You are on page 1of 2

“Práticas e Modelos na Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares”

Reflexão final

Esta formação conduziu-me por vastas reflexões e aprendizagens.


Assim, constatei que estudos internacionais demonstram que a biblioteca
escolar contribui para o sucesso educativo dos alunos e para o desenvolvimento das
literacias, imprescindíveis, na nossa sociedade.
Para testemunhar a sua importância nas aprendizagens é necessário que a BE:
 Investigue os resultados da sua acção;
 Analise o sucesso e o impacto dos seus serviços;
 Preste contas à escola e todos os que estão ligados ao seu
funcionamento, do impacto das suas acções.
Para tal, surgiu o modelo de auto-avaliação.
Este constitui um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura
de uma melhoria contínua da BE;
Pretende avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho individual do
coordenador ou elementos da equipa da biblioteca;
Capaz de mobilizar toda a escola, melhorando através da acção colectiva as
possibilidades oferecidas pela BE;
Não constitui um fim em si, devendo ser entendida como um processo que
deverá conduzir à reflexão e deverá originar mudanças concretas na prática.
A auto-avaliação deverá:
 Contribuir para a afirmação e reconhecimento do papel da BE na escola;
 Determinar até que ponto a missão e os objectivos estabelecidos para a
BE estão ou não a ser alcançados;
 Identificar práticas que têm sucesso e que deverão continuar;
 Identificar pontos fracos que importa melhorar.
A avaliação da BE deve ser participada a nível da escola e ser conhecida e
divulgada.

Prudenciana Martins Página 1


“Práticas e Modelos na Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares”

Reflexão final

A identificação dos pontos fortes e fracos, das ameaças e das oportunidades


ajuda a estabelecer critérios de qualidade e acções de melhoria que poderão
beneficiar todo o processo educativo.
Espera-se que os professores tomem consciência de que o trabalho
colaborativo com a BE tem influência positiva na aprendizagem dos alunos.
Espera-se, ainda, que alunos e encarregados de educação tomem consciência
de que a biblioteca cumpre objectivos semelhantes àqueles em que toda a restante
escola se empenha e que o sucesso obtido resulta da sua participação.
Espera-se, igualmente, que as melhorias introduzidas se reflictam
positivamente, nas aprendizagens dos alunos e, no trabalho dos professores.
A avaliação da BE deve estabelecer ligações com a avaliação da escola.
Do relatório de avaliação da BE deve transitar uma síntese que venha a integrar
o relatório da escola.
A avaliação externa da escola pela Inspecção poderá, assim, avaliar o impacto
da BE na escola, mencionando-a no relatório final de avaliação da escola.
Concluindo, com a auto-avaliação espera-se:
 Que se produzam mudanças concretas na prática;
 Que se contribua para a elaboração de um novo plano de
desenvolvimento com vista à melhoria;
 Que seja integrada nas práticas da BE de forma sistemática;
 Que melhore o desempenho da BE;
E porque, “Pelo sonho é que vamos… Chegamos? Não chegamos? /Haja ou não

haja frutos, /pelo sonho é que vamos (…) (Sebastião da Gama), acredito que esta
formação constituiu uma mais-valia para a caminhada de todos os formandos e que
nos permitirá obter frutos!

Prudenciana Martins Página 2