You are on page 1of 55

Conteúdo 2

CONTEÚDO
PARA O USUÁRIO ................................................................................................. 3
— designações do tipo do motor ............................................................................. 3
— localização do número de série do motor ........................................................... 4
— marcação da bomba injetora ............................................................................... 4
— instruções sobre segurança ................................................................................ 5
— levantamento do motor ........................................................................................ 6
CONSTRUÇÃO ....................................................................................................... 7
— dados técnicos .................................................................................................... 7
— generalidades ...................................................................................................... 12
— sistema de admissão de ar ................................................................................. 12
— sistema de combustível ....................................................................................... 13
— sistema de lubrificação ........................................................................................ 17
— sistema de arrefecimento .................................................................................... 19
— sistema elétrico ................................................................................................... 20
OPERAÇÃO E DIREÇÃO ....................................................................................... 21
— verificação diária antes da partida....................................................................... 21
— partida ................................................................................................................. 21
— partida a frio ........................................................................................................ 21
— atenção durante a operação ............................................................................... 23
— parada ................................................................................................................. 23
— acoplamento de equipamentos adicionais ao motor ........................................... 24
SERVIÇO ................................................................................................................. 25
— manutenção periódica ......................................................................................... 25
— tabela de manutenção ......................................................................................... 25
— manutenção básica após as primeiras 50...100 horas de operação ................... 26
— serviços a serem feitos diariamente ou a intervalos de 10 horas ....................... 26
— serviços a serem feitos semanalmente ou a intervalos de 50 horas ................... 28
— serviços a serem feitos a intervalos de 250 horas .............................................. 30
— serviços a serem feitos a intervalos de 500 horas .............................................. 32
— serviços a serem feitos a intervalos de 1000 horas ............................................ 34
— serviços a serem feitos a intervalos de 4800 horas ............................................ 36
— serviços a serem feitos a cada dois anos ........................................................... 37
SERVIÇOS ADICIONAIS E INSTRUÇÕES DE REGULAGEM .............................. 38
— sangria do sistema de combustível (Bosch) ........................................................ 38
— verificação e ajuste do sincronismo da injeção (Bosch) ...................................... 39
— ajuste da rotação da marcha lenta (Bosch) ......................................................... 41
— sangria do sistema de combustível (Stanadyne) ................................................ 41
— verificação e ajuste do sincronismo da injeção (Stanadyne) .............................. 42
— ajuste da rotação da marcha lenta baixa (Stanadyne) ........................................ 43
— sangria do sistema de combustível (Delphi) ....................................................... 44
— instalação do cabeçote ........................................................................................ 46
— inspeção do bujão de zinco ................................................................................. 47
— verificação do amortecedor de vibração do elemento de borracha .................... 47
— antes do inverno .................................................................................................. 48
— torques de aperto ................................................................................................ 48
— requerimentos de qualidade do óleo lubrificante ................................................. 49
— requerimentos de qualidade do líquido de arrefecimento ................................... 49
— requerimentos de qualidade do combustível ....................................................... 50
— combustível biodiesel .......................................................................................... 51
— diagnóstico .......................................................................................................... 52
— armazenagem do motor ...................................................................................... 54
— atenção pós-armazenagem ................................................................................. 54
Conteúdo 3

PARA O USUÁRIO
Este manual tem como objetivo familiarizá-lo com o uso e a manutenção do seu motor AGCO
POWER e fornecer os dados técnicos e as configurações básicas relacionados à sua
construção. Antes de usar o motor leia atentamente as instruções de operação, serviço e
segurança para assegurar o funcionamento mais econômico do seu motor.
Ao contatar a Organização de Serviço, informe o tipo do motor e o número de série.
Reservamo-nos o direito de alterar as configurações, os equipamentos, bem como as instruções
de serviço e reparo dos motores sem prévio aviso. Salvo declaração em contrário, as instruções e
configurações se aplicam a todas as variações dos motores 320, 420, 620 e 634.

DESIGNAÇÕES DO TIPO DO MOTOR


Para o Usuário 4

LOCALIZAÇÃO NO NÚMERO DE SÉRIE DO MOTOR

O número de série do motor está sempre estampa-


do no bloco de cilindros, como indicado na figura.
Se o motor tiver uma plaqueta de tipo, o número de
série também se encontra nela.

NOTA! Em virtude das várias montagens de motor o número de série também poderá estar locali-
zado no lado esquerdo do motor.

MARCAÇÃO DA BOMBA INJETORA

A plaqueta de tipo da bomba injetora indica a letra do símbolo da aplicação ou o número de


ordem. Em alguns tipos de bombas rotativas podem existir ambos, o número de ordem e a letra
do símbolo. Essa letra / número de ordem deve ser declarada ao fazer o pedido de uma bomba
injetora ou solicitar configurações de regulagem.
Para o Usuário 5

INSTRUÇÕES SOBRE SEGURANÇA


Durante o uso e serviço do motor há sempre a
possibilidade de ferimentos. Antes de iniciar o serviço
leia e entenda as seguintes instruções e comentários
sobre segurança!
Quando estiver operando ou trabalhando nas proximidades do motor, use protetores auricu-
lares para evitar lesões por ruído.
Se acionar o motor em local fechado, certique-se de que exista ventilação adequada.
Nunca use auxílio para partida do tipo aerossol durante a operação do dispositivo de Partida
Térmica (risco de explosão).
Ligue o motor usando apenas o interruptor de partida na cabina.
Pare o motor sempre antes de um serviço de manutenção ou reparo.
Nunca permita chamas expostas, cigarros e faíscas nas proximidades do sistema de com-
bustível e das baterias. (Especicamente ao aplicar carga nas baterias, explosivo.)
Com o motor quente, abra a tampa do radiador com cuidado, pois o sistema de arrefeci-
mento é pressurizado. O líquido de arrefecimento e o óleo lubricante de um motor quente
causam ferimentos em contato com a pele.
Evite encostar o coletor do escapamento, no turbocompressor e em outras partes quentes do
motor.
Sempre desconecte o cabo negativo (-) da bateria durante a manutenção ou reparo do sis-
tema elétrico.
Ao vericar os injetores de combustível não deixe que o jato do combustível em alta pressão
entre em contato com sua pele. O combustível penetra a pela causando ferimentos graves.
Procure imediatamente o seu médico!
Mantenha as superfícies do motor limpas a m de evitar o risco de incêndio.
Em temperaturas superiores a 300°C, por exemplo, se o motor for queimado por um
incêndio, os vedadores de Viton do motor (p.ex., o anel de vedação mais inferior da válvula
reguladora da pressão do óleo) produz ácido hidrouórico altamente corrosivo. Não toque
com as mãos desprotegidas, os vedadores de Viton estão sujeitos a temperaturas anor-
malmente altas. Sempre use luvas de borracha neoprene ou para serviço pesado e óculos
de segurança ao fazer a descontaminação. Lave os vedadores e a área contaminada com
uma solução de hidróxido de cálcio a 10% ou outra solução alcalina. Coloque todo o material
removido em sacos plásticos e entregue-os ao ponto indicado pelas Autoridades pertinentes.
NOTA! Nunca destrua os vedadores de Viton queimando-os!
O combustível, o óleo lubricante e o líquido de arrefecimento causam irritação em contato
prolongado com a pele.
Não derrame óleo ou outros líquidos no chão quando estiver fazendo a manutenção do
motor. Leve-os para um ponto de descarte adequado.
Evite rotações lentas desnecessárias do motor.
Todas as juntas do motor são de material que não contém amianto.
Cuidado ao lavar o motor com uma máquina de lavagem de alta pressão. Não use alta
pressão para lavar, por exemplo, os equipamentos elétricos e de combustível ou o radiador,
já que estes podem ser facilmente danicados.
Para o Usuário 6

LEVANTAMENTO DO MOTOR

O levantamento seguro do motor é feito com um


dispositivo de içamento onde a força de levantamen-
to afeta as abas de içamento verticalmente.

A = Abas de levantamento do motor


Peso do motor kg (sem volante e equipamento elétrico).
320 D = 275 420 D = 335 620 D = 500
320 DS = 280 420 DS/DW = 340 620 DS = 510
= 420 DWI 345 634 DS = 515
Construção 7

CONSTRUÇÃO
DADOS TÉCNICOS

PRINCIPAIS DIMENSÕES E DADOS 320 420 620 634


Número de cilindros 3 4 6 6
Capacidade (l) 3,3 4,4 6,6 7,4
Diâmetro interno do cilindro (mm) 108 108 108 108
Curso (mm) 120 120 120 134
Combustão Injeção direta
Relação de compressão 16,5/18,5 : 1
Sincronismo de injeção (APMS) Marcado na polia da árvore de manivelas
Folga das válvulas, admissão e 0,35
escapamento (mm)
Direção de rotação pela frente do motor Horário

SISTEMA DE COMBUSTÍVEL 320 420 620 634


Bomba injetora Bosch, tipo em linha/Stanadyne, tipo
rotativa/Delphi tipo rotativa
Combustível Diesel, consulte a página 50
Pressão de alimentação, bomba em linha
— pressão de abertura da válvula de 0,6 - 1,0 bar
retorno
— estática 2,7 bar
Pressão de alimentação, bomba rotativa
— estática 0,48 bar
— pressão mínima 0,20 bar/rpm máx.
Ordem de injeção 1-2-3 1-2-4-3 1-5-3-6-2-4
Injetor no cabeçote 3 4 6
Pressão de abertura do bico de injeção Consulte o Manual de Oficina das Séries 20/34
Pressão de ajuste do bico de injeção Consulte o Manual de Oficina das Séries 20/34
Filtro de combustível Bosch/Delphi

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO 320 420 620 634


Pressão do óleo no motor quente em 2,5 - 4,0 bar
velocidade de operação
Pressão do óleo na marcha lenta, mín. 1,0 bar
Capacidade de óleo (l) sem filtro e 7 12 24 24
radiador de óleo1
1
) Os diferentes coletores de óleo das diversas variações do motor não têm a mesma capacidade
de óleo. As capacidades mostradas acima são para coletores de óleo padrão.
Construção 8

Motor 420 DWRIE - vista do lado


esquerdo

1. Válvula termostática 9. Filtro de óleo


2. Injetor 10. Bujão de dreno do líquido de
3. Radiador de ar arrefecimento (radiador de óleo)
4. Dispositivo de partida térmica 11. Válvula de regulagem da pressão
5. Tudo de respiro do óleo
6. Filtro de combustível 12. Vareta medidora de óleo
7. Bujão de dreno do líquido de 13. Bomba injetora
arrefecimento 14. Indicador de sincronismo
8. Radiador do óleo 15. Bomba do fluido de arrefecimento

L = ponto de montagem de dispositivo de pré-aquecimento


Construção 9

Motor 420 DWRIE - vista do lado direito

1. Bujão de enchimento de óleo


2. Compressor
3. Alternador
4. Compressor do ar condicionado
5. Pré-filtro
6. Motor de partida
7. Bomba de alimentação do combustível
8. Turbocompressor

Seção em corte
Construção 10

Motor 620/634 DS - vista do lado


esquerdo

1. Dispositivo de partida térmica 9. Vareta medidora de óleo


2. Tudo de respiro 10. Bomba injetora
3. Coletor de admissão 11. Indicador de sincronismo
4. Filtros de combustível 12. Amortecedor de vibrações
5. Filtro de óleo 13. Solenóide de parada
6. Válvula de regulagem da 14. Válvula termostática
pressão do óleo 15. Injetor
7. Bujão de dreno do líquido de
arrefecimento
8. Bujão de enchimento de óleo

L = ponto de montagem de dispositivo de pré-aquecimento


Construção 11

Motor 620/634 DS - vista do lado direito

1. Turbocompressor
2. Bujão de enchimento de óleo
3. Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento
4. Alternador
5. Sensor de pressão de óleo
6. Motor de partida
7. Coletor de escapamento
Construção 12

GENERALIDADES
A série de motores AGCO POWER consiste de motores diesel refrigerados a água com três,
quatro e seis cilindros em linha. Os motores são equipados com camisas de cilindros úmidas,
substituíveis, e consideração foi dada no desenho básico dos motores para turbocompressão.
Para facilitar e dar mais exibilidade ao serviço de peças sobressalentes, a maioria das peças é
comum a todos os motores na faixa.

SISTEMA DE ADMISSÃO DE AR
O sistema de admissão de ar inclui o pré-ltro (ou ciclone, se instalado), ltro de ar,
turbocompressor (motores DS/DW), radiador de ar (arrefecimento do ar de admissão, motores
DSI/DWI), coletor de admissão e tubos de ar. Um sensor mecânico ou elétrico pode ser instalado
a m de indicar o ponto de serviço do ltro de ar. Se estiver operando em condições de muita
poeira (por exemplo espalhamento de cal) o motor precisa ser equipado com um pré-ltro especial
e ltro de ar com banho de óleo.
Turbocompressor (Motores DS/DW)

O turbocompressor é acionado pelos gases do escapamento. O desenho compacto do turbo-


compressor é de reação rápida mesmo em rotações lentas. O turbocompressor é lubricado e
resfriado pelo sistema de lubricação do motor. O motor DW/DWI está equipado com um turbo-
compressor de passagem onde a pressão excessiva do ar é ajustada por um canal de passagem
(A).
Resfriamento do ar da admissão (Motor DSI/DWI)
O ar comprimido é refrigerado na base de ar para água. O ar que sai do turbocompressor tem
uma temperatura de cerca de 150°C, a qual é resfriada pelo líquido de arrefecimento do motor
para cerca de 95°C. A célula de arrefecimento é instalada no coletor de admissão e conectada ao
sistema de arrefecimento do motor. A refrigeração do ar comprimido estabiliza a combustão, inde-
pendentemente da temperatura, e minimiza a carga térmica e mecânica do motor, reduzindo
assim a formação de óxidos nítricos (NOx).
Construção 13

SISTEMA DE COMBUSTÍVEL

Sistema de combustível (Bosch - bomba injetora P)

1. Tanque de combustível 6. Injetor


2. Pré-ltro 7a. Reservatório de combustível da partida térmica
3. Bomba de alimentação 7b. Válvula solenóide
4. Filtro de combustível 8. Vela de incandescência
5. Bomba injetora 9. Válvula de retorno
Os motores AGCO POWER são equipados com bomba injetora em linha A/P Bosch, ou com
bomba injetora rotativa Delphi ou Stanadyne.
O combustível ui do tanque via pré-ltro para a bomba de alimentação e através do ltro para a
bomba injetora.
A bomba injetora força o combustível para dentro do injetor que envia o combustível para a câma-
ra de combustão em um jato no.
O sistema de combustível geralmente é equipado com o dispositivo de Partida Térmica a ser utili-
zado em condições de frio. A vela de incandescênc ia recebe o combustível de um reservatório
separador do dispositivo de Partida Térmica ou da válvula de retorno da bomba injetora regulada
pela válvula magnética.
O combustível é óleo Diesel que precisa estar limpo e livre de água (consulte a página 50, reque-
rimentos da qualidade do combustível).
Construção 14

NOTA! O uso de solução anticongelante não é útil e não é recomendado de forma alguma!
A água é removida do sistema mediante drenagem periódica do sifão e limpeza do tanque de
combustível antes do inverno (consulte também as ações antes do inverno, página 48).
Bomba injetora A Bosch
A bomba injetora é uma bomba em linha e
a construção básica é a mesma em todos
os motores, independentemente do núme-
ro de cilindros.
Bomba injetora

1. Bujão de enchimento de óleo


2. Alavanca de velocidade
3. Bomba manual
4. Óleo lubricante para a bomba injetora
5. Anel de vedação
6a. Retorno de óleo lubricante para o
motor
6b. Retorno alternativo de óleo para o
motor
(p.ex., aplicação agregada)
7. Engrenagem motriz
8. Placa de identicação
A bomba injetora é de montagem no ange e selada por um anel de vedação (5) na carcaça da
engrenagem de distribuição. A bomba injetora é acionada pela árvore de manivelas através de
uma engrenagem intermediária. A bomba injetora é conectada ao sistema de lubricação forçada
do motor através de um tubo externo (4). O óleo lubricante retorna para o motor via o orifício (6a)
na extremidade dianteira da bomba injetora. Em algumas versões, especialmente motores insta-
lados localmente, o retorno do óleo é conduzido através de uma mangueira (6b) da tampa do
regulador para a árvore de manivelas.

Bomba injetora com reforço de pressão

1. Controle de intensicação
2. Solenóide de partida a frio
3. Vela indicadora para ajuste do sincronismo
da injeção
Construção 15

Bomba injetora rotativa Stanadyne


Na série 20/34 os motores R possuem uma bomba injetora rotativa Stanadyne. A bomba é acio-
nada pela engrenagem intermediária e instalada na carcaça da engrenagem de distribuição. A
bomba está equipada com um solenóide de parada elétrico (parada do interruptor de ignição) e
com um sistema de sangria automático. A lubrificação interna da bomba Stanadyne ocorre com a
ajuda do combustível. Uma bomba de alimentação de combustível separada é do tipo membrana
e acionada pela árvore de comando do motor.

Bomba injetora rotativa Stanadyne

1. Placa de tipo com número de ordem da


bomba
2. Marcas de sincronismo embaixo da
tampa
3. Entrada de combustível
4. Retorno de combustível/válvula de
retorno
5. Alavanca de rotação
6. Conector de fio ao solenóide elétrico de
parada
7. Controle barométrico
8. Pressão de intensificação
9. Sensor de distribuição (motor E)
10. Parafuso interrompido (motor E)

Bomba injetora Delphi


Alguns motores dos tipos 420 e 620 estão
equipados com bomba injetora Delphi. A
bomba possui um solenóide elétrico (partida
e parada através da chave) e também um
sistema automático de sangria. A lubrificação
interna da bomba se faz pelo próprio com-
bustível que é bombeado.
A bomba de transferência é do tipo de
diafragma, e acionada pelo eixo de comando
de válvulas. O sistema pode também vir equi-
pado com um dispositivo termostato que re-
cebe o combustível pelo filtro.
1. Marca de instalação da bomba injetora
2. Tampão de descarga
3. Alavanca de regulagem
4. Alavanca de trava
5. Solenóide de parada
6. Placa de identificação
Construção 16

Injetor
O injetor tem um bico com cinco orifícios. O
corpo do injetor incorpora um bico ranhurado
que não requer manutenção. O excesso de
combustível que lubrifica a agulha do injetor
retorna para o tanque através do tubo de
retorno.
Injetor

1. Entrada de combustível
2. Conexão do tubo de escoamento
3. Calço de ajuste
4. Mola de pressão
5. Pino de pressão
6. Corpo do bico
7. Câmara de pressão
8. Agulha injetora
9. Orifício do bico
Construção 18

Válvula de regulagem da pressão do óleo

A válvula de regulagem da pressão do óleo está situada sob o ltro de óleo no lado esquerdo do
motor. A válvula de regulagem mantém a pressão do óleo constante, independentemente da rota-
ção do motor.
Na rotação de trabalho a pressão do óleo é de 2,5 a 4 bar, dependendo da temperatura e da quali-
dade do óleo lubricante. Na marcha lenta a pressão é de 1,0 bar no mínimo.

Filtro de óleo e radiador de óleo


O ltro de óleo é to tipo uxo principal. Possui um cartucho substituível instalado no lado esquerdo
do motor. Na face inferior do cartucho do ltro de óleo há uma válvula de passagem para partida a
frio ou possível obstrução do ltro. O ltro também está equipado com um deetor que impede o
esvaziamento do ltro quando o motor não está em uso.
Alguns tipos de motores estão equipados com um radiador do óleo lubricante situado entre o
bloco de cilindros e o ltro de óleo. Todo o óleo que circula através do ltro passa também pelo
radiador e é resfriado pelo líquido de arrefecimento do motor que circula no radiador de óleo.

1. Filtro de óleo
2. Radiador do óleo
Construção 19

SISTEMA DE ARREFECIMENTO
A bomba d’água está conectada à face dianteira do bloco de cilindros e a carcaça da válvula
termostática está instalada acima dela. O sistema possui uma circulação de líquido interna via tu-
bo de passagem. A circulação é controlada pela válvula termostática de 2 vias. Essa disposição
garante um aquecimento estável do motor sob todas as condições.

Sistema de arrefecimento

1. Bomba d’água 4. Radiador


2. Válvula termostática 5. Reservatório de expansão
3. Tubo de passagem 6. Radiador do óleo

NOTA! Nunca use apenas água como líquido de arrefecimento, mas uma mistura de 40 - 60 % de
água e anticongelante (consulte a página 49, requerimentos de qualidade do líquido de arrefeci-
mento).
Instalação do aquecedor do motor
Instale o pré-aquecedor do líquido de arrefecimento de acordo com as instruções do fabricante.
Na maioria dos motores AGCO POWER das séries 20/34 o aquecedor do líquido de
arrefecimento é um equipamento padrão. Os pontos de instalação do aquecedor são indicados
nas figuras encon-tradas no começo do capítulo “Construção”.
A rosca dos pontos de conexão do aquecedor externo é M18x1,5.
Construção 20

Sistema de água fria em motores marítimos


Na frente do motor há um trocador de calor
que atua como um reservatório de água de
arrefecimento. A água fria (água do mar) pas-
sa através dos tubos do trocador de calor e
resfria a água doce (líquido de arrefecimento
do motor) que circula fora dos tubos.
A bomba de água fria com impulsor de bor-
racha está instalada na caixa de engrenagens
e é acionada a engrenagem. A bomba suga a
água mesmo na rotação de partida.
O coletor do escapamento é resfriado pela
água doce. Assim sendo, as temperaturas do 1. Trocador de calor
coletor do escapamento e os gases do esca- 2. Bomba de água fria
pamento são reduzidos. Isso minimiza o risco 3. Coletor do escapamento resfriado a água
de acidentes e incêndio.
NOTA! Se o motor tiver cado sem água fria, o
impulsor de borracha deve ser removido da
bomba de água fria.

SISTEMA ELÉTRICO
A tensão do sistema elétrico é de 12 V ou de 24 V.
O motor pode ter um sistema unipolar ou bipolar, dependendo do tipo do motor.
NOTA!
— Conexões defeituosas (especialmente as da bateria ou do alternador) causarão danos ao al-
ternador.
— Nunca abra o circuito de carga com o motor em funcionamento.
— Desconecte os cabos do alternador e da bateria antes de fazer qualquer solda elétrica.
— Desconecte os cabos da bateria antes de aplicar carga na bateria.
Partida com bateria auxiliar
Os seguintes itens devem ser observados ao usar uma bateria auxiliar para dar partida no motor:
— Verique se a bateria auxiliar tem a mesma tensão que a bateria padrão.
— Abra os bujões da bateria para evitar o risco de explosão.
— Conecte o pólo positivo (+) da bateria auxiliar ao pólo positivo do motor de partida ou ao pólo
positivo da bateria descarregada.
— Conecte o pólo negativo (-) da bateria auxiliar, por exemplo, ao parafuso de xação do motor
de partida ou ao corpo do motor.
— Quando o motor começar a funcionar, remova primeiro o cabo negativo entre a bateria
auxiliar e o corpo do motor. A seguir, remova o cabo positivo.

Nunca conecte o cabo ao pólo negativo da bateria


descarregada. Risco de explosão!
Operação e Direção 21

OPERAÇÃO E DIREÇÃO
(Antes de usar o motor, leia atentamente as INSTRUÇÕES SOBRE SEGURANÇA, página 5.)

VERIFICAÇÃO DIÁRIA ANTES DA PARTIDA


Antes de dar partida no motor, verifique os seguintes pontos:
— Verifique a quantidade de combustível
— Verifique o nível do óleo lubrificante
— Verifique o nível do líquido de arrefecimento
— Verifique se o sistema de lubrificação e o sistema de arrefecimento do motor líquido estão
com vazamento
— Limpe o ciclone do filtro de ar

PARTIDA
— Verifique se a alavanca de parada está na posição de condução.
— Gire a alavanca de mudanças para a posição de meia velocidade.
— Ligue a corrente.
— Acione o motor e ajuste a rotação com a alavanca para evitar a super-rotação do motor.
— Observe a pressão do óleo. Para garantir a lubrificação suficiente, o medidor de pressão
deve estar dentro da faixa normal em 3...4 segundos após a partida. NOTA! Isso é particu-
larmente importante para a lubrificação do turbocompressor (motores DS/DW).
— Sempre acelere o motor numa taxa uniforme e nunca por super-rotação.

NOTA! Se o motor não tiver sido usado durante um período superior a um mês, gire o motor com
o motor de partida até que a pressão do óleo se eleve ou desmonte o tubo de pressão do óleo do
turbocompressor (motores DS/DW) e despeje óleo lubrificante limpo (cerca de 0,2 l) na caixa de
rolamentos do turbocompressor.

PARTIDA A FRIO
(Consulte também ações antes do inverno, página 48)
— Verifique se a alavanca de parada está na posição de condução.
— Libere toda a carga extra do motor (mova a marcha para a posição neutro, pressione o pedal
da embreagem, não gire o volante de direção etc.).
— Mova a alavanca de controle de velocidade para a posição de meia velocidade.
— Ligue a corrente.
— Ligue a corrente de incandescência por 20 a 25 segundos.
— Gire o motor até que todos os cilindros estejam em ignição. Continue a incandescência por
30 segundos depois que o motor esteja detonando em todos os cilindros.
— Se a partida do motor não ocorrer em 10 segundos, pare de girar e continue a incan-
descência por aproximadamente 15 segundos. A seguir, dê a partida de acordo com as ins-
truções acima.
— Observe a pressão do óleo. Não acelere excessivamente o motor frio, pois o lubrificante não
é suficiente enquanto o óleo está frio.
Operação e Direção 22

NOTA! (Os motores sem o dispositivo elétrico de parada, bomba injetora Bosch)
Após o funcionamento deixe a alavanca de parada na posição de condução. Garantindo assim a
alimentação de combustível extra. (Na bomba injetora, o dispositivo de combustível extra está
sempre ligado durante a partida e a bomba injetora fornece uma quantidade extra de combustível.
Ao mesmo tempo, a injeção é atrasada, o que também ajuda na partida a frio).
Sempre que possível use o radiador do líquido de arrefecimento quando a temperatura es-
tiver abaixo de 0°C.

Uso de auxiliar de partida do tipo aerossol


Se, em condições de partida muito difícil, for necessário usar um auxiliar de partida do tipo
aerossol, remova os cartuchos do ltro de ar antes de começar a pulverizar o aerossol para
impedir que os cartuchos peguem fogo. Pulverize o aerossol dentro do coletor de admissão
apenas quando o motor está girando. Quando utilizado corretamente (ou seja, em pequenas
quantidades), o aerossol é um eciente auxiliar da partida. O uso excessivo pode levar a danos no
motor e esses danos não são cobertos pela garantia!
Para evitar o risco de incêndio nunca use aerossol
na partida e o dispositivo de Partida Térmica simul-
taneamente.
Desconecte o cabo das velas de incandescência e
isole o conector do cabo.

Aquecimento do motor
Como o desgaste do motor é maior quando o motor funciona a frio, aqueça rapidamente o motor
com uma carga leve por alguns minutos após a partida. Contudo, não se deve sobrecarregar o
motor e a velocidade de rotação não deve exceder 2000 rpm quando a temperatura do motor está
abaixo de 50°C.

1. Medidor de temperatura do líquido 5. Indicador de voltagem


de arrefecimento do motor 6. Botão de parada
2. Indicador da pressão do óleo 7. Indicador de carga
3. Tacômetro/contagiros 8. Interruptor das luzes dos
4. Chave de ignição instrumentos
Operação e Direção 23

ATENÇÃO DURANTE A OPERAÇÃO


— Verique a pressão do óleo do motor 2,5 – 4 bar
• velocidade de operação 2,5...4 bar
• velocidade mínima da marcha lenta 1 bar

— Verique a temperatura do líquido de 75 – 90º C


arrefecimento
• temperatura normal de operação 75...90°C

— Observe a leitura do amperímetro/luz de advertência

NOTA! — Se o motor estiver superaquecido, arrefeça lentamente deixando em marcha


lenta por alguns minutos.
Nunca despeje líquido de arrefecimento frio num motor quente!
Nunca remova a válvula termostática de 2 vias para reduzir a temperatura.
Nesse caso, uma quantidade maior de líquido de arrefecimento está circulando
via tubo de passagem e a temperatura vai cando mais alta do que antes.

É perigoso abrir a tampa do radiador quente sob


pressão.

NOTA! Evite longos períodos em marcha lenta, pois isto reduz a temperatura de combustão.
Fazer isso causa combustão incompleta e formação de carvão, podendo causar a aderência dos
bicos e obstruir as válvulas e os anéis de segmento do êmbolo.

PARADA
— Mova a alavanca de mudanças para a posição de marcha lenta.
— Nunca pare o motor imediatamente após uma condução pesada. Deixe-o fun-
cionando em marcha lenta por alguns minutos para equalizar as temperaturas.
Isso é especialmente aplicável aos motores turbinados.
— Gire a alavanca de parada para a posição de parada ou pressione o botão de
parada.
— Desligue a corrente. Não desligue a corrente com o motor em funcionamento.
— No inverno, mova a alavanca de parada para a posição de condução imedia-
tamente após a parada do motor (para assegurar o funcionamento do dispositivo
automático de partida a frio dos motores sem o dispositivo elétrico de parada).
Operação e Direção 24

O motor pára repentinamente enquanto em funcionamento


(motores equipados com dispositivo elétrico de parada)

Dispositivo elétrico de parada


1. Solenóide
2. Êmbolo
3. Haste de regulagem da bomba injetora

Se o motor parar durante a operação, o motivo pode ser dano no solenóide. Afaste o solenóide da
bomba injetora e remova também o êmbolo dentro do solenóide. Ajuste o solenóide em seu lugar.
Se o motor funcionar neste momento, o solenóide está defeituoso. Você pode continuar a operar o
motor, porém este deve ser parado pela alavanca de parada atrás da bomba injetora. Instale um
solenóide novo o mais rápido possível.
NOTA! Verifique primeiro o fusível do solenóide.
Outros eventuais problemas de operação, consulte o quadro na página 52.

ACOPLAMENTO DE EQUIPAMENTOS ADICIONAIS AO MOTOR


Vários dispositivos podem ser acoplados ao motor. Certifique-se de que eles não apliquem carga
axial constante à árvore de manivelas ou aos eixos motrizes.
NOTA! Após desmontar a embreagem ou a engrenagem, verifique a folga axial da árvore de ma-
nivelas que deve ser de 0,10...0,35 mm.
Serviço 25
SERVIÇO
MANUTENÇÃO PERIÓDICA
Uma das pré-condições mais essenciais para a operação segura do motor é a manutenção
correta a intervalos regulares. Os custos de manutenção são baixos em comparação com os cus-
tos causados por negligência.
Serviço de manutenção

Sempre pare o motor antes do serviço.

Limpe o motor e a área circundante antes de iniciar o serviço de manutenção.


TABELA DE MANUTENÇÃO
INTERVALO DE SERVIÇO/HORAS DE
SERVIÇO DE MANUTENÇÃO FUNCIONAMENTO
10 50 250
500 1000
Diariamente SemanaImente SemestraImente
1
1. Vericar nível de óleo do motor. X
1
2. Vericar nível do líquido de X
arrefecimento
1
3. Vericar quanto a vazamentos de X
óleo, combustível ou líquido de
arrefecimento
1
4. Limpar o ciclone do ltro de ar X
5. Drenar o sifão de água X
6. Trocar o ltro de ar X
7. Limpar o sistema de arrefecimento X
(pela parte externa)
8. Trocar óleo do motor e ltro de óleo X3
9. Vericar o aperto da correia do 6
X
ventilador
2
10. Trocar o elemento do ltro de X
combustível
11.Trocar o elemento do pré-ltro (Stanadyne) X
3
12. Drenar a água do tanque de X
combustível
3
13. Engraxar a bomba de líquido de X
arrefecimento*
14. Ajustar válvulas X4
15. Vericar, limpar e ajustar os injetores
7
X
16. Inspeção do turbocompressor e
radiador de ar em uma ocina A INTERVALOS DE 4800 h
autorizada
5
17. Trocar o líquido de arrefecimento A CADA DOIS ANOS
1
) Diariamente (antes de iniciar a operação).
2
) Ou quando apresentar código de falha alertando a restrição do sistema de alimentação de
combustível.
3
) Ou a cada 6 meses.
4
) Ajuste as folgas da válvula pela primeira vez em 500 horas de funcionamento do motor, e após, a
cada 1000 horas de funcionamento do motor.
5
) Ou após 1200 horas de operação.
6
) engraxar o tensionador da correia com carga de mola
7
) utilizar um posto de serviço autorizado
* somente em bombas que possuem ponto para lubrificação graxeta
Serviço 26

MANUTENÇÃO BÁSICA APÓS AS PRIMEIRAS 50...100 HORAS DE


OPERAÇÃO
1. Vericar o nível do uido da bateria
2. Vericar quanto a vazamentos de combustível, óleo lubricante e líquido de arrefecimento.
3. Vericar o aperto dos parafusos e das porcas.
4. Testar o funcionamento.
5. Vericar a pressão/carga do óleo.
6. Vericar a rotação da marcha lenta.
7. Vericar a rotação máxima de operação.
8. Vericar o funcionamento do turbocompressor.
9. Vericar o funcionamento do termômetro.
10. Vericar o funcionamento do dispositivo de parada.
11. Trocar óleo do motor e ltro de óleo.
12. Ajustar as folgas das válvulas.
13. Limpar o ltro de ar.
14. Drenar o sifão de água.
15. Trocar o pré-ltro de combustível.

SERVIÇOS A SEREM FEITOS DIARIA MENTE OU A INTERVALOS DE 10


HORAS
1. Vericar o nível de óleo do motor.

Pare o motor e aguarde alguns minutos antes de fazer a vericação. O nível do óleo deve estar
entre as linhas máx. e mín. na vareta medidora. Ao adicionar óleo, reabasteça até a linha máx.
2. Vericar o nível do líquido de arrefecimento

Abra a tampa do radiador com cuidado. Se o líquido


de arrefecimento estiver muito quente, há pressão
excessiva no sistema.

O nível do líquido de arrefecimento deve estar ligeiramente acima da colméia do radiador.


O nível do líquido de arrefecimento deve estar entre as linhas MAX e MIN se o sistema estiver
equipado com um reservatório de expansão.
Serviço 27

Verique o ponto de congelamento do líquido de arrefecimento antes do inverno.


NOTA! Nunca use apenas água como líquido de arrefecimento. Despejar líquido de arrefecimento
frio no motor quente pode danicar o motor.
3. Vericar quanto a vazamentos (combustível, óleo, líquido de arrefecimento)
Localize todos os pontos de vazamento e elimine-os o quanto antes possível. A bomba d’água
possui um orifício de drenagem na face inferior. Esse orifício não deve ser bloqueado. Se o líquido
de arrefecimento pingar pelo orifício, a bomba d’água deve ser reparada imediatamente. As
bombas d’água novas podem apresentar um ligeiro vazamento antes do amaciamento.
4. Limpar o ciclone do ltro de ar
Sempre pare o motor antes da limpeza. Solte a braçadeira de trava ou a porca no ciclone, esvazie
e limpe o reservatório transparente. Reabasteça o reservatório transparente.
Serviço 28

SERVIÇOS A SEREM FEITOS SEMANALMENTE OU A INTERVALOS DE


50 HORAS
5. Verifique o sifão de água

Sifão de água (Delphi) Filtro de combustível/Sifão de Pré-filtro/Sifão de água


água (Bosch) (Stanadyne)
Abra o bujão de dreno e drene toda a água que possa estar depositada no sifão/pré-filtro. Limpe o
combustível que possa ter escorrido.
6. Trocar o filtro de ar
Sempre pare o motor antes da limpeza.
Solte a porca na extremidade do filtro de ar ou solte as braçadeiras de trava e remova o elemento
do filtro.
Se o filtro de ar estiver equipado com um elemento do filtro de segurança não o remova, mas
troque-o a intervalos de 1200 h.
Serviço 29

Segure o filtro contra a luz, ou abaixe uma luz elétrica através do filtro e verifique a existência de
furos ou rachaduras. Se estiver defeituoso, o elemento do filtro deve ser trocado.
Ao instalar o elemento do filtro, verifique se está posicionado corretamente, se os vedadores estão
em boas condições e as superfícies de vedação estão limpas. Não aperte excessivamente a porca
na extremidade do filtro de ar.
A garantia do motor é válida apenas quando são utilizados elementos do filtro de ar origi-
nais AGCO POWER.

ELÉTRICO MECÂNICO
O tubo de admissão de ar pode estar equipado com um indicador de serviço mecânico ou elétrico
a fim de indicar a necessidade de limpeza do filtro. Com o indicador elétrico uma luz indicadora
acenderá no painel de instrumentos quando o serviço for necessário. Quando o indicador
mecânico muda para a cor vermelha, é necessário limpar ou substituir o elemento do filtro. O indi-
cador pode ser restabelecido pressionando o botão na extremidade do indicador de vácuo.
7. Limpar o sistema de arrefecimento
Verifique e limpe a superfície externa do radiador de tempo em tempo. Use ar comprimido ou jato
de água para remover sujeiras e impurezas. Evite uma pressão muito alta.
Serviço 30

SERVIÇOS A SEREM FEITOS A INTERVALOS DE 250 HORAS


8. Trocar o óleo do motor e o ltro de óleo

Acione o motor até car aquecido. Desligue o motor. Remova o bujão de drenagem e drene o óleo
em um recipiente adequado. Quando o coletor de óleo estiver vazio, recoloque o bujão. Leve o
óleo velho para um ponto de descarte adequado.
O motor pode estar equipado com uma bomba de drenagem de óleo (p.ex., motores marítimo),
portanto, use a bomba para esvaziar o coletor de óleo.
Abasteça com óleo novo até o nível indicado (linha da marca superior na vareta medidora) através
do orifício de enchimento.
Observe a capacidade do ltro de óleo, aproximadamente 0,7 l.
Com relação à graduação do óleo, consulte a Tabela de Óleo Lubricante, página 49.

Trocar o ltro de óleo


Antes de remover o ltro de óleo, limpe a área ao redor. Use uma ferramenta adequada para
desparafusar o ltro antigo. Lubrique levemente a junta de borracha do ltro novo e limpe as
faces de vedação. Aperte manualmente o ltro novo.
Limpe todo o óleo que tenha escorrido sobre o chassi. Ligue o motor. Não acelere exces-
sivamente. Certique-se de que não haja vazamento de óleo pelo ltro. Leve o óleo velho para
um ponto de descarte adequado.
A garantia do motor é válida apenas quando são utilizados ltros de óleo originais AGCO
POWER.

Tubo de respiro
Verique sempre se o tubo de respiro está limpo e desobstruído na mesma ocasião da troca do
óleo.
Serviço 31
9. Vericar a tensão da correia do ventilador
A tensão da correia está correta, se a correia exionar aproximadamente 15...20 mm entre as
polias da correia com pressão razoavelmente forte do polegar. Uma correia com folga, desgaste
ou oleosa deve ser substituída. Mantenha sempre disponível uma correia do ventilador
sobressalente.

Tensionamento
Afrouxe os parafusos de xação e mova o alternador para fora até que a correia esteja suciente-
mente apertada. Aperte os parafusos.

Se o motor estiver equipado com um tensio-


nador da correia com carga de mola, pressione
a mola (p.ex., com um parafuso+porca adequa-
do) de forma que o tensionador não pressione
as correias. Pré-forme o tensionamento como
mostrado anteriormente. Libere o tensionador
com carga de mola.
Se o motor estiver equipado com um compres-
sor a ar, o ventilador do compressor é tensio-
nado por uma polia de aperto separada.
Lubrique o bico da engraxadeira.

10. Vericar o nível do uido da bateria


O uido deve permanecer a aproximadamente 5...10 mm acima das placas das células na bateria.
Complete com água destilada se necessário. Durante o tempo frio é importante deixar o motor
funcionar algum tempo após completar com água destilada. Essa providência é para evitar o com-
gelamento da água antes que tenha tido tempo para misturar com o ácido da bateria.
Mantenha a bateria limpa e seca por fora. Certique-se da instalação correta da bateria.
Limpe e proteja os prisioneiros dos pólos e os terminais dos cabos com graxa para bateria.

Nunca use chama exposta nas proximidades da


bateria para vericar o nível do uido.
Serviço 32

SERVIÇOS A SEREM FEITOS A INTERVALOS DE 500 HORAS


(ou uma vez ao ano, no outono)

11. Trocar o filtro de combustível Bosch


— Limpe o filtro e a área circundante e remova
o filtro antigo.
— Lubrifique a junta no filtro novo e instale o
filtro. Gire 3/4 de volta depois que a junta
encostar na face de vedação.
— Bombeie o combustível com a bomba ma-
nual até que o filtro esteja cheio.
— Sangre o sistema de combustível, consulte
a página 38/41.
A = Parafuso de sangria

11. Trocar o filtro de combustível Delphi


— Limpe o filtro e a área circundante.
— Esvazie o filtro de combustível abrindo o
bujão no protetor inferior. Deixe o combus-
tível cair no recipiente e não no chão.
— Solte o parafuso na parte superior do filtro
de combustível. Ao mesmo tempo apóie a
base do filtro.
— Limpe o reservatório transparente e o pro-
tetor inferior.
— Coloque os vedadores novos e reinstale o
filtro.
— Bombeie o combustível com a bomba
manual até que o filtro esteja cheio.
— Sangre o sistema de combustível, consulte
a página 38/41.
A = Parafuso de sangria
Leve o óleo velho para um ponto de des-
carte adequado.
Serviço 33

NOTA! O uso de álcoois como anticongelante não é útil e nem recomendado. Eles causam a soli-
dicação do combustível, enfraquecendo suas qualidades de lubricação e aumentando a possi-
bilidade de corrosão.
A garantia do motor é válida apenas quando são utilizados elementos do ltro de
combustível originais AGCO POWER.

12. Trocar o pré-ltro (Stanadyne)


— Limpe o pré-ltro e a área circundante.
— Abra o anel de troca rápida e remova o ele-
mento do ltro.
— Instale o elemento novo. NOTA! O elemen-
to é encaixado apenas em uma posição.
— Gire o anel de troca rápida para a posição
LIGADO até ouvir um ruído característico
de encaixe.
— Bombeie o combustível com a bomba
manual até que o pré-ltro esteja cheio.
— Sangre o sistema de combustível, consulte
a página 38/41.
Leve o elemento do ltro para um ponto de
descarte adequado.

13. Drenar o tanque de combustível


O tanque de combustível deve ser limpo antes do inverno. Dessa maneira, são evitados proble-
mas causados pela água no sistema de combustível. A melhor maneira de prevenir a condensa-
ção é manter sempre o tanque de combustível cheio o máximo possível.
— Esvazie o tanque de combustível e lave-o com combustível puro.
— Abasteça o tanque com combustível para as condições de inverno.

14. Engraxar a bomba de líquido de arrefecimento


(Bombas equipadas com bico de engraxadeira)
Use sempre graxa para rolamentos de esfera resistente ao calor (NLG2) como lubricante. Não
engraxe os rolamentos demasiadamente, já que a graxa excessiva é forçada para fora do espaço
do rolamento e pode causar danos aos vedadores. Pressionar duas vezes com uma pistola de
aplicação de graxa é o suciente.
Serviço 34

SERVIÇOS A SEREM FEITOS A INTERVALOS DE 1000 HORAS


15. Ajustar as folgas das válvulas.
A folga nominal das válvulas de admissão e de escapamento é de 0,35 mm. As folgas das
válvulas podem ser verificadas com o motor frio ou quente. As folgas das válvulas de um
determinado cilindro podem ser ajustadas quando o êmbolo estiver no ponto morto superior do
curso de compressão.

Motores 320
Verifique as folgas das válvulas na ordem de injeção do motor. A ordem de injeção é 1-2-3.
— Verifique as válvulas no 1º cilindro, quando a válvula de escapamento do 3º cilindro estiver
completamente aberta (válvula nº. 6).
— Verifique as válvulas no 2º cilindro, quando a válvula de escapamento do 1º cilindro estiver
completamente aberta (válvula nº. 2).
— Verifique as válvulas no 3º cilindro, quando a válvula de escapamento do 2º cilindro estiver
completamente aberta (válvula nº. 4).

Motores 420
— Gire a árvore de manivelas na direção de operação até que as válvulas no 4º cilindro estejam
em movimento (escapamento fecha, admissão abre). Verifique a folga da válvula do 1º cilindro.
— Gire a árvore de manivelas 1/2 volta na direção de operação de forma que as válvulas no 3º
cilindro estejam em movimento. Verifique as válvulas no 2º cilindro.
— Continue de acordo com a ordem de injeção:
Ordem de injeção 1 2 4 3
Movimento das válvulas no
4 3 1 2
cilindro

Motores 620/634
— Gire a árvore de manivelas na direção de operação até que as válvulas no 6º cilindro estejam
em movimento (escapamento fecha, admissão abre). Verifique a folga da válvula do 1º cilindro.
— Gire a árvore de manivelas 1/3 de volta na direção de operação de forma que as válvulas no 2º
cilindro estejam em movimento. Verifique as válvulas no 5º cilindro.
— Continue de acordo com a ordem de injeção:
Ordem de injeção 1 5 3 6 2 4
Movimento das válvulas no
6 2 4 1 5 3
cilindro
Serviço 35

Ajuste

— Afrouxe a porca trava no parafuso de ajuste no balancim.


— Verifique a folga com um calibre de lâminas e ajuste a folga correta girando o parafuso de
ajuste.
— Aperte a porca trava e verifique novamente se a folga está correta.

16. Verificar e limpar os injetores


A fim de garantir o funcionamento do motor sem problemas, os injetores devem ser mantidos em
condições excelentes. Por exemplo, o funcionamento imperfeito de um injetor causa baixa po-
tência de saída do motor, maior consumo de combustível, batidas no motor e fumaça nos motores
aspirados naturalmente.

Remover os injetores
— Limpe os injetores, os tubos e a área circundante.
— Solte os tubos de injeção e esvazie os tubos.
— Solte as porcas dos injetores e remova os injetores. Se não for possível remover o injetor
manualmente, use o extrator nº. 9051 71300. Cubra todos os pontos de conexão do injetor.
— Remova também o anel de vedação do injetor do cabeçote, se não tiver sido removido com o
injetor.
Ferramentas de medição especiais são necessárias para a verificação do injetor. Preferivelmente,
deixe que a Organização de Serviço AGCO POWER verifique, ajuste e limpe os injetores.
Serviço 36

Instalação dos injetores


— Certifique-se de que o assento do injetor no cabeçote esteja limpo. Instale a arruela e o anel
de borracha ao redor do injetor. Substitua o anel de vedação antigo na extremidade inferior por
outro novo.
— Instale o injetor no cabeçote. A seguir aperte as porcas aparafusando-as por voltas, um pouco
a cada vez, verificando que os torques das duas porcas sejam iguais todo o tempo. Continue
apertando até que o torque de aperto final de 15 Nm seja alcançado.
— Conecte os tubos do injetor e os tubos esvaziados.

Instalação do injetor
1. Arruela
2. Borracha de proteção
3. Arruela de vedação

SERVIÇOS A SEREM FEITOS A INTERVALOS DE 4800 HORAS


17. Verificar a folga do turbocompressor e verificar se a célula do radiador de ar está limpa
(Motores DS/DSI/DW/DWI)
A manutenção do turbocompressor e da célula do radiador de ar deve ser confiada a um técnico
especializado na Rede de Serviço.
É essencial fazer a manutenção regular do motor a fim de manter o turbocompressor em boas
condições. Deve-ser dar especial atenção à limpeza do cartucho do filtro de ar e à troca do óleo
do motor e do filtro de óleo nos intervalos recomendados. Verifique regularmente se o turbo-
compressor está corretamente instalado no coletor do escapamento, assim como o aperto das
uniões dos coletores da admissão e do escapamento. O ajuste correto do equipamento de injeção
é essencial para o funcionamento do turbocompressor.
Ao instalar um turbocompressor novo, despeje aproximadamente 0,2 l óleo para motor puro na
caixa de rolamentos antes de conectar o tubo de pressão do óleo. Assegure-se que nenhuma
impureza está entrando no turbocompressor junto com o óleo.
Serviço 37

SERVIÇOS A SEREM FEITOS A CADA DOIS ANOS


18. Trocar o líquido de arrefecimento
Troque o líquido de arrefecimento a cada dois anos. Isso assegura que o anticorrosivo esteja
sempre ativo. Consulte a página 49 quanto aos requerimentos de qualidade do líquido de arre-
fecimento.
Ao mesmo tempo verifique o aperto e a condição das mangueiras de borracha do sistema de arre-
fecimento. Substitui mangueiras quebradas ou danificadas antes de reabastecer o sistema.

1. Bujão de dreno no radiador


2. Bujão de dreno no bloco de cilindros
3. Bujão de dreno no radiador de óleo
4. Bujão de dreno radiador de ar de carga
5. Bujão de sangria
6. União

Drenar o sistema de arrefecimento


— Remova a tampa do radiador.
— Remova os bujões de dreno no radiador e no lado esquerdo do bloco de cilindros.
— Se o motor estiver equipado com um radiador de óleo e um radiador de ar (DSI/DWI), remova
também os bujões de dreno destes.
— Certifique-se de que todo o líquido de arrefecimento seja drenado e que nenhuma impureza
esteja bloqueando o orifício de drenagem.
— O conjunto do motor pode ter também outros bujões de dreno (p.ex., na tubulação do
aquecedor do motor). Remova também esses bujões ao trocar o líquido de arrefecimento.
Drenagem do sistema de arrefecimento do motor marítimo
Se, no inverno, você deixar o motor parado por um tempo prolongado de forma que haja risco de
congelamento, sempre drene completamente o sistema de água fria. Assegure-se também de que
há anticongelante suficiente no sistema de água doce.
— Drene o sistema de água doce até que o trocador de calor esteja vazio.
— Abra as tampas do trocador de calor e esvazie os tubos da célula.
— Abra a tampa da placa da bomba de água fria.
— Drene também a água fria do radiador de óleo/tubos das células do radiador de óleo da caixa
de mudanças marítima.
Abasteça o sistema de arrefecimento.
Abasteça o sistema de arrefecimento com uma mistura de anticongelante e líquido de
arrefecimento até que o nível do líquido se aproxime da colméia do radiador. Faça a sangria do
sistema de arrefecimento removendo o bujão/o sensor térmico no corpo da válvula termostática.
Despeje líquido de arrefecimento até que o nível alcance o bujão. Atarraxe o bujão e abasteça o
resto do sistema. Nos motores DSI/DWI abra também a união superior para o tubo de líquido de
arrefecimento do radiador de ar.
NOTA! Nunca use apenas água como líquido de arrefecimento.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 38

SERVIÇOS ADICIONAIS E INSTRUÇÕES DE REGULAGEM


(a serem efetuados quando necessário)

SANGRIA DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL (Bomba injetora em linha Bosch)

— Bombeie combustível com a bomba manual na bomba de alimentação.


— Solte o parafuso de sangria na parte superior do filtro de combustível. Bombeie com a bomba
manual até que o combustível que sai pelo parafuso de sangria esteja sem bolhas de ar.
Feche o parafuso de sangria.
— Se o motor não der partida, abra a válvula de retorno da bomba injetora e continue bombeando
até que o combustível que está saindo não contenha bolhas de ar. Limpe a válvula de retorno.
— Limpe o combustível que vazou do motor.

Sangria do sistema de Partida Térmica


Sempre sangre o tubo de combustível da vela de incandescência, se o tubo ou o reservatório de
combustível estiver vazio, ou seja, após o serviço. A vela de incandescência pode ser danificada
devido à falta de combustível ao dar partida no motor.

Sistema com válvula magnética


— Desconecte o cabo da válvula de incan-
descência e abra o adaptador do tubo.
— Ligue a corrente na válvula magnética e gire
a árvore de manivelas até que o combus-
tível escorra pela união do tubo.
— Aperte o adaptador do tubo e conecte o
cabo.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 39

Sistema com reservatório de combustível


— Se o reservatório tiver ficado vazio, abasteça com uma lata pingadeira através do orifício de
respiro na tampa.
— Abra o adaptador do tubo da vela de incandescência e deixe o combustível cair através do
tubo. Aperte o adaptador.

VERIFICAÇÃO E AJUSTE DO SINCRONISMO DA INJEÇÃO (Bomba inje-


tora em linha Bosch)

A injeção do 1o cilindro começa quando a marca da polia da árvore de manivelas aparece em


direção ao indicador que se encontra no lado direito ou esquerdo da polia, dependendo do tipo do
motor. Nos motores para tratores a marca de sincronismo pode estar situada no volante do motor.
NOTA! Se remover o cubo da polia, marque sua posição. Posteriormente, ao montar a polia, é ne-
cessário certificar-se de que as marcas no cubo e na árvore de manivelas coincidam uma com a
outra.

Verificação
A bomba injetora está equipada com um dispositivo de alimentação de combustível extra. Por-
tanto, mova a haste de controle para a posição de operação antes de verificar o sincronismo da
injeção. Caso contrário, resultará em erros do sincronismo da ignição!
— Limpe muito bem a bomba injetora e a área circundante.
— Gire a árvore de manivelas para uma posição de forma que o 1º cilindro alcance o ponto morto
superior do seu curso de compressão. A seguir gire a árvore de manivelas no sentido inverso
até que a marca na polia passe o indicador de sincronismo.

— Remova a tampa da haste de controle/magneto de parada da bomba injetora. Mova a haste de


controle para a posição de condução com a ferramenta 9025 99000.
— Remova o tubo de injeção do 1º cilindro.
— Sobre a parte cônica do suporte da válvula de pressão para remover o combustível. Gire lenta-
mente a árvore de manivelas até que a superfície do combustível no suporte da válvula de
pressão se movimente, mas se eleve.
— Se a marca de sincronismo da injeção na polia estiver alinhada com a ponta do indicador, o
sincronismo da injeção está correto. Caso contrário, ajuste o sincronismo.
— Após a verificação e eventual ajuste, substitua o tubo de injeção e a tampa da haste de
controle. Deixe o motor funcionar por alguns minutos e verifique novamente. Dessa forma é
possível assegurar-se que não há ar no sistema de combustível, já que poderia afetar o
sincronismo.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 40

NOTA! Em alguns tipos de bombas injetoras, o ponto de início da injeção no 1º cilindro foi posi-
cionado com a ajuda de um pino indicador na carcaça do regulador da bomba. Faça a inspeção
do sincronismo da injeção da seguinte maneira:
— Gire a árvore de manivelas para uma posição de forma que o 1º cilindro alcance o ponto morto
superior do seu curso de compressão. A seguir gire a árvore de manivelas no sentido inverso
até que a marca na polia passe o indicador de sincronismo. Então, gire lentamente a árvore de
manivelas na direção de operação até que a marca na polia que situada no ponto do
indicador de sincronismo.

— Solte o bujão no lado da bomba injetora. Retire o pino indicador.


— Gire o pino indicador e empurre-o para dentro do orifício de forma que o rebaixo na extre-
midade do pino aponte em direção à bomba.
— Se o rebaixo do pino se encaixar no ressalto no conjunto do peso regulador, o sincronismo da
injeção está correto. Caso contrário, gire a bomba para uma posição na qual o ressalto e o re-
baixo do pino quem alinhados.
NOTA! Não gire a árvore de manivelas com a extremidade do rebaixo do pino dentro da bomba, já
que o pino pode ser facilmente danicado e as peças plásticas permanecem na carcaça do
regulador.
— Quando o ajuste estiver correto, gire o pino indicador de forma que o rebaixo aponte para fora
(posição de condução) e empurre o pino dentro do orifício. Recoloque o bujão.

Ajuste do sincronismo da injeção

— Solte as porcas de xação da bomba injetora e as porcas de conexão dos tubos de injeção.
— Se o sincronismo da injeção estiver atrasado, gire a bomba injetora no sentido anti-horário,
direção “A” (visto pela extremidade dianteira da bomba). Se o sincronismo estiver avançado,
gire a bomba no sentido horário, direção “R”.
— Verique o sincronismo da injeção e gire novamente a bomba, se necessário.
— Quando o sincronismo da injeção estiver correto, aperte as porcas de xação da bomba e as
porcas de conexão dos tubos de injeção.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 41

AJUSTE DA ROTAÇÃO DA MARCHA LENTA (Bomba injetora em linha


Bosch)
Se a rotação da marcha lenta do motor diferir da especificação, ajuste como a seguir:

— Abra a capa de proteção (1) do parafuso de ajuste da rotação da marcha lenta e a capa de
proteção (2) do parafuso de ajuste da mola adicional da marcha lenta.
— Assegure-se que a alavanca da válvula de aceleração está na posição de marcha lenta e o
motor na temperatura de operação.
— Acione o motor e abra o parafuso de ajuste (2) da mola adicional de forma que não venha a
afetar a rotação da marcha lenta.
— Ajuste a rotação da marcha lenta pelo parafuso de ajuste (1) a aproximadamente 20-30 rpm
abaixo do valor nominal.
— Acelere o motor algumas vezes e assegure-se que a rotação da marcha lenta permanece da
forma ajustada.
— Aperte o parafuso de ajuste (2) da mola adicional até que a rotação da marcha lenta suba para
o valor nominal. Trave o parafuso de ajuste em sua posição.
— Recoloque as capas de proteção dos parafusos de ajuste.

SANGRIA DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL (Bomba injetora rotativa Stanadyne)


NOTA! Este sistema de combustível remove automaticamente pequenas quantidades de bolhas
de ar do filtro e da bomba quando o motor está em funcionamento. Contudo, sempre faça a
sangria do sistema, quando o sistema tiver sido aberto ou o combustível tiver se esgotado durante
a condução ou uma nova bomba sobressalente tiver sido instalada (para evitar um tempo de
partida longo).

— Bombeie manualmente a alavanca da bomba de alimentação de combustível. Se o bom-


beamento parece ser ineficaz, gire um pouco o motor de forma que o came da árvore de co-
mando não esteja no elevador da bomba de alimentação.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 42

— Solte o parafuso de sangria (A) no filtro. Bombeie com a bomba manual até não mais saírem
bolhas de ar pelo orifício do parafuso de sangria. Aperte o parafuso de sangria.
— Bombeie adicionalmente com a bomba manual e solte a conexão de entrada de combustível
(B) na bomba, até que o combustível que sai não contenha bolhas de ar. Aperte a conexão.
— Dê partida no motor e assegure-se que não há vazamentos.
NOTA! Quando a sangria é feita dessa maneira, o combustível flui imediatamente para a bomba
de transferência interna quando o motor de partida está girando e a carcaça da bomba do
distribuidor é abastecida rapidamente com combustível. Na carcaça da bomba há um solenóide de
parada, o qual não deve permanecer ligado por longos períodos com a carcaça da bomba sem
combustível.

VERIFICAÇÃO E AJUSTE DO SINCRONISMO DA INJEÇÃO (Bomba


injetora rotativa Stanadyne)

— Gire a árvore de manivelas para uma posição de forma que o 1º cilindro alcance o ponto morto
superior do seu curso de compressão. A seguir gire a árvore de manivelas no sentido inverso
até que a marca na polia passe o indicador de sincronismo. Então, gire lentamente a árvore de
manivelas na direção de operação até que a marca na polia fique situada no ponto do
indicador de sincronismo.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 43

— Remova a placa da tampa pequena no lado da bomba injetora. Se as marcas de sincronismo


da bomba estiverem opostas uma à outra, o sincronismo está correto.
— Se as marcas de sincronismo da bomba não estiverem opostas uma à outra, solte as porcas
de fixação da bomba e os tubos de fornecimento. Gire a bomba para uma posição tal que as
marcas de sincronismo fiquem em oposição uma à outra. Aperte a bomba injetora na posição
onde as marcas de sincronismo no motor e na bomba injetora fiquem opostas uma à outra.
Aperte as porcas de conexão dos tubos de fornecimento.
NOTA! A verificação do sincronismo e ajuste nos motores E é feita com calibradores especiais.
Contate a Rede de Serviço.

AJUSTE DA ROTAÇÃO DA MARCHA LENTA BAIXA (Bomba injetora


rotativa Stanadyne)

1. Rotação da marcha lenta


2. Alavanca de rotação
3. Rotação máx.

A rotação da marcha lenta pode ser ajustada com um parafuso limitador na face frontal da alavan-
ca de rotação. O parafuso de ajuste para rotações máximas foi selado. Esse ajuste foi efetuado na
fábrica, e o ajuste posterior das rotações máximas está proibido.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 44

SANGRIA DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL (Bomba injetora rotativa Delphi)


O sistema de combustível remove automaticamente pequenas quantidades de borbulhas de ar do
filtro de combustível e bomba injetora. Entretanto, o sistema deverá ser sangrado todas as vezes
que forem removidas as peças ou quando o combustível esgotar durante o funcionamento.

Sangria do filtro de combustível

— Bombeie combustível acionando a alavanca da bomba. Se a bomba não funcionar, gire o


motor para liberar a bomba de ressalto do eixo de comando.
— Solte o parafuso no topo do filtro de combustível. Bombeie com alavanca manual até que o
combustível saia sem borbulhas de ar. A seguir, aperte o parafuso de sangria.

— Solte o parafuso do topo da bomba injetora. Bombeie com alavanca manual até que o combus-
tível saia sem borbulhas de ar. A seguir, aperte o parafuso de sangria.
— Limpe o combustível derramado do motor. Dê a partida no motor.

Sangria do sistema com termostato


— Remova a tomada incandescente sempre que for reparar o sistema, ex. retirar tubo de com-
bustível ou esvaziar o reservatório de combustível. Isto é, para prevenir danos que poderão ser
causados ao sistema elétrico pela falta de combustível.
— Abra o tubo adaptador da tomada incandescente.
— Acione a bomba de mão até perceber que o combustível começa a vazar para fora do tubo
adaptador.
— Aperte o adaptador do tubo. Limpe o motor na região que caiu combustível.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 45

Sangrar o sistema de termostato


Sempre que for trabalhar no sistema de tubulações ou reservatório de combustível, retire a toma-
da incandescente, durante o trabalho de conserto etc. Isto se faz necessário para prevenir
possíveis danos materiais ou acidente, causada pela falta de combustível antes de dar partida ao
motor.
— Abra o adaptador do tubo da tomada incandescente.
— Bombeie manualmente até perceber que está vazando combustível para fora do adaptador do
tubo.
— Aperte o adaptador do tubo. Limpe todas as partes do motor onde caiu combustível.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 46

Instalação do cabeçote
— Meça o comprimento dos parafusos do
cabeçote do cilindro. Compare com as
dimensões mostras na figura abaixo.
Substitua os parafusos que estiverem
fora das especificações.

— Verifique se a superfície de vedação


está limpa isenta de resíduos. Limpe,
lubrifique e instale os prisioneiros de — As figuras acima mostram a seqüência
fixação do cabeçote. correta de aperto dos parafusos do
— Instale as juntas do cabeçote cabeçote. Os números com a seqüência
observando a posição correta de de aperto estão estampados diretamente
montagem. no cabeçote.
— Aperte os prisioneiros do cabeçote com — Aperte os parafusos do cabeçote
30 N.m. Instale os tuchos das válvulas, progressivamente em três etapas:
caso tenham sido removidos
1ª etapa – aperto inicial de 80 N.m
— Com auxílio de outro técnico instale os
cabeçotes no bloco do motor. 2ª etapa – aperto adicional de 90o
3ª etapa – aperto adicional de 90o
— Ajuste a folgas das válvulas (veja a
instrução 4C).
Nota: Após apertar o cabeçote não é
necessário nenhum aperto adicional com o
motor aquecido.

Aperte os parafusos e porcas do coletor de escape com 50 N.m.


Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 47

INSPEÇÃO DO BUJÃO DE ZINCO


(Motores marítimos 620/634)
Verifique o bujão de zinco no mínimo uma vez
ao ano. Se o bujão de zinco estiver muito
corroído, a inspeção deve ser feita com maior
freqüência. O grau de corrosão depende do
conteúdo químico da água que circula através
do sistema.
— Esvazie o sistema de água fria e solte o
bujão de zinco.
— Limpe o bujão de zinco por raspagem.
— Troque o bujão se o desgaste for mais que
a metade de um bujão novo, compare com
as dimensões indicadas na figura. Peça so-
bressalente nº 8450 85699.

VERIFICAÇÃO DO AMORTECE-
DOR DE VIBRAÇÃO DO ELEMEN-
TO DE BORRACHA
(Motores 620/420)
O elemento inercial do amortecedor de
vibração de borracha na extremidade da árvore
de manivelas pode girar em relação ao seu
cubo no decorrer de centenas de horas de
funcionamento. Na superfície frontal do amor-
tecedor de vibração há linhas de indexação,
onde o possível giro pode ser observado.
— Se as linhas (A) estiverem mais que 1,5
mm fora do alinhamento, troque o amor-
tecedor de vibração por outro novo.
— Verifique também a condição do elemento
de borracha. Se estiverem faltando pedaços
da borracha, ou se o elemento de borracha
estiver mais que 3,5 mm abaixo da super-
fície, ou se for possível detectar o movimen-
to de avanço do elemento de inércia (anel
externo), troque o amortecedor de vibração
por outro novo.
NOTA! O amortecedor de vibração deve ser
substituído a cada 4000 horas de funcionamen-
to!
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 48

ANTES DO INVERNO
— Drenar a água do tanque de combustível.
— Drenar a água do sifão de água.
— Substituir o filtro de combustível e o pré-filtro (Stanadyne).
— Assegurar que o combustível no tanque seja de qualidade para o inverno.
— Trocar o óleo do motor (qualidade para inverno).
— Verificar a condição da bateria.
— Mover a haste de controle para a posição de condução após o motor ter sido parado (motores
sem dispositivo elétrico de parada).
— Assegure-se que o combustível no reservatório de combustível da Partida Térmica e no tubo
de combustível entre o reservatório e a vela de incandescência seja de qualidade para o
inverno. Caso exista combustível de qualidade para o verão, o combustível se torna sólido e a
vela de incandescência é incandescida sem combustível. O resultado é falha na partida do
motor e a queima do espiral incandescente. Maneira mais fácil de trocar o combustível no
reservatório de Partida Térmica: Remova o tubo de combustível na extremidade da vela de
incandescência e deixe o reservatório escoar até esvaziar. A seguir, substitua o tubo de
combustível e abasteça o reservatório, por exemplo, com uma lata pingadeira através do
orifício de sangria no reservatório. Remova o tubo de combustível com cuidado para garantir
que a vela de incandescência obtenha combustível. Dessa forma, o tubo de combustível tam-
bém se torna livre de ar.
— Verifique externamente com a mão o funcionamento da vela de incandescência com a vela
instalada e a corrente de incandescência ligada. Se estiver funcionando, a vela de incandes-
cência estará aquecida na parte superior.
— Verifique o funcionamento do pré-aquecedor do motor.
TORQUES DE APERTO
Objeto Nm
Parafusos do cabeçote do motor ............................................................ 80 Nm+90º+90º
Prisioneiros do cabeçote ao bloco de cilindros .............................................. 30
Parafusos do mancal principal ...................................................................... 200
Parafusos da biela ............................................................................40 Nm + 80 N.m + 90º
Porca da árvore de manivelas:
— 320/420 .................................................................................................... 600
— 620/634 .................................................................................................. 1000
Parafusos da polia da árvore de manivelas ................................................... 30
Parafusos do volante do motor ..................................................................... 140
Parafusos da carcaça do volante do motor:
— anel externo M12 ...................................................................................... 110
— 51 anel interno M10 ................................................................................... 60
Parafusos da engrenagem intermediária:
— M10 ........................................................................................................... 60
— M14 .......................................................................................................... 200
Parafusos de fixação da engrenagem intermediária (com rolamento de esferas):
— o parafuso maior ...................................................................................... 180
— os parafusos para fixação do rolamento ................................................... 22
Pesos de balanceamento (420) ..................................................................... 60
Válvula de arrefecimento do êmbolo (620/634) ............................................. 30
Parafusos de fixação da bomba de óleo ........................................................ 60
Peça de conexão do radiador de óleo ........................................................... 60
Porca da polia da bomba de líquido de arrefecimento ................................. 120
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 49

Parafusos do coletor de escapamento .......................................................... 50


Parafusos do coletor de admissão ................................................................. 30
Suporte da válvula de pressão da bomba injetora ......................................... 45
Porca de xação da engrenagem da bomba injetora .................................... 90
Porca de xação da engrenagem da bomba injetora (Bosch-P) .................. 200
Porcas de xação do injetor (nos prisioneiros) .............................................. 15
Luva bico de injeção ...................................................................................... 60
Porca da polia do compressor (Knorr) ........................................................... 80

REQUERIMENTOS DE QUALIDADE DO ÓLEO LUBRIFICANTE


— Motores aspirados
naturalmente e
turbocompressor API CF - 4, CG - 4, CH - 4 ACEA E2/E3 - 96, E4 - 98, E5 - 99
— Motores de baixas
emissões (E) API CG - 4, CH - 4 ACEA E3 - 96, E4 - 98, E5 - 99

O óleo lubricante é perigoso para a saúde. Evite o con-


tato prolongado com a pele. A névoa do óleo é perigosa
para a inalação.

REQUERIMENTOS DE QUALIDADE DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO


O líquido de arrefecimento que é utilizado deve satisfazer as exigências da norma ASTM D 3306
ou BS 6580:1992.
— A mistura do líquido de arrefecimento deve consistir de 33...60% de anticongelante à base de
etileno/propileno glicol e água. A melhor proporção é 50% de líquido anticongelante e 50 % de
água.
— A água utilizada deve ser limpa mecanicamente e não ser muito ácida (p.ex., água pantanosa)
ou muito pesada (água de poço calciferroso).
— Verique periodicamente a proporção (à prova de congelamento) do líquido de arrefecimento.
Troque o líquido de arrefecimento a cada dois anos.
NOTA! Nunca use apenas água como líquido de arrefecimento!

O anticongelante é perigoso para a saúde. Evite o


contato com a pele e os olhos.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 50

REQUERIMENTOS DE QUALIDADE DO COMBUSTÍVEL


Requerimento Método de teste
Densidade, +15°C 0,82...0,86 kg/dm3 ASTM D 4052, EN ISO 12185
Viscosidade, +40°C 1,2...4,5 mm2/s ASTM D 445, ISO 3104
Teor de enxofre máx. 0,2 % m/m ASTM D 4294, ISO 8754
Índice de cetano mín. 45 ASTM D 4737
Teor de água máx. 200 mg/kg ASTM D 1744

O combustível deve ser de acordo com a


norma EN 590.
A potência de saída do motor depende da
qualidade do combustível
Diferentes qualidades de combustível como
temperatura, densidade e viscosidade afetam a
potência real de saída do motor.
Nossos coeficientes de saída utilizam com-
bustível com uma densidade de 0,84 kg/dm3 e
coeficiente de calor específico de 42,7 Mj/kg a
uma temperatura do combustível de +15°C.
A correção em % causado pela mudança das
qualidades do combustível é mostrada nas
figuras anexas.
FIG. B. Relação da potência de saída do motor
de acordo com a densidade do combustível. O
valor normal é de 0,84 kg/dm3 a +15°C.

FIG.A. Relação da potência de saída do motor


de acordo com a temperatura do combustível. FIG. C. Relação da potência de saída do motor
+35°C é a temperatura de referência (0 % de de acordo com a viscosidade do combustível.
correção). O valor normal é de 3 cSt a +20°C.
A temperatura do combustível não é apenas
em função das condições ambientais, mas
varia também de acordo com o sistema de
combustível da aplicação (tamanho do tanque
e localização, fluxo de retorno etc.).
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 51

Observe na fig. B e C apenas se a qualidade do combustível for alterada.


Na fig. A estão todas as dependências da qualidade causadas pela alteração da temperatura. A
densidade e viscosidade do combustível podem ser vistas na declaração de produção fornecida
pelo fabricante.
A correção da saída é feita como a seguir: Porcentagens de correção das figuras A, B e C são
somadas. A potência nominal dada é então corrigida com a porcentagem resultante.

COMBUSTÍVEL BIODIESEL
Nos motores AGCO POWER é aceitável o uso de óleo vegetal esterificado como
combustível biodiesel ou RME (óleo vegetal esterificado com metanol) sem modificações técnicas
no motor. O requerimento para a aceitação é que o biodiesel utilizado seja bastante puro e que
satisfaça as exigências de pureza do Biodiesel norma EN 14214 ou ASTM D 6751. Praticamente,
significa que a quantidade de carbono puro, o teor de hidrogênio e de oxigênio juntos no biodiesel
seja superior a 99%.
As formas de garantia são as mesmas.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 52

DIAGNÓSTICO
Sempre ouça o ruído do motor e preste atenção ao seu funcionamento. A eliminação de uma
pequena falha geralmente previne outra falha mais séria.

Problemas e suas causas Problemas e suas causas

A. O MOTOR NÃO GIRA D. O MOTOR NÃO FUNCIONA SUAVEMEN-


TE
1. Cabo solto ou partido.
2. Bateria descarregada. Pode ser devido à 1. Ar na bomba injetora, tubos ou injetores.
correia do alternador frouxa ou quebrada. 2. Filtro ou tubo de combustível obstruído.
3. Motor de partida defeituoso. 3. Vazamento no tubo de entrada ou forneci-
mento de combustível.
B. O MOTOR NÃO DÁ PARTIDA 4. Injetores defeituosos1.
1
1. Tanque de combustível vazio Abasteça o 5. Baixa compressão (consulte B 9 a-d) 1
.
tanque e sangre o sistema de combustível. 6. Bomba de alimentação defeituosa .
1
2. Combustível não fluido o suficiente no inver- 7. Bomba injetora ou regulador defeituoso .
no (qualidade para o verão).
E. O MOTOR NÃO DESENVOLVE POTÊNCIA
3. Ar na bomba injetora, tubos ou injetores.
TOTAL
4. Vazamento no tubo de entrada ou forneci-
mento de combustível. 1. Filtro de ar obstruído.
5. Filtro ou tubo de combustível obstruído.
2. Ajuste incorreto da articulação do controle
6. Injetores defeituosos1. de velocidade. Articulação solta.
7. Bomba de alimentação inoperante1.
3. Ar no sistema de combustível.
8. Sincronismo da injeção atrasado.4. Filtro de combustível, pré-filtro, separador
9. Baixa compressão1. de água ou tubo de combustível obstruído.
a) válvulas com vazamento 5. Injetores defeituosos1.
b) anéis de segmento do êmbolo colando
6. Vazamento no tubo de entrada ou forneci-
c) junta do cabeçote danificada mento de combustível.
d) mola da válvula quebrada 7. Sincronismo da injeção incorreto.
8. Bomba de alimentação defeituosa1.
10. Dispositivo de partida a frio defeituoso.
9. Baixa compressão (consulte B 9 a-d)1.
11. Válvula de escoamento defeituosa.
10. Bomba injetora ou regulador defeituoso1.
12. Alavanca de parada não na posição de con-
dução. 11. Turbocompressor defeituoso1
13. Solenóide de parada defeituoso. (motor turbinado).
12. Válvula de escoamento defeituosa.
C. O MOTOR FUNCIONA E PÁRA APÓS UM 13. Alavanca de parada não ajustada correta-
CURTO PERÍODO mente na posição de condução.
1. Ar na bomba injetora, tubos ou injetores.
F. MOTOR BATENDO
2. Filtro de combustível no tubo de ar do tan-
que obstruído. 1. Combustível incorreto.
3. Filtro ou tubo de combustível obstruído. 2. Injetores defeituosos1.
4. Separador de água obstruído. 3. Sincronismo da injeção avançado.
5. Bomba de alimentação defeituosa1. 4. Baixa compressão (consulte B 9 a-d)1.
6. Solenóide de parada defeituoso. 5. Folga excessiva do rolamento1.
1
) Consulte um técnico especializado
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 53

Problemas e suas causas Problemas e suas causas

G. FUMAÇA OU FULIGEM NOS GASES DO I. O MOTOR TEM TENDÊNCIA A ACELE-


ESCAPAMENTO RAR OU NÃO CONSEGUE MANTER SUA
ROTAÇÃO PADRÃO
1. Motor funcionando muito frio.
2. Motor funcionando em marcha lenta por 1. Regulador defeituoso1.
muito tempo.
3. Filtro de ar obstruído. J. PRESSÃO DO ÓLEO MUITO BAIXA
4. Combustível incorreto. 1. O motor ficou sem óleo.
5. Nível de óleo do motor muito alto. 2. Impurezas na válvula de controle.
6. Vazamento nos tubos de combustível. 3. Graduação SAE incorreta do óleo.
7. Filtro de combustível, separador de água ou 4. Óleo muito quente.
tubo de combustível obstruído. 5. Folga excessiva do rolamento1.
8. Injetores defeituosos1. 6. Rotação da marcha lenta muito baixa.
9. Sincronismo da injeção incorreto. 7. Sensor do medidor de pressão do óleo ou
10. Baixa compressão (consulte B 9 a-d)1. luz indicadora defeituoso.
11. Bomba injetora ou regulador defeituoso1. 8. O medidor de pressão do óleo indica leitura
12. Turbocompressor defeituoso1. incorreta.
9. Filtro de óleo obstruído.
H. SUPERAQUECIMENTO DO MOTOR
10. Óleo diluído pelo combustível.
1
1. Correia do ventilador frouxa ou quebrada. ) Consulte um técnico especializado
2. Sistema de arrefecimento não completa-
mente cheio. Sistema obstruído.
3. Válvula termostática defeituosa ou removida
(válvula termostática de dupla ação).
4. Válvula termostática na posição invertida.
5. Tampa do radiador não hermeticamente
fechada.
6. Sobrecarga.
Serviços Adicionais e Instruções de Regulagem 54

ARMAZENAGEM DO MOTOR
Caso o motor deva ser armazenado durante o período de inverno ou não for utilizado por um lon-
go período, tome as seguintes medidas:
1. Limpe o motor externamente.
2. Limpe o tanque de combustível e o separador de água.
3. Substitua o filtro de combustível e o pré-filtro (Stanadyne).
4. Substitua (ou limpe) o filtro de ar.
5. Adicione cerca de 5 l de combustível no tanque e sangre o sistema de combustível.
6. Funcione o motor até alcançar sua temperatura normal de operação.
7. Substitua o filtro de óleo.
8. Troque o óleo do motor.
9. Assegure-se que a mistura de líquido de arrefecimento-anticongelante é forte o suficiente
(adicione anticongelante, se necessário). Nos motores marítimos drene o sistema de arre-
fecimento de água fria (= água do mar) como descrito anteriormente.
10. Remova os injetores e verifique a condição dos mesmos.
11. Despeje quantidades iguais de óleo para motor puro nos cilindros através dos orifícios de
injeção (use aproximadamente 0,05 l para cada cilindro) e gire o motor algumas revoluções
com a alavanca de parada engatada. O óleo se espalhará nas paredes do cilindro.
12. Instale os injetores novamente. Instale novos anéis de vedação.
13. Desconecte a bateria e certifique-se de que obtenha a atenção adequada (armazenagem).
14. Limpe os terminais dos cabos e cubra as superfícies expostas com óleo protetor (com CRC ou
com graxa).
15. Remova as correias em “V” e aplique graxa nas polias e outras partes do motor que possam
enferrujar.
16. Proteja com plástico as aberturas do filtro de ar e do tubo de escapamento, assim como os
equipamentos elétricos e o painel de instrumentos.
17. Abasteça o tanque de combustível com Diesel.

ATENÇÃO PÓS-ARMAZENAGEM
1. Limpe o motor para remover a graxa protetora.
2. Remova as coberturas de plástico.
3. Cuidadosamente gire o ventilador para frente e para trás para liberar o vedador da bomba de
líquido de arrefecimento (se estiver preso).
4. Instale as correias em “V” e ajuste a tensão das correias.
5. Verifique o nível do líquido de arrefecimento.
6. Remova a tampa do balancim e lubrifique o mecanismo da válvula com óleo para motor.
7. Verifique o nível do óleo do motor.
8. Abra ligeiramente o bujão de drenagem do tanque de combustível e drene a água con-
densada, se presente.
9. Sangre o sistema de combustível.
10. Verifique todos os fios elétricos e efetue os reparos necessários. Limpe os terminais.
11. Despeje aproximadamente 0,2 l de óleo para motor puro na carcaça do rolamento do turbo-
compressor (motores turbinados).
12. Conecte a bateria, totalmente carregada, no lugar.
13. Ligue o motor.
14. Observe a pressão do óleo e as luzes de advertência do alternador.
15. Verifique quanto a vazamentos de líquido de arrefecimento, óleo ou combustível e efetue os
reparos necessários.
Edi
ção:Set
embr
o/2012-V.
3