You are on page 1of 1

Unhasdegel

À ESPERA DE
INVESTI~AÇÃO
As lâmpadas usadas para
secar o verniz nas unhas
de gel aumentam o riSGO
de cancro da pele?
A questão foi levantada pela revista
científica lama Network, mas não vale a
pena entrar em pânico: apesar de haver
indícios de que a exposição às lâmpadas
lN pode aumentar o risco de cancro
Inquérito alimentar nacional
de pele, são precisos mais estudos para
comprovar a relação.
As unhas de gel e o gelinho são mais Muito
, açúcar .

a mesa
-resistentes do que o verniz normal. . .

Daí a sua popularidade. O mecanismo


é simples: aplicam-se uma ou duas
camadas de gel nas unhas e, depois, o
verniz de cor. No caso do gelinho, é usado Um quinto dos portugueses
apenas um verniz especial. Para secar, as
mãos são colocadas sob lâmpadas lN ou bebe refrigerantes todos os dias
LED. Estas emitem radiação ultravioleta,
que contribui para o envelhecimento De acordo com o segundo inquérito alimentar nacional
da pele e, nalguns casos, para o ede atividade física, do Instituto de Saúde Pública da
aparecimento do cancro. No entanto, Universidade do Porto, mais de 95% da população ingere
trata-se de um risco baixo. Ainda assim, mais açúcares simples do que o máximo indicado por
se é adepta da-prevenção, 20 minutos pela Organização Mundial de Saúde, 10% da energia
antes de começar a manicure, aplique diária necessária, e quase um quinto bebe refrigerantes
protetor solar com filtros lNA e UVB ou néctares todos os dias. Na fruta e nos produtos
nas mãos. hortícolas, metade dos portugueses ficam aquém das
cinco doses aconselhadas por aquela organização.
Preocupante é também o facto de 10% das famílias terem
dificuldade em pôr comida suficiente na mesa, por falta
de recursos económicos. As maioria destas famílias tem
crianças e jovens com menos de 18 anos.
A par da alimentação pouco cuidada surge a inatividade
física. Apenas quatro em cada 10 portugueses praticam
exercício de forma programada. As estimativas da
Organização Mundial de Saúde apontam para 900
milhões de euros de custos associados à inatividade
física, num país de 10 milhões de habitantes, em que .
metade são sedentários. ADireção-Geral da Saúde
revela que, para Portugal, estes custos não devem andar

I
longe da realidade. E, se assim for, representam 9% do
orçamento da Saúde em 2017, o que, por si, justifica um
maior investimento na promoção da atividade física.

127teslesaúde 5

L,