You are on page 1of 16

Criatividade

Definições

Sob o ponto de vista humano, a criatividade é uma qualidade


adquirida e iniciada na infância que busca em idéias a fonte para
criar novas coisas. Durante essa fase é que o potencial criativo é
ou não ativado. Esse, que é a capacidade de produzir e
transformar o ambiente segundo as necessidades, se desenvolve
graças aos estímulos e elogios que a criança recebe de outras
pessoas.
Definições

A criatividade é uma qualidade adquirida por pessoas curiosas


que buscam inspiração em informações e têm a sensibilidade de
percebê-las de forma diferente. Pessoas criativas possuem
comportamentos diferentes: são curiosas ao extremo, são
persistentes, são bem humoradas, são independentes em seus atos
e responsáveis por tais, possui rápida desenvoltura em atividades,
fácil percepção, habilidade no aprendizado e ainda são grandes
visionárias, já que conseguem prever as conseqüências possíveis
de ocorrer em suas criações por erros ou imprevistos.
Definições
A criatividade é uma qualidade que pode também se desenvolver
após a infância. Para isso deve-se adquirir hábitos como dormir no
mínimo oito horas, anotar idéias que surgem no decorrer do dia
para executá-las, caminhar ao ar livre, evitar locais que
enfraquecem o cérebro com barulhos e excessos, traçar objetivos,
utilizar o tempo ocioso a favor da criatividade, sempre fazer
anotações, ser curioso em todos os aspectos.
“As pessoas que vencem nesse mundo são as que procuram as
circunstâncias de que precisam e, quando não as encontram, as
criam”. Bernard Shaw
O conceito de inovação pedagógica para Cunha
(2006), "requer uma ruptura necessária que permita
reconfigurar o conhecimento para além das
regularidades propostas pela modernidade. Ainda
neste sentido, não apenas considera a inclusão de
novidades e tecnologias, mas também uma mudança
na forma de entender o conhecimento.“
Cunha (2006), considera como características inovadoras:
 a ruptura com a forma tradicional de ensinar e aprender;
 a gestão participativa com a atuação dos estudantes na
definição de percursos e critérios no ensino;
 a reconfiguração de saberes incluindo também competências,
arte, vivências pessoais;
 a reoganização da relação entre a teoria e a prática;
 a modificação da percepção da concepção, desenvolvimento
e avaliação da experiência no ensino/aprendizagem;
 a mediação do docente assumindo relações sócio-afetivas com
os alunos como condição de aprendizagem significativa
(subjetividade, conhecimento);
 o protagonismo como condição para aprendizagem
significativa, reconhecendo que tanto estudantes quanto
professores são sujeitos da prática pedagógica estimulando a
produção de conhecimento pelos estudantes.
PROCESSOS SOCIAIS QUE SE ACENTUARAM NAS ÚLTIMAS DÉCADAS IMPLICAM
NECESSIDADE DE MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NO CAMPO DA EDUCAÇÃO.

1º - Desenvolvimento de novas tecnologias de comunicação que


facilitam o autoaprendizado .

2º - As relações de trabalho são menos regulamentadas, as carreiras


mais imprevisíveis e os caminhos profissionais multiplicam-se.

3º - Atitudes éticas, mais prudentes e criativas em relação ao planeta. O


risco da ausência de futuro se tornou realidade e, diante disso, as novas
gerações precisarão criar soluções novas para problemas que hoje
ainda parecem insolúveis. Torna-se necessário que estas pessoas, para
além de memorizar conteúdos, aprendam a pesquisar, criar e valorizar
novas atitudes e comportamentos.
CRIAÇÃO DE NOVAS ESTRATÉGIAS, METODOLOGIAS E ESTRUTURAS

 A Lei de Diretrizes e Bases para a Educação (LDB) de 1996 é


bastante flexível e abre várias possibilidades para formas novas de
organização da vida escolar.

 As Diretrizes Curriculares Nacionais (2013) preconizam que o


percurso formativo de cada estudante deve ser aberto e
contextualizado.

 O Plano Nacional da Educação (2014) propõe práticas


pedagógicas inovadoras sempre que trata da qualidade da
educação.
A partir da década de 1990 o governo brasileiro :
 reformas
educacionais, promovendo ajustes,
estabelecendo
 novos
marcos regulatórios para a educação. As reformas
educacionais
e as mudanças ocorridas na formação de professores no
Brasil são
 umaresposta às novas demandas por educação advindas
do mundo do trabalho, da cultura e das relações sociais.
Sentidos da criatividade/inovação:
A. Gestão

Corresponsabilização na construção e gestão do projeto político-


pedagógico: Estruturação do trabalho da equipe, da organização do
espaço, do tempo e do percurso do estudante com base em um
sentido compartilhado de educação, que orienta a cultura
institucional e os processos de aprendizagem e de tomada de
decisão, garantindo-se que os critérios de natureza pedagógica
sejam sempre preponderantes.
B . Currículo

Desenvolvimento integral: Foco na formação integral, reconhecendo a


multidimensionalidade da experiência humana - afetiva, ética, social, cultural
e intelectual.
Produção de conhecimento e cultura: Estratégias voltadas para tornar a
instituição educativa espaço de produção de conhecimento e cultura, a
partir das identidades do território, que conecta os interesses dos estudantes,
os saberes comunitários e os conhecimentos acadêmicos e, com base nesta
conexão, transforma o contexto socioambiental.
Sustentabilidade (social, econômica, ecológica, cultural): Integração de
práticas que promovam uma nova forma de relação do ser humano com o
contexto planetário.
C . Ambiente

Espaço compatível com novas práticas educativas: Ambiente físico


que manifeste a intenção de educação humanizada,
potencializadora da criatividade a convivência enriquecedora nas
diferenças,

Ambiente acolhedor e solidário: Estratégias que fomentam um


ambiente voltado para a aprendizagem, com estímulo ao diálogo
entre os diversos segmentos da comunidade, a mediação de conflitos
por pares, o bem-estar de todos, a valorização da diversidade e das
diferenças, colaborando com a promoção da equidade.
D. Metodologia

Protagonismo do estudante: Estratégias pedagógicas que


reconhecem os estudantes como participantes ativos em redes sociais
e comunitárias, onde interagem, colaboram, debatem e produzem
novos conhecimentos. Estas estratégias potencializam o uso que os
estudantes fazem dos diversos recursos e tecnologias, inclusive as
digitais, para ampliar suas interações e exercer sua autonomia.
Personalização: Estratégias pedagógicas que reconhecem os
estudantes em suas singularidades e garantem que todos possam
aprender, de acordo com seus ritmos, interesses e estilos.
Projetos: organização de projeto de interesse dos estudantes que
impactem a comunidade e que contribuam para a sua formação
profissional
E . Intersetorialidade

Rede de direitos: Estratégias intersetoriais e em rede, envolvendo


a comunidade, para a garantia dos direitos fundamentais dos
estudantes, reconhecendo-se que o direito à educação é
indissociável dos demais.
A aprendizagem ganha novo significado, deixando de
ser vista como simples aquisição e acumulação de
conhecimentos, passando a ser concebida como um
processo de apropriação individual que, embora utilize
as informações, o faz de forma totalmente diferente,
pois supõe que o próprio educando vá buscá-las,
saiba selecioná-las de acordo com suas próprias
necessidades de conhecimento.
Mercado (1999)