You are on page 1of 7

A SAÚDE NO ESTADO

Matérias Jornalísticas - Destaques nos principais jornais e websites

20 de novembro de 2018 (Terça-Feira)


Sai edital para reposição no programa Mais Médicos. Confira!

20/11/2018 08:09

Desde 2016 o governo federal vem realizando ações que visam a diminuição da participação dos médicos cubanos no programa
Mais Médicos (Foto: Divulgação/MS)
O Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, tornou publico através do Diário Oficial da União, na manhã desta terça-feira (20), o
edital nº 18/2018 referente a reposição de profissionais ao Programa Mais Médicos. O órgão está ofertando 8.517 vagas, o certame tem
como objetivo substituir os médicos cubanos, após o anúncio da saída de Cuba do programa. Desse total de vagas, 537 serão destinadas
aos médicos do Pará e as restantes serão distribuidas para outros Estados.
LEIA MAIS:
Saída de cubanos deve afetar saúde no interior do Pará
Todas as oportunidades em disputa são voltadas para profissionais médicos e serão distribuídas entre 2.824 municípios e 34 distritos
indígenas do Brasil. A lista com o número de vagas está disponível no edital.
Requisitos para investidura ao cargo:
Ser graduado em medicina em instituição de educação superior brasileira ou em instituição de educação superior estrangeira revalidado no
Brasil;
Ser registrado legalmente para o exercício da medicina, mediante registro junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM) no Brasil; estar
em situação regular perante autoridade criminal no Brasil; não estar participando do Projeto Mais Médicos ou do Programa de Valorização
do Profissional da Atenção Básica (PROVAB).
Inscrições:
As inscrições estarão disponível a partir desta quarta-feira (21) e vai até as 23h59 de 25 de novembro de 2018 e serão efetuadas através
do site Mais Médicos. Ainda no site, o interessado irá preencher um formulário com seus dados pessoais, sendo obrigatório informar o
endereço domiciliar, endereço eletrônico (e-mail) e telefone. Além disso, o candidato poderá optar pelo município na qual deseja trabalhar.
Os médicos selecionados para o programa realizarão um curso de aperfeiçoamento e receberão bolsa-formação com valor mensal de R$
11.865,60 mensais.
Hemorrede estadual inicia campanha em homenagem ao doador de sangue
“Salvar Vidas Está no Meu Sangue” é o tema da Semana do Doador 2018 que inicia nesta segunda-feira (19) e vai até o dia 23
deste mês

19/11/2018 16:19h

“Salvar Vidas Está no Meu Sangue” é o tema da Semana do Doador 2018 que inicia nesta segunda-feira (19) e vai até o dia 23 deste mês,
nos Hemocentros Regionais de Marabá e Santarém; e nos Hemonúcleos de Redenção, Abaetetuba, Tucuruí e Altamira. Com datas
diferenciadas e de acordo com a realidade local de cada unidade, a campanha de incentivo à doação de sangue e em homenagem aos
doadores no Hemocentro Regional de Castanhal será promovida de 26 a 30/11. No Hemonúcleo de Capanema a programação será de
26/11 a 14 de dezembro. Já em Belém, a ação do Hemocentro Coordenador será de 24/11 a 1° /12.
As datas são alternadas, mas o objetivo é um só: aumentar o número de coletas no Pará, que vem enfrentando dificuldades com redução
contínua no comparecimento de doadores em todas as unidades. Atualmente essa redução no número de coletas varia entre 30% a 60%.
A campanha em homenagem aos doadores de sangue é realizada pelos hemocentros brasileiros como forma de parabenizar e agradecer
esses voluntários que salvam vidas anonimamente.
Em todas as unidades do Pará, o clima será de festa e descontração para receber o voluntariado, com lanche especial, ambiente decorado
e muito carinho com a população potencialmente doadora de sangue. Atualmente, 2,2% da população do Estado doa sangue com
regularidade. Pode parecer um índice baixo, mas ainda está acima da média nacional, que é 1,9%. O percentual precisa aumentar e
atender a sugestão da Organização Mundial de Saúde (OMS), que preconiza que a população doadora no país deve variar entre, pelo
menos, de 3% a 5%.
Na capital, a campanha “Salvar Vidas Está no Meu Sangue” será aberta com programação cultural de 8h ao meio dia, no estacionamento
do Hemopa. Já confirmaram presença Wanda Ravelly, Vittinho Ferrari, Banda Mistra Quente, Ministério Pará Sal Luz, Jorginho Gomez e
amigos e Henrique Brandão.
No dia 25, haverá a “Caminhada Pela Vida”, que vai percorrer 3,5 km pelas ruas de Belém. A concentração será às 6h na Fundação
Hemopa e vai terminar na Praça da República, onde haverá coleta de sangue, próximo ao Theatro da Paz, com a unidade móvel de 8h às
13h.
Para ser um candidato à doação de sangue, é necessário ter entre 16 e 69 anos (menores devem estar acompanhados do responsável
legal), ter mais de 50 kg, estar bem de saúde e portar documento de identificação oficial, original e com foto. Homens podem doar com
intervalo de dois meses e mulheres, a cada três meses. Para mais informações sobre as ações realizadas na hemorrede, acessar o site:
www.hemopa.pa.gov.br. Ou entrar em contato com o 08002808118.

Por Vera Rojas

Pastoral da Saúde fortalece acolhimento voluntário no Oncológico Infantil

19/11/2018 11:55h

Na luta contra o câncer, além do diagnóstico precoce e da assistência especializada, a fé pode ser uma grande aliada no tratamento,
promovendo bem-estar psicológico, fundamental no processo de cura do paciente. No Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em
Belém, a oferta desse atendimento passa pela dedicação voluntária de diferentes comunidades religiosas, que recentemente ganharam um
novo estímulo com a implantação da Pastoral da Saúde na unidade, durante a visita de Dom João Bosco, superintendente de Atividades
Assistenciais da Pró-Saúde, que gerencia o hospital, e de Lenivaldo Carvalho, assistente de Filantropia da Pró-Saúde.
Em reunião com representantes dos grupos de voluntários e equipe de Humanização do Hospital Oncológico Infantil, Dom João Bosco
reforçou a importância dos resultados desse tipo de trabalho que. “A Pastoral traz na força da palavra de Deus a esperança para a cura, a
alegria para essas famílias e a preservação da beleza no olhar dessas crianças. Agora, nós queremos institucionalizar esse trabalho”, disse
o religioso, que também é arcebispo Emérito de Diamantina (MG).
As palavras do arcebispo fizeram a voluntária Lilian Acatauassu reforçar sua crença na missão de dedicar seu tempo às crianças em
tratamento contra o câncer. “Acredito que a ciência abre muitas portas, mas tem uma que só Deus pode abrir, e é isso que queremos trazer
sempre que encontramos essas famílias”, frisou Lilian.
Assistência humanizada - Para a diretora Hospitalar do Oncológico Infantil, Alba Muniz, a implantação do projeto institucional da Pastoral
da Saúde fortalece ainda mais a oferta de uma assistência humanizada para crianças, adolescentes e familiares que os acompanham na
luta contra a doença. “É o momento de fortalecer todo esse processo de tratamento, levando cuidado espiritual e psicológico de uma forma
leve, que é o objetivo da Pastoral”, ressaltou a diretora.
Além do Oncológico Infantil, Dom João Bosco conheceu o trabalho religioso feito por voluntários nos hospitais Público Estadual Galileu, em
Belém, e Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, que também são gerenciados pela Pró-Saúde Associação Beneficente
de Assistência Social e Hospitalar, por meio de contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Por Marcelo Leite


Hospital Materno-Infantil alcança 97% de satisfação entre usuários

A unidade é gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato junto à Secretaria
de Saúde Pública do Estado do Pará (Sespa).

19/11/2018 11:50h

Em apenas um mês de funcionamento, o Hospital Materno-Infantil de Barcarena Dra. Anna Turan (HMIB) alcançou 97% em satisfação dos
usuários, de acordo com o Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU). Nesse período, o hospital teve grande atuação na região em
atendimento humanizado, serviços e equipamentos.
“Tivemos apenas oito reclamações/sugestões, segundo os formulários de pesquisa de satisfação geral contabilizados pelo setor neste
primeiro mês. Todas elas foram solucionadas durante a permanência do paciente no hospital”, comemora a auxiliar administrativo do SAU,
Kalila Rodrigues.
A unidade é gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato junto à Secretaria de
Saúde Pública do Estado do Pará (Sespa).
Durante o mês inaugural, foram realizados seis partos naturais e 16 cesarianas – sendo duas de gemelares -, totalizando 22 partos e 24
bebês nascidos na Unidade. Os tipos de parto foram realizados com o consentimento das usuárias, a partir da condiação clínica de cada
uma, avaliada pela equipe Multiprofissional. Durante o período, o Hospital não teve nenhum registro de óbito.
O balanço, que corresponde ao período de 8/10 a 8/11, mostra o total de 259 exames laboratoriais e por imagem realizados e 38 vacinas
administradas aos recém-nascidos. “Esse quantitativo está ótimo para o nosso primeiro mês. Todos os bebês de alta foram vacinados
contra a hepatite e também a vacina BCG, para prevenir a tuberculose. As famílias saíram com a carteira de vacina e foram orientadas a
darem continuidade na Unidade de Saúde Básica mais próxima à residência”, afirma a enfermeira responsável pelo Serviço de Apoio
Diagnóstico Terapêutico (SADT), Helen Domiciano.
Ao todo, foram registradas 111 entradas na Unidade de Atendimento à Intercorrências. Dessas pacientes, algumas são conterrâneas de
Barcarena, outras vieram de municípios da região, como Abaetetuba e, também, de localidades mais distantes, referenciadas pela Central
de Regulação da Secretária de Estado de Saúde, como Muaná e Igarapé-Miri.
Primeiros atendimentos
Ana Rita Carvalho, 35 anos, moradora do Km 60 da Alça Viária, foi a primeira pessoa a ser atendida no HMIB no dia 08/10, com entrada
pela Unidade de Atendimento a Intercorrências. Gestante de alto risco, chegou na Unidade com dores e sangramento, ficou internada por
uma semana e teve alta hospitalar após estabilização do quadro de saúde. Entretanto, com 7 meses de gestação precisou ser
hospitalizada novamente e realizar uma cirurgia cesariana de emergência.
“Meu coração só vai ficar ótimo quando puder levar meu filho para casa, mas o que me conforta é que sei que ele está sendo bem cuidado,
pois eu também fui bem cuidada por todos aqui nas duas internações. Sei que os profissionais daqui fazem tudo pela gente”, declarou Ana
Rita, que está com seu bebê internado na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal para cuidados específicos, porém, o estado de saúde
dele é considerado estável.
Quem também completou seu primeiro mês de vida foi Samuel, o primeiro bebê nascido no Hospital Materno-Infantil de Barcarena. A mãe
dele, Eliana Holanda, chegou na Unidade com diagnóstico de pré-eclâmpsia, considerado estado de saúde grave. Eliana tentou engravidar
por nove anos e, segundo ela, a inauguração do HMIB coincidiu com o dia que ela entrou em trabalho de parto. “Estou me recuperando
muito bem da cirurgia. Queria agradecer por tudo que foi feito no Hospital, porque foi uma grande benção para todas as mães no
município. O Materno foi esperado por tanto tempo e, para a gente, uma benção maravilhosa que Deus proporcionou, sobretudo porque a
abertura aconteceu no dia que precisamos”, declarou Eliana.
Após alta, Samuel realizou três exames na Unidade e segue em acompanhamento ambulatorial no HMIB.
Ampliação dos serviços
De acordo com a diretora hospitalar Stéphanie Valdivia, a perspectiva para novembro é iniciar as atividades do ambulatório, o que refletirá
no aumento das demandas. “A Central Estadual de Regulação está habilitando nossos exames e consultas para os municípios solicitarem,
por exemplo, mamografia, raios-x e colposcopias. As cirurgias pediátricas e ginecológicas também vão impulsionar o número de internação
neste mês”, reitera.
Um dos diferenciais da Unidade são as visitas estendidas, com acompanhantes 24 horas na UTI e UCI, e capacitação para o colaborador
por meio de treinamentos diários in loco. “Temos colocado visitas estendidas na UTI Adulto, isso é muito raro. Já conseguimos comprovar
que para o quadro da paciente isso é muito bom, porque quando elas estão sozinhas tendem a ficar mais depressivas, mais chorosas,
inclusive, descontentes por ficarem tanto tempo na internação. O nosso papel aqui é realmente estimular nelas a motivação, o vínculo com
o bebê. São injeções de ânimo para que eles tenham uma evolução e melhora no tratamento”, ressalta a diretora.

Por Carolina Lobo