interessados € possivel ou licito utilizar para a realizagio de operagdes econémicas de diverso tipo, mesmo que nada tenbam a ver com 0 comércio. P. ex: empréstimo entre amigos - subscreve-se uma Letra de cambio, Isto é um ato formalmente comercial, pois tem por detris de si, um acto de natureza nfo comercial, b) Atos substancialmente comerciais ~ Aqui, subjacente ao ato formalmente comercial, esti ‘uma operacio mercantil ou um outro acto mercantil, que é comercial pela sua natureza. Esta classificagao de atos, tem interesse juridico relevante, na medida em que a doutrina dominante entende que, face ao art? 13° n° 1 do C Comercial, sé adquire a qualidade de sionalmente atos “substancialmente comerciais comerciante quem pratica profi fundamentalmente os empresirios (em nome individual ou colectivo). Daqui resulta existir, no Aambito do Direito Comercial, uma concecio empresarial dos atos do coméreio, na medida em que os podemos facilmente identificar no desenvolvimento da actividade das empresas, sejam elas em nome individual ou colectivo (as chamadas sociedades comerciais).. 4. Actos bilateralmente comerciais (ou puros) e unilateralmente comerciais (ou mistos). a) Atos bilaterais ou puros sio actos que tém qualidade mercanti] em relago as duas partes. P. ex: se numa compra e venda o adquirente do bem o adquirir para revenda, a compra é comercial. b) Atos unilaterais ow mistos so actos que apenas stio comerciais em relago a uma das partes e civis em relagao & outra. Ja se a pessoa que vai comprar destina a coisa a consumo, faz Ver arts 463° n°l ¢ 464° n° 1 do C Comercial uma compra civil |EITOS DA ATIVIDADE COMERCIAL A.Ciéncia Econémica da-nos 0 conceito de “COMERCIO” como sendo: - toda a atividade de mediagio entre a produgdo e 0 consumo de bens em que 0 Agente Econémico especula com o valor dos bens, correndo um risco, visando um lucro. Diferencia-se 0 Comércio da Industria, porque ao contrério desta 0 Comércio nao é uma atividade criadora, ou seja de Produgao. A.utilidade do comércio consiste pois no acesso aos bens por parte dos consumidores ou de outros comerciantes situados na fase seguinte da cadeia de comercializacao. Jd vimos que nem o art? 2° nem o art? 2308 do C. Comercial nos permitiram definir Ato do Comercio, nem nos indica qual a matéria comercial, © art? 22 diz-nos quais so, mas no 0 que so, nem faz enumeragao explicita, nem exemplificativa ou taxativa desses atos. Antes remete para outros preceitos ou normas da Lei Comercial e para as atividades dos comerciantes. Entre tais normas j afloramos os art2s 2302 € 463° do C. Comercial (este tiltimo relativo as compras e vendas comerciai). Existe uma concego mista em Direito Comercial: O Art? 22 abrange como Atos do Coméri = Os que estiverem regulados na Lei Comercial e noutras leis em razio dos interesses do comércio: - ATOS OBIETIVOS ~ independentemente de serem ou no praticados por comerciantes, e Os que forem praticados por comerciantes: - ATOS SUBJETIVOS - presumindo-se que 0 so no exercicio ou em ligago com 0 seu comércio. Presuncdo porém, elidivel pela demonstraco que o ato é de natureza I, por no poder ser praticado em relago com 0 comércio ~ p. Ex.: Transacao por parte de uma Associagao ou Fundaco ou Ente puiblico ou que do proprio ato resulta que ele é alheio @ atividade de quem o praticou. ~ p. Ex.: Letra que tem subjacente nao uma atividade comercial- (Art? 22 - 2 parte). p.ex.: - compra para consumo; parecer de jurisconsulto; consulta de um médico; etc... exclusivamente