You are on page 1of 38

Concepções sobre a saúde e a doença

Idvânio Veloso
PREOCUPAÇÃO ANTIGA

Grupamentos ou tribos – nômades – se deslocavam em


busca da sobrevivência
Pensamento mágico, religioso e sobrenatural
Ex. chegada do outono ou inverno – vontade dos deuses
Mesopotâmia, Egito, etc
Viam as doenças como decorrentes de
causas externas, sem que o organismo
tivesse participação no processo
(espíritos, elementos da natureza,...)

Oriente Médio – criaram instituições


(hoje hospitais)

Realizadas atividades cirúrgicas


limitadas aos socorros ministrados aos
ferimentos e fraturas (soldados)
Operações cirúrgicas: circuncisão
(judeus) e castração (condenação)
Análise da doença em bases racionais
Ênfase:
 Observação empírica
 Importância do ambiente
 Sazonalidade
 Trabalho
 Posição social
 Afastava o sobrenatural
Cristianismo

Causas das moléstias – pecado, mau espírito que


domina a alma e o corpo do doente

Índia e China – sistemas teóricos


fundamentados em complexas filosofias –
elementos mágico-religiosos em plano
secundário – doença vista como um
desequilíbrio entre os elementos (humores)
OS FILÓSOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS
 As origens do universo estão na matéria-prima:

Água Fogo

Ar Terra
NA GRÉCIA ANTIGA...

Saúde: forma de gerenciamento da vida pelo homem

Medicina: adaptação do homem ao seu meio social e físico


através de restrições comportamentais e dietéticas.
Gregos mais importantes
 Hipócrates – pai da Medicina Científica
 Seguido por Galeno
 Medicina grega não era ação só de
médicos
 Filósofos – arte da cura – harmonia entre
o corpo e a alma (olimpíadas)
HIPÓCRATES
Médico grego considerado o pai da medicina
E por alguns como primeiro epidemiologista

Humores do corpo que causam doenças:


Fogo (coração)
Ar (pituíta do cérebro)
Terra (bile amarela)
Água (bile negra do estômago)
Duas linhas na medicina grega
 Doenças diferentes – podem ter causas e
sintomas iguais – exames diretos nos
doentes
 Prognóstico – doenças eram vistas dentro
do quadro de cada indivíduo (não havia
doenças, mas doentes) – linha Hipocrática
– defendia a prática clínica com cuidadosa
observação na natureza
Idade Média

Nova sociedade: proprietários ou servos


(não se fala mais em escravidão, servo ligado a terra)

Pensamento religioso – monopolizado pela igreja católica


Medicina patrística
Medicina monástica

Retrocesso teórico-metodológico na medicina ocidental

Medicina: exorcismos
Doenças tinham duas interpretações

Pagãos: possessão
Cristãos – sinais de purificação e expiação dos
pecados
Doenças atacavam senhores e servos
Terapêutica = milagres (obtidos através da
súplica, mortificação e arrependimento dos
pecados)
Causas das doenças
 Também atribuídas à mesma variabilidade
dos humores corporais
 Mas tendia a aperfeiçoar o espírito e
descuidar do corpo
 “Lepra” – grande praga da Idade Média
TEORIA DOS MIASMAS

A origem das doenças situava-se


na má qualidade do ar,
proveniente das emanações
oriundas da decomposição
de animais e plantas
As vilas e cidades cresceram...

Por volta do século XIV muitos estavam


nas atividades comerciais e artesanais
(cidades conhecidas por burgos –
burgueses)

Economia baseada no sistema de troca de


mercadorias passa a ser substituída por
uma economia comercial

Revoluções sociais importantes

Nova forma de viver em sociedade -


capitalismo
IDADE MODERNA

Renascimento cultural
Expansão de manifestações artísticas, filosóficas e científicas do novo
mundo urbano e burguês
Impulsionou o estudo do homem e da natureza
Espírito crítico do homem

Levou-o para a ciência


experimental, para a observação

Obter explicações racionais para


os fenômenos da natureza
Surgem: Nicolau Copérnico
(geocentrismo) – teoria
heliocêntrica

Johann Kepler – movimento


elíptico dos astros – preparando
caminho para Isaac Newton – lei
da gravitação universal
•Miguel Servet e Willian Harvey – mecanismo da circulação
sanguínea – circulação pulmonar pelas artérias e retorno do sangue
ao coração pelas veias

André Vesálio – pai da


NA MEDICINA... moderna anatomia
Ambroise Paré – defendeu a
laqueação das artérias...pai
da cirurgia
Idade Moderna

Período de transição do feudalismo para o Capitalismo


Mudanças culturais - Renascimento

Pensadores da teoria política – Maquiavel (aconselha o


soberano a que fique acima das considerações morais,
mantendo a autonomia política – soberano tudo pode fazer
quando busca o bem-estar do país) – “força é justa quando
necessária” – “fins justificam os meios”
Da determinação social à multicausalidade

Origem de todas as causas de doença


social, nas condições de vida e de
trabalho

 Análise das múltiplas causas das doenças


(causalidade)
 Modelo ecológico (social e biológico)
 Modelo de determinação social
A saúde envolve aspectos
relativos e dinâmicos da
própria cultura
Modelo da balança

TRÍADE ECOLÓGICA DE REZENDE

Meio ambiente

Agente
Hospedeiro
patogênico

Balança em equilíbrio
HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA DE
LEAVELL

•Destaca a saúde-doença como um processo dinâmico

•Os desequilíbrios desse sistema permitem a evolução


do processo até a cura, óbito ou outros estados intermediários
Modelos de Blum, de Dever e de Lalone

Procuram articular quatro dimensões explicativas:

•Biologia humana
•Estilos de vida
•Meio ambiente
•Serviços de saúde
 A Organização Mundial de Saúde (OMS), na Carta
Magna, em 07 de abril de 1948, estabelece o conceito de
saúde como:

“um estado de completo bem-estar


físico, mental e social e não apenas
a ausência de afecção ou doença”.
Concepções mais globalizantes, articulam
SAÚDE com CONDIÇÕES DE VIDA

Desaparecem as separações entre ações curativas


e preventivas porque o ambiente pode ter papel
curativo importante, assim
como a existência de serviços confiáveis de saúde
pode exercer a função preventiva pelo sentimento de
confiança que cria na população
I Conferência Internacional sobre
Promoção de Saúde no Canadá, em 1986
Carta de Ottawa

“A paz, a educação, a habitação, a


alimentação, a renda, um ecossistema
estável, a conservação dos recursos, a
justiça social e a eqüidade são
requisitos fundamentais para a
saúde”.
Constituição Federal, Art. 196

“A saúde é direito de todos e dever do Estado,


garantido mediante políticas sociais e
econômicas que visem à redução do risco de doença
e de outros agravos”.
O Estado deverá assumir explicitamente uma
política de saúde conseqüente e integrada às demais
políticas econômicas e sociais, assegurando os meios
que permitem efetivá-las.

Isso será garantido mediante o controle


do processo de formulação, gestão e
avaliação das políticas sociais e
econômicas
pela população.
Tomando como referência o relatório da 8ª
Conferência....

“Direito à saúde, significa garantia pelo Estado, de


condições dignas de vida e de acesso universal e
igualitário às ações e serviços de proteção, promoção
e recuperação da saúde em todos os seus níveis, a
todos os habitantes do território nacional, levando
ao desenvolvimento do ser humano em toda sua
individualidade”.
Inter-relação entre as dimensões biológica, ecológica,
consciência e conduta e processos econômicos

 Resulta de um processo e produção social que expressa


a qualidade de vida de uma população, entendendo-se
qualidade de vida como uma condição de existência dos
homens no seu viver cotidiano, seja individual ou
coletivamente (acesso a bens e serviços econômicos e
sociais)
Assim...

A concepção do processo saúde e doença tem


evoluído consideravelmente, de maior
vinculação com as doenças e a morte, isto é,
aproximações negativas, até concepções mais
vinculadas à qualidade social, ou seja, uma
aproximação positiva.
 Meio familiar e profissional do indivíduo

 Grau de satisfação e produtividade

 Identificação e identidade do trabalhador

As situações de trabalho são dinâmicas e conduzem


tanto ao prazer quanto ao sofrimento, envolvendo-
se de acordo com a psicodinâmica do trabalho, com
saúde.
 Em seu sentido mais abrangente, é a resultante das
condições de alimentação, habitação, educação, renda,
meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer,
liberdade, acesso e posse de terra e acesso a serviços de
saúde.

 É assim, antes de tudo, o resultado das formas de


organização social da produção, as quais podem gerar
grandes desigualdades nos níveis de vida.
Portanto,

Não é um conceito abstrato.


Define-se no contexto histórico e determinada
sociedade e num dado momento de seu
desenvolvimento, devendo ser conquistada pela
população em suas lutas cotidianas.
O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA:

Está diretamente atrelado à forma como o ser


humano, no decorrer de sua existência, foi se
apropriando da natureza para transformá-la,
buscando o atendimento às suas necessidades.

Representa o conjunto de relações e variáveis que


produz e condiciona o estado de saúde e doença de
uma população, que se modifica nos diversos
momentos históricos e do desenvolvimento
científico da humanidade.
Fatores
Fatores psicológicos
sociais Fatores
ambientais

Fatores
genéticos
Fatores
educacionais

Fatores
ecológicos
Fatores
culturais
Fatores
Fatores
políticos
econômicos
Na sociedade existem comunidades, famílias e indivíduos com
maior probabilidade do que outros de apresentarem problemas de
saúde, acidentes, morte prematura; em contrapartida, há os que
apresentam maior probabilidade de apresentarem boas condições
de saúde.

A atuação do profissional frente


às piores condições de pobreza, se
caracteriza pela produção do
conhecimento que propiciará
intervenção sobre as relações entre
as variáveis que constituem as
condições de saúde, de forma a
alterá-las para melhor.