You are on page 1of 3

Thamyres Vaccaro 2017.

Neoplasias
São massas anormais de tecido, cujo crescimento é descontrolado e ultrapassa o do
tecido normal, persistindo da mesma maneira excessiva após o término dos estímulos que
provocam a alteração. Possuem certo grau de autonomia, aumento de tamanho relativamente
constante e independente dos mecanismos reguladores de crescimento. Dependem do
hospedeiro para nutrição, estando relacionados a angiogênese, e, por vezes, de suporte
endócrino.

As neoplasias podem ser:

 Benignas: características macro e microscópicas brandas, sendo bem


delimitadas, algumas vezes encapsuladas e o tecido é muito parecido com o
tecido do qual se originou. São inofensivas, sem potencial metastático e de
fácil remoção cirúrgica. Células bem diferenciadas e com baixo índice mitótico.

 Malignas: conhecidas como câncer, essas neoplasias apresentam rigidez,


estando firmemente aderidas aos tecidos. Geralmente, não são capsuladas
(necessita retirada de margem tecidual). Possuem capacidade de invasão,
destruição de estruturas adjacentes, disseminação a distância e potêncial letal.

 CARACTERÍSRICAS DAS LESÕES NEOPLASICAS

 Displasia: crescimento desorganizado tanto morfológico quanto genotípico do tecido,


alterando a arquitetura do tecido e da célula. As células têm uma multiplicação celular
exarcerbada, apresentando atipia citológica com aumento do tamanho do núcleo,
presença de nucléolo existente, fusos mitóticos tri ou tetrapolares. Como as células
são diferentes, vai haver uma desorganização arquitetural.

A displasia pode ser graduada, vai depender do acúmulo de mutações que a célula
cancerígena tem. As neoplasias benignas podem ter displasias leves, moderadas ou
acentuadas.

Displasia acentuada é a interface entra a neoplasia benigna e maligna. Essas neoplasias são
chamadas carcinoma in situ.

NEOPLASIAS BENIGNAS COM DISPLASIA ACENTUADA TEM GRANDES CHANCES DE


MALIGNIZAÇÃO. PARA ISSO FALTA INVADIR O TECIDO.

As neoplasias malignas, além das duas características displasicas citadas acima,


apresentam capacidade de invasão tecidual, ultrapassando a membrana basal.

A lesão pré-maligna, porém com potencial de regressão.... (???)

 Anaplasia: grau máximo de displasia, onde as células tumorais sofrem


desdiferenciação, apresentando características de células primitivas como uma ávida

1
Thamyres Vaccaro 2017.1

capacidade de multiplicação. As alterações nucleares e celulares são marcantes (pegar


nos slides), havendo também distorção arquitetural.

QUANTO MAIS ANAPLASICO, MENOR SERÁ A ATIVIDADE FUNCIONAL ESPECIALIZADA.


PODEM SURGIR CÉLULAS QUE PRODUZEM SUBSTÂNCIAS NÃO ESPERADAS NAQUELE
TECIDO, CHAMADO SÍNDROME PARANEOPLÁSICA.
__

Os tecidos apresentam parênquima e estroma (mesenquima), sendo o primeiro a área


funcional e o segund o tecido de sustentação, proporcionando o suprimento sanguineo e
suporte para o crescimento do tumor. Quando tem uma neoplasia que se origina da porção
epitelial, que é a parte parenquimatosa de um órgão, é dessa parte que se origina o nome do
tumor.

 NOMECLATURA

 Benignos

 Que se originam do tecido de sustentação

TIPO CELULAR PROLIFERANTE + SUFIXO OMA

Ex: Osteoma, condroma

 Que originam do epitélio

Se tem origem glandular ou na microscopia forma glândulas  ADENOMA

Estrutura não glandular que apresenta papilas/projeções digitiformes macro e micro 


PAPILOMAS

 Malignas

 Origem mesenquimal  SARCOMAS


 Origem epitelial  CARCINOMAS

Se apresenta, formação de glândulas  acrescenta a palavra ADENO antes do carcinoma

Obs: Se a célula do órgão de origem é característica, colocamos “de células...” depois.

Ex: Adenocarcinoma de células renais.

 Tumores mistos

Populações proliferantes diferentes, durante a diferenciação tumoral. Podem ser benignos ou


malignos dependendo da capacidade de invasão.

2
Thamyres Vaccaro 2017.1

 Teratoma

Origem em células totipotentes que podem se diferenciar em células de qualquer tecido. Se


apresentar tecidos maduros, é chamado de teratoma maduro. Se apresentar tecidos imaturos,
será chamado de teratoma imaturo.

EXCEÇÕES: Linfoma, mesoteliomas, seminomas, melanomas, leucemias, hamartoma e


coristoma.

Obs: Harmatomas são proliferações celulares tecidual própria do tecido, porém desorganizada.

Obs: Coristomas são restos heterotópicos de células, como pâncreas ectópicos.

 GRAU DE DIFERENCIAÇÃO DAS NEOPLASIAS MALIGNAS

Quando a neoplasia vira maligna, ela permanece tendo uma displasia acentuada, mas
passa a apresentar diferentes níveis de diferenciação, podendo ser classificadas quanto a isso.
Uma célula bem diferenciada é uma célula madura, que se assemelha muito ao tecido de
origem apresentando funções integras. Já células pouco diferenciadas, possuem maior
capacidade de invasão celular, de proliferação.

Bem diferenciada  Moderadamente diferenciada  Pouco diferenciada

Para avaliar o grau de diferenciação de uma neoplasia você vê se as células ainda


formam estruturas das células normais do tecido de origem.

ANAPLÁSICO
Nem todas as neoplasias seguirão esse processo, algumas terão estímulo diretos para
serem neoplasias malignas com moderada diferenciação, por exemplo.