You are on page 1of 4

LEI DA PERTURBAÇÃO DO SOSSEGO: TUDO O

QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA SE LIVRAR


DO PROBLEMA
Há muitas pessoas que gostam de som alto. Trata-se, no entanto, de uma diversão que
não agrada a maioria e que desrespeita a lei da perturbação do sossego.
Geralmente, a vizinhança se sente incomodada. Ora é o volume do som da casa ou do
apartamento ao lado que está muito alto ou, então, a reforma da casa de outro vizinho
que vai longe demais. Animais de estimação que fazem muito barulho à noite estão no
mesmo patamar de incômodo.
Na rua, há veículos potencializados com instrumentos sonoros que abusam a todo o
tempo. Há indústrias ruidosas. Também há gritaria e algazarra, principalmente em frente
a clubes noturnos. Mesmo aos fins de semana, principalmente durante a madrugada
quando vigora a Lei do silêncio, é proibido incomodar o descanso alheio, como diz
a lei da perturbação do sossego.

Imagine a seguinte situação:


Você tem um bebê recém-nascido em casa.

Ele está doente, com aquelas dores que frequentemente acometem aos bebês pequenos.

Você está exausto, pois cuidar de uma criança é uma tarefa nada fácil.

Então, você o medicou e ficou cuidando incansavelmente até que conseguiu fazê-lo
dormir.

Ótimo! Você vai conseguir descansar.

No entanto, dez minutos depois, um vizinho aumentou o volume do som bem ao lado do
quarto e… Bem, o bebê acordou.

Saiba que você não é obrigado. Faça valer a lei da perturbação do sossego.

Lei da perturbação do sossego: “Ninguém é


obrigado”
Apesar de não ser levado a sério, incomodar os vizinhos com som alto ou de qualquer
outra forma é um ato tipificado no art. 42 da Lei das Contravenções Penais como
perturbação do sossego alheio, conforme disposto no Art. 42.
Popularmente, ela é chamada de lei da perturbação do sossego. O trecho em questão
classifica como transgressão a perturbação do trabalho ou do sossego de alguém com:
1. Algazarra e/ou gritaria;
2. Exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais;
3. Abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;
4. Provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que seja o
tutor.
Um ano de prisão é a pena prevista para a Lei das Contravenções. Ao sentir-se
incomodado ou percebe que a lei da perturbação do sossego está sendo violada de
alguma forma, você deve:
1. Tentar resolver amigavelmente com uma conversa. No entanto, deixe claro que o
próximo passo é uma denúncia formal.
2. Se não resolver, vá até a Delegacia de Polícia mais próxima e faça um boletim de
ocorrência.
3. Se mesmo assim, o barulho persistir, vá até o Ministério Público e faça sua
reclamação, solicitando que seja feita uma denúncia. É interessante, neste caso, que
vários vizinhos também façam a solicitação.

Perturbação do sossego. Entenda


a Lei de Contravenções Penais
Existe a crença de que ninguém tem direito de fazer barulho excessivo com
perturbação do sossego das 22 horas de um dia as 5 horas da manhã do outro,
mas isso não é verdade.

De acordo com a LCP, a Lei de Contravencoes Penais, no seu artigo 42,


não se pode perturbar o trabalho ou o sossego alheio nas seguintes condições:
 Com gritaria e algazarra;

 Com o exercício de profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as


prescrições legais;

 Com o abuso de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;

 Provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal


de que tem a guarda.

A penalidade é de prisão de 15 dias a 3 meses ou multa, dependendo do caso.


Portanto, não existe uma hora determinada para que qualquer
pessoa utilize sons mais altos, que perturbem o sossego alheio,
incomodando vizinhos.
Vale lembrar que o reclamante não precisa acompanhar a polícia até a
delegacia, já que uma pessoa que notifica acerca de uma infração penal não
está cometendo um ato ilícito, está antes exercendo o seu direito, não
precisando nem se identificar, uma vez que isso poderá causar dissabores
pessoais com o infrator.
O que deve ser feito no caso de perturbação
do sossego?
No caso de uma reclamação por perturbação do sossego, o responsável pela
contravenção será, primeiro, advertido sobre seu ato, seja ele qual for, sendo
solicitado que pare com a perturbação.

No caso de persistir, poderá ser preso, já que estará cometendo o crime de


desobediência, sendo também apreendido o objeto que está causando a
perturbação, quando for o caso.

Um motorista que esteja com o som alto demais em qualquer lugar, também
pode passar pela mesma situação, sendo advertido pelo policial sobre o
incômodo que está provocando. Se o motorista não parar com o som alto, terá
cometido, antes, uma contravenção e, em seguida, o crime de desobediência,
previsto no artigo 330 do Código Penal, uma vez que a ordem do policial está
dentro da lei.
Se, mesmo assim, o motorista não parar com o som e não desligá-lo, o policial
deverá proceder à apreensão do veículo envolvido, aplicando uma multa ao seu
proprietário, constatado que está o abuso na emissão de sons e ruídos em
logradouros públicos, também obedecendo o que está no Código de Trânsito
Brasileiro, no artigo 229.
O mesmo pode acontecer se a perturbação for proveniente da realização de
qualquer atividade, seja de diversão ou lazer, seja comercial ou religiosa.
Mesmo que uma igreja, por exemplo, tenha o alvará para a prática de reuniões
religiosas, não interfere na legislação sobre perturbação do sossego.

A contravenção é penal. Qualquer evento deve ter meios de impedir a saída de


som para a parte externa dos estabelecimentos, pouco importante a existência
de prova técnica que possa atestar a quantidade de decibéis.

Evidentemente, o bom senso deve ser utilizado em qualquer caso, já que todo e
qualquer lugar terá um som, um barulho que pode incomodar os vizinhos. O
ideal é sempre buscar meios menos problemáticos de resolver a situação,
solicitando que o som seja baixado, sem necessidade de perturbar policiais
com casos desse tipo e sem recorrer às vias judiciais.
E o bom senso sempre tem uma regra bastante clara: não faça aos
outros o que não quer que seja feito contra você.

Fontes:

https://acintiazc.jusbrasil.com.br/noticias/417381697/perturbacao-do-sossego-entenda-
a-lei-de-contravencoes-penais

http://franzoni.adv.br/lei-da-perturbacao-do-sossego/
Comunico aos vizinhos do 201 por meio desta,

Prezados, já tentei duas vezes pedindo para que o barulho infernal que vocês
fazem pare. Como consta a Lei de Contravenções Penais Art. 42 e como eu disse
ao senhor, não existe horário que se determine quando se pode ou não perturbar o
sossego alheio. Venho, por meio desta, mais uma vez, pedir para que o senhor
tenha bom senso e pare de perturbar nós do 101, e a Renata do 301. Nós
moramos aqui há muitos anos, e, por mais que saibamos que aqui existe muito
ruído tanto externo ao condomínio, quanto dos próprios moradores, estamos
assustados, pois nunca havíamos visto tamanho barulho e perturbação.

Jogar futebol na altura que os senhores jogam é fora de cabimento. Portanto,


peço, mais uma vez, que vocês vejam o nosso lado, coloquem-se nos nossos
lugares e pensem como é ruim uma pessoa no conforto do seu lar ter que passar
por isso todos os dias.

Comunico aos senhores que esse é a última reclamação informal que eu estou
pedindo, antes de tomar as devidas providências caso não cesse. São elas:

1) Reclamação formal perante o síndico;


2) Reclamação formal à imobiliária com abaixo assinado dos
moradores lesados;
3) Boletim de ocorrência na delegacia mais próxima;
4) Recorrer ao Ministério Público com mediação de advogado.

Esperamos, claro, que não cheguemos a isso!

Forte abraço e mais empatia para com o próximo!