You are on page 1of 7

Fisiologia do Trabalho

• Bioenergética

• Aspectos cardiovasculares
Ergonomia 2007 • Medidas do custo energético do trabalho pelo
consumo de O2
• Correlação VO2 x FC
• Estimativa da carga de trabalho com base na FC
Módulo: Fisiologia do trabalho
• Metabolismo, lactato sanguíneo e fadiga

• Medidas e avaliação da aptidão


cardiorrespiratória

CONTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS SISTEMAS


PERCENTUAL DE RENDIMENTO ENERGÉTICO
DE ENERGIA

(McARDLE, 1998)
(McARDLE, 1998)

Fisiologia do Trabalho Coração

Sistema circulatório > 03 componentes • 02 átrios > câmaras


receptoras
• Bomba: Coração
• 02 ventrículos >
unidades de envio
• Sistema de canais: vasos sanguíneos
• É a principal bomba
de todo o sistema
• Meio líquido: sangue vascular

1
Sistema vascular Fisiologia do Trabalho

CORAÇÃO DIREITO

SANGUE PARA PULMÕES

CORAÇÃO ESQUERDO

SANGUE PARA O CORPO

Fisiologia do Trabalho Fisiologia do Trabalho

CORAÇÃO DIREITO CORAÇÃO ESQUERDO

SANGUE ARTERIAL
RETORNO VENOSO PELA CHEGA PELA VEIA
VEIA CAVA INFERIOR E SUPERIOR PULMONAR

CHEGA AO ÁTRIO DIREITO CHEGA AO ÁTRIO


ESQUERDO

PASSA PARA O VENTRÍCULO


DIREITO
PASSA PARA O
VENTRÍCULO ESQUERDO

SEGUE PELA
ARTÉRIA PULMONAR SEGUE PELA ARTÉRIA
AORTA

Miocárdio Controle intrínseco

• No músculo cardíaco as • Nodo sinoatrial (SA)


fibras são
anatomicamente
interconectadas; • Nodo atrioventricular

• Conectadas término- • Feixe atrioventricular


terminalmente pelos (His)
discos intercalares;
• Fibras de Purkinge
• O coração se contrai
como uma grande fibra.

2
Controle extrínseco Sistema cardiovascular

• Sistema nervoso parassimpático


( redução dos bpm) CORAÇÃO + TRAMA VASCULAR

• Sistema nervoso simpático (aumento dos


bpm) 1- Coração esquerdo (átrio,ventrículo,aorta)
2- Artérias (cerebrais)
3- Arteríolas ou capilares (pulmonares)
• Sistema endócrino (adrenalina e 4- Vênulas (hepáticas)
noradrelina) > aumento dos bpm > 5- Veias (renais)
situações de estresse 10-Coração direito (atrío,ventrículo e cava)

ADAPTAÇÃO CARDIOVASCULAR AO
DÉBITO CARDÍACO
EXERCÍCIO

-As duas principais alterações cardiovasculares que ocorrem durante o Débito cardíaco é definido como a quantidade de sangue
exercício são representadas pelo aumento do débito cardíaco e pela bombeada por minuto pelo coração, mais especificamente pelo
alteração da distribuição do fluxo sanguíneo, que se afasta de órgãos ventrículo esquerdo;
inativos dirigindo-se para os músculos esqueléticos ativos.
Durante o exercício o débito cardíaco pode aumentar em até 5 ou
6 vezes quando comparados aos valores de repouso (30L min);
-A redistribuição do fluxo sanguíneo durante o exercício implica
Atletas altamente treinados que se sobressaem em provas de
na vasoconstrição das arteríoloas que irrigam as áreas inativas do corpo
endurance muscular podem atingir valores de até 40 L min;
e a vasodilatação nos músculos ativos causado por aumento da
temperatura local e nos níveis de CO2 e redução do O2 no sangue.

DC= VE x FC

DÉBITO CARDÍACO DÉBITO CARDÍACO

FOX EL; BOWERS,R; FOSS,M. Bases Fisiológicas da Educação Física e dos FOX EL; BOWERS,R; FOSS,M. Bases Fisiológicas da Educação Física e dos
Desportos. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1991. Desportos. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1991.

3
Redistribuição de fluxo sanguíneo Redistribuição de fluxo sanguíneo

Aptidão cardiorespiratoria Aptidão Cardiorespiratória

Variáveis para avaliação e prescrição


• Resistência cardiorrespiratória é a capacidade
de todo o corpo sustentar o exercício
prolongado.
FC máx VO2 Máx Demanda
FC Res Energética
PSE
• Medida mais utilizada: VO2máx ou Potência
Aeróbia Máxima

• Vo2máx: maior taxa de consumo de oxigênio


Limiar de Limiar Economia de
que pode ser atingida durante o exercício
Lactato Ventilatório Movimento máximo exaustivo. (captação; transporte e
utilização por unidade de tempo)

Aptidão Cardiorespiratória Aptidão Cardiorespiratória

Captação de O2 Sist. Respiratório

Transporte O2 Sist. Cardiovascular

Consumo de O2 Metabolismo celular

4
Sistema de transporte de O2

• Funções compartilhadas pelo


sistema cardiovascular e
respiratório

Vo2 = VE x FC x a-vO2

(EQUAÇÃO DE FICK)

Médias Representativas dos Diferentes Grupos Masculinos (N= 3.662) Médias Representativas dos Diferentes Grupos Femininos (N= 1.065)
Cardiopatas (29) 27,32
Sedentários Obesos (200) 32,47
Sedentárias (347) 32,27

Sedentários (411) 37,3


Condicionadas (220) 40,47
Condicionados (550) 48,67
Basquete (32) 51,15 Tenistas (9) 46,36
Handebol (20) 51,41
Pilotos (87) 52,79 Volei (77) 48,39
Volei (29) 55,12
Futebolistas (76) 48,59
Tenistas (36) 56,52
Futebol Salão (38) 56,66 Corredoras (189) 49,76
Futebolistas (1232) 56,98
Corredores (660) 58,15 Basquete (73) 49,89
Judô (17) 59,62
Maratonistas (42) 53,23
Triatletas (84) 63,25
Elite Maratonistas (194) 67,58
Triatletas (20) 53,39
Ciclistas (44) 68,55

15 25 35 45 55 65 75 Ciclistas (12) 62,26


(ml/kg/min)
15 25 35 45 55 65
Barros, et al., (2001) (ml/kg/min) Barros, et al., (2001)

FC durante trabalho físico TAXA DE ESFORÇO PERCEBIDO (TEP), BORG (1982)

TAXA DE ESFORÇO PERCEBIDO (TEP) DE


BORG
6
% VO2máx % FCmáx 7 MUITO, MUITO LEVE
8
28 50 9 MUITO LEVE
10
42 60 11 LEVE
12
56 70 13 MODERADO
14
70 80 15 FORTE
16
83 90 17 MUITO FORTE
18
100 100 19 MUITO, MUITO FORTE
20

5
Classificação da intensidade do exercício
com 20 a 60 min de duração comparando FC durante trabalho físico
três métodos

Intensidade relativa (%)


• FC de repouso
. • FC média durante o trabalho
VO2max /
F.C.máx F.C res. T.E.P Classificação • FC de trabalho (FC média trabalho – FC
de repouso)
< 35% < 30% <9 Muito Leve
• Soma dos pulsos de recuperação (final
35-59% 30-49% 10-11 Leve
do trabalho até atingir valores de
60-79% 50-74% 12-13 Moderado repouso). Obs: posição do corpo
80-89% 75-84% 14-16 Intenso
≥ 90% ≥ 85% > 16 Muito intenso
Adaptado de Pollock and Wilmore (1990).

Sobrecarga de Trabalho estimada FC durante trabalho físico

Carga de Consumo Ventilação Temperatu- Freqüência


trabalho de O2 pulmonar ra retal (0C) cardíaca
(L/min) (L/min) • FC de repouso
Muito leve 0,25 – 0,30 6-7 37,5 60 – 70 • FC média durante o trabalho
Baixa 0,50 -1,00 11-20 37,5 75 – 100 • FC de trabalho (FC média trabalho – FC
Regular 1,00 – 1,50 20-31 37,5 – 38 100 – 125 de repouso)
• Soma dos pulsos de recuperação (final
Alta 1,50 – 2,00 31-43 38 – 38,5 125 – 150
do trabalho até atingir valores de
Muito alta 2,00 – 2,50 43-56 38,5 – 39 150 – 175 repouso). Obs: posição do corpo
Extrema- 2,50 – 4,00 60-100 Acima 39 Acima de
mente alta 175

Limites aceitáveis de carga Limites aceitáveis de carga

• FC não deve aumentar continuamente • Grandjean (1998) propõe:


e que a FC d repouso retorne aos
valores de repouso (15 min). Steady State. • Homens: FC de trabalho 35 bpm
• Esta carga é chamada de carga limite
de trabalho para uma jornada de 8 • Mulheres: FC de trabalho 30 bpm
horas.
• OBS: FC repouso deve ser mensurada
Karrasch e Müller (Grandjean, 1998) na posição sentada.

6
Fisiologia do Trabalho Fisiologia do Trabalho

Fisiologia do Trabalho Limiar de lactato


• O limiar de lactato é o ponto
no qual o lactato sanguíneo
começa a se acumular acima
da concentração de repouso.

• Acúmulo de lactato
sanguíeno é um valor padrão
estabelecido em 2,0 ou 4,0
mmol
• Wilmore & Costill, 2001

Limiar de Lactato

• Início do acúmulo de
lactato sangüíneo,
quando a intensidade do
exercício ultrapassa a 50
a 60% do VO2 max em
indivíduos não treinados
e 70 a 80% do VO2 max.
em indivíduos treinados
em endurance. Wilmore &
Costill, 2001