You are on page 1of 4

http://www.dep.ufscar.br/historico.

php

• O desenvolvimento da Engenharia de Produção no Brasil


foi impulsionado pela instalação de multinacionais que
trouxeram no seu organograma funções como:
– tempos e métodos;
– planejamento e controle da produção;
– controle de qualidade;
– logística, entre outros;
• Essas novas demandas influenciaram o mercado de
trabalho, que passou a procurar profissionais que
extrapolavam a formação técnica tradicional oferecida
pelas faculdades e escolas da época;
http://www.dep.ufscar.br/historico.php

• Além das multinacionais, o crescimento das empresas


nacionais e estatais também impulsionou a demanda por
administradores e engenheiros de produção;
• A Engenharia de Produção da UFSCar teve início em 1976
com duas modalidades - Produção Química e Produção
Materiais;
• Em 1993 foi criado, o curso de Engenharia de Produção
Agroindustrial, uma modalidade até então inexistente no
País, com o objetivo de formar profissionais para atuar no
agronegócio nacional e internacional.
ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO MUNDO - cenário
. processo de internacionalização e globalização da
economia,
. Constância do crescimento de competitividade,
tornando o binômio Produtividade e Qualidade, uma
necessidade competitiva de interesse global não apenas
de empresas de bens e serviços, mas também de
inúmeras nações (que historicamente sempre foram
elementos fundamentais de interesse e estudo da
Engenharia de Produção)
. A formação dos grandes blocos econômicos mundiais
(Comunidade Econômica Européia, Nafta, Mercosul, etc.)
– Barreiras não tarifárias;
. conceitos como Manufatura de Classe Mundial ("World
Class Manufacturing"), e Gestão da Qualidade Total
(“Total Quality Management”), se transformaram em
jargões comuns ao setor industrial;
• ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO MUNDO - cenário
• . Fica clara a compreensão que a sobrevivência e
sucesso das empresas brasileiras passa pelo estudo e
prática dos grandes temas ligados ao processo
produtivo;
• . Fator adicional é possibilitado pelos avanços
tecnológicos, os quais, paradoxalmente, em vez de
acentuarem as tendências para a superespecialização,
estão revertendo este quadro no sentido de
permitirem níveis adequados de integração de
sistemas, exigindo profissionais com ampla habilitação
nas técnicas e princípios da Engenharia de Produção.
• Esse contexto, tem alterado significativamente o
conteúdo e as habilidades esperadas da mão de obra
em termos mundiais e essas mudanças tem se refletido
fortemente na realidade e perspectivas profissionais do
Engenheiro de Produção.
www.funedi.edu.br