You are on page 1of 2

Ausculta pulmonar correspondente.

As reduções de
calibre das pequenas vias
Maria Luiza Carvalho Echevenguá respiratórias tornam o murmúrio
menos audíveis, como acontece no
Ausculta é o método semiológico enfisema. De um modo geral, todas
básico no exame físico dos pulmões as lesões interpostas entre o pulmão
realizada com o auxílio de um e a parede podem reduzir o
estetoscópio. A auscultação direta murmúrio vesicular, como o
ou imediata, ou seja, colocando-se o pneumotórax, derrame pleural,
ouvido na parede torácica, não se tumores. * Ruídos adventícios:
utiliza mais, embora por intermédio quando os ruídos respiratórios não
dela seja possível perceber também são audíveis em condições normais
as vibrações da parede. As são denominados ruídos adventícios,
principais fontes sonoras do tórax podendo ser de origem da árvore
são o coração e os pulmões. brônquica, alvéolos ou espaço
Entretanto, a traquéia, os brônquios, pleural. Os ruídos adventícios são
a pleura, o pericárdio, os grossos classificados em secos (roncos e
vasos e o esôfago podem gerar sons. sibilos), úmidos (estertores
O examinador deve ficar atrás do creptantes e subcreptantes) e atrito
paciente para auscultar. O paciente pleural. Roncos: é um ruído de
não deve forçar a cabeça ou dobrar tonalidade grave
excessivamente o tronco. Pedir ao predominantemente inspiratório,
paciente que respire pausada e geralmente acompanhado de tosse.
profundamente com a boca Sua origem se deve á presença de
entreaberta e sem fazer ruído. *Sons secreções espessas que se adere às
respiratórios normais: Murmúrio paredes dos brônquios de grande
vesicular (MV): quando se ausculta calibre, reduzindo sua luz. Indicam
o tórax de um individuo normal, asma brônquica, bronquites,
ouve um som murmurante, que na bronquiectasias e obstruções
inspiração é mais longo e mais localizadas. Sibilos: são ruídos de
nítido e na expiração é mais curto, tonalidade aguda,
mas fraco e menos nítido. Os ruídos predominantemente inspiratório,
da respiração normal resultam das habitualmente referido pelo paciente
vibrações provocadas pela corrente como “chiado” ou “chiadeira”.
aérea ao percorrer o sistema tubular As causas dos sibilos são redução da
e alveolar. O aumento do murmúrio luz brônquica, espasmo da parede
vesicular ocorre em indivíduos com das pequenas via aéreas. É o ruído
maior volume de ar circulante adventício mais comumente
(dispnéia, taquipnéia, exercício encontrado em pacientes portadores
físico). O murmúrio diminuído de asma e DPOC. Estertores
ocorrerá quando houver redução do subcreptantes: são ruídos
volume corrente, como ocorre em descontínuos ouvidos na inspiração
uma invasão de uma determinada e na expiração. Resultam da
área do parênquima. Assim, nas mobilização de qualquer conteúdo
estenoses das vias aéreas superiores, liquido presente nos brônquios de
dependendo do grau, haverá redução médio e pequeno calibre. Ocorre
do murmúrio vesicular em ambos os com maior freqüência em pacientes
pulmões. Se o obstáculo estiver em com pneumonia, no edema agudo de
um dos brônquios principais, o pulmão e na DPOC. Estertores
murmúrio diminuirá no hemitórax creptantes: São estertores úmidos e
descontínuos, exclusivamente
inspiratórios. Tais estertores são
característicos for edemas
incipientes do parênquima
pulmonar, pela presença de exudato
ou transudato intra- alveolar. São
frequentemente audíveis na
atelectasias, pneumonias, edema
agudo de pulmão e síndrome da
angustia respiratória (SARA). Atrito
pleural: é um estalido ou “som de
couro” que ocorre a cada respiração
mais intenso na inspiração quando
as superfícies plurais estão irritadas
por inflamação, infecção ou
neoplasia. Normalmente as pleuras
vicerais e parietais deslizam
silenciosamente. Em certos casos, os
sons podem se confundidos com os
estertores. Podendo –se pedir para o
paciente tossir e verificar se houve
mudança no som produzido. Caso
não haja mudança, se trata de atrito
pleura.