You are on page 1of 11

Documentário “Saudades do Brasil”, sobre

Levi-Strauss.
• Documentário produzido em 2005, que reconstitui a experiência do
antropólogo Claude Lévi-Strauss no país, onde chegou em 1935,
integrando o segundo grupo de professores europeus que vieram ensinar
na recém-criada Universidade de São Paulo (USP).
De uma delicadeza, uma sensibilidade, e uma perspicácia difíceis de obter em obras
do gênero, o filme trás depoimentos de intelectuais como Roberto Cardoso de
Oliveira, Antonio Cândido, Jean Malaurie (editor de "Tristes Trópicos", obra do
antropólogo sobre a qual versa quase a metade do filme, e que o catapultou do
ostracismo ao sucesso acadêmico e editorial na Europa, quando foi lançada, na década
de 50), Manuela Carneiro, Eduardo Viveiros de Castro; da atriz Juliana Carneiro da
Cunha, além da participação especial de Caetano Veloso, que contribui cantando
trechos de algumas músicas de sua autoria.
Levi-Strauss organizou, com
o apoio do escritor Mario
de Andrade, as famosas
expedições às aldeias
Bororo, Kadiwéu e
Nambiquara,
minuciosamente
retratadas 15 anos
depois, no livro Tristes
Trópicos.
Levi-Strauss inicia a entrevista que permeia o
documentário explicando o contexto da
publicação daquela obra, e dá a entender que se
tratava de sua "cartada final” em busca de uma
carreira exitosa, pois naquele momento ele
vinha de fracassos, e achava que havia caído no
isolamento.
•Em seguida explica que seu desembarque na Etnologia (que era o
termo pelo qual era conhecida a Antropologia na Europa

Continental) se deu mais por eliminação das demais disciplinas

com as quais ele não se entusiasmava tanto, a saber, a Filosofia (sua

formação inicial) e a Sociologia, e tece contundentes críticas

epistemológicas à perspectiva acadêmica então hegemônica na

Europa.
Conta que procurou os conselhos, ainda como um obscuro estudante, de
Marcel Mauss e de Levy-Bruhl, os quais o acolheram muito gentilmente
e o incentivaram a se embrenhar pelo trabalho de campo em outro
continente.

A seguir, deixa clara a profunda influência metodológica de Marx em


sua obra, notadamente no entendimento de que o real não se apresenta
claramente na realidade exterior, e de que sua natureza transparece nas
máscaras que o escondem.
• Na sequência, mostra-se o trabalho de Levi-Strauss como um dos
professores franceses pioneiros a ensinar na USP, fundada pela burguesia
paulista em meados da década de 30, nas pegadas do fracasso de sua
"Revolução Constitucionalista".
O filme mostra ainda a rotina do cientista, que alternava o trabalho diário
em casa com duas ou três idas semanais ao escritório localizado na
biblioteca da École des Hautes Etudes de Paris, onde ele trabalhava
cercado de objetos que denunciavam suas saudades do Brasil: pequenas
cerâmicas Kadiwéu, um mapa da América do Sul na parede, livros do
pintor Guido Boggiani, e de Mário de Andrade e Euclides da Cunha.
O documentário se encerra com a leitura de uma
carta do antropólogo à sua esposa, Dinah.
OBRIGADO,

FIM

Related Interests