You are on page 1of 17

ÍNDICE

1.INTRODUÇÃO ........................................................................................................................... 3
1.1.Objectivos.............................................................................................................................. 4
1.1.1.Objectivo Geral............................................................................................................... 4
1.1.2.Objectivos específicos .................................................................................................... 4
2.Metodologia da pesquisa.............................................................................................................. 4
3.Revisão de Literatura ................................................................................................................... 5
3.1.IVA – Imposto sobre o valor acrescentado ........................................................................... 5
3.1.1.Mecanismos de funcionamento do IVA ......................................................................... 5
3.1.2.Características do IVA.................................................................................................... 6
3.1.3.Incidência do IVA .......................................................................................................... 6
3.1.4.Incidência subjectiva ...................................................................................................... 7
3.2.Aplicação do imposto no tempo (exigibilidade do imposto) ................................................ 8
3.3.Apuramento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) ............................................... 8
3.3.1.Imposto a favor do Estado: ............................................................................................. 8
3.3.2.Imposto a favor do sujeito passivo: ................................................................................ 9
3.3.3.Regularizações de imposto: ............................................................................................ 9
3.3.4.Três tipos de sujeitos passivos ........................................................................................ 9
3.4.Preenchimento da declaração periódica .............................................................................. 10
3.5.Regimes especiais do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) .................................... 11
3.5.1.Regimes especiais ......................................................................................................... 11
3.6.Exemplo sobre operações contabilísticas no apuramento do IVA ...................................... 12
3.6.1.Mapa de Vendas ........................................................................................................... 13
3.6.2.Extracto de fornecedores .............................................................................................. 15
Conclusão...................................................................................................................................... 17
Bibliografias .................................................................................................................................. 18

2
1.INTRODUÇÃO

O presente trabalho aborda sobre ‘’O mecanismo de apuramento do IVA nos regimes
específicos’’. Primeiro dizer que, o termo IVA foi introduzido na união europeia há mais de 40
anos, numa altura em que o mercado era muito diferente de hoje. Apesar dos esforços feitos ao
longo dos anos para modernizar e simplificar o sistema de IVA etapa por etapa, é incontestável que
o sistema actual já não responde às necessidades de uma economia moderna movida pelos serviços
e baseada na tecnologia.

A complexidade do actual sistema de IVA cria custos e sobrecargas inúteis para os contribuintes e
para as administrações, bem como obstáculos ao mercado interno. Além disso, em razão de
algumas fragilidades que lhe são inerentes, o sistema de IVA é vulnerável à fraude e à evasão. Por
conseguinte, é imprescindível proceder a uma revisão fundamental do sistema de IVA.

A situação económica actual destacou a importância do papel que o IVA desempenha ao garantir a
estabilidade e o crescimento económicos. O IVA é uma das principais fontes de receita para os
Estados Membros. Pode tornar-se ainda mais importante pelo facto de a recessão e o
envelhecimento da população afectarem outras fontes de receita. Além disso, estudos económicos
mostram que os impostos de consumo estão entre os impostos mais favoráveis ao crescimento, e
um sistema sólido de IVA poderia contribuir para a revitalização económica do mundo. Assim, é
de primordial importância assegurar que o sistema de IVA funciona plenamente e realiza todo o
seu potencial.

3
1.1.Objectivos

1.1.1.Objectivo Geral

O presente trabalho tem como objectivo geral:

 Analisar quais são as formas de apuramento do imposto sobre o valor acrescentado (IVA).

1.1.2.Objectivos específicos

Os objectivos que se enraízam do objectivo geral – os tais específicos são:

 Descrever as condições para sua aplicação;

 Identificar as vantagens e desvantagem da contabilização e no apuramento do IVA;

 Compreender as estratégias usadas para o apuramento do IVA, dando exemplos práticos.

2.Metodologia da pesquisa

Para elaboração deste trabalho foi feito uma revisão bibliográfica. Onde foi usado o método
indutivo, que é um método responsável pela generalização, isto é, partimos de algo particular para
uma questão mais ampla, mais geral.

Para Lakatos e Marconi (2007:86), Indução é um processo mental por intermédio do qual, partindo
de dados particulares, suficientemente constatados, infere-se uma verdade geral ou universal, não
contida nas partes examinadas. Portanto, o objectivo dos argumentos indutivos é levar a conclusões
cujo conteúdo é muito mais amplo do que o das premissas nas quais me baseio.

4
3.Revisão de Literatura

3.1.IVA – Imposto sobre o valor acrescentado

O conceito base do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) é de que se trata de um imposto
indirecto sobre a despesa. Este imposto recai sobre as transmissões de bens ou prestações de
serviços realizados no território nacional (incluindo as importações), em todas as fases do circuito
económico, desde a produção/importação ou aquisição até à venda pelo retalhista sem efeitos
cumulativos, como o próprio nome indica, através do seu mecanismo particular de apuramento.

De facto, cada um dos sujeitos passivos intervenientes no circuito, através do mecanismo de


apuramento, apenas entrega o imposto devido pelo valor que acrescenta ao produto,
correspondente a uma fracção do total do imposto a arrecadar pelo Estado, sendo no fim do
circuito, suportado pelo consumidor e utilizador final.

O mecanismo de apuramento considera por um lado, o direito que o sujeito passivo tem em
deduzir o imposto que suportou nas aquisições e, por outro, a obrigação de liquidar o imposto
sobre o valor das vendas realizadas no âmbito da sua actividade económica, reportados a um
determinado período de tributação. Assim, na prática, cada sujeito passivo interveniente no circuito
adquire uma posição devedora perante o Estado pelo valor do imposto facturado nas vendas que
realizou (A) e credora pelo imposto que deduziu relativamente às aquisições que efectuou (B),
sendo o imposto apurado igual à diferença entre as duas posições, podendo resultar num saldo
devedor (A maior que B) ou credor (B maior que A) perante o Estado:

Resume-se á entrega ao Estado do seu valor através do circuito económico em que intervêm
empresas e o consumidor final, que, em última análise, é o agente económico que suporta todo o
seu valor.

3.1.1.Mecanismos de funcionamento do IVA

IVA Apuramento = IVA liquidado – IVA Dedutível

 IVA Liquidado – IVA aplicado aos clientes nas vendas que a empresa efectua.
 IVA dedutível – IVA aplicado às compras que a empresa efectua aos fornecedores.

5
 IVA apuramento– IVA que a empresa apura após as suas vendas e compras, donde terá a
receber ou a pagar ao Estado.

O IVA apuramento é assim, calculado em função das compras, e demais aquisições, e das vendas
e prestações de serviços.

Valor liquidado> Valor dedutível – IVA a pagar ao Estado


Valor dedutível> Valor liquidado – IVA a receber do Estado
Valor dedutível = Valor liquidado – A empresa não paga nem recebe do Estado

O IVA visa tributar todo o consumo em bens materiais e serviços, abrangendo todas as fases do
circuito económico, desde a produção ao retalho, sendo porém a base tributável limitada ao
valor acrescentado em cada fase.

O IVA, aplicado de um modo geral e uniforme em todo o circuito económico, corresponde a uma
tributação, por taxa idêntica, efectuada de uma só vez, na fase retalhista. O IVA é um imposto
que se classifica no âmbito dos impostos indirectos.

3.1.2.Características do IVA

 Imposto Indirecto Atende à despesa efectuada e não ao rendimento.


 Imposto Plurifásico Recai sobre o valor acrescentado das sucessivas fases do circuito
económico, desde a produção ao retalho.
 Imposto Neutro É liquidado pelos vários operadores económicos nas várias fases do
circuito económico, mas só é efectivamente suportado pelo consumidor final.

3.1.3.Incidência do IVA

O IVA incide sobre todas as transmissões de bens e prestações de serviços que tenham lugar em
Portugal sobre as transmissões de bens e sobre as operações intracomunitárias. Realizadas em
território nacional.
 Transmissões de bens
 Prestação de serviços
 Importação de bens

6
 Operações intracomunitárias efectuadas em território nacional

3.1.4.Incidência subjectiva

São os sujeitos passivos do imposto.

1ª Secção:
As pessoas singulares ou colectivas que, de um modo independente e com carácter regular,
exerçam as seguintes actividades:

 Actividades de produção;
 Comércio ou prestação de serviços;
 Actividades extractivas e agrícolas;
 Profissões livres.

2ªSecção:

 As pessoas singulares ou colectivas que, segundo a legislação aduaneira, realizem


importações de bens.
 As pessoas singulares ou colectivas que, em factura ou documento equivalente,
mencionem indevidamente IVA.

3ªSecção:

 As pessoas singulares ou colectivas que efectuem operações intracomunitárias, nos


termos do Regime do IVA nas Transacções Intracomunitárias.

4ª Secção:

O Estado e as demais pessoas colectivas de direito são sujeitos passivos do imposto quando
exerçam algumas das seguintes actividades e pelas operações tributárias delas decorrentes, salvo
quando se verifique que as exercem de forma não significativa:

7
 Telecomunicações:
 Distribuição de água, gás e electricidade;
 Transporte de bens;
 Prestação de serviços portuários;
 Transporte de pessoas;

3.2.Aplicação do imposto no tempo (exigibilidade do imposto)

O IVA é devido e torna-se exigível a partir do momento em que os bens são colocados á
disposição do comprador ou adquirente ou, tratando-se de prestação de serviços, a partir do
momento da sua realização. Quanto ás importações, o IVA será aplicável no momento
determinado pelas disposições do Direito Aduaneiro. Sempre que a transmissão de bens ou
prestação de serviços dê lugar á obrigação de emitir uma factura ou documento equivalente, o
imposto torna-se exigível no momento da emissão dessa factura ou documento equivalente ou
no momento em que termina o prazo, se o prazo de emissão da factura não foi respeitado (5
dias após a entrega de bens ou prestação do serviço).

3.3.Apuramento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA)

O apuramento do IVA resulta da diferença entre o valor liquidado e o valor dedutível, corrigida
pelas regularizações provocadas por descontos ou despesas acrescidas.

IVA IVA IVA IVA


= - +
Apuramento Liquidado Dedutivel Regularizaç
õescorrecção ao
O IVA regularizações surgirá sempre que o sujeito passivo apresente situações de
IVA liquidado ou ao IVA dedutível.

3.3.1.Imposto a favor do Estado:

 Liquidado aos clientes nas transmissões de bens e Prestações de serviços.


 Autoliquidado pelo sujeito passivo:
 Nos termos dos artigos 6.º e 30.º
 Nas aquisições intracomunitárias de bens.
 Nas situações de inversão do sujeito passivo.

8
 Liquidado no auto consumos e operações gratuitas.

3.3.2.Imposto a favor do sujeito passivo:

 Suportado nas aquisições de bens e prestações de serviços (imobilizado, existências e


outros bens e serviços).
 Pago nas importações.
 Autoliquidado pelo sujeito passivo:
 Nos termos dos artigos 6.º e 30.º
 Nas aquisições intracomunitárias de bens.
 Nas situações de inversão do sujeito passivo.
 Pago nos adiantamentos a fornecedores.

3.3.3.Regularizações de imposto:

 Erros ou omissões.
 Devoluções e descontos.
 Anulações de recebimentos antecipados.
 Créditos incobráveis.
 De imposto deduzido:
 Devoluções, descontos, erros e omissões, etc.
 Pagamentos antecipados
 Regularização do pro rata.

3.3.4.Três tipos de sujeitos passivos

1.Sujeitos passivos que não têm qualquer direito à Dedução.


Os que praticam exclusivamente operações abrangidas pelo art. 9.º do Código do IVA ou
operações fora do campo de incidência do imposto.

2.Sujeitos passivos que têm direito integral à dedução do IVA suportado (com excepção do
relativo às despesas referidas no art. 21).

9
 Os que praticam exclusivamente operações sujeitas a IVA e delas não isentas; e/ou
 Os que praticam as operações previstas na alínea b) do n.º 1 do art. 20.º do CIVA (as
designadas “operações à taxa zero”).

3. Sujeitos passivos que apenas têm direito à dedução de uma parte do IVA suportado

 Os que realizam simultaneamente operações que conferem o direito à dedução (as


operações referidas em 2) e operações que não conferem esse direito (as referidas em 1).
Para que seja possível o exercício do direito à dedução é necessário, em consonância com
o que dispõe o art. 20.º, que o imposto a deduzir tenha incidido sobre bens adquiridos,
importados ou utilizados pelo sujeito passivo com vista à realização das operações
referidas no n.º 1 do mesmo preceito, ou seja, operações que conferem o direito à
dedução.

3.4.Preenchimento da declaração periódica

Umas das obrigações do sujeito passivo de IVA, não isento, é declarar periodicamente, em cada
período fiscal a que está sujeito, isto é, mensal ou trimestral; o valor devido ou o crédito de
imposto. Para isso, preenchemos a Declaração Periódica de IVA que tem como objectivos
apresentar as operações relativas ao período considerado de imposto e apurar o valor desse
imposto. Os dados da declaração periódica devem ser transmitidos através de via electrónica,
pelo sujeito passivo do imposto.

 Os sujeitos passivos do IVA ficam sujeitos ao envio por transmissão electrónica de dados
da declaração periódica.
 Depois de submeter a declaração, é criada e disponibilizada, de seguida, uma referência
numérica que deve ser usada para a cobrança do imposto.
 A declaração considera-se anunciada na data em que for sujeitada sem irregularidades.

Nota: A Declaração periódica só é validada quando um técnico oficial de contas a valida, através
de vinhetas. Havendo falta de identificação do técnico oficial de contas a declaração, considera-
se como não apresentada.

10
3.5.Regimes especiais do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA)

O CIVA contempla algumas situações especiais de sujeição ao imposto, designando-as por


regimes especiais sobre o Valor Acrescentado. Assim, situação o regime especial de isenção e o
regime dos pequenos retalhistas.

3.5.1.Regimes especiais

1. Regime de isenção

 Beneficiam da isenção do imposto os sujeitos passivos que, não possuindo nem sendo
obrigados a possuir contabilidade organizada, para efeitos de IRS ou IRC nem praticando
operações de importação, exportação ou actividades conexas, não tenham atingido no ano
civil anterior, um volume de negócios superior a 10.000.
 Não obstante o disposto no número anterior, serão ainda isentos do imposto os sujeitos
passivos com um volume de negócios superior a 10.000, mas inferior a 12.500, que, se
tributados, preencheriam as condições de inclusão no regime dos pequenos retalhistas.
 No caso de sujeitos passivos que iniciem a sua actividade, o volume de negócios a tomar
em consideração será estabelecido de acordo com a previsão efectuada relativa ao ano
civil corrente, após confirmação pela Direcção-Geral das Contribuições e Impostos.
 Quando o período em referência, para efeitos dos números anteriores, for inferior ao ano
civil, deve converter-se o volume de negócios relativo a esse período num volume de
negócios anual correspondente.
 O volume de negócios previsto nos números anteriores é o definido nos termos do artigo
41°.
2. Regime dos pequenos retalhistas

 Sem prejuízo do disposto no n.º 2 do artigo 53.°, os retalhistas que sejam pessoas
singulares, não possuam nem sejam obrigados a possuir contabilidade organizada para
efeitos de IRS e não tenham tido no ano civil anterior um volume de compras superior a
20.000 para apurar o imposto devido ao Estado aplicarão o coeficiente de 25% ao valor
do imposto suportado nas aquisições de bens destinados a vendas sem transformação.

11
 Ao imposto determinado nos termos do número anterior será deduzido o valor do
imposto suportado nas aquisições de bens de investimento e outros bens para uso da
própria empresa, salvo tratando-se dos que estejam excluídos do direito à dedução nos
termos do n.º 1 do artigo 21.°.
 O volume de compras a que se refere o n.º 1 é o valor definitivamente tomado em conta
para efeitos de tributação em IRS.
 No caso de retalhistas que iniciem a sua actividade, o volume de compras será
estabelecido de acordo com a previsão efectuada, relativa ao ano civil corrente, após
confirmação pela Direcção-Geral das Contribuições e Impostos.

3.6.Exemplo sobre operações contabilísticas no apuramento do IVA

A empresa Cabular é má, dedica-se a venda de Carapau e Mariscos. Localiza-se na avenida


Julius Nherere, cidade de Tete nº 1624 e Possui nas suas actividades de vendas isentas de
tributação de IVA (imposto sobre o valor acrescentado) e as sujeitas a IVA. Sendo as de Carapau
Isenta de Iva e o restante de Marisco sujeita a tributação.

Durante o Mês de Setembro de 2018, realizou a seguinte actividade:

Dia Descrição Valor IVA incluído


02 Venda de peixe de Carapau 3.000,00 VD 00346
02 Venda de Camarão 3.050,00 VD 00547
03 Venda de Polvo e Camarão 4.400,00 VD 00348
05 Venda de Lula e Carapau 2.000 e 1.050,00 VD 00349
08 Venda de Carapau e Polvo 1.050 e 1.050,00 VD 00350
10 Venda de Carapau 10.000,00 VD 00351
12 Venda de Mariscos 17.000,00 VD 00352
15 Venda de Lula 30.000,00 VD 00353

Julho nos restantes dias ficado, foi o trabalho pela infelicidade dos seus patrões. A vida no que se
refere ao mês de Setembro de 2018, foram efectuados despesas dos seguintes valores.

12
Dia Descrição Valor IVA incluído
02/09/2018 Pagamento de Agua S/F 00372 72.000,00
04/09/2018 Compra de Gasóleo p/ Viatura S/VD 300 3.000,00
06/09/2018 Pagamento de Despesa de Refeição S/VD 121 3.000,00
10/09/2018 Compra de Gasolina S/VD 222 1.000,00
10/09/2018 Compra de Farinha p/ Trabalhadores S/VD 323 4.000,00
10/09/2018 Pagamento de Telefone S/FTDM AA 2.000,00
2013246

Pretende-se o apuramento do IVA devido ao estado e o seu devido encaminhamento as


instruções competentes.

3.6.1.Mapa de Vendas

Data Descrição IVA Vendas

Isentas Tributações
02/09 Carapau VD 00346 --------- 3.000,00 …………….
02/09 Camarão VD 00347 443,16 ………… 3.050,00
03/09 Polvo e Camarão VD 00348 639,32 ………… 4.400,00
05/09 Venda de Lulas e Carapau VD 290,60 ………… 2.000,00
00 349
08/09 Venda de Carapau VD 00350 152,56 1.050,00 1.050,00
10/09 Venda de Carapau VD 351 ---------- 1.050,00 ……………
12/09 Venda de Marisco VD 352 2470,08 10.000,00 17.700,00
15/09 Lula e P. primeira VD 353 4358,97 30.000,00

Através do mapa de venda utilizando os talões aceitáveis pela direcção regional de imposto os
vendedores, comerciantes podem vender seus bens sujeitos a IVA, com Iva Incluso, bastando no
𝑉𝑇
acto de lançamento a dedução pela fórmula IVA = x 0,17. Onde VT = Valor total como
1,17

indica os valores indicados no quadro acima na coluna IVA.

13
Para extracção de valores de IVA, suportados nas transacções com terceiros referentes a saída de
bens a empresa pode de uma forma com o conhecimento sobre a legislação fiscal dos bens
tributáveis do IVA e do isento a extrair, a partir do extracto do fornecedor com através do
lançamento do diário geral, como veremos pelos dois métodos a seguir.

Nº Descrição Contas Débito Crédito


01 1.1.s/factura
6324 Água 64153,85
4432 IVA dedutível 7846,15
44323 Outros bens e serviços 72.0000,00

02 6822 1.1.S/VD 121


632131 Gasóleo 217,94
3.000,00
4432 Iva Dedutível 2.564,12
44323 Outros bens e serviços 217,94
03 63229 Despesas de
representação 2564,11
4432 IVA dedutível 3.000,00
44323 Outros bens e serviços 435,89
04 63229 Gasolina 1.1 S/VD 222 1.000,00
Bem Isento e IVA 1.000,00
05 63229 Despesas de
representação 1.1 S/VD 223 4.000,00
Farinha Isento a IVA
4.000,00
06 63224 Comunicações 1.1 1709,5
4432 IVA dedutível
44397 Outros bens e serviços 290,5 2.000,00

14
4433 IVA Liquidado4432 IVA Dedutível
443,16 7846,15
639,32 2.217,94
290,60 435,89
152,56 390,5
2.470,08 8.790,48
4.358,97
8.354,69

4434
8.790,48 8.354,65
SD 435,79
8.790,48

4434 IVA apuramento

4432 IVA Dedutível P/Transferência de saldo…………………………………..…8.790,48


4433 IVA Liquidado P/ Transferência do saldo……………………………..……..8.354,69
4438 IVA a Recuperar
4434 IVA de Apuramento P/ Transferência de saldo………………………..……….435,79

3.6.2.Extracto de fornecedores

Data NºDoc Descrição Valor do IVA IVA Observações


doc suportado dedutível
02/09 372 Pagto de Agua 72.000,00 7.846,15 7846,15 75% x 17%
04/09 300 Compra de Gasóleo 30.000,00 435,88 217,94 50% x 17%
06/09 121 Despesa de 3.000,00 435,88 435,88
refeições
10/09 246 - 2013 Pagto de Telefone 2.000,00 290,5 290,5
Total 9.008,41 8.790,48

15
Deste os valores a usar são zero (0) de IVA dedutível que é o mesmo encontrado pelo método de
lançamento no diário.

 Pagamento de Gasóleo e Farinha não entram no extracto de fornecedores pela factura de


não suportarem IVA, por se tratar de produtos básicos.
 Água deduz somente 75% dos totais dos 17% do IVA.
 Gasóleo deduz somente 50% do IVA suportado (legislação fiscal).

16
Conclusão

Chegando o fim deste trabalho, conclui-se que o sistema de IVA em Moçambique segue muito
de perto o sistema português, ou seja, o sistema da UE, com adaptações à realidade nacional.
Será que este é o sistema mais aconselhável? Parece-nos que sim, dada a adaptação à realidade
nacional, o que se traduziu numa simplificação considerável do imposto.

Terá sido este sistema bem aceite em Moçambique? Em geral, afigura-se que sim. A este
propósito nota-se que se encontram abrangidos por regimes especiais de isenção ou de tributação
simplificada pequenos contribuintes e que uma grande parte dos produtos essenciais se encontra
isenta deste imposto. Ainda assim, consubstancia a principal receita fiscal do Estado. É certo que
há aspectos que, ainda assim, se nos afiguram demasiado complexos face à realidade
moçambicana e que a experiência veio a demonstrar que implicam dificuldades práticas, pelo
que o sistema carece de algumas revisões. Um outro aspecto que carece de análise é o da
actualização do sistema. Como referimos, o IVA em Moçambique foi adoptado em 1999.

Contudo, a realização deste trabalho foi muito útil, pois ajudou-nos a compreender melhor as
principais características do IVA e também adquirir novos conhecimentos acerca do IVA. Dentro
da abordagem do tema, conclui-mos que O IVA (imposto sobre o valor acrescentado) visa
tributar todo o consumo em bens materiais e serviços, abrangendo as fases do circuito
económico, desde a produção ao retalho, sendo a base tributável limitada ao valor acrescentado
em cada fase.

17
Bibliografias

1. LAKATOS, Eva Maria e MARCONI, Maria de Andrade. Fundamentos de Metodologia


científica. 5ª Ed. Atlas S.A., S. Paulo, 2003.
2. LAKATOS, Eva Maria e MARCONI, Maria de Andrade. Metodologia de trabalho
científico. Atlas S. Paulo, 2002.
3. Neves, Filipe (2002). Código do IVA e Legislação complementar – comentado e Anotado
(2ª edição. Lisboa: Vida Económica.
4. Pereira, Gil (2011), Ordenação explicativa e contabilização do IVA (11ª Edição)
Coimbra.
5. Pires, Manuel e Pires, Rita. (2010). Direito Fiscal (4ª Edição), Coimbra: Almedina.

AUTOR DO TRABALHO
Nome. Sérgio Alfredo Macore
Nickname. Helldriver Rapper
Facebook. Sérgio Alfredo Macore ou Helldriver Rapper Rapper
Morada. Pemba – Cabo Delgado
Telefone. +258 846458829
E-mail. Sergio.macore@gmail.com

NB. Depois de baixar esse trabalho, não esqueça de ligar para mim e agradecer.
Também, faço trabalhos por encomenda.

BOA SORTE

18