You are on page 1of 3

1 APLICAÇÕES DA ERGONOMIA

1.1 Na indústria
A ergonomia, no setor industrial, é um fator relevante no aumento da produtividade e
diminuição de riscos de acidentes provenientes do posto de trabalho. A ergonomia é
responsável pela melhoria das interfaces dos sistemas homem-tarefa, melhoria das condições
ambientais e organizacionais do trabalho, etc. A aplicação sistemática da ergonomia na
indústria é feita identificando-se os locais que ocorrem problemas ergonômicos mais graves:
alto índice de erros, acidentes, doenças, absenteísmo e rotatividade. Com isso, pode estar
ocorrendo uma inadaptação das máquinas, falhas na organização do trabalho ou deficiências
ambientais. A análise ergonômica, além dos benefícios para o trabalhador, também é importante
para a empresa, já que evita que a mesma obtenha processos trabalhistas, por exemplo.
1.2 No setor agrícola
A agricultura é um dos setores de atividade considerados mais perigosos, sujeitando os
trabalhadores a vários fatores de risco. Porém, não só no Brasil, mas sim no mundo todo, são
escassas as pesquisas ergonômicas voltadas a esta atividade. Os riscos nesse setor, em geral, se
resumem em desordens no músculo esquelético e danos nas costas devido as tarefas físicas
exigentes que envolvem posturas inclinadas para frente abaixando e levantando, além de
trabalhos de mão repetitivo. Neste setor, a ergonomia aplica-se em melhorias de projetos de
máquinas, melhoria das tarefas de colheita, transporte e armazenagem, estudos sobre os efeitos
dos agrotóxicos, etc. Além disso, a ergonomia também é responsável pela educação dos
trabalhadores sobre os riscos e as formas de prevenção.
1.3 Nos serviços
O setor de serviços remete a todas as atividades voltadas ao comércio, saúde, educação,
escritórios, bancos, lazer e prestações de serviços em geral. A ergonomia, aplicada
principalmente na área da informática, é empregada para aperfeiçoar o projeto de sistemas de
informação principalmente em relação ao desenvolvimento de problemas na saúde física,
resultantes de usos prolongados e condições ergonômicas inadequadas. Aplicada em outras
atividades, a ergonomia atua pela necessidade de alterar layouts físicos, a fim de melhorar a
interação homem-máquina-ambiente.
1.4 No dia-a-dia
Além de postos de trabalho, a ergonomia também é aplicada em diversas atividades diárias,
nos proporcionando atividades rotineiras com maior conforto, segurança, qualidade e
produtividade, com um ambiente adequado conforme nossas necessidades. Os mobiliários e
sua posição em relação ao posto influencia bastante no que se refere a condição ergonômica do
indivíduo, já que uma postura incorreta pode levar a lesões. Além disso, equipamentos devem
levar em conta que irão ser utilizados conforme a atividade a ser exercida, posicionando-os
onde facilitará o manuseio e a execução. A ergonomia também se aplica em análise das
atividades domésticas, observando posturas inadequadas, como varrer o chão ou cuidar de um
bebê, considerando o clima doméstico, desníveis no chão, etc.

2 CASES DE INTERVENÇÃO ERGONÔMICA


2.1 Feirantes

Foi realizado um estudo, com o objetivo de fazer uma AET aplicada ao posto de trabalhos
dos feirantes, na cidade do Rio de Janeiro. A AET, feita para quatro feirantes, foi dividida em
5 partes: análise de demanda, análise da tarefa, análise da atividade, diagnóstico e
recomendações ergonômicas. Como diagnostico, foi notado a baixa qualidade tanto no
dimensionamento do posto de trabalho dos feirantes, quanto na forma como os feirantes
manipulam suas mercadorias antes mesmo de chegarem a feira. Em relação ao
dimensionamento do posto de trabalho, notou-se carregamento de peso e outras atividades com
posturas inadequadas, alturas de superfície de trabalho fora da altura recomendada e tempos
prolongados de trabalho em pé. Como possuem problemas semelhantes, as recomendações
ergonômicas foram dadas com uma visão mais geral. A pesquisa ressaltou a necessidade de
compensação muscular para aliviar sobrecargas e tensões nas posturas dos feirantes, já que o
mesmo é realizado somente na posição em pé. Uma das recomendações foi a
alternância/revezamento de duas posturas durante a jornada de trabalho, proporcionando a
redução dos fatores de risco, como problemas graves na coluna/hérnias. As vantagens,
especificamente para este posto de trabalho, são: melhor qualidade de vida aos feirantes e a
melhora na qualidade e nas formas como são realizadas as atividades e tarefas executadas por
estes, evitando que tais trabalhadores tenham sérios problemas de saúde no futuro,
impossibilitando-os de realizar suas atividades de sustento.

Disponível em: <


http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/mostraucsppga/mostrappga2014/paper/viewFile
/3724/1161.> Acesso em: 6 de dezembro de 2018.

2.2

2.3
3 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO ERGONÔMICA

3.1

3.2

3.3