You are on page 1of 42

DISCURSIVAS

PC-MA
QUESTÃO 1
Discorra sobre as entidades denominadas serviços
sociais autônomos, abordando os seguintes tópicos:
1 natureza jurídica de referidas entidades e seus
objetivos institucionais; [valor: 6,50 pontos]
2 origem dos recursos financeiros dessas
entidades; [valor: 4,25 pontos]
3 sujeição de tais entidades a controle por parte
do tribunal de contas. [valor: 3,50 pontos]
1. Entidades de natureza jurídica de direito privado que,
embora não integrem o sistema da administração pública
indireta, colaboram com o poder público (pertencendo ao
grupo de entidades paraestatais ou de colaboração, ou
para outros do “terceiro setor”), ao qual são vinculadas,
por intermédio da execução de serviço de utilidade
pública, em geral, exercendo alguma atividade que
produza benefício para determinados grupos sociais ou
categorias profissionais.
2. Contribuições parafiscais a elas destinadas, que,
estabelecidas por diversas leis, são recolhidas
compulsoriamente pelos contribuintes, ou seja, são
patrocinadas por recursos recolhidos do setor produtivo
beneficiado.
3. CF assegura a autonomia administrativa a essas entidades,
sujeitas, formalmente, apenas ao controle finalístico, pelo
Tribunal de Contas, da aplicação dos recursos recebidos.
QUESTÃO 2
Considerando essa situação hipotética, disserte sobre o
princípio da proibição à tortura, à luz da Constituição Federal
de 1988, da doutrina e do entendimento do STF. Em seu texto,
aborde, fundamentadamente, os seguintes aspectos:

1 proibição à tortura como direito fundamental e efeitos


jurídicos de eventual violação a esse direito; [valor: 5,00
pontos]
2 extensão dos efeitos da violação ao princípio fundamental
da proibição à tortura, no que se refere aos sujeitos; [valor:
5,00 pontos]
3 limites para o uso de algemas em operações policiais.
[valor: 4,25 pontos]
QUESTÃO 3
Juliana compareceu a delegacia de polícia, onde alegou que sua
filha Maria, adolescente de treze anos de idade, havia sido
violentada, alguns dias atrás, por João, de trinta anos de idade.
Realizado exame de corpo de delito em Maria, foi constatado
que ela havia praticado conjunção carnal em data recente. Na
presença do delegado, João afirmou que sabia a idade de Maria
e que, de fato, havia praticado com ela conjunção carnal sob o
consentimento dela, visto que eles haviam iniciado um
relacionamento amoroso dias antes. Maria, também em
depoimento ao delegado, afirmou que tinha praticado
conjunção carnal com João de modo consentido, pois tiveram
um breve romance, e que ela já possuía uma experiência sexual
anterior.
1 Houve prática de crime por parte de João? Se
positiva sua resposta, esclareça qual foi o crime
praticado. [valor: 3,75 pontos]
2 Comente sobre o consentimento da vítima.
[valor: 3,50 pontos]
3 Disserte sobre a existência de relacionamento
amoroso entre João e Maria e a experiência
sexual anterior de Maria. [valor: 3,50 pontos]
4 Disserte sobre a possibilidade de ter ocorrido
erro de proibição na hipótese considerada.
[valor: 3,50 pontos]
QUESTÃO 4:
Com o emprego de uma chave falsa, José entrou no depósito de um
estabelecimento comercial de material para construção, de onde subtraiu
para si objetos da empresa, avaliados em R$ 200, e, também, um telefone
celular, avaliado em R$ 100, posteriormente identificado como pertencente
ao vigia do local, que o havia deixado sobre uma mesa em frente ao
depósito, ao sair para realizar uma ronda. Em seguida, José empreendeu
fuga. Após investigações e a juntada de laudo de avaliação dos bens e do
laudo que atestou no inquérito ser falsa a chave, José foi acusado de ser o
autor do fato, oportunidade em que, também, foi devidamente atestada a
sua primariedade. O inquérito está em fase de elaboração de relatório.

Com relação à situação hipotética acima descrita, disserte a respeito dos


seguintes aspectos:
1 tipificação da conduta de José e possibilidade de coexistência de
qualificadora com o privilégio no crime em questão; [valor: 3,50 pontos]
2 emprego de chave falsa; [valor: 3,50 pontos]
3 valor dos bens subtraídos e primariedade do agente; [valor: 3,50 pontos]
4 concurso de crimes e sua consequência. [valor: 3,75 pontos]
QUESTÃO 5:
Dois homens — um empunhando um revólver; o outro, uma faca —
abordaram, por volta de 20 h 30 min de determinado dia, duas moças que
caminhavam em uma rua e as ameaçaram, exigindo que lhes entregassem
seus telefones celulares, tendo sido prontamente atendidos. Comunicado o
fato, a autoridade policial instaurou inquérito policial e, dois dias depois, os
investigadores chegaram aos dois suspeitos, conhecidos pela contumácia na
prática dessa ação criminosa. Levados os suspeitos à delegacia, as vítimas
prontamente os reconheceram como autores dos roubos, mas sem que a
autoridade policial observasse as normas do Código de Processo Penal que
regulam o procedimento de reconhecimento de pessoas (art. 226 do Código
de Processo Penal).

A partir da situação hipotética acima apresentada, elabore um texto


fundamentado no posicionamento dos tribunais superiores, respondendo aos
seguintes questionamentos.
1 Em que consiste o reconhecimento de pessoa? [valor: 4,25 pontos]
2 Em que fase da persecução penal deve ocorrer o reconhecimento de
pessoa? [valor: 5,00 pontos]
3 Dadas as circunstâncias descritas na situação hipotética em apreço, poderá
haver nulidade no auto de reconhecimento de pessoa e, em consequência
disso, a anulação do processo penal instaurado com base no inquérito
policial? [valor: 5,00 pontos]
QUESTÃO 6
Com relação aos meios operacionais para a prevenção e
repressão de ações praticadas por organizações
criminosas, discorra sobre o instituto da ação
controlada, previsto na Lei n.º 12.850/2013 — que
estabelece, entre outros, preceitos legais sobre os
crimes organizados —, abordando, necessariamente, os
seguintes aspectos.
1 Conceito e alcance do instituto. [valor: 7,25 pontos]
2 Exigência ou não de prévia ordem judicial para a adoção
do procedimento pela autoridade policial, à luz da
previsão legal e dos posicionamentos doutrinários sobre
o assunto. [valor: 7,00 pontos]
QUESTÃO 7
A Lei n.º 11.340/2006, também conhecida como Lei Maria da Penha, criou
mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher,
estabelecendo, entre outras, medidas de proteção às mulheres em situações de
abuso e de agressões. Considerando as disposições da lei em referência e o
entendimento dos tribunais superiores, discorra sobre os seguintes tópicos.

1 Procedimento a ser instaurado pela autoridade policial nos crimes de lesão corporal
leve, de ameaça e de injúria cometidos contra a mulher em situação de violência
doméstica, levando-se em consideração a natureza da ação penal nos respectivos
crimes. [valor: 5,25 pontos]

2 Possibilidade de retratação da vítima, no âmbito policial, quanto aos crimes


indicados. [valor: 5,00 pontos]

3 Possibilidade de aplicação da Lei n.º 9.099/1995 e de seus institutos


despenalizadores nos casos dos referidos crimes cometidos em âmbito doméstico
contra a mulher. [valor: 4,00 pontos]
PC-MT
PC-PE
PC-CE
PC-AL
PC-BA
PC-SE
PC-AL
PC-RN
PC-PB
PC-MG
PC-SP
PC-RJ
PC-ES
PC-DF
PC-AM
PC-AP
PC-RO
PC-RR
PC-AC
PC-PA
PC-SC
PC-RS
PC-PR
EMAGIS
(a) informações em habeas corpus em caso envolvendo indiciamento
de autoridade com prerrogativa de foro;
(b) prova prática do concurso para Delegado de Polícia Civil do Ceará;
(c) prova prática do concurso para Delegado da Polícia Civil da Bahia
CESPE;
(d) prova prática do concurso para Delegado da Polícia Federal CESPE
(adaptada);
(e) bloco com duas questões discursivas sobre a Lei de Drogas;
(f) bloco com quatro questões discursivas sobre temas atuais de direito
constitucional;
(g) dissertação envolvendo vários aspectos relacionados aos crimes de
responsabilidade; e
(h) dissertação envolvendo vários aspectos relacionados à tortura
policial.
EMAGIS 2
(a) portaria de instauração de inquérito policial;
(b) auto de prisão em flagrante;
(c) representação por prisão temporária e busca
e apreensão;
(d) relatório final de inquérito policial;
(e) parecer administrativo;
(f) despacho na forma de nota técnica; e
(g) dissertação.