You are on page 1of 24

Informação epidemiológica e populacional

4. A demografia e o
envelhecimento populacional

Ana Amélia Camarano

Estamos todos inseridos numa população e a sua dinâmica impacta Os três primeiros temas deste
módulo estão baseados em um
vários aspectos da vida, no espaço onde vivemos (território), em vários texto produzido em co-autoria com
momentos no tempo. O envelhecimento da população coloca para os Solange Kanso, Patrícia Damasceno
e Simone Figueiredo (CAMARANO,
formuladores de políticas a necessidade de ampliar os serviços de aten- 2005).
ção à saúde para idosos, a delinear uma política de cuidados para os
idosos dependentes e a buscar fontes de financiamento para garantir os
benefícios da seguridade social. Por outro lado, um país que se caracte-
riza por uma estrutura etária jovem requer a expansão de serviços como
educação, habitação e maiores oportunidades de emprego.

A dinâmica de uma população, ou seja, o seu movimento, depende do


número de nascimentos e de mortes. Por exemplo, nos segundos que
você levou para ler este parágrafo, cerca de 253 crianças nasceram vivas
no mundo e aproximadamente 106 pessoas morreram. O resultado
é um aumento de 148 novos habitantes no mundo. Isto significa um
acréscimo de cerca de 78 milhões de pessoas a cada ano no planeta que,
em 12 de junho de 2007, tinha uma população estimada em 6,6 bilhões
de habitantes1. Estima-se para o Brasil, nessa mesma data, uma popula-
ção de 189 milhões de habitantes2. Já na Vila Brasil residiam nesta data
2.121 pessoas.

Eventos históricos podem ter um impacto significativo sobre as popu-


lações como, por exemplo, guerras, que podem dizimar uma geração
1
Dados retirados do U.S. Census Bureau (2007).
2
Estimado pelo IBGE (2000).

111
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

de homens, como ocorreu no século passado na União Soviética, Ale-


manha, França e Iraque. A melhoria do padrão de vida, bem como
o desenvolvimento da Saúde Pública, pode reduzir a mortalidade e
aumentar a expectativa de vida. Por outro lado, uma contaminação
ambiental aguda pode provocar um aumento da morbidade referida
e/ou das taxas de mortalidade em certas áreas geográficas. Da mesma
maneira, a violência, o aumento do tráfico de drogas, a falta de conser-
vação das estradas, o uso excessivo de bebidas alcoólicas provocam um
aumento da mortalidade por causas externas, afetando mais a popula-
ção masculina adulta jovem.

O que vem a ser demografia?


A demografia é o estudo das populações, em busca de novas e antigas
informações por meio de levantamentos em censos, registros de nasci-
mento e óbitos, movimentos migratórios, pesquisas amostrais, registros
de seguros de vida e até mesmo outras fontes, tais como registros esco-
lares e de veículos motorizados. Os demógrafos analisam e processam
essas informações para torná-las manejáveis sob a forma de dados bru-
tos, taxas, proporções, razões ou outros tipos de estatísticas.

A Organização das Nações Unidas (ONU) define demografia “como o


estudo da estrutura, composição e movimento das populações humanas,
principalmente em relação à estrutura, tamanho e desenvolvimento”
(ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS apud IBGE, 1969).

Pressat e Wilson (1985) no seu dicionário de demografia, versão inglesa, a


definem como: “O estudo das populações humanas em relação a mudan-
ças causadas pela interrelação entre nascimentos, mortes e migração”.

Segundo o Dicionário de Demografia (PRESSAT; WILSON, 1985), os


estudos demográficos passam por três fases:

1. Coleta de dados
2. Análise demográfica
3. Estudos populacionais

Isso não quer dizer que a demografia seja uma ciência que apenas “conta”
pessoas. Além de levantar as informações que permitem conhecer o
tamanho e a composição da população, essa ciência busca conhecer

112
A demografia e o envelhecimento populacional

os processos que os influenciam e a relação dos elementos estáticos e


dinâmicos no contexto socioeconômico, cultural, territorial, no tempo.
Isto permite a elaboração de projeções sobre o comportamento futuro da
população em estudo, o que é de suma importância para o planejamento
das necessidades básicas de uma população, como, por exemplo, vagas
escolares, número de vacinas para gripe etc.

“Demografia não é a ciência apenas de contar as pessoas, mas a de fazer


com que as pessoas contem” (SCEATS, 1994 apud POOL, 1997).

Sintetizando, a demografia estuda os movimentos de uma população num


determinado período de tempo e num território definido. Isto será mais
detalhado a seguir, quando tratarmos da equação demográfica básica.

Atividade 1

Entre na página eletrônica do Datasus (www.datasus.gov.br) e levante o nú-


mero de nascimentos e óbitos ocorridos na população do município onde você
trabalha, nos anos de 1995, 2000 e 2005.

Analise e registre as alterações percebidas e envie para o tutor.

A equação demográfica básica


Como já se mencionou, populações mudam devido a variações em
um ou mais de seus componentes básicos (fecundidade, mortalidade
e migração). Por exemplo, considere a população de um determinado
território num determinado tempo t. Esta população possui Pt pessoas e
um ano depois possuirá Pt + 1 . Assim sendo, o seu movimento pode ser
descrito pela seguinte equação:

Pt + 1 = Pt + Nt – Ot + It – Et

onde:

Nt e Ot são, respectivamente, o número de nascimentos e de óbitos ocorridos na


população no período entre t e t + 1,
e
It e Et são, respectivamente, o número de imigrantes e emigrantes que entraram e
saíram do território considerado durante esse mesmo período de tempo.

113
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

O resultado Nt – Ot é conhecido como o incremento natural ou cresci-


mento vegetativo. Se o número de óbitos exceder o número de nas-
cimentos, se Ot > Nt , observar-se-á uma variação negativa natural ou
decréscimo natural da população. Este é o crescimento observado numa
população fechada.

O resultado It – Et é conhecido como saldo migratório. Este, adicionado


ao crescimento vegetativo, mede o crescimento total ou observado.

Exemplificando:

Para a Vila Brasil a população para o ano 2000 foi de 1900 pessoas.

Entre 2000 e 2007:

N = 322 nascimentos

O = 98 óbitos

I = 25 pessoas chegaram à vila

E = 28 pessoas deixaram a vila

Então:

P 2007 + = 1900 + 322 – 98 + 25 – 28 = 2121

Esta equação é freqüentemente citada como a Equação Básica da Demografia


ou “a equação do balanço demográfico”.

Figura 1 – Representação da equação demográfica básica

114
A demografia e o envelhecimento populacional

O processo social pelo qual a população se reproduz é conhecido como


fecundidade. Já o processo pelo qual os membros de uma população
são reduzidos devido às mortes é conhecido como mortalidade. Fecun-
didade, mortalidade e migrações são, portanto, as três variáveis demo-
gráficas básicas. O conhecimento das suas interrelações é o objeto da
Demografia.

Atividade 2

Levante na página eletrônica do Datasus (www.datasus.gov.br) a população do


município em que você trabalha, em 1995, 2000 e 2005. Qual foi o incremento
populacional observado nesses onze anos?

Envie para o tutor.

Os instrumentais da demografia3
Conceitos e indicadores básicos
 Contagem
Valor absoluto de uma população ou de qualquer evento vital observado
num determinado território e num determinado período de tempo.

Por exemplo, em 2004, nos Estados Unidos, ocorreram 4.140.480 nas-


cimentos vivos e, no Brasil, 3.026.548.4 A população brasileira contada
pelo Censo Demográfico foi, em 1º de agosto de 2000, de 169.799.170
habitantes.5 Na Vila Brasil nasceram 332 pessoas e morreram 98 nos
últimos sete anos. Ou seja, houve um incremento populacional de 234
pessoas. Os valores quantificados pelas contagens de eventos popula-
cionais constituem a base da análise e estudos demográficos (HAUPT;
KANE, 1998, p. 2).

 Taxas
Em geral, o termo taxa é utilizado de maneira muito ampla para se refe-
rir à razão entre uma subpopulação e o seu total. Este total deve se

3
Os conceitos aqui apresentados baseiam-se no glossário proposto por Haupt e Kane (1998) e em Wilson (1985).
4
Dado retirado da página eletrônica: www.datasus.gov.br, em 13/06/2007.
5
Ver IBGE (2000).

115
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

referir à população que está sujeita ao risco de experimentar o evento


num determinado período de tempo e num espaço definido. O uso do
termo taxa justifica-se apenas quando um processo dinâmico está sendo
medido, como, por exemplo, o crescimento populacional. Elas indicam
a freqüência com que ocorre um evento. Em demografia, a maioria das
taxas é expressa por 1.000.

Outro exemplo, a taxa de mortalidade infantil brasileira em 2005 foi de


25,8 por 1.000 crianças nascidas vivas. Isto significa que de cada 1.000
crianças nascidas vivas aproximadamente 26 morriam antes de com-
pletar o primeiro aniversário. No Brasil, morreram 123 idosos em cada
1.000. A taxa de mortalidade da população idosa foi de 123 por 1.000
ou 12,3%.

As taxas podem ser brutas ou específicas. Taxas brutas são calculadas


sobre a população total, ou seja, têm a população total no denominador.
Assim como a Taxa Bruta de Natalidade, a Taxa Bruta de Mortalidade é
afetada por muitas características populacionais, particularmente pela
estrutura etária. Desta forma, quando o objetivo for comparar Taxas
Brutas de Mortalidade entre estados/regiões, por exemplo, deve-se
padronizá-las para eliminar as diferenças na composição etária antes de
se tirar conclusões acerca dos níveis de mortalidade e, também, das con-
dições de saúde, econômicas e ambientais. Uma técnica muito utilizada
para tal fim é a padronização.

Você vai encontrar na página eletrônica do Datasus taxas brutas de mor-


talidade padronizadas e não padronizadas.

As taxas específicas são calculadas sobre um grupo específico, ou seja,


o que mais se aproxima do grupo exposto ao risco de experimentar o
evento. As taxas específicas podem ser, portanto, por sexo, idade, cor,
ocupação, entre outras.

Um exemplo de taxa específica seria a taxa de mortalidade da população


idosa (60 anos e mais). Para o seu cálculo requer-se o número de óbitos
da população maior de 60 anos (numerador) e a população de 60 anos
e mais (denominador).

116
A demografia e o envelhecimento populacional

Atividade 3

Entre na página eletrônica do Datasus (www.datasus.gov.br) e:


a) localize a taxa bruta de mortalidade do seu estado sem padronização e a
padronizada;
b) calcule a taxa de mortalidade da população idosa do município em que você
trabalha.

Envie os resultados para o tutor.

Em muitos casos, medidas que são chamadas de taxas poderiam ser


melhor designadas por razão, proporção ou probabilidade.

 Proporção
É a relação de um subgrupo da população com o todo, isto é, o subgrupo
populacional dividido pelo total da população.

Por exemplo, nos Estados Unidos, no ano de 2000, 54,1% das pessoas
com idade superior a 15 anos estavam casadas. No mesmo ano, 14,8%
das mulheres brasileiras entre 15 e 19 anos estavam casadas e 82% da
população brasileira era considerada urbana. Na Vila Brasil, em 2000,
9% da população era idosa, ou seja, tinha 60 anos ou mais.

 Razão
É a relação de um subgrupo da população com outro subgrupo, ou seja,
um subgrupo dividido por outro.

Por exemplo, a razão de sexos da população brasileira foi, em 2000, de


97 homens por 100 mulheres. Isto significa que para cada 100 mulheres
brasileiras existiam 97 homens.

Para a população idosa da Vila Brasil, a razão encontrada foi de 83. Isto
significa que para cada 100 mulheres idosas existem 83 homens.

Algumas vezes, razões são chamadas de índice. Como, por exemplo, o


índice de envelhecimento, que é a razão entre a população idosa (60
anos e mais) e a população jovem (0 a 14 anos). Em 2000, este índice

117
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

para a população brasileira foi de 28,9. O mesmo índice foi encontrado


para a Vila Brasil.

Atividade 4

1.Entre na página eletrônica do Datasus (www.datasus.gov.br) e calcule:


a) a proporção da população idosa no total da população do município em que
você trabalha;
b) a razão de sexos da população idosa do seu município;
c) o índice de envelhecimento.

2. Disserte sobre os resultados encontrados nos itens a), b) e c), analisando se-
melhanças e diferenças.

Envie para o tutor.

 Esperança ou expectativa de vida ao nascer (e00)


Indica o número médio de anos que um recém-nascido pode esperar
viver, dadas as condições vigentes de mortalidade.

O seu cálculo é baseado nas taxas específicas de mortalidade de um


dado ano. Por causa da significativa variação da esperança de vida por
sexo, idade, raça e classes sociais, este indicador pode ser calculado sepa-
radamente para cada uma dessas categorias. No Brasil, em 2000, a espe-
rança de vida dos homens ao nascer era de 66,7 anos, enquanto que a das
mulheres era de 74,3 anos. A mortalidade masculina é sempre maior que
a feminina. Esta é uma tendência generalizada em quase todo o mundo.

Salienta-se que baixos valores de esperança de vida ao nascer são, em


grande parte, devido às elevadas Taxas de Mortalidade Infantil. No perí-
odo de 1995 a 2000, por exemplo, a esperança de vida ao nascer, em
Bangladesh, foi de 58 anos, mas se a criança completasse o primeiro ano
de vida, poderia esperar viver, em média, 62 anos. No caso brasileiro, a
esperança de vida de um recém-nascido do sexo masculino era de 67,2
anos, em 2000. Se essa criança alcançasse o primeiro ano de vida, ela
poderia esperar viver mais 68,1 anos, completando 69,1 anos no total.
A esperança de vida é uma medida condicional. Quanto mais se vive,
mais se tem a viver. O gráfico a seguir ilustra isto. Ele apresenta a espe-
rança de vida nas várias idades. Mostra, também, que a esperança de

118
A demografia e o envelhecimento populacional

vida feminina é sempre mais alta que a masculina, independentemente


da idade. Isto resulta que, entre os idosos, se tenha mais mulheres que
homens, as quais, em grande maioria, são viúvas.

Gráfico 1 – Esperança de sobrevida nas várias idades por sexo. Brasil 2000

Fonte: IBGE (2000).

Causas externas, que incluem homicídios, acidentes de trânsito, de


trabalho, entre outras, constituíam a principal causa de mortalidade
da população em idade ativa do sexo masculino. Em 1980, elas foram
responsáveis por 30,1% do total de óbitos desse grupo e, em 2000, por
37,0%. Entre as mulheres, as causas externas estavam entre as cinco
principais, mas a primeira delas eram as doenças do aparelho circulató-
rio. A proporção de mortes por este grupo de causas declinou de 28,8%
para 25,6% entre 1980 e 2000.

Medidas do impacto da mortalidade por causas externas, na esperança


de vida aos 16 anos e na de vida ativa da população masculina, podem
ser encontradas em Ipea (2006). Em 2000, essas causas contribuíram
para redução de 3,2 anos na esperança de vida aos 16 anos e de 1,5 no
número de anos que um jovem poderia passar na atividade econômica.
Entre a população feminina, o impacto foi menor, de 0,8 ano na espe-
rança de vida aos 16 anos e de 0,3 ano no número de anos passados na

119
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

atividade econômica, devido à menor incidência de morte por causas


externas. No último caso, o impacto ainda foi menor, dada, também, à
menor participação feminina no mercado de trabalho.

Composição da população
Idade e sexo são as características mais básicas de uma popu-
lação. Toda população tem uma composição etária e por sexo
diferente – o número ou proporção de homens e mulheres em
cada grupo de idade – e esta estrutura tem impacto considerável
sobre a sua situação demográfica e socioeconômica, tanto pre-
sente quanto futura (SPIEGELMAN, 1968, p. 5 apud HAUPT;
KANE, 1998).

Medidas gerais
 Populações “Jovens” e “Velhas”
A população é classificada como demograficamente jovem ou velha,
dependendo da proporção de pessoas nas faixas etárias extremas.

Até os anos 1980, os países em desenvolvimento tinham populações


relativamente jovens, enquanto a maioria dos países desenvolvidos
apresentava populações com estrutura etária envelhecida. Em 1970, a
população brasileira podia ser considerada jovem. No Brasil, no mesmo
ano, metade da população estava abaixo de 20 anos, 42% tinha menos
de 15 anos e apenas 5% tinham mais de 60 anos. O mesmo acontecia
com a população da Vila Brasil. Em 2000, a proporção da população
brasileira com menos de 15 anos caiu para 30% e a população acima de
60 anos aumentou para 8,6%.

Na maioria dos países desenvolvidos, por outro lado, menos de 25% da


população estava abaixo de 15 anos e 15% tinham 60 anos ou mais.

Outras populações são demograficamente velhas, tais como a população


dos países desenvolvidos. Um exemplo muito citado é a população japo-
nesa atual. Essas populações têm composições etárias notadamente dife-
rentes e, como conseqüência, apresentam também diferentes proporções
de pessoas na força de trabalho ou na escola; diferentes demandas por
serviços de saúde; por habitação, preferências de consumo etc.

120
A demografia e o envelhecimento populacional

 Idade mediana
É a idade na qual exatamente a metade da população é mais velha e a
metade mais nova. É um bom indicador de síntese da estrutura etária
da população.

No Brasil, em 2000, a idade mediana situava-se no grupo etário de 25


a 29 anos. Admitindo-se que a distribuição populacional interna desse
grupo seja homogênea, a idade mediana seria de 25 anos (segundo o
Censo Demográfico de 2000, do Instituto Brasileiro de Geografia e Esta-
tística). Isto significa que a metade da população brasileira tinha menos
de 25 anos e a outra metade mais de 25. A idade mediana da população
dos Estados Unidos em 2005 foi de 36,3 anos, indicando ser esta uma
população bem mais velha que a brasileira.

 Razão de sexos
Como visto anteriormente, é a razão entre homens e mulheres em
uma dada população de um dado território e num dado período de
tempo. É usualmente expressa como o número de homens para cada
100 mulheres.

Por exemplo, na área rural brasileira, existiam 111 homens para cada
100 mulheres e na urbana, 93. Essa diferença é explicada pela migração
rural urbana, que é diferencial por sexo, o que ocorre, também, com a
mortalidade. Saem mais mulheres das áreas rurais em direção às urba-
nas do que homens.

A razão de sexos varia em função da idade. Por exemplo, nascem mais


homens que mulheres. Ao nascer, na maioria dos países ela é de apro-
ximadamente de 105 ou 106 homens para 100 mulheres. Este é um
padrão internacional. Após o nascimento, essas razões variam (em geral,
declinam) devido aos padrões de mortalidade e movimentos migratórios
que são diferenciados por sexo e idade.

A razão de sexos do total da população brasileira em 2000 foi de 97 homens


por 100 mulheres. Para o grupo de menos de 15 anos foi de 103 homens
por 100 mulheres; para o de 15 a 64 anos, de 96 homens por 100 mulhe-
res e para o grupo acima de 60 anos de 82 homens por 100 mulheres, ou

121
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

seja, decresce com a idade, conforme mostra o Gráfico 2. O decréscimo


das razões de sexo é conseqüência da maior mortalidade masculina em
relação à feminina. Isto ocorre em todas as idades, mas é mais elevada no
grupo de 15 a 29 anos devido à mortalidade por causas externas.

Gráfico 2 – Razão de sexos por idade da população brasileira, 2000

Fonte: IBGE (2000).

Atividade 5

Faça um levantamento na página eletrônica do Datasus (www.datasus.gov.br)


da razão de sexos da população idosa do município em que você trabalha.
Comente e envie para o tutor.

 Razão de dependência
É a razão entre pessoas nas idades consideradas demograficamente
“dependentes” e “economicamente produtivas”. As primeiras são con-
vencionalmente definidas com as idades menores que 15 anos e maiores
ou iguais a 60 anos e a outra como de 15 a 59 anos.

122
A demografia e o envelhecimento populacional

 Pop. menor que 15 anos + Pop. maior ou igual a 60 anos 


Rzd =   ×100
 Pop. de 15 a 59 anos 

Na falta de indicadores mais precisos, a razão de dependência é fre-


qüentemente utilizada como um indicador do “peso” com que a parcela
produtiva de uma população deve arcar, seja no sustento material, seja
nos cuidados com a população dependente (crianças e idosos). Destaca-
mos que essa razão deve ser vista com ressalvas, pois pessoas definidas
como dependentes podem ser produtivas e algumas pessoas nas idades
consideradas produtivas podem ser economicamente dependentes. Por
exemplo, em 2000, 40% dos idosos brasileiros do sexo masculino parti-
cipavam do mercado de trabalho. O grupo etário que se convencionou
chamar idoso é bastante heterogêneo.Compreende um intervalo etário
de aproximadamente 30 anos.

Países com fecundidade alta apresentam razões de dependência elevadas


devido à grande proporção de crianças na população. Foi o caso do Brasil
no período 1950 a 1970, quando se observou uma razão de 82. Em 2000,
a razão de dependência foi de 55. Isto significa que existiam 55 pessoas
em idade dependente para cada 100 pessoas em idade produtiva. Por
outro lado, alguns países que apresentam uma população envelhecida
pela baixa fecundidade apresentam razões de dependência relativamente
elevadas devido à grande proporção de idosos na população.

Pode-se calcular a razão de dependência separadamente para a popula-


ção jovem (menor de 15 anos) e idosa (maior ou igual a 60 anos). Para
a população brasileira no ano 2000, a razão de dependência de crianças
foi de 46% e de idosos 9%. Pode-se observar, pelo gráfico a seguir, que
a razão de dependência de crianças diminuiu, devido à queda da fecun-
didade, enquanto a de idosos aumentou.

123
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

Gráfico 3 – Razão de dependência da população brasileira

Fonte: IBGE (2000); Ipea (2006).

Atividade 6

Entre na página eletrônica do Datasus (<www.datasus.gov.br>) e:


a) levante a proporção da população idosa e com menos de 15 anos de idade
do município em que você trabalha, nos anos de 1995, 2000 e 2005;
b) calcule a razão de dependência da população do município em que você
trabalha para os mesmos períodos.

Comente a evolução observada e envie para o tutor.

Pirâmide populacional
Uma pirâmide populacional representa graficamente a composição etá-
ria e por sexo de uma população. As barras horizontais apresentam os
valores absolutos ou proporções de homens e mulheres em relação ao
total da população, separadamente, em cada idade. As idades podem ser
individuais ou agregadas em grupos qüinqüenais. O somatório de todos
os grupos de idade e sexo na pirâmide é igual ao total da população ou

124
A demografia e o envelhecimento populacional

a 100% da mesma. Para efeitos de comparação espacial ou temporal, o


mais usual é calcular a pirâmide, utilizando-se valores relativos.
A pirâmide descreve as características de uma população e a sua história
dos últimos 100 anos aproximadamente.

O Gráfico 4 apresenta a pirâmide populacional brasileira do ano de 1950.


Ela foi traçada utilizando-se proporções e grupos qüinqüenais de idade.
A barra azul refere-se ao sexo masculino e a vermelha, ao femi-
nino. A primeira barra inferior mostra a proporção de crianças menores
de cinco anos. Essa barra é a mais larga. Observa-se a maior largura das
barras inferiores (ou da base). Essa pirâmide é característica de uma
população em expansão, ou seja, de crescimento rápido. Apresenta uma
proporção elevada de pessoas nas idades mais jovens. A maior concen-
tração da população estava nas idades abaixo de 20 anos, aproxima-
damente 55%. Essa configuração etária é resultado de elevadas taxas
de fecundidade conjugadas a uma mortalidade nas idades avançadas
também elevada.

Gráfico 4 – Pirâmide em valores relativos. Brasil, 1950

Fonte: IBGE (1950).

125
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

Gráfico 5 – Pirâmide populacional (valores relativos). Brasil, 2000

Fonte: IBGE (2000).

Gráfico 6 – Distribuição etária da população por sexo. Brasil, 2030

Fonte: Página eletrônica do Datasus.

126
A demografia e o envelhecimento populacional

Em 2000, a forma da pirâmide da população brasileira estava funda-


mentalmente diferente; veja o Gráfico 5. A primeira barra, ou seja, a
proporção da população menor de cinco anos era mais estreita do que
a das idades subseqüentes até o grupo 20-24 anos. Isto significa que,
entre 1995 e 2000, nasceram menos crianças que entre 1975 e 1995. A
maior barra diz respeito à população que, em 2000, tinha entre 15 a 19
anos, ou seja, nasceram entre 1980 e 1985. Até os 20 anos, a população
masculina era proporcionalmente maior que a feminina. A partir daí, a
população feminina passou a ser progressivamente maior, refletindo o
efeito da mortalidade diferencial por sexo.

A pirâmide da população brasileira em 2000 tem uma forma que caracte- Fecundidade é a realização da
capacidade de uma mulher gerar
riza a população brasileira como constritiva, ou seja, de crescimento lento. filhos. Fertilidade é a capacidade
Isso é resultado de uma redução dos níveis de fecundidade e mortalidade, potencial de uma mulher gerar
filhos.
e conseqüente diminuição no ritmo de crescimento populacional sem
que esta tenha alcançado, no entanto, níveis de crescimento zero.

A menor natalidade afeta os pesos relativos dos diversos grupos etários Natalidade refere-se ao total de
nascimentos numa dada população,
no total da população. A população mais jovem passa a ser relativamente o que é afetado pela fecundidade e
menor e, como o total deve somar 100, a dos demais grupos aumenta. pela estrutura etária e por sexo da
população.
Este processo é conhecido como envelhecimento populacional, na ver-
dade, envelhecimento pela base. É o resultado da redução da proporção
de crianças e jovens, ocasionada pela queda da fecundidade.

Um outro perfil de população é o restritivo. Caracteriza-se por valores Enquanto a fecundidade brasileira
iniciou o seu processo de declínio
tanto absolutos quanto proporções da população bastante semelhantes na segunda metade dos anos 1960,
em todas as faixas de idade. Além do não crescimento ou crescimento a natalidade só começou a declinar
na segunda metade dos anos 1980.
negativo, esse perfil populacional caracteriza-se, também, por um per- Para maiores informações, consulte:
centual elevado de população idosa, o que as faz serem chamadas de Ipea (2006).
“super envelhecidas”. É o que se espera para a população brasileira
em 2030. Esta pirâmide na página anterior (Gráfico 6) se aproxima em
muito da pirâmide da população japonesa observada em 2000, como se
pode ver pelo gráfico a seguir (Gráfico 7).

127
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

Gráfico 7 – Pirâmide restritiva (valores relativos). Japão 2000

Fonte: Japan (2000).

Impactos na estrutura etária das variáveis


demográficas
 Mortalidade
Quando os níveis de mortalidade mudam, a estrutura por sexo e idade da população
é afetada, mas de forma diferenciada, dependendo do grupo etário que experimentou
a queda. Por exemplo, quando o nível de mortalidade é alto, este é bastante afetado
pela mortalidade infantil. Uma redução desta pode levar a um rejuvenescimento da
população, pois mais crianças sobreviverão. Já a redução da mortalidade nas idades
avançadas pode provocar um envelhecimento populacional pelo topo, pois mais idosos
sobreviverão por mais tempo.

A mortalidade masculina é tradicionalmente mais elevada que a feminina, especial-


mente entre a população adulta jovem. Uma variação nesse componente afeta a razão
de sexos.

128
A demografia e o envelhecimento populacional

 Fecundidade
Comparada à mortalidade e à migração, a fecundidade é o componente
de maior influência na estrutura por sexo e idade de uma população.
Uma redução nos seus níveis diminui a proporção da população nas
Se você se interessou por este
idades mais jovens, resultando no envelhecimento populacional pela tema e quer aprofundar vendo
como ocorreu a transformação
base. Ou seja, a base da pirâmide se contrai e as barras das idades mais
na estrutura etária de vários
avançadas se alargam. países do mundo, consulte
a página eletrônica da
Organização das Nações Unidas
(www.esa.un.org/unpp).
Envelhecimento populacional e
transição demográfica
“O século XX foi, principalmente, um século de crescimento
populacional: o século XXI será um século de envelhecimento
populacional” (WILSON, 2006).

Envelhecimento populacional
Antes de entrarmos na discussão sobre o processo de envelhecimento
populacional, é importante entender as diferenças entre envelhecimento
individual e populacional.

O envelhecimento individual acontece a cada pessoa. Um indivíduo A questão do envelhecimento


individual é aprofundada na Unidade
envelhece à medida em que a sua idade aumenta. Este é um processo de Aprendizagem III – Atenção à
irreversível. Já o envelhecimento populacional é definido em nível cole- saúde da pessoa idosa.
tivo e ocorre a partir da proporção da população idosa na população
total. A população está envelhecendo quando aumenta a proporção de
idosos e aumenta, em conseqüência, a idade média da população. É um
processo que pode ser reversível se aumenta a proporção de menores
de 15 anos. Em outras palavras, a população pode ficar mais jovem se a
fecundidade cresce (nascem mais crianças) ou se num território entram
imigrantes jovens e crianças em alta proporção.

A população mundial quadruplicou ao longo do século XX, passando de


1,5 bilhão para seis bilhões entre 1900 e 2000. O maior acréscimo foi
verificado nos países em desenvolvimento, o que ocorreu após a segunda
Guerra Mundial, principalmente, no período entre 1950 a 1970. Por
exemplo, a população brasileira passou de 17,3 milhões em 1900 para
169,8 milhões no ano 2000. Deste incremento, 27% ocorreu no período
entre 1950 e 1970.

129
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

Desde a segunda metade da década de 1970, essa população passou a


experimentar uma redução no seu ritmo de crescimento. As projeções
apontam para uma continuação dessa redução no futuro próximo (IPEA,
2006). No entanto, a população nas idades mais avançadas tem crescido
e tenderá a crescer a taxas elevadas, como resultado das altas taxas de
crescimento (fecundidade) observadas no passado recente e à redução
da mortalidade nas idades avançadas.

Para se entender o processo de envelhecimento da população brasileira,


o primeiro passo é definir o que se considera como população idosa:
é um grupo populacional que vive a última fase da vida. Não há uma
idéia clara do que marca a transição para essa fase. Pode-se falar em
processos biológicos, aparência física, surgimento de doenças crônicas,
perda de capacidades físicas e mentais e de papéis sociais, nascimento de
netos, entre outros. Muitos desses processos caracterizam essa fase, mas
a delimitação do seu início é difícil, pois é afetado por condições sociais,
econômicas, regionais, culturais, étnicas e de gênero.

O Estatuto do Idoso e a Política Nacional do Idoso definem como popula-


ção idosa a de 60 anos em diante. Essa definição resulta numa heteroge-
neidade do segmento considerado idoso, que é acentuada pela constata-
ção de que este segmento experimentou trajetórias diferenciadas que vão
afetar as suas condições de vida. Estas trajetórias são fortemente marca-
das pelas desigualdades sociais, regionais e raciais em curso no país. As
políticas sociais podem reforçar essas desigualdades ou atenuá-las, bem
como mitos, estereótipos e preconceitos em relação à população idosa.

A evolução da população idosa brasileira por sexo entre 1960 e 2000


e as projeções até 2030 podem ser visualizadas nos Gráficos 8 e 9. O
primeiro apresenta os valores absolutos e o segundo a sua participação
no total da população brasileira. Observa-se o crescimento acelerado
dessa população, tanto em valores absolutos quanto a sua participação
relativa, principalmente, a partir dos anos 1980. Nota-se, também, que a
população feminina experimentou um crescimento mais acentuado que
a masculina. A predominância das mulheres entre os idosos é um padrão
internacional, o que deu origem ao termo “feminização da velhice”.

130
A demografia e o envelhecimento populacional

Gráfico 8 – População idosa por sexo (em 1000 habitantes), Brasil

Fonte: IBGE (2000); Ipea (2006).

Gráfico 9 – Participação da população idosa na população total por sexo, Brasil

Fonte: IBGE (2000); Ipea (2006).

131
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

Atividade 7

Entre na página eletrônica do Datasus (www.datasus.gov.br) e levante a po-


pulação idosa do município em que você trabalha, em 1970, 1991 e 2000.
Que conclusões você pode tirar sobre o processo de envelhecimento desse
município?

Envie para o tutor.

A transição demográfica
Uma das maneiras utilizadas pelos demógrafos para entender o processo
de envelhecimento é por meio do instrumental teórico da transição
demográfica. Esse instrumental consiste em descrever as tendências de
longo prazo da fecundidade e da mortalidade, explicar essas tendências e
prever mudanças futuras especialmente em países em desenvolvimento.

Essa teoria é baseada na experiência histórica dos países da Europa


Ocidental que mostrou, de uma forma geral, que a mortalidade decli-
nou primeiro, resultando no aumento da expectativa de vida ao nascer
sendo seguida com uma certa defasagem, pela redução da fecundidade.
Como conseqüência desta defasagem, ocorreu um período de cresci-
mento populacional intenso antes da queda da fecundidade. Assume-se
que o processo de transição iniciou-se na Europa Ocidental no final do
século XVIII e início do século XIX, sendo seguido pelos Estados Unidos
e outros países não europeus. Desde o final da Segunda Guerra Mun-
dial, tornou-se um fenômeno global. Atualmente, mais da metade da
população mundial vive em regiões/países onde a fecundidade já atingiu
o nível de reposição ou está abaixo deste e a esperança de vida
atingiu valores superiores a 70 anos.

Uma população atinge o seu nível de reposição quando a fecundidade e a mor-


talidade alcançam valores que resultariam em uma taxa de crescimento igual a
zero. Ou seja, a população simplesmente se repõe. Para a população brasileira,
dadas as taxas de mortalidade vigentes, foi estimado que este nível seria alcan-
çado quando a Taxa de Fecundidade Total fosse igual a 2,1.

132
A demografia e o envelhecimento populacional

Explica-se esse número porque a garantia da reposição é dada por uma filha
mulher que sobreviva ao período reprodutivo (15-49 anos). Portanto, assumin-
do que para cada nascimento de mulher nasce 1,05 homem e que 0,5 mulher
morre antes do 50 anos, é preciso que, em média, uma mulher tenha 2,1 filhos
para garantir que uma filha mulher complete 50 anos.

A transição demográfica, por sua vez, permite associar suas fases a


padrões predominantes de morbidade, já que os agravos à saúde, preva-
lentes na população, alteram-se, de par com as demandas demográficas
(PEREIRA, 2002, p. 166).

A teoria da transição demográfica postula que os países tendem a per-


correr, sucessivamente, quatro estágios na sua dinâmica populacional,
evoluindo de padrões de alta mortalidade e fecundidade para os de bai-
xos níveis de mortalidade e fecundidade.

Cada etapa da transição demográfica está associada com mudanças dos


indicadores demográficos (como esperança de vida, fecundidade, morta-
lidade, crescimento da população), assim como de indicadores de mor-
bidade (proporção de óbitos por doença infecciosa e parasitária e por
doenças crônicas degenerativas), os quais estão ilustrados no Quadro 1.

Quadro 1 – Características dos quatro períodos de transição demográfica


Indicadores Estágios de Transição Demográfica
I II III IV
Fecundidade alta alta decrescente baixa
Mortalidade alta decrescente decrescente baixa
% por DIP* alta decrescente decrescente baixa
% por DCD* baixa crescente crescente alta
Esperança de vida** baixa crescente crescente alta
População estacionária crescente crescente estacionária
% de crianças alta crescente decrescente baixa
% de idosos baixa baixa crescente alta
Fonte: Pereira (2002).
* Refere-se às características de mortalidade proporcional por causa
DIP = Doenças Infecciosas e Parasitárias
DCD = Doenças Crônico-Degenerativas
** Esperança de vida ao nascer

No Módulo 5 – Noções básicas da epidemiologia expõem-se as principais


críticas às Teorias de Transição Epidemiológicas e Demográficas, assim
como a grande relevância das mesmas.

133
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA

Referências
CAMARANO, A. A. et al. Texto didático. Rio de Janeiro, 2005. Mimeografado.

GAWRYSZEWSKI, V. P.; JORGE, M. H. P. M.; KOIZUMI, M. S. Mortes e internações por causas


externas entre os idosos no Brasil: o desafio de integrar a saúde coletiva e atenção individual. Revista
da Associação Medica Brasileira, São Paulo, v. 50, n. 1, p. 97-103, 2004. Disponível em: <http://
www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302004000100044&lng=pt&nrm=iso>.

HAUPT, A.; KANE, T. Population handbook. 4. ed. Washington, D.C.: Population Reference Bureau,
1998.

HINDE, A. Demographic methods. Nova Iorque: A Hodder Arnold, 1998.

IBGE. Censo demográfico 1950. Rio de Janeiro, 1950.

______. Censo demográfico 2000. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/
home/estatistica/populacao/censo2000/default.shtm>. Acesso em: 12 jun. 2007.

______. Centro Brasileiro de Estudos Demográficos. Dicionário demográfico multilíngüe: versão


brasileira. Rio de Janeiro, 1969.

IPEA. A oferta de força de trabalho brasileira: tendências e perspectivas. In: ______. Brasil: o estado
de uma nação: mercado de trabalho, emprego e informalidade. Rio de Janeiro, 2006. p. 69.

JAPAN. Statistics Bureau. Population by age (single years) and sex, and sex ratio: Japan: 1920, 1960,
1970, 1980, 1990 to 2000. Tokyo, 2000. Disponível em: http://www.stat.go.jp/data/kokusei/2000/
final/zuhyou/016.xls

NEWELL, C. Methods and models in demography. Londres: Belhaven Press, 1988.

PEREIRA, M. G. Epidemiologia: teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2002. p. 168.

POOL, I. Development, public and social policy: the role of demography, New Zeland. Paper
apresentado na Conferência Nacional da IUSSP, Beijing-China, 1997. Mimeografado.

PRESSAT, R.; WILSON, C. (Ed.). The dictionary of demography. Oxford: Blackwell Reference, 1985.

WILSON, C. The century ahead. Dædalus, p. 5-8, Winter 2006. Disponível em: http://www.amacad.
org/publications/winter2006/Wilson.pdf. Acesso em: 9 jan. 08.

______ (Ed.). The dictionary of demography. Oxford: Basil Blackwell. 1985.

U.S. CENSUS BUREAU. Disponível em: <www.census.gov.> Acesso em: 12 jun. 2007.

Endereços eletrônicos consultados:


www.census.gov
www.ibge.gov.br

134