You are on page 1of 73

Segunda edição

a m í dia e de-
s s éia n as , s
ao d i ro l e itor. M os sido
1 0 , u m 12, c a ríam
m 20 antão, já te no in-
20 n e m
o s
estam ores de pl
e
j á n o
d o
início e praxe, as
a

a o fi m ... e
o n s e r vad
u e s u r giu
s . C o mo d do país,
mos dos c egro q consciência municação ex-
Chega da mídia e a c o n
n d e s s e
r i m e i ro bur las e nossas ículos de co repetiram à pa
pe
l i d o s pelo p es, nossas te rincipais ve apes que se época da co
engo n o s s os lar chete nos p as e videot o r r o res na retimento
o n ti r h er
vadind es foram ma ações, men e venderam empos de d io, deixaram
of cor na qu , que em t dár azou,
catástr mercados, te l a p l a
r ç o s s o c a l e n
ól e o v
do s de ma o no etr
agitan s televisore As águas de o invadind nsáveis. O p ineiros no
no l. br po o, m -
austão do de futebo m em dezem dadeiros res . Antes diss ueixinho fu
n a er as q
do mu a polar, cheg nição aos v agar as cont ouglas e seu aga chega
ot pu p D as
da cal e nenhuma olhido para a por Kirk agora a nov res subindo
s sc ad e ita -
vítima Assange o e ra imortaliz s. Quem sab ui, com mil e expectado
i ob re aq d
mas fo bravam a s Sete Abut e o Haiti é o expressivo diploma de ,
lem o qu er o a”
Chile Montanha d ente vimos do um núm toriedade d ou jornalist
a m in ga “s n-
rado n o 3D. Final lite 2 ating aram a obri basta dizer io a esse ve
rsã eE b ão e
em ve . E Tropa d rensa, derru á-los que n parro. Em m ssibilidade
a lade
ira
L e i d e Imp ram de avis ofessor Cha oferecer po nde rede.
a iu a q u ece u o pr p a ra n a gra
re s . C
o , m a s e s
o b s e r v o
o su r g iu
e c t a d o s
s , p e ssoas
g n
jornal
ism
- l o , c omo já des, a Kalan , embora co s e fotógrafo uniram-
iso sê vida ídia lista tivo
é prec grandes no stão sem-m antes, jorna m estar cole espaço
de ee ud e ir
daval ssão aos qu ligiosos, est ta e com o b tantes e abr
re re ne or
de exp , escritores, turo do pla temas imp ven-
t is t a s m o f u is c ut i r e l o s e
Ar
u p a das co as idéias, d . c u lp a mos p artici-
preo c
u l a r su i n i õ es n o s des o s s ua p
e p a r a ve i c
a d e d eo p
s e u a p oio ,
, a g u a rda m
u m a no de
s
a a d iversid radecemos atinhando) e 2011 seja ernidade
par
u m a vez ag stamos eng l de ano. Qu aldade, frat
Mais
r o s ( a inda e b o m fina
, j u s t i ça, igu
r m r
tuais e desejamos u iedade, amo
e ar
pação tas, de solid planeta.
is o
conqu dos povos d
o
e uniã

a l e itura.
Bo
ias
Osni D
Sumário

A edição #4 da Kalango se despede do ano de 2010 e aponta alguns caminhos para


o ano que se inicia. João Paulo dá os votos de Ano Novo e Delta9 faz um resumo
daquele que para muitos, não deixou saudades.
Orivaldo Biagi mais uma vez manda uma reflexão sobre a contracultura e o editor
que aqui vos escreve traz uma entrevista com dois bateristas de peso que agitam o
Brasil, a Itália e agora a Argentina.
Por falar nisso, Claudinei Nakasone estréia sua participação na revista com um
ensaio sobre São Paulo e Luis Pires com uma aventura por Buenos Aires, também
com belíssimas imagens.
A bola da vez da imprensa no final do ano, o Wikileaks, é pauta dessa edição da
Kalango por Guilherme Alpendre, da Abraji. Dani Rossi nos brinda com um texto
sobre o momento atual, de celebração cósmica e de visita do Sagrado.
E sobre o Sagrado, ninguém melhor do que Leonardo Boff que, mais uma vez, faz
um alerta sobre os riscos que corre o nosso PlanetaTerra.
Giuliano Tosin vai à França e nos mostra o poderio da mídia em tempos de
globalização. Tiago Cervan, poeticamente, aborda o pouco caso sobre tudo. Luis
Brandino aposta na educação contra a calúnia e a má fé e Fábio Sanchez questiona
o determinismo dos meios de comunicação.
Já Ana Maria Melo mostra como essa mesma mídia nos conta histórias e constrói
uma determinada realidade, conforme os diversos interesses em jogo.
Nas encruzilhadas da vida, de repente surge uma mandinga, nas letras de
Marcelino Lima.
Hemerson Brandão faz um balanço da astronomia em 2010, uma verdadeira
odisseia no espaço.
E para finalizar, um resumo do que aconteceu na web em 2010.
Confiram nessa edição um maravilhoso ensaio fotográfico realizado por Marcela
Alvim, também estreando na Kalango.

Weberson Santiago/Rolling Stone11


´
Rapido Balanço e votos de Ano Bom!
Por João Paulo Correia Lima

Para um bom aproveitamento dos novos dias e horas Vi os artistas e os intelectuais que têm iniciativa com
que se anunciam no horizonte, a avaliação das ex- grandes dificuldades em serem recebidos com profis-
periências passadas é essencial! A única coisa legal sionalismo (mínimo, se você procura um empresário
que existe nos erros é que eles nos tornam melhores. ou organização para tratar de negócios) e educação
Só contornar os erros e deixar para trás nos leva a (mínimo). Acho que isso foi o que mais me revoltou
uma posição que é muito bem descrita por uma frase nesse ano que passou: a quantidade de artistas com
atribuída a Einstein: “ser idiota é fazer a mesma coisa enorme dificuldade de levar seu trabalho adiante e
duas vezes e esperar um resultado diferente”. sendo mal recebidos.
Bom, pensando assim, das inúmeras e algumas in- E vi uma onde enorme de demanda sobre as pessoas:
esquecíveis bobagens que fizemos em 2010, quero foi o Ano da Demanda. Tudo demanda: telefone, e-
refletir sobre algumas ligadas ao bem comum e não à mail, contas, empregos, tarefas, sonhos... Tudo, tudo
vida individual. quer tempo e atenção.
Vejo a ano que passou como sendo uma melhora em Então, para esse Ano Novo, desejo mais educação da
uma série de coisas: parece que nosso país vai ficando parte das pessoas que estão em posição privilegiada
mais sério “muuuito devagarinhamente”, mas a di- em relação a outras (leia-se que desatenção é um
reção é certa. Antes que me joguem pedras por estar negócio ruim...), acreditemos mais no nosso poten-
dizendo isso, quero salientar que nós, brasileiros, te- cial como Nação, como Estado e como cidade e que,
mos um problema grave com a auto-estima (vemos os finalmente, tenhamos uma convivência mais amena e
defeitos de modo exagerado e as qualidades diminu- compreensiva com nossos compromissos.
tas). Não vamos repetir o erro de nos diminuirmos.
Somos grandes, temos problemas sim, também. Feliz Ano Novo para todo mundo!
Em 2010 não fizemos contato.
Por Delta9
Mas entrará nos anais...
monstruoso e portentoso do vaza- Com a extraordinária ajuda do presi- Francisco Everardo Oliveira Silva
Há anos e anos, e esse de 2010 será mento de petróleo. Mas hoje a mídia dente, a candidata Dilma Rouseff é (conhecido pelo nome artístico de
lembrado e esquecido por muitos trata da coisa de forma meio insossa, eleita a primeira presidenta. Mas para Tiririca). Finalmente vamos saber o
motivos. Vamos pensar um pou- sem sal. não rimar com opulenta, rabugenta, que faz um deputado... Pelo menos
quinho... ciumenta, polenta e criar associação a mídia já começou a mostrá-lo em
Em junho astronautas estaduniden- com tantas outras tantas “entas”, seu processo de penetração (por
São Luis de Paraitinga foi por água ses entram numa cápsula sem janela, melhor dizer ‘a’ presidente. É como fórceps?) na vida pública.
abaixo em janeiro (lembra?); em para simular uma viagem a Marte. gerente, paciente, agente, cliente. (A
abril seria o Rio (lembra também?). Eles ficarão confinados durante um clientela continua a mesma...). E não Assistimos todos rejubilados a as-
ano e meio, para desenvolver testes vamos nos esquecer do vice, ein! censão de Maria Osmarina Marina
O Haiti desabou (agora literalmente), da suposta viagem à Marte em 2020. Silva Vaz de Lima. Devidamente in-
mas foi rapidamente esquecido devi- Os mineiros do Chile fizeram isso de Fica aqui meu registro de apreciação censada pela esquerda balantines...
do o desabamento do Chile. graça, ajudaram o mundo a esquecer ao grande governante desse país, o só- No mesmo ano que presenciamos,
de vez o terremoto do Chile e capita- brio Vice-Presidente da República Fed- mais uma vez, o repetido capítulo da
A Aple lançou o iPad e o iPhone 4. lizaram divisas para o país (inclusive o erativa do Brasil, Jose Alencar Gomes implosão do Protocolo de Kyoto.
Porém, eu continuo pagando assina- deles). Vai virar filme. Os astronautas da Silva, que na ausência continuada
tura residencial básica pelos serviços que esperem a vez deles... do outro Silva, tomou conta direitinho Porém, não esqueçamos os altivos
imprestáveis da minha empresa de dessa empreitada. Afinal, desfazer nós esforços de Eduardo Fischer (e seus
telefonia. Após os gritos das vuvuzelas e os é com ele, que trabalha desde os sete ativos, claro), presidente do Grupo
passeios tortos das jabulanis, o Brasil anos de idade. Se fosse hoje, o seu Totalcom, ao criar o revolucionário
O filme Avatar faturou bilhões falan- cumpriu com o cronograma: vai ter Antonio e a dona Dolores (seus pais) movimento Starts With You, que
do mais do mesmo: a dizimação de que ganhar a próxima mesmo. seriam repreendidos pelo Conselho traduzido para o vernáculo ficaria
culturas pelo arrojo científico capi- Tutelar... “Começa Com Você” (mas aí entraria
talista (ou comunista também, tanto No começo do ano o Operador Nacio- Mas o grande must foi a eleição do o cedilha, o acento cincunflexo; fi-
faz. Tá: num é comunista, é socialis- nal do Sistema foi o último a sair, apa- humorista, comediante, ator, enter- caria mais chinfrin, dificultando a
ta? Tanto faz também...) gou várias partes do Brasil e prestou tainer, atleta dos picadeiros, cantor, diagramação).
A Deepwater converteu-se em Dirty- um serviço de desutilidade pública compositor, artista e homem de TV: Pra quem ainda não sabe, o SWU é
water, após o recorde vergo-nhoso, informando que desconhecia a causa. o agora também deputado federal, um movimento de conscientização
Ralph Ueltzhoeffer - Textportrait Paul McCartney 2006

em prol da sustentabilidade que tem o intuito de mobilizar 2010, por alguns milésimos de segundos, a temperatura
o maior número possível de pessoas em torno da causa, de 4 trilhões de graus Celsius, a maior temperatura já ob-
mostrando que, por meio de pequenas ações, com simples tida na história. Isso não é incrí-vel?! É a coisa ficando mais
atitudes individuais do seu dia a dia, é possível ajudar a quente...
construir um mundo melhor para se viver. É isso aí: peque-
nas atitudes podem gerar grandes mudanças. E isso em Em 20 de maio de 2010, o instituto sem fins lucrativos J.
Itu!! A cidade onde tudo é grande. Inclusive o valor do Craig Venter (com centros de pesquisa em Rockville, Mary-
passaporte para os três dias do evento: R$1.700. Estadia e land e La Jolla, Califórnia) anunciou a criação do primeiro
alimentação por conta do participante. Cê é pobre? Vive no organismo vivo com genoma totalmente sintético, desen-
Terceiro Mundo? O salário mínimo ainda não é 600 reais? volvido artificialmente a partir de compostos químicos.
Relaxa: R$120 meia entrada para pista comum. Tudo em Para tal, a equipe, copiou quase integralmente o genoma
seis vezes no cartão com entradas e bandeiras variadas. São de uma bactéria e transladou-o para um exemplar dessa
pequenas atitudes para gerar grandes mudanças!! bactéria (CTRL+C, CTRL+V). A equipe conseguiu com suces-
so assegurar a reprodução dessa primeira espécie sintética,
Comemorando os 60 anos de declínio da TV brasileira, os assim como a produção de certas novas proteínas por parte
jornais nacionais noticiaram a invasão do Complexo do dessa mesma espécie. Acabou o problema de carência
Alemão. Opa: a pacificação. Sabe qual a diferença entre protéica dos esfomeados do mundo. E tudo sem fins lucra-
pessoas pacíficas e pessoas pacificadas? Não? Pergunte pro alemão! Mas tivos... Isso me encanta!
espera ele terminar de comemorar o final do brasileirão...
Falando em canto, Justin Bieber, Luan Santana, Lady Gaga, nem chega-
Salve o Fluminense, enquanto os fluminenses estão sendo salvos. E viva ram a fazer cócegas no seminovo Sir Paul James McCartney, 68 anos.
os cariocas que, segundo Arnaldo Jabor, irão mostrar o seu valor. Foi um desbunde. Seu carisma somente é superado pela fortuna que
o gênio do POP (rock?) ganha em cada show, juntamente com a ban-
O ano de 2010 foi, também, o ano de grandes estrelas. dinha de garotões cinquentões. E, diga-se de passagem, por mérito
próprio. Quem sabe faz ao vivo (não é uma frase original, mas tá va-
A sonda não-tripulada Solar Dynamics Observatory (SDO) da NASA foi lendo).
lançada para estudar processos do Sol que afetam diretamente a vida na
Terra. Com propulsão do foguete Atlas 5 da United Launch Alliance (uma Porém, o maior sucesso musical ainda foi “Tcha-na-na”, de Viviane Ba-
parceria das gigantes aeroespaciais Boeing e Lockheed Martin), a missão tidão, na interpretação eterna de Mike de Mosqueiro detonando os gases
deve durar cinco anos e custar US$ 850 milhões. Já estou afetado... do Faustão.

Utilizando um acelerador de partículas, cientistas do laboratório Labo- Se sobrevivermos aos especiais de final de ano, voltaremos para falar de
ratório Nacional de Brookhaven (ou BNL, de Brookhaven National Labora- coisas mais serias. Afinal, o carnaval está chegando...
tory) localizado em Upton, Nova Iorque, obtiveram em 15 de fevereiro de
Foto: Ronaldo Theobald

Contracultura no Brasil:
Acomodação ou Rebeldia?
Orivaldo Leme Biagi

Com o recrudescimento do regime militar a partir de


1968, a juventude brasileira, segundo Alfredo Sirkis,
passaria por uma “trifurcação”: alguns iriam lutar
diretamente contra a ditadura tornando-se guerrilhei- O cineasta Glauber Rocha destaca tal deslocamento
ros; 2 – outros iriam seguir a linha da Contracultura; com suas críticas à opção contracultural (e também da
3 – e a maioria não seguiria os caminhos anteriores, esquerda armada) numa entrevista dada em 1980: “Eu
preferindo levar vidas normais dentro da sociedade estava conflitado com essa esquerda armada e contra
estabelecida. Aparentemente ocorreu um desloca- a opção hippie, que era a opção da CIA programada
mento do eixo de atenções dos jovens da política para para o Brasil, através dos jornais que surgiram para
a cultura – ou, em outras palavras, a Contracultura ocultar o problema da Guerra do Vietnã e transformar
tornou-se um dos únicos espaços que restaram para a os perigosos maoístas guerrilheiros em hippies droga-
participação jovem na vida do país, pois os caminhos dos. Foi a luta da granada contra o Rock. Quer dizer,
políticos foram fechados pela ditadura. Cultura e com- duas opções: uma colonização guerrilheira orientada
portamento tomariam o lugar da política nas práticas pela CIA, por Cuba e pela China, e uma orientação
jovens. De acordo com Nelson Motta: “O verão de 1972 hippista orientada pelos Estados Unidos no sentido de
foi o apogeu do desbunde brasileiro. Massacrados pela liquidar com o Terceiro Mundo, com as potencialidades
repressão política e pelo autoritarismo violento, os revolucionárias que estavam explodindo.”
jovens, muitos deles sem apetite para a luta armada,
optaram pelo rompimento total com a sociedade. Vi- Mas tais pontos de vista são limitados, pois a Contra-
raram hippies pacifistas radicais e caíram na boca no cultura também foi uma forma de confronto contra a
ácido e na maconha, viviam em comunidades, faziam ditadura, em particular contestando seus padrões mo-
música e artesanato, comiam macrobiótica e tentavam rais conservadores. Assim, o visual mais colorido, os
abolir o dinheiro, o casamento, a família, o Congresso, cabelos compridos, as músicas inovadoras e as novas
as forças armadas, a polícia e os bandidos, tudo de questões morais (sexo, drogas, cultura indiana, etc.)
uma vez só e numa boa. Muitos encontraram a feli- serviam tanto para chocar o público mais velho como
cidade, ainda que fugaz, vivendo com amigos numa também para contestar a própria estrutura moralista
‘nova família’, convivendo e se divertindo como irmão.” do regime militar, inclusive nos seus aspectos políticos.
Euclides Sa nd o va l
A exposição
“Sobras-Primas”
do artista Euclides
Sandoval vai até
30 de janeiro de 2011
no Museu Olho Latino,
em Atibaia, SP.
Foto: Marta Alvim
É tudo [Dino] Verdade
Workshow com Dino Verdade e Raphael Saini atrai amantes da bateria
Por Osni Dias
“Vocês não têm noção da riqueza da tação, com a Dino Verdade, Toronto, Canadá, observa que “lá fora
música no Brasil. O que estamos fazendo participação Raphael Saini e eles não tem esse suingue”. No samba
aqui não é comum na Europa”. Com essa de Robertinho Marcelo Alves é preciso ter muita preocupação com
afirmação o músico Rafael Saini, recém Silva, no ano Foto: Marta Alvim
o equilíbrio dos pés e das mãos, pois
chegado da Itália, mostrou seu entu- 2000. Em todos os ritmos usam o up-down (uma
siasmo em tocar para uma platéia ani- 2006, na ci- mas também nota na subida e outra na decida da ba-
mada numa tarde de calor em dezem- dade de Santo é bom para tida). “É preciso suavizar, equalizando os
bro, em Atibaia, cerca de 60 km da André, bateu quem de- toques e liberando um pouco a pressão
capital paulista. Uma apresentação o recorde seja aprimorar da caixa, que precisa ser mais leve”, en-
memorável, com peças da dupla, discos Latino Ameri- seus conhe- sina o mestre.
gravados e peças do Bateras 100% Brasil, cano em apre- cimentos”.
entre salsas, sambas e muito heavy metal. sentação ao Recentemente Saini diz que os brasileiros acreditam
O workshop (ou workshow, como frisa ar livre, com 156 bateristas. (2) E promete o músico fez uma turnê pela Europa, que tudo é melhor na Europa, mas
Dino Verdade) fez parte da agenda de mais em 2011, quando pretende bater o abrindo shows da banda Raphsody of alerta: “vocês têm sorte, pois no Brasil a
final de ano do instituto Bateras Beat (1). recorde mundial. Fire. Com Dino Verdade, ensaia uma música já é de Primeiro Mundo”. E com-
turnê na Itália, mostrando os ritmos pleta: Vocês não têm idéia da riqueza
É verdade: a primeira opção musical de Seu parceiro Raphael Saini é também um “para que o pessoal do metal discuta o que existe aqui”. Durante a entrevista,
Dino não foi a bateria. Edson Martins apaixonado pela música. Nasceu no Bra- samba e vice-versa”, pois acreditam que Dino revela que o Bateras Beat acaba
da Costa Verdade, ou Dino Verdade, sil mas aos seis meses de idade foi para embora diferentes cada qual tem sua de fechar uma parceria com a GM Drum
começou tocando piano aos 12 anos, a Itália. Hoje é destaque na Europa como musicalidade. “O importante é que cada School, a maior escola de bateria da
passou para o violão e chegou à bateria baterista da banda Chaoswave. (3) “Tudo um se expresse da melhor forma pos- Itália – sua primeira franquia internacio-
somente aos 18 anos. Já em 92, o jovem se deu por acaso, vi os amigos tocando e sível”, observa Dino. nal.
baterista sentiu a necessidade de criar como minha mãe era cantora profissional
um método de ensino que, por meio fui tomando gosto pela coisa”, diz. Ele Saini aponta que são expressões music- Pra fechar, uma ótima notícia. Depois de
da funcionalidade, permitisse ao aluno afirma que cada pessoa encontra o seu ais diferentes. “No metal podemos tocar elegermos como melhor atleta brasileiro
aprender em pouco tempo, como ele instrumento e, na hora, descobre que fez a mesma seqüência do samba, só que do ano mais um argentino (Conca, do
mesmo explica: “Através de uma seqüên- a escolha certa. No começo o baterista em menor tempo. São batidas rápidas, Fluminense, repetiu o feito de Carlos
cia lógica, o aluno vai aprendendo passo procurou um “instrumento mais fácil” até com dois bumbos em toques simples”, Tevez e se tornou o segundo estrangeiro
a passo, transitando por vários ritmos”. descobrir que estava errado, apaixonan- afirma. Ele explica que o ritmo começou a ser escolhido o melhor jogador do
O músico tocou com diversas bandas do-se pela bateria na adolescência. Numa no rock’n roll e em seguida o grupo Ra- Campeonato Brasileiro pela CBF), Dino
de rock, pop, blues e heavy, conquistou de suas andanças pelo Brasil topou com mones o levou ao extremo, com o punk, Verdade vai finalmente nos vingar. Em
projeção nacional, passou pela MTV, via- a Bateras Beat “numa rua musical de São tirando uma nota. O ritmo finalmente se 2011, o músico pretende criar uma Ba-
jou pelo país, foi para os Estados Unidos Paulo” (Teodoro Sampaio, em Pinheiros) e notabilizou com o Metal Sludge (Black teras Beat em Rosário, na Argentina.
(onde fez mais de 50 apresentações), par- ficou apaixonado pela metodologia de en- Flag e Black Sabbath). A Napalm Death Pelo menos nessa praia, los hermanos
tiu para a Europa, tocou com orquestras sino. “O livro lançado pelo Dino Verdade é (banda de grindcore da Inglaterra) e a vão ter que estudar, e muito.
sinfônicas e, finalmente, criou a primeira o melhor que já conheci para se entender Carcass (considerada a criadora do estilo
franquia brasileira, o Bateras Beat. as bases da bateria, é o livro dos livros”, grindcore splatter) estavam nessa onda 1) http://www.youtube.com/watch?v=R9kL7hqrSQc&f
eature=player_embedded
conta Saini, que dirigirá a primeira franquia quando, em 89, o baterista Pete Sando- 2) http://www.youtube.com/watch?v=oiCVMpKbbdc
Dino não parou por aí. Inquieto, realizou internacional do Bateras Beat, na Itália, e val organizou a parada, ressalta Saini. 3) http://www.chaoswave.it/index.asp?MenuID=55
um feito inédito na América Latina, reu- afirma ser essencial ter um método. “Ele é http://www.spirit-of-metal.com/groupe-groupe-Chao-
swave-l-pt.html
nindo 64 bateristas em uma só apresen- ótimo para quem quer aprender bateria, Seu parceiro, Dino, recém chegado de
Por Guilherme Alpendre

O maior vazamento de documentos secretos (foram mais de 250 mil) já registrado no mundo — que o intelec-
tual britânico Timothy Garton Ash chamou de “um sonho para historiadores” e o chanceler italiano Franco
Fratini definiu como o “11 de Setembro da diplomacia”— vem ganhando tratamento especial nas páginas e no
Julian Assange, do
Wikileaks ,sai para
falar com a imprensa
em Londres ao sair
da prisão (Reuters)
site do GLOBO. Mais especial ainda a partir das últimas duas semanas, quando o jornal passou a ser um dos sete
do mundo com direito a receber os telegramas do WikiLeaks, referentes ao Brasil, em primeira mão, antes de o
material ser disponibilizado no site. “Além do GLOBO, “Guardian” (Reino Unido), “El País” (Espanha), “New York
Times” (EUA), “Le Monde” (França), a revista “Der Spiegel” (Alemanha) e a “Folha de S.Paulo” têm acesso ao
material. — É um privilégio porque ganhamos mais tempo. São quase 3 mil telegramas da embaixada americana
em Brasília, dos consulados dos Estados Unidos no país e do Departamento de Estado, vazados pelo WikiLeaks. À
medida que recebemos, temos de ler todo o material e produzir reportagens.

O trabalho envolve a equipe no Rio, as sucursais de Brasília e São Paulo e os correspondentes no exterior — conta
SANDRA COHEN, editora de O Mundo. A equipe no Rio ganhou reforço da repórter TATIANA FARAH, de São Paulo.
Foi ela quem, com sua insistência, obteve o direito de O GLOBO reproduzir o material com exclusividade. — Foi
uma longa negociação. A inclusão do jornal teve de ser aprovada pelo grupo e foi mediada pela Natália Viana,
representante do WikiLeaks no Brasil — diz Tatiana, que conta com a ajuda de MARCELLE RIBEIRO, que lê e clas-
sifica todos os documentos. Existe todo um cuidado para checar as informações e preservar a identidade de pes-
soas citadas nos documentos, que poderiam ter sua segurança ameaçada com a divulgação do material. Além
disso, é preciso respeitar um calendário na publicação das informações no jornal e no site — onde um blog com
“O Melhor do WikiLeaks” foi criado por FERNANDO MOREIRA e é atualizado em tempo real”.

http://oglobo.globo.com/blogs/melhorwikileaks/
http://abraji.org.br/
http://213.251.145.96/Mirrors.html
SOLSTICIO
´
DE VERAO
~

Por Daniela Rossi


O Sol entra no signo de Capricór- como um ser transformado: o “eu” se rei dos deuses, colocou-a no céu condiz com nossa percepção sobre
nio às 21h17 do dia 21.12.2010 tornou-se o “Eu”. É por isso que todos como a constelação de Capricórnio, e capricórnio...
(Horário de Verão de Brasília). os deuses que representam o “eu” el- transformou um de seus cornos na Cor- Em Roma, no mês de Capricórnio
É o Solstício de Verão – Tempo evado — incluindo Cristo — têm seus nucópia ou Corno da Abundância. Uma era celebrado a Saturnália, o festival
de Natal – dia mais longo do aniversários celebrados no solstício de vez que celebramos o aniversário de pagão em homenagem a Saturno (re-
ano, momento em que a Luz do inverno. Cristo no solstício de inverno enquanto gente de capricórnio). Nesse período,
Sol predomina sobre a noite do Mas, como o momento de renasci- o Sol está em Capricórnio, é adequado todos os costumes sociais e sexuais
Hemisfério Sul e que o Astro Rei mento espiritual foi associado à Ca- que o símbolo da cabra esteja fundido eram deixados de lado; as posições
coloca-se no ponto mais alto da bra? O signo tem uma história mítica ao do peixe, um símbolo que represen- eram invertidas e o povo podia cel-
abóbada celeste, no zênite, sobre longa e complicada. Originalmente taria os dois mil anos do cristianismo. ebrar livremente, divertindo-se em
o signo de Capricórnio. não era a cabra, mas a “Cabra-Peixe”, Em diversas culturas este período sem- pé de igualdade com a nobreza. (Fes-
Daí o signo de Capricórnio ser rep- uma imagem particular que atual- pre foi celebrado como um momento ta essa posteriormente transferida de
resentado por uma Cabra e, na mente foi quase esquecida. de nascimento do Divino entre os hu- data e rebatizada de Carnaval).
Astrologia Inca, pela Tarruca, um Na antiga Babilônia, o deus Ea era manos. Na Pérsia celebrava-se o nas- Os arquétipos míticos de Capricórnio
tipo de cabra andina que consegue representado como um homem en- cimento do Deus Mitra, nascido de são, portanto, diversos, incluindo Vesta,
vencer suas limitações e escalar até capotado em uma pele de peixe. Ele uma virgem, a Deusa Anahira. Mitra Pã, Amaltéia e Saturno. Vesta e Saturno
os picos das cordilheiras. regia as “águas sob a terra”, o poder era chamado de Deus Menino ou Sol representam um tipo rigidamente con-
Capricórnio simbolicamente está as- vital que mantinha os rios Tigre e Vencedor. Entre os povos Incas ainda trolado, cujo comportamento deve ser
sociado à subida da vida lenta e in- Eufrates correndo e assim dava a vida celebra-se o nascimento do Deus Sol – perfeito e impecável, enquanto Pã e
fatigável em direção aos picos da à terra. Inti. Também os Maias, os egípcios e os Amaltéia, as cabras e sátiros, represen-
realização espiritual. A subida ao topo A influência mesopotâmica sobre os indianos têm festividades de celebração tam a liberdade sexual do signo.
da montanha. Ele é lento, paciente egípcios resultou na fusão dessa ima- relativas a esta época do ano. Tal combinação pode ser traduzida
e prudente nesta subida, expulsando gem com outra. Quando a lua estava Portanto, esta época vem, desde tem- pela necessidade de buscarmos o
as forças cegas, as forças profundas e cheia em Capricórnio (junho-julho), as pos imemoriais, relembrar os Seres equilíbrio entre o céu e a terra, rev-
prisioneiras da alma que o impedem águas do Nilo começavam a subir. A Humanos de sua origem divina e erenciando nossas forças instintivas,
de atingir a Perfeição, o ápice. pesca voltava a ser abundante, sendo oferecer-lhes a sempre renovada opor- que nos movem e nos alimentam na
Para o Hemisfério Norte trata-se uma fonte necessária de alimento tunidade de reconhecer sua própria terra e sem as quais não conquistaría-
do Solstício de Inverno, a noite para os camponeses egípcios. Assim, divindade, pois ano após ano e dia mos os altos cumes, sem, no entanto,
mais longa do ano e o momento as águas corriam de “sob a terra” para após dia, o Sol nos mostra sua con- deixarmos de reconhecer o aspecto
de virada da estação. De todos os trazer o alimento vivificante (peixe) stância, sem tropeço nem falseio, em luminoso da cabra, a disponibilidade
quatro pontos principais de vira- sempre que a lua estava cheia no si- doar, zelar, manter e sustentar a Vida de abundância que existe dentro
da no ano, o solstício de inverno gno da cabra. na Terra, a fim de que possamos viver de cada um de nós e que nos torna
deve ser o mais significativo. Ali, Os gregos também conheciam Ca- esta experiência humana e desenvolv- também divinos. Que neste período
no momento da maior escuridão pricórnio como a cabra e uma fonte ermo-nos espiritualmente. Mas Ca- de celebração cósmica e de visita do
no hemisfério norte, o sol “apa- de alimentação. Para eles, Capricór- pricórnio não está somente associado Sagrado em meio a Humanidade pos-
rece” novamente... nio era freqüentemente associado à à abundância e reconhecimento espiri- samos abrir nossos corações para
No antigo drama mitológico da Amaltéia, a ninfa-cabra que amamen- tual... que a Luz divina faça morada em
descida do deus ou deusa ao tou o pequeno Zeus (Júpiter) quando Amaltéia era irmã do deus Pã e, por- nós e ilumine toda a nossa vida sobre
mundo subterrâneo, o retorno à sua mãe Réia o escondeu na ilha de tanto parte da família de sátiros, que os firmes fundamentos da Alegria, da
humanidade iniciou-se. Na jor- Creta para salvá-lo da ira de seu pai são meio humanos e meio bodes. Pã e Liberdade e do Amor!
nada da inconsciência individual, Cronos (Saturno). Em gratidão por seus colegas sátiros eram devotados
o ponto de maior contato com a ter-lhe salvo a vida, Zeus, ao tornar- à lascívia e à licenciosidade sexual; daí Feliz 2011!
São Paulo Por Claudinei Nakasone

AUDITÓRIO DO IBIRAPUERA - SÃO PAULO


AUDITÓRIO DO IBIRAPUERA ESCULTURA DE TOMIE OHTAKE
GOTA NA FOLHA - PARQUE DA ACLIMACÃO
GRILO EM ÁRVORE - PARQUE DA ACLIMACÃO
MURO EM FRENTE ESTAÇÃO JÚLIO PRESTES
OCA - PARQUE DO IBIRAPUERA
Foto: Claudinei Nakasone
PAPAGAIO - ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO
O Planeta vai continuar com febre
Por Leonardo Boff
A
COP 16 terminou na madrugada crises, sobretudo a do aquecimento nal de meios que o sistema dispõe, O que se impõe, na verdade, é um
do dia 11 dezembro em Cancún global. Mas cumpre enfatizar: chega- com acordos entre chefes de Estado e novo olhar sobre a Terra. Ela não pode
com pífias conclusões, tiradas mos a um ponto em que se exige um empresários quando toda a comuni- continuar a ser um baú sem fundo
mais ou menos a forceps. São conhe- completo repensamento e reorienta- dade mundial deveria ser envolvida. A de recursos a serem explorados para
cidas e por isso não cabe aqui referi- ção de nosso modo de estar no mundo. referência de base não é a Terra como benefício exclusivamente humano,
las. Devido ao clima geral de decepção, Não basta apenas uma mudança de um todo, mas os estados-nações cada sem considerar os outros seres vivos
foram até mais do que se esperava mas vontade, mas sobretudo se exige a qual com seus interesses particulares, que também precisam da biosfera. A
menos do que deveriam ser, dada a transformação da imaginação. regidos pela lógica do individualismo Terra é Mãe e Gaia, tese sustentada
gravidade da crescente degradação do e não pela da cooperação e da inter- sem qualquer sucesso pela delegação
sistema-Terra. Predominou o espírito A imaginação é a capacidade de pro- conexão de todos com todos, exigida boliviana, e por isso sujeita de direitos
de Copenhague de enfrentar o pro- jetar outros modos de ser, de agir, de pelo caráter global do problema. Não e merecedora de respeito e de ve-
blema do aquecimento global com me- produzir, de consumir, de nos relacio- se firmou ainda na consciência coletiva neração. A crise não reside na geofísi-
didas estruturadas ao redor da econo- narmo-nos uns com os outros e com a o fato de que o Planeta é pequeno, ca da Terra, mas na nossa relação
mia. E aqui reside o grande equívoco, Terra. A Carta da Terra foi ao coração possui recursos limitados, se encontra de agressão para com ela. Nós nos
pois o sistema econômico que gerou a do problema e de sua possível solução superpovoado, contaminado, empo- tornamos numa força geofísica alta-
crise não pode ser o mesmo que nos ao afirmar: ”Como nunca antes na brecido e doente. mente destrutiva, inaugurando, como
vai tirar da crise. Usando uma ex- história, o destino comum nos con- já se fala, o antropoceno, uma nova
pressão já usada pelo autor: tentando clama a buscar um novo começo. Isto Não se fala em dívida ecológica. Não era geológica marcada pela intensiva
limar os dentes do lobo, crê-se tirar- requer uma mudança nas mentes e se toma a sério a crise ecológica gene- intervenção descuidada e irrespon-
lhe a ferocidade, na ilusão de que esta nos corações. Requer um novo sen- ralizada que é mais que o aquecimento sável do ser humano. Se a humanidade
reside nos dentes e não na natureza tido de interdependência global global. Não são suficientes a adaptação não se acertar ao redor de alguns
do próprio lobo. A lógica da economia e de responsabilidade universal. De- e a mitigação sem conferir centralidade valores mínimos como a sustentabili-
dominante que visa o crescimento e o vemos desenvolver e aplicar com ima- à grave injustiça social mundial, aos dade, o cuidado, a responsabilidade
aumento do PIB implica na dominação ginação a visão de um modo de vida massivos fluxos migratórios que alca- coletiva, a cooperação e a compaixão,
da natureza, na desconsideração da sustentável aos níveis local, nacional, nçaram já a cifra de 60 milhões de pes- poderemos nos acercar de um abismo,
equidade social (dai a crescente con- regional e global”. Este propósito não se soas, a destruição de economias frágeis aberto lá na frente.
centração de riqueza e a célere apro- fez presente em nenhuma das 16 COPs. com o crescimento em muitos milhões
priação de bens comuns) e da falta de de pobres e famintos, a violação Leonardo Boff foi observador na COP-
solidariedade para com as futuras ge- Predomina a convicção de que a crise do direito à seguridade alimentar e à 16 em Cancún.
rações. E querem-nos fazer crer que da Terra é conjuntural e não estrutural saúde. Falta articular a justiça social
esta dinâmica nos vai tirar das muitas e pode ser enfrentada com o arse- com a justiça ecológica. www.leonardoboff.com
Foto: Giuliano Tosin
´
A midia e a crise na Franca
,
Texto e fotos: Giuliano Tosin
A importância de preservarmos cautela em
relação às mediações responsáveis pela
construção de nosso senso de realidade e de uma
Agora ia de Madri, nosso destino comum, para
Bordeaux, evitando a capital francesa por me-
dida de precaução. Comecei a pensar que eu só
sensação de suposta atualidade, que frequente ia passar 24h. em Paris, ia tentar caminhar um
tropeçam em suas próprias manchetes inéditas pouco e descobrir alguma coisa nova nesse curto
e furos de reportagem reversíveis, me veio em período... Mas, e se o metrô parasse por conta
mente poucas semanas atrás, numa experiência das manifestações? Como ia chegar ao hotel?
que relato de forma sucinta. Os noticiários inter- Táxi em euros do aeroporto para Montmartre ia
nacionais da época davam especial destaque para custar uma fortuna! E o ônibus que eu ia pegar
as confusões na França: as polêmicas mudanças para o aeroporto de Beauvais depois de amanhã,
no sistema previdenciário, a greve geral e as mani- poderia ser cancelado pela falta de abastec-
festações estratégicas que minavam a república imento... Fora a dúvida se devia evitar lugares
de Sarkozy, complicando diversos setores, sobre- turísticos por conta das ameaças de bomba que
tudo o vital abastecimento de combustíveis. ouvi anteontem. Enquanto isso, em Paris, uma
ensolarada manhã de domingo outonal começava
Confrontos diários entre policiais e manifestantes, a desenhar-se, os moradores exibindo raros sor-
casse têtes, empurrões, escudos e gás mostar- risos, que só surgem quando não existem nuvens
da. Parecia tratar-se de uma possível reedição do no céu, pareciam alheios ao clima obscuro e ten-
maio de 68. E depois da onda de violência que to- so que a mídia difundia.
mou conta dos subúrbios franceses em 2005, que
proporções alcançaríamos agora? Meus joelhos se O começo da semana de férias iria trazer aos
espremiam contra o banco da frente, eu começa- pontos mais visados da cidade uma multidão
va a me arrepender de ter sido um dos primeiros de turistas vindos do interior, radiantes em seus
a entrar no avião. agasalhos, com os tanques de combustível bem
Cheguei a comentar pelo celular com minha mul- abastecidos e ávidos pelas ofertas de consumo na
her que estava com a impressão de que as cabines capital. No céu claro da tarde, as longas filas de
para vôos internacionais estavam ficando cada cinema na região do Opera iriam povoar as calça-
vez mais apertadas. Ao meu lado um jovem das, enchendo-as de conversas e risos.
engenheiro da Embraer me explicava com orgulho
a missão de sua viagem: fazer a última inspeção Aqui e ali, entre banners e painéis que divulgam
técnica para a compra dos caças franceses Rafale. uma programação cultural prodigiosa, um raro
Uma mudança de planos chegou para ele na vé- Em Paris, numa manhã de domingo, turistas cartaz lembrava da greve. Nas bancas de revista,
spera, não ia mais passar por Paris em virtude do viram monumentos, não a confusão por contra, o agito das manchetes era grande: a
suposto caos instaurado com a greve. estampada nas manchetes dos jornais confusão estava na mídia, não estava nas ruas.
Por Thiago Cervan
cervan.blogspot.com
Política X religião:
“a César o que é de César, a Deus o que é de Deus”
Por Luís Brandino

O grande pensador florentino Niccolò no relógio do tempo, nos depararemos com


Machiavelli nos ensinou em Comentári- movimento reacionário que gerou consequências
os sobre a primeira década de Tito Lívio muito maiores. Em 1964, um padre irlandês –
(“Discorsi”) que as calúnias são perniciosas às Patrick Peyton – liderou e fundou uma entidade
repúblicas. “(...) A calúnia deve ser detestada chamada “Movimento da Cruzada do Rosário
nas cidades que vivem sob o império da liber- pela Família”. Este movimento foi o embrião da
dade (…) É preciso atentar para o fato de que a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”,
calúnia dispensa testemunhos e provas: qual- que precipitou a derrubada do presidente João
quer um pode ser caluniado por qualquer um”. Goulart pelo golpe militar.
Na recente eleição presidencial, a democracia Ao apostar no voto e na influência dos setores
e o republicanismo foram afrontados. A calúnia, mais conservadores da Igreja Católica Romana e
a difamação e a mentira deram o tom da cam- entre as denominações evangélicas, o candidato
panha política, em detrimento de uma discussão Serra foi longe demais. Num cartão entregue a
mais clara sobre os planos de construção de um professores “convocados” pela Secretaria da Edu-
futuro para o País. Pelas redes sociais, assistimos cação para um evento com o candidato tucano,
a uma disseminação, quase sem precedentes, de durante a campanha para o segundo turno, Serra
barbaridades – o que é pior, muito do que foi escreveu no verso: “Jesus é a verdade e a justiça”.
dito sem provas e testemunhas encontrou eco Desde a Proclamação da República o Estado é
na chamada grande imprensa. Chegamos ao laico – mas non troppo, em alguns momentos. A
cúmulo de transformarmos a eleição num plebi- Constituição de 1988 estabeleceu um Estado em
scito sobre a liberalização ou não do aborto – e que as liberdades de crença e culto, contudo o
mais uma vez com os meios de comunicação Estado laico ainda é uma meta a ser perseguida
servindo de correia de transmissão. pelo Direito brasileiro, como lembrou Túlio Vi-
A campanha do tucano José Serra apostou no ana, em artigo para a revista Fórum (edição 92,
terrorismo da boataria, explorando – com com- p. 21). É preciso que nós, eleitores, aprendamos
petência, é preciso dizer – a ignorância e os me- a máxima: a César o que é de César, a Deus o
dos de uma boa parcela do eleitorado. Collor que é de Deus. A política é mundana, não está,
de Mello utilizou-se deste mesmo expediente portanto, nas esferas da fé. Urge separamos as
contra o Lula, nas eleições de 1989. duas coisas.
Os “colloridos” à época diziam que Lula iria “im-
plantar o comunismo”, tomar a casa das pes- A grande arma contra a calúnia é a educação e
soas, as galinhas, os patos, os porcos, os carros. a informação isenta e de boa qualidade. Tenho
Deu no que deu. Se voltarmos 46 anos dito!
´
Historia ´
de Indios
que a imprensa nos conta
Por Ana Melo e Souza

Foto: Divulgação/Birdwatchers
Cena do filme
“Birdwatchers”,
de Marco Beccis,
produzido na cidade
de Dourados - MS
E m tempos de discussão sobre
demarcação de territórios
indígenas e conflitos entre índios e
confinamento dessas populações,
foi comandada a partir de 1915 pelo
Serviço de Proteção aos Índios (SPI).
determinar avanços ou retrocessos no
processo de reconhecimento étnico
esclarecida ao leitor a fim de evitar
opiniões equivocadas sobre a questão.
desses povos e no aperfeiçoamento Para os não-índios terra é propriedade,
fazendeiros, temas freqüentes na mídia Com a implantação das fazendas de democrático da sociedade. Sobre isso, meio de produção, lucro e poder. Já
televisiva e impressa de todo o país, gado e das colônias agrícolas, a par- destaco duas questões que merecem para os índios, os sentidos de terra
vale a pena refletir sobre a história tir da década de 1940, quando o ser esclarecidas e que freqüente- e cultura são indissociáveis. O lugar
que os noticiários nos contam. Acos- governo Vargas decidiu ocupas as mente são desconsideradas: Uma de- vivido ou espaço vital, tekoha na lín-
tumada ao convívio com a mídia sul- “terras vazias”, dezenas de aldeias las é a generalização dos indígenas. O gua guarani, está intimamente ligado
mato-grossense, durante os anos em foram abandonadas e incorporadas. “índio” não existe. O que existem são às raízes dos valores e da identi-
que morei na região, constatei que a Mas muitos não aceitaram ir para os Guarani Kaiowá, M’biá e Nandéva, dade de seu povo. Assim, se uma etnia
própria história da imprensa naquele as reservas e fugiram, passando, os Terena, os Xavante, os Pankararú perde seu território, perde também
Estado está entrelaçada com a história nas décadas seguintes, a requerer etc, cada um desses povos com traços as possibilidades de sobrevivência do
de seu desenvolvimento e formação a posse de seus territórios tradicio- e culturas diversos. O termo “índio”, grupo, pois o território é o lugar sim-
de sua identidade coletiva, incluindo nais. As mudanças culturais vividas da forma como é utilizado, contribui bólico de sua convivência. Para não-
a história dos povos indígenas que já pelos povos Kaiowá e Nandéva ocu- para manter o estereótipo do ín- índios terra tem preço, para índios
habitavam aquelas terras quando, em param as páginas dos jornais desde dio xinguano, moreno, cabelo liso não, pois território não é algo que se
1882, o go-verno brasileiro passou a então, destacando-se os casos de e olhos amendoados, uma imagem possui nos termos do capitalismo. No
arrendá-las, e hoje se concentram em violência, alcoolismo e suicídios que propagada em livros didáticos e Mato Grosso do Sul, enquanto algu-
reservas, alguns em aldeias, outros às se tornaram freqüentes nas reservas. na imprensa, que, além de não cor- mas lideranças políticas ouvidas nas
margens das rodovias. Atualmente, a cobertura da imprensa responder à realidade, faz crescer o reportagens defendem o modelo de
Grande parcela da população sul- passou a enfocar a perícia que está preconceito e a discriminação. desenvolvimento capitalista que sus-
mato-grossense têm nos jornais da sendo realizada por antropólogos e tenta o agronegócio, outras fontes
região sua principal fonte de in- arqueólogos sobre os territórios re- Outra questão relevante é o conceito comprometidas com os direitos dos
formação. Desta forma, o trabalho queridos pelos indígenas. de territorialidade constantemente povos indígenas têm sido deixadas de
dos jornalistas contribui para uma Mas como esses jornais têm retratado propagado pela imprensa, que leva o lado na maioria das matérias veicula-
cons-trução da realidade e uma o processo histórico que levou às dis- leitor a acreditar que a terra requeri- das pela imprensa.
imagem sobre os índios Guarani putas atuais? De que forma as infor- da pelos índios é a mesma terra pelas Tais dados apontam que há redes de
Kaiowá e Nandéva, que constituem mações transmitidas aos leitores têm quais brigam os fazendeiros. Isto é um significados envolvendo a problemática
a maior população indígena do MS. contribuído para uma compreensão do erro. Se, do ponto de vista geográfico das terras indígenas que vão além do
São 47 mil índios dessas etnias, contexto de tais disputas? É importante as áreas são as mesmas, do ponto de trabalho de investigação empregado
muitos deles lutando pela recupe- destacar que a maneira como essas vista cultural os valores atribuídos a pelos jornalistas, que deixam de lado
ração dos antigos territórios. informações chegam ao leitor contribui elas por índios e não-índios diferem informações sobre aspectos culturais
A criação de reservas indígenas, para a formação de representações em vários aspectos, envolvendo uma que seriam essenciais para uma me-
iniciando o processo sistemático sociais sobre os indígenas, podendo cosmologia que necessita ser lhor compreensão do tema.
Ela Veste: Blusinha
Smack, Calça Jeans
Ecko Red, Top Ecko Red

Ele Veste: Polo Ecko


Unted, Calça Jeans Diablo
Ela veste: Blusinha
Smack, Saia Cintura
Alta Smack, Sandália
Pulo do Gato
Ele Veste: Camiseta
New Era, Bermuda
Venom e Tênis Clean
Ela Veste: Macaquinho
Everlast, Tênis Mad
Ratts

Ele Veste: Camiseta


775, Bermuda Blunt,
Tênis Mad Ratts
O enterro do
determinismo?
Como explicar que o leitor insista em não ser conduzido pelos meios de comunicação?
O que ele tem de errado? Será que não leu as teorias de comunicação?
Pois é, desculpem o chavão, mas também aqui, Freud explica.

Por Fábio Sanchez

A s eleições presidenciais de 2010 legaram uma


herança pedregosa aos pesquisadores
brasileiro e odiado pela maioria dos jornais, revistas e
emissoras de rádio e TV do país, que o determinismo
dos meios de comunicação, sua capacidade de conduzir
do jornalismo. A vontade de eleger um candidato, majori-
tário na preferência dos meios de comunicação, levou-os a agenda e as opiniões dos leitores e telespectadores,
a publicar informações patentemente falsas, cabalmente assim como o utilitarismo do qual eles seriam in-
desmentidas pelos fatos, às vezes no mesmo dia da strumentos, o controle das elites tradicionais sobre
publicação. Entre os fenômenos que se pode depurar as massas também tradicionais, tudo isso que já está
desse cenário há um funeral a ser cumprido finalmente sendo revisto pela academia, precisa ser urgentemente
com pompa e circunstância, para o qual ainda precisam trancado nas páginas da história dos conceitos semi-
ser convidados alguns resistentes partidários das teorias ultrapassados.
mais tradicionais da comunicação: o funeral do determin- Digo “semi-ultrapassados” porque um dos fenômenos
ismo defunto. Ou pelo menos do determinismo como con- a ser estudado é o envolvimento militante de um pú-
hecemos. Ficou evidente no paradoxo que é o presidente blico geralmente apático à política, de fato levado à
Luís Inácio Lula da Silva, amado por mais de 80% do povo militância pelos meios de comunicação. Vizinhos,
familiares e amigos com os quais eu a adoção cada vez mais intensa de cor- agenda setting , ao se despojarem de a emergência dos estudos de recepção
nunca havia discutido política, me rentes como a chamada de “Usos e Gra- seu acento condutivista e se torna- no Brasil, novas tendências surgiram
mandaram em 2010 e-mails criticando tificações”, empenhada em entender rem mais qualitativas, conduzem a um de modo a provocar a superação das
a candidata governista por conta do quais são as satisfações dos usuários das avanço em direção a uma visão cogni- teorias funcionalistas sobre recepção
horror que estava o país. Eles ignor- informações. As teorias deterministas, tivista e construtivista da represen- já nos anos 70, quando começam a
aram os fatos da macroeconomia e do como a do agenda setting, foram relativ- tação política, da qual são oriundas. ser estudadas novas tendências como
contexto analítico de estatísticas sérias izadas pela noção de que a influência Está sendo estabelecida o que parece o pós-estruturalismo, a neo-etnografia
e se informaram em veículos que esco- da mídia, como “mestre de cerimônias” ser uma nova sociologia dos meios, mais e outras que trocam o empirismo pela
lheram ver um país horroroso, cor- da pauta, é limitada, por causa da sele- atenta aos aspectos constitutivos da abordagem interpretativista. Os procedi-
rupto, loteado por políticos inescru- tividade dos receptores; não é direta, pluralização promovida pela comunica- mentos metodológicos para se avaliar
pulosos, mal conduzido, na iminência porque há intermediários; e não é ime- ção e que supera a visão que a abordava o processo começam a apresentar no-
de eleger uma seqüestradora, e resolv- diata, porque o processo de influência como função ou ideal a ser alcançado vas circunstâncias e atores que revo-
eram militar contra esse cenário que requer tempo. Algumas correntes de pensamento lucionam a teoria da recepção. Surge
lhes era exposto. Minha vizinha, neo- É uma revisão perigosa e pode compro- anteciparam-se ao jornalismo nesse no cenário a força dos grupos sociais,
militante política, e creio que repre- meter alguns paradigmas caros aos co- debate e vêm trazendo o que considera- descobrem-se os líderes de opinião e
sentante ideal dessa nova militância municadores em geral. Como lembram mos bom conteúdo para esta proposta a interdependência de variáveis soci-
não se conformava. “Como é posível? Armand e Michele Mattelard, em seu desde os anos 60. Os estudos feministas ológicas, a exposição seletiva à mensa-
Será que as pessoas não estão vendo?”. História das Teorias da Comunicação, a de Janice Radway (1983 e 1985) e David gem e o fluxo da informação em duas
Cabe mesmo perguntar: o que a grande valorização do receptor, com a conse- Morley (1986), sobre visões diferentes etapas, com o surgimento de um a pos-
maioria da população viu nestas qüente relativização do poder dos em- dos membros da família na audiência teriori que antes era desconsiderado no
eleições? issores, principalmente nos ambientes à TV, ou sobre a leitura de romances cenário. Teorias bem mais recentes ofe-
Cabe considerar aqui a aplicação das da publicidade e da indústria cultural, é femininos, destacam os relacionamen- recem abordagens muito interessantes
mais recentes teorias de recepção, as impactante pois, por exemplo, “para que tos de poder entre os sexos e como isso nesses novos jeitos de ver o contexto.
que seguem rumo à investigação do se preocupar com o comércio desigual interfere na recepção das informações. Um exemplo é o do “efeito terceira pes-
perfil subjetivo do receptor, inves- dos programas de televisão ou de filmes A teoria literária, bem antes do jor- soa”, que está sendo descoberto por
tigando com tais ferramentas esse no mercado internacional do audiovi- nalismo, também tem produzido farto um número cada vez maior de pes-
ethos idiossincrático e complexo. sual, se o poder do sentido encontra-se material do interesse desse projeto. No quisadores. Destaca esta teoria que um
O funcionalismo com que se via até nas mãos do consumidor?” Além disso, que se refere especificamente às teorias leitor de notícias sempre pensa que os
a década de 70 o relacionamento do vendo-se forçadas a se remodelarem, de recepção no jornalismo, como indica outros são mais influenciáveis do que
consumidor de notícias com a mídia teorias como as de Nilda Jacks em seu Meios e Audiências – ele, quando é uma notícia de má
influência (que estimularia o consumo sobre a identificação e o pensamento reificado, humano, tão próximo? Vladmir Safatle, no ensaio Depois da
de bebidas ou o fumo, por exemplo), coletivo com grande intercalação com o culpabilidade: figuras do supereu na
ou que ele é sempre mais influen- subjetivismo individual. Fala da iden- Tome-se por exemplo um esquema sociedade de consumo, que é um dos
ciável do que os outros, quando se tificação do grupo com o líder e que pensado pelo próprio Freud quanto às capítulos do livro Zizek crítico – Política
trata de uma boa influência (que le- esta identificação pode ser patológica. possibilidade de identificação. Segundo e psicanálise nas Era do Multicultura-
varia o leitor a preservar a natureza, Fala do que chama de “solidariedade ele, um ser humano pode identificar-se lismo.
por exemplo). Que tipo de processo social”, uma identificação com quem com uma pessoa de três formas: que-
se dá na cabeça do leitor para que ele está próximo, e também fala da for- rendo tomá-la como objeto sexual (no As grandes mudanças tecnológicas
ache sempre que vai reagir às notícias mação de estruturas psíquicas (como sentido freudiano, isso não significa dos últimos anos, como por exem-
de forma melhor do que os demais a do superego) a partir de matrizes apenas sexo genital, mas todo um cír- plo a diversidade trazida pela inter-
leitores? consolidadas pelos pais. Considera que culo de relações vitais); querendo net e, ainda mais, a relativização
“o homem é veículo mortal de um tipo tomar o objeto sexual que pertence a trazida pela TV a cabo da experiên-
Aqui também: Freud explica de germoplasma, de algo que veio de essa pessoa (para poder amar a esposa cia coletiva de assistir à televisão
outro e será deixado para outros”. Uma de alguém, por exemplo); ou ainda (com a TV por assinatura, passa a
Na busca por novos instrumentos que estrutura conceitual que abraçaria, querendo sentir o que a outra pes- ser uma experiência mais individual
possam ser prismados com as teorias por exemplo, o que Nelson Rodrigues soa sente (num exemplo citado pelo e solitária, além de em certa medida
de recepção e ampliá-las, estão entre chamou de “complexo de vira-latas” do próprio Freud, chorar junto com uma libertadora), trazem a necessidade de
os que podem dar boa contribuição brasileiro médio. amiga que recebeu uma carta triste de se pensar o jornalismo nesses novos
a psicanálise e o freudismo como um algum amor secreto, não por solidarie- contextos. A reflexão dele por meio
todo, que há um século estuda a re- Para Freud e para a psicanálise pós- dade, mas porque também gostaria de da teoria da recepção nos dá ainda a
cepção da informação. freudiana, este conjunto de estruturas ter um amor secreto para poder chorar possibilidade de ingressar de modo
mentais, quando mediadas pela iden- por ele). Um sistema que poderia servir mais vertical num ambiente que
Freud já apontava, em 1908, a catarse tificação, é determinante no relacio- à análise da recepção de notícias, se parece determinar e se realizar com
causada pela leitura das fantasias dos namento com o ambiente e na maneira devidamente estudado. a ampliação do individualismo, e por-
escritores, que proporciona a expia- como as informações são interpretadas. tanto do subjetivismo.
ção das fantasias próprias do leitor. Isso compõe um acervo conceitual que Alguns autores se dedicaram a estudar
Ele mesmo desenvolveu essa idéia pode gerar campos alternativos de especificamente o processo de recep- Os instrumentos teóricos que se pode
em duas vertentes, uma na constante pesquisa nos estudos da recepção. ção das informações por meio da psi- utilizar para compreender esse contexto
interpretação do aparelho psíquico de canálise, embora não tenham investido permitem agir no interlocução entre a
cada indivíduo, e outra na análise dos Os jornais criticam o governo Lula, mas especificamente no jornalismo, mas moderna teoria da recepção e as inter-
aspectos referentes à psicologia cole- o presidente aparece carregando uma sim em ambientes como o da indústria pretações mais recentes realizadas no
tiva. Em “Totem e Tabu” (1912) e em geladeira de isopor, coisa que o leitor cultural (como fez Slavoj Zizek em Lac- ambiente psi sobre recepção de infor-
“Psicologia das Massas e Análise do também faz. O que pesa mais? A crítica rimae Rerum – Ensaios Sobre Cinema mações, e mostram que essa relação
Eu” (1921), Freud desenvolve reflexões do jornal ou a identificação com um líder Moderno, e o da publicidade, como fez multidisciplinar é necessária.
n d i n g a
Ma e u i r até a e
n c r u z ilhada

e J e s us r to e resolv parado s air de


a d á c e p re s d e
a r c e lino Li
m
q u e nada d m despacho pois, já ante
Por M a q u e les em averia algu ais fortes, lhe das t ravava,
d h m - ó
E
d i a ã o d a s o u ro s
ra um rificar se lá n deveria ser ítimo, escap alho, o mic costuma
e g b ,
para v a mandinga , francês e le moço, no tra intas-feiras ozido na
h o u v esse p e r f u me t e s d o al n te à s qu a : o j i ló, c s, pegou
se ro de nheiro! An ah, justam e d’águ ressa
, o v i d a , a g o t a o à s p
casa u - se no b diente, que da refeição, s engolir tud e caótico etro
p a ti f o x p e ra p ó s d r m ô m
es e o
ndo o puxado. À h a. Decidido, 3 quilômetr m enorme t ançar
a o e
a r r a
am a mais a z edar iu contra 1 cado em u to para alc -
i n d s a ,
ser a p e l a espo i r e s g rim fe j o , indi v a resolu as orienta
r a ra b a s ta
véspe óvel. Só pa ao mínimo nco. Mas e forme rezam sos-
m o a n ,
o auto s, sem direit aganda de b squerda (co ó e, depois Ainda
u p e b s. as,
31 gra ue fazia pro a bicuda de o maldito e orrinhaçõe a placa “Obr mas
q ó p ,
digital za, lá dar um hutar sem d rpresas ou a arou-se com e de alguém o
u c u p ã n
a encr acumbas), dável, sem s tretanto, de irigidos à m cruzilhada, a
m a n d n d
contra de mais agr etendido, e érios, agora , enfim, a e dele dentro va
r r p o o ta
uma ta ar ao local p nhiu impro é. Alcançand elha, a fot na arreben
g ru p rm ig
de che ”. De novo g rosseguiu a ta, velha ve orrente mal
! p e c . la já
desvio li mesmo e e galinha pr de qualquer , benzeu-se à sombra de
a d u
parou ou: ao invés u sortilégios os para o cé em se aliviar só não fez
t o ã e
consta da do sapo, Ergueu as m pensou até ômago, o qu
m a r ra ê r o s a ! r vo re e n o e s t m e n tando
a um ip amente a á pesava-lhe isse la eriam
fl o r d a s e g u
em
o u d e mora l mastigada d o , e mbor ue o proteg pois ao
bei j i d am a
e re sia. o , a livi a
b o n éq h o ra de
co m a h a r r l e e i a ada
que a ue seria um volta até o c los contra so . Chegou m Deus por n
q e u ro a
julgou caminho d o veiculo óc de novemb dava graças elicidade,
o d s f
Pegou ado dentro l de começo m sede, ma ar a própria a assobi-
ix a o t ri sa, o
ter de calor infern o de suor, c Para aumen ltar à vaca f no parabri o
le d . o o d
daque vel, empapa ncruzilhada rtida para v , repousand er estaciona a
ó e a u t n
autom ontra ele na nte. Deu a p sequer noto ilitação por ra do carro
c e e b a
existir r, olimpicam am a bordo rteira de ha irritado, ape
a v a ,
de mij os que toca pontos na c ido, quando
h o b
chorin marelo, cinc m local proi
a e
papel oadamente
h
atabal d esvio.
d o
altura
Foto: Lynett
2010:
Uma nova odissEia no espaço
Por Hemerson Brandão

Concepção artística do planeta Gliese 581c, possivelmente o primeiro planeta habitável encontrado na história
Jatos de água e gelo em Encelado indicam a presença de um mar subterrâneo

E m “2001 – Uma odisseia no espa- maior. Pieter van Dokkum da Univer-

Foto: NASA-JPL-Space Science Institute


ço”, clássico da ficção científica sidade de Yale, anunciou no início de
de Stanley Kubrick e Arthur C. Clarke, dezembro um estudo mostrando que
vemos a humanidade dando seus a população de estrelas pequenas e
primeiros passos na busca pelo contato de luz fracas em galáxias, conheci-
com formas de vida extraterrestres. das como anãs vermelhas, pode ser
Mais de quarenta anos se passaram maior do que se esperava. Por serem
desde o lançamento do filme, e ainda de fraco brilho essas estrelas eram
hoje continuamos a engatinhar nessa difíceis de serem observadas, mas
procura por nossos irmãos das estrelas. novas observações do Observatório
Ainda tecnologicamente e intelectu- Keck no Havaí mostraram que elas
almente longe de comprovar, ou não, estão lá fora e que o censo de estrelas
a existência de vida fora da Terra, precisará ser triplicado. A conta an-
a cada ano novas descobertas tem terior indicava que o Universo possuía
demonstrado que a vida pode ser algo em torno de 1 setilhão de estrelas
bastante comum no Universo. Em (o número 1 seguido de 24 zeros).
2010, ano que foram feitas impor- com esse material foram identificados A sonda já tinha encontrado gelo na Desse total de estrelas estima-se
tantes descobertas como a presença hidrocarbonetos, que somados com a superfície marciana em 2008. que cerca de 10% delas tenham
de água em lugares antes imaginados água em estado líquido no subsolo, se Até mesmo lugares que eram con- aparência similar ao Sol, e que ao re-
secos, e novos ambientes com possibi- tornam em ingredientes fundamentais siderados áridos, como a Lua e em dor delas poderiam existir trilhões de
lidade de abrigar a vida tem estimulado para o surgimento da vida. asteroides foram detectadas neste ano planetas parecidos com o nosso.
a imaginação de cientistas e do grande Titã, outra satélite de Saturno, onde a presença de água. Se seguirmos as leis probabilísticas, o
público na resposta da questão funda- já foram identificados elementos Universo hoje deve estar fervilhando de
mental: Estamos sós no Universo? químicos que poderiam sustentar Essas grandes descobertas se resumem formas de vida, em diferentes estágios.
A água é considerada um elemento formas de vida, revelou em junho a apenas à nossa vizinhança planetária, Descobertas tem mostrado que os
essencial para que a vida floresça. possuir também um oceano em estado mas 2010 também será marcado com ingredientes que formaram a vida na
Dessa forma, encontrá-la significa au- líquido, o que aumentou as esperanças novidades em lugares mais distantes. Terra estão espalhados por todo o
mentar as chances da existência de de astrônomos de que possam existir Com massa entre três e quatro vezes Universo, e pela quantidade de estrelas
seres vivos em outros lugares do Uni- seres vivos por lá. maior que a Terra, o planeta Gliese e planetas com ambientes propícios
verso. Marte também ganhou o noticiário em 581c, descoberto em 2010, é o pri- para vida, é muito improvável que a
Em fevereiro, a sonda Cassini, que setembro pela divulgação dos dados meiro planeta parecido com o nosso, vida não tenha surgido em pelo menos
orbita o planeta Saturno desde 2004, da sua atmosfera, obtido pela sonda descoberto fora do Sistema Solar, que mais um planeta além da Terra. É claro
reforçou as suspeitas que existe um Phoenix, que pousou no polo norte do possui condições de possuir água que a ciência não se sustenta apenas
mar subterrâneo sob a superfície do planeta. Análises dos gases do planeta em estado líquido em sua superfície, de leis da probabilidade, mas para
satélite Encelado. A sonda capturou vermelho indicaram que existiu água atmosfera e principalmente, elementos apimentar a questão fica uma frase do
imagens de vapor de água e partículas em estado líquido na sua superfície, químicos para ser habitado. famoso astrobiólogo estadunidense,
de gelo espirrar por rachaduras na em temperaturas próximas do con- Outra descoberta extra-solar é que Carl Sagan: “Se não existe vida fora da
superfície e que são projetados para gelamento, num passado próximo o Universo, que já era considera- Terra, então o Universo é um grande
o espaço a grandes altitudes. Junto e até mesmo em tempos modernos. do imenso, em 2010 ficou três vezes desperdício de espaço”.
Foto: NASA-JPL-Space Science Institute
Satélite Titã possui ambiente propício para o surgimento da vida
Foto: NASA-JPL
Concepção artística da superfície do satélite Titã, onde pode existir vida
Foto: NASA-JPL-JHUAPL
A busca por ingredientes para a visa se estende até mesmo aos asteróides. Na foto o asteróide Eros
Buenos Aires;
Um destino a ser visitado,
apesar da rivalidade
Por Luis Pires Varinha

José Francisco de San Martín y Matorras


N inguém sabe precisar onde nasceu
a rivalidade entre brasileiros e ar-
gentinos.
do que indica o estereótipo. E falam
muito mal do país e dos seus políticos,
assim como os brasileiros.
é uma das maiores do mundo).
Estima-se que a população atual
gire em torno de três milhões de
Só para se ter uma idéia, em restau-
rantes tradicionais da cidade é possível
degustar um menu com entrada, prato
Principalmente em Buenos Aires, habitantes, que sobe para dez mi- principal, vinho e sobremesa, por cerca
capital federal do país. Há indícios Buenos Aires, lhões se considerarmos a região de 70 pesos, convertidos em R$ 30.
de que ela venha de tempos colo- um pouco de sua história metropolitana. Uma verdadeira barbada gastronômi-
niais, quando portugueses disputa- ca! Assim como o samba é a expressão
vam palmo a palmo com os espanhóis Buenos Aires foi a primeira metrópole Uma cidade cultural típica do Rio de Janeiro, pelas
as terras do “Novo Mundo”. Desen- sul-americana. Em 1940 já ultrapas- que merece ser descoberta ruas de Buenos Aires se respira o tango,
volveu-se após a independência de sava a cifra de 2,5 milhões de habi- Buenos Aires é o destino argentino que nasceu na década de 1880 dentro
ambos, quando os dois países chega- tantes, contra 1,8 milhões do Rio de mais visitado pelos brasileiros. Trata-se dos prostíbulos localizados à beira do
ram a pelear na Guerra Cisplatina, Janeiro e 1,3 milhões de São Paulo, de uma cidade cosmopolita, que teve porto, em La Boca, evoluiu e atingiu
entre 1825 e 1828, pela posse da fato notável se levarmos em conta seu crescimento arquitetônico plane- a condição de arte, principalmente gra-
Província Cisplatina, região hoje ocu- que, na época, a população argentina jado. Com exceção das ruas do Centro ças a Carlos Gardel, o mito que o levou
pada pelo Uruguai. Na historiografia era um quinto da do Brasil. Histórico, as demais são largas, o que aos quatro cantos do mundo. É uma
argentina o conflito é denominado Foi fundada pela primeira vez em faz com que o trânsito, apesar de in- música triste, dramática, definida pelos
como Guerra do Brasil. E cresceu nos 1536 por Pedro Mendoza, para em tenso, seja muito menos caótico que portenhos como “sentimento que se
tempos modernos quando passou seguida ser destruída pelos índios, o de São Paulo. dança”.
para dentro dos campos de futebol. O que rechaçaram os espanhóis. Em
jogo entre os dois selecionados é con- 1580, porém, o reino da Espanha A boa conservação de seus prédios Buenos Aires é uma cidade eclética,
siderado um dos mais importantes do incumbiu ao soldado Juan de Ga- em estilo barroco e neoclássico, dá capaz de juntar a tradição dos shows
futebol mundial. Para se ter a idéia da ray a missão de reconstruir a ci- à cidade certo ar europeu, motivo de de tango de San Telmo à modernidade
tamanha rivalidade basta dizer que dade. Ele plantou uma árvore que orgulho para os bonaerenses. O clima dos restaurantes de Puerto Madero ou
em 114 partidas que disputou com a chamou de Justiça onde hoje se é agradável durante todo o ano, com às lojas de design de Palermo Soho. Ao
camisa do Brasil, Pelé sofreu apenas localiza a Plaza de Mayo (e a Casa temperatura média de 18ºC. De setem- mesmo tempo é um centro de com-
12 derrotas. Quatro delas foram con- Rosada, atual sede do governo bro a dezembro se registra a estação pras, principalmente na região da Calle
tra a Argentina. Nos anos 70, para federal), em volta da qual a cidade das chuvas, mas os dias ensolarados Florida, onde se localiza a Galeria Pací-
um time brasileiro, disputar uma se desenvolveu. compensam o risco de se visitar a ci- fico, uma das mais chiques do mundo.
partida da Copa Libertadores em solo Em seu primeiro recenseamento, em dade nesta época. As manhãs são
argentino era quase sinônimo de der- 1869, Buenos Aires contou 1,737 mi- frescas, com temperaturas que sobem É também a cidade dos grandes mu-
rota e pancadaria. lhões de habitantes. Entre 1857 e durante o dia, com acentuada queda seus, como o de Belas Artes ou o MAL-
1930 a cidade recebeu 6,3 milhões à noite. Ideal para explorar suas in- BA, que concentra obras dos princi-
Essa inimizade histórica gerou o es- de imigrantes, vindos de diversas par- úmeras atrações, dentre as quais as pais artistas das Américas. Ou ainda
tereótipo do argentino arrogante, tes do mundo, mas principalmente da dezenas de parques extremamente é a cidade dos inúmeros pubs, frutos
que domina o anedotário nacional. Itália. Relativamente foi a mais intensa arborizados, terminando a noite sab- da influência inglesa, ou das baladas
Mas quem se livrar deste preconceito e do Novo Mundo, o que demonstra a oreando um bom vinho, acompanhado “chiques” da Recoleta. Cosmopolita,
se aventurar a visitar terras argentinas, importância da imigração para o ecle- de um corte de carne, no qual os ar- surpreende a cada esquina e merece
certamente vai se surpreender. Os ar- tismo da cidade, onde convivem gentinos são insuperáveis. E tudo por ser descoberta. E o mais importante:
gentinos são muito mais cordiais do pessoas de diversas esferas sociais, cul- um preço baixo, já que nosso real está custa menos que uma viagem para
que se imagina, muito menos soberbos turais e religiosas (a comunidade judia supervalorizado em relação ao peso. nosso Nordeste.
A primeira linha do metrô de Buenos Aires (chamado de subterráneo, ou somente Subte) foi inaugurada em 1 de dezembro de 1913
Região Central: edificações antigas
Buenos Aires - Plaza San Martin
Obelisco da Av 9 de Julio , um dos símbolos da cidade
Fundado em 1858, o Tortoni é um dos cafés mais charmosos da capital argentina
Foto: Luis Pires Varinha
Instalação em homenagem à inauguração do Cemitério Argentino de Darwin, na ilha Soledad, a mais oriental das duas principais do arquipélago das Malvinas
Região Central de Buenos Aires
Foto: Luis Pires Varinha
Vista do Hotel onde o repórter se instalou na capital argentina: tradição e modernidade na Plaza del Congresso
Foto: Luis Pires Varinha
Umas das
réplicas da famosa
escultura
O Pensador de Rodin.
A original está em
Paris e a outra
cópia no Canadá
Deu na web em 2010
Por Osni Tadeu Dias Quebre o silêncio
O filme mais parece uma obra de terror.
YouTube O mais assustador é que não é ficção, mas
A empresa fez um site dedicado a re- trechos de depoimentos reais de vítimas
trospectiva 2010 em que agrupa os vídeos de tráfico de seres humanos sussurados em
mais executados durante o ano, além de várias línguas. A peça faz parte da campanha
um blog que tem por objetivo “ajudar” os Aja Agora da ONG Stop The Trafikk e é
usuários e captar a essência ou o “zeitgeist” uma denúncia ao tráfico nos EUA.
do ano que terminou. A criação é da agência Rabbit.
http://migre.me/33IWD
Vale a pena conferir.
Combustível barato
Zeitgeist 2010: Year in Review Com o Guia Postos – Mapa colaborativo dos
http://migre.me/33ILL preços e qualidades dos combustíveis no
YouTube Rewind 2010: Year in Review Brasil – você pesquisa o combustível barato
http://migre.me/33IPo mais próximo de sua casa. Experimente.
YouTube Trends: A Quick Overview http://migre.me/33IYt
http://migre.me/33IRZ
Experiência Multimídia
O site Reportagem 360º oferece um giro pela
HOME história de Cali, na Colômbia. Como sem-
Documentário lançado em 2009 e produzido pelo jornalista, fotó- pre, o design e informação de um modo
grafo e ambientalista francês Yann Arthus-Bertrand, HOME é in- muito bem arrojado. Não deixe de ver, vai sur-
teiramente composto de imagens aéreas de vários lugares da Terra, preender você. http://migre.me/33J07
mostrando a diversidade da vida no planeta e como a humanidade
está ameaçando o equilíbrio ecológico. O filme foi lançado simultanea- Quer saber quem produz o site?
mente ao redor do mundo nos cinemas, em DVD e no YouTube. Veja aqui http://migre.me/33J1U
IMPERDÍVEL. http://migre.me/33IUz