You are on page 1of 31

0DSXWRGH0DUoRGH‡$12;;9,‡1o‡3UHoR0W‡0RoDPELTXH

Poderá estar iminente substituição da PGR

Pág 3

Encontro Nyusi-Momade

E a serra desceu à capital Pág. 8


APOSTE NO SEU TELEMOVÉL TOTOBOLA EXTRA, 


DISPONIVEL SÓ NO www.sojogo.co.mz 
LOTARIA ~ TOTOLOTO ~JOKER 
SOJOGO ESTÁ A DAR. *124# 

O 1º PRÉMIO DA LOTARIA EXTRACÇÃO Nº 8, COM O VALOR DE 2.500.000,00 MT , FOI VENDIDO NA TABACARIA E PAPELARIA MANÉ - CIDADE DE INHAMBANE
    
   !!    
TEMA DA SEMANA
2 Savana 01-03-2019

Dirigentes públicos não pagam viaturas alienadas do Estado

Ilustres devedores
(QTXDQWRR*RYHUQRGHVGUDPDWL]D7$GL]TXHVLPSOHVPHQWHQmRVHMXVWLÀFD
Por Armando Nhantumbo

A
pesar dos alarmes várias ve- Florestas levou uma Toyota Corrola a
zes accionados, a alienação 246 mil, mas só pagou 100 mil (41%),
das viaturas do Estado con- enquanto o director Nacional de Ex-
tinua a ser um negócio sim- tensão Agrária (DNEA) alienou um
plesmente prejudicial ao Estado. Di- Ford Mondeo a 289 mil e pagou ape-
rigentes públicos, do escalão central nas 76 mil (26%).
ao provincial, estão a fazer ouvidos
de mercador, recusando-se a pagar os Do central ao provincial
valores que um dia juraram canalizar Não são apenas os dirigentes do nível
aos cofres do Estado pelas viaturas central que devem o Estado por causa
que alienaram. É a lei dos mais esper- da alienação de viaturas. Há também
tos em acção, perante a impunidade ilustres devedores ao nível provincial.
reinante na gestão do património do Nas Direcções Provinciais de Eco-
Estado. nomia e Finanças de Cabo Delgado
e Tete, por exemplo, embora estejam
São directores nacionais, chefes de dentro do período estabelecido nos
Departamentos e de Gabinetes, as- contractos (cinco anos), regista-se fra-
sessores de ministros, governadores co pagamento das prestações vencidas
provinciais, secretários permanentes, em 12 processos de alienação. Assim,
directores provinciais, presidentes de não obstante terem decorridos, até
instituições públicas, delegados pro- 2017, pelo menos três anos, os adjudi-
vinciais, juízes presidentes, entre ou- catários haviam pago apenas 23% do
tros dirigentes públicos que não estão valor total das alienações.
a honrar os seus compromissos com o Da dívida de perto de 9 milhões de Meticais, Cabo Delgado, Nampula e Tete, só pagaram perto de 2 milhões, Em Cabo Delgado, o governador
Estado, que lhes confiou viaturas, das representando apenas 20%
da província, em 2010, alienou uma
mais modestas até as de alta cilindra- Opel Corsa a 158 mil Meticais, mas mação em Administração de Terras e Internacional (DPCI), que prometia Toyota Camry 2.4 a 683 mil e só pa-
da. nunca meteu um tostão no tesouro. Cartografia (INFATEC) levou uma pagar 796 mil, tendo reembolsado 13 gou 159 mil, apenas 23%. Dois anos
Como se não bastasse, alguns dos ges- No mesmo ano, um ex-director do Toyota Avensis, em 2010, com a pro- mil, apenas 2%. depois, o seu director provincial de
tores que beneficiaram das alienações, Centro de Promoção da Agricultu- messa de pagar 502 mil Meticais, mas Um chefe de Departamento na DPCI Economia e Finanças alienou uma
cujos prazos de pagamento das pres- ra (CEPAGRI) levou para casa uma só pagou 59 mil, qualquer coisa como alienou, em 2012, uma Toyota Corrola Toyota Corrola a 321 mil e não reem-
tações estão já expirados, cessaram as Ford Mondeo a 323 mil e, até 2017, 12% em relação à divida total. a 257 mil, mas só pagou 125 mil, 49%. bolsou sequer um centavo.
suas funções, outros foram transferi- também não se dignou a pagar qual- No mesmo ano, um chefe de Depar- Um chefe de Departamento no IN- Enquanto isso, o delegado provin-
dos para outras instituições do Estado quer centavo. tamento na Direcção Nacional de FATEC levou uma Hyundai Accent cial do Instituto Nacional de Acção
e continuam na posse das viaturas em O chefe do Departamento da Direc- Administração e Finanças levou uma a 74 mil, mas só pagou 35 mil, 47%. Social alienava, naquele 2012, uma
causa. ção Nacional de Terras e Florestas ali- Toyota Corrola no valor de 167 mil, Um chefe de Departamento na Di- Ford Ranger 2.2 a 437 mil e só pagou
No seu Relatório e Parecer atinente neou, em 2011, uma Toyota Corrola mas só pagou 10 mil, aproximada- recção Nacional de Administração e 131 mil, 30%. Por sua vez, o director
à Conta Geral do Estado de 2017, a 257 mil Meticais. Seis anos depois, mente 6%. Finanças alienou uma Toyota Corrola, provincial da Mulher e Acção Social
o Tribunal Administrativo (TA), o também não tinha feito qualquer pa- Um ex-chefe do Gabinete do ministro em 2012, a 102 mil e só pagou 50 mil, levava uma Toyota Corrola a 184 mil
fiscalizador das contas do Estado, gamento. A directora do Instituto também levou uma Toyota Corrola, 49%. Igual viatura, e no mesmo ano, e pagou apenas 15 mil, qualquer coisa
contabiliza pelo menos 8 milhões de de Fomento de Caju (INCAJU), em em 2010, a 118 mil, mas só pagou 57 foi alienada por um chefe de Depar- como 8%.
Meticais em prejuízos na receita de 2011, alienou uma Peugeot 407 a 326 mil, 48% em relação ao total da dívida. tamento na DPCI a 257 mil, mas só Mas antes, a secretária permanente
alienação. mil, mas até 2017 não tinha canaliza-
O montante representa 97% do valor Uma outra Toyota Corrola ficou com pagou 76 mil, 30%. havia alienado, em 2009, uma Toyota
do o que deve ao Estado. a directora do INFATEC a 167 mil, Uma Passat VW ficou com o director
total de alienação, que é de mais de 10 Corrola a 282 mil, tendo pago apenas
Uma Toyota Corrola foi alienada por mas só pagou 57 mil, representando do IIAM, em 2012, a 845 mil, mas
milhões de Meticais. Ou seja, dos cer- 70 mil, 25%.
um chefe de Departamento no INA- 34%. Outra ainda foi para um chefe só pagou 547 mil, 65%. No mesmo
ca de 10 milhões, apenas 2 milhões é Nos termos no n° 1 do artigo 14 do
JU, em 2011, no valor de 336 mil, mas
que foram pagos, representando uma do Departamento dos Recursos Hu- ano, um outro director ligado ao Mi- Regulamento de Alienação de Viatu-
nada pagou ainda.
ínfima percentagem de 21%. manos, que a alienou, em 2011, a 262 nistério levava uma Toyota Corrola a ras de Propriedade do Estado, aprova-
mil, tendo pago 202 mil, represen- 128 mil, mas só pagou 52 mil, 41%. do pelo Decreto n° 17/2014, de 6 de
No relatório do TA, não está claro se o Quantias irrisórias tando 77%, a maior percentagem de Enquanto isso, um chefe de Depar-
mapeamento das dívidas de alienação Maio, o preço de venda de viaturas
Se há quem ainda não pagou sequer
de viaturas é representativo do país todas. tamento no INFATEC alienava uma que sejam objecto de alienação pode
um centavo do valor das alienações,
ou uma simples amostra. No mapa, Ainda em 2011, um director da Di- Hyundai Accent a 72 mil para só pa- ser pago num máximo de 60 presta-
outros dirigentes e ex-dirigentes até
apenas aparecem departamentos e iniciaram os pagamentos. Mas foi recção Nacional dos Serviços Veteri- gar 23 mil, 32%. ções a 15% e superior a um terço do
instituições subordinadas e/ou tute- como uma gota no oceano. Pagaram nários (DNSV) alienou uma Toyota Em 2013, o director Nacional de salário mensal do adquirente. Ha-
ladas pelo Ministério da Agricultura muito pouco do que devem e os pra- Corrola a 248 mil e reembolsou ape- Terras e Florestas alienou uma Ford vendo diferenças, as mesmas devem
e Segurança Alimentar (MASA) e zos para a amortização das dívidas, nas 60 mil, 24%. Também no mesmo Mondeo a 261, tendo pago apenas 52 ser liquidadas num prazo máximo de
algumas direcções provinciais de Tete, esses estão, largamente, ultrapassados. ano, uma Peugeot 407 foi parar com o mil (20%); um chefe de Departamen- 24 meses, conforme dispõe o n° 2 do
Nampula e Cabo Delgado. É o caso de um ex-director do IIAM director de Planificação e Cooperação to na Direcção Nacional de Terras e mesmo artigo.
Mas é pouco crível que estas sejam que, em 2006, alienou uma Ford
as únicas instituições públicas com Mondeo a 738 mil, tendo pago até
registo de regabofe nas alienações de 2017 apenas 33 mil, qualquer coisa
viaturas, um negócio até aqui feito na
maior impunidade.
Só nos Departamentos e instituições
como 4% do total da sua dívida.
No mesmo ano, um ex-director na
Direcção Nacional da Agricultura
1mRVHMXVWLÀFD7$
ligadas ao MASA há 31 “chefes” que (DINA) alienou um Volvo S40 a 139 Esta não é a primeira vez que o TA faz soar os alarmes “Os beneficiários das alienações são funcionários pú-
alienaram viaturas e não estão a pagar. mil, mas só reembolsou 91 mil, repre- sobre o não pagamento dos valores das alienações de blicos, devidamente, identificados, pelo que não se
Um ex-director Nacional de Floresta sentando 65% da dívida. viaturas do Estado por dirigentes e demais funcioná- justifica que haja dificuldades na solicitação, mensal-
e Fauna Bravia alienou, em 2006, um Um ex-assessor do Gabinete do mi-
rios públicos. Há anos que o fiscalizador das contas do mente, dos comprovativos dos pagamentos”, rebate o
Audi 1.8 a 612 mil Meticais, mas até nistro alienou, em 2006, uma Toyota
2017, 11 anos depois, não tinha pago
Estado vem chamando atenção sobre a quase anarquia TA.
Corrola a 43 mil, mas só pagou 2.500
sequer um centavo ao Estado. na gestão do património do Estado. Não é que, a dado passo, o executivo referiu que tem
meticais, 6% da dívida.
Em 2008, um ex-director adjunto do Um ex-chefe do Departamento de Mas mais do que a prevalência do fenómeno, clara- desencadeado acções de persuasão dos adjudicatários
Instituto de Algodão de Moçambique Recursos Humanos que, em 2006, mente, associada a impunidade reinante, é o próprio
para efeitos de pagamento, tendo como base os con-
(IAM) alienou um Kia Shuma a 49 alienou uma Ford Ikon a 46 mil me- Governo a desdramatizar uma prática que está a pre-
tractos celebrados. Salientou ainda que, a par disso,
mil Meticais, mas até 2017 também ticais, pagou apenas 3 mil, represen- judicar o Estado em milhões.
está em curso a revisão do Regulamento de Alienação
não tinha feito qualquer pagamento. tando 7% da dívida. No esmo ano, “O aparente fraco pagamento das prestações resulta
do facto dos beneficiários remeterem os comprovati- de Viaturas com vista a melhorar, dentre outras maté-
Em 2009, um ex-chefe de Departa- uma ex-directora ligada ao Ministério
mento no Instituto de Investigação alienou uma Toyota Corrola a 69 mil, vos após a conclusão do pagamento com vista à obten- rias, o processo de alienação de viaturas mediante a in-
Agraria de Moçambique (IIAM) le- mas só pagou 12 mil, 17% da dívida. ção da declaração para efeitos de registo de proprie- trodução da obrigatoriedade do pagamento, mediante
vou uma Opel Astra a 52 mil, mas oito Um chefe de Departamento CEPA- dade”, referiu o executivo, em sede de contraditório. retenção na fonte, fixação de prazos de pagamento do
anos depois, não havia feito qualquer GRI alienou uma Mitsubishi Lancer É uma resposta que não convenceu o TA, que chega valor de alienação cujo incumprimento determine a
pagamento. Ainda em 2009, um chefe a 302 mil, em 2009, mas só pagou 33 mesmo a considerar que a alegação do Governo não anulação do processo de alienação e perda do valor
de Departamento na Direcção Nacio- mil, apenas 11%. se justifica. correspondente às prestações pagas a favor do Estado.
nal de Terras e Florestas alienou uma Um ex-director do Instituto de For-
TEMA DA SEMANA
Savana 01-03-2019 3

3RGHUiHVWDULPLQHQWHVXEVWLWXLomRGD3*5

%XFKLOLRX.LGD"
+iWDPEpPXPDIRUWHJXHUUDLQWHUQDSDUDVXEVWLWXLU$GHOLQR0XFKDQJDQR6XSUHPR

N
uma altura em que o dossier Novo xadrez empresas ligadas à segurança maríti-
“dívidas ocultas” está em Em Outubro de 2017, Filipe Nyusi, ma e pesca. As dívidas foram consti-
ebulição, circulam com al- de uma assentada, fez mexidas nas tuídas no mandato de Gregório Leão
guma insistência, nos meios três hierarquias de topo das Forças de na chefia da “secreta”. Actualmente,
forenses, indicações de que o Presi- Defesa e Segurança (FDS), um acto Gregório Leão e António Carlos
dente da República, Filipe Nyusi, se demonstrativo de que procura ter do Rosário, antigo director de inte-
prepara para não renovar o mandato maior controlo sobre sectores sensí- ligência económica do SISE estão
de Beatriz da Consolação Mateus veis na área da soberania de Estado. detidos a mando da PGR. Manuel
Buchili, no cargo de Procuradora Recorde-se que Nyusi substituiu La- Chang, antigo ministro das Finanças,
Geral da República (PGR), posi- gos Lidimo (indicado a 31 de Janeiro está detido na África do Sul desde 29
ção que ocupa desde Julho de 2014. de Dezembro e viu nesta terça-feira
de 2017), apenas nove meses após ser
Não obstante, nesta fase, Buchili se adiado a discussão sobre a sua extra-
nomeado director-geral do Serviço de
encontrar, empenhada como nun- dição. Os seus advogados defendiam
Informação e Segurança do Estado
ca, num desfecho exitoso da ope- que os dois pedidos de extradição
(SISE), Lagos Lidimo, cedeu lugar
ração “dívidas ocultas”, uma acção (EUA e Moçambique) devem ser
a Júlio dos Santos Jane, uma figura
extremamente melindrosa que, se discutidos simultaneamente.
vinda da hierarquia militar, que ocu- Em finais de Outubro de 2017, Nyu-
ultrapassar as suspeições de medida pava o posto de comandante-geral da
teatral, poderá mudar a forma de li- si exonerou Graça Tomás Chongo
Beatriz Buchili Helena Kida Polícia da República de Moçambique do cargo de Chefe do Estado-Maior
dar com a corrupção praticada pelos incendiou as relações entre a polícia para substituir Muchanga. (PRM) desde Março de 2016. Lidi- General das Forças Armadas de De-
poderosos acolitados no partido Fre- e os tribunais, porque dias depois a mo foi substituído a contragosto, pois
Matilde Monjane, a juíza conselhei- fesa de Moçambique (FADM), tam-
limo, dentro e fora de Moçambique. própria PRM veio a apresentar alega- foram problemas graves de saúde que
ra do Supremo, que já foi apontada bém com a saúde muito debilitada.
das provas que incriminavam Bakhir, como substituta de Machatine Mun- impossibilitaram a sua continuação à Para o lugar de Chongo foi nomea-
Buchili foi indicada PGR por Ar- mas este já havia fugido do país. guambe, no Tribunal Administrativo frente do SISE. do contra-almirante Lázaro Menete,
mando Guebuza, em substituição de Conhecedores do dossier, disseram (TA), é um dos nomes também refe- A reputação do SISE foi severamen- que depois foi promovido a general.
Augusto Paulino, que pediu para sair, na altura ao SAVANA, que partes renciados como provável sucessor de
te manchada, desde que veio a pú- No mesmo mês Bernardino Rafael
alegando “razões de saúde”. Augusto importantes do processo de Bakhir blico que o grosso dos mais de dois foi nomeado Comandante-Geral da
Muchanga. Por causa da “guerra dos
Paulino foi nomeado PGR em Agos- foram retiradas ao processo, deixando mil milhões de dólares de dívidas Polícia da República de Moçambique
tronos”, Monjane tem sido sujeita a
to de 2007 e havia sido reconduzi- a juíza “num beco sem saída”. ilicitamente avalizada pela adminis- (PRM) em substituição do contro-
uma “guerra suja” de bastidores, pon-
do para um segundo mandato em tração Guebuza foram canalizados verso Jorge Khalau, fechando um ci-
Setembro de 2012. Uma versão não Tribunal Supremo do em causa a sua própria naciona- a instituições participadas por aque- clo de mudanças nas forças de defesa
oficial, indica que Paulino “bateu com Ao que apurámos, a iminente não lidade. la instituição, para a constituição de e segurança. (F.C.)
a porta”, cansado das manipulações renovação do mandato de Buchi-
promovidas por Guebuza. li, que ingressou na magistratura do
Mestrada em Direito pela Universi- Ministério Público em 1994, como
dade Federal do Rio Grande do Sul, Procuradora Distrital, faz parte das
em 2007, Beatriz Buchili esteve sem- mexidas que o presidente Filipe Nyu-
pre debaixo de fogo pela sua alegada si está a fazer na máquina dos secto-
inoperância no processo das cha- res sensíveis do Estado.
madas dívidas ocultas, contratadas A seguir à PGR, as mexidas deverão
na administração Guebuza. As de- atingir o Tribunal Supremo (TS),
tenções de figuras ligadas às dívidas actualmente dirigido pelo advogado
ocultas efectuadas, há duas semanas, Adelino Muchanga, que sempre foi
foram vistas como um expediente visto como um homem de mão de
político e não propriamente como Guebuza no judiciário.
uma acção enérgica da PGR. Em sua Muchanga, que está no cargo des-
defesa, os seus apoiantes, fazem notar te Junho de 2014, exerceu por cinco
que a autonomia dos procuradores anos o cargo de vice-presidente da-
em Moçambique é muito reduzida quele órgão do topo da magistratura
e Buchili não poderia fazer diferente judicial e a sua nomeação inflamou
dos seus antecessores. uma velha polémica nos corredores
Ao que o SAVANA apurou, Filipe judiciais, com alguns a argumenta-
Nyusi poderá apostar na actual vice- rem de que a ascensão no Supremo
-ministra do Interior e antiga juíza de deve ser feita por carreira (mérito dos
instrução criminal do Tribunal Judi- juízes de carreira) e não por outros
cial da Província de Maputo, Helena agentes da administração da justiça.
Mateus Kida. Com a iminência da substituição de
Helena Kida, filha de Mateus Óscar Muchanga, que foi um dos homens
Kida, um antigo combatente natural do presidente Guebuza no xadrez-
de Niassa, que foi chefe da segurança -jurídico do complexo dossier de re-
do presidente Samora Machel, pode- versão de Cahora Bassa, de Portugal
rá substituir Buchili, depois da actual para Moçambique em 2007, voltam
PGR apresentar o informe anual à a surgir nos corredores do Supremo
Assembleia da República. esforços de impedir que o órgão seja
Segundo o programa da IX sessão dirigido por pessoas de fora. Ao que
ordinária da oitava legislatura da As- o jornal apurou de fontes do judiciá-
sembleia da República, que arrancou rio, Osvalda Joana, juíza conselheira
nesta quinta-feira, a ida de Buchili ao do Supremo, é uma das defensoras de
Parlamento está prevista para Abril. que a ascensão no Supremo deve ser
Kida, magistrada judicial, foi nomea- feita por carreira.
da vice-ministra do Interior em No- É preciso notar que nos países de tra-
vembro de 2017. Ela estava afecta ao dição legal anglo-saxónica, é normal
Tribunal da Polícia. que outros profissionais da área jurí-
Lembre-se que em Outubro de 2012, dica ascendam a lugares no Supremo.
quando juíza de instrução criminal da Na África do Sul, o advogado anti-
província de Maputo, Helena Kida, -apartheid Albie Sachs, ascendeu ao
esteve debaixo de críticas vindas de Tribunal Supremo depois da queda
alguns sectores policiais, por ter orde- do apartheid.
nado a soltura do empresário Bakhir Porém, internamente, argumenta-
Ayoob, suspeito pela polícia de estar -se que Osvalda Joana está mesmo
envolvido nos sequestros. determinada a ocupar o cargo, caso
A juíza Kida entendeu que não exis- Filipe Nyusi não reconduza Adelino
tiam provas suficientes para manter Muchanga. Fontes do jornal fazem
Bakhir Ayoob detido. Este episódio notar que “se joga duro” no Supremo
TEMA DA SEMANA
4 Savana 01-03-2019

Insurgentes atingem operações petrolíferas

,QG~VWULDGHJiVQRFHQWURGRIXUDFmR
Por Armando Nhantumbo

O
s ataques da semana passada civis e a incendiar residências. “(As multinacionais) vão dizer que é
a duas comitivas da Ana- O ministro do Interior, Basílio Mon- preciso recuperar investimentos, que
darko, em Cabo Delgado, teiro, prometeu destacar o que cha- não estão a produzir por questões de
abriram um novo capítulo mou de “equipas complexas” para o segurança”, observou.
na história da insurgência armada terreno. Por sua vez, o presidente da O docente universitário afasta teorias
que dilacera o norte da província República, Filipe Nyusi, exigiu as de conspiração. Diz que elas sempre
desde Outubro de 2017. O que era forças especiais de reserva, graduadas existiram na história de Moçambi-
o maior temor das autoridades mo- esta semana, em Matalana, a darem que. Até contra a própria Frelimo nos
çambicanas aconteceu. Os ataques uma resposta rápida ao extremismo tempos da luta de libertação nacional.
atingiram, directamente, as opera- de Cabo Delgado. Mas sublinha que não são as teorias
ções da Anadarko, instalando total de conspiração que nos vão fazer de-
nervosismo. Governo sai a perder na senvolver.
mesa negocial – João Mas o politólogo vai mais longe. Que
A imagem de um ser humano deca- Pereira não haja preocupações com as mul-
pitado, cabeça separada do resto do Com as várias teorias no ar, o SAVA- tinacionais porque essas vão proteger
corpo, chocou o país e o mundo desde NA procurou ouvir vozes autorizadas os seus negócios. O que deve haver é
quinta-feira da semana passada. Ali, na matéria. João Pereira é co-autor a preocupação para com os moçam-
na estrada que liga Palma ao acam- do único estudo, publicamente, co- bicanos que estão a morrer, inocen-
pamento da Anadarko, na penínsu- nhecido sobre a insurgência de Cabo temente.
la de Afungi, estava o corpo de um Delgado.
“O que pode impedir o projecto é se
inocente barbaramente assassinado Também é docente de Ciência Po-
a Anadarko não conseguir mercado”,
pelo “al-shabab”, como é localmente O ataque de quinta-feira, 21, abriu um novo capítulo na história da insurgência lítica. Começou por dizer que a in-
atirou, afastando qualquer parali-
conhecido o grupo insurgente cujas armada que dilacera o norte de Cabo Delgado desde Outubro de 2017, com os surgência do norte de Cabo Delgado
insurgentes a atingirem duas comitivas da Anadarko sação dos projectos petrolíferos por
reivindicações não estão ainda claras. requer uma abordagem holística, por-
causa dos ataques. Sublinhou que as
A vítima mortal, mais uma, era um multinacional conseguiu fechar 9.58 rem criar um território em que nem que uma e única, no caso vertente, a
multinacionais têm experiência de
condutor da Gabriel Couto, a empre- toneladas, o que representa cerca de o governo terá acesso sob pretex- actuação militar, que parece a aposta
operações em zonas de conflitos, com
74% do que é necessário para o anun- to de proteger seus investimentos. do Estado moçambicano, não é sufi-
sa portuguesa contractada pela Ana- o facto também de as operações vão
cio da decisão. 9.58 toneladas/ano é ciente.
darko para construir um aeródromo Os insurgentes existem, estão pro- acontecer em mar, onde não há insur-
um número necessário em termos de Para João Pereira, é preciso reforçar o
para as operações petrolíferas a acon- fundamente enraizados, organizados gência.
controlo das fronteiras, do mar, parti-
tecerem em Afungi. marketing para declarar o DFI. com objectivos concretos. Isto é, criar
lhar informação com a Tanzânia, que
O outro ataque envolveu uma ca- Mas há sectores que argumentam focos de instabilidade permanen-
integra o circuito dos insurgentes, es-
ravana, onde seis trabalhadores de que as empresas quererão arrastar a te de forma que as multinacionais
tabelecer alianças com as comunida-
empresas contractadas sofreram so- tomada das decisões por mais tempo consigam tudo o que não conse-
des locais e redefinir os investimen-
frimentos. em função da situação de segurança guiram na mesa das negociações. tos do Estado para as zonas costeiras
Os dois ataques aconteceram cerca no terreno. Para tal, vão nos entretendo com es- em infra-estruturas e serviços sociais
das 17 horas, há cerca de 20 km das Mas também já teorias de conspira- tes movimentos terroristas para nos como educação e saúde e o estabele-
instalações da Anadarko. ção. Que os americanos serão parte desviar o essencial. Esta é a história cimento de alianças Governo-Socie-
Relatos no terreno indicam que os interessada dos ataques como estra- guerras nos hidrocarbonetos. Cabo dade Civil para juntos desenvolverem
atacantes estavam vestidos a preto, a tégia para oferecer soluções de segu- Delgado tem hidrocarbonetos, tem formas alternativas de soluções.
marca dos movimentos de radicalis- rança, colocando-os numa posição rubis, grafite, esmeraldas, está numa Questionado se os ataques fragiliza-
mo islâmico. privilegiada na negociação dos con- situação geoestratégia privilegiada”, vam ou não a posição do Governo na
Os ataques da semana passada vieram tractos com Maputo. Que também precisou Camal. mesa negocial com as multinacionais,
instalar incertezas no sector, numa quererão usar a insurgência como O que é certo é que os ataques que Pereira respondeu que, numa situa-
altura em que os consórcios lidera- moeda de troca em benefício de con- atingiram as operações da Anadarko ção de conflitualidade como a actual,
dos pela Anadarko e a Exxon Mobil cessões mais generosas na exploração tiveram uma resposta contundente é difícil negociar e, claramente, o Go-
ainda não tomaram as suas Decisões do gás do Rovuma. jamais vista desde a eclosão da insur- verno sai a perder. Explicou que, por
Finais de Investimento (DFI). Numa entrevista ao SAVANA, ano reição em Outubro de 2017, quando causa dos ataques, o custo de investi- João Pereira diz que é difícil negociar
A Anadarko suspendeu os trabalhos passado, o empresário e analista po- os insurgentes começaram a matar mento vai aumentar. QXPDVLWXDomRGHFRQÁLWXDOLGDGH
no local da construção e restringiu lítico, Amade Camal, defendia que a
as movimentações dos seus colabo- solução imediata para a insurreição
radores. A empresa norte-americana no norte de Cabo Delgado era parar
precisa de garantir contractos de com a exploração dos hidrocarbone-
venda de 12.88 toneladas de gás/ano tos. Campanha agrícola 2017/2018
para anunciar a sua DFI. Até aqui, a “Na realidade, os investidores que-
3URGXomRDJUiULDUHJLVWRXXPFUHVFLPHQWRHP

0
oçambique registou, um incremento de 76.5%. as 10 que existiam em 2010, “uma
na última campanha Nas culturas de rendimento desta- conquista que coloca Moçambique
agrícola 2017/218, ca-se o subsector do caju, que co- no topo dos países africanos que
um crescimento agrá- nheceu uma subida assinalável nos mais processam a castanha, geran-
rio acumulado de 28%, indicam últimos quatro anos, com uma pro- do emprego para mais de 16 mil
dados do Ministério da Agri- dução que passou de 81 mil tonela- moçambicanos”.
cultura e Segurança Alimentar das na campanha 2014/2015 para No subsector algodoeiro, o país
140 mil na campanha 2017/2018, produziu cerca de 65.500 toneladas
(MASA). Os dados indicam
o que representa um aumento de de algodão caroço na campanha
para uma produção global de
72.8%. 2017/2018, o correspondente a um
cerca de 3.2 milhões de toneladas
Como resultado, a renda gerada crescimento de cerca de 56% em
de cereais, contra 2.5 milhões re- pela exploração da castanha de caju relação as últimas três campanhas
gistadas na campanha anterior. passou de 30.3 milhões de dólares que registaram uma produção em
registados em 2017, para pouco média de 42 mil toneladas.
No período em referência, as legu- mais de 60 milhões de dólares,   o Por seu turno, a produção de fei-
minosas registaram um crescimen- que representa um crescimento em jão bóer conheceu um crescimento
to de 25%, com as raízes e tubér- cerca de 100%. assinalável no ano 2015 para 2018,
culos a registar um crescimento de Ainda de acordo com informações ao passar das 80 mil para 130 mil
50%. do MASA, com a aposta do gover- toneladas, o que representa um in-
Ainda na esfera da produção agrá- no em revitalizar o subsector do cremento de 62.5%. À semelhança
ria, segundo o MASA, as hortíco- caju, os resultados começam a ser destas culturas existem outras que
las passaram de 1.7 milhões de to- visíveis, podendo por exemplo, as- o seu crescimento não deixa de ser
neladas na campanha anterior, para sinalar-se que para esta indústria já notável, como é o caso do chá, ta-
três milhões de toneladas na cam- estão a operar em Moçambique 16 baco, soja, entre outras.
As viaturas da petrolífera norte-americana não escaparam às balas disparadas panha 2017/2018, representando fábricas de processamento contra (Eduardo Conzo)
pelos insurgentes
TEMA
PUBLICIDADE
DA SEMANA
Savana 01-03-2019 5
7(0$'$6(0$1$
SOCIEDADE
6 Savana 01-03-2019

Crise de liderança na Renamo

Delegado deposto em Sofala promete não cessar a “guerra”


Por Argunaldo Nhampossa

O
s membros da Renamo na tido esta segunda-feira na cidade da que acabe com a onda de violência presidente do partido a proposta de Descreveu a situação como autêntico
província de Sofala conti- Beira. contra os delegados políticos, sob pena debater o assunto via teleconferência, acto de insubordinação, desrespeito
nuam desavindos, arrastan- Falando esta quarta-feira, instantes de a mesma se tornar a marca de lide- que tem sido uma prática recorrente aos órgãos do partido, falsa qualidade
do a crise de liderança do depois da reunião do conselho provin- rança de Ossufo Momade. para se comunicar com as delegações e exercício indevido de funções.
partido naquele ponto do país, numa cial de Sofala alargado a outros qua- Lembrou a violência infligida contra e dar orientações, mas não teve corres- “A anarquia e os desmandos nunca fo-
altura em que o calendário eleitoral dros do partido, prometeu não descan- Sofrimento Matequenha, delegado pondências. ram prática, nem fazem parte da géne-
galopa a passos largos.  sar, enquanto não forem cumpridos os político provincial de Manica, acusa- Para o delegado deposto, o  argumen- se da Renamo. O partido apela a esses
estatutos do partido. do por alguns membros do partido de to partidário de falta de fundos para cidadãos a acatarem as orientações do
Sandura Ambrósio, delegado político Nos próximos dias, vai submeter uma ter sido o responsável pela derrota nas a realização das conferências provin- partido e a respeitarem escrupulosa-
provincial de Sofala, eleito pelas cha- carta ao Conselho Jurisdicional e ao eleições autárquicas de 10 de Outubro ciais electivas não faz sentido, porque mente os órgãos internos”, disse.
madas bases e deposto esta segunda- Conselho Nacional do partido, con- do ano passado. os participantes deste evento são os Manteigas alegou  limitação de recur-
testando, exigindo esclarecimento so- Referiu que durante 40 anos que mesmos que foram chamados à cidade sos financeiros por parte do partido
-feira pelos militantes próximos do
bre a situação do partido.   Afonso Dhlakama dirigiu o partido da Beira para testemunharem as no- para as nomeações interinas em detri-
presidente da Renamo, Ossufo Mo-
Numa batalha que não promete cessar não vivenciou algo de género. meações. mento de eleições.
made, promete não cessar a “guerra”,
por enquanto, o delegado político de- Atacou o porta-voz do partido, José Falou também de falta de coerência no Disse que o congresso do partido, ha-
enquanto não for reposta o que consi- discurso partidário, pois, em finais de
dera a verdade das urnas. posto diz que esta é apenas a primeira Manteigas, referindo que, quando em vido em Janeiro, exigiu uma logística
ano passado, criticava as nomeações
Nos próximos dias, Ambrósio diz que fase e nada o impede de recorrer aos 2000, ele e outros foram tomar pos- extremamente elevada, que faz com
interinas dos oficias generais da Rena-
vai submeter uma carta ao Conselho tribunais para que a verdade seja re- se como deputados da Assembleia da que não seja possível para, num curto
mo nas Forças de Defesa e Segurança,
Jurisdicional e ao Conselho Nacional posta. República à revelia da liderança, em espaço de tempo, realizar outros even-
exigindo modo as definitivas, facto
  nenhum momento, foram espancados.   tos de grande envergadura, como as
da Renamo, exigindo o cumprimento que veio a materializar-se em princí-
dos estatutos, como forma de evitar a
Falta de liderança Questionou o tipo de democracia que pios deste mês. conferências províncias, que são o cul-
Manifestou a sua preocupação com Ossufo Momade pretende instalar no Estranhamente, prossegue, a liderança minar das conferências distritais, de
violência.
aquilo que chamou de falta de lide- seio da Renamo. do partido está a promover nomeações Posto Administrativo, de Localidade
É caso para dizer que a procissão ain-
rança de Ossufo Momade, alegando Indagado em torno dos motivos da re- interinas, que, ao serem criticadas, res- e de povoação.
da vai ao adro nas hostes da Perdiz. A
que está sendo mal aconselhado pelos cusa do convite do presidente do par- ponde  com onda de violência.  As nomeações interinas, de acordo
cidade da Beira, bastião da oposição, seus conselheiros correndo o risco de tido para se dirigir a Gorongosa para com Manteigas, no intervalo das ses-
testemunhou, nesta segunda-feira, Ambrósio nega a acusação de estar a
afundar o partido. explicar o assunto, Ambrósio disse dirigir um grupo promotor de “anar- sões dos órgãos competentes, são uma
uma movimentação invulgar de viatu- Acusou a direcção do partido de ter que “todo o cuidado é pouco”. Sandu- prática reiterada no seio do partido,
quia e indisciplina” e muito menos co-
ras, transportando membros da Rena- organizado camiões que transpor- ra Ambrósio e Luís Chitato, delega- cujo intuito é de colmatar situações
locar em causa a nova liderança.
mo, em direcção à delegação política taram membros da “perdiz”   idos de do político da cidade da Beira, foram Considera que está a dar o seu con- que impedem o normal funcionamen-
provincial, para desalojar das instala- Nampula e Zambézia, para espanca- convidados para irem à Gorongosa tributo na defesa da democracia que a to do partido, sempre que  a situação
ções Sandura Ambrósio e seus aliados, rem quadros da província de Sofala e explicarem a situação, mas recusaram Renamo sempre defendeu desde a sua exigir. Disse que foi dentro deste pris-
considerados pela direcção do partido com isso instalar dirigentes não reco- o convite, por temerem o não regresso. génese. ma que foram nomeados interina-
“insurgentes”. nhecidos pelas bases da província. Apontou o caso de José Balaunde, que   mente os delegados políticos provín-
A pronta intervenção da Polícia da Explicou que os membros da Renamo terá sofrido ameaças, quando se recu- Aquilo é insubordinação cias de Cabo Delgado, Nampula, Tete,
República  de Moçambique (PRM) ao nível da província de Sofala nega- sou a deixar o posto de delegado po- Esta segunda-feira, o porta-voz da Manica, Sofala entre outros de cidade.
evitou o pior. ram entrar nesta agenda, que é antide- lítico provincial de Sofala por discor- Renamo, José Manteigas, distanciou Assegurou que quando estiverem cria-
Em declarações ao SAVANA, San- mocrática e, por causa disso, o partido dar da indicação de Manuel Bissopo o partido dos actos perpetrados pelo das as condições, o partido vai avançar
dura Ambrósio lamentou a violência optou por  baldear membros oriundos como cabeça- de-lista do partido nas grupo liderado por Sandura Ambró- com as eleições dos delegados nos seus
infligida a si e ao seu grupo para que doutras províncias.   autárquicas de ano passado. sio, considerando-os de nulos e de ne- variados níveis. 
abandonassem as instalações do par- Apelou à liderança do partido para Anotou igualmente que apresentou ao nhum efeito.
TEMA
PUBLICIDADE
DA SEMANA
Savana 01-03-2019 7
SOCIEDADE
8 Savana 01-03-2019

Encontro Nyusi-Momade

E a serra desceu à capital


- mas o SISE continua fora das negociações

Por Argunaldo Nhampossa

O
ssufo Momade, o auto-exila- Integração na Polícia soal por integrar na Polícia da Repú- na polícia e SISE, dois sectores que fi- as condições propícias para que as suas
do presidente da Renamo veio O encontro surge três dias depois do blica de Moçambique (PRM) à luz caram de fora do Acordo de Roma, de equipas de trabalho possam assegurar a
esta quarta-feira da Goron- chefe do Estado Maior General, La- dos acordos alcançados. Nos bastidores Outubro de 1992. plena implementação do Memorando
gosa ao palácio da presidên- zaro Menete, ter promovido a cargo de fala-se de 10 oficias da Renamo que “Os dois líderes comprometeram- de Entendimento, tendo concordado
cia, para um amistoso encontro com chefia 11 oficias superiores a cargos de serão integrados na PRM. -se a honrar todos os compromissos em concluir a fase principal que culmi-
o PR, Filipe Nyusi. O pretexto, uma chefias nas FADM que tomaram posse As negociações iniciais previam o en- assumidos no âmbito do memorando na com um Acordo de Paz que marca a
vez mais, a revisitação do Memorando esta quinta-feira. quadramento dos efectivos do maior de entendimento, tendo instruído as
de Entendimento sobre os assuntos Cessação Definitiva das Hostilidades,
Este grupo junta-se aos primeiros três, partido da oposição também no SISE, suas equipas de trabalho a acelerarem
militares, agora que 14 oficiais do mo- o mais cedo possível.
perfazendo 14, que em Fevereiro ulti- onde este julga que são desenhados os a implementação do cronograma de
vimento rebelde integram a hierarquia Para acelerarem os trabalhos a Pre-
mo foram nomeados definitivamente expedientes de espionagem e monito- actividades nele previstas”, assinala o
de topo das Forças Armadas, O en- a cargos de chefias, depois de inicial- ria das suas acções. Segundo apurou o comunicado. sidência da República anunciou em
contro também serviu para delinear os mente terem sido nomeados de forma jornal, o assunto não está abandonado, O comunicado assinala igualmente Fevereiro último a realização de en-
passos subsequentes, para, na lingua- interina, o que levantou um mal-estar mas não tem data marcada para imple- que os dois líderes reafirmaram a sua contros semanais dos grupos técnicos
gem da burocracia, acelerar a materia- entre as partes. mentação. São conhecidas as resistên- determinação de continuar a manter conjuntos, uma vez que o desejo do
lização das acções preconizadas. O presidente da Renamo assegurou a cias na área securitária e na Frelimo à o diálogo ao mais alto nível, reforçar a embaixador Suíço é que haja um acor-
entrega em breve da lista do seu pes- integração de elementos da Renamo comunicação a todos os níveis e a criar do de paz até Abril.
Nyusi e Momade estavam acompanha-
dos dos respectivos membros da Co-
missão dos Assuntos Militares e Gru-
pos Técnicos Conjuntos. No encontro
esteve também o chefe do Grupo de
Contacto, o embaixador suíço, Mirko
Manzoni. 
É a primeira vez que Nyusi reúne-se
com Momade na qualidade de pre-
IV Curso de Formação para Jovens Líderes (2019 – 2020): Candidaturas abertas
sidente eleito da Renamo. Dois dias
antes, houve a nomeação de 11 oficiais A Fundação Friedrich Ebert (FES) em Moçambique gostaria de anunciar o início do quarto curso de formação “Jovens Líderes”.
superiores (vindos da Renamo) para A FES é uma fundação política alemã comprometida com os valores da democracia social que trabalha em 19 países do
cargos de chefias nas Forças Armadas continente africano em projectos de diálogo político e de formação com organizações partidárias, sindicais, académicas e da
de Defesa de Moçambique (FADM),
uma exigência de Momade e o seu Es- sociedade civil. O programa “Jovens Líderes” é um curso de formação para jovens engajados na área pública, social e política.
tado Maior. O nosso objectivo é de envolver os participantes do curso em debates sobre democracia e desenvolvimento político e social,
O primeiro encontro entre Nyusi e fortalecer a troca de ideias e transmitir conhecimentos sobre métodos e ferramentas para liderar processos, moderar debates e
Momade foi em Julho de 2018, e teve
lugar na cidade da Beira. Nessa altu- planear projectos no âmbito do seu trabalho. Trata-se de um curso de formação de alta qualidade, que ajuda aos actores jovens
ra, Ossufo Momade respondia como de adquirir novos conhecimentos, se capacitar em métodos de moderação e facilitação e de fazer parte de uma rede
Coordenador Interino da Comissão moçambicana e africana de jovens líderes que querem contribuir com novas ideias para o desenvolvimento económico, social e
Política da Renamo, tendo o encontro
resultado num memorando de enten-
democrático dos seus países.
dimento anunciado em Agosto.
Momade levou para a reunião desta O programa é dividido em vários módulos semanais durante um período de 2 anos, sobre temas e assuntos específicos
quarta-feira, Leovegildo Buanancasso, (democracia, estratégias de desenvolvimento, corrupção, globalização, média, direitos humanos, género, resolução de conflitos,
Eduardo Namburete e André Ma- justiça social, etc.) bem como métodos e ferramentas de facilitação (técnicas/métodos e instrumentos de organização, gestão,
gibire, enquanto que Filipe Nyusi se
fez acompanhar pelo general Eugénio comunicação, moderação, etc.). Os participantes devem-se comprometer em participar no mínimo em 5 módulos de um total de
Mussa, que integra a comissão dos as- 7 para obter um certificado no fim da formação.
suntos militares, Paulo Chachine e
Manuela Masiambusse. Ossufo Mo- A introdução ao curso e o primeiro módulo sobre técnicas de moderação de grupos irá realizar-se em Maputo, de 22 a 26 de
made chegou à presidência por volta
das 9horas a bordo de um Prado 4x4,
Abril de 2019.
de vidros fumados. É o regresso de
Ossufo Momade a Maputo, após ter Os requerentes interessados em participar neste curso de formação devem enviar a sua candidatura até ao dia 15 de Março
passado a viver na Serra de Gorongo- de 2019, devendo preencher todos os requisitos mencionados a seguir. Mulheres, pessoas portadoras de deficiências e jovens
sa em Junho de 2018, um mês depois
de fora de Maputo são encorajados a enviar as suas candidaturas.
da morte de Afonso Dhlakama, a 3 de
Maio do mesmo ano. Ainda não está
claro se Momade regressará à Goron- Requisitos para candidaturas:
gosa, até que o processo de paz esteja
concluído. x Idade entre 18 e 35 anos
A viabilização de uma paz definitiva x Engajamento politico e social no mínimo de 2 anos por exemplo em organizações partidárias, sindicais, de estudantes,
constitui um dos principais condimen-
tos do memorando de entendimento de direitos humanos, projectos sociais e de formação, cooperativas, etc.
alcançado, em Julho do ano passado, x Carta de motivação (no mínimo 1 página)
entre as partes que também é visto x Carta de recomendação de uma organização/ uma instituição/ um movimento
como elemento chave para a realização
das eleições de Outubro próximo. x Curriculum Vitae (com detalhes de contacto e uma fotografia)
No final de duas horas de conserva- x Conhecimento da língua inglesa será uma vantagem.
ções, Nyusi e Momade não prestaram
declarações à imprensa, mas através de As candidaturas devem ser enviadas ao escritório da Fundação Friedrich Ebert em Maputo. A selecção será feita por um comité
um comunicado enviado à nossa Re-
dacção, as partes reafirmaram o com- de representantes da FES e de Alumnis dos cursos de formação anteriores na base de critérios de relevância do engajamento
promisso de implementar com sucesso dos candidatos, qualificação e idade, igualdade de género e motivação do candidato. Os candidatos pré-selecionados serão
o memorando de entendimento para contactados para uma entrevista.
que o mais cedo possível seja assinado
um acordo de paz.
De acordo com a nota da presidência
Favor de enviar a candidatura por uma das seguintes vias:
da República, as lideranças passaram
em revista os progressos alcançados E-Mail: info@fes-mozambique.org
na implementação do memorando de Webpage: https://www.fes-mozambique.org/
entendimento sobre os assuntos mi-
litares e delinearam os passos subse-
quentes para acelerar a materialização
das acções preconizadas na matriz de &ƵŶĚĂĕĆŽ&ƌŝĞĚƌŝĐŚďĞƌƚͲDŽĕĂŵďŝƋƵĞ
trabalho. ǀ͘dŽŵĄƐEĚƵĚĂ͕ϭϯϭϯʹ͘W͘ϯϲϵϰʹDĂƉƵƚŽʹdĞů͗͘ϮϭͲϰϵϭϮϯϭʹ&Ădž͗ϮϭͲϰϵϬϮϴϲʹͲDĂŝů͗ŝŶĨŽΛĨĞƐͲŵŽnjĂŵďŝƋƵĞ͘ŽƌŐ
PUBLICIDADE
Savana 01-03-2019 9

aos 29 anos é “A+”

O 1º de Março é a data de constituição também um orgulho para Moçambique. ‡&RQWULEXLUQDHGLÀFDomRGHXPVLVWHPD


formal da Gapi. Neste ano, 2019, celebramos Não são muitos os países africanos que ÀQDQFHLURPDLVLQFOXVLYR
o nosso 29º aniversário e temos uma razão apresentam IFD inscritas no seu sistema
especial para comemorar o dia. ÀQDQFHLUR IRUPDO FRP SDGU}HV GH O “rating A+” TXHFRQTXLVWiPRVUHÁHFWH
governação como os estabelecidos pela os resultados e objectivos realizados em
Neste 29º aniversário, além dos resultados AADFI e pelo BAD. programas focados na:
obtidos nas nossas intervenções com vista
a um desenvolvimento mais inclusivo, Alcançar um “rating A+” a nível da ‡&ULDomRHFRQVROLGDomRGHHPSUHVDV
comemoramos a conquista de um AADFI é, primeiramente, o resultado do
“rating A+” no âmbito das avaliações de trabalho de uma equipe de cerca de 160 ‡,QFOXVmR)LQDQFHLUD
desempenho organizadas pela Associação técnicos nacionais e das várias instituições
Africana das Instituições Financeiras de parceiras, mas não só. ‡(PSRGHUDPHQWRGD0XOKHU
HPSUHHQGHGRUD
Desenvolvimento (AADFI).
Desde a sua fundação, em 1990, a Gapi
‡)RPHQWRGH-XYHQWXGHHPSUHVDULDO
Alcançámos um “rating A+” porque, em alicerça-se e cresce com o empenho
LQRYDGRUD
2018, obtivemos uma pontuação de 89% na de accionistas, clientes e de parceiros
avaliação sobre adequação e conformidade que, através desta IFD, investem num ‡,QRYDomRDJUtFRODHVHJXUDQoD
com as normas de governação, desenvolvimento inclusivo de Moçambique. DOLPHQWDUHQXWULFLRQDO
operacionalidade e sustentabilidade Juntos temos demonstrado que Moçambique
estabelecidas pela AADFI. Isto é uma tem uma instituição nacional credível e ‡'HVHQYROYLPHQWRUXUDO
conquista que nos coloca entre as melhores competente para conceber e implementar
LQVWLWXLo}HVÀQDQFHLUDVGHGHVHQYROYLPHQWR programas de desenvolvimento económico &RP HVWD FRQTXLVWD UHIRUoDVH R
(IFD) em África. focados em: compromisso da Gapi de contribuir para o
alcance dos Objectivos de Desenvolvimento
O “rating A+” que agora alcançámos é ‡3URPRYHUDLQLFLDWLYDHPSUHVDULDOQDFLRQDO Sustentável (SDG).
PUBLICIDADE
10 Savana 01-03-2019
PUBLICIDADE
Savana 01-03-2019 11
SOCIEDADE
12 Savana 01-03-2019

Situação das autarquias não é boa

Mãos à obra!
Por Armando Nhantumbo

O
s edis, que tomaram Weimer, analisam a dinâmica da
posse há duas semanas e geração de receitas próprias e a
juraram servir os muní- evolução das transferências fiscais
cipes das 53 autarquias alocadas pelo Governo central aos
do país, herdam muni- municípios e, no fim, argumentam
cípios mergulhados em grandes que as receitas autárquicas, quer
limitações, que foram agudizadas transferidas quer arrecadas na base
pela crise económica que se abate tributária própria, não são suficien-
sobre o país desde 2015. Na eufo- tes para responder aos desafios de
ria das investiduras, o SAVANA financiamento dos investimentos
procura traçar o actual quadro dos
necessários para a melhoria da
municípios, apontando os princi-
prestação de serviços públicos bá-
pais desafios que se colocam aos
sicos.
recém-empossados presidentes
Ou seja, referem os autores, as
dos Conselhos Autárquicos.
autarquias locais, em grande me-
dida, são incapazes de satisfazer a
A urbanização, os serviços públicos demanda gerada pela urbanização
e os recursos fiscais são dos prin-
para investimentos em infra-estru-
cipais desafios para as autarquias Eneas Comiche é um dos 53 edis que juraram dedicar todas as suas forças ao serviço dos munícipes turas e na providência de serviços
moçambicanas, quadro que veio ser
públicos básicos de qualidade e co-
agravado pela crise económica no também, portanto, a cobrança de mesmo tempo que os salários ge- provisão de serviços bem como o
receitas”, referem os autores, assi- ralmente baixos também criam um processo de desenvolvimento e sus- bertura suficientes, tais como saúde
país.
Uma descrição sobre a situação dos nalando tratar-se de um exemplo incentivo significativo a corrupção”, tentabilidade das autarquias locais e educação primária, água e sanea-
municípios moçambicanos é feita de como a fraca implementação de referem. é aprofundado no segundo artigo mento, transporte urbano e gestão
pelo Instituto de Estudos Sociais processos a montante resulta em De acordo com o texto, na verdade, da secção política do “Desafios para de resíduos sólidos, bem como a
e Económicos (IESE), na edição desafios adicionais relativamente a lista das actividades fraudulentas Moçambique 2018”, que fala da fraca capacidade fiscal das autar-
2018 da série “Desafios para Mo- a processos a jusante, como a co- é extensa e variada e inclui até as urbanização, dos serviços públicos quias em financiar os investimentos
çambique”, lançada em finais do brança. lideranças comunitárias, que são e dos recursos fiscais, como os prin- e serviços públicos, uma demanda
ano passado. A falta de cadastro municipal é acusadas de apropriação indevida cipais desafios para as autarquias que vai aumentar como consequên-
De acordo com o IESE, a geração também um grande obstáculo ao de dinheiro. moçambicanas. cia da dinâmica demográfica e da
de receitas próprias por parte das qual os edis se devem concentrar O tema sobre o financiamento da Os autores, Abdul Ilal e Bernhard urbanização no país.
autarquias locais é um dos desafios para a geração de receita. É que,
mais importantes do processo da de acordo com a pesquisa, vários
descentralização em Moçambique, Municípios têm dificuldades em
na medida em que está ligada não monitorizar se os contribuintes Crise económica
só ao financiamento da provisão de cumprem ou não os seus deveres
serviços, como ao próprio processo
de desenvolvimento e sustentabili-
fiscais por falta de cadastro e de in-
formação suficiente. Recursos reduziram de forma dramática

A
dade das autarquias locais. A falta de gestão integrada entre
No artigo que abre o capítulo so- todos os departamentos do Con- inda assim, no geral, os de uma execução dos orçamentos mento pesado, serviços públicos).
bre a Política, os investigadores, selho Autárquico também é crítica, presidentes dos Con- para os sectores sociais. De acordo com a pesquisa, a cri-
8, incluindo o director do IESE, como também é fundamental a ca- selhos Autárquicos en- A avaliação concluiu que a crise se económica causou ainda uma
Salvador Forquilha, mostram as pacitação de pessoal para melhorar contram municípios a económica e fiscal e as restrições contracção da base económica e
fraquezas dos municípios moçam- a cobrança de receitas. barcos com escassez de recursos, orçamentais afectaram todos os fiscal das autarquias.
bicanos na cobrança de receitas, o Os presidentes dos Conselhos que reduziram substancialmente municípios de três formas. “A redução da actividade econó-
que, praticamente, deixa as autar- Autárquicos também deverão in- por conta da crise económica que Primeira, a receita fiscal nacio- mica é atribuível a uma redução
quias reféns das canalizações do verter o actual cenário em que que foi agudizada pelas chamadas dí- nal diminuiu entre 2014 e 2017. da demanda para os produtos
nível central. a maioria dos Municípios não faz vidas ocultas. “Constituindo a base para de- e serviços do sector da manu-
Intitulado “Aptos para alcançar os análises formais de custo-benefí- terminar as transferências fiscais factura, comércio e serviços. Os
seus objectivos? Obstáculos de or- cio, nem baseia a sua estratégia de para os municípios, a redução da últimos dois sectores sofreram
É no artigo intitulado “Urbaniza-
dem administrativa à mobilização cobrança de receita em estruturas receita fiscal implicou a redução ambos, em 2016, uma redução de
ção, Serviços Públicos e Recursos
da receita local nos municípios mo- de custo-beneficio. do volume total de transferências 13%. Devido a esta contracção,
Fiscais – os Principais Desafios
çambicanos”, o artigo assinala que para os municípios de uma forma empresas foram encerradas e/
para as Autarquias Moçambica-
a pesquisa no terreno revelou que dramática a partir de 2015, desta ou reduziram o efectivo dos seus
os processos a montante (definidos Corrupção nas” que Abdul Ilal e Bernhard
Weimer abordam o que chamam forma reduzindo a sua receita to- trabalhadores, aumentando o de-
como todos os passos que tem de Ainda como resultado da falta de
de crise económica e fiscal por- tal”, lê-se no artigo. semprego e reduzindo os gastos
ser dados para identificar quem registo, verifica-se dificuldades na
que Moçambique passa. A segunda forma é que as trans- privados”, sublinha.
deve pagar), e em particular o regis- supervisão dos cobradores de re-
ferências fiscais para as autar- Isto, prossegue a análise, afecta
to, representam o grande obstáculo ceita. Para os investigadores, a crise
quias sofreram atrasos. “Por negativamente a receita própria
à mobilização de receita municipal. “Como a maioria dos municípios produz impacto negativo sobre
exemplo, até Junho de 2017, a dos municípios e, juntamente
É que a maioria dos municípios não possui um registo para as taxas as finanças públicas, em geral e,
execução orçamental da verba com os dois pontos anteriores,
não possui o registo necessário com dos mercados contendo informa- as das autarquias, em particular.
para o FIIA [Fundo de Investi- produz uma redução da capaci-
informação sobre os contribuintes, ção sobre os vendedores já regista- Percorrendo as causas da crise,
mento de Iniciativa Autárquica] dade dos municípios de melhorar
o que é, certamente, um dos gran- dos, é mais difícil controlar quem incluindo as dívidas ocultas que e o PERPU [Programa Estraté- os serviços municipais, em ter-
des desafios aos edis que tomaram já pagou, o que, por sua vez, cria levaram a suspensão do apoio gico para a redução da Pobreza mos de cobertura e de qualidade,
posse esta quinta-feira. oportunidade de apropriação in- ao orçamento pelos parceiros de Urbana] atingiu apenas 14,1% e o que, por sua vez, leva a que o
No que se refere aos processos a ju- devida dos valores monetários por desenvolvimento, a análise indica 12,4%, respectivamente. cidadão municipal tenha menos
sante (que abrangem todos os pas- parte dos cobradores”, observam os que, apesar de condições econó- Terceira, o aumento da inflação, vontade de pagar impostos e a
sos desde a identificação de quem estudiosos. micas globais externas mais fa- em 2016, associado a deteriora- uma informalização da econo-
deve pagar o valor até a cobrança Concluem ainda que, para além do voráveis, como a subida do preço ção da taxa de câmbio (relevante mia.
real), a colecta e, particularmente, pessoal administrativo, há também do carvão, e medidas efectivas para bens e serviços importados), Trata-se de alguns dos mais
a execução fiscal, são os principais apropriação indevida dos valores levadas a cabo pelo Banco de levou a um aumento do custo no prementes desafios com que os
obstáculos. por parte da Polícia Municipal. Moçambique, a situação macroe- lado das despesas do orçamen- recém-empossados edis se vão
“No geral, a fraca implementação A corrupção é também menciona- conómica do país continua frágil, to municipal, diminuindo o seu defrontar, exigindo-se-lhes um
ou a inexistência de registos digitais da como um obstáculo na mobi- com uma situação fiscal não sus- “poder de compra”, especialmen- redobrar de esforços e capacida-
a nível municipal impede o registo lização da receita municipal. “De tentável, que se reflecte na caída te no que diz respeito aos investi- de de reinvenção em tempos de
adequado de cidadãos e o rastrea- facto, o fraco ambiente de controlo da despesa para investimentos e mentos (infra-estruturas, equipa- crise.
mento dos pagamentos, e afecta cria oportunidades de fraude, ao
DIVULGAÇÃO
Savana 01-03-2019 13

DESTAQUE RURAL Nº 50

20 de Fevereiro de 2019

DEFLAÇÃO (INFLAÇÃO NEGATIVA)


DOS PREÇOS ALIMENTARES EM 2018?
João Mosca
O Observatório do Meio Rural (OMR) publicou, no início de cada mês (-8,1), coco (-6,4), farinha de milho (-0,05), feijão nhemba (-4,7), massa
de 2018, um Boletim de Preços Alimentares. Os dados foram obtidos em esparguete (-0,2), óleo alimentar (0,1), peixe carapau (0,9), repolho (-2,4),
cinco bazares em Maputo, cinco na Beira e três em Nampula, todas as se- sal (1,7), tomate (-4).
manas, às quartas-feiras, sensivelmente à mesma hora. Foram recolhidos
preços de quinze bens, considerados básicos na dieta alimentar: açúcar 2V GDGRV GR 205 H RV RÀFLDLV LQGLFDP GHÁDomR SRXFR VLJQLÀFDWLYD
castanho, amendoim, arroz, batata-reno, carvão, cebola, coco, farinha de 'RVTXLQ]HEHQVKRXYHUHGXomRGRVSUHoRVHPGR]H,VWRpKRXYHXPD
milho, feijão nhemba, massa esparguete, óleo alimentar, peixe carapau, GHÁDomR&RQVLGHUDQGRRVSULQFLSDLVIDFWRUHVGHYDULDomRGHSUHoRVDFL-
repolho, sal e tomate. ma mencionados, pode-se considerar: (1) o Metical teve em 2018 uma
ligeira apreciação face ao Rand, de 4,76 MZN para 4,59 MZN em 2018,
Este Destaque Rural procura compreender as razões da evolução do nível contribuindo para a redução dos preços internos; (2) em 2018, compara-
médio dos preços dos bens estudados e discutir se esse facto constitui, ou tivamente com 2017, as importações de açúcar, arroz, carnes, hortícolas e
não, um sinal positivo da economia. Questionam-se algumas questões legumes diminuíram e aumentou em óleo alimentar; (3) nada indica que
HOHPHQWDUHVDFHUFDGDPHWRGRORJLDGHFiOFXORGDLQÁDomRGRSDtV as famílias tenham obtido maiores rendimentos (volume líquido de em-
prego, evolução do salário real e novas oportunidades de rendimento);
3DUDYHULÀFDUDPHWRGRORJLDGRFiOFXORGDYDULDomRGRVSUHoRVGRVEHQV e, (4) as estatísticas do MASA indicam aumento da produção (o OMR já
referidos, veja o Observador Rural Nº 71, de Fevereiro de 2019, com o UHIHULXDFHUFDGDQmRÀDELOLGDGHGRVGDGRVGDSURGXomRDJUtFROD 
título “Evolução dos preços alimentares 2018” (veja em
http://omrmz.org/omrweb/publicacoes_categ/or/). Se o aumento da oferta nacional foi derivado da redução de custos de
SURGXomRLQWHUQRVHGHPHQRUHVGLVWRUo}HVGRVPHUFDGRV RTXHVLJQLÀFD
0XLWDVWHRULDVH[LVWHPDFHUFDGDLQÁDomR,VVRQmRpPDWpULDGHVWHWH[WR PDLV HÀFLrQFLD GD HFRQRPLD  p FRQVLGHUDGR SRVLWLYR 1DGD LQGLFD TXH
HVWDSRVVLELOLGDGHWHQKDDFRQWHFLGRHP,JXDOPHQWHQmRH[LVWHHYL-
2VFXLGDGRVDFRQVLGHUDUQHVWDDQiOLVHDVVLPFRPRSDUDDLQÁDomRDQXQ- dências que comprovam o aumento da produção nacional em 2018.
FLDGDSHOR,QVWLWXWR1DFLRQDOGH(VWDWtVWLFDHGR%DQFRGH0RoDPELTXH
são os seguintes: (1) as três cidades não representam o conjunto da eco- Se os quatro aspectos do penúltimo parágrafo são aceites, pode-se de-
nomia, em termos de população; (2) a estrutura de consumo nas cidades duzir que a redução de preços foi principalmente motivada pela com-
é muito distinta da do meio rural onde habita cerca de 70% dos moçambi- binação dos seguintes factores: (1) diminuição da procura por perda de
canos; (3) pela experiência do OMR, nas cidades há preços bastantes dife-
rendimento das famílias pobres urbanas (as que adquirem os bens de
renciados entre os bazares, sobretudo pela localização (bazares centrais) e
consumo em bazares e/ou mercados informais); (2) apreciação do Meti-
porque alguns desempenham simultaneamente as funções de grossista e
cal; (3) eventual aumento da oferta nacional. Estes três factores tiveram,
retalhista; e, (4) os preços dos supermercados e mercearias são diferentes
HPSULQFtSLRPDLRULQÁXrQFLDVREUHDYDULDomRGRVSUHoRVHPEDL[DGR
dos praticados nos bazares. Nestas condições, é muito difícil estabelecer,
que a diminuição da oferta de bens importados (o que provoca um au-
com rigor, os factores de ponderação (territorial e social) para o cálculo
mento dos preços).
GDLQÁDomRJOREDOGRSDtV
$GHÁDomRSRGHULDWHUVLGRRFDVLRQDGDWDPEpPSRUXPDPDLRUSURFX-
$VVLPRVFLGDGmRVGHYHULDPVDEHUTXHDVWD[DVGHLQÁDomRDQXQFLDGDV
ra de bens sucedâneos, reduzindo os preços dos bens considerados no
QmRUHÁHFWHPDUHDOHYROXomRGRVSUHoRV(VWDSRGHVHUXPDGDVUD]}HV
HVWXGR GHYLGRDRHIHLWRGHPHQRUSURFXUD ,VWRpRVFLGDGmRVSREUHV
para que, regra geral, o que as pessoas referem sobre a evolução do custo
GHYLGDQmRFRUUHVSRQGDjVLQÁDo}HVDQXQFLDGDVRÀFLDOPHQWH nas três cidades passaram a consumir mais bens considerados na litera-
tura económica como “bens inferiores” (no caso, poderia ser a mandioca,
2FiOFXORGDLQÁDomRRÀFLDOFRQVLGHUDPDLVEHQVHVmRLQWURGX]LGRVIDF- batata-doce, folhas de diversas plantas), com consequências sobre a sub-
tores de ponderação, pelo que, em rigor, os números apresentados abaixo nutrição.
não são totalmente equivalentes. Considera-se, no entanto, que os quinze
bens são representativos da dieta alimentar básica. (P UHVXPR   R FiOFXOR GD LQÁDomR QmR p IiFLO H DV EDVHV XVDGDV QmR
UHÁHFWHPSRUYiULDVUD]}HVDLQÁDomRGDHFRQRPLDHHPSDUWLFXODUGRV
3HORVGDGRVREWLGRVYHULÀFRXVHDQtYHOGRSDtVXPDGHÁDomR LQÁDomR EHQVDOLPHQWDUHV  DH[LVWrQFLDGHXPDVLWXDomRGHGHÁDomRRXGHUH-
QHJDWLYD ,VVRVLJQLÀFDTXHRQtYHOPpGLRGRVSUHoRVGRVEHQVFRQVLGH- GXomRUiSLGDHGHJUDQGHDPSOLWXGHGDLQÁDomRQmRpQHFHVVDULDPHQWH
rados foi, em 2018, inferior ao de 2017. Se este resultado é considerado SRVLWLYD3RURXWURODGRXPDLQÁDomRDOWDGHYHVHUHYLWDGDSRUTXHpIRU-
ÀiYHOSDUDRVED]DUHVGDVWUrVFLGDGHVTXDLVSRGHULDPWHUVLGRRVIDF- temente penalizadora, num primeiro momento, sobre o investimento e
WRUHVTXHLQÁXHQFLDUDPQHVVHVHQWLGR"3DUDDDQiOLVHGHVWHFDVRHFRQVL- o consumo, sobretudo para os grupos sociais de menor rendimento; por
derando o contexto, os preços dos bens e serviços diminuem quando: (1) LVVRDLQÁDomRpFRQVLGHUDGDFRPRR´LPSRVWRGRVSREUHVµeQHFHVViULR
existe um aumento da oferta, seja como reacção dos produtores face a um saber quais os factores que provocaram a redução da média dos preços.
aumento da procura, como resultado de maior produtividade da produ- 1RFDVRHPDQiOLVHSURYDYHOPHQWHDGHÁDomRQmRUHVXOWRXGHXPDHYR-
ção ou em consequência por mais concorrência e menores distorções do lução positiva de alguns aspectos da economia e da sociedade. Por estas
PHUFDGR  VHYHULÀFDXPDXPHQWRGRVSUHoRVGHXPEHPTXHID]FRP UD]}HVDVFRQVLGHUDo}HVVREUHDLQÁDomRGHYHPFHQWUDUVHVREUHTXDLVRV
que haja mais consumo de um ou de vários bens sucedâneos (substitu- factores que provocam essas evoluções.
tos) mais baratos (por exemplo, se o preço da farinha de milho aumenta,
o consumidor pode substituir o milho por arroz, mandioca, batata-doce, 'XDVVXJHVW}HVDRVyUJmRVUHVSRQViYHLVVREUHRFiOFXORGDLQÁDomR  D
etc.); (3) o nível do rendimento das famílias diminui; e, (4) numa econo- DSUHVHQWDomRGRVGDGRVGDLQÁDomRGHYHVHUDFRPSDQKDGDGRVLJQLÀFD-
mia dependente de importações devido à depreciação da moeda nacional do e dos factores das variações, na medida em que, nem sempre, uma va-
(subida da taxa de câmbio). ULDomRHPEDL[DVREUHWXGRTXDQGRUiSLGDHGHJUDQGHDPSOLWXGHUHÁHFWH
bons sinais da economia; e, (2) é necessário rever a metodologia para o
A variação média semanal dos preços nas cidades de Maputo, Beira e FiOFXOR GD LQÁDomR$ LPSOHPHQWDomR GH XPD PHWRGRORJLD WHUi FXVWRV
Nampula foi a seguinte, em percentagem: açúcar amarelo (-0,1), amen- elevados. Será esta a única razão para que a actual metodologia perdure,
doim (-1,2), arroz importado (-0,1), batata-reno (2,8), carvão (-2,4), cebola QRHVVHQFLDOKiWDQWRVDQRV"
NO CENTRO DO FURACÃO
14 Savana 01-03-2019 Savana 01-03-2019 15

Corredor da Beira: um enclave ao serviço do hinterland


Por Thomas Selemane

E
ste texto é uma versão redu- Principais actores do Principais empresas que operam no Corredor da Beira e seus proprietários 17-Olam Moçambique Actua em Moçambique desde 1999.É controlada pela Olam Internacional, com sede conflitos, principalmente três, espe- volumes de investimento directo
zida e adaptada da pesquisa Corredor da Beira EMPRESAS NO CORREDOR PROPRIETÁRIOS em Singapura. É uma das maiores empresas de agronegócios do mundo, com presença rando apenas por causas imediatas estrangeiro em linha com o extrac-
intitulada “A economia po- Dados fornecidos pelo Porto da DA BEIRA em 70 países. Fomenta a produção e distribuição de produtos agrícolas em para eclodirem, como se demonstra tivismo, secundarizando a econo-
lítica do Corredor da Beira: Beira indicam que os dez prove- 1- Cornelder de Moçambique Gestora do Porto da Beira, o coração do Corredor da Beira. Cornelder Corporation Moçambique. Ao longo do Corredor (Beira) possui uma refinaria de óleo alimentar. a seguir. mia e as comunidades locais não
consolidação de um enclave ao ser- dores dos serviços respondem con- Moçambique B.V. (uma empresa constituída na Holanda) com uma participação de Possui também uma unidade de descaroçamento de algodão na Beira. pode evitar o conflito. A mudança
viço do hinterland”1, realizada pelo juntamente pelo emprego de 4.115 67% e CFM com 33% 18-Sermoz Grupo Mesquita (60%) e Mespar, Limitada (40%). Actua na área de consultoria, Mineração versus produção ali- de designação de “corredores” para
autor, com financiamento da Fun- trabalhadores, sendo a RGB e Xi- 2-Beira Grain Terminal Empresa detida por Valentina Guebuza- falecida a14 de Dezembro de 2016- com prestação de serviços, aluguer de equipamentos e comércio geral. mentar. Um dos focos de conflito “corredores de desenvolvimento”,
dação Rosa Luxemburgo, publicada golo responsáveis, individualmente, Cornelder de Moçambique (15%), CFM (15%), Nectar Moçambique (12.5%), 19-Substantia International Agenciamento e comercialização de bens e serviços detida por Samir Thakran e é a contenda entre a produção ali- na premissa de que essa mudança
pelo Observatório do Meio Rural por 34% e 27% do total da mão-de- Seaboard Moz, Limited (55%) Trading Nelesh Aswin Goradia mentar e o garimpo. Os distritos de se possa traduzir numa abordagem
(OMR) em Janeiro de 2019. -obra, respectivamente. Opera na terminal de cereais do Porto da Beira. Foi fundada em 2007. 20-Transcom Sharaf Tem por objecto principal a actividade de armazenamento e logística de mercadorias. Sussundenga e Manica não só são diferente em termos de conexão
Durante o período de concessão 3- TCM-Transportes Carlos Empresa do Grupo Mesquita. Opera no troço Porto da Beira-Zimbabwe. Os É detido Guy Harvey e Kapil Celly. Brae Breeze Hoding Limitada é o sócio férteis e propícios para produção entre capital estrangeiro e resolu-
Para além do mapeamento dos in- do porto da Beira e impulsionadas Mesquita accionistas são: Carlos Alberto Fortes Mesquita (Ministro dos Transportes e institucional. alimentar bem como têm registo de ção de problemas locais não passou
teresses económicos e da análise do pelos grandes investimentos im- 21- Chele Participada pela família Chele, nomeadamente António, Vitória e Francisco ocorrência de ouro. A extracção des- de um fracasso. Assim, longe de se
Comunicações), conjuntamente com Joaquim Manuel Fortes Mesquita
seu relacionamento conforme se plementados pela CdM surgiram, 22-Grupo Mesquita Holding da Família Mesquita se ouro é maioritariamente pratica- transformar o Corredor da Beira
Paulo Jorge Fortes, Adelino de Jesus Fortes Mesquita (Ferroviário e ex-administrador
apresenta adiante, a principal con- igualmente, empresas de logística, da Cornelder Moçambique falecido num acidente) 23- Transportes Lalgy Empresa da família Lalgy. (Najibuniça Cassamo Ismael Lalgy da em moldes artesanais, sem segu- em Corredor de Desenvolvimento
clusão da pesquisa é de que embora transitárias (Depots) e de despacho Luís Junaide Ismael Lalgy rança, sem planos de extracção que da Beira apenas se consolidou o seu
Celso Alexandre Fortes Mesquita
existam investidores nacionais de- (despachantes). Globalmente, estas Élio Ibrahimo Ismael Lalgy possam prevenir a sobreposição de carácter de enclave e se robusteceu
Célia Maria do Rosário Fortes Mesquita
tentores de vários interesses eco- empresas contribuem com 56 arma- Rui Iasser Ismael Lalgy áreas geográficas sendo umas para a sua capacidade de servir os países
José Kataoo de Nascimento Amaral e Leonel de Jesus Fortes Mesquita.
nómicos ao longo do Corredor de zéns multiuso, com uma capacidade Anselmo Aly Lalgy a produção alimentar e outras para do hinterland (Conning e Robinson
4-Danmo Empresa de Estiva, participada pelo Grupo Mesquita (50%), a empresa familiar do
Desenvolvimento da Beira (CDB), de armazenagem de cerca 600.000 Zaina Ismael Lalgy a prática do garimpo. Na disputa, 2009).
actual ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita. Os restantes 50%
efectivamente, estamos diante de toneladas métricas. Os armazéns Sheila Aly Lalgy) a produção alimentar sai sempre a Na linha argumentativa de Fon-
são detidos pela Mespar, que também é uma empresa familiar de Carlos Alberto
um enclave mais ao serviço do hin- estão implantados numa área de Com um capital de cerca de 11 mil milhões de meticais está envolvida em transportes perder tal como aconteceu com a seca (2003), “da mesma forma que
Fortes Mesquita (Ministro dos Transportes e Comunicações), conjuntamente com
mistos, compreendendo o transporte de cargas, passageiros e turismo pelas rotas Associação Camponesa Eduardo Portugal colonial revelou uma in-
terland do que ao serviço da econo- cerca de 262.000 m2 e empregam Natércia Maria Ismael Ornelas Fortes Mesquita
nacionais e estrangeiras. A família Lalgy está envolvida também em vários sectores da Mondlane, em Manica, que viu as capacidade política histórica para
mia moçambicana, dadas as poucas cerca de 2.000 trabalhadores efecti- Joaquim Manuel Fortes Mesquita
actividade, como construção civil, investimento no futebol, produtos alimentares e tem suas machambas desaparecerem controlar efectivamente o desenvol-
ligações existentes entre o CDB e vos e 1.500 sazonais. Paulo Jorge Fortes
apoiado o partido Frelimo em campanhas eleitorais. por força do garimpo. Outros estu- vimento das suas colónias e explorar
o resto da economia. Essas poucas Celso Alexandre Fortes Mesquita
24-Companhia de Vanduzi Nuno Miguel Perreira Cabeçadas (nacionalidade portuguesa) e Mozfoods, SA dos anteriores (por exemplo, Barra de forma eficiente os recursos das
ligações contrastam com as muitas (Ver o quadro ao lado) Célia Maria do Rosário Fortes Mesquita
25-FrutiManica Agriza Messinza-50% (Malcom Guy Wiggins-zimbabweano) e Fruta de Ouro, 2005; Selemane 2010) identifica- mesmas, permitindo a entrada de
ligações – de todos os pontos de José Kataoo de Nascimento Amaral.
Limitada 50% (David Florester Smithe-zimbabweano) ram este conflito. companhias estrangeiras e aceitan-
vista: físico, financeiro, comercial, de 5-Beira Logistic Terminals Actualmente (a partir de 2016) é participada pela Lift Haullers e Lift Logistics
do, impotente, decisões políticas de
mercado – existentes entre o CDB e Da agricultura familiar/ holdco. Em 2011 era detida pela Asset Management Internacional LLC e Ingenious 26-Empresa de comercialização Pequenos agricultores controlam 45% e os remanescentes 55% são da AgeDevCo-
FRPHUFLDOjVFRQÁLWXRVDV agrícola organização sem fins lucrativos registada no Reino Unido Irrigação das machambas versus outros países, sobre os seus territó-
o mercado externo, particularmente Quality Investments LLC
plantações de eucaliptos 27-Mozambique Honey Company Africa Agricultural Development Company Moçambique, Limitada ;
pesca. Outro foco de conflito reside rios, também Moçambique actual-
os países do hinterland: Zimbabwe, 6- Índico Logistic Danmo Services Sytems Limitada, Grupo Carlos Mesquita e Mespar, Limitada.
na competição do uso da água dos mente, e desde a Independência,
O lado do Corredor de Desenvolvi- (Andrew Charles Kingman-britânico e Milagre Orhl Fabião Nuvunga-moçambicano)
Zâmbia, Malawi e República De- 7-Bridge Shipping, Lda Participada pela C Steinweg Bridge (PTY), Limited e Júpiter Container Property
rios. A mesma água necessária para tem revelado uma forte debilidade
mento da Beira que corresponde à Fundação ou Associação de Apicultores de Manica;
mocrática do Congo (RDC). (PTY)
a irrigação das machambas – e em política no campo das relações in-
província de Manica, descontando o V e M Grain, Limitada. É uma sociedade sedeada em Manica, que tem por objectivo
8-Bussness Logistic & Services, Participada pela Lift Haullers e Lift Logistics holdco alguns casos para consumo domés- ternacionais, daí resultando muitas
período colonial, experimentou re- o exercício das actividades de compra, processamento, empacotamento e venda de
Lda tico – é retirada dos mesmos rios limitações à aplicação de um mode-
Dependência e enclave centemente a promoção da agricul-
9- Mozambique Logistic Park, Sócios: Grupo Mesquita e Mespar. mel, cera, e outros produtos florestais e fanáticos e ainda mais a prestação em geral de
económico tura comercial entre os anos 2001 a onde se pesca, para além de ser a lo de desenvolvimento socioeconó-
Limitada Está na exploração de terminais de carga rodoviária, ferroviária e multimodais de serviços acessórios, complementares ou similares a: Agricultura, em específica
Dadas as características do Corre- 2004, quando dezenas de farmeiros mesma água a que os garimpeiros mico concebido e construído inter-
carácter nacional e internacional em trânsito, a exploração de portos secos, Apicultura:
dor da Beira – uma unidade eco- zimbabueanos decidiram atravessar (legais e ilegais) recorrem tanto para namente, pelo próprio país.” Ora, a
vulgarmente denominados dry-ports, exploração de armazéns de regime aduaneiro de 28-Portucel Envolvida em actividade agrícola e florestal para produção de pastas celulósicas, de
nómica concebida para servir de a fronteira, fugindo da crise provo- o processamento do ouro. questão de fundo não é a local de
trânsito, o fornecimento, em regime de aluguer de equipamentos para a indústria de papel e energia e seus derivados e afins. A Portucel Moçambique é controlada pela
fabrico (“o made in”) do modelo de
ligação entre as economias do hin- cada pela reforma agrária naquele transporte e manuseamento de cargas. portuguesa The Navigator Company (antigo grupo Portucel Soporcel) e é a empresa
Demarcação de pipeline versus hab- desenvolvimento em vigor, mas sim
terland (Zimbabwe, Malawi e Zâm- país vizinho. Essa experiência fra- 10-CWT Moçambique Empresa envolvida em operações de Terminal Intermodal de Carga e Serviços de que explora a maior área plantada de eucaliptos em Moçambique.
itação e machambas. O traçado por a sua natureza, funcionalidade e fi-
bia) e os mercados internacionais cassou devido a vários factores su- Logística, em Moçambique. Exerce ainda actividades comoAgente de despachos e 30- RGB Participada pelo cidadão Francisco Sabia Massuanganhe e pela RGB Serviços e
onde passa o pipeline que transporta nalidade.
(Ásia e EUA), foi usada a teoria da cintamente estudados por Joseph trânsito; Investimentos Moçambique, Limitada.
combustível do porto da Beira para Independentemente de onde for
dependência económica Poteete, Hanlon e Teresa Smart num artigo Agente de carga e navio; Fonte: Construído pelo autor com base em vários Boletins da República.
o Zimbabwe, nas bermas da estrada concebido o modelo de desenvolvi-
2009; Ferraro, 1996), particular- intitulado “O milagre de Manica Importação, exportação e comércio geral; nacional número 6, está a ser de- mento, o seu efeito dependerá sem-
mente o conceito de enclave. Isto acabou” (Hanlon e Smart 2006). Armazém Alfandegário e outros; cedeu um financiamento inicial de Zimbabwe em 2000, Moçambique e eles diziam que tipo seria melhor. marcado pela empresa proprietária. pre de factores de como esse mode-
porque o Corredor da Beira locali- Esse artigo viria depois a ser um Transporte rodoviário de carga. É detida pela CWT Europe B.V e a Sermoz - USD50 mil a título perdido para acolheu agricultores brancos que Não há nada assim aqui. E não há A demarcação consiste na coloca- lo cria, reforça e reproduz enclaves,
za-se numa região geográfica com dos capítulos do livro dos mesmos Participada pelo Grupo Mesquita com 60%) 50 farmeiros zimbabweanos. Parte perderam terras e ofereceram-lhes crédito, por isso é difícil encontrar ção de marcos físicos, feitos de be- coloca a economia – neste caso o
características socioeconómicas autores “Do Bicycles Equal Develo- 11-DSV DSV Air e Sea Holding destes farmeiros abandonou Ma- terras em Manica. Dos 50 agricul- capital de investimento”. Este de- tão, para sinalizar o raio de distância Corredor da Beira – mais ao servi-
distintas daquelas que o corredor pment in Mozambique?”, publicado 12-ETC-Adubos Maheshkumar Raojibhai Patel, ETC Group, ETG Inputs Holfco, Limited, Agro nica para a África do Sul. Um dos tores originais, apenas três perma- poimento pode ajudar a explicar o de 25 metros de cada lado – dentro ço dos interesses exteriores e menos
apresenta, uma espécie de um oásis em 2008. Nele os dois estudiosos Industries, Limitada grandes problemas para o colapso necem. fracasso dos farmeiros zimbabwea- do qual não deve haver machambas ao serviço da economia local ou ele
de oportunidades económicas num lembram que a agricultura é consi- 13-Global Marine Services, Lda Participada por Bercêncio Lourenço Vilanculo Júnior, Jefferson de Cândida Bercêncio é que os agricultores que fugiram Um dos indicadores reveladores da nos em Manica. nem casas. Acontece que, como essa serve, à partida, interesses nacionais
deserto que é a região de Manica e derada a força motriz do desenvol- Lourenço Vilanculo, Emerson Lourenço Vilanculo, Bercêncio Lourenço Vilanculo do Zimbabwe estavam habituados complexidade de apoios à agricul- Como que a transitar da fracas- demarcação só começou em Agos- – no sentido de estratégia económi-
vimento de Moçambique, porém Empresa está envolvida em toda actividade relacionada com prestação de serviços na a uma grande estrutura de apoio à tura, sobretudo, no acarinhamento sada experiência de promoção da to de 2018, grande parte do troço ca nacional e não de empresas regis-
Sofala sem muitas opções económi-
argumentam que o falhanço da ex- área de transporte de carga líquida ou gasosa, secas, marítimas, aéreas ou terrestres; agricultura naquele país, situação de investidores estrangeiros está agricultura familiar para uma nova contém casas, machambas e igrejas tadas em cartórios nacionais.
cas tirando as grandes plantações e
periência de Manica mostra que a Serviços de logística completa, agenciamento de navios, agenciamento de mercadorias, que não encontraram em Moçam- no artigo da The Economist (13 de experiência de grandes plantações, dentro do raio considerado proibi- Por esta razão, a prevenção de con-
a mineração.
agricultura comercial não pode ser serviços auxiliares de estiva, frete fretamento, agente transitário, peritagem bique. Abril de 2013), citado por Hanlon e o governo de Moçambique acei- do. Vários entrevistados no troço flitos, sejam eles entre investidores
O conceito de enclave económico
desenvolvida sem aumentar subs- superintendida, desembaraço armazenagem, distribuição e outros serviços que possam A Vilmar Roses, que exporta- Smart (2013). Segundo estes auto- tou receber a proposta da empresa Manica-Machipanda disseram não estrangeiros e nacionais, ou entre
é uma das diversas interpretações ter conhecimento do plano de de-
tancialmente o apoio governamen- ser requeridos pelos clientes de tempo em tempos bem assim os serviços de estiva. va rosas de Manica para Europa, res, a The Economist relatou que, de portuguesa Portucel para ocupar investidores e comunidades locais,
ou caracterizações de uma econo- marcação nem fazer ideia de como ou ainda entre actividades econó-
tal a todos os níveis. Investigadores 14-Independente Beira Logistc Empresa cuja actividade é o desenvolvimento e gestão da actividade de terminal, fechou nos princípios de 2006. 18 fazendeiros brancos do Zimba- milhares de hectares de terras na
mia dentro do quadro analítico da do então MINADER e actual Mi- Terminais logística e serviços; será o processo de afastamento das micas concorrentes entre si, só é
Manica é uma província com um bwe que se estabeleceram no estado Zambézia e em Manica (duas das
dependência. O enclave económico nistério da Agricultura e Segurança Transporte e Logística e Armazenagem e conservação. É participada pela Beira suas casas para fora do raio preten- possível com uma mudança de pa-
enorme potencial agro-ecológico de Nasawara, na Nigéria, sete anos províncias mais aráveis do país) para
é entendido como uma região geo- Alimentar (MASA) são citados por Logistics Terminal, Limitada e JJ Transportes, Limitada. dido pela empresa. Desta forma, radigma. Procurar evitar reassen-
e capital humano e atrai a cobiça atrás, a convite do então governador, nelas plantar eucaliptos – matéria-
gráfica com presença de actividade Hanlon e Smart como tendo argu- 15-Mediterranean Shipping Empresa de agenciamento de navios, cargas aéreas, marítimas, ferroviária e rodoviária, de vários investidores. De acordo apenas uma família ainda estava lá. sem diálogo nem negociação, é de tamentos de camponeses, ou evitar
económica, ou um ritmo de de- Company angariação de fretes, fretamento de cargas; actividade transitária e armazenagens,
-prima para produção de polpa de prever que surja um conflito naque- perda de terras aráveis sem sair do
mentado que Moçambique fracas- com Hanlon e Smart (2013), num O sobrevivente citado no livro de
senvolvimento relativamente mais despachos e conferência de cargas; prestação de serviços auxiliares de estiva; transporte papel. la zona. modelo económico que vive e so-
sou no aproveitamento dos farmei- artigo intitulado “Making money Hanlon e Smart, Bruce Spain, ex-
avançado do que as suas redondezas ros zimbabweanos, muito por culpa marítimo internacional, cabotagem nacional e tráfego local; gestão e operação de áreas farming in Manica”, os problemas plicou: “Não há marketing orga- brevive de usurpação de terras e de
(Conning e Robinson 2009), sem da complexidade de tomada de de- para manuseamento, armazenagem e reparação de contentores em trânsito 2XWURVFRQÁLWRVDRORQJRGR reassentamentos é simplesmente
enfrentados pela agricultura e pela nizado aqui. Nenhuma placa de Consolidação de um enclave
uma ligação entre as duas partes, cisões em Moçambique. internacional ou nacional. Participada pela Mediterranean Shipping Company (PTY),
redução da pobreza pareciam es- marketing, nada - na Nigéria você Corredor da Beira ao serviço do hinterland contraproducente, porque afinal os
e com dependência de dinâmicas Eles terão afirmado que organiza- Limited;
magadores e intratáveis: mercados está por sua conta. No Zimbabwe, Para além do conflito entre o grande É possível evitar conflitos manten- reassentamentos são feitios do mo-
económicas estrangeiras – o capital ções externas não podem construir Medite Marine Services (PTY), Limited capital estrangeiro (por ex., Portucel delo e não defeitos.
inseguros, insumos inadequados, você sabia qual era o seu preço de do intacto o enclave, o formato ex-
investido é estrangeiro; este é in- a base para o arranque dos investi- 16-NewSpeed international, Lda Empresa de transporte e logística, construção civil, obras públicas, obras particulares, Moçambique) e as comunidades lo-
pouca assistência técnica e nenhum pré-plantio - e o governo garantia travertido da economia que caracte-
corporado em processos produtivos indústria, turismo, comércio geral com importação e exportação, actividades mineiras 1
A pesquisa completa está disponível em http://
mentos em Moçambique e recor- crédito e investimento. A primeira a compra do que você plantou. Não cais à volta dos direitos de posse e riza o Corredor de Desenvolvimen-
e seu processamento, prestação de serviços, imobiliária, comércio de veículos e seus omrmz.org/omrweb/publicacoes/or-70-a-eco-
locais para, de seguida, os bens pro- dam que foi a USAID - Agência resposta do governo e de outros foi há estruturas de apoio. No Zimba- uso da terra, o Corredor de Desen- to da Beira? Logicamente que não. nomia-politica-do-corredor-da-beira/ Todas
acessórios. É detido por duas cidadãs chineses, nomeadamente, Hui Sun (80%) e
duzidos serem exportados (Cardoso Norte-Americana para o Desen- atrair estrangeiros com habilidades bwe, você enviava uma amostra de volvimento da Beira é uma panela O paradigma de desenvolvimento as referências estão disponíveis nessa versão
Xiangle Mo (20%). Possui um capital de 500 mil meticais.
e Faletto, 1979). volvimento Internacional que con- e capital. Após a reforma agrária do solo para a empresa de fertilizantes de pressão com vários potenciais assente em grandes projectos, altos completa.
DIVULGAÇÃO
DESPORTO
16 Savana 01-03-2019

Apesar de maior consciencialização no país

Zonas rurais continuam focos de violência

A
pesar de várias intervenientes no combate à vio-
lência baseada no género a todos os níveis e já com
resultados aceitáveis em termos da conscientiza-
ção da sociedade sobre o impacto nefasto do fe-
nómeno, as zonas rurais continuam a ser focos de casamentos
prematuros o que emperra o futuro de muitas crianças no país.

Angelina Lubrino, directora Nacional do Género no Minis-


tério do Género, Criança e Acção Social (MGCAS) defende
que o combate à violência, seja ela baseada no género ou não,
“é uma acção que deve envolver todos os segmentos sociais
para o seu sucesso”.

Falando sobre o Mecanismo Multisectorial de Combate à


Violência Baseada no Género, criado pelo Governo em 2012
e coordenado pelo MGCAS que inclui os sectores de Saúde,
Interior, Justiça (através do IPAJ) e Organizações da Socie-
dade Civil, Lubrino disse que o fórum permite que todas as
vítimas de violência tenham recurso para a resolução do seu
problema, a partir dos gabinetes existentes em todas as esqua-
dras do país, para responder a situação de violência.

“Esta é a forma que o governo encontrou para resolver, de


forma imediata, a situação daquele cidadão que se encontra
nas zonas recônditas e que está numa situação de vítima de “O mecanismo multisectorial visa resolver com rapidez os problemas da Violência Baseada no Géne-
ro que podem ocorrer ao nível da comunidade”, Angelina Lubrino, directora Nacional do Género no
violência baseada no género. Portanto, isto visa resolver com MGCAS

rapidez os problemas que podem ocorrer ao nível da comu-


gir proporções alarmantes é resultado do facto das comunidades,
nidade”, disse.
principalmente urbanas, terem ganho a consciência dos males da
violência e passarem a denuncia-la.
Sobre as responsabilidades de cada sector envolvido nesta ini-
ciativa contra a violência baseada no género, a nossa entrevis-
“A violência era uma situação de portas fechadas onde marido e
tada referiu que o sector da Saúde tem o papel de cuidar da
mulher batiam-se dentro das quatro paredes e o assunto morria ai.
saúde da vítima, enquanto a polícia é chamada a garantir a
Mas, hoje as coisas mudaram devido aos instrumentos criados pelo
segurança da mesma. governo e outros, internacionais e ou regionais, divulgados através
dos media”, explicou.
“O IPAJ faz o seguimento do caso do ponto de vista jurídico Um dos momentos de divulgação desses instrumentos são campa-
e o MGCAS faz o acompanhamento e a inserção da vítima nhas dos 16 Dias do Activismo que decorrem anualmente de 25 de
depois de tudo estar resolvido, estar apaziguado para a pessoa Novembro a 10 de Dezembro no país, e não só, onde “falamos es-
voltar ao convívio no seu meio social porque muitas vezes pecificamente da violência e nessas campanhas procuramos chegar
acaba havendo situações de divórcio e as pessoas terminarem até ao local mais recôndito do distrito”, afirmou.
ficando em locais separados”, contou. Mais adiante, a directora Angelina Lubrino afirma que o desafio da
sua direcção é a consciencialização da população que se encontra
Para a directora Nacional do Género, o sector social tem o nas zonas rurais desprovida de informação sobre como denunciar
papel de intervenção psicossocial e trabalha com as duas pes- actos de violência baseada no género.
soas, tanto a vítima, como a pessoa que cometeu a violência de
modo que haja reconciliação para permitir que os dois voltem “A violência que nós registamos hoje não reflecte na totalidade o
à vida normal. que está a acontecer na sociedade. Existem casos de violência nas
zonas rurais que são resolvidos pelos líderes comunitários e tudo
“Fazemos intervenção psicossocial nas crianças porque so- termina por lá e não chegam ao conhecimento do governo. Este é
frem traumas e precisam de um trabalho para que voltem à ainda o nosso desafio”, disse.
sua vida normal”, esclareceu Angelina Lubrino, sublinhando
que estas actividades têm um impacto positivo e vasto na me- Explicou que os governos provinciais estão a trabalhar com os dis-
dida em que reconcilia famílias. tritos, postos administrativos e localidades na tentativa de estancar
a violência baseada no género. “É uma campanha e como tal todos
Questionado sobre que avaliação faz sobre a situação de devem estar em movimento, desde a sociedade civil, ONG e gover-
violência baseada no género em Moçambique, a nossa en- no para que de facto possamos atingir o objectivo almejado. Esta-
trevistada disse que a ideia de que a violência está a atin- mos a trabalhar até à base para a resolução deste problema”, disse.
DIVULGAÇÃO
Savana 01-03-2019 17

Empoderar menores em situação de


casamento prematuro

O
s casamentos prematuros têm sido responsáveis e provavelmente tenha um filho. É verdade que vai continuar a
pela desistência das raparigas do processo de en- estudar, mas as suas oportunidades acabam- se reduzindo. Então
sino e aprendizagem. Dados do Ministério da temos que empoderar esta rapariga, capacitando-a através de ha-
Educação e Desenvolvimento Humano indicam bilidades que ela tem. Depois da capacitação, oferecemos um kit
que perto de três mil raparigas abandonaram a escola em em função da sua formação, para poder iniciar um negócio, na
2017 em consequência de gravidezes precoces, também for- casa dos pais ou dos avós, dependendo de onde ela estiver a viver”.
temente ligadas à casamentos prematuros.
A nossa entrevistada lamentou o facto de algumas lideranças não
Sobre esta questão, a directora Nacional do Género no MG- terem ainda assumido uma única postura em relação aos casa-
CAS, Angelina Lubrino, considera ser preocupação do sec- mentos prematuros, tomando dois posicionamentos, um quando
tor social no país e observa “do ponto de vista de intervenção, está com as autoridades centrais demonstrando total impugnação
a Direcção Nacional da Criança tem o papel de combater e outra quando está com a comunidade, mostrando-se, em certos
os casamentos prematuros, enquanto a do Género faz o tra- casos, coniventes.
balho de sensibilização tomando em consideração que ela
(a criança) foi tornada adulta precocemente no processo de “As nossas lideranças comunitárias ainda não têm uma única po-
violência. sição em relação aos casamentos prematuros. Quando as nossas
brigadas escalam as localidades, mostram- se a favor das políticas
“Quando uma criança é forçada a casar-se, ela deixa de brin- do governo central. Mas, quando estão diante da sua comunidade
car e de viver como uma criança e passa a ter a responsabili- têm outro posicionamento. Isto acontece porque ainda não acham
dade de cuidar de casa e de outra criança, uma vez que, vezes que seja momento oportuno para mudar esta realidade na sua co-
sem conta, os casamentos prematuros são acompanhados de munidade, pois muitas vezes os casamentos prematuros são vistos
gravidezes precoces. Quando isto sucede, o trabalho de sen- como meio de satisfação de necessidades financeiras”, sublinhou.
sibilização desta menor é feito ao nível da Direcção Nacional
do Género, em articulação com outros intervenientes”, disse Questionada sobre que idade se considera casamento prematuro
Angelina Lubrino. ou forçado, Angelina Lubrino diz que à luz da lei de família em
vigor no País, o casamento é prematuro quando ocorre antes dos
Mais adiante, afirmou que a Direcção Nacional do Género 18 anos. Porém, “há casos em que a lei permite casamento a partir
tem trabalhado no sentido de sensibilizar a rapariga a deixar dos 16 anos, mas somente quando há consentimento em primei-
de viver naquele meio e empoderá-la economicamente para ro lugar, da rapariga e depois dos pais. A nossa luta é que toda e
que possa ser auto- sustentável. “Isto porque ela já experi- qualquer união matrimonial seja a partir dos 18 anos de idade,
mentou uma vida com um homem como seu companheiro sem excepções”, concluiu.

“As nossas lideranças comunitárias ainda não têm uma única posição em relação aos casamentos prematuros…”, Angelina Lubrino
OPINIÃO
18 Savana 01-03-2019

Cartoon
EDITORIAL
Incertezas em Cabo Delgado

N
uma altura em que a Anadarko atingiu o número mágico
(9.5 milhões de toneladas/ano) de pré-vendas para anun-
ciar a decisão final de investimentos na Área 1 na Bacia de
Rovuma, um grupo de jihaddistas, em quatro acções em si-
multâneo, atacou um “comboio de viaturas” da petrolífera, a 20 km
do seu centro de operações, aumentando as incertezas sobre o futuro
da região de Cabo Delgado, actualmente a mais importante placa
giratória de todas operações de gás no país.
O ataque a interesses de uma multinacional pode ser, ostensivamen-
te, a forma que os autores encontraram para que a sua presença em
Moçambique passe a constar do mapa mundial. Foi assim, há anos,
com um ataque a um centro de produção, numa zona remota da COMO É BOM VER UM ROSTO AMIGÁVEL...
Argélia,
Investir militarmente contra alvos empresariais da maior potência
do mundo é um dos rituais de ingresso a um estatuto maior, um
atrevimento que não está ao alcance de muitos. A Anadarko reduziu
substancialmente os trabalhos no local de construção e a movimen-
tação de pessoal encontra-se restringida a mínimo. O processo de
reassentamento, que deveria começar este mês, também foi suspen-
so, o que mexe com todo os cronogramas. O estado-maior da petro-

Um urinol desvalorizado
lífera esteve, esta semana, em Maputo, a reavaliar a situação.
Se são malfeitores, como as autoridades governamentais os tratam,
já não são malfeitores quaisquer, se se confirmar que as gigantes pe-
trolíferas e as empresas subcontratadas passam a ser um dos princi-

E
pais alvos dos ataques. m 1917, um urinol branco de embustes, que têm por exemplo ex- Ora, é muito diferente a provocação
Mais uma vez, o laxismo das autoridades moçambicanas vai servir a porcelana, em cujo rebordo pressão num “artista” como Jeff Koons, do urinol aparecer da parte de quem
muitos, menos aos legítimos interesses do país: oferecer de bandeja lateral se lia toscamente pinta- uma verdadeira pop-star. André Breton considerava o homem
a uma multinacional ou ao seu país de origem, por sinal a maior do o pseudónimo R. Mutt foi O que está em questão foi resumido, mais inteligente do século XX e que
potência militar do planeta, o exercício de tarefas de soberania que submetido à apreciação do júri que de forma talvez demasiado sucinta concebeu este projecto de “ready-made
normalmente são da competência do país anfitrião: defesa e segu- seleccionava as peças para a Exposi- pela brasileira Valentina Corrêa Tri- recíproco”: utilizar um Rembrandt como
rança. Quem deve estar na expectativa é o mercenário Erik Prince, ção da Sociedade para Artistas Inde- go, mas serve como primeira reflexão: tábua de engomar”, do que da simpática
que se oferece para montar um projecto de inteligência e segurança pendentes de Nova Iorque. O urinol, «Por que ninguém fala mais em Picasso baronesa. Duchamp criou toda a vida
que tinha um nome: A FONTE, foi e tanta gente ainda se inspira em Du- objectos artísticos e uma reflexão con-
militar para travar os ataques militares no norte de Moçambique.
rejeitado, mas a sua fotografia, de Al- champ? A resposta é simples: a arte de gruentes com uma obra de que afinal
O incidente de Afungi pode ter repercussões gravíssimas para o Picasso exige talento, técnica, reflexão não foi o autor; em relação à baronesa
fred Stieglitz, apareceu na revista The
argumento, agora mais fragilizado, de manutenção de lei e ordem Blind Man, onde se defendia a peça da sobre a vida e a História, enquanto Du- a Fonte seria a sua “melhor” obra, pois
a cargo de forças nacionais. Se o Estado moçambicano não pode acusação de que seria «uma mera peça champ, por genial que tenha sido em seu foi sobretudo poeta.
assegurar a protecção dos avultadíssimos investimentos, de que tão de canalização», e na legenda lia-se: «É momento, traz uma mensagem muito Imagino a cena, dado Duchamp e a
desesperadamente precisa, então o caminho estará aberto para que irrelevante que o senhor Mutt tenha mais fácil de ser assimilada e copiada: baronesa terem sido amantes, ela tem
os outros o façam. Não é apenas uma questão de auto-estima, são ou não tenha feito a fonte com as suas qualquer um pode ser artista.» a ideia e fartam-se de rir com o efeito
também contribuições importantes que têm revertido para as forças próprias mãos. Mutt ESCOLHEU- Quando Duchamp morreu o Picasso que a peça terá junto do júri (de que
-A. Pegou num objecto vulgar do dia- comentou «Duchamp foi um artista Duchamp fazia parte). Ele de manhã
de defesa e segurança, desde o tempo das escoltas aos barcos que
-a-dia, colocou-o de modo a que o que se enganou, e muito». O tem- desvaloriza a ideia e diz-lhe que não
levavam o material de perfuração às plataformas, a partir do porto po, contudo, parecia correr a favor de vai em frente com o atrevimento. Ela
de Pemba. seu significado útil desaparecesse sob
o novo título e perspectiva – criou um Duchamp, mais influente hoje do que fica meio perplexa e diz-lhe que vai
Também, mais uma vez, os Serviços de Informação e Segurança Picasso. enviar o urinol, e ele anui, Força. De-
novo pensamento para esse objecto.»
do Estado (SISE), muito “competentes” e “solícitos” na perseguição A ironia detonou, de manselinho pois de observar o efeito que a peça foi
Divulgava-se assim o conceito de «rea-
a políticos da oposição em tascas, a funcionários do Estado “mal- modo, nos últimos tempos. Afinal, o produzindo e que a autoria da mesma
dy-made» desenvolvido por Marcel
-comportados” ou na “análise de mexericos” dos membros das or- “engenheiro dos ready-made” ludi- se mantinha o anonimato, Duchamp
Duchamp, que até fazia parte do júri
ganizações da sociedade civil, voltam a manifestar uma impotência briou toda a gente. ELE NEM SE- apropria-se, e é ela quem então recua,
da exposição e que, supostamente, de
QUER ESCOLHEU. O mais célebre devido ao crescente prestígio dele. E
grosseira na neutralização de focos de atentados aos bens essenciais uma forma provocatória, teria enviado
mictório do mundo, o qual foi objecto foi um dos grandes negócios da vida
da comunidade moçambicana. Os serviços de informações e a aca- o mictório para a mesma. dele.
de réplicas, autorizadas por Duchamp
demia podem e devem encontrar soluções para a instabilidade no Este gesto cindiria a arte em duas. Na sua conversa com Pierre Cabanne,
e vendidas por milhares de dólares a
norte de Cabo Delgado, cuja panóplia de vectores são um verdadeiro Em 2004, a Fonte foi descrita na im- alguns dos museus mais proeminentes a dado momento Duchamp refere:
“cocktail molotov” com espoleta ao retardador. prensa britânica como a obra de arte do mundo (o Centre Pompidou em «Quando Rubens ou qualquer outro ne-
A história, no caso do Estado moçambicano, volta a mostrar que moderna mais influente de sempre, já Paris, o Tate Modern em Londres e o cessitava da cor azul, tinha de pedir tan-
se escreveram centenas de livros sobre San Francisco MoMA, por exemplo), tos gramas à sua corporação e discutia-se
nada se aprende do passado. Os antecedentes de todos os conflitos
a revolução que a peça ocasionou nos pois o urinol deve ser creditado à ar- a questão para se saber se lhe podiam
militares que grassaram o país começaram por ser ignorados, sendo rumos da arte e milhares de artigos tista Dada alemã, a Baronesa Elsa von dispensar 50, 60, ou mais. Eram ver-
levados a sério, apenas depois de feita a contabilidade dos horrores. corroboram desde então o bifurcamen- Freytag-Loringhoven. dadeiros artesãos…» Sim, eram cedi-
Após o ataque da quinta-feira da semana passada, o governo anun- to das práticas artísticas, sobretudo dos os pigmentos consoante o grau de
Desde 1982, quando apareceu uma
ciou o envio de um contingente para proteger as petrolíferas. O desde que a Art Pop e a Arte Conceptual carta de Duchamp em que ele nega responsabilidade que fosse inerente ao
governo deveria ter anunciado o reforço da protecção a todos os tornaram o autor de Nu Descendo as qualquer envolvimento, que vários artista. Duchamp, nesta perspectiva,
que vivem e trabalham em Cabo Delgado. O ministro do Interior, Escadas como seu profeta. académicos, tentam determinar quem portou-se como um verdadeiro sofista.
garantiu que o Governo tem a convicção de que irá consolidar o E a categoria de Belo foi à viola; que é o criador real. Em 2002, a acadé- No fundo, ele reconhece, apenas forçou
ambiente de segurança, não apenas nos acampamentos das petrolí- um objecto artístico tivesse ou não mica Irene Gammel escreveu na bio- a sorte, pelo que «(…) nunca trabalhei
feras, mas nos locais de trabalho destas empresas. Resta saber se essa propriedades estéticas tornou-se irre- grafia da Baronesa que esta foi pelo para viver. Considero que trabalhar para
levante, pois arte passava a ser o que o menos parcialmente responsável pelo viver é algo ligeiramente estúpido, desde
garantia será suficiente para tranquilizar as petrolíferas que actuam
sistema institucional da arte designava trabalho, e, entretanto, numa carta de o ponto de vista económico». Smart, e
na Bacia do Rovuma.
como arte, ou validava-se mediante o Duchamp para a irmã, o artista refere, pessoalmente defensável, mas com isso
E tranquilizar os moçambicanos, que, para já, vêm nas petrolíferas o penhor do nome do artista. O que re- preto no branco, que foi mesmo Elsa abriu a caixa de Pandora.
seu próprio inferno. dundou numa enorme liberdade, mas von Freitag quem enviou o urinol para Suspeito que retorna o tempo de Pi-
igualmente abriu as portas aos maiores a Exposição de Nova Iorque. casso.

KOk NAM Editor Executivo: Ivone Soares, Luís Guevane, João Distribuição:
Francisco Carmona Mosca, Paulo Mubalo (Desporto). Miguel Bila
Director Emérito Colaboradores: (824576190 / 840135281)
Conselho de Administração: (franciscocarmona@mediacoop.co.mz)
André Catueira (Manica) (miguel.bila@mediacoop.co.mz)
Fernando B. de Lima (presidente) Aunício Silva (Nampula) (incluindo via e-mail e PDF)
Redacção:
e Naita Ussene Eugénio Arão (Inhambane) Fax: +258 21302402 (Redacção)
Raúl Senda, Abdul Sulemane, Argunaldo
Direcção, Redacção e Administração: 82 3051790 (Publicidade/Directo)
Nhampossa, Armando Nhantumbo e Maquetização:
AV. Amílcar Cabral nr.1049 cp 73 Delegação da Beira
Abílio Maolela Auscêncio Machavane e Prédio Aruanga, nº 32 – 1º andar, A
Telefones: )RWRJUDÀD Hermenegildo Timana. Telefone: (+258) 82 / 843171100
(+258)21301737,823171100, Naita Ussene (editor) Revisão savana@mediacoop.co.mz
Registado sob número 007/RRA/DNI/93 Propriedade da 843171100 e Ilec Vilanculos Gervásio Nhalicale Redacção
NUIT: 400109001 Editor: Colaboradores Permanentes: Publicidade admc@mediacoop.co.mz
Fernando Gonçalves Fernando Manuel, Fernando Lima, Benvinda Tamele (82 3171100) Administração
Maputo-República de Moçambique editorsav@mediacoop.co.mz António Cabrita, Carlos Serra, (benvinda.tamele@mediacoop.co.mz) www.savana.co.mz
OPINIÃO
Savana 01-03-2019 19

General Higino Carneiro: o Vácuo da Soberba


Por Moiani Matondo*

C
orria o ano de 2013. O arrogância brutal, a soberba destes angolana não pensa assim. Basta visava “enlamear o nome de PEPs parecer, a verdade é que estão ver-
general Higino Carneiro, homens que se julgavam donos do ser um “homem grande” para não [Pessoas Expostas Politicamente] tidos em papel num processo judi-
na altura governador do mundo. se ser submetido à justiça. Pen- em Angola, todos eles ligados ao cial: o general Higino Carneiro é
Kuando-Kubango, era um Começa o requerimento por dizer savam assim, e ainda pensam. É MPLA, e perturbar e condicionar um homem importante, represen-
dos homens mais poderosos de que o inquérito em curso em Por- por isso que a actuação de João o MPLA e o seu líder”. ta grandes investidores em Portu-
Angola. Quando o “homem gran- tugal contra Higino Carneiro de- Lourenço contra a corrupção os O raciocínio era o seguinte: acu- gal, razão pela qual não pode ser
de” caminhava, fosse em Angola, via ser arquivado, porque o general deixa perplexos. Um homem com sar o general Higino Carneiro é investigado e o inquérito deve ser
fosse em Portugal, a terra tremia “possui um vasto curriculum vitae, currículo obtido na União Sovié- acusar o MPLA, consequente- arquivado.
sob o peso da sua importância. obtido na antiga União Soviéti- tica e que tenha ocupado vários mente, é ilegítimo. Volta-se agora Face a esta postura de arrogância
Em Lisboa, no Departamento ca e, posteriormente, em Angola, cargos políticos e militares não a defender o argumento de que os assumida pelo general Higino
Central de Investigação e Ac- onde desempenhou vários cargos deveria ser importunado por uns dinheiros desviados por Higino Carneiro perante as autoridades
ção Penal, corria um processo militares e políticos”. Na perspec- magistrados quaisquer, que prova- foram para o MPLA, promoven- portuguesas, em que se identifi-
de inquérito criminal com o n.º tiva do advogado, portanto, o facto velmente nunca assistiram às bri- do a fraude eleitoral. Obviamente, ca com o MPLA e com o poder
142/12.0TELSB contra o general de ter estado a fazer algo na União lhantes demonstrações do poder tais especulações são desmentidas político angolano, não admira que
Higino Carneiro, por suspeita de Soviética e de ter desempenhado soviético na Praça Vermelha, em pelas autoridades oficiais. esteja surpreendido pelo facto de
branqueamento de capitais. Era cargos em Angola seria razão para Moscovo. Sobre Rafael Marques, o general se terem atrevido a abrir um pro-
um daqueles processos que te- arquivar um processo-crime em Voltando ao requerimento, ten- Higino Carneiro defendia que cesso-crime contra si em Angola,
riam o destino típico na época: o Portugal! . tava-se desmanchar a credibili- este teria “feito acusações sobre aplicando-lhe medidas de coac-
arquivamento ou o esquecimento. Os crimes são actos puníveis que dade do denunciante (embaixa- factos fantasiosos de corrupção”. ção. O general tem de se apresen-
Nesse tempo, numa peça simboli- as pessoas praticam, independen- dor Adriano Parreira) e de uma Como está hoje mais do que com- tar periodicamente às autoridades
camente inacreditável, o advogado temente da sua categoria social, testemunha da acusação (Ra- provado, as denúncias publicadas judiciais e está interdito de se au-
do general, Paulo Amaral Blan- económica ou política. Estas ca- fael Marques de Morais). Sobre por Rafael Marques obedeceram sentar do país.
co, veio requerer o arquivamento tegorias apenas poderão relevar Adriano Parreira, através do seu a rigorosos critérios jornalísticos e Hoje, o general Higino Carneiro
desses autos. Ao lermos hoje essa para contextualizar as intenções advogado Paulo Amaral Blanco, são confirmadas pelas variadas in- é arguido em seis processos-crime
peça, o que impressiona não são do arguido e fixar a medida da o general Higino Carneiro afir- vestigações judiciais lançadas pela relacionados com a gestão danosa
os argumentos jurídicos ou a ele- pena. Não têm qualquer relevância mava que era da UNITA e tinha Procuradoria-Geral da República. de Luanda enquanto governador
gância do raciocínio apresentado, para a determinação da culpa ou sido condenado judicialmente em Mais adiante, o mandatário do (2016-17): peculato, violação de
que aliás não existem, mas sim a da inocência. Mas vê-se que a elite Luanda. Portanto, Parreira apenas general Higino Carneiro brinda normas de execução do plano e
as autoridades portuguesas com orçamento, abuso de poder, asso-

A 12 anos de uma potencial catástrofe


um “mimo” que as deve ter feito ciação criminosa e corrupção pas-
corar de vergonha. Escreve ele: “A siva e branqueamento de capitais.
República de Angola desempenha Estranhamente, este general, que

climática - como recuar da beira do


um papel fundamental e muito se fazia representante do próprio
importante para a recuperação da MPLA, não suspende agora o seu
economia portuguesa”. O que tem mandato de deputado, assim pre-

precipício?
isto que ver com o general? Nada judicando enormemente o parti-
e tudo. Trata-se de uma afirmação do. O povo angolano e, em parti-
que deixa plasmado o pensamen- cular, os eleitores do MPLA, que
to reinante em Angola, já antes ele diz representar, merecia esse
Por Nick Bridge* mencionado. Os dirigentes ango- gesto de dignidade, de que o ge-

N
lanos estão a investir em Portugal, neral é incapaz.
o último ano centenas de “limpar” a economia mundial dará tica em todo o mundo - e reduziu
por isso devem permanecer imu- Como disse o padre António
fenómenos climáticos ex- uma resposta a este problema, tor- as emissões de carbono “per capita”
tremos - ondas de calor, nando-nos mais felizes, saudáveis e mais rapidamente do que qualquer
nes a qualquer investigação, caso Vieira, “quem quer mais do que
inundações, secas e tem- prósperos. Foi disso que falei com o país do G20. Celebrámos recente- contrário desinvestirão, e Portu- lhe convém, perde o que quer e o
pestades - afectaram centenas de Ministro do Ambiente e da Transi- mente o nosso 1º dia sem energia gal entrará em falência. Por mais que tem”.
milhões de pessoas em todas as ção Energética, João Pedro Matos à base de carvão, desde 1882. Por- primários que raciocínios possam *makaangola.org
regiões do mundo, incluindo Por- Fernandes, em Lisboa na semana tugal está na primeira linha das
tugal e Reino Unido. passada. energias renováveis, tendo como
A temperatura média subiu 1°C Energia, transportes, agricultura e objectivo produzir 80% da ener-
desde a década de 1850, mas esse indústria mais limpos e sustentá- gia a partir de fontes renováveis
valor pode acelerar rapidamente veis, traduzem-se em energia mais até 2030. Partilhamos o interesse
para 1,5°C nos próximos 12 anos, o barata, mais e melhores empregos, pela energia eólica offshore. O RU
que poderia traduzir-se numa per- ar mais limpo, melhor saúde e nu- detém 40% da capacidade eólica
da irreversível de glaciares, e uma trição, e cidades mais habitáveis. O offshore mundial, e Portugal está a Email: diariodeumsociologo@gmail.com
Portal: https://oficinadesociologia.blogspot.com
subida de subida do nível do mar “Roteiro para a Neutralidade Car- construir o seu primeiro parque eó- 621
de vários metros. bónica 2050” de Portugal demons- lico offshore na costa norte do pais.

Racismo, etnicismo e
Com um aquecimento acima de tra como o Governo Português está O sector das tecnologias com baixa
2°C, tudo pode acontecer. Os reci- a levar esta questão muito a sério, à emissão de carbono no RU está a
fes de coral morrerão, centenas de semelhança do Governo Britânico.  crescer a um ritmo quatro vezes su-

xenofobismo
milhões de pessoas sofrerão mais Todos têm um papel a desempe- perior do que o resto da economia.
do que com uma subida de 1,5°C, nhar. As crianças estão a mostrar Mas há muito mais a fazer no RU
e haverá impactos inimagináveis aos pais o caminho certo, reci- e a nível internacional, juntamente

N
na natureza e nos ecossistemas dos clando e preocupando-se com os com parceiros como Portugal.
quais dependemos. A investiga- animais e o meio ambiente. Os  Este é um desafio global que abran- o racismo actua-se por marcadores físicos - é a racialização
ção científica indica que isso pode cientistas devem comunicar efi- ge finanças, saúde, educação, ener- do social; no etnicismo, por marcadores simbólicos (língua,
acontecer dentro dos próximos 12 cazmente as provas que existem. A gia, agricultura, indústria, habitação anterioridade de chegada a um território) da comunidade
anos e segundo a ONU, se con- comunicação social deve noticiar o e transportes. Temos de assumir os imaginada de origem - é a etnicização do social; no xenofo-
tinuarmos na trajectória actual, que está a acontecer. As empresas prejuízos que causámos, e a escala e bismo, por marcadores simbólicos alargados ou globais da comuni-
seriam precisas duas Terras para devem limpar as suas cadeias de a urgência do desafio. Mas também dade imaginada alargada (nação) - é a nacionalização do social. No
acompanhar o crescimento do con- abastecimento e abraçar uma eco- temos de ter energia para agir, para racismo temos a visibilidade somática, no etnicismo a visibilidade
sumo e da população. nomia circular de baixo desperdí- bem dos nossos filhos e das gera- das pequenas raízes originárias e, no xenofobismo, a visibilidade
Então o que devemos fazer de for- cio. A sociedade civil deve ajudar as ções futuras. Podemos e devemos agrupada das grandes raízes originárias. É racista quem defende a
ma diferente? É essencial haver comunidades a envolver-se e a agir. passar de uma abordagem que des- superioridade sócio-genética de um grupo; etnicista quem defende
novas abordagens na política, na Os governos devem criar estruturas trói o nosso ecossistema, para outra a superioridade da sua comunidade imaginada de origem; xeno-
economia e na sociedade. Por um que sustentem esses esforços.  que prospera dentro dele. fobista quem defende a supremacia de uma nação. Nos três casos
lado, as alterações climáticas são o Há muitos sinais encorajadores.   temos a luta pelo monopólio dos recursos de poder em função de
desafio global mais complexo da Em 2018 o RU comemorou o Representante Especial do Governo marcadores: pigmentação no primeiro caso, pequena comunidade
história da humanidade. Mas por 10º aniversário UK 2008 Climate Britânico para as Alterações Climá- imaginada no segundo, grande comunidade no terceiro.
outro, também pode ser simples: Change Act - a primeira lei climá- ticas
OPINIÃO
20 Savana 01-03-2019

O Sistema constitucional de crises e


a eventual guerra contra a Venezuela
Por João Pedro Paro*

É
fundamental nestes tempos de ten- Constituição Federal do Brasil autori- quantidade e qualidade de armamentos tadas contra a população. São possíveis du-
são estarmos atentos e vigilantes para za o presidente declarar guerra, no caso para construção do indicador de poderio rante o estado de defesa ou de estado de
potencial uso desvirtuado das prerro- de agressão estrangeira, autorizado pelo militar. sítio: A obrigação de permanência em lo-
gativas do Presidente brasileiro que Congresso Nacional. O presidente deverá Dito isto, qual seriam os efeitos para a so- calidade determinada; restrições relativas à
deve ser guiada pelo sistema constitucional decretar a mobilização nacional que con- ciedade em geral? inviolabilidade da correspondência, ao sigi-
de crises. siste em ato pelo qual se divide a população A Constituição prevê a possibilidade da lo das comunicações, à prestação de infor-
Esta semana a escalada do conflito na Ve- entre combatentes e não combatentes. Ac- pena de morte em caso de guerra externa mações e à liberdade de imprensa, radiodi-
nezuela ganhou contornos bélicos. Civis tualmente o número do efetivo do exército declarada. O instituto que regula a pena fusão e televisão; a suspensão da liberdade
morreram na fronteira atacados pelo exér- brasileiro é de 222.234 mil. Este número é capital em caso de guerra é o Código Penal de reunião; a busca e apreensão em domicí-
cito que defende o Governo. A ajuda hu- estabelecido todo ano em tempos de paz Militar, os crimes punidos com a perda da lio; a intervenção nas empresas de serviços
manitária não encontra formas de chegar por meio de Decreto do Presidente, mas os vida são: traição, motim, revolta ou cons- públicos; a requisição de bens; ocupação e
devido a fronteira estar militarmente fe- reservistas podem ser chamados a integrar piração e espionagem. A execução da sen- uso temporário de bens e serviços públicos,
chada. O Presidente Bolsonaro consultou as forças armadas em caso de guerra. tença deve se dar por meio de fuzilamento. na hipótese de calamidade pública.
os presidentes do Supremo Tribunal Fede- É por isso que o Decreto Lei nº 1.187/1939 Não se pode esquecer que o Brasil é sig- É facto que os custos de uma guerra para
ral, da Câmara e do Senado sobre possi- diz que em caso de guerra externa, ou para natário da Convenção Americana de Di-
bilidade de declaração de guerra contra o a sociedade brasileira são imensos, temos
manter a integridade nacional, todo bra- reito Humanos e nela está previsto que:
país que sofre opressão diante do Governo questões internas prementes que exigem
sileiro maior de 18 anos e até uma idade (i) em nenhum caso pode a pena de morte
autoritário de Nicolás Maduro. concentração da liderança política do país.
que o Governo fixará poderá ser chamado ser aplicada por delitos políticos, nem por
Ao falarmos de guerra, estamos necessaria- Urge recordar de nossa experiência béli-
a prestar serviço em defesa da Pátria. No delitos comuns conexos com delitos polí-
mente falando de direito internacional. A ca do século XIX no Paraguai que gerou
mesmo decreto está previsto o crime de in- ticos; (ii)  toda pessoa condenada à morte
Carta da ONU estabelece que os membros flagrante desequilíbrio orçamentário e no
submissão que se constitui pelo fato de o tem direito a solicitar anistia, indulto ou
deverão abster-se nas suas relações de re- Tesouro brasileiro, o conflito custou quase
cidadão chamado à incorporação no Exér- comutação da pena, os quais podem ser
correr à ameaça ou ao uso da força, quer cito ou na Marinha de Guerra deixar de concedidos em todos os casos.  Não se onze anos do orçamento público anual da
seja contra a integridade territorial ou a in- apresentar-se no lugar designado e dentro pode executar a pena de morte enquanto o época e registou perdas de 50 mil homens.
dependência política de um Estado ou por do prazo marcado. pedido estiver pendente de decisão ante a Portanto, é fundamental nestes tempos de
qualquer outro modo incompatível com os Uma dúvida importante: Qual é a capaci- autoridade competente. tensão estarmos atentos e vigilantes para
objetivos da ONU. No entanto, a mesma dade das forças armadas brasileiras? Outro impacto a ser considerado é que potencial uso desvirtuado das prerrogati-
carta prevê exceções: (i) a legítima defesa; Exército, Aeronáutica e Marinha juntos, uma guerra poderia interferir na agenda vas do presidente que deve ser guiada pelo
(ii) as medidas adotadas ou autorizadas pe- actualmente tem o maior contingente mi- do Congresso Nacional e, por consequên- sistema constitucional de crises. Faz-se ne-
los seus órgãos competentes para manter litar da América Latina. Em 2017 o Bra- cia na tão falada Reforma da Previdência, cessário empenho da comunidade interna-
ou restabelecer a paz e a segurança; (iii) as sil registou gastos de 1,4% do PIB com as pois trata-se de Projeto de Emenda Cons- cional na tentativa, sempre mais produtiva,
medidas adotadas contra anteriores Esta- forças armadas. De acordo com dados do titucional que ficaria suspenso, por deter- de solução da crise venezuelana pelas vias
dos inimigos; (iv) as medidas adotadas por GlobalFirepower, que desde 2006 analisa a minação constitucional, enquanto durar a diplomáticas.
organizações regionais, no caso das améri- situação do poderio militar de 136 países vigência de intervenção federal, de estado
cas a organização de maior relevo seria a do mundo, o Brasil é uma potência militar de defesa ou de estado de sítio. *Advogado, cientista social e pesquisador
OEA. e está em 14.º lugar no ranking que leva Para além disto, existem as hipóteses de da Universidade de São Paulo, Instituto de
No que diz respeito ao direito interno, a em consideração quantidade de pessoal e eventuais medidas que poderiam ser adop- Relações Internacionais

SACO AZUL Por Luís Guevane

Como o pudim nos (des)uniu



Afinal não era hoje que iam de- deu para perceber que ele queria perguntar um pudim, quando afinal não sabe nada!” ali próximo. Explique-lhe o que era um
cidir para ele ir ficar preso na o que era um pudim. Afinal, quando sabe- Mais do que força foi preciso muita deter- pudim, até criar água na boca. Disse-
América?” Ouvi esta pergunta mos o que é um pudim somos tentados a minação para separar aqueles dois homens -lhe que havia pudins armados para
algures na cidade de Maputo, pensar erradamente que toda gente à nos- que, ao que parece, não se lembravam que provocar danos ao ser humano. Pudins
enquanto esperávamos pelo transporte sa volta também sabe o que é um pudim. estavam naquela paragem à espera de um que ardiam na boca, aqueles, por exem-
semi-colectivo, vulgo “chapa 100”. Uma Mais grave fica se falarmos em pudins en- “chapa”. O que mais nos chamou à atenção plo, que contém pesticida orgânico
pergunta que não esperava por uma res- venenados. Ainda olhei para o indivíduo e foi mesmo o estrondoso estalo da primeira fosfórico. Pudins criminosos. Prepara-
posta, mas que expressava um desejo de perguntei-lhe, civilizadamente, se sabia o bofetada seguida da correspondente res- dos por este ou aquele que já não nos
justiça. Nesse mesmo lugar, paragem de que era um pudim. “Pudim não são aquelas posta do visado. Bofetadas bem esticadas quer bem. Pudins que têm a ver com o
ocasião, alguém desconfiado ainda dis- coisas das festas? Afinal aquilo é veneno? e certeiras. Tudo por causa de um pudim poder. Pudins de um poder em zanga
se: “Estão a demorar muito com ele; os Mas eu sei o que é, já ouvi falar. Ou são que nenhum deles sabia muito bem o que consigo mesmo. Mas também expli-
advogados devem estar mais interessa- aquelas coisas que estão a julgar na África era. Ao aparecer o “chapa” entramos. No quei que havia pudins saborosos, ino-
dos em mamar-lhe as molas. Andamos do Sul sobre as dívidas elegantes?” Ao meu entanto, o mais molestado evitou entrar no fensivos, viciantes. Pudins caprichados
a pressionar o Governo sul-africano lado, alguém com muita vontade de lhe dar mesmo. Preferi descer para lhe fazer com- e que faziam esquecer a pobreza. Pouco
não sei porquê. Querem-lhe fazer voltar uma lambada, fez soar a sua voz de trovão: panhia. Seguiria no “chapa” seguinte. Suge- depois vimos o servente a colocar na
para Moçambique para depois lhe da- “Sabes ou não sabes o que é um pudim? Se ri a ele que procurássemos a pastelaria mais prateleira um pudim. Virei-me para
rem pudim envenenado. É melhor ele não sabes o que é, não custa nada pergun- próxima para saborear um pudim. Nas pas- ele e disse: “Pudim é aquilo. Vamos
ir para a terra do Trump do que esperar tar”. Não saber o que é um pudim estava telarias onde entrávamos, ao invés de nos pedir um.” Para meu espanto, de um
ser apagado por cá.” A referência ao pu- começar a criar problemas. Na defensiva o dizerem a verdade, diziam que o produto momento para outro, fiquei sem aquela
dim criou-me algum interesse. Ah, sim, outro gritou destemido: “E você sabe o que acabava de se esgotar há alguns minutos. companhia. Sentado onde estava vi-o
o pudim. Ao olhar para um dos presen- é um pudim? Anda aqui a armar-se de um Fartos de percorrer os mais prováveis locais a correr para o “chapa” que acabava de
tes no local onde nos encontrávamos gajo importante como quem sabe o que é de venda de pudins, sentamo-nos num café parar. “Um pudim, por favor.”
DESPORTO
Savana 01-03-2019 21

Francisco Mabjaia, cada vez mais enfraquecido, prestes a ceder à pressão do Ministério da Juventude e Desportos

O triste fim de um presidente da FMB


Por Paulo Mubalo

S
e num passado recen- sa de uma estória para boi dormir. e coragem para cortar, uma vez
te Francisco Mabjaia, o por todas, esse mal.
actual presidente da Fe- Volte face Para já, perspectiva-se, em função
deração Moçambicana Entretanto, numa posição que deste cenário, uma saída de Fran-
de Basquetebol (FMB), era uma surpreendeu muita gente ligada cisco Mabjaia pela porta pequena,
figura que transmitia muito res- à bola ao cesto, segundo noticiou, tal como aconteceu quando este
peito e admiração no seio dos recentemente, o jornal Desafio, a foi obrigado a deixar de ser Pri-
amantes do bola ao cesto e não Federação Moçambicana de Bas- meiro Secretário da Frelimo na
só, não fosse ele Primeiro Secre- quetebol não terá direito a verbas cidade de Maputo. Consta que
tário do Partido na Cidade de do Estado para a realização das um grupo de membros do se-
Maputo, desde que foi afastado suas actividades, isto no âmbito cretariado deste órgão submeteu
do cargo, passam aproximada- dos contratos-programa, tendo uma carta, aos órgãos superiores
mente três meses, este deixou de em conta o facto deste organismo, do partido, com um único ponto
sê-lo. O que demonstra que foi se dirigido por Francisco Mabjaia, de agenda: a análise do relatório-
cultivando um culto de persona- estar a funcionar ilegalmente, ou balanço do gabinete de prepara-
lidade à volta da sua pessoa não seja, fora do mandato. ção das eleições autárquicas de
olhando para o abismo com que Esta posição do Ministério da 2018, acto que Mabjaia tentou
este estava a levar a federação e impedir logo que percebeu que
Juventude e Desportos foi torna-
quiçá, a modalidade. pretendiam afastá-lo do cargo.
Tudo aponta que Francisco Mabjaia sairá pela porta pequena da pública, através da vice- minis-
O relatório em questão, ora re-
tra, Ana Flávia Azinheira, o que
dirigir a federação, fora do man- sentes nesse encontro defenderam provado, foi apreciado na última
Na verdade, Mabjaia sempre teve leva muita gente a pensar que,
semana de Outubro passado e
dificuldades em conciliar as suas dato para tal, desde Junho do ano a continuação da ilegalidade. Ou claramente, Francisco Mabjaia já
constatou-se que continha um
actividades partidárias com as passado, perante a condescendên- seja: aprovaram a continuidade da não passa, usando a hermenêutica
conjunto de irregularidades que
da direcção da FMB, mas pelo cia e cumplicidade do Ministério direcção da Federação encabeça- popular, de um leão sem garras,
deviam ser analisadas e corrigidas
poder que gozava, derivado do da Juventude e Desportos, pois da por Francisco Mabjaia até De- pois, não assusta ao Ministério da para a sua aprovação.
cargo político que ocupava, foi- este organismo, de forma patética zembro deste ano. Juventude e Desportos, em espe- Recorde-se que na missiva en-
-se transmitindo uma imagem de continua, via Fundo de Promo- E para que esse desiderato (ma- cial, porque caso contrário, esta dereçada a Margarida Talapa, na
um dirigente federativo impolu- ção Desportiva, a disponibilizar nutenção do actual elenco) se medida teria sido tomada o ano qualidade de chefe da Brigada
to, bastante trabalhador e quiçá apoios. E a única coisa que este concretizasse, as associações ar- passado, logo depois do término Central de Apoio à Cidade de
proactivo. Daí que tenha conti- ministério fez até aqui foi dizer gumentavam que havia seleccões do mandato da actual direcção, Maputo, na altura, e submetida a
nuado a ser intocável, dirigindo que vai deixar de dar apoios àque- nacionais que estavam envolvidas o que não aconteceu. Antes pelo outros órgãos superiores do Freli-
ilegalmente a retromencionada la instituição, o que não deixa de em competições internacionais, contrário, assistiu-se a um mutis- mo, os signatários defendiam que
federação. ser uma aberração. como o afrobásquete em seniores mo fora do normal . a análise do relatório- balanço era
Mas porque a verdade sempre Sabe-se que em Janeiro deste masculinos e femininos, o sub-16 Na retromencionada entrevista , muito importante para a vida do
aparece, bastou ser afastado do ano, a FMB efectuou, na cidade em masculinos e femininos, os Azinheira, explicou que a insti- partido na cidade.
cargo de Primeiro Secretário para de Chimoio, à margem da rea- Jogos Africanos em masculinos e tuição que dirige está atenta não Mas como a sua queda, diría-
virem à ribalta as fragilidades de lização, naquela parcela do país femininos, e o mundial de sub- 19 só em relação à situação da FMB, mos, saída pela porta pequena
um homem que, do ponto de vista , dos nacionais de juvenis , a sua em femininos, sendo que a entra- mas também de outras federações era inevitável, em Dezembro do
político se diz, de boca cheia, que Assembleia Geral, a qual foi tida da de uma nova direcção poderia e associações que estão na mesma ano passado, Francisco Mabjaia,
foi usado e abandonado. Triste como para enganar os incautos, mexer com todo um plano de situação, o que , à priori, remete ao incluindo todo o secretariado da
sina. pois, não se sabe com que motiva- preparação anteriormente traçado entendimento de que o que está a Frelimo na cidade de Maputo foi
Concretamente , Mabjaia está a ção as associações provinciais pre- para essas provas. O que não pas- faltar são medidas mais enérgicas destituído.

Falta de árbitros tira sono à FMX


P
ela primeira vez , está a reflectir- se agora”, disse, ponto de vista geográfico, muito competição zonal, ou seja, de di- enfrenta, num contexto de
cerca de 35 atletas para depois acrescentar que os jo- bem representado. Na zona cen- mensão africana, com uma das escassez de recursos.
em representação vens- atletas estão motivados pelo tro havia, também, um número melhores premiações de sempre. Igualmente, a FMX pretende
de nove provín- tamanho dos prémios que a fede- considerável de atletas, para além “Temos feito muito esforço, e só ver todas as provas organiza-
cias do país, exceptuando ração está a disponibilizar, daí que de que este campeonato passou para ter uma ideia, a organização das no território nacional a
Niassa e Gaza, sendo 10 continuam a treinar muito mais, por várias fases de apuramento do campeonato nacional rondou contarem para a pontuação
juniores, igual número em tendo como horizonte as próxi- até chegar a esta fase , o que sig- por aí em um milhão e seiscen- da federação internacional da
seniores e 14 em femininos, mas competições. nifica que o facto de termos nove tos mil meticais, o que exigiu, da modalidade, daí a necessida-
protagonizaram, durante A par disto, destacaram-se no províncias é encorajador e mostra federação, um desdobrar muito de de formação de árbitros
uma semana, em Inhamba- evento, particularmente em femi- que estamos no caminho certo”, grande de esforço à procura de preparados para cumprirem
ne, um dos mais concorri- ninos, algumas atletas, sendo uma afirmou. recursos para podermos realizar com as exigências internacio-
dos campeonatos nacionais de 11 anos e que já faz parte da Enquanto isto, terminado o cam- estas actividades” . nais para o efeito.
de xadrez. selecção nacional, que se revelou peonato nacional , a FMX vai en- Quanto à formação, a FMX diz Neste momento, uma das
nos últimos jogos desportivos es- trar, doravante, no calendário para pretender, com estas acções, ele- grandes dificuldades que al-
Para já, segundo Mateus colares, realizados na província de 2019-2020, porque a prova ante- var o nível dos árbitros e dirigen- guns técnicos enfrentam é
Viageiro, secretário geral da Gaza. rior era referente à época passada. tes, isto porque, desde que o ac- organizar provas que este-
Federação Moçambicana Em termos regionais, a província “Os vencedores participarão no tual elenco tomou posse todas as jam de acordo com as regras
de Xadrez, como resultado de Cabo Delgado, com um total campeonato africano, campeo- provas contaram para o ranking da Federação Internacional
do trabalho que está sendo de quatro atletas, foi a que mais nato regional , e este ano teremos, internacional , faltando replicar de Xadrez. Neste momento
desenvolvido nas camadas atletas apresentou no certame, ainda, os Jogos Africanos, agen- esta ideia para os campeonatos existem, no país, apenas qua-
de formação, alguns atletas comparativamente às restantes, o dados para Marrocos”, anotou provinciais. tro árbitros com credenciais
emergentes conseguiram que significa, para a direcção da Acrescentou, ainda, que todas as Em relação aos cerca de 50 di- internacionais, o que consti-
“passaporte” para a selecção FMX, um prémio do trabalho provas programadas pela FMX rigentes que participaram da for- tui um grande desafio para o
nacional. que está sendo realizado na zona estão a ser realizadas, incluindo mação, o objectivo é fazer com país, a organização de provas
“No ano passado houve norte. as internacionais, sendo que no que estejam actualizados sobre os a contar para o raking inter-
um grande trabalho, o qual “Globalmente o país estava, sob ano passado o país acolheu uma desafios que o desporto, no geral, nacional.
PUBLICIDADE
DESPORTO
22 Savana 01-03-2019

EXPRESSÃO DE INTERESSE
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SUBCONTRATAÇÃO DE MÃO DE OBRA LOCAL

Eni Rovuma Basin B.V., Mozambique Branch – Opera- OKDQWHVQDLQG~VWULDGH3HWUyOHR *iV


dora Offshore da Área 4, convida às empresas interessa- 6- Brochura / folheto;
das a submeterem a sua Manifestação de Interesse para &HUWLÀFDo}HVGRVLVWHPDGH*HVWmRGD4XDOLGDGHH
a prestação de serviços de subcontratação de mão de RX FHUWLÀFDGRV TXH FRPSURYHP D FRQIRUPLGDGH GD
REUDORFDOFRPRHVSHFLÀFDGRDEDL[R (PSUHVDFRPRV3DGU}HVGH4XDOLGDGH1DFLRQDLVRX
,QWHUQDFLRQDLV SRUH[HPSOR,62 
ÂMBITO DO TRABALHO 5HJLVWRGDHPSUHVDHP0RoDPELTXH
1) Pesquisa de candidatos locais para cobertura de va- 0DQXDOGR6LVWHPDGH*HVWmRGD4XDOLGDGHHPFRQ-
JDVSDUDDWLYLGDGHVHVSHFtÀFDVRXSRUXPFXUWRSHUtR- IRUPLGDGHFRPDV1RUPDV,QWHUQDFLRQDLVGH4XDOLGD-
do de tempo, administração plena dos recursos (con- GH ,62 
tratação, folha de pagamento, impostos, segurança &DSDFLGDGHGHUHDOL]DUDDWLYLGDGHHPGLIHUHQWHVOR-
social, seguro de saúde etc.) cais dentro do país;
2) Administração completa (contratação, folha de paga-  4XDOTXHU RXWUD LQIRUPDomR TXH HVWDEHOHoD TXH VXD
mento, impostos, segurança social, seguro de saúde empresa é capaz de cumprir o escopo do trabalho.
etc.) do recurso sempre que o candidato for nomeado
pela Eni Rovuma Basin B.V., Mozambique Branch As empresas interessadas deverão submeter as suas Ma-
3) Pesquisa e pré-seleção de candidatos locais para co- QLIHVWDo}HVGH,QWHUHVVHDQH[DQGRWRGDDGRFXPHQWDomR
EULUYDJDVSDUDDWLYLGDGHVHVSHFtÀFDVVRE(QL5RYXPD solicitada acima, para o e-mail:
Basin B.V., Mozambique Branch. Erb.Public.announcement@eni.com

DOCUMENTAÇÃO SOLICITADA IMPORTANTE:


As empresas interessadas neste convite podem sub- 2(PDLOGHVXEPLVVmRGHYHUiID]HUUHIHUrQFLDDR$Q~Q-
meter a sua Manifestação de Interesse em participar no cio Público “Prestação de serviços de subcontratação da
processo do concurso para “prestação de serviços de mão de obra local” e também ao seguinte código:
subcontratação da mão de obra local” fornecendo as
seguintes informações obrigatórias e documentos: SS04AB05 – SERVICES RELATED TO PERSONNEL:
TEMPORARY PERSONNEL
1- Estrutura da Empresa e do grupo com a lista dos prin- 6XMHLWRjHQWUHJDHFRQIRUPLGDGHGHWRGDDGRFXPHQWD-
FLSDLVDFLRQLVWDVHEHQHÀFLiULRVÀQDLV FDVRQmRHVWHMD ção acima, as Empresas interessadas nesta Manifestação
cotada na bolsa de valores); de Interesse poderão receber da Eni Rovuma Basin B.V.,
2- Cópia digital autenticada do Registo Comercial, nome R3DFRWHGH4XDOLÀFDomRHSRGHPDLQGDVHULQFOXtGDVQR
Legal da Entidade e a pessoa de contacto para receber processo de concurso para as atividades.
TXDOLÀFDomRHRXWUDVLQIRUPDo}HVUHOHYDQWHVDSDUWLU A presente consulta não deve ser considerada como um
da Eni Rovuma Basin B.V., Mozambique Branch; convite à apresentação de propostas e, portanto, não re-
 &DVR GHVHMH SDUWLFLSDU GD 0DQLIHVWDomR GH ,QWHUHVVH presenta nem constitui qualquer promessa, obrigação ou
FRPR FRQVyUFLR RX MRLQW YHQWXUH LQIRUPDo}HV VREUH compromisso de qualquer tipo por parte da Eni Rovuma
FDGDPHPEURGRFRQVyUFLRRXMRLQWYHQWXUHHRSDSHO %DVLQ %9 H VXDV 6XFXUFDLV 0RoDPELFDQDV GH FHOHEUDU
GHFDGDSDUWLFLSDQWHQRSURMHWRHPSRWHQFLDO(VVDLQ- qualquer acordo ou tratado com você ou qualquer Em-
tenção de formar um consórcio ou uma JV deve ser presa que participe desta Manifestação de Interesse.
suportada por um Acordo ou “Memorando de Enten- 4XDOTXHU FXVWR LQFRUULGR SHODV HPSUHVDV LQWHUHVVDGDV
dimento” devidamente assinado por cada entidade QDSUHSDUDomRGD0DQLIHVWDomRGH,QWHUHVVHVHUiGDWRWDO
no grupo; responsabilidade das Companhias as quais não poderão
4- Demonstrações Financeiras dos últimos três anos e UHFRUUHUjQHPD(QL5RYXPD%DVLQ%9HVXDV6XFXUFDLV
Relatórios Anuais, incluindo Balanço Patrimonial, Moçambicanas a este respeito.
/XFURVH3HUGDVH)OX[RGHFDL[DFRPSURYDQGRDFD- Todos os dados e informações fornecidos de acordo com
SDFLGDGHÀQDQFHLUDPtQLPDSDUDH[HFXWDURHVFRSR esta Manifestação de Interesse serão tratados como estrita-
Estes documentos devem ser fornecidos para o Grupo PHQWHFRQÀGHQFLDLVHQmRVHUmRGLYXOJDGRVRXFRPXQL-
GD(PSUHVD VHDSOLFiYHO HWDPEpPSDUDDHQWLGDGH cados a pessoas ou empresas não autorizadas.
GD(PSUHVDTXHSRWHQFLDOPHQWHFHOHEUDUiRFRQWUDWR
em questão; A data limite de submissão da Manifestação de Interesse
([SHULrQFLDFRPSURYDGDQDSUHVWDomRGHVHUYLoRVGH SRUHPDLOLQGLFDGRDFLPDpÀ[DGDSDUD11 March 2019,
subcontratação da mão de obra local em Moçambi- 23:59 pm Hora da Africa Central. A Eni Rovuma Basin
que, incluindo quaisquer referências relevantes de %9 QmR LUi DFHLWDU QHQKXPD GRFXPHQWDomR UHFHELGD
clientes anteriores para a prestação de serviços seme- após a data e hora indica.
PUBLICIDADE
DESPORTO
Savana 01-03-2019 23

EXPRESSION OF INTEREST
PROVISION OF OUTSOURCING FOR LOCAL MANPOWER
SERVICES

Eni Rovuma Basin B.V., Mozambique Branch – Offsho- FHUWLÀFDWHV SURYLQJ WKH &RPSDQ\ FRPSOLDQFH ZLWK
re Operator of Area 4, invites interested companies to 1DWLRQDORU,QWHUQDWLRQDO4XDOLW\6WDQGDUGV HJ,62
submit Expression of Interest for the provision of outsour- 
FLQJORFDOPDQSRZHUVHUYLFHVDVVSHFLÀHGEHORZ &RPSDQ\·VUHJLVWUDWLRQLQ0R]DPELTXH
4XDOLW\0DQDJHPHQW6\VWHP0DQXDOLQFRPSOLDQFH
SCOPE OF WORK ZLWK,QWHUQDWLRQDO4XDOLW\6WDQGDUGV ,62 
1) Research of local candidates to cover vacancies for &DSDELOLW\WRSHUIRUPWKHDFWLYLW\LQGLIIHUHQWORFD-
VSHFLÀFDFWLYLWLHVRUIRUDVKRUWWLPHIXOODGPLQLVWUDWLRQ tions within the country;
RI WKH UHVRXUFHV KLULQJ SD\UROO WD[HV VRFLDO VHFXULW\ 11- Any other information that will establish that your
health insurance etc.) &RPSDQ\LVDFDSDEOHRIIXOÀOOLQJWKHVFRSHRIZRUN
  )XOO DGPLQLVWUDWLRQ KLULQJ SD\UROO WD[HV VRFLDO VH-
curity, health insurance etc.) of the resource whenever Companies interested in this invitation may submit
the candidate is appointed by Eni Rovuma Basin B.V., WKHLU([SUHVVLRQRI,QWHUHVWE\VHQGLQJDOOWKHUHTXHVWHG
Mozambique Branch. documentation to the following email address:
3) Research and preselection of local candidates to cover Erb.Public.announcement@eni.com
YDFDQFLHVIRUVSHFLÀFDFWLYLWLHVXQGHU(QL5RYXPD%DVLQ
B.V., Mozambique Branch. IMPORTANT:
The Email submission must refer to the Public Annou-
DOCUMENTATION REQUIRED QFHPHQW REMHFW ´3URYLVLRQ RI RXWVRXUFLQJ ORFDO PDQ-
Companies interested in this invitation may submit their power services”, and also to the following commodity
([SUHVVLRQRI,QWHUHVWWRSDUWLFLSDWHLQDWHQGHUSURFHVV codes:
for “provision of outsourcing local manpower servi-
ces” by providing the following mandatory information SS04AB05-SERVICES RELATED TO PERSONNEL:
and documentation: TEMPORARY PERSONNEL

&RPSDQ\DQGJURXSVWUXFWXUHZLWKWKHOLVWRIPDMRU 6XEMHFWWRWKHVXEPLVVLRQDQGFRPSOLDQFHRIDOOWKHDER-
VKDUHKROGHUV DQG XOWLPDWH EHQHÀFLDULHV LI QRW OLVWHG YHGRFXPHQWDWLRQ&RPSDQLHVLQWHUHVWHGLQWKLV([SUHV-
LQWKHVWRFNH[FKDQJH  sion of Interest may receive from Eni Rovuma Basin B.V.
 6FDQQHG FHUWLÀHG FRS\ RI WKH 7UDGH 5HJLVWHU /HJDO WKH4XDOLÀFDWLRQ3DFNDJHDQGPD\IXUWKHUEHLQFOXGHG
(QWLW\QDPHDQGFRQWDFWSHUVRQIRUUHFHLYLQJTXDOLÀ- LQWKHWHQGHUSURFHVVIRUWKHVXEMHFWDFWLYLWLHV
cation and other relevant information from Eni Rovu-
ma Basin B.V., Mozambique Branch; This enquiry shall not be considered as an invitation to
,QFDVH\RXZLVKWRSDUWLFLSDWHLQWKH([SUHVVLRQRI Tender and therefore it does not represent or constitute
,QWHUHVWDVDFRQVRUWLXPRUDVDMRLQWYHQWXUHLQIRUPD- any promise, obligation or commitment of any kind on
WLRQDERXWHDFKPHPEHURIFRQVRUWLXPRUMRLQWYHQWX- the part of Eni Rovuma Basin B.V. and their Mozambi-
UHDQGUROHRIHDFKSDUWLFLSDQWLQWKHSRWHQWLDOSURMHFW can Branches, to enter into any agreement or arrange-
6XFK LQWHQWLRQ WR IRUP HLWKHU D FRQVRUWLXP RU D -9 ment with you or with any Company participating in
must be supported by an Agreement or “Memoran- this Expression of Interest.
dum of Understanding” duly signed by each entity in
the group; Any cost incurred by interested companies in preparing
/DVWWKUHH\HDUVRI)LQDQFLDO6WDWHPHQWVDQG$QQXDO WKH([SUHVVLRQRI,QWHUHVWVKDOOEHIXOO\ERUQE\&RPSD-
5HSRUWVLQFOXGLQJ%DODQFH6KHHW3URÀWDQG/RVVDQG nies who shall have no recourse to Eni Rovuma Basin
&DVK)ORZ6WDWHPHQWSURYLQJPLQLPXPÀQDQFLDOFD- B.V., and their Mozambican Branches in this respect.
pability to carry out the scope. These documents must All data and information provided pursuant to this Ex-
be provided for the Company Group (if applicable), pression of InterestZLOOEHWUHDWHGDVVWULFWO\FRQÀGHQWLDO
and also for the Company’s entity that will potentially and will not be disclosed or communicated to non-au-
HQWHULQWRWKHVXEMHFWFRQWUDFW thorized persons or companies.
3URYHQH[SHULHQFHLQWKHSURYLVLRQRIRXWVRXUFLQJOR-
cal manpower services in Mozambique, including any 7KHGHDGOLQHIRUUHFHLSWRI([SUHVVLRQRI,QWHUHVWE\WKH
relevant references from previous clients for the pro- email address indicated above is set at 11 March 2019,
vision of similar services in Oil & Gas industry; 23:59 pm Central Africa Time. Eni Rovuma Basin B.V.
6- Brochure/booklet; will not accept the documentation received after the set
 4XDOLW\ 0DQDJHPHQW 6\VWHP FHUWLÀFDWLRQV DQGRU deadline.
CULTURA
24 Savana 01-03-2019

Ubakka inicia lançamento de Sunangai II


J
ustino Ubakka fez vibrar álbum e do concerto e dedicou posição de letras com as quais o
o público, que assistiu longas horas aos ensaios e fez povo se identifica e contribuem
na passada sexta-feira, parte da produção do próprio para engrandecer a música mo-
ao primeiro dos concer- espetáculo. çambicana atual.
tos que serão realizados sob Fruto da paixão por aquilo que “Valorizar a cultura é a melhor
o lema: “A caminho do lança- fazem, os artistas que encheram coisa que existe para qualquer
mento Oficial do Sunangai II”, o palco da Associação dos Mú- cidadão, porque acalma a alma.
nome do novo álbum do jovem sicos, vestida de gala para a oca- O que é que está a acontecer no
artista moçambicano. sião, conseguiram aquecer o re- nosso país? Muita gente perse-
cinto e rapidamente levantaram gue aquilo que ouve dizer. Va-
Os muitos que compareceram os assistentes das cadeiras para mos buscar a nossa cultura, va-
no recinto da Associação dos dançar ao ritmo das músicas mos conservá-la. As músicas de
Músicos Moçambicanos se de- deste artista que não é apenas Ubakka vêm do fundo, são cul-
leitaram com músicas do seu cantor, mas também destaca tivadas e dizem alguma coisa”,
primeiro álbum, Sunangai, as- pelas suas habilidades na com- disse o artista. (Alvaro Garcia)
sim como do seu novo trabalho,
Sunangai II.
Justino Ubakka escolheu a casa
dos músicos como primeira ESCOLA SABURA/TEATRO AVENIDA/JORNAL SAVANA
paragem e fez-se acompanhar
pela sua banda formada por um
APRESENTAM
baterista, um viola-baixo, um “DÁ-ME CEM GRAMAS DE PLATÃO MAL PASSADO?”
guitarra, um teclado, um saxo-
fone e duas coristas, oferecendo Curso sobre Arte e Pensamento, desde as Vanguardas do Século XX até hoje,
um espetáculo musicalmente administrados pelo professor e escritor António Cabrita.
completo e repleto de emoções.
A jovem cantora Yoka se fez O curso dirige-se ao público em geral que queira ampliar de forma sistematizada a sua
presente como artista convida- cultura geral embora tivesse sido concebido tendo como público-alvo os jornalistas que
da, mostrando o seu trabalho se queiram especializar na área cultural.
lançado no ano 2018 com o Em três módulos (de dois meses cada, com um intervalo de um mês entre cada um deles)
nome Wamy, no qual apesenta
pretende-se explicar o percurso da arte e do pensamento que fertilizou os movimentos
ritmos como afro jazz e fusão.
Ubakka demonstrou também sociais, no século que moldou definitivamente o nosso olhar e o nosso quotidiano.
que a vida de um artista é fei-
ta em base ao esforço e ao tra-
Aula Aberta no dia 13 de Março, dia de início do curso.
balho e não se trata apenas de
subir nos palcos. Ao longo de
Cada módulo terá a duração de 2 meses (3 horas semanais).
muitas semanas trabalhou for- Só se aceitam 25 inscrições por curso.
temente na promoção do novo
Alguns dos tópicos que serão tratados:
1. Nietzsche e a nova sensibilidade artística. Modernidade, hiperestímulo e o início do
Anuncie a sua marca, produto e serviços, na
sensacionalismo: a dramatização como efeito do Cinema e da Fotografia. As Vanguardas,
SAVANA FM . Proporcionamos para si pa- caracterologia e manifestos, o seu entrosamento na atmosfera política e a gradual
cotes promocionais, contacte-nos através de: aproximação entre a arte e a vida. Do Cubismo à Pop Arte, cinquentas anos de uma
84 1440048, 82 8944278 ou ainda através do «tradição da ruptura».
e-mail: radiosavana100.2@mediacoop.co.mz
SAVANA 100.2 FM 2. A Agência Magnum. O advento das Indústrias Culturais e o pensamento de Adorno.
Os diferentes regimes culturais (a Cultura de Massas, a Cultura Popular, a Cultura
Visite agora e mantenha-se informado, Humanístico/Erudita, e a Cibercultura: as suas tipologias, características e diferentes
(integridade & independência) modos de produção). O que é o Mercado de Arte e como actua. O peso das “indústrias
culturais” na actual institucionalização do Gosto. Equívocos e ganhos embutidos na
https://www.savana.co.mz dinâmica da Globalização.
Agenda Cultural 3. O pós-modernismo e a discussão em torno do conceito. A arte pós-vanguarda. O
Cine-Gilberto Mendes pensamento de Walter Benjamin e a sua influência neste panorama. A vídeo arte. Os
Sextas, Sábados, Domingos e Feriados 18h30 efeitos da nova bacia cultural pós-colonial na releitura dos cânones da arte. A tradição, a
Apresenta“Mae Coragem” crioulagem e o rizoma, em Gilles Deleuze e Edouard Glissant. A China como nova
potência nos mercados da arte. Como se pode defender a identidade africana da diluição
Maputo Waterfront nos mercados globais?
Todas Sextas, 19h
Jantar Dancante com Alexandre Mazuze As aulas serão expositivas mas sempre apoiadas em imagens (de pintura, de fotografias,
Todos Sábados, 19h de arquitectura, de design, e de excertos de filmes) ou em excertos de música do repertório
Música com Zé Barata ou Fernando Luís musical contemporâneo, de modo a que o aluno beneficie de uma compreensão
Todos Domingos, das 13/18h abrangente e articulada dos movimentos da arte e dos novos regimes da percepção.
Animacao com DJ Mais informações no secretariado do Teatro Avenida (tel. 841640011) ou na página
Chefs Restaurante https://www.facebook.com/D%C3%A1-me-Cem-Gramas-de-Plat%C3%A3o-Mal-
Todas Sextas, 19h Passado-336945737054865/?modal=admin_todo_tour. Inscrições abertas de 25 de
Música ao vivo Fevereiro a 12 de Março.
INTERNACIONAL
Savana 01-03-2019 25

A vingança do advogado de Trump


N
uma longa e dura audição no campanha e já na Casa Branca. a responder em tribunal por quais- gressistas do Partido Republicano
Congresso, Michael Cohen Tal como já tinha dito há vários me- quer crimes, enquanto está a cumprir trataram Michael Cohen, bombar-
comparou Donald Trump a ses, Michael Cohen voltou a dizer mandato na Casa Branca, cabe ao deando o antigo advogado – e os mi-
um chefe da máfia, e acusou- esta quarta-feira, no Congresso, que chefe do Departamento de Justiça. lhões de norte-americanos que acom-
panharam a audição em directo – com
-o de o ter obrigado a mentir sobre Donald Trump o reembolsou dos pa- E o recém-empossado attorney ge-
duras acusações contra o seu carácter.
os pagamentos para abafar relações gamentos a uma antiga actriz de fil- neral, William Barr, é conhecido por Afinal, Michael Cohen admitiu, em
extraconjugais. mes pornográficos. defender a tradição do departamento Dezembro, que mentiu ao Congresso
Meses antes das eleições de Novem- de considerar que um Presidente em em 2017 sobre os negócios de Trump
Em muitos aspectos, a aguardada au- bro de 2016, a actriz, conhecida como exercício não pode responder em tri- na Rússia – por isso, argumentaram
dição do antigo advogado pessoal de Stormy Daniels, pediu 130 mil dóla- bunal. os congressistas republicanos, como
Donald Trump no Congresso norte- res para não contar que teve relações Como colaborador muito próximo de se atreve o Partido Democrata a pôr
-americano, esta quarta-feira, tem sexuais com Trump – um escândalo Trump durante mais de uma década, no lugar de testemunha principal, na
que poderia prejudicá-lo nas eleições. entre 2006 e 2018, Michael Cohen Comissão de Supervisão da Câmara
sido tudo aquilo que prometia ser:
foi arrastado para o centro da inves- dos Representantes, um “mentiroso
horas e horas de um espectáculo te- Cohen diz que fez esse pagamento
compulsivo condenado”?
levisivo impensável há poucos anos, Michael Cohen por ordem de Trump, e que este lhe tigação sobre as suspeitas de conluio
A atitude agressiva dos congressistas
com Michael Cohen a descrever um passou cheques quando já era Presi- entre a campanha de Trump e a Rús- republicanos revela também que o
“Vergonha” de defender Trump dente dos EUA. sia nas eleições de 2016, liderada pelo
Presidente dos EUA em exercício partido permanece ao lado do Pre-
Quando Michael Cohen chegou ao Não é claro se esta informação vai procurador especial Robert Mueller. sidente Trump – e se esteve ao lado
como uma espécie de chefe da máfia,
Congresso para ler o seu depoimen- acrescentar algo às investigações que Em Abril de 2018, o FBI fez buscas dele até agora, não é provável que o
habituado a mandar ameaçar os ini-
to inicial, por volta das 9h30 locais ainda estão a decorrer – a do procu- nos seus escritórios e em sua casa, e o abandonem por causa do depoimento
migos e a mentir de forma descarada
(16h30 em Moçambique), as palavras rador Robert Mueller, supervisionada então advogado do Presidente trans- de um antigo advogado que trataram
para atingir os seus objectivos. E, tal- como se fosse um ser abjecto.
que ia disparar contra Trump já eram pelo Departamento de Justiça, mas formou-se rapidamente num alvo im-
vez mais importante, a acusá-lo de sa- É uma forma de descredibilizar Mi-
conhecidas há várias horas, divulgadas também as do Congresso. portante do procurador Mueller – em
ber que a campanha da sua adversária pela imprensa norte-americana. chael Cohen como principal testemu-
Cohen levou com ele a cópia de um Dezembro de 2018, foi condenado a
nas eleições de 2016, Hillary Clinton, “Tenho vergonha de ter participado nha num possível processo de impea-
cheque assinado por Trump, com di- três anos de prisão, depois de se ter
estava a ser alvo de ataques externos. chment contra Trump, desejado por
na ocultação dos actos ilícitos do sr. nheiro retirado da sua conta pessoal, declarado culpado de vários crimes de
Mas a forma como os congressistas alguns dos congressistas do Partido
Trump, em vez de prestar atenção mas isso pode ser pouco relevante. No fraude fiscal e bancária. Democrata da ala mais progressista,
do Partido Republicano trataram esta à minha própria consciência. Te- Por isso, é difícil que Michael Co-
ano passado, depois de meses a negar eleitos em Novembro do ano passado.
testemunha da Comissão de Super- nho vergonha, porque sei o que o sr. hen tenha dito alguma coisa na sua
ter feito quaisquer pagamentos para Mas se a maioria da Câmara dos
visão da Câmara dos Representantes, Trump é. É um racista. É um vigaris- audição no Congresso que a equipa Representantes abrir um processo
abafar antigos casos amorosos, o Pre-
pondo em causa a sua credibilidade ta. É batoteiro.” sidente norte-americano admitiu que do procurador especial não conheça. de impeachment, isso está longe de
de uma forma por vezes brutal, indi- Para além das questões de carác- passou cheques em seu nome pessoal, O que empurra tudo o que se passou significar que o Presidente será des-
ca que os dois lados da barricada – o ter, que foram muito discutidas em querendo dizer que o caso não pode esta quarta-feira para uma realidade tituído. Para que isso aconteça, é pre-
Partido Democrata e o Partido Re- milhares de notícias sobre Donald paralela, que parece estar a ganhar ciso que o Senado julgue as acusações
ser visto como um problema de cam-
publicano – podem estar já a montar desse impeachment e que condene o
Trump nos últimos anos (desde que panha eleitoral, mas sim da sua vida forma num Congresso dividido: es-
Presidente com uma maioria de dois
o cenário para uma peça ainda mais anunciou a sua candidatura à presi- privada. tará o Partido Democrata a preparar terços – um cenário pouco provável
dramática: a abertura de um proces- dência dos EUA, em Junho de 2015), terreno para a abertura de um proces- num Senado de maioria republicana e
so de impeachment do Presidente o depoimento de Michael Cohen Crimes sem acusação so de impeachment? em que os congressistas conservado-
Trump na Câmara dos Representan- voltou a implicar o Presidente norte- Mas a questão é que a decisão final Pressão sobre o Partido Democrata res se mantêm ao lado de Trump.
tes. -americano em crimes, durante a sobre se o Presidente Trump pode vir Em causa está a forma como os con- (Publico.pt)

Liga-te ao Mundo das Tecnologias


Conecta-te à Academia Cisco do ISCTEM e multiplica as tuas ligações

CCNA e CCNP
Inscrições Abertas até ao dia 08 de Março de 2019

Secretaria do ISCTEM, Rua 1394 - Zona da Facim, N.322, Maputo.


Tel: 84 021 2895 ou 84 623 9026,
E-mail: onhapulo@isctem.ac.mz / ljoelma@isctem.ac.mz
Dobra por aqui
SUPLEMENTO HUMORÍSTICO DO SAVANA Nº 1312‡ 1 DE MARÇO DE 2019
OPINIÃO
Savana 01-03-2019 27

Argunaldo Nhampossa (Texto)


Ilec Vilanculo (Fotos)

Cuidar de quem cuida


M
aior acto de nobreza não há que reconhecer aqueles que dedica-
ram parte das suas vidas em prol da saúde dos moçambicanos.
Falamos de gente cujo legado é indiscutível apesar das suas obras
não constarem dos livros escolares. São os verdadeiros heróis, por-
que num cenário em que escasseavam recursos de toda índole, fizeram das
tripas o coração e criaram condições de atendimento a milhares de pacientes.
Montaram um sistema de saúde, puramente, moçambicano logo depois da
independência, quando muitos dos quadros abandonaram o país, tal como se
verificou noutras áreas. Souberam repartir o tempo para criação de cursos de
formação, reformas do sistema e para atendimento de pacientes.
Nos referimos ao grupo de 38 médicos homenageados, semana passada,
alguns dos quais a título póstumo. Tratou-se de uma cerimónia oportuna,
numa altura em que a profissão tem sido alvo de muitas críticas, dada a de-
gradação dos valores éticos e morais daquela classe.
Reconhecemos que não é fácil exercer a actividade médica num país como o
nosso, em que falta tudo menos nada para aqueles que trabalham verdadei-
ramente, mas achamos que uma dose de humanismo não faz mal a ninguém.
Somos todos compatriotas vítimas da classe de dirigentes que não dá a devi-
da atenção a um dos sectores mais essências e oxalá que essa fúria não fosse
descarregada ao pacato cidadão.
Esperamos que a conversa que é aqui travada entre o Doutor Fernando Vaz,
médico mais velhos dos 38 homenageados e o Doutor António Zacarias,
bastonário da Ordem dos Médicos de Moçambique, sirva de luz no fundo do
túnel para o resgate dos valores da profissão. Certamente que parte daque-
les profissionais travaram longas batalhas com o antigo presidente Joaquim
Chissano na busca de melhores condições de trabalho. Uma vez mais está ele
aqui dialogando com a ministra da Educação e Desenvolvimento Humano,
Conceita Sortane, com vista à concepção de melhores políticas de educa-
ção que servirão de base para que tenhamos bons profissionais de saúde. Na
mesma linhagem está a governadora de Gaza, Stela da Graça Pinto Novo
Zeca, que troca impressões com o Reitor da Universidade Pedagógica, Jorge
Ferrão, que sonha com uma pós graduação virada à resolução de problemas.
A saúde é um deles.
Há um ditado popular que diz que a arte, por vezes, funciona como terapia.
Não estará o presidente do Conselho Municipal de Maputo, Eneas Comi-
che, a estudar essa possibilidade com o artista plástico, Elias Naguibo? Por
vezes as paredes brancas dos hospitais nos remetem a uma tremenda soli-
dão. Os jornalistas são os fazedores da história diária do país, que inclui a
divulgação do mau atendimento dos hospitais, boas práticas nos serviços de
saúde, políticas públicas de saúde, entre outras. Felisberto Arnança, jornalista
do Notícias, está numa dessas missões de busca incessante de informação
para alimentar os moçambicanos, e porque o tema de destaque é saúde, não
restam dúvidas que tenha questionado ao deputado da Renamo, André Ma-
gibire, sobre as prioridades da sua bancada no sector de saúde para a presente
sessão da AR que arrancou esta quinta-feira.
Naita Ussene
À HORA DO FECHO
www.savana.co.mz EF.BSÎPEFt"/0997*t/o 1312

iz- se
D
IMAGEM DA SEMANA Foto: Naita Ussene
D i z - se.. .

t$PNPTNFUFØSJDPTEFTFOWPMWJNFOUPTEPDBTPiEÓWJEBTPDVMUBTw BOEB
OBCPDBEFUPEPT BOFDFTTJEBEFEBBQSPWBÎÍPEFVNBMFJEFDPOmTDPEF
CFOT VNBGPSNBEFDPOUPSOBSPNPSPTPQSPDFTTPEFKVTUJÎBDSJNJOBM
IFSEBEPEPDPMPOP4FSÈRVFBFTDPMJOIBEPCBSVMIPOÍPQPEFSÈEBS
VNKFJUPQBSBUPSOBSNBJTEJGÓDJMBWJEBBPTEPTDSJNFTEFDPMBSJOIP
CSBODPDÈEBQSBÎB

t/ÍPTFTBCFTFPFYNJOJTUSP$IBOHRVFSDPOUSBSJBSFTUBUFPSJBRVFWFN
EBTGBDVMEBEFTEF%JSFJUP NBTPDFSUPÏRVFPDPMBSJOIPEBTWFTUFTRVF
QÜFQPSEFCBJYPEPTFVDBTBDPB[VMÏJOWBSJBWFMNFOUFFTDVSP QPSPQP-
TJÎÍPBPSFDPSUFCSBODPEFVNKPSOBMTVMBGSJDBOP FTHSJNJEPQFMPTBE-
WPHBEPTEPT(VQUBT QBSBTVHFSJSRVFPTFVDMJFOUFWJSÈ UBSEFPVDFEP 
QBSB.BQVUP5BMDPNPPKPHPEPNBMNFRVFS CFNRVFRVFS DPNRVF
TFFOUSFUÐNPTOFSWPTPTQSPDVSBEPSFTEB-FOJOFFPQPMÓDJBQSPNPWJEP
BEJQMPNBUBRVFOÍPQFSEFQJUBEBEPKVMHBNFOUPFN,FNQUPO1BSL

t/ÍPÏDBTPEFDPMBSJOIPCSBODP NBTIÈVNBNJOJTUSBSFOJUFOUFRVFTF
SFDVTBBFYQMJDBSBPTTFVTTVCPSEJOBEPT RVFBTTFHVSBNPTEJTUSJUPT BT
DSJTUBMJOBTMFJTEPNFSDBEP1PSRVFTFSÈRVFPFOWJPEFDBKVB/BDBMBÏ
FYQPSUBÎÍPFDJSDVMBÎÍPEFNJMIPQBSB.VMBOKFPV,BTTBLBUJ[B NFTNP
DPNPDBNQPOÐTQBHP ÏSPVCPËFDPOPNJBOBDJPOBM

t%FDPMBSJOIPCSBODPTFBQSFTFOUPVP%(EBDPNQBOIJBEFCBOEFJSB
OBUW EBOEPFYQMJDBÎÜFTTPCSFPTDBOUPTEBDBTBRVFCFNDPOIFDF4Ø
OÍPTFQFSDFCFDPNPWBJTBJSEPWFSNFMIPJOTJTUJOEPFNNBOUFS
GVODJPOÈSJPTRVFTÍPKVTUJmDBEPTQPSTFUFBWJÜFT"TTJN WBJNFTNPTFS
Extradição de Manuel Chang EJGÓDJMBUBMEFSFFTUSVUVSBÎÍP1FMPTNFTNPTNPUJWPTDBJVFNEFTHSBÎB

Decisão final caberá à justiça


PFYFDVUJWPRVFBHPSBBOEBQFMPTDPSSFEPSFTBMDBUJGBEPTEFVNCBODP
BGSJDBOPy

t&QPSGBMBSEBQFSTPOBHFN BQFMBTFËWBMFOUFMVUBEPSBEPTDSJNFTEF

A
DPMBSJOIPCSBODP CFNFOBMUFDJEBQFMPJOTVTQFJUPNBUVUJOPEB-BQB 
decisão final sobre o pro- TFSÈ FYFDVUBEB EF JNFEJBUP  TFOEP /ÍPUFOEPIBWJEPDPOTFOTP PDBTP RVFCVTRVFSFGPSÎPTOP5"FWFSJmRVFNFTNP TFPFYGVODJPOÈSJPEF
cesso de extradição de QBTTÓWFMEFSFDVSTPw TVCMJOIB GPJ SFNFUJEP BP KVJ[ QBSB EFDJEJS UPQEBFMÏDUSJDBTBJVQBSBBDBQJUBMEPDBDBVDPNVNBDIPSVEBSFGPSNB
Manuel Chang, antigo )BWFOEP SFDVSTP  BDSFTDFOUB  P RVBMTFSÈPQSJNFJSPQFEJEPEFFY- DPNQMFUB#FNQSFHBGSFJ5PNÈTy
ministro das Finanças NFTNP EFWFSÈ TFS EJSJHJEP QBSB USBEJÎÍP B TFS KVMHBEP PV TF TFSÍP
 t  )È VNB QFSTPOBHFN RVF OÍP VTB DPMBSJOIP CSBODP  NBT UPEB VNB
na administração Guebuza, não P 5SJCVOBM $POTUJUVDJPOBM 4FSÈ KVMHBEPTPTEPJTFNTJNVMUÉOFP"
JOEVNFOUÈSJBDPOGFTTJPOBMyEFCSBODP0UBMEFUFDUPGBMTP BQSFHPB
caberá ao ministro da Justiça da OFTUB JOTUÉODJB KVEJDJBM RVF TFSÈ EFDJTÍPDPOTFOTVBMGPJNBOUFS.B- BHPSB USBOTQBSÐODJB  JOEFQFOEÐODJB F JOUFHSJEBEF BPT NFNCSPT EPT
África do Sul, Michael Masutha, QSPGFSJEB B EFDJTÍP mOBM  RVF Ï EF OVFM $IBOH OB DBEFJB F SFNBSDBS- ØSHÍPTFMFJUPSBJTOPFTDSVUÓOJPEF0VUVCSPQSØYJNP&MFRVFQBUSPDJ-
mas sim ao Tribunal Supremo ou DVNQSJNFOUP PCSJHBUØSJP QBSB UP- TFBTFTTÍPQBSBPEJBPVEF OPV.BSSPNFVTF.BUPMBTFN0VUVCSPÞMUJNP"NBJPSTJOBEFVN
do Constitucional, em última ins- EBTBTQBSUFTEFTUJOBUÈSJBTEBNFT- .BSÎP DPOGPSNFBEJTQPOJCJMJEBEF QPWPÏUFSRVFSFDFCFSMJÎÜFTEPTQSØQSJPTBVUPSFTNPSBJTEBTHSBOEFT
tância, se houver recurso para este NB PVTFKBEFDVNQSJNFOUPiFSHB EPKVJ[++4DIVUUF TJOJTUSBMJEBEFTDPNFUJEBTDPOUSBFTTFNFTNPQPWP
último. Manuel Chang foi detido PNOFTw
 BCSBOHFOEP QPS JTTP P 0$*1BQVSPVRVFBQPTJÎÍPBDUVBM
na África do Sul a 29 de Dezem- (PWFSOP PV &YFDVUJWP EB «GSJDB EPT &6" Ï EF JOUFSQPS SFDVSTP B t4FNDPMBSJOIPCSBODPTFBQSFTFOUPV OVNEPTDBOBJTTFDVOEÈSJPTEB
bro passado, a mando da justiça EP4VM VNB FWFOUVBM EFDJTÍP EP (PWFSOP DBQJUBM  P NBJT RVFSJEP DPNFOUBEPS EP SFHJNF RVF P HSBOEF SJP WJV
norte-americano e agora luta para OBTDFS *OEFQFOEFOUFNFOUF EBT BQSFDJBÎÜFT EPT UFMFTQFDUBEPSFT  P
EB«GSJDBEP4VM OPTFOUJEPEFFY-
QSPEVUPSEPFTUÞEJPmDPVFYUSFNBNFOUFJODPNPEBEPDPNPTWBQPSFT
não ser extraditado para os Estados Discussões USBEJUBS .BOVFM $IBOH QBSB .P- FUÓMJDPTRVFBOEBSBNQFMPBS4FBNPEBQFHBy
Unidos. /PDPODFSOFOUFBTFTTÍPEFTUBUFS- ÎBNCJRVF
ÎBGFJSB BNFTNBGPJJOUFSSPNQJEB -FNCSFTF RVF B NJOJTUSB EBT SF- t0OEFBTDPJTBTFTUÍPNFTNPNBMÏOBGBNÓMJBQFSEJ[BPOÓWFMEBRVFMF
4FHVOEP P $FOUSP EF *OUFHSJEB- EFWJEPËGBMUBEFDPOTFOTPFOUSFBT MBÎÜFT JOUFSOBDJPOBJT F DPPQFSBÎÍP RVF BUÏIÈCFNQPVDPUFNQP FSBDPOIFDJEPDPNPPCBTUJÍPEPQBSUJ-
EF 1ÞCMJDB $*1
 P 5SJCVOBM EF QBSUFTOPDBTPP.JOJTUÏSJP1ÞCMJ- EB «GSJDB EP 4VM  -JOEJXF 4JTVMV  EP%FQPJTEFUPEBBEJTQVUBQFMPUSPOPOVNBEFMFHBÎÍPQSPWJODJBMF
,FNQUPO 1BSL  MPDBM POEF EFDPS- DPSFQSFTFOUBEPQPS++EV5PJUFB DPODFEFV TFNBOBQBTTBEB VNBFO- EJTUSJUBM BBMBRVFDVNQSFPSEFOTEPHFOFSBMEPNPNFOUPSFDPSSFVË
SFN BT EJTDVTTÜFT  EFWFSÈ EFDJEJS  EFGFTBEF.BOVFM$IBOH SFQSFTFO- USFWJTUBBPEJÈSJPTVMBGSJDBOP %BJ- GPSÎBQBSBFTDPSSBÎBSBRVFMFTRVFUFSÍPSFDVTBEPPDPOWJUFQBSBTVCJS
BQFOBT TF.BOVFM$IBOHÏPVOÍP UBEBQPS8JMMJF7FSNFVMFO0KVJ[ ËTNPOUBOIBT QSPWBWFMNFOUFQBSBTFSFNSFFEVDBEPT4FSÈRVFPUJP
MZ.BWFSJDLT BSHVNFOUBOEPRVFP
QBTTÓWFMEFTFSFYUSBEJUBEPQBSBVN ++4DIVUUFBDBCPVQPSEFDJEJSQFMP "GPOTPTFNFYFOBUVNCB MÈQBSBPTMBEPTEF.BOHVOEF
HPWFSOPTVMBGSJDBOPJSJBFYUSBEJUBS
ou para ambos os países que sub- BEJBNFOUP .BOVFM$IBOH QBSB.PÎBNCJRVF  t0HFOFSBMEFDPMBSJOIPCSBODP EFQPJTEFBSSVNBSBDBTB QBSFDFOÍP
NFUFSBN PT SFTQFDUJWPT  QFEJEPT 0 NPUJWP QSFOEFVTF DPN P GBDUP QPSGPSNBBRVFTFKBKVMHBEPQFMPT FTUBSQSFQBSBEPQBSBBDFJUBSBEJGFSFOÎBJOUFSOB%FQPJTEFVNBGPUP
KVOUPEP(PWFSOPTVMBGSJDBOP EF OÍP UFS IBWJEP DPOTFOTP RVBO-
DSJNFTEFRVFÏBDVTBEP PDBTJÍP +VMJVT /ZFSFSF  POEF mDPV B WFS OBWJPT TPCSF B JODMVTÍP EPT
$BTPP5SJCVOBMEF,FNQUPO1BSL UPBPQSPDFEJNFOUPBTFHVJSGBDFB
"T EFDMBSBÎÜFT EB NJOJTUSB DBVTB- TFVT IPNFOT OP 4*4&  B SÈEJP CPDB EJ[ RVF 4 &YDJB WFJP Ë DBQJUBM 
EFDJEB RVF .BOVFM $IBOH QPEF QSFTFOÎBEFEPJTQFEJEPTEFFYUSB- UBNCÏN QBSBBTTFHVSBSBDBEFJSBRVFFTUÈQPSVNmPOBFTDPMJOIBEP
TFSFYUSBEJUBEPQBSBBNCPTPTQBÓ- SBN FN .PÎBNCJRVF  VN NJTUP
EJÎÍPRVFGPSBNGFJUPTQBSBPNFT- CBSVMIP
TFT PT&TUBEPT6OJEPTEB"NÏSJDB EF SFBÎÜFT  DPN BMHVOT B NBOJGFT-
NPDJEBEÍP0.JOJTUÏSJP1ÞCMJDP
F .PÎBNCJRVF
 QSPTTFHVF P $*1  UBSBNEFTJMVTÍPDPNBEFDJTÍP QPS
QSPQVTFSB RVF GPTTF KVMHBEP FN t2VFNOÍPFTUFWFOBFTDPMJOIBEPCBSVMIPFTUBRVJOUBGFJSBÏBMÓEFSEB
DBCFSÈFOUÍPBPNJOJTUSPEB+VTUJÎB QSJNFJSPMVHBSPQFEJEPEFFYUSBEJ- DPOTJEFSBSFN RVF QPS DÈ B KVTUJÎB NBJPSCBODBEBEBPQPTJÎÍP3B[ÜFTEFGPSÎBNBJPSJNQPTTJCJMJUBSBNB
EB«GSJDBEP4VMBFTDPMIBEPQBÓT ÎÍPEPT&6" WJTUPTFSPQSJNFJSP IÈNVJUPBOEBNBODPNVOBEPDPN KPWFNEFQVUBEBEFTFGB[FSQSFTFOUFFMFSPEJTDVSTPEFBCFSUVSB.BT 
QBSBPRVBMFMFEFWFSÈTFHVJS RVFEFVFOUSBEB P SFHJNF 0VUSPT BQMBVEJSBN B QBSBKÈ TFBEWJOIBNEJBTEJGÓDFJTQBSBBEFQVUBEB0QPEFSNPSBEP
i4FP.JOJTUSPEB+VTUJÎBEB«GSJDB " EFGFTB DPOUFTUPV  BMFHBOEP RVF EFDJTÍP QPS BDIBSFN RVF GPJ OFTUF PVUSPMBEP FOUSFPTSJPT-JHPOIBFP-ÞSJPFÏCFNQPTTÓWFMRVFVNB
EP 4VM PQUBS QPS FYUSBEJUBS .B- QBÓTRVF$IBOHFTVBHBOHMFTBSBN JSNÍEFHFOFSBMTJHBOBPSEFNEPEJBy
OÍP UJOIB TJEP BQSFTFOUBEP PVUSP
OVFM$IBOHQBSB.PÎBNCJRVF PT QFEJEP EF FYUSBEJÎÍP QSPWFOJFOUF PQBÓT
&6"  DPNP &TUBEP RVF TPMJDJUPV EBTBVUPSJEBEFTNPÎBNCJDBOBT 0 QSPGFTTPS EF EJSFJUP JOUFSOBDJP- Em voz baixa
B QSJTÍP EF $IBOH  UFN P EJSFJUP "EFGFTBBSHVNFOUPVRVF.BOVFM OBM  "OESÏ ɩPNBTIBVTFO  DMBT- $PNPTBEWPHBEPT#JNF#BNBEFTFOWPMWFSFNUFPSJBTEFDPOTQJSBÎÍP 
QSFSSPHBUJWBMFHBMEFSFDPSSFSEBEF- $IBOH RVFS WPMVOUBSJBNFOUF TFS TJmDPV BT EFDMBSBÎÜFT EB NJOJTUSB QBSBTBMWBSBQFMFËGBNÓMJBNBJTRVFSJEBEB1ÏSPMBEP¶OEJDP TFSÈRVF
DJTÍP  JOUFSQPOEP SFDVSTP KVOUP EP FYUSBEJUBEP QBSB .PÎBNCJRVF  F EF QPQVMJTUBT F RVF FMB OÍP UFN WFN BÓ B "NFUSBNP QBSB BOBMJTBS PT QVEJOT JOEJHFTUPT RVF BOEBN
5SJCVOBM4VQSFNP RVFUFSÈFGFJUPT RVFFTTBFSBBQSFUFOTÍPEP(PWFS- OFOIVNBDPNQFUÐODJBQBSBEFDJEJS QFMBTQÈHJOBTEPTKPSOBJT .BOP.PSBJTEBSJBVNBBKVEB
TVTQFOTJWPT  PV TFKB  B EFDJTÍP OÍP OPTVMBGSJDBOP TPCSFPDBTP
Savana 01-03-2019 1
EVENTOS

EVENTOS
0DSXWRGH0DUoRGH‡$12;;9,‡1o 1312

“Método de Fukuoka” para a Lixeira de Hulene


U
ma tecnologia, denomina- bem como a entrada natural de ar
da “Método de Fukuoka”, através de canais de ventilação de
poderá ser implementada gás e de colecta de lixiviados, pro-
na Lixeira de Hulene, ar- movendo a decomposição semi-
redores da cidade de Maputo, uma -aeróbica.
medida resultante de um acordo de Esta tecnologia de construção e
cooperação assinado nesta quarta- melhoramento de aterros sanitários
-feira, no Japão, pelo ministro da surgiu e foi testada na Universidade
Terra, Ambiente e Desenvolvi- de Fukuoka no Japão e vem sendo
mento Rural, Celso Correia, e o aplicada como método de constru-
seu homólogo nipónico, Yoshiaki ção de infra-estruturas de gestão de
Harada. resíduos no Japão e outros países.
Em África, países como Quénia,
Etiópia, Sudão, entre outros, bene-
Segundo detalhes do acordo, a tec-
ficiaram igualmente desta tecnolo-
nologia “Método de Fukuoka” irá
gia.
garantir que a Lixeira de Hulene
Essencialmente, o acordo tem en-
seja usada de forma sustentável por
foque no reforço da assistência téc-
mais de 10 à 15 anos, sem causar
nica, formação e transferência de
futuros danos a saúde pública e ao
tecnologias na área de gestão de re-
ambiente. síduos sólidos urbanos como forma
O acordo foi assinado precisamente de fazer face aos desafios actuais de
quando passa um ano em que parte gestão de resíduos sólidos no Pais.
da Lixeira de Hulene, a maior da A assinatura do Acordo acontece
capital do país, desabou sobre casas no âmbito da visita do ministro
erguidas nas redondezas e matou Celso Correia, ao Japão, que decor-
16 pessoas. reu de 25 a 27 de Fevereiro passado.
A tecnologia (Fukuoka) consisti- Para além da assinatura do acor-
rá na transformação da Lixeira de do, o governante visitou o Centro
Hulene num Aterro semi-aeróbico de Processamento de Resíduos
através da fermentação nas cama- Sólidos de Tsurumi, na cidade de
das internas de resíduos no aterro, Yokohama.

Chineses analisam oportunidades 60% dos pensionistas


de negócio do INSS aderiram à PAV

O A
Prova Anual de Vida brigadas técnicas. Até ao mo-
Standard Bank e o Banco (PAV), iniciada a 10 mento, a província de Manica
Industrial e Comercial de Janeiro pelo INSS- registou maior grau de execu-
da China (ICBC) anali- -Instituto Nacional de ção, com 71.4 por cento, segui-
saram, recentemente, em Segurança Social à escala na- da pela província de Nampula,
Maputo, com os empresários chi- cional, já abarcou um total de com 65.2 por cento e Maputo,
neses que operam em Moçambi- 44.542 pensionistas, o corres- com 63.2 por cento.
que, as oportunidades de negócio pondente a 59.2 por cento de Os pensionistas que, por ra-
que o nosso País oferece, assim execução. zões de saúde, não estiverem
como identificaram soluções que em condições de se deslocar aos
permitam uma melhor disponibi- Com o processo, cujo término locais indicados para a realiza-
lização do conhecimento ao servi- está previsto para o próximo ção da PAV, segundo destacou
ço dos investidores. dia 10 de Abril, o INSS espera o director geral do INSS, po-
abranger, durante os três meses, dem ser atendidos no domicí-
Promovido pelo Standard Bank, um total de 75.268 pensionistas lio, devendo para isso informar
perado em várias iniciativas, tanto de 60 biliões de dólares norte-
sob o lema “Elevando a parceria que recebem as suas pensões no à representação do INSS mais
em Moçambique como em todo -americanos, entre empresários
China-Moçambique a novos pa- Sistema de Segurança Social. próxima.
o continente africano, para impul- dos dois continentes”, frisou o ad-
tamares”, o workshop coincidiu Do universo de pensionistas “A não realização da Pro-
sionar o comércio entre os povos”, ministrador delegado destacando
com o culminar das celebrações do do INSS, 29.300 beneficiam va Anual de Vida, dentro do
disse. que o Standard Bank está bastan-
ano novo chinês, o ano do Porco, te focado no desenvolvimento de de pensões de velhice, 44.577 período indicado, implica a
e constituiu, também, uma janela Fruto dessa parceria, conforme
Moçambique. de pensões de sobrevivência e suspensão do pagamento das
de oportunidades para os agen- sublinhou Chuma Nwokocha, o 1.391 de invalidez. pensões, até que a situação do
Em 2008, o Banco Industrial e
tes económicos moçambicanos Standard Bank criou, no ano pas- O director-geral do INSS, Al- beneficiário seja regularizada”,
Comercial da China tornou-se no
interessados em explorar as opor- sado, oportunidades de interacção maior accionista do Grupo Stan- fredo Mauaie, considerou sa- sublinhou Alfredo Mauaie.
tunidades existentes no corredor entre empresários moçambicanos dard Bank, com 20% de acções. tisfatório o nível de adesão ao Importa realçar que a PAV é
China-Moçambique. e chineses, através das conferên- Sun Gang, representante adjun- processo, sendo que no primeiro um processo, através do qual
No encontro, o administrador de- cias transregionais realizadas na to do ICBC, indicou que o banco mês as delegações do instituto o INSS comprova a existência
legado do Standard Bank, Chuma Nígeria e, na Ásia, na cimeira de chinês teve um papel preponderan- tiveram um desempenho acima física do titular da pensão, de
Nwokocha, enalteceu a parceria Beijing. te no financiamento de um impor- de 50 por cento. modo a manter o direito ao re-
que esta instituição bancária man- “Estas conferências transregionais tante projecto ligado ao sector do Para além dos balcões de aten- cebimento da respectiva presta-
tém com o ICBC, há 10 anos: “Ao resultaram no estabelecimento de gás natural liquefeito, em Moçam- dimento, o INSS destacou ção mensal.
longo deste período, temos coo- várias parcerias, avaliadas em mais bique.
2
PUBLICIDADE
EVENTOS Savana 01-03-2019

EXPRESSÃO DE INTERESSE
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SUBCONTRATAÇÃO DE MÃO DE OBRA
LOCAL E FORMAÇÃO
Coral FLNG S.A, uma SPE, registrada sob as leis da Re- çambique, incluindo quaisquer referências relevantes a
pública de Moçambique, convida as empresas interessa- clientes anteriores, para a prestação de serviços seme-
das, a submeterem a sua Manifestação de Interesse, para lhantes, na indústria de Petróleo & Gás;
a prestação de serviços de subcontratação de mão de obra %URFKXUDIROKHWR
ORFDOHIRUPDomRFRPRHVSHFLÀFDGRDEDL[R  &HUWLÀFDo}HV GR VLVWHPD GH *HVWmR GD 4XDOLGDGH H 
RXFHUWLÀFDGRVTXHFRPSURYHPDFRQIRUPLGDGHGD(P-
ÂMBITO DO TRABALHO SUHVDFRPRV3DGU}HVGH4XDOLGDGH1DFLRQDLVRX,QWHU-
1) Pesquisa de candidatos locais para cobertura de vagas QDFLRQDLV SRUH[HPSOR,62 
SDUDDWLYLGDGHVHVSHFtÀFDVRXSRUXPFXUWRSHUtRGRGH 5HJLVWRGDHPSUHVDHP0RoDPELTXH&DVRDVXDHP-
tempo, gestão plena dos recursos (contratação, folha de SUHVDDLQGDQmRHVWHMDUHJLVWDGDHP0RoDPELTXHSRU
pagamento, impostos, segurança social, seguro de saú- IDYRUHVSHFLÀTXHVHHVWiGLVSRVWRDUHJLVWDUVHSURQWD-
GHHWF  PHQWHHP0RoDPELTXH
2) Gestão completa (contratação, folha de pagamento, 0DQXDOGR6LVWHPDGH*HVWmRGD4XDOLGDGHHPFRQ-
LPSRVWRVVHJXUDQoDVRFLDOVHJXURGHVD~GHHWF GRUH- IRUPLGDGHFRPDV1RUPDV,QWHUQDFLRQDLVGH4XDOLGDGH
curso, sempre que o candidato for nomeado pela Coral ,62 
)/1*6$  4XDOTXHU RXWUD LQIRUPDomR TXH HVWDEHOHoD TXH VXD
3) Pesquisa de candidatos locais para cobrir vagas para HPSUHVDpFDSD]GHFXPSULURkPELWRGRWUDEDOKR
DWLYLGDGHV HVSHFtÀFDV VRE FRQWUDWR H JHVWmR GD &RUDO
)/1*6$ $VHPSUHVDVLQWHUHVVDGDVGHYHUmRVXEPHWHUDVVXDV0D-
4) Todo e qualquer tipo de formação, custos administra- QLIHVWDo}HVGH,QWHUHVVHDQH[DQGRWRGDDGRFXPHQWDomR
tivos e alocação, devem ser suportados pela agência de solicitada acima, para o e-mail:
mão-de-obra, para os seus próprios funcionários, com a FRUDOÁQJSURFXUHPHQW#FRUDOÁQJFRP
possibilidade de serem cobrados à Empresa, dentro do
HQTXDGUDPHQWRHVWDEHOHFLGRSDUDHVWDÀQDOLGDGH IMPORTANTE:
2HPDLOGHVXEPLVVmRGHYHUiID]HUUHIHUrQFLDDR$Q~Q-
'2&80(17$d®262/,&,7$'$ cio Público “Prestação de serviços de subcontratação da
mão de obra local e formação” e também ao seguinte có-
$VHPSUHVDVLQWHUHVVDGDVQHVWHFRQYLWHSRGHPVXEPHWHU digo:
a sua Manifestação de Interesse, em participar no processo
de concurso para “prestação de serviços de subcontrata- SS04AB05 – SERVICES RELATED TO PERSONNEL:
ção da mão de obra local e formação”, fornecendo as se- TEMPORARY PERSONNEL
guintes informações obrigatórias e documentos: 6XMHLWRjHQWUHJDHFRQIRUPLGDGHGHWRGDDGRFXPHQWDomR
acima, as Empresas interessadas nesta Manifestação de
1- Estrutura da Empresa e do grupo, com a lista dos prin- ,QWHUHVVHSRGHUmRUHFHEHUGD&RUDO)/1*6$R3DFRWH
FLSDLV DFLRQLVWDV H EHQHÀFLiULRV ÀQDLV FDVR QmR HVWHMD GH4XDOLÀFDomRHSRGHPDLQGDVHULQFOXtGDVQRSURFHVVR
cotada na bolsa de valores); GHFRQFXUVRSDUDDVDWLYLGDGHV
2- Cópia digital autenticada do Registo Comercial, nome $SUHVHQWHFRQVXOWDQmRGHYHVHUFRQVLGHUDGDFRPRXP
Legal de Entidade, e pessoa de contacto para receber a convite à apresentação de propostas e, portanto, não re-
TXDOLÀFDomRHRXWUDVLQIRUPDo}HVUHOHYDQWHVDSDUWLUGD presenta nem constitui qualquer promessa, obrigação ou
Coral FLNG S.A compromisso de qualquer tipo, por parte da Coral FLNG
 &DVR GHVHMH SDUWLFLSDU GD 0DQLIHVWDomR GH ,QWHUHVVH 6$GHFHOHEUDUDOJXPDFRUGRRXWUDWDGRFRPSHVVRDV
FRPR FRQVyUFLR RX MRLQW YHQWXUH SRU IDYRU IDFXOWH LQ- RX(PSUHVDVTXHSDUWLFLSHPGHVWD0DQLIHVWDomRGH,Q-
IRUPDo}HV VREUH FDGD PHPEUR GR FRQVyUFLR RX MRLQW WHUHVVH
YHQWXUH H R SDSHO GH FDGD SDUWLFLSDQWH QR SURMHWR HP 4XDOTXHUFXVWRLQFRUULGRSHODVHPSUHVDVLQWHUHVVDGDVQD
SRWHQFLDO$ LQWHQomR GH IRUPDU XP FRQVyUFLR RX XPD preparação da Manifestação de Interesse, será da total
-9GHYHVHUVXSRUWDGDSRUXP$FRUGRRX´0HPRUDQGR responsabilidade das Companhias, as quais não poderão
de Entendimento”, devidamente assinado por cada en- UHFRUUHUj&RUDO)/1*6$DHVWHUHVSHLWR
tidade do grupo; Todos os dados e informações fornecidos de acordo com
4- Demonstrações Financeiras dos últimos três anos e Re- esta Manifestação de Interesse, serão tratados como estri-
ODWyULRV$QXDLVLQFOXLQGR%DODQoR3DWULPRQLDO/XFURV WDPHQWHFRQÀGHQFLDLVHQmRVHUmRGLYXOJDGRVRXFRPX-
H 3HUGDV H )OX[R GH FDL[D FRPSURYDQGR D FDSDFLGDGH QLFDGRVDSHVVRDVRXHPSUHVDVQmRDXWRUL]DGDV
ÀQDQFHLUDPtQLPDSDUDH[HFXWDURkPELWR(VWHVGRFX-
mentos devem ser fornecidos para o Grupo da Empresa $GDWDOLPLWHGHVXEPLVVmRGD0DQLIHVWDomRGH,QWHUHVVH
(se aplicável) e também para a entidade da Empresa que SRUHPDLOLQGLFDGRDFLPDpÀ[DGDSDUD11 de Março de
potencialmente celebrará o contrato em questão; 2019 às 23:59 CAT $ &RUDO )/1* 6$ QmR LUi DFHLWDU
 ([SHULrQFLD FRPSURYDGD QD SUHVWDomR GH VHUYLoRV GH nenhuma documentação recebida após a data e hora in-
subcontratação da mão de obra local e formação em Mo- GLFDGD
3
PUBLICIDADE
Savana 01-03-2019
EVENTOS

EXPRESSION OF INTEREST
PROVISION OF OUTSOURCING FOR LOCAL MANPOWER
AND TRAINING SERVICES
Coral FLNG S.A, an SPE, register under the laws of clients for the provision of similar services in Oil & Gas
the Republic of Mozambique, invites interested com- industry;
SDQLHVWRVXEPLW([SUHVVLRQRI,QWHUHVWIRUWKHSURYLVLRQ %URFKXUHERRNOHW
of outsourcing local manpower and training services as 4XDOLW\0DQDJHPHQW6\VWHPFHUWLÀFDWLRQVDQGRUFHUWL-
VSHFLÀHGEHORZ ÀFDWHVSURYLQJWKH&RPSDQ\FRPSOLDQFHZLWK1DWLRQDO
RU,QWHUQDWLRQDO4XDOLW\6WDQGDUGV HJ,62
SCOPE OF WORK  &RPSDQ\·V UHJLVWUDWLRQ LQ 0R]DPELTXH ,Q FDVH \RXU
1) Research of local candidates to cover vacancies for Company is not already registered in Mozambique,
VSHFLÀFDFWLYLWLHVRUIRUDVKRUWWLPHIXOODGPLQLVWUD- please specify if you would be willing to promptly re-
WLRQRIWKHUHVRXUFHV KLULQJSD\UROOWD[HVVRFLDOVH- gister in Mozambique
FXULW\KHDOWKLQVXUDQFHHWF   4XDOLW\ 0DQDJHPHQW 6\VWHP 0DQXDO LQ FRPSOLDQFH
 )XOODGPLQLVWUDWLRQ KLULQJSD\UROOWD[HVVRFLDOVHFX- ZLWK,QWHUQDWLRQDO4XDOLW\6WDQGDUGV ,62 
ULW\ KHDOWK LQVXUDQFH HWF  RI WKH UHVRXUFH ZKHQHYHU  $Q\ RWKHU LQIRUPDWLRQ WKDW ZLOO HVWDEOLVK WKDW \RXU
WKHFDQGLGDWHLVDSSRLQWHGE\&RUDO)/1*6$ &RPSDQ\LVDFDSDEOHRIIXOÀOOLQJWKHVFRSHRIZRUN
3) Research of local candidates to cover vacancies for
VSHFLÀF DFWLYLWLHV XQGHU &RUDO )/1* 6$  FRQWUDFW Companies interested in this invitation may submit their
DQGDGPLQLVWUDWLRQ ([SUHVVLRQRI,QWHUHVWE\VHQGLQJDOOWKHUHTXHVWHGGRFX-
  $Q\ W\SH RI 7UDLQLQJ DQG DGPLQLVWUDWLYH FRVWV DQG mentation to the following email address:
allocation shall be supported by the manpower agen- FRUDOÁQJSURFXUHPHQW#FRUDOÁQJFRP
cy, to their own employees, with the possibility to be
charge to Company within the framework established IMPORTANT:
IRUWKLVSXUSRVH 7KH (PDLO VXEPLVVLRQ PXVW UHIHU WR WKH 3XEOLF$QQRXQ-
FHPHQWREMHFW´3URYLVLRQRIRXWVRXUFLQJORFDOPDQSRZHU
DOCUMENTATION REQUIRED and training services”, and also to the following commo-
dity codes:
Companies interested in this invitation may submit their
([SUHVVLRQRI,QWHUHVWWRSDUWLFLSDWHLQDWHQGHUSURFHVV SS04AB05-SERVICES RELATED TO PERSONNEL: TEM-
for “provision of outsourcing local manpower and trai- PORARY PERSONNEL
ning services” by providing the following mandatory
information and documentation: 6XEMHFWWRWKHVXEPLVVLRQDQGFRPSOLDQFHRIDOOWKHDERYH
GRFXPHQWDWLRQ&RPSDQLHVLQWHUHVWHGLQWKLV([SUHVVLRQ
&RPSDQ\DQGJURXSVWUXFWXUHZLWKWKHOLVWRIPDMRU RI,QWHUHVWPD\UHFHLYHIURP&RUDO)/1*6$WKH4XDOLÀ-
VKDUHKROGHUVDQGXOWLPDWHEHQHÀFLDULHV LIQRWOLVWHGLQ cation Package, and may further be included in the tender
WKHVWRFNH[FKDQJH  SURFHVVIRUWKHVXEMHFWDFWLYLWLHV
 6FDQQHG FHUWLÀHG FRS\ RI WKH 7UDGH 5HJLVWHU /HJDO
Entity name and contact person for receiving qua- This enquiry shall not be considered as an invitation to
OLÀFDWLRQ DQG RWKHU UHOHYDQW LQIRUPDWLRQ IURP Coral Tender and therefore it does not represent or constitute
FLNG S.A any promise, obligation or commitment of any kind on the
,QFDVH\RXZLVKWRSDUWLFLSDWHLQWKH([SUHVVLRQRI,Q- SDUWRI&RUDO)/1*6$WRHQWHULQWRDQ\DJUHHPHQWRUDU-
WHUHVWDVDFRQVRUWLXPRUDVDMRLQWYHQWXUHLQIRUPDWLRQ rangement with you or with any Company participating
DERXWHDFKPHPEHURIFRQVRUWLXPRUMRLQWYHQWXUHDQG in this Expression of Interest
UROHRIHDFKSDUWLFLSDQWLQWKHSRWHQWLDOSURMHFW6XFK
intention to form either a consortium or a JV, must be $Q\ FRVW LQFXUUHG E\ LQWHUHVWHG FRPSDQLHV LQ SUHSDULQJ
VXSSRUWHGE\DQ$JUHHPHQWRU´0HPRUDQGXPRI8Q- the Expression of Interest shall be fully born by Companies
derstanding” duly signed by each entity in the group; ZKR VKDOO KDYH QR UHFRXUVH WR &RUDO )/1* 6$ LQ WKLV
/DVWWKUHH\HDUVRI)LQDQFLDO6WDWHPHQWVDQG$QQXDO UHVSHFW
5HSRUWVLQFOXGLQJ%DODQFH6KHHW3URÀWDQG/RVVDQG $OO GDWD DQG LQIRUPDWLRQ SURYLGHG SXUVXDQW WR WKLV ([-
&DVK)ORZ6WDWHPHQWSURYLQJPLQLPXPÀQDQFLDOFD- SUHVVLRQRI,QWHUHVWZLOOEHWUHDWHGDVVWULFWO\FRQÀGHQWLDO
SDELOLW\WRFDUU\RXWWKHVFRSH7KHVHGRFXPHQWVPXVW and will not be disclosed or communicated to non-autho-
be provided for the Company Group (if applicable), UL]HGSHUVRQVRUFRPSDQLHV
and also for the Company’s entity that will potentially
HQWHULQWRWKHVXEMHFWFRQWUDFW The deadline for receipt of Expression of Interest by the
 3URYHQ H[SHULHQFH LQ WKH SURYLVLRQ RI RXWVRXUFLQJ email address indicated above is set at 11 March 2019,
local manpower and training services in Mozambi- 23:59 pm Central Africa Time&RUDO)/1*6$ZLOOQRW
que, including any relevant references from previous DFFHSWWKHGRFXPHQWDWLRQUHFHLYHGDIWHUWKHVHWGHDGOLQH
4 Savana 01-03-2019
EVENTOS

“Social” investe na visibilidade MISAU e BCI


de acções sociais reafirmam parceria
A D
Acção Social é uma área Sobre os impactos gerados pelos ecorreu esta segunda- Abdula, congratulou-se com o
de bastante relevo em projectos sociais em si numa so- -feira, na sede do Banco reforço da parceria, expressando
qualquer sociedade e, ciedade, Celso Manave ressalta, Comercial e de Investi- a sua satisfação, pelo protoco-
para que tenha maior im- de imediato, que são muito inspi- mentos (BCI), a assina- lo ora firmado, e reiterando que
pacto, precisa de ser vista e parti- radores e positivos, sendo bastante tura de memorando de entendi- “como MISAU, nós vamos hon-
lhada. importantes para a mudança de mento entre o BCI e o MISAU. rar os compromissos que estão lá
mentalidades e satisfação de quem Trata-se de uma parceria que definidos, reconhecendo sempre
Foi olhando para esta necessidade é abrangido. reforça os laços existentes e que a sua importância para o nosso
“Nós temos muitas entidades que se irá estabelecer fundamen- sector”.
que, há dois anos, surgiu a empre-
trabalham na área social, e estão talmente em três áreas: género, Nazira Abdula recordou parte da
sa “Social”, que, com base nas suas
sempre a fazer actividades para criança e acção social. história desta parceria, falando da
soluções criativas de comunicação, sua experiência pessoal, “a minha
ajuda a dar visibilidade aos diver- melhorar o impacto real da coisa,
podendo no final de cada dia sentir ligação com o BCI começou em
sos trabalhos sociais realizados em O BCI tem sido parceiro do
a mudança e aquele sentimento de 2008. Eu era directora do Hos-
Moçambique. MISAU em diversas iniciativas
pital Central de Nampula”, disse,
Através dos serviços e produtos missão cumprida”, finaliza. como feiras de saúde, doação de
dando detalhes sobre a apresen-
Acerca do seu mais valioso tra- material hospitalar, particular-
que são fornecidos a preços razoa- Celso Manave tação do projecto daquele hos-
balho, que é o Anuário, lançado mente às secções de pediatria;
velmente baixos, a Social ajuda a pital. “Nós funcionávamos numa
mais actualizadas sobre estas enti- anualmente, o entrevistado expli- obras de reabilitação em unida-
gerar impacto nas acções levadas a urgência com apenas seis camas.
dades. ca que é uma espécie de livro, que des hospitalares; entre outras.
cabo pelas entidades que procuram Ficavam ali mais de cinquen-
Manave afirma que, ao cobrar pre- contém a compilação dos melho- Esta acção do banco não se res- ta crianças, todas elas no estado
por uma maior visibilidade por
ços bonificados na prestação de res projectos realizados pelas enti- tringe à área de saúde, como re- grave. As crianças ficavam todas
meio de divulgação dos seus feitos dades no período de um ano.
serviços, tem como pressuposto feriu Paulo Sousa, PCE do BCI. no mesmo quarto; as graves, as
na sua plataforma. Para aceder ao anuário, as enti-
abranger todas as camadas, prin- “O banco fá-lo com outras en- menos graves, e aquelas que até
Entre os produtos e serviços for- dades interessadas trazem todo o
cipalmente as organizações que tidades do governo central com acabavam por morrer eram as-
necidos pela empresa, destacam- conteúdo que desejam expor so- as mais diferentes tipologias de
trabalham sem fins lucrativos, mas sistidas por outras crianças que
-se o design gráfico, filmagem de bre as suas actividades e o mesmo instituições como universidades,
que queiram expandir a sua rede tinham mais condições de sobre-
vídeos educativos, fotografia e for- é revisado e de seguida publicado associações, sempre com o mes-
de acções. vivência. Apresentámos o projec-
mações no domínio social. neste livro. mo âmbito: devolver à sociedade to, felizmente o BCI ficou sen-
Segundo o fundador da Social, “Conseguimos ajudar as empre-
Contudo, a fonte apela a todas as um pouco daquilo que a socieda- sibilizado. De uma urgência de
Celso Manave, para além de dar sas a melhorarem as suas acções,
abrindo espaço para o surgimento entidades que trabalham com cau- de nos traz a nós enquanto em- seis camas, passámos para uma
visibilidade às entidades, a empre- sas sociais a continuar a desempe- presa e, portanto, partilhar esta urgência de cinquenta camas.
de mais projectos, sem esquecer
sa procura criar uma interação en- nhar da melhor forma o seu traba- geração de riqueza, em particular E a partir daquele momento, as
o acesso a informação, para que
tre as mesmas, através da publica- os outros fiquem a saber o que lho, a fazer uma maior divulgação com aqueles que mais necessi- condições melhoraram. Pessoal-
ção dos seus feitos na plataforma, se passa numa determinada orga- dos mesmos de modo a gerar mu- tam, e com as instituições que mente, tenho muito a agradecer,
de modo que outras pessoas, tanto nização, empresa ou embaixada”, danças na sociedade. têm actuação mais relevante”. como pediatra, como médica e
dentro como fora do país, fiquem acrescentou. (Cleusia Chirindza) A ministra da Saúde, Nazira como então directora” (E.C)

PUBLIREPORTAGEM

“Vodacom Faz Crescer” oferece O “Faz Crescer” é uma ini-


ciativa de responsabilidade social
biblioteca escolar em Maputo da Vodacom em parceria com o
Ministério da Educação e De-
Com esta acção, que consiste na doação de livros, computadores senvolvimento Humano que visa
e acesso gratuito a Internet, a Vodacom busca assertivamente apoiar o sector da Educação ao
uma medida para despertar mentes e dar ferramentas certas para nível do país e consiste na rea-
que cada criança consiga crescer e desenvolver o seu intelecto. bilitação e apetrechamento de
bibliotecas escolares.
Este ano foi incorporado no
projecto uma componente eco- no processo de ensino e aprendi- “Quero agradecer a Vo-
lógica, mercê da nova parceria zagem. dacom, porque graças a esses
entre a Fundação Sérgio Gago e “Com esta acção a Voda- computadores e internet eu
a Vodacom, que irá levar a todas com busca medidas assertivas YRX ¿QDOPHQWH SRGHU SHV-
HVFRODVEHQH¿FLDGDVSHORSURMHF- para o desenvolvimento inte- quisar os meus trabalhos,
to, ecopontos e uma formação lectual dos estudantes olhando porque nós não tínhamos ne-
com o ABC da reciclagem de sempre para o desenvolvimento nhuma sala de informática
resíduos. tecnológico no sistema de ensi- e hoje ganhamos uma sala e
A entrega da biblioteca no no e aprendizagem”, destacou uma biblioteca”, disse Manuel
Magoanine “B” coincidiu com a Paula Zandamela. Elias, aluno da Escola Primária
FHULPyQLD R¿FLDO GD DEHUWXUD GR “Este foi um grande ges- Magoanine “B”.
ano lectivo 2019 e foi honrada to da Vodacom, só temos a “Obrigada Vodacom pe-
com a presença do Primeiro-mi- agradecer visto que nós não tí- los computadores e a sala de
nistro, Carlos Agostinho do Ro- nhamos uma sala de informá- biblioteca porque agora vai
sário, da Ministra da Educação e tica, nem uma biblioteca com ser fácil realizarmos as nossas
Desenvolvimento Humano, Con- muitos livros. Estamos muito pesquisas, antigamente era

O
projecto “Faz Crescer” muita alegria, música e dança. ceita Sortane, da governadora da satisfeitos e apelamos a Voda- difícil porque não tínhamos,
da Vodacom está de Com esta acção, inicia mais Cidade de Maputo, Iolanda Cin- com para que não pare com o mas agora vamos poder rea-
volta trazendo mais uma digressão deste projecto tura e do, na altura, Presidente do projecto e continue ajudando lizar os nossos trabalhos sem
educação, música e pelo país, depois de no ano passa- Conselho Municipal de Maputo, as outras escolas que também problemas, desabafou Gabriela
interacção com as diversas cama- GRWHUEHQH¿FLDGRDOJXPDV David Simango. Marcaram ainda precisam”, apontou Olga Go- Bernardo, aluna da mesma esco-
das da sociedade civil para juntos escolas, em sete províncias. presença na cerimónia, represen- vene, Directora da escola bene- OD EHQH¿FLiULD GR HTXLSDPHQWR
procurarem soluções aos proble- Tal como sucedeu em outras tantes do corpo diplomático, pro- ¿FLiULD didáctico.
mas que afectam a educação no unidades escolares, a Escola Pri- fessores, pais e encarregados de São mais de quatro mil es- 5H¿UDVHTXHHVWDpDVHJXQ-
país. mária de Magoanine “B”, rece- educação e comunidade no geral. WXGDQWHV EHQH¿FLDGRV SHOR SUR- da fase do projecto “Faz Crescer
Foi nesse âmbito que o “Faz beu da Vodacom, uma biblioteca Ciente da importância da jecto na Escola Primária Com- da Vodacom”, depois de no ano
Crescer” procedeu a entrega de apetrechada, 300 livros de dife- educação para o desenvolvimen- pleta de Magoanine “B”, e esta passado, 2018, a operadora, junto
mais uma biblioteca à Escola Pri- rentes temáticas, 20 computado- to do país, a Vodacom acredita oferta vai ajudar a resolver um do seu parceiro, o MINEDH, ter
mária Completa de Magoanine res com acesso gratuito a inter- que ainda há muito por se fazer, dos problemas que os afectava, escalado as províncias de Mani-
“B”, na cidade de Maputo, acção net, para além de um conjunto de mas é preciso que cada um faça no caso, a falta de computado- ca, Tete, Zambéze, Safala, Nam-
que decorreu num ambiente de livros digitais. a sua parte e dê o seu contributo res e livros. pula, Cabo Delgado e Gaza.