You are on page 1of 29

A imagem em ação no Deep Memory Process® de Roger

Woolger

1. Psicologia e filosofia

O método é a linguagem em ciências exatas. Isso é válido tanto na


física clássica como na quântica. Os físicos, em geral, não entram
em discussões filosóficas sobre a natureza do tempo e do espaço. É
verdade que os mistérios do formalismo quântico levaram alguns,
como Einstein e Heisenberg, a especular filosoficamente sobre a
natureza “real” do tempo ou do espaço, mas nunca a discordar sobre
os métodos científicos utilizados.

A psicologia, por seu lado, sofre desde seus primórdios, de uma


incapacidade intrínsica em escapar aos modelos filosóficos que
determinam, consciente ou inconscientemente, seus métodos. Fato
sem dúvida inquietante para os que pensam ser possível transformar
a psicologia numa ciência exata.

Já William James em seu “Tratado de psicologia” afirma que:


“Quando dizemos que a psicologia é uma ciência natural, devemos
evitar compreender que por isso ela se baseie sobre fundamentos
sólidos. Essa qualificação expõe, pelo contrário, sua fragilidade, a
fragilidade de uma ciência que exala crítica metafísica por todas
suas articulações, de uma ciência cujas hipóteses e dados

1
fundamentais, longe de ter um valor pessoal e absoluto, originam-se,
ao contrário, em teorias que as ultrapassam e em função das quais é
necessário repensá-las e formulá-las novamente17”.

Poderíamos seguir nessa toada por toda uma tese de doutorado,


demonstrando a aparente, talvez inevitável, dependência da
psicologia da filosofia. Isso porém escapa ao nosso propósito. Vale
assim mesmo lembrar, como exemplo de uma abordagem
psicológica respeitada, que não existiria psicologia da Gestalt sem o
filósofo da Gestalt, Christian von Eherenfels, sem o hassidismo
filosófico de um Martin Buber e sem a influência do zen budismo.

Parece-me portanto supérfluo encaixar em alguma categoria


psicofilosófica o Deep Memory Process® / (DMP) de Roger
Woolger. O que me proponho fazer é passar em revista as
influências que sofreu.

2. Principais influências

Roger Woolger foi um brilhante professor e sintetizador. Usou, sem


preocupação ou respeito acadêmico, aquilo que lhe pareceu mais útil
para desenvolver sua abordagem pessoal da terapia regressiva, o
Deep Memory Process.

O DMP consiste, fundamentalmente, numa intensa


experiência de cenas de "vivências passadas" de forma
consciente e no corpo, com liberação emocional, profunda

2
percepção de energias sutis, jornadas a espaços
intermediários além da morte (bardos), contatos com níveis
espirituais arquetípicos e manifestações mais elevadas do
self transpessoal.

Roger apropriou-se, como Ken Wilber, do conceito budista de bardo


do Livro Tibetano dos Mortos.

No hinduísmo buscou, nos sutras de Patanjali, sua inspiração para


afirmar que os últimos pensamentos, emoções e sensações físicas
dos personagens de uma regressão, na hora de sua morte, deveriam
ser sempre observados cuidadosamente, já que seriam os traços de
memória mais cármicos e que mais se manifestariam na vida atual.

Do xamanismo trouxe a prática do resgate da alma e, do espiritismo


brasileiro, considerou, com certa prudência, a ideia de uma possível
evolucão da alma individual.

Apropriou-se, nas diversas escolas psicoterápicas, entre outros


conceitos, dos complexos afetivos de Jung. Amava a catarse
expressiva de Reich, respeitava imensamente as primeiras teorias de
Freud sobre o trauma e o teatro psicodramático de Moreno.

Porém, a facilidade com a qual lançava mão do que lhe parecia útil,
não deve nos enganar sobre sua vasta cultura psicológica, intelectual
e espiritual. Além, naturalmente, de sua paixão pelos romances

3
policiais, que devorava, como bom amante de histórias
emocionantes.

3. Os complexos afetivos

O Deep Memory Process busca induzir uma experiência a partir de


um problema que atormenta a vida do cliente, aquela condição que
Jung chamou de “complexos afetivos”, ou seja, a “imagem de uma
determinada situação psíquica de forte carga emocional (...) imagem
dotada de poderosa coerência interior (que) tem sua totalidade
própria e goza de um grau relativamente elevado de autonomia,
(que) se comporta, na esfera do consciente, como um corpus
alienum, corpo estranho, animado de vida própria”1.

Ao definir o termo “complexo”, Jung aponta para uma inquietadora


possibilidade de desintegração psíquica embutida no fenômeno, pois
“de fundo não há diferença de princípio alguma entre uma
personalidade fragmentária e um complexo”2.

Jung cita ainda Pierre Janet e a extrema dissociabilidade da


consciência. Isso sugere que esses personagens fragmentados
possam ter origens em experiências originadas por traumas, leves ou
severos, assunto ainda bastante subestimado na psiquiatria
contemporânea3.

4
Jacob Moreno, através de seu teatro e cenas psicodramáticas, e Fritz
Perls, com seus personagens gestálticos, também se dedicaram a
explorar esses mesmos complexos.

O Deep Memory Process de Roger Woolger pode também ser


descrito como uma técnica sintética, de simples aprendizagem e
aplicação, para abordar o que Freud chamou de “neurose
traumática”. Freud via nesse distúrbio “uma força demoníaca em
ação”4. Essa ação dissimulada do “demônio do trauma” está na
origem daquilo que a psicanálise chama de “fraquezas ou falhas de
caráter.

Aqui um exemplo concreto, retirado do livro de Roger Woolger, “As


Várias Vidas da Alma”7:

A cliente apresentava uma fobia de facas. Confiando no inconsciente


como guia, Roger pede que ela feche os olhos e sugere que se centre
em seus problemas na vida atual, uma gravidez recente, seguida de
perda da criança. (Nesse caso específico foi usada uma respiração
mais intensa para buscar imagens ou cenas traumáticas. Poder-se-ia
ter trabalhado de várias outras formas, como indução por frases
carregadas emocionalmente ou estímulo de certas partes do corpo).

Como esperado, a cliente começa a reviver sua cesária traumática


da vida atual. Porém, a carga emocional manifestada sugere que

5
possa existir uma “história por trás da história”. Roger então
orienta: “Deixe que seu inconsciente a leve para qualquer outra
história onde algo parecido aconteceu. Repita a frase: “Por favor,
não me corte”. Imediatamente a cliente entra em uma história que
parece ser do século XVII, um parto terrível, uma cesária feita
primitivamente com uma faca, na qual mulher e o bebê acabam
morrendo, cobertos de sangue. A partir dessa experiência e de um
processo cuidadoso, que explora detalhadamente os últimos
momentos da vida do personagem, pôde emergir muito material
novo, esclarecedor e liberador para a cliente. Uma outra forma de
compreender o processo de cura é pensar que, além do trauma do
parto da vida atual, uma outra poderosa associação foi gerada pela
regressão, com o poder de aumentar a flexibilidade e compreensão
interior. A fobia de facas desapareceu totalmente, após esse trabalho.

No exemplo acima, o DMP partiu de uma imagem sugerida por um


complexo afetivo da vida atual. O cliente, deitado ou sentado, é
incentivado e guiado, enquanto conta uma história da qual se
“lembra”. Essa história é contada em primeira pessoa e acontece em
uma outra vida que não é, definitivamente, a vida atual.

O personagem dessa outra vida lembra-se do que lhe ocorreu, ao


menos das cenas mais dramáticas e termina, invariavelmente,
morrendo. Após a morte, seu espírito sai do corpo, assegura-se que
aquela vida acabou e tenta resolver, nesse espaço espiritual, algumas

6
das pendências que ficaram como resíduos de memória mais
traumáticos. Tudo isso ocorre sem indução hipnótica. No DMP é
sempre importante evitar dissociações e buscar, se necessário, uma
catarse psicológica emocional e corporal.

3. Shakespeare e o DMP: O teatro como sonho interior

Quando conheci Roger Woolger, num módulo de treinamento, em


1998, a assistente que o acompanhava me declarou: “O trabalho de
Roger situa-se no cutting edge da psicologia”, uma expressão
idiomática inglêsa que significa “na linha de frente ou, traduzido
literalmente, no fio da faca”. E isso continua sendo assim...

Roger Woolger, após graduar-se em psicologia pela Universidade de


Londres, continuou, no início dos anos 70, seus estudos no Instituto
Jung de Zurique. Apresentou como trabalho final de sua formação
como analista a tese “Morte e transformação do ego através da
loucura: uma interpretação de Rei Lear, de Shakespeare”, tese
orientada pelo Dr. Ian Baker.

Infelizmente o Instituto Jung não autoriza a reprodução de teses


depositadas em sua biblioteca. Assim, fiquei restrito a fazer rápidas

7
anotações uma fria tarde de inverno, na vila às margens do Lago de
Zurique. Esperava encontrar, em sua tese, alguma indicação de seus
trabalhos futuros.

Nada sugere que o jovem inglês se interessasse, naquela época, por


algo tão heterodoxo como regressões ou vidas passadas. Mas a
escolha do tema mostra já a obsessão de Roger pelo teatro,
particularmente pelas obras de Shakespeare.

Esse fio condutor nunca o abandonou. Tanto assim que, cerca de um


mês antes de sua morte, já gravemente enfermo, ofereceu como
presente de despedida a seus filhos e amigos, uma excursão a
Stratford-upon-Avon, cidade natal de Shakespeare. Lá assistimos,
emocionados, a uma belíssima encenação de sua peça preferida,
“Sonho de uma Noite de Verão.

Harold Bloom5, um dos maiores críticos literários contemporâneos,


atribui à inesgotável imaginação de Shakespeare a criação do
homem moderno, referindo-se assim à estrutura psicológica de seus
personagens. E Jung entendia o sonho como um drama.

Woolger6,, por seu lado afirma que grandes peças como Júlio César,
Hamlet, Otelo, Macbeth e King Lear, são sonhos com personagens
oníricos, vivendo os dramas do estado-nação emergente
renascentista, através de seus conflitos interiores, mais simbólicos
que naturalistas, como corresponde ao mundo dos sonhos.

8
Segundo T.S.Eliot, encontramos em Shakespeare, dramas típicos
como a morte de um herói, de um rei ou de um soldado. Outras
vezes, a morte de uma heroína contra um fundo de grande depressão
e decadência. Países vivem divisões e guerras civis, personagens
mudam suas roupas e disfarces. Ou seja, os mesmos temas que
também emergem nas regressões de memória7.

E como Shakespeare percebe a imaginação? Em Sonho de uma


Noite de Verão, ela seria aquele espaço psíquico no qual se alojam o
objetos de fantasia que atormentam “o lunático, o amante e o poeta”.
O neurótico, para usar uma linguagem moderna.

O lunático, o amante e o poeta

estão cheios de imaginação:

Um vê mais demônios de quantos possa comportar o


vasto inferno,

Tal é o caso do louco: o amante, não menos


transtornado,

enxerga a beleza de Helena em rosto egípcio.

O olho do poeta, num delirio excelso,

9
passa da terra ao céu, do céu à terra,

e como a imaginação dá corpo

às coisas desconhecidas, a pena do poeta

lhe dá formas, e ao nada aéreo

um lugar para morar e um nome.

Tais caprichos tem a forte imaginação

Que basta-lhe qualquer mostra de alegria

E logo uma causa inventa da alegria;

e se a noite, imaginando algum medo,

Quão fácil é um galho em urso transformar.8

4. Jung e o DMP

Woolger via-se como uma mente pragmática, interessado que estava


em resultados rápidos e eficientes. Desprezava considerações ou
modelos teóricos. Transmitia uma prática e valorizava a cura. Tinha
um grande coração e preocupava-se sinceramente com o sofrimento
alheio. Pode ser também visto como um xamã moderno, na mesma
linhagem que Jung.

10
Ensinava através de casos concretos, que serviam como modelos
didáticos e comprovavam os resultados de seu método. Como
exemplo, um caso que acompanhei recentemente e que ilustra o
desaparecimento de sintomas físicos crônicos, após uma única
experiência de regressão.

O personagem da regressao do cliente, um guerreiro


índio, encontrava-se no meio da floresta, sozinho,
quando foi atingido por uma flecha envenenada na
costas. Devido à morte por envenenamento, a história
desenvolveu-se com bastante lentidão. Havia
antecedentes de rixas e intrigas com outro índio, um
amigo e rival, e uma disputa a respeito da liderança
da tribo. O personagem foi finalmente traído pelo
outro índio e atingido em uma emboscada, que
resultou em sua morte. Os dois índios eram amigos
desde a infância e, desde pequenos, competiam entre
si. Um misto de amizade e disputa, confiança e inveja.
Psicologicamente, esse personagem se revelava na
vida atual do cliente como falta de confiança nas
relações, desconfiança de outras pessoas e
principalmente insegurança. Também um certo medo
de não ser aceito pelo grupo e necessidade de ser
valorizado.

11
O cliente relatou, seis meses depois da regressão, que
desde sua adolescência era acompanhado por uma dor
forte bem no meio das costas, mais para o lado
esquerdo. Quando era mais novo, essa dor irradiava-
se até o peito, e ele sentia alem da dor um aperto no
peito, do lado do coração. Os médicos diziam tratar-se
de um reflexo da dor nas costas. Foi diagnosticado
com uma escoliose bem visível. Essa dor sempre ia e
voltava; havia se submetido a alguns tratamentos, mas
nunca obteve um alívio total da dor. Nos seis meses
subseqüentes à regressão, relatou nunca mais ter
sentido a dor que lhe queimava e inflamava as costas.

Sugiro que a influência de Jung sobre Roger Woolger tenha sido


maior que a que ele mesmo admitisse, pois lamentava a indiferença
na qual esbarrou sua versão particular de “imaginação ativa” entre a
comunidade junguiana.

Jung, no ensaio “A Estrutura da Alma”9, analisa um sonho que, para


qualquer praticante de DMP, parece claramente estar associado a
uma memória de vivência passada e que apresenta analogias
curiosas com o caso acima.

12
A queixa do jovem paciente de Jung, eram dores violentas na zona
do coração (como se houvesse um bolo dentro do peito). O gatilho
óbvio, mas não reconhecido pelo paciente, foi um abandono por uma
moça com a qual ele namorava e que rompera, para se noivar com
outro. Após a análise por Jung e catarse emocional afetiva, as dores
no peito desapareceram. Permaneceram porém dores racionalmente
inexplicáveis no calcanhar esquerdo do paciente. Para ajudá-lo, o
inconsciente manifestou-se então através de um sonho, no qual ele
era mordido por uma serpente, picada que o paralisou.

O analista suíço interpreta com sucesso, atestado pelo


desaparecimento das dores no calcanhar, a serpente como paralisia
psicológica do paciente por uma mãe um tanto histérica e
superprotetora. “O tema da serpente, por certo, não era uma
aquisição individual do sonhador9, já que muitos habitantes das
grandes cidades europeias nunca viram uma serpente verdadeira. E
conclui: “A impressão que se tem é de que essas camadas
hipotéticas mais profundas do inconsciente - o inconsciente coletivo
- traduzem as experiências com mulheres por mordidas de serpente
no sonho, transformando-as, assim, em temas mitológicos9”.

Para finalizar seu relato do caso, Jung cita um hino egípcio, anterior
à Gênesis, usado, em épocas remotas, para curar mordidas de
serpente.

13
“A idade do deus fez sua boca se mover,
E jogou sua lança por terra,
E o que ela cuspia, caia no chão.
Isis amassou-o, então, com suas mãos
Juntamente com a terra que havia aí;
E com tudo isto formou um verme nobre,
E o fez semelhante a um dardo.
Ela não o enrolou sem vida em torno de seu rosto,
Mas o atirou enrolado sobre o caminho
Pelo qual o Grande Deus costumava andar
À vontade, através de seus dois reinos
O nobre deus avançava resplendente,
Os deuses que serviam o faraó acompanhavam-no,
E ele seguia em frente, como acontecia todos os dias.
Então o nobre verme picou-o.
Suas maxilas começaram a bater
E todos os seus membros tremiam.
E o veneno invadiu sua carne,
Como o Nilo invade seu território.9”

A analogia com o envenenamento do índio, no caso da regressão,


por uma flecha, na história da regressão através do DMP, é óbvia.

Se Freud tivesse analisado o mesmo caso, usando seu método


redutivo causal, necessitaria, para explicar as dores do paciente, de

14
uma série de hipóteses e modelos, como o complexo de Édipo e o
medo da castração.

Já Jung, através de seu método sintético construtivo, demonstra que


o inconsciente eleva o complexo de abandono e de decepção infantil
a um acontecimento mítico. Como entender que as fragilidades
escolares de uma criança se identifiquem com mitos tão arcáicos
como o de Ísis ou do Gênesis? Jung afirma que o inconsciente faz
isso ao tentar ajudar o paciente. E elabora mais: “O racionalista pode
rir-se destas coisas. Mas há algo profundo que foi tocado dentro de
mim (...)9”.

Como chamar o método de Woolger, que deixa contar uma história


de outra vida, como método direto de acesso ao inconsciente?
Sugiro método de síntese literal, já que o que se busca não é uma
formulação simbólica do problema, mas sim uma história, a mais
“real” possível, com começo, meio e fim.

No DMP, o sonho com a serpente de Jung sugere uma vida na qual o


sonhador foi literalmente picado por uma cobra, ou vítima de algum
ferimento, talvez infeccionado fatalmente, nessa mesma região.

Assim, uma única sessão de regressão pode, as vezes, acessar e


trazer conteúdos à tona, sem necessidade de elaborações e
interpretações mais complexas. A distância entre vivência passada e
vida atual é, em geral, muito menor que a trazida por um sonho e

15
suas múltiplas simbologias. E a dependência do terapeuta é bem
menor em relação às análises tradicionais. O terapeuta é, durante a
regressão, verdadeiramente só um facilitador.

5. Hillman e Freud: alma, psique e memória

Em o “O Mito da Análise10, James Hillman, pós junguiano e criador


da Psicologia Arquetípica, aborda indiretamente questões
fundamentais levantadas pelo trabalho de regressão no DMP.

Hillman afirma que a obra e tarefa do psicólogo consiste em “fazer


alma12”. De fato, durante toda sua vida, dedicou-se a trazer de volta ,
para a linguagem psicológica contemporânea, o antigo e
aparentemente ultrapassado conceito de alma. A palavra também
aparece, inesperadamente, no título da tradução do livro de Roger
em português, substituindo o termo mais técnico de Self, no título
original inglês. O DMP preenche esse requisito da obra psicológica,
segundo Hillman: é capaz de fazer alma. Se para o pintor a tela é o
limite, diz ele14, para o terapeuta o limite é a pessoa à sua frente. Isso
significa, necessariamente, que a alma (ou a “vivência passada”)
seja simplesmente algo pessoal. Há “... um nível da alma onde ela é
psique per se, um conjunto de processos vivos, independente de
nossas noções de individualidade e redenção pessoal14”.

16
Jung, mesmo sendo sempre extremamente cuidadoso ao preservar
sua imagem de cientista empírico, não se exime em falar de uma das
três puras modalidades psicológicas da alma, aquela relativa ao
elemento material e espiritual. Diz ele: “A chamada realidade da
matéria nos é atestada, antes de mais nada, por nossa percepção
sensorial, enquanto a existência é sustentada pela experiência
psíquica13”. Tanto a matéria como o espírito, segundo ele, seriam
indispensáveis hipóteses de trabalho, necessitando permanentemente
de novas interpretações.

Mas o que seria então considerado científico em psicologia?


Quantas gramas pesa uma alma e em que lóbulo cerebral ela se
localiza? Diante dificuldade da resposta, recorro novamente a
Hillman: “Alma não é um termo científico (...). O seu significado é
melhor explicitado pelo contexto. (...d)o ponto de vista do analista é
que o comportamento humano mostra-se compreensível enquanto é
dotado de significado interior14”.

Assim, com o indireto e involuntário aval de Jung e Hillman, sugiro


que o grande potencial do DMP de Roger Woolger seja fornecer
uma nova interpretação, eminentemente psíquica, para o eterno e
insolúvel problema psicológico do corpo, da alma e da existência.

Quanto à natureza da memória, foi Freud quem afirmou que o que


ele julgava, nos primeiros anos de sua “cura pela fala”, ser memória

17
factual de traumas infantis, revelava-se, após escrutínio cuidadoso,
possuir aspectos gravemente prejudicados pela fantasia. Não só
levantamos um inventário de nossa infância nas longas sessões
analíticas, mas também criamos e recriamos permanentemente, com
ajuda da imaginação e da fantasia. Por quê então pensar que
memórias de assim chamadas vidas passadas devam ser menos
“reais” do que as da vida atual?

5. Memória e análise como obra de ficção criativa

A questão mais inçomoda, quando praticamos DMP, é: a memória


acessada pelo cliente é a memória de uma vida passada “real? Caso
seja, essa vivência pertence ao cliente, pessoalmente, é um
fragmento de sua grande alma ou faz parte de uma memória
universal, acessada através do inconsciente coletivo? Ou, como
pensam alguns clientes, seria mero produto de sua fantasia?

Roger, ele mesmo, nunca se fixou em uma resposta. As vezes, diante


dos resultados notáveis da técnica, expressava-se no sentido de uma
vida passada propriamente dita. Outras vezes, considerava a

pergunta incômoda ou de pouca relevância prática. Dizia ele:
 


“O fenômeno da memória é importante para aquilo


que chamamos de ‘memórias de vidas passadas’. Aqui

18
me refiro basicamente a Jung, que disse que temos, de
fato, dois tipos de memória: nossa memória pessoal,
eventos, traumas, tragédias dessa vida, mas que temos
também, dentro de nós, um tipo de memória ou
lembrança que é muito mais antiga. Jung costumava
dizer que cada um tem dentro de si um homem, uma

mulher com 5 milhões de anos de idade.
 
 E ele/ela

se lembra de tudo e seria através dessa pessoa mais


antiga dentro de nós que temos acesso ao que na
Índia é chamado de memória universal ou

akasha.
 
 Você talvez não saiba que tudo que você

faz em seu computador é gravado em algum lugar. Por


isso, você pode voltar para uma semana atrás e

atualizar tudo o que ocorreu naquele momento.
 


Tudo o que aconteceu aos seres humanos no planeta


está contido nesse banco de memórias universal. E
como fazemos parte da humanidade, temos acesso a
isso. Se essas memórias pertencem a nós pessoalmente
ou à humanidade como um todo, é um ponto que pode

ser discutido. 
 
 E os que leram meu livro ‘As Várias

Vidas da Alma’ sabem que eu mostro que existem

19
posições divergentes a esse respeito. Um junguiano
ortodoxo diria que não existem vidas passadas
pessoais, existem memórias de vidas passadas e
conectamo-nos com algumas delas porque essas
espelham os complexos com os quais estamos

trabalhando nessa vida. 
 
 Mas isso não significa

que fui essa pessoa ou essa alma. Simplesmente, me


conectei, tenho essa conexão com essa memória

coletiva.
 
 Outro é o ponto de vista dos kardecistas

e que manifesta-se na Índia de forma diferente;


haveria uma continuidade entre as vidas. Haveria algo
que as conecta, como uma alma ou uma consciência,
que passa por transformações. A visão kardecista ou
ocidental é a de que a alma está sempre evoluindo. A
visão oriental é que não há de fato uma personalidade
que melhora. Certos conteúdos são transmitidos e
necessitam ser limpos. Não existiria uma evolução
contínua da personalidade. De fato, o ponto de vista
budista é oposto ao do kardecismo. A visão budista diz
que vamos nos desapegando cada vez mais de nossas

vidas como seres humanos. 


20
A personalidade, afinal das contas, é uma ilusão. É
como um papel que atuamos na peça da vida. Mas,
quando a vida acaba, não precisamos mais dessa
máscara. Jung tem um ponto de vista parecido.”
(Transcrição de uma palestra gravada de Roger
Woolger)

A alma, como já vimos anteriormente, tem elementos que


transcendem o biográfico e pessoal, sua natureza é múltipla, fluídica
e mercurial, produtora ou produto de funções psicológicas tão
misteriosas quanto a imaginação, a memória e a fantasia, tão
impossível de ser capturada, dissecada e analisada cientificamente
como fantasia e loucura. Já que temos que lidar com a infinita
multiplicidade, através da qual ela, por exemplo, se apresenta nos
sonhos, porque não tentar satisfazer sua necessidade em falar,
recontar e elaborar, como diria Freud15, através de histórias que
digam respeito não somente a esse ego atual, tão sofrido, mas
também ao outro, o ego do sonho de Jung, o ego imaginal de
Hillman, os múltiplos egos das inúmeras histórias de vidas passadas
de Roger Woolger?

Quando acompanhamos os clientes, em uma série de regressões, não


há como deixar de constatar quão satisfatório pode ser, para eles, o
processo do DMP. Gera sentido, gera significado, gera sensação de

21
completude, mesmo tratando-se muitas vezes de travessias árduas,
ingratas, desconsoladas. Confrontar-se com parte da história da
humanidade, em primeira pessoa, é trabalho profundo.

6. Henry Corbin e o DMP: O Mundus Imaginalis

Para falar sobre Henry Corbin, o erudito francês que cunhou o termo
mundus imaginalis, me deparo com uma dificuldade de ordem
prática: a vasta obra desse que foi um dos três grandes historiadores
da religião do século XX, além de Mircea Eliade e Gershom
Sholem, não foi traduzida para o português.

Foi Roger quem primeiro me chamou a atenção para ele, diante de


minha perplexidade, com cientista, ao me deparar com os estranhos
fenômenos das regressões.

Estudioso do sufismo e do xiismo persa, Corbin apresenta aos


ocidentais, interessados em metafísica oriental, um conceito central
de imensa profundidade filosófica, profética e espiritual. Trata-se do
que chamou mundus imaginalis, termo que criou para diferenciar de
imaginação ou imaginário.

Para os filósofos orientais estudados por Corbin16, o mundo


imaginalis é um mundo ontológicamente real, criador de formas, um
mundo intermedíário entre o mundo da pura matéria e do puro

22
espírito. Sem esse mundo intermediário, a matéria não possuiria
alma, e seria então mera matéria morta, e o espírito seria puro
espírito, ou seja, vazio.

Foi mérito dos junguianos, no Ocidente, vulgarizar e chamar a


atenção para o trabalho inovador de Corbin.

Não que isso não gere ambiguidades e perigos. Para nossas mentes
literais e tão carentes de magias transformadoras, o passo é pequeno
em aproximar o conceito de mundus imaginalis por exemplo do
cúltico filme de sucesso Quem somos nós? (What the Bleep Do We
Know!?), que sugere sermos nós quem criamos, através da força do
pensamento, a realidade. Não é nada disso que diz Corbin.

Mas qual seria a relacão entre uma metafísica neo platônica oriental,
de difícil compreensão para alguém sem treinamento filosófico, e
uma técnica terapeutica ocidental?

O mais inovador na proposta de Roger Woolger, em relação a outras


técnicas de regressão, é o que ele chamou de trabalho no bardo, ou
seja, no pós-morte. Aqui, o espírito do personagem encontra pessoas
das quais foi separado em vidas anteriores, tenta resolver questões e
emoções inacabadas através de diálogos ou confrontações, consulta
ou busca apoio de ancestrais e busca tratamentos espirituais para
suas dores ou feridas ‘físicas”.

23
Tecnicamente, poderíamos chamar essas experiências no bardo de
Woolger, (tão gratificantes para os espíritos confusos e perdidos
após uma morte frequentemente trágica), de sonho acordado, ou de
imaginação ativa e criativa. Nelas podem surgir todo o tipo de
figuras fantásticas, como anjos, sábios, santos, curadoras, etc.

Não posso afirmar que esse processo no bardo de Roger ocorra


literalemente no mundus imaginalis dos orientais. Porém, inspirado
pelos filósofos orientais, ouso postular analogias entre o bardo de
Roger e o mundus imaginalis de Corbin, assim como a física
quântica hoje serve como geradora de analogias ao transpessoal.

As imagens acessadas pelo cliente no bardo de Woolger, durante a


experiência de “divagação guiada e desperta”, podem ser também
compreendidas como pertencendo a um mundo real, diferente do
nosso, com outras leis e regras. Aqui todo cuidado é pouco. Nessa
concepção, não é a alma do cliente que estaria criando o mundo do
bardo, mas sim esse outro mundo, singular e único, que inspiraria,
por assim dizer, a alma do personagem.

Qual pode ser a função de tal analogia? Dar um passo além da mera
técnica, sem deixar de respeitá-la, evitando cuidadosamente
qualquer tipo de misticismo de pronta entrega mas sem excluir, a
priori, que o enfoque usado no DMP traga, além do aspecto
meramente terapeutico, uma experiência imaginal de criação,

24
através das imagens de um outro mundo. Agrada-me imaginar
assim o DMP.

7. DMP e tratamento do trauma

Vivemos numa sociedade pós-traumatizada. Violência e guerra


urbana, estupros, abuso infantil, tortura policial e acidentes de carros
fazem parte integral de nosso cotidiano. Apesar disso, o fenômeno
do trauma tem sido muito pouco estudado no Brasil e pouco é
oferecido para seu tratamento. Livros fundamentais, como “Trauma
e Recuperação19” de Judith Hermann, sequer foram traduzidos para
o português. Vivemos em dissociação permanente, como bons pós-
traumatizados. A passividade e tolerancia em relação aos escândalos
politicos pode ser até explicada como um tipo de dissociação pós-
traumática. Somos indiferentes a tudo, com inesperadas explosões
de coléra e crueldade no âmbito pessoal ou social.

O DMP de Roger Woolger oferece um modelo, cuidadosa e


exaustivamente testado, para o tratamento do pós-trauma. Isso fica
claro quando lembrarmos que 80% a 90% das histórias contadas em
sessões de regressão terminam traumaticamente, passando por
episódios de violência aguda. Assim, como deve acontecer em todo
tratamento de trauma, o guia de uma regressão em DMP fica atento

25
aos fenômenos dissociativos e busca sempre informações no corpo e
nas emoções do cliente, sobre os conteúdos da história.

A coragem de Roger em abordar direta e psicodramaticamente


questões espinhosas e delicadas, como abuso infantil e violência
contra mulheres, garantiu a abrangência da sua técnica. O DMP
converge e reafirma, através de seus resultados, o trabalho pioneiro
sobre trauma de Van der Kolk19, que afirma basicamente que a
terapia da fala não é efetiva em transtornos de estresse pós-
traumatico, já que os indivíduos traumatizados vivenciam o presente
com sensações físicas e emocionais associadas ao passado. Ou seja,
o dia a dia de um terapeuta de DMP.

Espero que não esteja longe o dia no qual venhamos a testar


diretamente a eficiência do DMP nos precários centros de
atendimento para trauma do Brasil, como as casas abrigo para
mulheres. Assim, através de uma metodologia de tratamento do
trauma deslocada para outras vidas, pode ser possível desenvolver
um método simples e eficiente para o tratamento das seqüelas de
uma sociedade violenta.

8. Em guisa de prólogo

Talvez Roger concordasse comigo no que deva estar presente na


manutenção da “jovem tradição” do DMP. Nada pode ser

26
transmitido verdadeiramente se isso não ocorrer através de atos
sempre renovados.

Mullah Sadra20, o filósofo xiita do seçulo XVII, acreditava que o


passado e a morte não se estavam nas coisas mas sim nas almas.
Segundo ele, “a tradição depende de nossa decisão, ao descobrir
uma afinidade até agora insuspeita, que o que acorda em nós não
está morto e não é do passado, pois, ao contrário, pressentimos ser
nós mesmos seu futuro. A tradição, compreendida assim, é tudo
menos um cortejo fúnebre; exige um renascimento perpétuo e isso é
a gnose20..

Que essa breve apresentação possa ser isso: uma inspiração a uma
prática instigante, aberta e renovada em cada um de seus momento.

9. Bibliografia
1
Carl Gustav Jung, A Natureza da Psique. Ed. Vozes [2000], § 201
2.
Ibid. § 202
3.
Ivan Figueira e Mauro Mendlowicz, Diagnóstico do transtorno dee
stresse pós-traumático. Rev Bras Psiquiatr 2003;25(Supl I):12-6.
http://www.scielo.br/pdf/rbp/v25s1/a04v25s1.pdf
4.
Sigmund Freud, Beyond the Pleasure Principle,[1922], em
Standard Edition, vol. 18, London: Hogarth Press 1955, pp. 35

27
5.
Harold Bloom, A Invenção do Humano. Ed. Objetiva
6.
Roger J. Woolger, Ego death and tranformation through madness.
An Interpretation of Shakespeare’s King Lear, tese não publicada.

7.
Roger J. Woolger, As Várias Vidas da Alma, Ed. Cultrix [2012].
Pedidos: marcndre@gmail.com

8.
William Shakespeare, Sonho de uma noite de verão, Ato V, Cena I
(http://williamshakespearewilliam.blogspot.com.br/2009/05/ato-
vcena-i_07.html)

9.
Carl Gustav Jung, A Natureza da Psique. Ed. Vozes [2000], § 303
a 307

10
. James Hillman, O Mito da Análise, Ed. Paz e Terra [1984]

11
.Ibid. pp 33

12.
Ibid. pp. 29

13
.Carl Gustav Jung, A Natureza da Psique. Ed. Vozes [2000], § 251

14.
James Hillman, Suicídio e Alma. Ed. Vozes [1993], pp.55

15.
Sigmund Freud, Recordar, repetir e elaborar. Edição Standard
Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. 3.ed. Rio de
janeiro: Imago, 1990. 24v. [1914], v. XII

28
16.
Christian Jambert, A lógica dos orientais: Henry Corbin e a
ciência das formas. Ed. Glogo [2006]
17.
William James, Précis de psychologie. Sexta edição, Paris. 1924,
pp.622 (Trad. do autor)

18.
Judith Herman, Trauma and Recovery. Ed. Basic Books [1997]

19.
Bessel A. van der Kolk, The Body Keeps The Score.
(http://www.trauma-pages.com/a/vanderk4.php)

20.
Steven M. Wasserstrom, Religion after Religion. Princeton
University Press [1999]

Mais informações em: WWW.dmpbrasil.com

Marco André Schwarzstein

29