You are on page 1of 32

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO


FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA – FAETEC
UEZO – CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE

Ensaios Não Destrutivos

LÍQUIDOS PENETRANTES

Grupo: Anderson Gonçalves Hilario


Carlos Eduardo Garcia
Márcio Alves do Amaral
Rafael de Jesus Sá

Turma: 1200733A
Turno: Noite

1
Ensaios Não Destrutivos – END

Os Ensaios Não Destrutivos - END são ensaios realizados em


materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência
ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios
físicos definidos, sem alterar suas características físicas, químicas,
mecânicas ou dimensionais e sem interferir em seu uso posterior.

2
Tipos de Ensaios Não-Destrutivos

3
Termografia

A inspeção termográfica (Termografia) é uma técnica não destrutiva que


utiliza os raios infravermelhos, para medir temperaturas ou observar
padrões diferenciais de distribuição de temperatura, com o objetivo de
propiciar informações relativas à condição operacional de um componente,
equipamento ou processo. Em qualquer dos sistemas de manutenção
considerados, a termografia se apresenta como uma técnica de inspeção
extremamente útil, uma vez que permite: realizar medições sem contato
físico com a instalação (segurança); verificar equipamentos em pleno
funcionamento (sem interferência na produção); e inspecionar grandes
superfícies em pouco tempo (alto rendimento).

4
Análise de Vibrações

O ensaio para vibrações mecânicas, em muitas fábricas, é um método


indispensável na detecção prematura de anomalias de operação em
virtude de problemas, tais como falta de balanceamento das partes
rotativas, desalinhamento de juntas e rolamentos, excentricidade,
interferência, erosão localizada, abrasão, ressonância, folgas, etc..

5
Partículas Magnéticas

O ensaio por partículas magnéticas é


usado para detectar descontinuidades
superficiais e sub superficiais em
materiais ferromagnéticos. São
detectados defeitos tais como: trincas,
junta fria, inclusões, gota fria, dupla
laminação, falta de penetração,
dobramentos, segregações, etc.

6
Ultra-Som

Detecta descontinuidades internas em materiais, baseando-se no


fenômeno de reflexão de ondas acústicas quando encontram
obstáculos à sua propagação, dentro do material.

7
Estanqueidade

A necessidade de uma perfeita


estanqueidade em tanques ou
tubulações contendo substâncias
tóxicas que façam parte de
instalações de alto risco (área
química, nuclear, aeroespacial, etc.),
proporcionou utilização de novos
métodos capazes de detectar
possíveis vazamentos de gás ou
líquidos, a fim de obter uma efetiva
garantia de segurança e proteção
ambiental.

8
Ensaio Visual

A inspeção por meio do Ensaio Visual é uma das mais antigas


atividades nos setores industriais, e é o primeiro ensaio não
destrutivo aplicado em qualquer tipo de peça ou componente, e está
freqüentemente associado a outros ensaios de materiais.
9
Radiografia, Radioscopia e Gamagrafia

O método está baseado na mudança


de atenuação da radiação
eletromagnética (Raios-X ou Gama),
causada pela presença de
descontinuidades internas, quando a
radiação passar pelo material e deixar
sua imagem gravada em um filme,
sensor radiográfico ou em um
intensificador de imagem.

10
Emissão Acústica

O princípio do método é baseado na detecção de ondas acústicas


emitidas por um material em função de uma força ou deformação
aplicada nele. Caso este material tenha uma trinca,
descontinuidade ou defeito, a sua propagação irá provocar ondas
acústicas detectadas pelo sistema. 11
Correntes Parasitas

O campo magnético gerado por


uma sonda ou bobina alimentada
por corrente alternada produz
correntes induzidas (correntes
parasitas) na peça sendo
ensaiada. O fluxo destas correntes
depende das características do
metal.

12
Líquido Penetrante

O ensaio por Líquidos Penetrantes é considerado um dos melhores métodos


de teste para a detecção de descontinuidades superficiais de materiais
isentos de porosidade tais como: metais ferrosos e não ferrosos, alumínio,
ligas metálicas, cerâmicas, vidros, certos tipos de plásticos ou materiais
organo-sintéticos. Líquidos penetrantes também são utilizados para a
detecção de vazamentos em tubos, tanques, soldas e componentes.
13
Princípio Básico
O método consiste em fazer penetrar na abertura da descontinuidade
do material ensaiado um líquido.

a) Preparação da superfície - Limpeza inicial Antes de se iniciar o


ensaio, a superfície deve ser limpa e seca.

14
Princípio Básico

b) Aplicação do Penetrante: Consiste na aplicação de um líquido chamado


penetrante, geralmente de cor vermelha, de tal maneira que forme um filme sobre
a superfície e que por ação do fenômeno chamado capilaridade penetre na
descontinuidade

15
Princípio Básico

c) Remoção do excesso de penetrante - Consiste na remoção do excesso do


penetrante da superfície, através de produtos adequados , condizentes com o
tipo de líquido penetrante aplicado , devendo a superfície ficar isenta de
qualquer resíduo na superfície.

16
Princípio Básico

d) Revelação - Consiste na aplição de um filme uniforme de revelador sobre


a superfície. O revelador é usualmente um pó fino (talco) branco. Pode ser
aplicado seco ou em suspensão, em algum líquido.

17
Princípio Básico
e) Avaliação e Inspeção - Após a aplicação do revelador, as indicações
começam a serem observadas, através da mancha causada pela absorção do
penetrante contido nas aberturas, e que serão objetos de avaliação.

18
Princípio Básico

f) Limpeza pós ensaio - A última etapa, geralmente obrigatória, é a limpeza de


todos os resíduos de produtos, que podem prejudicar uma etapa posterior de
trabalho da peça (soldagem, usinagem, etc....).

19
Vantagens e Limitações

Vantagens

9Simplicidade
9Aprendizado simples

9Fácil interpretação dos resultados

9Fácil avaliação dos resultados

9Sem limitação para o tamanho das peças

20
Vantagens e Limitações

Limitações

9Só detecta descontinuidades abertas para a superfície

9A superfície do material não pode ser porosa ou absorvente

9A aplicação do penetrante deve ser feita numa determinada faixa de temperatura

9Limpeza completa para determinadas peças ensaiadas

21
Propriedades Físicas do Penetrante
9 Ter habilidade para rapidamente penetrar em aberturas finas;
9Ter habilidade de permanecer em aberturas relativamente grandes;
9Não evaporar ou secar rapidamente;
9Ser facilmente limpo da superfície onde for aplicado;
9Ter habilidade em espalhar-se nas superfícies, formando camadas finas;
9Ter um forte brilho (cor ou fluorescente);
9A cor ou a fluorescência deve permanecer quando exposto ao calor, luz ou luz negra;
9Não reagir com sua embalagem nem com o material a ser testado;
9Não ser facilmente inflamável;
9Ser estável quando estocado ou em uso;
9Não ser demasiadamente tóxico;
9Ter baixo custo.

22
Sensibilidade do Penetrante
Sensibilidade do penetrante é sua capacidade de detectar descontinuidades.
Podemos dizer que um penetrante é mais sensível que outro quando, para
aquelas descontinuidades em particular, o primeiro detecta melhor os defeitos
que o segundo. Os fatores que afetam a sensibilidade são:

9Capacidade de penetrar na descontinuidade


9Capacidade de ser removido da superfície, mas não do defeito
9Capacidade de ser absorvido pelo revelador
9Capacidade de ser visualizado quando absorvido pelo revelador

23
Identificação e Correção de Deficiências
do Ensaio:
Problemas de deficiência de técnicas de ensaio estão indicadas abaixo:

9Preparação inicial inadequada da peça


9Limpeza inicial inadequada
9Cobertura incompleta da peça com penetrante
9Remoção de excesso inadequada, causando mascaramento dos resultados
9Escorrimento do revelador
9Camada não uniforme do revelador
9Revelador não agitado devidamente
9Cobertura incompleta de revelador

24
Resumo da Seqüência do Ensaio

9Preparação inicial da Superfície conforme o procedimento;


9Tempo para Secagem dos produtos de Limpeza;
9Aplicação do penetrante conforme instruções do procedimento;
9Tempo de penetração, conforme requerido no procedimento;
9Remoção do Excesso de penetrante;
9Tempo para Secagem dos produtos de Limpeza;
9Aplicação do Revelador;
9Tempo de Avaliação das indicações;
9Laudo final e registro;
9Limpeza final, se requerido
25
Tipos e Aparências das Indicações por
Processo de Fabricação

a) Fundidos – Principais defeitos:

9Trincas de solidificação (rechupes)


9Porosidade
9Inclusão de areia na superfície
9 Bolhas de gás

26
Tipos e Aparências das Indicações por
Processo de Fabricação

b) Forjados – seus defeitos típicos são:

9Dobras ("lap")

9Rupturas ("tear")

9Fenda ("burst")

9Delaminação

27
Tipos e Aparências das Indicações por
Processo de Fabricação

c) Laminados - Os laminados apresentam: delaminações, defeitos superficiais,


como dobras de laminação, fenda, etc.

d) Roscados - Apresentam trincas

e) Materiais não metálicos

9Ex. Cerâmicos: trincas, porosidade

28
Tipos e Aparências das Indicações por
Processo de Fabricação

f) Soldas - podem apresentar os seguintes defeitos:

9Trincas superficiais
9Porosidade superficial
9Falta de penetração
9Mordeduras

29
1ª Demonstração do Ensaio

30
2ª Demonstração do Ensaio

31
OBRIGADO!

32