You are on page 1of 20

Avaliação Estrutural e

Dimensionamento de Reforço
Infraestrutura de Transportes

Profa. Dra. Lilian Gouveia

tgouveia10

Avaliação Objetiva da Condição dos Pavimentos

• A avaliação objetiva da condição dos pavimentos compreende:

• Avaliação da irregularidade superficial


• Atrito superficial
• Identificação de defeitos superficiais
• Ensaios estruturais

1
Slide 2

tgouveia10 Lilian; 20/10/2005


Avaliação Estrutural

 Ensaios estruturais:
 Destrutivos: avaliação da capacidade de suporte in situ e de
amostras coletadas
 Abertura de valas
 Sondagens rotativas
 Sondagens a trado

 Não-destrutivos: medida de deflexões superficiais causadas


por um carregamento conhecido

• viga Benkelman
• defletômetros de impacto: FWD - Falling Weight Deflectometer

Avaliação estrutural destrutiva – prospecções – abertura de


vala a pá e picareta

2
3
Avaliação estrutural não destrutiva – viga Benkelman

Avaliação estrutural não destrutiva –


viga Benkelman

• 1. Deflexão máxima: deslocamento sob o centro das rodas


duplas de um eixo simples, sendo a deflexão normalmente
expressa em 10-2mm (d0).
• 2. Raio de curvatura: círculo ou arco de parábola que passa
por dois pontos da deformada (viga Benkelman),
normalmente sob a carga e a 25cm do centro da mesma (d0
e d25).
• 3. Deformada, bacia de deformação ou bacia
deflectométrica: medidas dos deslocamentos elásticos ou
recuperáveis em vários pontos a partir do centro do
carregamento (d0, d25, d50 etc.).

4
Ensaios Estruturais: viga Benkelman – bacia de deflexão
Bacia de deflexão:
As bacias deflectométricas
são as deflexões ao longo
de uma linha reta ao eixo
da rodovia.

Deflexão máxima é medida


no ponto zero. As demais
deflexões são obtidas da
mesma maneira que a que
deflexão máxima, porém
agora com a carga de roda
afastada da ponta de prova
à distâncias pré-definidas
(12,5, 25, 40, 60, 80, 100,
120, 140, 160, 180, 200,
220, 240 cm).

Raio de Curvatura, em metros

5
Ensaios Estruturais: viga Benkelman – deflexão máxima

• Calcula-se a deflexão
máxima (do) (deformação
elástica) pela expressão,
sendo K a constante da
viga dada pela relação
entre o braço maior e o
braço menor, articulados:
do = (Li-Lf).K

6
Ensaios Estruturais: deflectômetro de impacto - FWD
DNER-PRO 273 e ASTM D 4695

O ensaio consiste em aplicar a carga de


impacto e ler os deslocamentos
em vários sensores colocados ao longo de um
suporte em posições convenientemente
escolhidas para se obter a linha de
deslocamentos.

A medição das deflexões em vários pontos espaçados ao longo da zona de influência da


carga - bacia de deflexão

7
Ensaios Estruturais: deflectômetro de impacto

8
9
Reforço dos Pavimentos

Reforço de Pavimentos

Uma grande variedade de métodos e


procedimentos para dimensionamento de
reforços de pavimentos asfálticos foram
desenvolvidos e são utilizados por vários
órgãos rodoviários.

Não existe até o momento um consenso


sobre o método mais adequado.

De maneira geral, o procedimento para


o projeto de um reforço é similar ao
do projeto de um novo pavimento,
exceto que considera a condição atual
ou a vida remanescente do pavimento
existente.

10
Reforço de Pavimentos
Seja qual for o método utilizado, é importante:
• avaliar as condições do pavimento existente e
• subdividí-lo em um ou mais segmentos homogêneos para análise,
baseadas na:
• idade,
• tráfego,
• condições do pavimento e
• sua estrutura

Métodos de Reforço

Os Métodos normalizados pelo DNER são:

a) DNER-PRO 10/79 - Método A


b) DNER-PRO 11/79 - Método B
c) DNER – PRO 159/85
d) DNER-PRO 249/94 -Método da Resiliência (TECNAPAV)

11
Dimensionamento de Reforços

DNER-PRO 11/79 - Método B


Este método, elaborado pelo eng. Francisco Bolivar Lobo Carneiro,
baseia-se no método do Dr. Celestino Ruiz, pesquisador argentino (1964).

O PRO 11-79 é um procedimento de avaliação estrutural dos


pavimentos flexíveis, capaz de:
estimar a vida de serviço restante do pavimento e
propor um reforço quando necessário para uma nova vida de serviço
(N – novo número de solicitações de eixos equivalentes ao eixo padrão).

Baseado no critério de deformabilidade, sendo a medida de


deflexões recuperáveis feitas com viga Benkelman.

Dimensionamento de Reforços

DNER-PRO 11/79 - Método B

Divisão do trecho em segmentos homogêneos de acordo com os


seguintes critérios:

1) Configuração das poligonais da variação das


deflexões recuperáveis;
2)Valores do raio de curvatura;
3)Constituição do pavimento existente;
4)Natureza e freqüência dos defeitos da superfície
do revestimento.

12
Dimensionamento de Reforços

Delimitação de segmentos homogêneos a partir de levantamentos


defletométricos pode-se utilizar o procedimento indicado pela ASHTO (1993).

Esse procedimento faz uso do método das diferenças acumuladas, que consiste
na seguinte seqüência de cálculo:
1. Calcula-se o valor médio da deflexão
para todo o trecho (D).
2. Calcula-se a diferença entre cada valor
individual e o valor médio.
3. Calculam-se os valores acumulados das
diferenças.
4. Plota-se em um gráfico, nas abscissas
as distâncias e nas ordenadas os valores
acumulados das diferenças.

Exemplo-delimitação de Segmentos Homogêneos

Fonte: Pavimentação Asfáltica: formação básica para engenheiros, 2010.

13
Dimensionamento de Reforços

Deflexão característica (Dc) do pavimento através da análise


estatística das deflexões recuperáveis medidas pela viga
Benkelman.

Estas deflexões recuperáveis são determinadas nas trilhas de


roda externa de ambas as faixas de tráfego em cada segmento
homogêneo.
A equação para cálculo da deflexão característica é:
Dc = D + σ
onde:
D = deflexão recuperável medida em campo;
σ = desvio padrão da amostra.

Dimensionamento de Reforços

Deflexão de projeto (Dp):


multiplicando-se a deflexão característica do pavimento por um fator de
correção sazonal (Fs).
Dp = Dc × Fs

Este fator tem a função de corrigir a deflexão de acordo com a estação do


ano durante o qual foram feitas as medidas da viga Benkelman.

14
Dimensionamento de Reforços

A deflexão admissível do pavimento (deflexão máxima para se


evitar o trincamento do revestimento betuminoso) é dada pela
equação:

log Dadm = 3,01 - 0,176 log N

em que:
Dadm = deflexão admissível no pavimento [0,01mm];
N = número de solicitações equivalentes ao eixo padrão de 8,2t.

Dimensionamento de Reforços
A Espessura do reforço (h, em cm) do pavimento pelo critério
deflectométrico ou de deformabilidade é dada por:

h = K × log (Dp / Dadm)


em que:
h: espessura do reforço do pavimento em centímetros;
Dp: deflexão de projeto determinada para o subtrecho homogêneo,
objeto do dimensionamento, em centésimos de milímetro (1/100mm);
Dadm: deflexão admissível após a execução do reforço do pavimento,
em centésimos de milímetro (1/100mm);
K: fator próprio do material usado no reforço, para concreto betuminoso
K = 40.

15
Exemplo de Aplicação - PRO 11/79 - Método B

Exemplo de Aplicação - PRO 11/79 - Método B

16
Exemplo de Aplicação - PRO 11/79 - Método B

17
Reforço de Pavimentos

Na descrição dos métodos mostrados, pretende-se proporcionar ao


técnico a compreensão geral do procedimento de dimensionamento.

Aqueles que desejarem se dedicar como projetistas deverão sempre


procurar as normas e as publicações especializadas dos diversos
organismos rodoviários e, estudá-las, para obter completo domínio sobre
o assunto.

Referências Bibliográficas

1. Bernucci, L.B.; Motta, L.M.G; Ceratti, J.A.P.; Soares, J.B. (2010)


Pavimentação Asfáltica: Formação Básica para Engenheiros - Rio de
Janeiro: PETROBRÁS: ABEDA.
2. Tópicos Avançados de Pavimentação. Prof. Djalma R. Martins Pereira.
UFPR.
3. DNER-PRO 010/79 (1979) Avaliação estrutural dos pavimentos flexíveis.
4. DNER-PRO 011/79 (1979) Avaliação estrutural dos pavimentos flexíveis.
5. DNIT - IPR 720 (2006). Manual de Restauração de Pavimentos asfálticos.
6. IP-09 Instruções de projeto de reforço para restauração de pavimentos
flexíveis.
7. Notas de Aula – Disciplina Superestrutura de Estradas – Prof. Jorge Soares,
UFC.

18
Dúvidas?

Próxima aula: Técnicas de Restauração

19

Related Interests