You are on page 1of 4

Estudo dirigido – Bloco lipídios

1 – Descreva cada etapa da digestão dos triglicerídios, fosfolipídios e ésteres de colesterol.

Boca (Suco salivar), Estômago (Suco gástrico) e Pâncreas (Suco pancreático). Enzimas: Lipase
salivar, Lipase gástrica e pancreatica, Fosfolipase A2 e Colesterol esterase.

2 – Quais são os produtos finais da digestão dos lipídios?

(Triglicerídeos) Monoacilglicerideos, (Fosfolipídios) lisofosfolipideos, (Ésteres de colesterol)


colesterol livre e ácido graxo livre.

3 – Qual o destino dos lipídios absorvidos pelo intestino?

Os produtos da digestão lipídica são absorvidos por proteínas de transporte presentes na


superfície celular do epitélio absortivo intestinal. Dentro da célula os ácidos graxos livres,
monoglicerídios, lisofosfolipídios e colesterol são novamente convertidos em triglicerídios,
fosfolipídios e ésteres de colesterol no Reticulo Endoplasmático. A estes lipídios são
adicionadas proteínas formando a lipoproteína quilomícron que é secretada na circulação
linfática. As porções lipoproteicas dessas proteínas são reconhecidas por receptores na
superfície celular que indicarão suas células-alvo. Por exemplo: Na captação dos lipídios de
intestino, os quilomicrons que contem a apolipoproteina CII (Apoc II), movem-se da mucosa
intestinal para o sistema linfático, de onde saem para corrente sanguínea e são transportadas
para o músculo e tecido adiposo.

4 – Qual o papel das micelas mistas?

A formação de micelas é importante, pois aumenta a superfície de contato para as enzimas


digestivas. Além disso, os produtos da digestão lipídica são transferidos por difusão simples
das micelas para as células absortivas do intestino.

5 – Explique de que forma os ácidos graxos são transportados para matriz mitocondrial. De
que forma este transporte pode ser regulado? (A regulação do transporte dos ácidos graxos
para matriz mitocondrial também regula a oxidação deles nas mitocôndrias)

Os ácidos graxos livres, provindos do sangue, para passar para o interior da mitocôndria,
através de suas membranas, é preciso sofrer antes uma série de 3 reações enzimáticas. A
primeira é catalizada por uma família de isoenzimas, denominada Acil-coa sintetase, presentes
na membrana mitocondrial externa. Essa enzima catalisa a reação de ligação tioester entre o
grupo carboxila do acido graxo e o grupo tiol da coenzima A, formando Acil-coa graxo. Os
ésteres do Acil-coa graxo não conseguem passar intacta pela membrana interna da
mitocôndria, assim, o grupo acil-graxo é transientemente ligado ao grupo hidroxila da carnitina
formando o derivado acil-graxo carnitina. O éster acil-graxo carnitina atravessa a membrana
interna por difusão facilitada intermediada pelo transportador acil-carnitina/carnitina. Dentro
da matriz mitocondrial, o grupo acil graxo é transferido enzimaticamente da carnitina para a
coenzima A, regenerando assim o acil-coa graxo.

O transporte de ácido graxo para o interior da mitocôndria pode ser regulada através da
inibição da Carnitina Aciltransferase I pela Malonil Coa. A concetração de Malonil Coa, o
primeiro intermediário na biosintese citosólica de Ácidos Graxos de cadeia longa a partir do
Acetil-Coa, aumenta sempre que o animal é bem suprido com carboidratos; qualquer excesso
de glicose que não possa ser oxidado ou armazenado como glicogênio é convertido em ácidos
graxos citosolicos para a estocagem na forma de triacilglicerol.

6 – Qual a etapa limitante da síntese de ácidos graxos? E como esta etapa é regulada?

A reação catalisada pela Acetil-Coa carboxilase (Formação de Malonil-coa a partir de Acetil-


coa) é passo limitante da velocidade na biosíntese de ácidos graxos, é essa enzima é um sítio
importante de regulação que pode ser por alostérica (Citrato, isocitrato e Palmitoil-Coa) como
por modificação covalente dependente de hormônios (Insulina, Glucagon e adrenalina) que
influenciam o fluxo de precursores para a síntese de malonil-coa.

7 – Cite 2 diferenças entre a beta-oxidação e a síntese de ácidos graxos.

Beta-oxidação: Ocorre na mitocôndria, o produto da unidade C2 é o Acetil-Coa, Coa é o


carreador do grupo acila, FAD é o aceptor dos elétrons e NAD o receptor.

Biosíntese: Ocorre no Citosol, ACP é o carreador do grupo acila, NADPH é o doador dos
elétrons, o doador da unidade C2 é o Malonil-Coa.

8 – Qual o destino dos produtos na oxidação dos ácidos graxos com um número ímpar de
carbonos?

No final da B-oxidação de um acido graxo com um numero impar de carbonos são gerados 1
molécula de Acetil-Coa (n=2) e 1 de Propionil-Coa (n=3). Esta ultima pode entrar no Ciclo de
Krebs após ser convertida em Succinil-Coa.

9 – Qual a molécula necessária para o alongamento dos ácidos graxos?

A molécula de Carbono.

10 – Qual a origem de todos os carbonos necessários para a síntese de ácidos graxos?

Malonil-Coa.

11 – De que forma a acetil-CoA produzida na matriz mitocondrial pode ser usada na síntese de
ácidos graxos no citosol?

A síntese de ácidos graxos ocorre no citosol e depende de acetil-CoA. Entretanto, a acetil-CoA


é formada na matriz mitocondrial e a membrana interna da mitocôndria é impermeável a
acetil-CoA. Este problema é contornado ao condensar acetil-CoA com oxaloacetato formando
citrato, uma reação catalisada pela citrato sintase (enzima do ciclo de Krebs). O excesso de
citrato atravessa a membrana interna mitocondrial e pode ser decomposto novamente em
acetil-Coa e oxaloacetato no citosol. O NADPH necessário para a síntese de ácidos graxos é
proveniente das reações oxidativas da via das pentoses e da descarboxilação oxidativa do L-
malato em piruvato, uma reação catalisada pela enzima málica.

12 – Que moléculas são consideradas corpos cetônicos? Como são produzidas e quais seus
destinos?

Acetona, acetoacetato e D-B-hidroxibutirato.Durante períodos de baixa carga energética o


fígado oxida os ácidos graxos que foram liberados pelo tecido adiposo. Isto gera grandes
quantidades de acetil-CoA e NADH. A acetil-CoA estimula a conversão de piruvato em
oxaloacetato, uma reação catalisada pela piruvato carboxilase (PC). Ao mesmo tempo acetil-
CoA e NADH e inibem a conversão de piruvato em acetil-CoA, uma reação catalisada pela
piruvato desidrogenase (PDH). O NADH também inibe enzimas do ciclo de Krebs. O
oxaloacetato formado é então convertido em malato e este é usado na gliconeogênese. Sendo
assim, pouco oxaloacetato está disponível para reagir com a acetil-CoA para formar citrato. O
excesso de acetil-CoA é convertido em corpos cetônicos em uma via metabólica conhecida
como cetogênese. A acetona é exalada, o oxaloacetato e o D-B-hidroxibutirato são
transportados pelo sangue para os tecidos extra-hepaticos – músculos esqueléticos, cardíacos
e córtex renal – onde são oxidados pelo Ciclo de Krebs para fornecer a maior parte de energia
requerida por esses mesmos tecidos.

13 – De que forma o glicerol 3-fosfato é formado no fígado e no tecido adiposo? E qual sua
participação na síntese de triglicerídios e fosfoglicerídios?

O glicerol 3P é formado no Fígado e no tecido adiposo pela oxidação da di-hridoxiacetona 3-P


(Intermediário da glicólise) em uma reação catalisada pela Glicerol 3-P desidrogenase. O
Fígado também sintetiza Glicerol 3-P a partir da fosforilação do Glicerol (Oriundo da dieta ou
da degradação de triglicerídeos), uma reação catalisada pela glicerol cinase.

O Glicerol se liga a duas moléculas de ácidos graxos para formar o intermediário ácido
fosfatidico, um intermediário essencial para a formação de triglicerídeos e fosfogliceridios.

14 – Qual o destino do glicerol e dos ácidos graxos presentes no fígado no estado pós-
absortivo? E no jejum?

Glucagon e Epinefrina são dois hormônios que ativam Adenilato Ciclase na membrana da
célula adiposa, aumentando a concentração de cAMP. Uma proteína quinase, dependente de
Camp, fosforila e, assim, ativa a lípase triacilglicerol hormônio sensível o qual catalisa a
hidrolise de ligação ésteres de triacilgliceróis. Os ácidos graxos assim liberados, passam do
interior do adipocito para o sangue onde se ligam a proteína Albumina ou Soroalbumina.
Ligados a essa proteína solúvel, os ácidos graxos, insolúveis, são transferidos para o músculo
esquelético, o coração e Cortex renal.

O glicerol liberado pela hidrólise dos triglicerídios no tecido adiposo é captado pelo fígado
onde é convertido a dihidroxi-acetona fosfato que é então convertida em glicose pela
gliconeogênese. Desta forma o glicerol contribui para a manutenção da glicemia.
15- Como se dá a formação do Malonil-CoA?

O grupo carboxila, derivado do bicarbonato, é primeiramente transportado para a biotina em


uma reação dependente de ATP. O grupo biotina funciona como transportador temporário de
CO2, transferindo-o para o Acetil-Coa no segundo passo e liberando Malonil-CoA.