You are on page 1of 2

Módulo 4

Arquitetura de Microprocessadores

Carga horária: 30 Tempos

Ficha 4

Nome: Número: Classificação:

Arquitetura de Microprocessadores -

 Conceitos básicos…

O que são interrupções?


Por vezes o CPU interrompe o seu trabalho para atende outros pedidos. Para esse efeito, o CPU possui linhas de
interrupção próprias que disponibiliza para atender interrupções provenientes de dispositivos exteriores (por exemplo,
um tecla premida). Para atender a interrupção, tem de saber onde interrompeu o trabalho anterior, para
posteriormente poder retomar a execução do programa principal. Assim, só é possível o CPU conseguir este feito, se
armazenar temporariamente a informação de que estava a tratar nesse momento em memória.
É precisamente aqui que entra um registo especial de nome Stack Pointer (SP). Será esse registo o responsável
por guardar a informação relativa às interrupções numa zona especial da memória denominada por Stack (pilha). A sua
função passa por guardar a informação de retorno à rotina que estava a ser executada antes da interrupção ter lugar,
ou seja, o valor do PC. Desta forma, o PC fica livre para poder ser carregado com o endereço da rotina que gerou a
interrupção.
Passo que ocorrem durante uma interrupção
a. O Conteúdo do registo PC (endereço de memória) é guardado na Stack (1).
b. Guardam-se os valores dos registos internos a ser utilizados aquando da interrupção, igualmente na Stack (1).
O apontador SP é incrementado para apontar para a próxima posição da pilha, isto é, para a posição
imediatamente acima (2).

Fig. 1 – Estado da interrupção

Elaborado por: Vítor Oliveira

1
Módulo 4
Arquitetura de Microprocessadores

Carga horária: 30 Tempos

Porém, para garantir o correto funcionamento deste mecanismo de transferência de dados, é preciso ter um sistema
com uma organização de E/S semelhante à da figura a seguir:

Fig.2 – Organização de E/S

Execução das interrupções


A execução de interrupções necessita tanto de ações de hardware como de software, as quais, podem ser sumarizadas
pelo seguinte fluxograma:

Fig.3 – fluxograma de execução de interrupções

Elaborado por: Vítor Oliveira