You are on page 1of 29

Relação dos Projetos de Geração de Trabalho e Renda para

Campanha de arrecadação de recursos – MUNDO CAIXA


1 Mato Grosso 13 Roraima

2 Pernambuco 14 Goiás

3 Rio Grande do Sul 15 Santa Catarina

4 Maranhão 16 São Paulo

5 Tocantins 17 Rio Grande do Norte

6 Paraná 18 Bahia

7 Piauí 19 Pará

8 Rondônia 20 Sergipe

9 Espírito Santo 21 Alagoas

10 Mato Grosso do Sul 22 Distrito Federal

11 Minas Gerais 23 Rio de Janeiro

12 Ceará 24 Paraíba
3Voltar ao índice

1 MATO GROSSO

Nome do projeto: CAMINHOS E ENTRELINHAS

O Projeto Caminhos Entrelinhas incentiva a prática do artesanato como alternativa de geração de renda,
troca de experiências, lazer, integração, autovalorização. O grupo Artes e Artesanato Arara Azul, do bairro 1º de
Março é excelente exemplo a ser seguido. Ele se reúne às terças-feiras para a prática de crochê, arte em meia,
pintura, bordado, bijuteria etc., produzindo lindas peças que são comercializadas na feira do bairro.

O projeto também conta com a parceria da Caixa Econômica Federal e da Secretaria de Justiça e Segurança
Pública do Estado do Mato Grosso. As atividades tiveram início no dia 18 de janeiro de 2010 quando atendeu
moradores dos bairros Dom Aquino, Tijucal, Jd Ubirajara, Pedra 90, Altos da Boa Vista, Ribeirão do Lipa, 1º de
Março, Jardim dos Ypês, Despraiado e os Prestadores de Serviço/ CAIXA.

Curso de Arte em Meia – é a técnica de esticar meias de seda, buclê em aros de arame, pedaços ou
bolinhas de isopor, papelão e outros acessórios, a fim de dar forma a enfeites firmes e delicados, usados em
decoração de ambientes e festas. Podem ser feitos arranjos de flores, bonecas, bijuterias, adornos de mesas,
brindes diversos etc. As pessoas aprendem rapidamente, o resultado é um sucesso.
Bairros: Jardim dos Ypês, Dom Aquino, 15hs/aula cada curso.

Curso de Tapetes em Malha – quem deseja aprender a decorar sua casa com um jeito diferente e moderno
tem ótima opção com a técnica amarradinho-retalhos. Os retalhos são de vários tipos de tecidos, microfibra,
two-way e malha.
Bairros: Pedra 90, Dom Aquino, Tijucal e prestadores de serviço/CAIXA, 15hs/aula cada curso.

Curso de Boneca em Lã – o problema do lixo é preocupante. Recicle tudo que for possível. Ajude a natureza
a se recompor fazendo lindas bonecas, palhaços com frasco de iogurte e tampinhas de PET ((polipropileno) que
são utilizadas como brinquedo, ornamentação e brindes de festas infantis. As crianças e a natureza agradecem.
Bairros: Dom Aquino, Tijucal, Jardim Ubirajara e prestadores de serviço/CAIXA 15hs/aula cada curso.

Curso Bolsas Ecológicas – é possível reaproveitar as sacolas plásticas do supermercado para fazer bolsas,
outros tipos de sacolas, sandálias e muito mais usando a técnica de crochê. A partir das sacolas plásticas
cortadas em tiras, você pode tecê-las com pontos de crochê e deixá-la da forma desejada. Dessa forma, você
poderá fazer a própria bolsa, sacola e, ainda, gerar sua renda.

Caixa de Presente – sofistique e valorize seu presente confeccionando caixas de presente que fazem a
diferença. Além de ser um charme, você poderá aproveitá-las para guardar o que desejar.
Bairros: Despraiado. Curso profissionalizante para prestadores de serviço CAIXA.

Curso de Almofadas em Capitonê – para 14 prestadores de serviço/CAIXA.


O ponto capitonê é uma arte bastante antiga e consiste na técnica de unir os pontos em ângulos, qualquer
tecido pode ser utilizado em sua confecção. Com essa técnica, pode-se fazer almofadas, colchas etc.
O curso foi muito bom e os participantes ficaram bastante animados em aprender um ofício, pois com o
aprendizado eles poderão ter uma alternativa para o complemento da renda mensal.
   

 
 

   
3Voltar ao índice

2 PERNAMBUCO

Nome do projeto: PADARIA ESCOLA

A Padaria Escola apoia a atividade produtiva da padaria na comunidade da Vila Mutirão, situada no município de
Buíque, interior de Pernambuco, com melhoria da unidade produtiva e capacitação de jovens em panificação e
pastelaria.

Os jovens ingressos serão formados para atuar como padeiros, pasteleiros ou ajudantes de padeiros. Eles
também serão habilitados como agentes multiplicadores. Cerca de 100 jovens serão capacitados por ano,
e a produção será de 3.000 pães por dia. Os pãezinhos, além de incrementar a economia local, ajudam a
comunidade e, ainda, são comercializados a preço reduzido.
O projeto busca constantemente a manutenção e a ampliação, visando à total sustentabilidade.

PARCEIROS

Amavim – Associação de Moradores e dos Amigos da Vila Mutirão

AD Diper – Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco


Caixa Econômica Federal

ONG Moradia e Cidadania PE

Sesi – Serviço Social da Indústria

 
3Voltar ao índice

3 RIO GRANDE DO SUL

Nome do projeto: CASA BRASIL

O projeto Casa Brasil – unidade Porto Alegre, inaugurado em novembro de 2007, situado à Rua Voluntários da
Pátria nº 2.552 – está presente na vida da comunidade e nos bairros vizinhos também.

A Casa tem como missão promover a cidadania para a população socialmente excluída, por meio da promoção
do conhecimento, da educação, do desenvolvimento humano e da geração de trabalho e renda, a partir de três
pilares filosóficos que permeiam todas as suas atividades: conhecimento técnico, desenvolvimento humano e
construção social.

Estão em funcionamento os Módulos Telecentro, Oficina de Metarreciclagem (recuperação de


microcomputadores), Sala de Leitura, Sala Multiuso e Área Administrativa. O Estúdio Multimídia está em
fase final de implementação onde faltam apenas os Módulos de Economia Solidária, Auditório e Serviço
Socioeducativo.

O projeto atende hoje aproximadamente 830 pessoas/mês entre crianças, jovens e adultos, residentes no Bairro
Marcílio Dias, especialmente no Condomínio Vila Santa Teresinha (antiga Vila dos Papeleiros – catadores de
materiais recicláveis), albergados e comunidade dos bairros vizinhos, nas atividades promovida pelos Módulos:
Telecentro, Metarreciclagem Biblioteca e Sala de Leitura, Oficinas de Capoeira, Reforço Escolar, Artesanato,
Alfabetização Ecológica e de Cidadania.

Objetivo geral: atuar na melhoria da qualidade de vida da população local, criando oportunidades de inserção
nas ações de educação formal e não formal, bem como na universalização do acesso e do uso intensivo da
tecnologia da informação; estimular a autonomia individual e coletiva dos cidadãos-beneficiários; e promover a
conexão com outras comunidades, regionais, nacionais e internacionais.

Objetivos específicos: trabalhar para a redução da desigualdade social; promover a integração da comunidade,
estimulando o lazer, a cultura e o convívio social; proporcionar um espaço para a manifestação cultural local e
regional; estimular e difundir o hábito de leitura; preparar para o mundo do trabalho e promover inclusão digital
por meio de Laboratórios de Montagem, Manutenção de Equipamentos de Informática (Metarreciclagem) e
Multimídia, do Telecentro e dos cursos para geração de renda.

COMUNIDADE BENEFICIADA

O loteamento Santa Terezinha é um conjunto habitacional para população de baixa renda, construído após o
incêndio da antiga Vila dos Papeleiros, área ocupada por famílias que sobrevivem de coleta, triagem e venda de
material reciclável.
O loteamento está localizado no bairro Marcílio Dias, criado oficialmente desde 1959. O bairro é resultado do
aterro junto à Bacia do Guaíba, constituindo-se originariamente em área portuária, com cais, silos, depósitos e
atividades correlatas, o que o caracteriza como de baixa ocupação residencial. O Bairro Marcílio Dias integra
também o Programa Entrada da Cidade (Piec), englobando rodoviária, galpões de reciclagem, um restaurante
popular e albergues, concentrando um número significativo de moradores de rua.
Não são suficientes para atender as demandas dessa população os serviços e os equipamentos de assistência
social instalados junto à Vila, a associação de mulheres, a creche comunitária, o Serviço Assistencial
Socioeducativo no Contraturno da Escola (Sase), o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) e os
Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf), ambos federais, e as duas escolas estaduais.
Outro fator observado é que este conjunto de famílias e indivíduos não se considera verdadeiramente
3Voltar ao índice

como comunidade, pois não possuem identificações suficientes que os unam. Esta fragilidade de vínculos
sociais e esta fragmentação social oportunizam o avanço das condições de risco e vulnerabilidade de seus
moradores, até mesmo reivindicações de melhorias e oportunidades de atendimento, como a presença de seus
representantes nas reuniões do Fórum do Orçamento Participativo, de Porto Alegre.

PARCERIAS EXISTENTES

Para a implantação deste projeto, contamos com parcerias, como:

• CNPQ – Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento – recursos humanos.


• Caixa Econômica Federal – destinação do espaço físico.
• Prefeitura Municipal de Porto Alegre – cobertura das despesas com energia elétrica, água e impostos.
• APCEF – Associação de Pessoal da Caixa Econômica Federal.
• Instituto Gerdau – doação de biblioteca e datashow.
• Unilasalle – cursos de informática básica, estágio curricular dos alunos.
• ONG Rinaci – capacitação da equipe.
• Pastoral da Criança – mobilização da comunidade.
• CORREIOS – oficineiros para projetos de artesanato.
• Fórum Estadual da Economia Solidária.
• Comitê de Entidades contra a Fome e a Miséria (Coep).
• Diaconia Dom Vicente Scherer.

   

   

 
3Voltar ao índice

4 MARANHÃO

Nome do projeto: UNIDOS PELA FIBRA

Objetivo: contribuir para aumento da renda e ampliação do repertório de cidadania de 30 artesãs, fortalecendo
o arranjo produtivo da Associação Unidos pela Fibra, em São Luiz do Maranhão, para produção de artesanato
feito com a fibra do buriti.

A proposta visa a trabalhar com os artesões do grupo da Associação de Artesãos Unidos pela Fibra da Área
Itaqui-Bacanga, Comunidade Vila Ariri/MA, no total de 30 pessoas, dentre estas 90% são mulheres, com renda
familiar entre um e meio salário-mínimo mensais.

O grupo é oriundo da comunidade Vila Ariri/MA, local onde a ONG desenvolveu suas primeiras atividades e
contribui com o grupo ao apoiar com cursos de cooperativismo em parceria com o Coep/MA.

A comunidade está localizada na área Itaqui-Bacanga, em São Luís, possui aproximadamente 8.000 moradores,
está incluída em uma região com alto índice de pessoas desempregadas, a maioria das ocupações são de
empregadas domésticas, pedreiro, pesca e pequenos comércios.

   

   
3Voltar ao índice

5 TOCANTINS

Nome do projeto: CIDADÃO ITINERANTE

Objetivo: contribuir para ocupação produtiva, geração de renda e inclusão social de famílias de baixa renda do
estado do Tocantins. O projeto visa à capacitação de mulheres para produção de artesanato, salgados, doces,
bordados, panificação, costura etc.

Após identificar demandas de capacitação junto às comunidades, a Moradia e Cidadania oferece dez cursos de
capacitação, por ano, voltados para o exercício de atividade produtiva.

 
3Voltar ao índice

6 PARANÁ

Nome do projeto: UNIÃO VIVA

Objetivo: agrupar e organizar um público que está excluído do mercado formal de trabalho para promover sua
qualificação e geração de renda.

Este projeto visa à geração de trabalho e renda por meio de atividades de costura industrial e serigrafia,
aproveitando o perfil do município de São José dos Pinhais que conta com diversas empresas com grandes
números de funcionários que necessitam de uniformes para desenvolver seu trabalho.

Beneficiárias: 30 mulheres dos bairros Bordas do Campo e Guatupê do município de São José dos Pinhais que
não conseguem (re)colocação no mercado formal de trabalho. Este grupo já se encontra mobilizado para atuar
na área de produção e já tem o curso básico de costura.

O projeto pretende adquirir os equipamentos essenciais para o trabalho do grupo de costura industrial incluindo
a serigrafia, bem como promover a formalização deste empreendimento solidário, a fim de agregar valor
econômico e reconhecimento social ao trabalho dessas mães e chefes de famílias, facilitando a (re)inserção das
trabalhadoras em atividades produtiva.

Parceiros

Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais, Secretaria de Trabalho e Renda,


ONG Moradia e Cidadania PR.

   
3Voltar ao índice

7 PIAUÍ

Nome do projeto: OFICINA DA VIDA

Objetivo: promoção da reinserção social, por meio da geração de renda, dos ex-dependentes do uso e
abuso de drogas químicas e do álcool e das suas famílias, tratados em regime de internato, pelo modelo de
comunidade terapêutica, orientado pela teoria cognitiva comportamental, teoria familiar sistêmica e entrevistas
motivacionais.

O trabalho de qualificação profissional de móveis, produzidos a partir de bambu e talos de buriti, é aplicado na
forma de terapia ocupacional. Os aprendizes saem aptos ao trabalho como artesão em móveis.

 
3Voltar ao índice

8 RONDÔNIA

Nome do projeto: RECICLANDO COM SEGURANÇA

Objetivo: contribuir para o desenvolvimento da coleta seletiva junto à população do município de Porto Velho
por meio da Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Rua de Porto Velho (Asprovel), fomentando a
melhoria de renda dos associados e preservando o meio ambiente.

O projeto prevê o fortalecimento da capacidade produtiva da associação com a aquisição de uniformes, luvas,
sapatos e capa de chuva para os 65 associados cadastrados e aquisição de 25 carros coletores de material
reciclado.

Beneficiários
Os catadores de materiais recicláveis de Porto Velho, associados à Asprovel, são pessoas humildes, com idade
média de 57 anos, morando em condições precárias, auferem renda mensal média em torno de R$ 160,00, tem
nível de escolaridade baixo (a maioria não concluiu o ensino básico), média de sete pessoas por família, sendo
45 homens e 20 mulheres, sendo elas chefes de família.

A Asprovel foi fundada em 3 de dezembro de 2005 e conta hoje com 65 associados, sendo 45 homens e 20
mulheres, sendo estas chefes de família. Está situada na Rua Oswaldo Moura, nº 7.775 no Bairro Tiradentes,
Porto Velho/RO.

O trabalho realizado pela Asprovel consiste na separação e no recolhimento do material reaproveitável com
instrumentos específicos por catadores distribuídos pela cidade e transporte do produto in natura ao galpão
mantido pela associação,
o qual é vendido sem nenhum tratamento, excetuando:

• Garrafas PET: prensadas e vendidas diretamente para a fábrica de refrigerantes, localizadas próxima ao galpão
da associação.
• Óleo vegetal descartável: utilização para fabricação de sabão líquido.
• Madeira: vendida às panificadoras.
• Os demais produtos (celulose, metais e outros derivados de petróleo) são vendidos aos compradores
constituídos em Porto Velho que realizam esta compra a um preço muito baixo (ex.: 1 tonelada de papel a R$
50,00).
3Voltar ao índice

9 ESPÍRITO SANTO

Nome do projeto: AMPLIANDO OS ACESSOS

Objetivo: reestruturar fisicamente a cooperativa e aumentar a produção por meio da aquisição de formas de
madeira, do aumento de vendas, registro e controle efetivo contábil e financeiro, viabilizando a sustentabilidade
da cooperativa.

A Cooperativa de Produção de Blocos e Facção do Espírito Santo (Cooblofac) é composta por desempregados
e agentes da pastoral operária. Atualmente, a Cooblofac compõe o Fórum de Economia Popular Solidária do
Espírito Santo (FEPS), empreendimento articulador da Rede Cariaciquense de Economia Solidária do município
de Cariacica. Nesse sentido, buscamos com a execução deste projeto aumentar a capacidade produtiva e a
reestruturação física da cooperativa, bem como estabelecer um controle contábil financeiro mais eficaz.

 
3Voltar ao índice

10 MATO GROSSO DO SUL

Nome do projeto: PÃO NOSSO

Objetivo geral: promover a inclusão social por meio de fomento à gestão de empreendimentos sociais.

Objetivos específicos: promover a inclusão social por meio da geração de trabalho e renda; democratizar
o acesso à captação de recursos e dar sustentabilidade para as famílias atendidas pelo projeto; impulsionar
o associativismo e o cooperativismo; contribuir para a melhora dos indicadores de qualidade de vida;
capacitar os beneficiários para ser entes ativos no processo de desenvolvimento; estimular o associativismo
e o cooperativismo; introduzir novas tecnologias sociais; disseminar a cultura empreendedora; estimular
os envolvidos a conduzir o processo de desenvolvimento dos empreendimentos sociais sob a ótica da
sustentabilidade, uma vez que, organizados e comprometidos com um objetivo comum, tornam-se responsáveis
por implementar as ações planejadas, além de monitorá-las e avaliar todo o processo.

Resumo do projeto
O projeto prevê a realização de Cursos de Qualificação em Empreendedorismo e de Produção de Compotas de
Doces e Paes para pessoas adultas e jovens, ambos os sexos da comunidade Taquaral Bosque e comunidades
adjacentes. Os cursos serão realizados na casa Dom Bosco, situada no bairro Veraneio, na região denominada
Taquaral.

Estratégias de sustentabilidade/parceiros
• Parcerias junto a Central de Processamento de Alimentos (CPA) no fornecimento de matéria-prima/sobras de
produtos. Parceria já estabelecida entre a Prefeitura de Municipal de Campo Grande/MS pela Casa Dom Bosco.
• Empreendedorismo individual.
• Parcerias com redes de supermercados e empresas do segmento alimentício para comercialização dos
produtos: compotas.
• Cooperativismo e associativismo entre os integrantes da comunidade.
• ONG Moradia e Cidadania.

 
3Voltar ao índice

11 MINAS GERAIS

Nome do projeto: ENTRELAÇOS

Resumo a respeito do projeto


O projeto busca contribuir para geração de trabalho, aumento da renda e fortalecimento da cidadania de sete
costureiras da associação Entrelaços, por meio da melhoria do desempenho produtivo na Região Metropolitana
de Belo Horizonte (RMBH), município de Ribeirão das Neves.

Objetivo: melhorar a capacidade de produção por meio da aquisição de máquinas de costura industrial reta e
ferro de passar roupa industrial.
Público beneficiado: sete mulheres chefes de família da região vulnerável.
Onde acontece: RMBH, município de Ribeirão das Neves, Rua Flor de Seda, 25, Bairro Rosaneves.

Qual comunidade: o grupo iniciou-se pela parceria com a ONG Aprecia, estabelecida por meio do Núcleo
de Prevenção à Criminalidade, programa da Secretaria de Estado de Defesa Social de Minas Gerais (Sedes/
MG), que identificou mães de uma creche comunitária que necessitavam de gerar renda e sabiam costurar e/ou
bordar. Com essas mães começou o grupo, elas receberam cursos de capacitação e iniciaram os trabalhos com
máquinas domésticas em local emprestado.

Parceiros e fotos
Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
ONG Moradia e Cidadania/Agência de Negócios da Fábrica Social
ONG Aprecia

 
 

 
 
3Voltar ao índice

12 CEARÁ

Nome do projeto: JOVENS EM OPORTUNIDADE DE TRABALHO

Objetivo: qualificação profissionalizante.

O projeto propõe três cursos de capacitação profissional. Cada curso terá no mínimo dois e no máximo quatro
modalidades de ocupações. Levando-se em conta o estado do Ceará, mais especificamente a cidade de
Fortaleza, região turística e por isso com boa demanda de serviço, principalmente na área da arte e cultura e do
vestuário.
O projeto ainda prevê a mobilização e a articulação comunitária na realização de atividades com participação
das lideranças comunitárias e dos beneficiários do projeto junto a uma assessoria especializada em
desenvolvimento local na perspectiva do protagonismo juvenil e do empoderamento das mulheres atendidas
pelo projeto.
Cursos e modalidades de ocupações:

1. Vestuário – 100 h/a

• Costa e Costura
• Vendas em Roupas e Calçados
• Reparos e Modificações em Roupas
• Moda e Estilismo

2. Inclusão digital – 100 h/a

• Operador de Micro (Noções de Windows, Word, Excel, Power Point, Internet)


• Assistente de Vendas de Informática
• Reparador de Micros

3. Arte e cultura – 100 h/a

• Dança Regional e Clássica


• Violão
• Formação de Coral

 
3Voltar ao índice

13 RORAIMA

Nome do projeto: CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E GERAÇÃO DE RENDA DA CASA DE TIMÓTEO

O projeto oferece qualificação profissional em vários ofícios, conforme relação a seguir:

1. Curso Manicure e Pedicure


Especificação do curso:
Número de turmas: 3
Número de jovens e adultos por turma: 12
Número total de pessoas atendidas anualmente: 36
Carga horária por curso: 60 horas

2. Curso Pedreiro de Assentador de Tijolos


Especificação do curso:
Número de turmas: 1
Número de jovens e adultos por turma: 15
Número total de pessoas atendidas anualmente: 15
Carga horária por curso: 160 horas
Recursos humanos: parceria com o Senai

3. Curso Carpinteiro Estrutural


Especificação do curso:
Número de turmas: 1
Número de jovens e adultos por turma: 15
Número total de pessoas atendidas anualmente: 15
Carga horária por curso: 160 horas
Recursos humanos: parceria com o SENAI

4. Curso Pedreiro de Revestimento Cerâmico


Especificação do curso:
Número de turmas: 1
Número de jovens e adultos por turma: 15
Número total de pessoas atendidas anualmente: 15
Carga horária por curso: 160 horas
Recursos humanos: parceria com o Senai

 
 
3Voltar ao índice

5. Curso Eletricista Instalador Predial e Residencial


Especificação do curso:
Número de turmas: 1
Número de jovens e adultos por turma: 15
Número total de pessoas atendidas anualmente: 15
Carga horária por curso: 180 horas
Recursos humanos: parceria com o SENAI

6. Curso Instalador Hidráulico


Especificação do curso:
Número de turmas: 1
Número de jovens e adultos por turma: 15
Número total de pessoas atendidas anualmente: 15
Carga horária por curso: 160 horas
Recursos humanos: parceria com o Senai

7. Curso Pintor de Obras


Especificação do curso:
Número de turmas: 1
Número de jovens e adultos por turma: 15
Número total de pessoas atendidas anualmente: 15
Carga horária por curso: 160 horas
Recursos humanos: parceria com o SENAI

8. Curso Costura de Roupas Íntimas


Especificação do curso:
Número de turmas: 1
Número de jovens e adultos por turma: 15
Número total de pessoas atendidas anualmente: 15
Carga horária por curso: 80 horas
Recursos humanos: parceria com o Senai

 
3Voltar ao índice

14 GOIÁS
Nome do projeto: CENTRO DE INTEGRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO – CIDES-ITAMARACÁ

Objetivo: oportunizar alternativas para melhorar as condições de vida da população local por meio da
educação e da profissionalização.

Objetivos específicos: propiciar educação e geração de renda para os envolvidos no projeto; e promover
cursos de costura industrial realizados e cursos de inclusão digital realizados.

Beneficiários
Adolescentes a partir de 14 anos para o curso de informática e jovens a partir de 16 anos para o Curso de
Costura Industrial, moradores do Residencial Itamaracá, Setor Perim, Jardim Progresso, Vila São José, Bairro
Aeroviário, Vila São Paulo, Bairro Irany, Vila São Clemente, Bairro Ana Maria, Setor Campinas e outros bairros de
Goiânia/GO, com renda familiar até dois salários-mínimos.

Parceiros

• Caixa Econômica Federal:


- doação de mobiliário e máquina de costura;
- apoio institucional.

• Sesi:
- disponibilização dos professores dos cursos de Costura Industrial e Informática;
- disponibilização dos materiais de consumo e pedagógicos dos cursos de Costura Industrial e Informática;
- certificação dos cursos de Costura Industrial e Informática.

• Prefeitura Municipal de Goiânia:


- cessão do espaço físico para realização do projeto;
- cessão de cinco máquinas de costura e móveis de escritório.

• Associação dos Moradores do Residencial Itamaracá:


- mobilização da comunidade local.

   
3Voltar ao índice

15 SANTA CATARINA

Nome do projeto: PINTANDO UNHAS E COLORINDO VIDAS (PUCV)

O projeto objetiva atender adolescentes e oferecer-lhes atividades que garantam a formação técnica, cidadã
e profissionalizante, amparando-se no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei nº 8.069. Nos artigos
3º e 4º consta que os adolescentes têm direito a todas as oportunidades e facilidades que lhe facultem o
desenvolvimento físico, mental, moral e social, em condições de liberdade e dignidade. A efetivação dos direitos
à saúde, à educação e à profissionalização é garantida por meio das atividades proporcionadas pelo projeto e
constante quando os adolescentes forem encaminhados para o mercado de trabalho.

Os adolescentes atendidos pelo projeto vivem em situação de risco e vulnerabilidade social e, por isso mesmo,
precisam desenvolver suas capacidades e habilidades para se sentirem cidadãos capazes de responder
positivamente aos apelos da sociedade.

O projeto PUCV realiza oficina que possibilita a capacitação de 30 adolescentes para profissão de manicure/
pedicure e contribui para a melhoria das condições de vida de setores excluídos da sociedade no município de
Chapecó.

 
3Voltar ao índice

16 SÃO PAULO

Nome do projeto: ZAKI NARCHI

Trata-se da comunidade do conjunto habitacional Cingapura, composto por 35 blocos de apartamentos,


implantado em antigo núcleo favelado, urbanizado pelo Programa Cingapura, da Prefeitura de São Paulo,
em 1995, situado na zona norte do município, próximo ao Shopping Center Norte, com população de
aproximadamente 700 famílias, totalizando aproximadamente 6.000 pessoas.

Embora a área tenha recebido infraestrutura, redes coletoras de esgotamento sanitário e água, o córrego Carajás
está localizado ao lado do empreendimento e emana odor desagradável, sendo objeto de ação da Sabesp, em
andamento. A maioria dos chefes de família é semialfabetizado e a renda familiar mensal é, em média, de meio
salário-mínimo.

A maioria da população está inserida no mercado informal de trabalho e exerce atividades como: cabeleireiros,
catadores de lixo, ambulantes, empregados domésticos.
Existem outras ações voltadas ao mesmo público-alvo, porém a incidência de criminalidade e uso de drogas
entre os adolescentes é grande, podendo-se afirmar que estão em situação de vulnerabilidade social.

O objetivo do projeto é contribuir para formação e qualificação profissional de jovens e adultos melhorando a
situação financeira de 250 famílias participantes do projeto.

O projeto oferece:
• Oficinas de capacitação profissional, com aulas de informática, artesanato e costura.
• Capacitação de adolescentes para o mercado de trabalho, por oficinas específicas de
empreendedorismo social.
• Oficina para produção de peças em pachtwork e peças em plástico reciclado (embalagens de shampoo e
cremes).

 
3Voltar ao índice

17 RIO GRANDE DO NORTE

Nome do projeto: RECICLANDO COM ARTE

O Projeto Reciclando com Arte faz o lixo virar luxo para o bem de pessoas de baixa renda e do meio ambiente,
além de gerar renda às famílias.

São oferecidos diversos cursos que visam à produção e à comercialização de peças utilitárias e ornamentais,
por meio da reciclagem de materiais. A confecção e a venda de peças utilitárias com papelão, garrafas PET,
fita gomada, barbante e tecido para revestimento geram trabalho e renda para famílias e promove a cultura da
preservação do meio ambiente.
No período de um ano, 400 pessoas participam das oficinas.

Cursos e oficinas oferecidos:

Oficina de Confecção de PUFF com garrafa PET.


Público-alvo: famílias de catadores de materiais recicláveis.
Parceria: com a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis (Ascamar).
Local: Comunidade de Cidade Nova, Natal/RN.

Oficina de Confecção de Enfeites Natalinos (globos, estrelas sinos e árvore de Natal) com garrafa PET
Público-alvo: famílias de catadores de materiais recicláveis.
Parceria: Ascamar.
Local: Comunidade de Cidade Nova, Natal/RN.

Oficina de Confecção Enfeites Natalinos (globos, estrelas sinos e árvore de Natal) com garrafa PET, papelão e jornal
Público-alvo: pessoas da comunidade.
Parceria: Instituição Lar Fabiano de Cristo na Comunidade de Felipe Camarão, Natal/RN.

Oficina de Confecção de Cestas Trançadas com Garrafa PET


Local: Comunidade de Cidade Nova, Natal/RN.
Público-alvo: famílias de catadores de materiais recicláveis.
Parceiros: Ascamar.

Oficina de Confecção de Bolsa com garrafa PET


Local: Comunidade de Felipe Camarão, Natal/RN.
Público-alvo: famílias de catadores de materiais recicláveis.
Parceiros: Instituição Lar Fabiano de Cristo.

Oficina de Pintura em Tecido à Mão Livre  


Local: Comunidade da Cidade da Esperança.
Parceiros: Centro Social Comendador Luiz da Câmara Cascudo.

 
3Voltar ao índice

18 BAHIA

Nome do projeto: TECENDO A VIDA – MULHERES EM AÇÃO

O projeto busca capacitar 35 mulheres da comunidade do bairro de Pernambués, em Salvador, para estruturação
de um grupo de geração de renda na área de corte e costura, especialmente na produção de lençóis para cama,
toalhas de mesa, de banho, jogo americano e kit para cozinha.

O bairro de Pernambués apresenta uma população acima de 45 mil pessoas (quase 13 mil domicílios) com uma
crescente proliferação de pequenos negócios, mas também de uma violência e tráfico bastante acentuados.

O bairro caracteriza-se pela quantidade de mulheres, chefes de família, desempregadas e com baixa
escolaridade. As mulheres da comunidade, em sua maioria, estão envolvidas em situações de acentuada
violência – que muitas vezes envolvem seu companheiro – e em casos de homicídio ou latrocínio.

A baixa escolaridade, o número irrisório de creches, o número de adolescentes precocemente chefes de família
e a proximidade e acessibilidade aos bairros de classe alta favorecem o crescimento de atividades ilícitas e
do narcotráfico. Esse projeto de capacitação, associado a outras ações de sensibilização, conscientização e
desenvolvimento associativo, traz consigo visível potencial de transformação do bairro, garantindo que o grupo
passe a disseminar na comunidade melhores condições de vida, além de proporcionar um desenvolvimento
mais integral de todos os envolvidos.

O conteúdo das oficinas de desenvolvimento, com enfoque em sustentabilidade, finanças solidárias,


empreendedorismo e acesso ao crédito, são os principais dutos de crescimento do projeto e aproximação das
políticas públicas inclusivas de governo.

   

 
3Voltar ao índice

19 PARÁ

Nome do projeto: REGATE DA BANDA CRISTO REDENTOR

Objetivo: contribuir para o fortalecimento da cidadania de 20 jovens de famílias de baixa renda, com idade
entre 16 e 24 anos, moradores nos bairros da Grande Cabanagem e arredores, da cidade de Belém, por meio de
educação musical, formação profissional e geração de renda.

 
3Voltar ao índice

20 SERGIPE

Nome do projeto: CAMINHO SEM PEDRA

Objetivo: capacitar 20 jovens em situação de vulnerabilidade social, dotando-os de uma habilidade laboral
especializada em pintura automotiva e de parede, colocações de papel-parede, azulejos e outros como forma de
proteção, terapia, dignidade e maior chance de inserção no mundo do trabalho.

Em 2008 , Aracaju conquistou o título de Capital Brasileira da Qualidade de Vida. Desde então, essa cidade
tão ensolarada e de povo risonho busca melhorar o que já era muito bom. O resultado disso é uma cidade que
cresce cada dia mais e busca ainda sustentabilidade ambiental.

Na contramão desse avanço, cresce também a quantidade de jovens que se envolvem com drogas. O crack,
droga em forma de pedra, bloqueia as chances de crescimento e transformação dos jovens de Coqueiral.

Na comunidade de Coqueiral, há uma pedra no caminho, como diria Carlos Drummond de Andrade, que impede
a comunidade de aproveitar o que Aracaju tem de melhor. As pessoas do local estão alheias à qualidade da
vida. O mais importante agora é preservá-la. Diante de tanta violência, a vida é constantemente ameaçada pela
presença do crack.

 
3Voltar ao índice

21 ALAGOAS

Nome do projeto: FÁBRICA DE VASSOURAS ECOLÓGICAS

A Fábrica de Vassouras integra o Projeto Técnico Social de Implantação do Conjunto Habitacional da Vila Emater
II, na cidade de Maceió.

Sua criação contribui para dar sustentabilidade ao processo, em curso, de reconstrução do papel social dos
catadores e visa a redirecionar o trabalho já existente de coleta domiciliar de materiais recicláveis.

A produção das vassouras ecológicas é baseada em tecnologia bastante simples. As vassouras são produzidas
a partir de matéria-prima reciclada, o PET (polipropileno) que atualmente é utilizado em grande escala como o
principal componente de garrafas de refrigerante. Com a implantação da fábrica, espera-se criar uma cadeia
produtiva envolvendo a coleta e a reciclagem da garrafa de plástico tipo PET, redirecionando – e ampliando – o
trabalho já existente de coleta domiciliar de materiais recicláveis, antes destinados à venda para atravessadores,
favorecendo a autonomia e a ampliação da renda dos catadores envolvidos.

O sistema de produção aproveita – e amplia – a experiência com coleta em domicílios e pontos comerciais, já
realizados por catadores, e utiliza processo de produção acessível e barato, que consiste na produção artesanal
de fios, no aquecimento e na montagem das vassouras.

A tecnologia adotada tem como vantagens:


• O baixo investimento inicial devido à redução de despesas no item maquinário.
• O reduzido preço final do produto tornando-o competitivo perante o mercado.
• A elevada durabilidade do produto, com duração até dez vezes mais que as vassouras de piaçava
convencionais.
• E, principalmente, maior relação associados/produção quando comparado a outros modelos, gerando maior
oferta de emprego e, portanto, atendendo melhor aos objetivos aqui propostos.
A fábrica terá valor demonstrativo, fortalecendo um processo ainda incipiente de organização produtiva dos
catadores e incentivando a criação de novas iniciativas e parcerias. A fábrica terá também papel educativo junto
aos doadores e comunidade em geral.

Metas:
• Implantar a fábrica de vassouras.
• Estruturar a Associação de Produtores de Vassouras com 20 participantes.
• Estruturar o sistema de coleta de recicláveis tipo PET.
• Oferecer a assessoria técnica para o desenvolvimento das atividades e a viabilidade econômica e
administrativa.
3Voltar ao índice

22 DISTRITO FEDERAL

Nome do projeto: MULHER BELEZA E VISUAL

O Projeto Mulher Beleza Visual acontece na sede da Associação Atlética de Santa Maria e tem como objetivo
geral integrar as mães das crianças que praticam esportes na escolinha de futebol da associação, oferecendo
cursos de manicure e cortes de cabelo. O objetivo específico do curso é contribuir para geração de renda das
mães e garantir uma vida melhor, ampliando sua capacidade de exercício da cidadania e mantendo seus filhos
fora da marginalidade.

 
3Voltar ao índice

23 RIO DE JANEIRO

Nome do projeto: ENTRANDO NO SAMBA

Objetivo: gerar renda por meio do trabalho autônomo na área de Tecnologia da Informação (TI), para 30
adolescentes e jovens, na faixa etária de 17 a 24 anos, cursando (ou que tenham terminado) o 2º grau do ensino
médio, classes D e E, que vivem em situação de risco social, nas comunidades do Complexo Cerro Corá, no
bairro do Cosme Velho, no Rio de Janeiro.

O projeto propõe a implementação do Curso de Tecnologia da Informação como uma de suas atividades com o
objetivo de ensinar adolescentes e jovens a trabalhar profissionalmente no mercado de TI, com conteúdo atual
e de valor no mercado e formar profissionais capazes de gerar renda por si próprios, seja trabalhando como
autônomo, seja assalariado.

O Projeto Entrando no Samba visa a consolidar a arte por meio da música e da dança como forma de mudança
social e promover, gratuitamente, aulas de percussão, de hip hop, ensaios técnicos, apresentações públicas e
palestras educativas para crianças, adolescentes e jovens –moradores do complexo.

Dentre as muitas razões para introduzir o Curso de Tecnologia da Informação nas atividades do Projeto Entrando
no Samba, já em execução, está a intenção de consolidar os resultados obtidos e continuar atuando no trabalho
de transformação social, por meio de acesso a atividades educacionais de geração de trabalho e renda. O que
tem motivado a apostar neste projeto é atestar o sucesso do Entrando no Samba junto ao público desde seu
início em 2006, seguem algumas vantagens: o apoio e o reconhecimento da comunidade local; quadra dos
Guararapes, que propicia a realização das atividades e facilita o acesso dos beneficiados, cujas famílias não
dispõem de recursos financeiros para pagar transporte, entre outras.

   
3Voltar ao índice

24 PARAÍBA

Nome do projeto: TECENDO O AMANHÃ

Objetivo: contribuir para redução da vulnerabilidade social de jovens e mulheres, por meio da geração de trabalho e
renda.

O projeto atenderá jovens e mulheres da comunidade Cidade Recreio, localizado no Altiplano Cabo Branco, em João
Pessoa.

O projeto acontecerá na APCEF, antiga sala do projeto Direito de Sonhar, oferecendo cursos de corte e costura,
pintura em tecido e informática.